Arquivo da tag: #MGF

Menina somali de 10 anos morre após mutilação genital feminina

JOHANESBURGO (AP) – Uma menina de 10 anos sangrou até a morte depois de passar por mutilação genital feminina na Somália, disse uma ativista, uma rara morte confirmada no país com a taxa mais alta da prática no mundo.

A menina morreu em um hospital dois dias depois de sua mãe levá-la a um local que faz tradicionalmente a “circuncisão” num vilarejo remoto perto da cidade de Dhusamareb, no estado de Galmudug, Hawa Aden Mohamed, disse em um comunicado o Centro de Educação Galkayo para a Paz e o Desenvolvimento.

“Na circuncisão há suspeito de ter se cortado uma veia importante no decorrer da operação”, disse Mohamed.

Cerca de 98% das mulheres e meninas da região do Chifre da África sofrem mutilação genital feminina, de acordo com as Nações Unidas. Embora a Constituição da Somália proíba a prática, Mohamed disse que nenhuma lei foi promulgada para garantir que aqueles que realizam as circuncisões sejam punidos.

Os legisladores estão “com medo de perder sua influência política entre os grupos tradicionais e religiosos conservadores e todo-poderosos que desejam manter a prática”, disse ela.

Os profissionais de saúde alertaram contra os riscos da prática em que, na maioria dos casos, a genitália externa é removida e a vagina é costurada e quase fechada.

Apesar das campanhas na Somália contra a prática, ela é “obscurecida em segredo, então reduzir isso tem sido um enorme desafio”, disse Brendan Wynne, da Donor Direct Action, de Nova York, que conecta ativistas em todo o mundo.

Mais de 200 milhões de mulheres e meninas em 30 países em três continentes experimentaram mutilação genital, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, no início deste ano, chamando-a de “grave violação dos direitos humanos de mulheres e meninas”.

O Fundo de População da ONU pontua que as estimadas 3,9 milhões de meninas submetidas a cortes genitais a cada ano aumentem para 4,6 milhões até 2030, devido ao crescimento esperado da população, a menos que medidas urgentes sejam tomadas.

Com imagem e informações Breitbart

Anúncios

Mutilação Genital Feminina já é caso de saúde pública no País de Gales

A primeira clínica no País de Gales para fornecer ajuda médica e psicológica às vítimas da mutilação genital feminina (MGF) foi aberta.

A Clínica de Bem-Estar Feminina especialista da Cardiff Royal Infirmary oferecerá atendimento individualizado, aconselhamento e aconselhamento.

Estima-se que 2.000 mulheres e meninas no País de Gales estejam vivendo com a mutilação genital feminina.

Cardiff e o Conselho de Saúde da Universidade de Vale afirmaram que qualquer pessoa afetada poderia obter atendimento semanal na clínica. As pacientes também podem ser encaminhadas por médicas, enfermeiras e parteiras, policiais, serviços sociais e organizações de apoio.

A prática ilegal da MGF é levada a cabo por razões culturais e religiosas em certas comunidades.

Envolve a remoção parcial ou total da genitália externa feminina ou lesão dos órgãos genitais femininos por razões não médicas e pode causar problemas de saúde profundos.

Clínica de Bem-Estar da Mulher em Cardiff Royal Infirmary
                                            Clínica de Bem-Estar da Mulher 

Até agora, as vítimas deixadas com as cicatrizes físicas e psicológicas não tiveram acesso a serviços especializados no País de Gales, apesar de a Inglaterra ter atualmente cinco clínicas dedicadas.

Mas o novo serviço liderado por parteiras para Cardiff – que será executado como piloto todas as quartas-feiras – oferecerá acesso a aconselhamento psico-sexual, serviços de interpretação e apoio à defesa da comunidade.

Crianças vítimas de MGF serão atendidas em uma clínica adjacente à Clínica de Bem-Estar Feminina dirigida por pediatras de consultores de saúde infantil.

Cerca de 220 vítimas de MGF foram apoiadas desde 2013 pela Bawso, uma instituição de caridade que ajuda as mulheres afetadas pela prática no País de Gales.

Bawso fez campanha para que a clínica fosse aberta no País de Gales e Samsunear Ali, seu vice-presidente-executivo, disse: “É um serviço vital para as mulheres que são vítimas da MGF e fará parte da prestação de serviços integrais”.

Os números obtidos pela BBC Wales no ano passado mostraram que um caso de mutilação genital feminina foi descoberto em média a cada três dias pela equipe de maternidade no País de Gales em 2016.

A ONG Carity Welsh Women’s Aid disse que estima-se que 2.000 mulheres no País de Gales estejam vivendo com a MGF.

Com informações de BBC