Arquivo da tag: #meninas sequestradas

Exército da Nigéria resgata estudante de Chibok com bebê

MAIDUGURI, Nigéria — O Exército da Nigéria afirmou neste sábado ter resgatado mais uma das meninas sequestradas pelo Boko Haram em 2014 na localidade de Chibok.

Autoridades disseram que a jovem foi encontrada junto com um bebê de 10 meses, um filho que ela teve com um dos extremistas islâmicos do grupo Boko Haram no cativeiro. No mês passado, 21 outras das meninas foram libertadas e levadas de volta às suas famílias; em maio, outra das estudantes conseguiu fugir.

Esta foi a primeira vez que o Exército resgatou uma das meninas de Chibok. O Boko Haram sequestrou mais de 270 estudantes de uma escola em Chibok em abril de 2014 — um ato que provocou comoção no mundo todo e uma campanha pela libertação das meninas.

Desde que foram levadas, os parentes das vítima iniciaram uma campanha em apelo pela volta das jovens meninas com o lema “Bring Back Our Girls” (“Tragam de volta nossas meninas”, em português). Os últimos resgates aumentam as esperanças das famílias que ainda aguardam pelo dia em que poderão rever suas filhas.

grupo militante islâmico também sequestrou milhares de outras pessoas durante a sua insurgência de sete anos no Nordeste da Nigéria. Mais de 15 mil pessoas foram mortas e dois milhões foram forçadas a deixar as suas casas. No ano passado, a organização jihadista prometeu lealdade ao Estado Islâmico (EI). Próxima Exército da Nigéria resgata estudante de Chibok com bebê

Fonte: http://oglobo.globo.com/mundo/exercito-da-nigeria-resgata-estudante-de-chibok-com-bebe-20417294

http://www.jornalfloripa.com.br/noticia.php?id=842617

Estudantes de Chibok não estão entre as meninas e mulheres resgatadas na Nigéria

Operação do Exército nigeriano libertou 200 meninas e 93 mulheres reféns do Boko Haram na Floresta de Sambisa

ABUJA — Tropas da forças armadas nigerianas anunciaram o resgate de 200 meninas e 93 mulheres que estavam sob contole do grupo jihadista Boko Haram nesta terça-feira. Apesar de dúvidas iniciais, o porta-voz do Exército nigeriano, coronel Sani Usman, confirmou que entre as meninas resgatadas não estão as sequestradas pelo Boko Haram em Chibok, no ano passado.

As mulheres foram resgatadas na Floresta de Sambisa, onde o Boko Haram mantém acampamentos.

“Nesta tarde, as tropas resgataram 200 meninas e 93 mulheres da Floresta de Sambisa”, informou o Exército nigeriano pelo Twitter.

Pelo Twitter, o Exército da Nigéria também confirmou que destruiu três acampamentos mantidos pelos extremistas.

— Ainda temos que determinar a origem de todas as pessoas libertadas, que estão sendo examinadas — afirmou o major general Chris Olukolade, diretor de Informação do Ministério da Defesa. — Teremos mais detalhes em breve.

O sequestro de mais de 200 estudantes de uma escola em Chibok, em abril de 2014, por militantes do Boko Haram, gerou comoção internacional, e deu origem à campanha “Bring back our girls” (“Tragam nossas meninas de volta”), que se espalhou pelo mundo no ano passado.

Eleito no início do mês, o futuro presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, se mostrou pouco esperançoso na luta pelo resgate das jovens. “Seu paradeiro é desconhecido. Não posso prometer que as encontraremos”, afirmou Buhari há duas semanas.

http://oglobo.globo.com/mundo/estudantes-de-chibok-nao-estao-entre-as-resgatadas-na-nigeria-16000520

Chibok: meninas casadas, nenhum cessar-fogo, diz Boko Haram em novo vídeo

Chibok: meninas casadas, nenhum cessar-fogo, diz Boko Haram em novo vídeo

 “Elas estão casadas e em casa com seus maridos”, disse o líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, em um vídeo lançado no último sábado (11). Enquanto o mundo se pergunta onde estão e como estão as mais de 250 meninas sequestradas em Chibok, Nigéria, no ano passado, é essa resposta que o grupo espalha. “As ‘nossas’ meninas se converteram ao islamismo e confessaram que é a melhor religião. Ou os pais aceitam isso e se convertem também, ou eles podem morrer.”

14_Nigeria_BringBack

De acordo com um relatório da agência de notícias Reuters o vídeo foi filmado no estilo clássico do Boko Haram, mas o orador foi filmado a uma distância muito grande, impossível de identificação. Como de costume, o suposto líder estava no cerrado semideserto cercado por quatorze homens armados e mascarados com quatro jipes militares ao fundo. Dois dos homens armados estavam segurando bandeiras negras do Boko Haram.

Ele ainda negou a existência de um acordo de cessar-fogo com o governo e denunciou Danladi Ahmadu como representante do Boko Haram no Chade, como o governo tem falado. “Quem disse que estamos dialogando ou discutindo com alguém? Você está falando sozinho. Não conheço ninguém com o nome de Danladi. Se encontrá-lo agora, vamos cortar a cabeça dele”, diz o homem no vídeo. “Tudo o que estamos fazendo é abatendo pessoas com facões e atirando em pessoas com nossas armas. Vamos acabar com os cristãos. Guerra é o que queremos.”

Não houve resposta imediata do governo, que até a semana passada tinha esperança de um acordo de paz, que anunciam desde outubro. A insegurança no nordeste da Nigéria aumentou na semana passada, com a invasão de Mubi, a segunda maior cidade do estado de Adamawa, que representa um dos maiores centros comerciais do país.

Os militantes mataram dezenas de pessoas e obrigaram milhares a fugir quando eles invadiram a cidade, roubando bancos, incendiando o principal mercado e aproveitando o palácio do governo para içar sua bandeira negra. “Eu vi muitos corpos mortos no mato e muitas pessoas feridas estavam implorando por ajuda, especialmente crianças e mulheres”, disse James Audu, cristão que conseguiu escapar ao ataque.

Muitos milhares de cristãos que fugiam de ataques do Boko Haram no estado de Borno tinham encontrado refúgio em Mubi, mas a cidade está em perigo de ataque há muito tempo. Um mês atrás, o Boko Haram já havia avisado aos cristãos que a cidade seria atacada.

Pedidos de Oração

  • Ore pela graça de Deus pelas meninas sequestradas no Chibok.
  • Ore pelos membros do Boko Haram, que no meio dessas terríveis circunstâncias, experimentem a graça do Senhor, e que eles tenham esperança e a paz que excede todo o entendimento.
  • Ore também pelos pais e familiares dessas meninas, que sejam consolados, sustentados e fortalecidos em meio a essa provação.
  • Ore pelos órfãos e viúvas dos ataques às aldeias. Por favor, orem para que haja provisão não só física, mas também espiritual.
  • Ore por sabedoria e determinação para o governo encontrar uma solução para essa situação.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2015/04/Chibok-meninas_casadas_nenhum_cessar-fogo_diz_Boko_Haram_em_novo_video

‘Não posso prometer que as encontraremos’, diz novo presidente nigeriano sobre meninas raptadas

ONU acredita que muitas jovens levadas há um ano pelo Boko Haram estão mortas. Outras podem estar casadas com terroristas.

ABUJA/DACAR – Muitas das estudantes nigerianas sequestradas há um ano pelo Boko Haram foram assassinadas nas últimas semanas, teme a ONU. O tom do discurso de incredulidade também foi adotado pelo presidente recém-eleito, Muhammadu Buhari.

“Não sabemos se as meninas de Chibok podem ser resgatadas. Seu paradeiro é desconhecido. Por mais que eu deseje, não posso prometer que as encontraremos”,declarou nesta terça-feira em um comunicado o presidente eleito, vencedor em março das presidenciais.

Uma das maiores promessas de campanha de Buhari foi o combate “ao máximo” ao Boko Haram. Entre os passos que o derrotado presidente, Goodluck Jonathan, alegou que daria, estaria o resgate das meninas.

Na noite de 14 para o dia 15 de abril de 2014, membros do grupo Boko Haram entraram no Instituto de Chibok, Noroeste de Nigéria, e sequestraram 276 jovens estudantes que se preparavam para os exames finais. Cerca de 50 dessas meninas conseguiram escapar dias depois. As outras continuam em paradeiro desconhecido.

O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad al Hussein, acredita que muitas poderiam ter sido assassinadas nas últimas semanas, tanto em Bama, onde encontraram dezenas de cadáveres em poços, como em outras localidades liberadas há pouco do controle dos terroristas.

— Alguns pais perderam a esperança de recuperá-las com vida. Inclusive se algumas regressarem algum dia, não serão nunca mais as mesmas — diz Ahmadu Jirgi, funcionário local que está em contato com as famílias.

Calcula-se que o Boko Haram sequestrou duas mil mulheres de todas as idades nos últimos anos, mas o caso das meninas comoveu o mundo devido a idade das vítimas.

NOITE DE HORROR

Por voltas das 23h30 do dia 14 de abril de 2014, as estudantes, que estavam nos dormitórios do Instituto, começaram a ouvir disparos. Pouco depois, os terroristas entraram no centro, que só tinha um vigilante, e começaram colocá-las nos caminhões. Como não tinha veículos suficientes, muitas tiveram que caminhar 15 quilômetros sob a mira de um fuzil, em direção ao bosque de Sambisa, onde o Boko Haram tem acampamentos.

De acordo com o relato de jovens que conseguiram escapar, em um relatório da ONG Human Rights Watch, as adolescentes sofreram diferentes tipos de abusos durante o cativeiro: trabalho forçado, violência sexual. Muitas sequestradas em Chibok eram cristãs e foram obrigadas a converter-se ao Islã. Mas, como advertiu num vídeo Abubaker Shekau, líder de Boko Haram, o destino da maioria foi o matrimônio forçado, tanto em países próximos, como Camarões e Chade, como os próprios terroristas do grupo.

— Ninguém sabe onde elas estão. O governo disse que estavam em Gwoza, mas quando esta cidade foi tomada pelo Exército elas não estavam ali. O rumor de que algumas foram assassinadas em Bama caiu como uma bomba nas famílias, mas não temos certeza de nada — explica Jirgi.

Há um mês, o então presidente de Nigéria Goodluck Jonathan assegurou durante uma entrevista que as meninas continuavam vivas com o único argumento de que “quando os terroristas matam, mostram os cadáveres para intimidar as pessoas. Assim que estão vivas”.

No entanto, no dia 6 de abril, o alto comissário da ONU afirmou ao jornal nigeriano “This Day” que “nas últimas semanas nos chegam cada vez mais notícias e provas de massacres, acreditamos que entre as vítimas poderiam estar as meninas de Chibok”.

O anúncio da possível morte das estudantes está relacionado com os recentes sucessos na luta contra o Boko Haram. Há um ano era um grupo que parecia impossível de deter, em pleno processo de expansão de seu califado islâmico. Porém, hoje, é um grupo que está em plena retirada após a intervenção no conflito de países como Niger, Chade e Camarões, e a recuperação de cerca de 60 localidades por parte do Exército nigeriano.

Foto: ‘Para nunca esquecer’ é o novo lema em memória das meninas sequestradas em Chibok – Sunday Alamba / AP
http://oglobo.globo.com/mundo/nao-posso-prometer-que-as-encontraremos-diz-novo-presidente-nigeriano-sobre-meninas-raptadas-15863166

Paradeiro desconhecido das 200 meninas sequestradas pelo Boko Haram

A ONU teme que muitas das estudantes nigerianas que foram sequestradas pelo Boko Haram, há um ano, foram assassinadas nas últimas semanas

Membros do Boko Haram, na noite entre 14 e 15 de abril de 2014, entraram no Instituto de Chibok, noroeste da Nigéria, e sequestraram 275 jovens estudantes que se preparavam para os exames finais. Meia centena delas conseguiu escapar dos seus captores dias depois. As outras, um pouco mais de 200, continuam desaparecidas. O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad al Hussein, acredita que muitas delas podem ter sido assassinadas nas últimas semanas, tanto em Bama, onde foram encontrados dezenas de cadáveres jogados em poços, como em outros locais liberados há pouco tempo do controle de terroristas. “Alguns pais perderam a esperança de recuperá-las com vida. Aliás, se algumas conseguiram regressar um dia, não serão mais as mesmas”, assegura Ahmadu Jirgi, um funcionário local, que está em contato com as famílias.

Calcula-se que o Boko Haram sequestrou aproximadamente 2.000 mulheres de todas as idades nos últimos anos, mas o caso das garotas comoveu o mundo por terem sido levadas tantas ao mesmo tempo e pela idade das vítimas. Por volta das 23:30, as estudantes, que se alojavam nos dormitórios do instituto, começaram a escutar disparos. Pouco depois, os terroristas chegaram ao centro que estava sendo protegido por um único segurança e foram carregando-as nos caminhões. Como não havia veículos suficientes, muitas tiveram que caminhar 15 quilômetros, sob a mira de fuzis, em direção ao bosque de Sambisa, onde o Boko Haram tem acampamentos.

De acordo com um relato de uma dezena de jovens que conseguiram escapar, recolhidos em um relatório elaborado pelo grupo Human Rights Watch, as adolescentes sofreram distintos tipos de abuso durante o cativeiro: trabalhos forçados e estupros. Muitas das garotas sequestradas em Chibok eram cristãs e foram obrigadas a se converter ao islamismo. Mas, como Abubakar Shekau, o líder do Boko Haram, advertiu em um vídeo, o destino da maioria era o casamento forçado, tanto em países próximos, Camarões ou Chad, quanto com os próprios terroristas, a quem também eram obrigadas a acompanhar, como cozinheiras ou transportadoras, nos ataques aos povos.

As adolescentes sofreram distintos tipos de abuso durante o cativeiro: trabalhos forçados e estupros

“Ninguém sabe exatamente onde estão. O governo disse que estavam em Gwoza, mas quando essa cidade foi tomada pelo Exército, não estavam. O rumor de que algumas foram assassinadas em Bama caiu como uma bomba nas famílias, mas não sabemos nada exatamente”, explica Jirgi.

Há um mês, o então presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, assegurou à emissora African Independent Television que as garotas estavam vivas, com o único argumento de que “quando os terroristas matam, mostram os cadáveres para nos intimidar. Então, estão vivas”.

No entanto, em 6 de abril, o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos assegurava ao jornal nigeriano This Day que “nas últimas semanas chegaram cada vez mais notícias e provas de massacres e acreditamos que entre as vítimas podemos encontrar as garotas de Chibok”. No momento, não há nenhuma certeza.

O anúncio da possível morte das garotas está relacionado com os recentes êxitos na luta contra o Boko Haram. Há um ano, era um grupo que parecia impossível de ser parado, em pleno processo de expansão do seu califado islâmico. Povo a povo, cidade após cidade, os terroristas haviam conseguido consolidar sua presença em uma ampla zona com limites difusos no noroeste do país, da onde o Exército nigeriano havia sido expulso. No entanto, hoje em dia, o grupo está em plena retirada depois da intervenção no conflito de Níger, Chad e Camarões, e da recuperação de umas seis regiões por parte do Exército nigeriano. Os terroristas queimam as casas e assassinam os cidadãos sempre que são expulsos de um povoado. E Shekau já advertiu que as garotas seriam mortas. “É a única maneira para os combatentes voltarem a vê-las, no Paraíso”, disse.

http://brasil.elpais.com/brasil/2015/04/11/internacional/1428755747_974302.html

Publicidade sobre meninas sequestradas esconde perseguição de cristãos

O mundo inteiro já ouviu falar do rapto de Chibok: mais de 250 meninas, predominantemente cristãs, sequestradas por Boko Haram no norte da Nigéria, em abril de 2014. Porém, não são as únicas vítimas aterrorizadas no norte da Nigéria. A equipe da Portas Abertas na Nigéria relatou o sequestro de centenas, se não milhares, de crianças e adultos, como parte da islamização forçada pelo Boko Haram.

A Publicidade em torno Boko Haram obscurece uma perseguição generalizada aos cristãos no na região norte da Nigéria. Logo após o sequestro das meninas na escola, o grupo voltou a Borno e sequestrou mais 170 pessoas, entre mulheres e crianças. Este ataque aconteceu há apenas 24 quilômetros de onde as meninas foram sequestradas. Desde então, as invasões do Boko Haram em vilas nigerianas vêm aumentando, agredindo e matando homens, sequestrando e violentando mulheres, em sua maioria cristã.

Em um relatório mensal sobre perseguição muçulmana aos cristãos, Raymond Ibreahim narra casos de perseguição em vários países desde julho de 2011. O autor revelou que mais de mil igrejas foram incendiadas em um período de quatro anos pelo Boko Haram e que o grupo destruiu mais 200 igrejas entre agosto e outubro de 2014. Para agravar a situação tanto da Nigéria, como de países em que grupos radicais islâmicos lançaram campanha de islamização, o Boko Haram jura fidelidade ao também radical grupo Estado Islâmico.

Dada a magnitude da perseguição contra os cristãos na Nigéria, Ibrahim chamou o país de um dos “piores lugares” do mundo para os cristãos.

Em visita ao país, equipes da Portas Abertas estiveram com cristãos nigerianos orando, confortando e encorajando tanto os pais das meninas sequestradas, como os demais cristãos perseguidos.

Além disso, ao longo dos meses, a Portas Abertas mobilizou cristãos ao redor do mundo para apoiar as famílias em oração e também visitou e encorajou seus entes queridos, lembrando-os de que não estão sozinhos. Leia aqui.

Colaboradores da Portas Abertas na Nigéria relatam que muitas dessas meninas têm passado por situações terríveis desde que foram levadas pelos radicais. Elas têm sido repetidamente violentadas e sofreram várias formas de tortura. Muitas já devem ter sido vendidas como escravas. No relato de uma das meninas que conseguiu pular do caminhão que as sequestrava, uma dessas meninas conta o horror que foi o ataque à escola. Após seis meses de sequestro, outras seis garotas conseguiram fugir do domínio do grupo e relatam como foi passar este tempo entre os sequestradores.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2015/04/publicidade_sobre_meninas_sequestradas_esconde_perseguicao_de_cristaos