Arquivo da tag: #Jerusalém

As vozes do “terror iraniano” no parlamento brasileiro

Por Andréa Fernandes

Um dia após a prolação de mais uma resolução antissemita da Assembleia Geral da ONU condenando Israel por “uso excessivo da força” e negando acréscimento de condenação explícita aos ataques terroristas, bem como o lançamento de foguetes contra a população civil de Israel promovidos pelo grupo terrorista Hamas[1], o Brasil abraça definitivamente a agenda islâmica extremista do Irã celebrando no Plenário da Câmara dos Deputados o “Dia de Al-Quds[2].

Mas, o que é comemorado no “Dia de Al-Quds”? Esse é o título referente ao nome árabe de Jerusalém e a data celebrada por diversos muçulmanos foi inventada pelo falecido aiatolá Ruhollah Khomeini, líder da sanguinária revolução iraniana de 1979, que impôs um dos mais brutais regimes teocráticos do mundo muçulmano, famoso por promover atrocidades contra a população impondo uso obrigatório do véu para as mulheres sob pena de prisão e enforcando milhares de homossexuais, além de diversas outras brutalidades medievais em nome da sharia (lei islâmica).

Dessa forma, o “Dia de Al-Quds” é um evento anual realizado na última sexta-feira do Ramadã[3] por iniciativa do Irã propondo unificar o mundo muçulmano para “libertar” o povo palestino da “disputada ocupação da entidade sionista” com protestos em apoio aos palestinos e consequente oposição ao sionismo, à existência de Israel e ao controle do Estado judeu sobre Jerusalém. Assim, a “celebração” é realizada em forma de “marchas” conclamando nada mais que a DESTRUIÇÃO DE ISRAEL com ataques antissemitas, sendo comuns os gritos “morte à Israel” e “morte à América”, não faltando a queima de retratos do chanceler israelense Benjamin Netanyahu e do rei da Arábia Saudita Salman Al-Saud, o qual entra nos “discursos de ódio” por causa do conflito sectário entre o xiismo iraniano e o sunismo saudita.

A natureza belicosa da celebração de Al-Quds é farta. No ano de 2015, o general Safavi, então assessor militar do aiatolá Khamenei, discursou propalando tacitamente apoio militar iraniano à violência anti-Israel: “a união dos muçulmanos e a CONTINUAÇÃO DA JIHAD ARMADA e a resistência islâmica da nação palestina constituem A ÚNICA ESTRATÉGIA PARA SALVAR E LIBERTAR A SANTA QUDS”. Em 2018, Nazim Ali, diretor da Comissão Islâmica de Direitos Humanos e líder do Dia Mundial de Al-Quds, realizado em Londres, na condição de organizador da marcha anual pediu a “aniquilação de Israel” e acusou os judeus da prática de crime em relação ao incêndio num complexo de apartamentos ocorrido em 2017[4].

Ora, será que o brasileiro, em geral, apoiaria uma celebração onde a jihad (guerra santa) é apregoada contra a população civil de Israel para a formação de um Estado palestino? Por sinal, nos meios diplomáticos, o Brasil se orgulha por supostamente defender a “paz” nos foros internacionais em meio aos mais diversos conflitos, mesmo em casos absurdos como o combate ao Estado Islâmico, quando a presidente impichada Dilma Roussef defendeu a estratégia da “negociação” com a facção terrorista que decapitava cristãos nos territórios ocupados pela jihad.

Já imaginando a possibilidade de algum entusiasta da “causa palestina” afirmar que em países ocidentais os protestos não costumam contemplar manifestações antissemitas – o que é natural, uma vez que a imprensa normalmente não noticia casos de judeufobia – vale informar que tal qual ocorre no Irã, Síria ou em outros países muçulmanos, “manifestantes pacíficos” queimam bandeiras e “gritam morte à Israel” não apenas em Londres. Inacreditavelmente, os atos de ódio acontecem em algumas cidades no Ocidente.

Na Grã-Bretanha,  o “evento de ódio” acontece desde o ano de 2012 e tem milhares de pessoas marchando pelo centro de Londres com a presença garantida de apoiadores do grupo terrorista Hezbollah que vibram hasteando bandeiras da facção ostentando um fuzil AK 47 como “símbolo da paz”. O Hezbollah, também conhecido como “Partido de Alá” é um grupo terrorista islâmico xiita estabelecido no Líbano e financiado pelo Irã. Embora suas lideranças não façam distinção entre as atividades políticas e militares, o Reino Unido decidiu banir apenas a ala militar mantendo como “legal” a ala política, ao contrário de países como Japão, Canadá, França, Estados Unidos, dentre outros, que baniram a organização islâmica reconhecendo-a como “terrorista”.

A marcha de domingo em Londres não foi diferente dos anos anteriores: muitíssimos pedidos para proibir as bandeiras do Hezbollah foram realizados e até petição com 17 mil assinaturas foi apresentada tentando convencer o ministro do interior Sajid Javid[5], que é muçulmano, filho de imigrantes paquistaneses[6]. Porém, o ministro Sajid sabe como “bom muçulmano” que não há separação entre “mesquita” e “Estado”, de forma que o dogma religioso islâmico deve prevalecer sobre suas decisões como representante de um Estado que nada mais tem de secular, pois já se submeteu às exigências das lideranças islâmicas. Sajid não ousaria perturbar os agentes do “Partido de Alá” na sua manifestação religiosa de apoio à jihad contra os judeus!

Se ainda assim, houver “um pitaco” de dúvida sobre a beligerância do “filhote do Irã” (Hezbollah) e a real motivação do Dia de Al-Quds, aconselho consultar o discurso do seu líder libanês, Hassan Nasrallah, na sexta-feira sagrada para os muçulmanos, que serviu de notória ameaça de guerra, leia-se “jihad”, termo mais apropriado para os islâmicos ortodoxos: Não queremos destruir, matar ou jogar alguém no mar. Peguem seus aviões e barcos e voltem para os países de onde vocês vieram. Mas se vocês insistirem na ocupação, o DIA DA GRANDE GUERRA ESTÁ CHEGANDO, o dia em que todos nós iremos orar em Jerusalém.

Em Toronto, no Canadá, o sheik Shafiq Hudda, diretor do Serviço Humanitário Islâmico, em Kitchener, disse durante a manifestação que chegará o dia em que “veremos a erradicação dos poderes injustos como o império norte-americano e como os sionistas israelenses[7]”.

Todavia, sabedor de que falta ao brasileiro conhecimento sobre a “cultura de ódio do Irã”, o deputado federal Evandro Roman, do Partido Social Democrático (PSD/Paraná), que também é presidente do Grupo Parlamentar Brasil-Irã, se habilitou como proponente de uma Sessão Solene em Homenagem ao Dia Mundial de Al-Quds[8]. O gesto de estranha “afeição” aos propósitos jihadistas do Irã é o resultado de uma política de aproximação com totalitárias ditaduras islâmicas desde o governo Lula. Em março, o deputado Evandro teve encontro na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional com o embaixador iraniano no Brasil Seyed Ali Saghaeyan e o presidente da Comissão de Agricultura, Água e Recursos Naturais do Parlamento Islâmico do Irã, Ali Akbari, tendo como suposto objetivo “impulsionar ainda mais a troca comercial e simplificar operações financeiras entre as duas economias, além de adensar os LAÇOS DE AMIZADE e de COOPERAÇÃO PARLAMENTAR[9].

Uma sessão solene honrando um evento costumeiramente de ódio contra o Estado judeu. Nada mais “útil” para aperfeiçoar os “laços de amizade” e “cooperação parlamentar” com um país que promete sempre “varrer Israel do mapa”! O deputado certamente tem conhecimento que o parlamento religioso iraniano jamais celebrará qualquer evento religioso em apoio ao Brasil.

Além disso, o deputado Evandro ainda utilizou de ardil quando a bancada evangélica pressionou o presidente da Câmara Rodrigo Maia, que temporariamente suspendeu a sessão solene, conforme noticiado na coluna do jornalista Ancelmo Gois[10]. Todavia, a suspensão só serviu para “mascarar” o evento, pois, apenas trocaram o nome de “Al-Quds” para “Jerusalém”ao mudar parte do título da sessão solene. Aliás, o deputado Evandro leu o discurso de Rodrigo Maia, frisando que o objetivo seria “homenagear a milenar cidade de Jerusalém, cujo nome em árabe é Al-Quds”, porém, deixou claro que “a data é comemorada na última sexta-feira do mês sagrado do Ramadã”. A propósito, o embaixador do Estado palestino – que de fato não é reconhecido como tal pela ONU – esclareceu que o “Dia Mundial de Jerusalém” trata-se de evento criado pelo aiatolá Khomeini, fala esta repetida por autoridades islâmicas presentes.

O evento teve apoio do Deputado Ivan Valente (PSOL/SP), que demonstrou bizarro desconhecimento do tema, repetindo duas vezes o direito dos “povos palestinos”(sic) que remontaria à 1848, mostrando dificuldade de conhecimento acerca da data de independência do Estado de Israel, ocorrida no ano de 1948.

Durante a solenidade, uma senhora visivelmente desequilibrada passou a atacar o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC/SP), no momento em que fazia discurso expondo as violações dos direitos humanos promovidas por palestinos. Após alguns minutos, houve balbúrdia e o deputado Evandro ameaçou pedir a retirada daqueles que, descontrolados, tentavam impedir a fala de Eduardo Bolsonaro numa deprimente cena de intolerância ao pluralismo de ideias que deve vigorar em países democráticos. Espantosamente, o deputado que presidia a sessão solene ainda prometeu conceder o “direito à palavra” para a desordeira numa tentativa de acalmá-la, apesar da mesma não estar inscrita no programa oficial.

Fato é que a falaciosa motivação pacífica da sessão solene caiu por terra com o pronunciamento das lideranças convidadas: o Presidente do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Lutas pela Paz (Cebrapaz), por exemplo, defendeu abertamente a “intifada”(ações violentas) contra Israel, enfatizando que teria respaldo no “Direito Internacional”, e ainda justificando a pretensa “paz” que defende através da imposição da jihad contra o povo judeu. Por sua vez, além de proferir raivosas e inverídicas acusações contra Israel, o embaixador iraniano em irascível colocação chamou o país de “NÓDULO CANCERÍGENO no Oriente Médio” e ainda acusou o Estado judeu de “tentar deformar a identidade cultural” da região. O embaixador pediu apoio de “todos os defensores da liberdade no mundo”, omitindo a dura realidade: não há liberdade alguma no Irã, onde até o Tweeter foi banido pelo violento regime.

Enfim, se essa união imoral com um país totalitário islâmico continuar “inflamando corações” de parlamentares comunistas brasileiros – como o Evandro Roman e Ivan Valente PSOL/SP –  corremos o sério risco de vermos a cena da bandeira dos Estados Unidos sendo queimada no Congresso assim como aconteceu no Irã[11]. Enquanto isso, as minorias étnicas, religiosas e de gênero continuarão sendo perseguidas e torturadas sem a necessária solidariedade do “anão diplomático” chamado “Brasil, empenhado em salvaguardar o “direito à tirania” dos governos carniceiros que celebram os “encantos sanguinários da jihad”.

Publicado originalmente no Portal Gospel Prime  com  imagem Central da Pauta

Andréa Fernandes é jornalista, advogada, internacionalista, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, Líder do Movimento Nacional pelo Reconhecimento do Genocídio de Cristãos no Oriente Médio e colunista de alguns portais.

[1] https://ecoandoavozdosmartires.wordpress.com/2018/06/14/resolucao-da-onu-condena-israel-por-forca-excessiva-na-fronteira-de-gaza/

[2] http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/webcamara/videoArquivo?codSessao=74029#videoTitulo

[3] Mês sagrado dos muçulmanos onde é praticado o jejum ritual.

[4] https://www.gatestoneinstitute.org/12483/london-al-quds-terrorism

[5] https://altnewsmedia.net/general/al-quds-london-2018/

[6] https://www.thenews.com.pk/latest/311353-new-uk-interior-minister-is-son-of-pakistani-immigrants

[7] https://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/247375

[8] http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/POLITICA/558947-AGENDA-DO-DIA.html

[9] http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/credn/noticias/evandro-roman-recebe-parlamentar-iraniano-na-camara

[10] https://blogs.oglobo.globo.com/ancelmo/post/rodrigo-maia-suspende-sessao-de-evento-em-apoio-causa-palestina.html

[11] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/05/lider-supremo-do-ira-diz-que-trump-sera-comido-por-cobras-e-formigas.shtml

 

Anúncios

Paraguai vai abrir embaixada em Jerusalém na próxima terça-feira

País sul-americano será o terceiro, depois dos EUA e da Guatemala, a transferir sua missão diplomática para a capital

O governo do Paraguai disse na quinta-feira que o presidente Horacio Cartes abrirá a nova embaixada do país em Israel em Jerusalém na próxima terça-feira, seguindo passos semelhantes dos Estados Unidos e da Guatemala.

O porta-voz do governo, Mariano Mercado, disse que Cartes deixará seu país a caminho de Israel no sábado.

O Paraguai será o terceiro país a transferir sua embaixada para Jerusalém, depois que os Estados Unidos e a Guatemala abriram embaixadas na cidade nesta semana.

No mês passado, Cartes disse que queria transferir a embaixada do país para Jerusalém antes do final de seu mandato presidencial em agosto.

A decisão de transferir a embaixada para Jerusalém é controversa no Paraguai. Chega menos de dois meses antes que Mario Abdo Benitez substitua Cartes, e o presidente eleito disse que não foi consultado.

Israel reivindica a cidade inteira como sua capital eterna. Os palestinos buscam Jerusalém Oriental como sua futura capital e ficaram furiosos com os movimentos da embaixada.

A maioria dos países mantém embaixadas em Tel Aviv e se recusam a mudá-las até que o status legal internacional da cidade seja resolvido nas negociações entre Israel e os palestinos.

Além dos EUA, Guatemala e Paraguai, vários outros países expressaram interesse em transferir suas embaixadas para Israel, entre elas HondurasRepública Tcheca e Romênia .

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, contrariou o consenso internacional de longa data com seu reconhecimento em 6 de dezembro de Jerusalém como a capital de Israel, quando também anunciou que mudaria a embaixada para a cidade.

Em uma mensagem de vídeo mostrada na inauguração da embaixada de segunda-feira, Trump disse que seu reconhecimento era da “simples realidade de que a capital de Israel é Jerusalém“, notando que a cidade abriga as principais instalações governamentais de Israel, Suprema Corte, Gabinete do Primeiro Ministro e sede do presidente.

Ele também enfatizou que os EUA continuam empenhados em facilitar um acordo de paz entre israelenses e palestinos e pediu que Israel preserve o status quo em locais religiosos em Jerusalém.

Com imagem e informações de The Times of Israel

Paraguai transferirá embaixada para Jerusalém até o final de maio

Presidente Horacio Cartes participará de cerimônia de abertura. Ministro de Relações Exteriores de Israel confirma uma semana antes dos EUA transferirem sua embaixada

O Paraguai transferirá sua  embaixada para Jerusalém  até o final de maio, confirmou na segunda-feira o ministro das Relações Exteriores de Israel, exatamente uma semana antes de os EUA abrirem oficialmente sua embaixada na cidade. O Presidente Horacio Cartes participará da cerimônia de abertura.

Cartes anunciou há algumas semanas que o Paraguai transferirá sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém antes do final de seu mandato presidencial em cerca de três meses.

O anúncio foi feito em um evento que celebra o Dia da Independência de Israel na embaixada israelense em Assunção, no Paraguai.

A embaixada da Guatemala mudou-se para Jerusalém na semana passada . A cerimônia oficial de comemoração da mudança ocorrerá em 16 de maio, dois dias depois de os Estados Unidos transferirem sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, com a provável presença do presidente guatemalteco Jimmy Morales.

Pelo menos três placas de sinalização da “embaixada dos EUA” chegaram a em Jerusalém na segunda-feira, antes da abertura da missão na próxima semana, disse uma testemunha da Reuters.

As placas, em inglês, hebraico e árabe, foram instaladas por operários perto do sul de Jerusalém, em um edifício do consulado dos EUA que será reaproveitado como embaixada quando for oficialmente transferido em 14 de maio.

Isso não é um sonho – é a realidade! Hoje de manhã, estou orgulhoso e empolgado em instalar os primeiros sinais para a embaixada dos EUA, que será aberta na próxima semana em Jerusalém para tornar este momento histórico viável”, afirmou o prefeito Nir Barkat no Facebook.

Um trabalhador segura um sinal de estrada dirigindo para a embaixada dos EUA, na área do consulado dos EUA em Jerusalém, 7 de maio de 2018. REUTERS / Ronen Zvulun
                                     Foto: RONEN ZVULUN / REUTERS

O ministro da Defesa  Avigdor Lieberman  , disse neste sábado que realocar a Embaixada dos EUA em Israel para  Jerusalém  “virá a ser um preço“, mas acrescentou que era um preço “vale a pena pagar.”

O presidente dos EUA,  Donald Trump,  disse no mês passado que  ainda “pode ​​ir  à cerimônia em Jerusalém celebrando a abertura da embaixada americana, e se vangloriou de poupar dinheiro ao rejeitar uma proposta inicial de destinar US$ 1 bilhão para a construção de uma nova embaixada. substituindo-a por um plano significativamente mais moderado, custando cerca de US $ 400.000.

Espera- se que Kushner e Ivanka Trump  representem a administração dos EUA  na cerimônia de abertura , confirmaram autoridades israelenses no mês passado. Senadores americanos e membros da Câmara dos Representantes também participarão.

Com informações de Haaretz e imagem de The Times of Israel

Fúria palestina: Trump é culpado ou inocente?

Por Andréa Fernandes

Dias após a decisão histórica de Trump em reconhecer Jerusalém como capital de Israel, as manchetes dos jornais de sábado passaram a ter como protagonista o Iraque, que declarou oficialmente o fim da luta contra o Estado Islâmico após 3 anos de conflito que ocasionou a perda de quase um terço do território iraquiano, incluindo Mosul, a segunda maior cidade do país. Apesar de celebrar a expulsão do grupo terrorista reconquistando o território perdido na “guerra religiosa”, o governo reconhece a possibilidade de jihadistas do grupo terrorista voltarem com atos de guerrilha[1].

Em segundo plano ficou mais um “dia de fúria” palestina” contra Israel estimulado pelas lideranças religiosas e políticas que mantêm a velha prática de usar as populações de Gaza, Jerusalém e Cisjordânia em ações violentas a fim de promover “rios de sangue” para acusar Israel de violações dos direitos humanos ao repelir manifestações irascíveis e contra-atacar os foguetes lançados por terroristas contra a população civil israelense.

Alheia à violência praticamente diária que os palestinos costumavam promover contra israelenses antes da decisão de Trump, a grande mídia fez questão de noticiar que ataques aéreos israelenses mataram dois palestinos em Gaza e acusaram Trump pelo acontecimento[2], como se fosse do presidente estadunidense a culpa pela doutrina religiosa islâmica considerando toda terra de Israel território waqf, sendo esse um dos motivos para a “indisposição permanente” dos palestinos de levarem adiante o processo de paz com Israel. Na verdade, as Forças de Defesa de Israel (FDI) atingiram quatro alvos terroristas em resposta a mais um foguete proveniente de Gaza que atingiu a cidade de Sderot objetivando matar civis israelenses[3].

A falta de divulgação dos “meandros islâmicos” impede a opinião pública de entender alguns “detalhes” do conflito. Assim, faz-se necessário explicar para não-muçulmanos o conceito “waqf”, o qual foi muito utilizado pelo “líder nazislâmico” Amin al-Husseini, intitulado de forma indevida pelos britânicos “grande mufti de Jerusalém”. O famoso líder palestino – que desejava impetuosamente o genocídio de judeus e constava da “folha de pagamento” dos nazistas por seus horrendos serviços de apoio ao Holocausto – chamou a inexistente “Palestina” de “terra waqf.

A palavra “waqf” significa literalmente “detenção” e segundo estudiosos muçulmanos, refere-se “à detenção de uma propriedade para que seu produto ou renda possa estar sempre disponível para fins religiosos ou de caridade. Quando um waqf é criado, a propriedade é detida, ou está “amarrada” para sempre e depois torna-se intransferível”. Dentre as “consequências jurídicas” para uma propriedade waqf, convém citar a dedicação a Alá, a irrevogabilidade, a perpetuidade e a inalienabilidade[4].

Agora, creio que faz sentido explicar que o grande mufti de Jerusalém e outros líderes árabes – à exceção do rei Abdullah, da então Transjordânia (atual Jordânia) – rejeitaram o plano de partição da “Palestina” em dois Estados, um árabe e outro judeu, sugerido pela Comissão Peel em 1937. O motivo? Amin al-Husseini defendeu argumentação religiosa afirmando que a “Palestina” era “terra waqf”, o que a tornava impossível de “ser dividida”, mesmo que minoritariamente com os judeus, sendo, portanto, uma espécie de “legado muçulmano” que deveria ser preservado exclusivamente nas mãos dos árabes “submissos a Alá”. Dessa forma, o Estado judeu não deveria existir… o tempo passou, mas o argumento perpetuou…

Com o estabelecimento do Estado de Israel em 1948, a argumentação religiosa antissemita veio à lume novamente com força através da criação do grupo terrorista Hamas em 1987, que em sua Carta de constituição, no Capítulo III, tem como subtítulo “A Palestina é um waqf islâmico (propriedade concedida, doada)” e no Artigo 11, estipula:

Art. 11- O Movimento de Resistência Islâmica sustenta que a Palestina é um território de Wakf, (legado hereditário) para todas as gerações de muçulmanos, até o Dia da Ressurreição. Ninguém pode negligenciar essa terra, nem mesmo uma parte dela, nem abandoná-la, ou parte dela. Nenhum Estado Árabe, ou mesmo todos os Estados Árabes (juntos) têm o direito de faze-lo; nenhum Rei ou Presidente tem esse direito, nem tampouco todos os Reis ou Presidentes juntos, nenhuma organização, ou todas as organizações juntas – sejam elas palestinas ou árabes – têm o direito de faze-lo, porque a Palestina é território Wakf, dado para todas as gerações de muçulmanos, até o Dia da Ressurreição.

Esse é o status legal da terra da Palestina de acordo com a Lei Islâmica. A esse respeito, é igual a quaisquer outras terras que os muçulmanos tenham conquistado pela força, porque os muçulmanos a consagraram, à época da conquista, como legado hereditário para todas as gerações de muçulmanos, até o Dia da Ressurreição. Assim ocorreu quando foi completada a conquista de Al-Sha’m (8) e do Iraque, e os Comandantes dos exércitos muçulmanos enviaram mensagens ao Califa ‘Umar b. Al-Khattab, pedindo instruções a respeito das terras conquistadas – dividi-las entre as tropas ou deixa-las em mãos dos seus proprietários, ou proceder de outra forma[5].

Em parte do Artigo 13, ainda preceitua:

“Não há solução para o problema palestino a não ser pela jihad (guerra santa).”

Os fundamentos totalitários e terroristas com base religiosa do “documento” – que não é contestado pelos defensores da “causa palestina” – podem ser vislumbrados também no seguinte preceito:

Israel existirá e continuará existindo até que o Islã o faça desaparecer, como fez desaparecer a todos aqueles que existiram anteriormente a ele. (segundo palavras do mártir, Iman Hasan al-Banna, com a graça de Alá). 

E se alguém levantar a hipótese de que os “palestinos” não mais enxergam Israel como “território waqf”, aconselho consultar fontes dos seus movimentos espalhados pelo mundo. Num dos muitos sites tecendo distorções brutescas para validar a farsa do “direito” ao território de Israel, assim está escrito: A chamada ‘Palestina Histórica’ é todo território que engloba hoje Faixa de Gaza, Israel e Cisjordânia.[6]

Logo, uma vez que o Estatuto do Hamas corrobora o intento genocida dos seus seguidores, fato este ratificado por suas “autoridades religiosas” que em discursos inflamados nas mesquitas afirmam que “os judeus devem ser massacrados e mortos[7], torna-se debalde toda tentativa de criação de um Estado que não tenha condição mínima de proporcionar fronteiras seguras e pacíficas com Israel. A chamada Palestina é, na forma proposta por suas lideranças, um protótipo de Estado terrorista!

Portanto, culpar Trump por ações terroristas palestinas estimuladas por suas lideranças é uma verdadeira discrepância, uma vez que, conforme percebido pelo próprio presidente dos EUA – apesar das “promessas de campanha não cumpridas” dos presidentes antecessores  – não houve avanço nos processos de paz e muito menos no “acordo de reconciliação” entre as facções palestinas. A campanha de ódio palestino não precisa de “justificativa” para atacar Israel… Sem qualquer ação de Trump, desde janeiro de 2012, mais de 2.530 foguetes e morteiros foram disparados de Gaza e atingiram áreas civis israelenses[8].

O combustível para a “revolta dos palestinos” não está na decisão de um Estado soberano acerca da linha de política externa que adota, e sim, nos escritos sagrados islâmicos. Enquanto o Ocidente  não atentar para o lema do Hamas preconizado no Art. 8º do seu Estatuto, não perceberá que está apoiando a possível criação de mais um Estado totalitário islâmico tão perverso e sanguinário quanto Arábia Saudita e Irã.

O art. 8º dispõe:

Alá é a finalidade, o Profeta o modelo a ser seguido, o Alcorão a Constituição, a Jihad é o caminho e a morte por Alá é a sublime aspiração.

Cabe ao Ocidente escolher entre o “exemplo do profeta Mohammad” e as “ações de Trump, mas particularmente, eu rejeito a ideia de um povo tomar como “modelo” um “profeta”, que ao chegar em Yatrib (Medina) – com metade da população judaica – agiu de forma tão “amistosa”, que em 2 anos não havia mais judeus na referida “cidade sagrada”, os quais foram exilados, escravizados ou assassinados. Se em mais de 90 versos, o Alcorão vaticina que o profeta é o “padrão de vida perfeito” para todos os muçulmanos[9], o “desejo de matança” do Hamas e demais apoiadores realmente encontra amparo no mundo totalitário islâmico, porém seria “justo” a comunidade internacional tentar obrigar o governo israelense a apenas “observar” uma “chuva de foguetes” assassinar os seus nacionais?

Se a “Constituição” do Hamas obriga parte da população a “aspirar a morte por Alá” para criar um Estado islâmico na base da “jihad”, nada impede que Israel use a milenar ética judaica para escolher salvar o seu povo que “aspira a vida”!

Andréa Fernandes é jornalista, advogada, internacionalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires

Imagem:  EBC Agência Brasil

[1]https://www.theguardian.com/world/2017/dec/09/iraq-formally-declares-end-to-fight-against-islamic-state

[2] https://www.theguardian.com/world/2017/dec/09/israeli-airstrikes-kill-two-in-gaza-as-fallout-from-trump-decision-continues

[3]http://www.jpost.com/Breaking-News/IDF-hits-four-terror-targets-in-Gaza-following-a-rocket-attack-on-Sderot-517510

[4] https://www.lawctopus.com/academike/concept-waqf-muslim-law/

[5] http://www.beth-shalom.com.br/artigos/estatuto_hamas.html

[6] http://vivapalestina.com.br/a-historia-de-um-povo/

[7] https://www.youtube.com/watch?v=WmnpMXOpaM4

[8]http://www.jewishvirtuallibrary.org/palestinian-rocket-and-mortar-attacks-against-israel

[9] https://voiceofeurope.com/2017/12/why-islam-is-a-totalitarian-system-and-a-threat-for-every-non-muslim-civilisation/#.WivQedleo8Q.twitter

 

Os EUA reconhecem Jerusalém como capital de Israel: vem guerra por aí?

Por Andréa Fernandes

Antes de escrever sobre o evento histórico promovido pelos Estados Unidos no momento em que o presidente Donald Trump reconheceu Jerusalém como capital de Israel, resolvi dar uma espiada nas “análises” da galera suprassumo em política internacional e também na mídia árabe. Afinal de contas, nenhum país se importa realmente com os palestinos sob a ótica dos “direitos humanos”, uma vez que o intuito real é deslegitimar Israel na obsoleta oposição midiática comunista ao único país que não se afundou na desordem estimulada pelo ódio religioso e sectarismo, próprios de países muçulmanos.

Tão logo Trump cumpriu com o dever consignado na lei que o Congresso americano aprovou em 1995 – que prevê o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel e a consequente transferência da embaixada – e que vinha sendo covardemente postergado por seus antecessores, a comunidade internacional explodiu em fúria – não tão “calorosa” quanto os jihadistas que o Ocidente recebeu – criticando a ação americana num flagrante desrespeito à soberania do país.

O vozerio foi fortalecido pela União Europeia, na pessoa da chefe de política externa, Frederica Mogherini – aquela integrante do partido comunista italiano que “tietava” o terrorista Yasser Arafat[1] – irresignada, após o ato de Trump, disse: “acreditamos que a única solução realista para o conflito entre Israel e Palestina é baseada em dois Estados e com Jerusalém como a capital de ambos”[2]. Talvez, a tese dela em ciência política intitulada “A Relação entre Religião e Política no Islã”, seja o motivo de se empenhar em defender a “jihad palestina”, já que as ações criminosas de países muçulmanos não são do seu interesse, e sempre é bom lembrar que a diplomata hipócrita não anda preocupada com a ocupação de 37% do território cipriota pela Turquia, que mantém 40 mil soldados no norte do Chipre, invadido em 1974[3]. Por acaso, Frederica se manifestou na imprensa quando o “sultão Erdogan” avisou que “a Turquia nunca sairá do Chipre[4]? As pautas comunistas sempre privilegiam os “amantes da paz islâmica obtida pela espada”.

Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina – considerado “moderado” pelo Ocidente – ao ser informado por Trump através de telefonema acerca da sua decisão de mudar a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém acionou seu fiéis “ativistas-terroristas”, que convidaram fotógrafos e cinegrafistas para “visitar” Belém a fim de documentar um “evento importante”, qual seja, palestinos ensandecidos queimando cartazes com imagens de Trump e a bandeira de Israel[5]. O objetivo é simples: promoção da “propaganda de ódio” para levar a opinião pública a acreditar que a política de Trump incendiará a região, o que fez o presidente da Autoridade Palestina afirmar que “os Estados Unidos perderam o papel de mediador no Oriente Médio”[6].

Hoje, Abbas em pronunciamento agressivo afirmou que a “revolta palestina” deve continuar e o líder do movimento Fatah – também considerado moderado pelo Ocidente – disse que “Trump emitiu declaração de guerra contra o povo palestino”[7]. Abbas já havia ordenado o fechamento de escolas e na usual política retaliatória contra inocentes, o prefeito de Belém (ocupada por palestinos), também determinou o desligamento de todas as luzes de natal na área onde cristãos vêm  sofrendo limpeza religiosa desde o início da ocupação palestina. E se alguém vier com a lengalenga de que “palestinos não são ocupantes”, cabe lembrar que antes da Guerra de Independência de 1948, a população original de Ramallah era 90% cristã e de Belém, 80%. Além disso, o “pacisfismo islâmico” dos invasores palestinos proporcionou a seguinte realidade: em 1967, mais da metade dos moradores de Belém eram muçulmanos e Ramallah se tornou uma grande cidade muçulmana[8].

Aliás, vale uma breve digressão: o falecido terrorista Yasser Arafat mudou a demografia de Belém semelhantemente à estratégia de países muçulmanos na atualidade, ou seja, enviando milhares de muçulmanos de campos de refugiados, e como bem salienta o jornalista Giulio Meotti, transformou a cidade – outrora majoritariamente cristã – “num refúgio seguro para terroristas suicidas”, onde cemitérios e conventos foram profanados e cristãos transformados em escudos humanos pela perversa Organização para a Libertação da Palestina (OLP). De sorte que, a OLP e outros grupos islâmicos “ofertaram” aos cristãos nativos as mesmas atrocidades que seus homólogos do Estado Islâmico: casamento forçado, conversões, espancamentos, apropriação de terras, ataques incendiários, boicote comercial, tortura, sequestro, assédio sexual, extorsão, dentre outros crimes mantidos ocultos pela mídia vendida aos interesses árabes.

Após o pronunciamento histórico de Trump, Ismail Haniyeh, líder do grupo terrorista Hamas, fez o que sempre foi sua especialidade: conclamar o terror contra civis inocentes, e para tanto, pediu uma nova “intifada contra o inimigo sionista[9] como condenação à decisão de Trump no melhor estilo “jihad”. Contudo, a “ansiedade sanguinária” não resistiu esperar até o dia 8, quando deveriam ser iniciados os atos de violência, e com isso, os terroristas passaram a efetivar disparos de foguetes contra o território israelense ocasionando “resposta” de Israel direcionada às estruturas militares na Faixa de Gaza[10]. Seguindo a mesma “linha assassina”, o grupo terrorista xiita Hezbollah, financiado pelo Irã, também endossou a necessidade de intifada.

Incitados por suas lideranças, cerca de 3 mil palestinos saíram às ruas em protestos violentos em 30 locais na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, onde dezenas de manifestantes se reuniram perto da fronteira com Israel e lançaram pedras contra os soldados. A violência se intensificou no embate de palestinos contras as forças israelenses e segundo a imprensa palestina, já são 200 palestinos feridos e 1 morto.

Insta esclarecer que o “tom apocalíptico” de alguns jornais descambaram em distorções de ignorância ímpar como aconteceu com ‘O Globo’, ao consignar: “Diante da reação inflamada do mundo árabe, com protestos na Faixa De Gaza e na Turquia, o Exército israelense anunciou o envio de batalhões adicionais ao território palestino da Cisjordânia[11]”. O jornalista nervoso por externar o sensacionalismo de sempre, incluiu indevidamente a Turquia na lista de territórios integrantes do “mundo árabe”. O desespero tomou conta da redação…

De qualquer maneira, o mundo muçulmano é, de certo modo,  imprevisível, e as lideranças  palestinas se esforçam para conseguir o apoio que carecem para promover “arruaça terrorista” ao ponto de desencadear uma verdadeira “guerra”, tentando invalidar o ato legítimo de Trump, porém, deverão primeiro, convencer a monarquia saudita a validar sua ações, visto que numa proposta inusitada de “acordo”, a Arábia Saudita ofereceu a cidade de Abu Dis (próxima à Jerusalém Oriental) como a futura “capital da Palestina”, em vez de Jerusalém Oriental. E se ainda assim, o caro leitor tem dúvida do “apoio” que goza a Autoridade Palestina, cabe informar que Abbas foi pressionado pelo Egito e Arábia Saudita a não processar funcionários israelenses em tribunais internacionais como havia prometido, e decidiu… obedecer a “orientação”[12].

A Organização de Cooperação Islâmica (OIC) se manifestou ontem expressando rejeição à decisão de Trump e informou que convocará uma reunião extraordinária com os representantes dos Estados-membros em Istambul nos dias 12 e 13 de dezembro para “discutir as repercussões da decisão americana e formular uma posição islâmica unificada” sobre a questão[13].

O principal representante da “Palestina’ no Reino Unido, Manuel Hassassian, disse que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pelos Estados Unidos equivale a uma “declaração de guerra contra os muçulmanos[14]. Já o Papa Francisco e a ONU apelam para um “diálogo” sobre o status da cidade, mesmo sabendo que não está nos planos dos palestinos essa possibilidade. O Papa ressaltou que se “respeite” o status atual da cidade, pouco se importando que esse pedido absurdo, é, na realidade, um desrepeito ao direito milenar dos judeus à Jerusalém como sua capital indivisível.

Até o momento, as “ameaças explícitas” evidenciadas contra os Estados Unidos advêm do Estado Islâmico e al-Qaeda – grupos islâmicos que vivem em função de ameaças aos “infiéis ocidentais” de modo que não surpreende ninguém a revolta das lideranças dessas facções além do “irmão siamês” Hamas, que objetiva começar nova intifada.

Logo, aguardemos novos “sinais de fumaça islâmica” para sabermos até aonde vai a proclamação de jihad contra Israel e Estados Unidos, já reconhecendo que nessa sexta-feira a promessa de novos protestos se cumpriu em países como Malásia, Indonésia, Iêmen, Turquia, Jordânia, Egito e outros Estados africanos.

Nada mais “inspirador” para um candidato a “Estado terrorista”, que o pedido de suas lideranças exigindo o chamado “Dia de fúria” justamente após as “orações” no dia que é considerado “sagrado” para os seguidores da “religião da paz”.

Publicado originalmente em 08.12.2017, no Portal Gospel Prime

Imagem: g1.globo.com

[1] http://israelstreet.org/2014/11/08/communist-and-islamophile-federica-mogherini-returns-to-ramallah-and-gaza/

[2] https://www.jihadwatch.org/2017/12/eu-vows-push-to-make-jerusalem-capital-for-palestinians-too

[3] http://cyprus-mail.com/2017/07/20/cyprus-marks-43-years-since-turkish-invasion/

[4] https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2017/01/13/erdogan-diz-que-turquia-nunca-saira-do-chipre.htm

[5] https://www.gatestoneinstitute.org/11508/trump-jerusalem-speech-palestinians

[6] http://g1.globo.com/globo-news/jornal-das-dez/videos/t/todos-os-videos/v/mundo-islamico-protesta-apos-trump-reconhecer-jerusalem-como-capital-de-israel/6342958/

[7] https://www.timesofisrael.com/abbas-vows-palestinian-rage-will-continue-well-never-back-down/

[8] https://www.ynetnews.com/articles/0,7340,L-4221651,00.html

[9] https://www.middleeastmonitor.com/20171207-hamas-leader-calls-for-new-intifada-over-trump-decision/

[10] https://www.dn.pt/mundo/interior/jerusaem-israel-ataca-postos-militares-na-faixa-da-gaza-em-resposta-a-projeteis-8971462.html?utm_source=Push&utm_medium=Web

[11] https://oglobo.globo.com/mundo/confrontos-entre-soldados-israelenses-palestinos-deixam-ao-menos-104-feridos-22160770

[12] https://www.middleeastmonitor.com/20171123-under-saudi-egypt-pressure-abbas-retreat-from-prosecuting-israel/#at_pco=smlwn-1.0&at_si=5a29c8f6b0615634&at_ab=per-2&at_pos=0&at_tot=1

[13] http://www.arabnews.com/node/1205411/saudi-arabia

[14] https://g1.globo.com/mundo/noticia/reconhecer-jerusalem-como-capital-de-israel-e-declarar-guerra-diz-enviado-palestino-no-reino-unido.ghtml

 

Irán difunde vídeo en el que Jerusalém es destruida por Hezbollah

Un spot realizado por una organización vinculada a la Guardia Revolucionaria del régimen teocrático muestra a combatientes persas, de Hezbollah y Hamas, listos para conquistar la ciudad santa.

Irán continúa su campaña por la destrucción total de Israel. Un video publicado por un sitio iraní muestra a soldados persas de pie sobre una colina mirando hacia Jerusalén, previo a su conquista.

El clip animado comienza mostrando a cuatro combatientes con las caras cubiertas, atándose sus botas y preparando el armamento. Los soldados llevan insignias de la Guardia Revolucionaria iraní y de los grupos terroristas Hamas (Palestina) y Hezbollah (Líbano).

En la escena en la que aparecen los combatientes sobre la colina, de fondo brilla la emblemática mezquita Al Aqsa, que forma parte del complejo religioso de la explanada de las mezquitas de Jerusalén.

Seguido aparece un primer texto con la leyenda: “Los jóvenes verán el día que ocurrirá”, en referencia a la destrucción de Israel a manos de los musulmanes. Sobre el final del video, una nueva línea de texto destaca la intención iraní de que Israel “sea borrado de los anales de la historia”.
Fuente: InfoBae

Autorizado con la siguiente mención: http://www.estadodeisrael.com/2015/08/iran-difunde-video-en-el-que-jerusalem.html
© estadodeisrael.com

Netanyahu: “UNESCO no podrá romper la conexión del pueblo eterno con la ciudad eterna”

La resolución de la Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura (UNESCO) del mes pasado, que ignoró los vínculos del pueblo judío con el Monte del Templo y el Muro Occidental “es tan absurda, tan ridícula” que “no puedo superarlo”.
Israel no necesita disculparse ni justificar la presencia en su capital histórica, aseguró hoy, miércoles, el primer ministro, Benjamín Netanyahu, en una sesión especial de la Knesset (Parlamento) en honor de Iom Ierushalaim (Día de Jerusalem), que se conmemorará el próximo sábado y domingo.

 

El jefe de gobierno detalló esos lazos desde la época del rey David y el Primero y Segundo Templo, hace más de tres milenios.

También criticó la violencia e incitación de los palestinos, a cuya intolerancia adjudicó la falta de una efectiva libertad de culto para todos en esa zona.

Jerusalem es “una ciudad mixta, con un complejo tejido de vida”, donde “la coexistencia no es perfecta ni idílica, pero todavía existe” y “merece tranquilidad; no podemos permitir que alguien haga estallar el extremismo”, finalizó Netanyahu.

“Ninguna organización internacional puede romper nuestra conexión especial con Jerusalem, la conexión del pueblo eterno con la ciudad eterna”, señaló, por su parte, el líder de la oposición, Isaac Herzog, de la Unión Sionista.

Autorizado con la siguiente mención: http://www.estadodeisrael.com/2016/06/netanyahu-unesco-no-podra-romper-la.html
© estadodeisrael.com

Clérigo muçulmano é condenado por discursos que incitam massacre de judeus

Jerusalém (TPS) – Um clérigo muçulmano foi condenado por incitação, por ter proferido discursos no Monte do Templo nos quais ele disse que os judeus deveriam ser “massacrados” e que eles eram semelhantes aos “macacos e porcos”.

A sentença foi proferida pelo juiz Samuel Herbst no Tribunal de Magistrados de Jerusalém, condenando o xeique Omar Abu Sara por incitação à violência e por divulgação de incitação ao racismo.

Segundo a acusação, o xeique Abu Sara falou na capela Qibli da Mesquita Al-Aqsa em novembro de 2014 sobre “as características dos judeus de acordo com o Alcorão”. O discurso foi aplaudido pelo público, filmado, e carregado no dia seguinte para o YouTube.

No discurso, Abu Sara comparou judeus com “macacos e porcos” e os acusou de assassinar o profeta islâmico Maomé, juntamente com outros profetas. Ele também disse que os judeus têm de ser massacrados.

“Eu digo aos judeus explicitamente: É hora de massacrar vocês, lutar com vocês e matar vocês”, ele pregou. “Aguardamos o dia e momento quando chegar a hora de acabar com vocês, e vamos enfrentá-los, se Deus quiser (…) Deus, por favor acelera aquele dia, agiliza o dia da morte deles, acelera o dia em que purificamos Al-Aqsa da sua sujeira, acelera o dia em que um estado califado islâmico seja estabelecido”.

Em seu veredicto, o juiz Herbst disse que “quando eu olho para o réu vejo um ser humano, e é profundamente lamentável que quando ele olha para mim, ele veja um macaco ou um porco, destinado a ser impiedosamente exterminado”.

“Judeus e árabes vivem lado a lado em Israel, e isso não vai mudar”, Herbst continuou. “O réu e seus semelhantes inflamam tensão constante, que começa com discursos e termina com o atual registro de crianças e jovens segurando facas e direcionando-as para os corpos, a carne e gargantas de membros de outra nação”. “É hora de parar esta incitação, na Internet, em reuniões, e em locais de culto”, concluiu.

A queixa foi apresentada pela Honenu, uma organização de ajuda legal, em nome de Yehuda Glick, um conhecido defensor dos direitos dos judeus no Monte doTemplo, pouco depois de Glick sobreviver a um atentado contra sua vida por um terrorista palestino.

Em resposta à condenação, Honenu saudou a decisão, mas acrescentou que “infelizmente, quando se trata de incitação contra os judeus, cabe aos cidadãos e organizações ajudar o sistema legal a fazer o seu trabalho. Esperamos que estas mudanças políticas e que a polícia e o procurador da República façam o seu trabalho fielmente”.

“Espero que ele receba o castigo que ele merece”, comentou Yehuda Glick. “Eu também espero que isso desencoraje outros e que o Monte do Templo possa voltar a ser um centro de paz e não de incitação”.

Fonte: TPS / Texto: MichaelBachner / Tradução: Alessandra Franco 

Fonte: Agência Tazpit

Ataque terrorista punzante en Jerusalem

Un ataque punzante tuvo lugar en la calle Barazani en Jerusalém el domingo por la tarde, según los informes preliminares, hay una víctima herida de consideración.

La calle se encuentra en Armon Hanatziv, un barrio en el sureste de la capital.

El terrorista aparentemente ha escapado del sitio donde perpetró el apuñalamiento. Equipos médicos del Magen David Adom (MDA) están en camino a la escena.

Hay informes contradictorios de momento, algunas fuentes que indican que una de las víctimas fue levemente herida en el ataque, mientras que los equipos de MDA dicen que todavía tienen que localizar a la víctima.

El atacante Armon Hanatziv huyó a Sur Baher, un barrio árabe adyacente. Las fuerzas policiales están en camino para capturarlo, informa Maariv.

——- actualización ——-El terrorista fue capturado cerca de la escena.

El terrorista llegó a una parada de autobús a la calle Barazani en la capital, donde sacó un cuchillo y trató de apuñalar a un civil que esperaba para abordar el autobús. El cuchillo no logró penetrar y el atacante huyó de la escena. Un sospechoso que se ajusta a la descripción dada a la policía fue capturado en la zona poco después.
El terrorista no logró cumplir su cometido, debido a que el cuchillo se dobló, como puede apreciarse en la siguiente imagen:

Artículo copiado de: http://www.estadodeisrael.com/2016/01/ataque-terrorista-en-la-capital.html
© estadodeisrael.com

Por que o mundo está ignorando a onda de terror em Israel?

De Arsen Ostrovsky para o The Telegraph:

Na última semana, meu país, Israel, inclusive sua capital, a Sagrada Cidade de Jerusalém, esteve sob uma onda sem precedentes de terror palestino. Uma semana atrás, Eitam e Na’ama Henking foram brutalmente executados à queima-roupa por terroristas palestinos dentro do carro em que estavam. Seus filhos, Matan, 9 anos, Nitzan, 7, Neta, 4, e Itamar de 9 meses, agora órfãos, estavam sentados no banco de trás e milagrosamente saíram sem nenhum ferimento.

Dias depois, mais dois israelenses foram esfaqueados até a morte em Jerusalém. Uma das vítimas segurava o filho de dois anos no colo na hora do crime. Mais vidas e famílias foram destruídas.

Duas semanas atrás, Alexander Levlovitz estava a caminho de casa depois do jantar de Rosh Hashanah (Ano Novo Judeu) e foi assassinado por jovens palestinos que arremessaram pedras em direção ao seu carro, fazendo-o perder o controle.

Nas últimas 48 horas, Jerusalém, Tel Aviv e praticamente todas as partes de Israel, sofreram mais de 150 ataques terroristas incluindo esfaqueamentos, tiros, apedrejamentos e ataques com carros. E mesmo assim, por alguma razão, a comunidade internacional permanece em silêncio face à este terror contra meu povo.

Nosso sangue é mais barato? As vidas dos judeus não importam?

Não se deixe enganar. Estamos sendo atacados por uma razão e uma razão apenas: somos judeus.

Entendo que a Europa tem um número enorme de assuntos urgentes, incluindo o Estado Islâmico e a onda de refugiados Sírios. Mas e quanto a nós? Não contamos?

Muitos líderes, especialmente na Europa, são rápidos em condenar os nossos assentamentos, mas são lentos para condenar — ainda que de forma turva e equívoca — estes atentados terroristas. Igualmente agem os grupos de direitos humanos como o Rights Watch e Amnesty.

Então, quando vejo algumas das reportagens sobre estes ataques, como as da BBC, pergunto-me como é possível que distorçam totalmente os fatos e a lógica no intuito de culpar Israel pelo que está acontecendo.

Mais absurdo ainda é quando certos líderes internacionais — que só noticiam a situação quando Israel decide se defender — nos advertem, de maneira previsível, a exercitar “moderação”. Com é que é? Moderação?

Imagine por um momento se pessoas fossem atacadas com carros, armas de fogo ou facas por terroristas islâmicos nas principais ruas de Londres, Paris, Washington ou Moscou. De que maneira reagiriam os líderes destes países? Onde estão os chamados  liberais iluminados que constantemente demandam o Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) para o Estado de Israel, mas estão em silêncio face ao terror palestino contra os judeus?

Israelenses, assim como todos os demais, têm o direito de viver em paz a e segurança, livres do terror. E nosso governo e as forças de segurança têm a obrigação de tomar quaisquer medidas necessárias para garantir isto.

A tensão em Israel, especialmente em Jerusalém, está crescendo visivelmente. De alguma forma esta onda de terror parece diferente da bateria de mísseis do Hamas, no verão passado. Naquela ocasião, ao menos tínhamos o Iron Dome (Sistema de Defesa Aéreo) e tempo (pelo menos 15 segundos) para encontrar abrigo. Mas torna-se muito mais íntimo e pessoal quando um terrorista escolhe matá-lo à sangue frio.

Muito comentaristas e especialistas têm classificado estas ações como “ataques de lobos solitários”. Mas quantos ataques de lobos solitários são necessários para constituir uma onda coordenada de terror?

A verdade é que ataques como estes não surgem do nada. Assassinatos crueis como estes são o resultado direto da estrutura de infiltração palestina liderada pelo presidente palestino, Mahmoud Abbas, que doutrina o ódio, incita violência e propaga uma visão mundial que justifique estes atos de terror.

Menos de uma semana atrás, Abbas deu um discurso incendiário antes do plenário da Assembleia Geral das Nações Unidas, dando luz verde a esta onda de terror. Em discurso na rede de televisão palestina no dia 16 de setembro, Abbas disse orgulhosamente: “Abençoamos toda gota de sangue derramada em Jerusalém. Com a ajuda de Alá, todo shaheed (mártir) estará no céu.” Ele ainda disse, “Al-Aksa é nossa e também é a Igreja da Santa Sepultura. Eles (os judeus) não têm o direito de profaná-la com seus pés imundos.”

E as pessoas ainda se perguntam de onde estes terroristas obtém motivação.

A Autoridade Palestina não falhou somente em condenar esses ataques bárbaros de terror; eles agora, inacreditavelmente, buscam condenar Israel por defender seus cidadãos. Abbas sem dúvidas está dando significado ao termo “chutzpah” [1]. Seria esta a marca de um líder que clama pela paz?

Apenas quando a liderança palestina renunciar definitivamente ao terrorismo —  condenando e punindo todos os que pregam violência contra Israel e ódio ao povo judeu — poderá haver esperança de paz.

Enquanto a Autoridade Palestina insiste que o mundo reconheça um Estado Palestino, é preciso perguntar exatamente qual tipo de Estado ele deseja: um que ensine as virtudes da paz, ou incite a violência e glorifique o terror?

Em julho, num discurso cheio de novas ideias sobre o extremismo islâmico, o Primeiro Ministro britânico, David Cameron, deixou claro, se você disser que “violência em Londres não é justificável, mas bombas suicidas em Israel são um problema diferente”, então você também faz parte do problema.

Para todos aqueles que falham ao condenar este terror palestino, ou encontram maneiras de justificá-lo, distorcê-lo ou minimizá-lo, digo o mesmo : “Então você também fazem parte do problema.”

Arsen Ostrovsky, é advogado internacional do direitos humanos morando em Israel.

Tradução: Hélio Costa Jr.
Revisão: Hugo Silver

Fonte: http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/israel/11921994/Why-is-the-world-ignoring-a-wave-of-terror-in-Israel.html

Nota do Revisor:

[1] chutzpah: expressão de origem aramaica que significa “pessoa insolente”.

http://tradutoresdedireita.org/por-que-o-mundo-esta-ignorando-a-onda-de-terror-em-israel/