Arquivo da tag: #mãe

Mulher saudita oferece a filha como o presente ao policial que agiu como herói

Uma patriótica mãe saudita ofereceu a filha de 22 anos a um policial que matou um terrorista num tiroteio.

Uma mulher saudita chamada Umm Ahmad decidiu dar a sua filha de 22 anos como um presente para o policial Jubran Awaji, depois que ela descobriu que Awaji havia baleado e matado um terrorista em Riyadh.

 “Eu imediatamente anunciei a minha filha, Alaa, que viu um vídeo do incidente, porque eu estava orgulhosa deste homem que arriscou sua vida e eu desejei que ele se tornasse meu genro e se casasse com ela”, disse Umm Ahmad aos meios de comunicação.

Ela disse que não se importa se sua filha se torna a segunda ou até terceira esposa de Awaji e disse que sua oferta era genuína e sincera. Ela disse que não quer o mahr (preço da noiva) e vai pagar as despesas do casamento.

Quando contou ao marido sobre a oferta, ele disse: “Você alcançou tanta obsessão com o país e com o nacionalismo?”

No entanto, ele aprovou a oferta e elogiou a bravura de Awaji. Casamentos na Arábia Saudita são ilegais sem o consentimento do tutor masculino de uma mulher, inicialmente seu pai,  e mais tarde seu marido.

O incidente causou polêmica na mídia social saudita com muitos usuários condenando a atitude.

Um usuário do Twitter conduziu uma pesquisa perguntando se as pessoas apoiavam ou não a oferta. Cerca de 8.690 pessoas responderam, das quais 82% se opuseram à oferta dizendo que Alaa não deveria ser oferecido assim, enquanto 18% disseram que o oficial era um herói e merece.

“Não estamos dizendo que ele não é um herói”, escreveu outro usuário do Twitter, “mas você fez dessa garota um mero” camelo” que você traria como presente. O Islã garantiu a liberdade de uma mulher escolher quem quer que ela quer se casar. “

Outros usuários do Twitter condenaram a oferta estranha de várias maneiras:

“Nós apreciamos sua ação heróica, mas o ser humano tem sua honra e seu direito de escolher, especialmente no que diz respeito ao casamento que é a de sua esfera privada. Ela não é uma mercadoria a ser dada como um presente. “

“Em que tempos estamos vivendo? Confie em Deus e faça as coisas de acordo com a sua fé. Não use sua emoção às custas de suas filhas. O contrato de casamento não pode ser válido sem o consentimento da mulher para se casar. “

 “A filha é um ser humano. Ela tem seus direitos e suas obrigações. Ela tem o direito de escolher o que quer e recusar o que não quer. Por que ela está sendo tratada como um sacrifício? “

http://www.clarionproject.org/news/saudi-woman-offered-gift-hero-police-officer

Anúncios

Estado islâmico queima mãe e quatro filhos por deixarem o califado

Uma fonte de segurança na província de Kirkuk revelou que o Estado Islâmico queimou uma família de cinco pessoas (mãe e quatro filhos) por deixar a terra do califado, a sudoeste de Kirkuk, informou Alsumaria no sábado.

Membros do Estado Islâmico queimaram toda uma família que consistia em mãe e quatro filhos (três meninas e um bebê de 9 meses) em Hawija, por deixar a terra do califado e fugir para Kirkuk, disse a fonte.

O Estado islâmico capturou a família na estrada que ligava a área de al-Riyad às montanhas de Hamrin, e os queimou na frente de um grupo de civis, que estavam na área de al-Alam a leste de Salahuddin, disse a fonte adicionada na condição de anonimato.

Os membros do Estado Islâmico amarraram a mãe e seus filhos, em seguida, derramou petróleo sobre eles e os incendiou, explicou a fonte.

Imagem: Reuters

https://www.jihadwatch.org/2017/01/islamic-state-burns-mother-and-four-children-for-leaving-the-caliphate

Mãe jihadista beija filhas com idades entre sete e nove anos como adeus para enviá-las em missão suicida

A menina de sete anos de idade foi identificada por ter morrido em uma explosão de bomba detonada por controle remoto dentro de uma delegacia de polícia síria logo após a filmagem.

O momento angustiante de uma mãe beijar suas duas filhas em adeus antes de enviá-las em uma missão suicida foi capturado pela câmera.

Uma das duas meninas, que acreditava ter sete e nove anos, morreu depois de detonar uma bomba suicida em uma delegacia pouco depois.

As crianças são retratadas por um fanático barbudo em um clipe, enquanto imagens separadas mostram o operador de câmera dando aulas às duas crianças e instruindo-as sobre como realizar um ataque.

Uma mulher vestida de burka, entendida como sua mãe, segura as crianças e beija carinhosamente suas cabeças e mãos enquanto estão em um quarto decorado somente por uma bandeira preta e branca.

A filmagem mostra a  fanática beijando as meninas, que estão vestidas com chapéus e lenços de lã.

Um fanático barbudo dá palestra às meninas em um clipe
Ele os instrui sobre como realizar um ataque
As duas meninas são vestidas com burkas 

Acredita-se que pouco tempo depois, a menina de sete anos de idade pode ter entrado em uma delegacia na capital da Síria, Damasco, calmamente pedindo para usar o banheiro.

Ela foi morta numa explosão num ataque a bomba por controle remoto, que destruiu o edifício.

Não é confirmado se a menina que morreu no bombardeio da delegacia de polícia é o mesmo apresentado na filmagem.

A mãe abraça e beija cada criança separadamente antes de enviá-las em seu caminho
É impossível verificar as filmagens

A explosão no bairro ocupado de Midan, na capital da Síria, feriu três policiais, relata o jornal Al-Watan.

Ainda não está claro quem ordenou o ataque, mas há relatos locais de que o pai era membro de Jabhat Fateh al-Sham, anteriormente conhecido como al-Qaeda-ligado Al-Nusra Frente.

As crianças estão na frente de uma bandeira preta e branca vestida em chapéus e em scarves woolly

Imagens perturbadoras mostram os danos causados à delegacia de Damasco antes e depois da explosão da bomba.

O interior do edifício está repleto de caixas e móveis quebrados, enquanto os detritos se espalham pelo bairro

http://www.mirror.co.uk/news/uk-news/jihadi-parents-kiss-daughters-aged-9494372.

A paquistanesa de 18 anos torturada e morta pela própria mãe após se casar por amor

Ela não queria ir, mas minha família a convenceu. Como saberíamos que eles a matariam desta maneira?”, disse Hassan Khan sobre a morte de sua mulher no Paquistão.

 Zeenat Rafig, de 18 anos, foi torturada, estrangulada e queimada viva,segundo a polícia paquistanesa confirmou à BBC.

Uma necropsia deverá apontar se a jovem estava viva no momento em que foi queimada.

O assassinato ocorreu uma semana após Zeenat se casar sem autorização de sua família, o que é considerado uma desonra no Paquistão.

Crime familiar

O superintendente da policía de Lahore, Ibadat Nisar, afirmou que o irmão de Zeenat é suspeito e está foragido. A mãe foi encontrada em casa com o corpo da jovem.

A mãe confessou o crime, mas é difícil acreditar que uma mulher de 50 anos tenha cometido um ato desse sozinha, sem ajuda de outros membros da família”, disse Nisar.

Vizinhos chamaram a polícia após escutar gritos, mas a mulher já estava morta no momento em que as autoridades chegaram.

Hassan Khan-Zeenat RafigImage copyrightAFP
Image captionHassan Khan, marido de Zeenat Rafig, com a certidão de casamento do casal

Rafiq e Hassan Khan se casaram há uma semana, depois de a jovem ter fugido para morar com a família do marido.

Quando ela contou a seus pais sobre nós, foi agredida tão fortemente que sangrou pela boca e nariz“, disse Khan ao serviço em urdu daBBC.

Naquela ocasião, diz o viúvo, a família de Zeenat a levou “com a promessa de reconciliação e uma recepção adequada pelo casamento”.

“Ela tinha medo e disse: ‘Não irão me perdoar’. Ela não queria ir, mas minha família a convenceu. Como iríamos saber que a matariam?”, afirmou.

Outros casos

O assassinato de Zeenat Rafigé o terceiro do tipo em um mês no Paquistão, país onde ataques contra mulheres que contestam regras conservadoras sobre o amor e o casamento são comuns.

Na semana passada, uma jovem professora, María Sadaqat, foi queimada viva na cidade de Murree, perto de Islamabad, após rejeitar uma proposta de casamento. Morreu em consequência dos graves ferimentos que sofreu.

Um mês antes, veteranos de um povoado perto de Abbottabad ordenaram o assassinato de uma adolescente que foi queimada até à morte porque ajudara uma amiga a fugir, de acordo com a polícia.

Protesta mujeresImage copyrightAFP
Image captionAtivistas no Paquistão exigiram o fim da violência de gênero no Dia Internacional da Mulher, em março

Sem mudanças

Cerca de 1.100 mulheres foram mortas por parentes no Paquistão no ano passado nos chamados “crimes de honra”, afirma a Comissão de Direitos Humanos do Paquistão (CDHP). Muitos casos não chegam a ser denunciados.

Violência contra mulheres praticada por pessoas de fora da família também é recorrente.

Najam U Din, diretor-adjunto da CDHP, afirma que as atitudes sociais não mudaram no país, a despeito da melhor educação e maior liberdade proporcionadas à mulher.

“Quando as mulheres se tornam mais firmes, mais reativas à submissão dentro da família – quando querem, por exemplo, continuar estudando ou tomar decisões independentes, a sociedade não permite.”

Protestos

A província de Punjab, cenário dos dois últimos ataques, aprovou uma lei em fevereiro penalizando todas as formas de violência contra as mulheres.

No entanto, mais de 30 grupos religiosos, incluindo todos os principais partidos políticos islâmicos, ameaçaram fazer protestos caso a lei não fosse revogada.

Hassan KhanImage copyrightAP
Image captionHassan Khan exibe no celular uma foto da mulher, Zeenat Rafiq.

O chamado Conselho de Ideologia Islâmica, que assessora o governo, propôs então que seja legal que todos os maridos “batam levemente” em suas mulheres.

Grupos religiosos compararam as campanhas por direitos da mulher com promoção da obscenidade. Dizem que a nova lei de Punjab aumentará a taxa de divórcios e destruirá o sistema familiar tradicional do país.

http://www.bbc.com/portuguese/internacional-36488468

Terroristas do ISIS queimam viva menina cristã, que antes de morrer diz à mãe: “perdoa-lhes”

Terroristas muçulmanos do ISIS entraram na casa de uma mulher cristã e exigiram que eles pagassem o tributo a eles, fugisse ou morreria. A mãe pediu-lhes para fixarem algum tempo para sair porque sua filha estava no chuveiro, mas eles não mostraram misericórdia. Eles atearam fogo em toda a casa e a filha foi queimada até morrer, e antes que ela desse seu último suspiro, gritou: “Perdoa-lhes.” Como lemos em um relatório:

Lembrou uma mulher cristã de Mosul que abriu a porta para encontrar os combatentes  estrangeiros do ISIS, exigindo que ela saísse ou pagasse o imposto jizya.

Ela perguntou por alguns segundos, sua filha estar no chuveiro, mas os combatentes se recusaram a dar-lhe tempo.Eles lançaram uma tocha na casa, queimando e, matando sua filha.

Continuar lendo Terroristas do ISIS queimam viva menina cristã, que antes de morrer diz à mãe: “perdoa-lhes”

Militante do Estado Islâmico mata a própria mãe que tentou fazê-lo deixar o grupo na Síria

Um militante do Estado Islâmico (EI) matou a própria mãe que tentou fazê-lo abandonar o grupo terrorista. A execução foi acompanhada por uma multidão, nesta quinta-feira, na cidade de Raqqa, na Síria. Ali Saqr al-Qasem, de 20 anos, usou um rifle para atirar contra Lena al-Quasem, de 35. As informações são do jornal “Daily Mail”.
O ato foi realizado no alto de uma prédio, tomado por militantes jihadistas, para que a população local pudesse acompanhar a cena. A mulher foi acusada de apostasia – ou seja, de estar desviada da religião, neste caso, a fundamentalista islâmica – antes de ser executada.
O Observatório de Direitos Humanos da Síria informou ainda que a morte de Lena aconteceu depois que ela tentou convencer o filho a deixar o grupo terrorista e fugir com ela da Síria. Preocupado com a própria segurança caso os planos da mulher fossem descobertos, o rapaz resolveu entregá-la aos demais militantes. Lena, então, acabou presa. Ainda não se sabe se Ali recebeu alguma ordem do grupo de executar a mulher ou se agiu por conta própria como forma de provar sua lealdade ao EI.

De acordo com o relatório anual sobre terrorismo do Departamento de Estado dos Estados Unidos, o Estado Islâmico (ISIS em inglês) já ultrapassou a Al-Qaeda como principal grupo terrorista no mundo. O documento aponta a capacidade do grupo em recrutar militantes e divulgar sua mensagem pelo mundo. O grupo já domina diversos territórios na Síria e no Iraque. O EXTRA apresenta as imagens para denunciar a barbárie que a intolerância e um regime radical produzem pelo mundo.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/mundo/militante-do-estado-islamico-mata-propria-mae-que-tentou-faze-lo-deixar-grupo-na-siria-18432724.html#ixzz3wgpycaRb

Adolescente mata a própria mãe a facadas depois de assistir a vídeos de decapitações do Estado Islâmico

Após atender ao chamado de emergência, os policiais encontraram a garota mexendo no celular.e

Esta adolescente dinamarquesa aparentemente inofensiva assassinou a própria mãe depois de assistir a a vídeos de decapitações de reféns britânicos pelo grupo extremista Estado Islâmico. Após o crime, ela foi presa junto de seu amante jihadista mais velho. As informações são do Daily Mail.

A jovem Lisa Borch tinha apenas 15 anos quando começou a passar horas de seus dias assistindo às filmagens das decapitações selvagens dos britânicos David Haines e Alan Henning no YouTube.

Borch e seu namorado muçulmano radical, Bakhtiar Mohammed Abdulla, de 29 anos, foram até a cozinha de sua casa, pegaram uma faca de cozinha e deram pelo menos 20 facadas na mãe da garota, Tina Römer Holtegaard.

Em seu julgamento, a garota contou que se tornou obcecada com o extremismo islâmico depois de se apaixonar por um jihadista que a abandonou para voltar ao seu país natal e morar com a própria família.

Em seguida, ela contou que se apaixonou pelo seu atual amante iraquiano, Abdulla, que conheceu em um centro de refugiados perto de sua casa. Após matar a própria mãe, a adolescente chamou a polícia, dizendo que havia ouvido sua mãe gritar. “Olhei pela janela e vi um homem branco fugindo. Por favor, venha aqui, há sangue por toda parte”.

Apesar do telefonema desesperado, a polícia encontrou Borch sentada em uma cadeira na sala de estar mexendo no celular e assistindo a vídeos no YouTube.

Estado Islâmico divulga fotos de supostos traficantes de órgãos crucificados na Síria

Quando a polícia perguntou onde sua mãe estava, ela se recusou a largar o celular e simplesmente apontou para o andar de cima. Foi esse desinteresse que fez as autoridades desconfiarem dela.

Ainda de acordo com as autoridades, a adolescente e seu namorado iraquiano planejavam fugir juntos para a Síria e lutar pelo Estado Islâmico. Borch alegou no julgamento que ela e Abdulla eram “apenas bons amigos”, mas a polícia acredita que eles eram amantes.

Para as autoridades, a relação de Borch com a mãe piorou depois que ela começou a pressionar a filha para terminar seu relacionamento com Abdulla e “viver a vida de uma adolescente normal”.

Embora o namorado da garota não estivesse na casa quando a polícia chegou, os investigadores encontraram suas impressões digitais no quarto da vítima.

Após passarem por julgamento, Borch foi condenada a nove anos de prisão. Já seu namorado iraquiano foi condenado a 13 anos de cadeia e será expulso da Dinamarca.

http://noticias.r7.com/internacional/adolescente-mata-a-propria-mae-a-facadas-depois-de-assistir-a-videos-de-decapitacoes-do-estado-islamico-15092015