Arquivo da tag: #milhares

Milhares de imigrantes armados atacam a fronteira da Croácia para entrar na UE

A fronteira bósnio-croata está sob ataques contínuos de uma multidão armada de mais de 20 mil imigrantes, disse um funcionário ao Kronen Zeitung da Áustria.

A fronteira em Velika-Kladusa fica a apenas 224 quilômetros da Áustria e mais de 20.000 imigrantes esperam quebrá-la para se mudar para a Europa Central, afirmam os especialistas.

bwspezi@bwspezi

Velika-Kladusa – Dozens of migrants clashed with Bosnian police Wednesday while trying to cross from Bosnia into Croatia and enter the European Union.

Segundo os especialistas, quase todos os imigrantes “estão armados” como “quase todos têm uma faca”. “Os croatas estão realmente tentando lidar com isso sozinhos. Eles também posicionaram as Forças Especiais na fronteira ”, diz o especialista.

Quase não há mulheres e crianças no grupo, 95% são homens e um policial de fronteira já foi esfaqueado.

“A maioria deles vem do Paquistão. E há muitos iranianos, argelinos e marroquinos. Seu objetivo não é a Áustria ”, acrescentou o funcionário.

Segundo ele, os migrantes querem ir para a Alemanha ou para um dos países escandinavos.

“A maioria dos jovens tem cartões de crédito pré-pagos fornecidos pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (UNHCR) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF)”, acrescenta o funcionário.

Com Imagem e informações Voice of Europe

Milhares de pessoas enfrentam a AIDS após estupros executados pelo Boko Haram

Um oficial da ONU relatou que cerca de 5.000 pessoas vivendo em campos de refugiados no estado de Borno foram contaminadas por HIV após terem sido estupradas pelo Boko Haram .

Pelo menos 5.000 pessoas em 27 campos de refugiados no norte do estado nigeriano de Borno têm o vírus auto-imune HIV. A maioria delas são mulheres que foram resgatadas ou escaparam do cativeiro de Boko Haram e foram estupradas pela milícia jihadista.

“Ouvimos falar de muitas organizações não-governamentais de apoio em Borno, mas nenhuma delas se aproximou de nós para oferecer assistência aos deslocados com o vírus”, disse Hassan Mustapha, coordenador de HIV / AIDS. “Os deslocados internos [pessoas internamente deslocadas] com tal doença são constantemente desafiados; Eles não saem para acessar drogas. A maioria deles é tímida enquanto alguns têm medo de serem identificados por outros como portadores. “

Ele disse que o estigma impediu muitos de procurarem ajuda adequada e acessarem a terapia anti-retroviral.

“Eles às vezes reclamam conosco que não têm permissão para sair do campo para acessar drogas em outros centros. Honestamente, a verdade é que o governo não está prestando atenção prioritária à situação de tais pessoas “, disse ele.

Boko Haram é um grupo jihadista que trava uma campanha de terror no norte da Nigéria desde 2009. Eles prometeram lealdade ao Estado Islâmico em março de 2015 e agora são o Estado Islâmico na África Ocidental. Boko Haram foi responsável por mais de 6.000 mortes em 2015, mais do que qualquer outro grupo terrorista no mundo.

Para mais informações sobre Boko Haram e sua campanha de terror, veja a Ficha do Projeto Clarion: Boko Haram Nigerian Islamist Group

http://www.clarionproject.org/news/boko-haram-terrorists-raped-thousands-who-face-aids-life

Limpeza étnica é o real motivo da morte de milhares de cristãos

As ações do Estado Islâmico na República do Congo estão passando despercebidas

10-congo-0270100639

Enquanto o Estado Islâmico chama a atenção do mundo inteiro com seus ataques violentos, principalmente contra o Iraque e a Síria, seus movimentos mais discretos estão dominando o Oriente Médio e poucos notam. A imprensa noticia apenas os escândalos, mas as verdadeiras intenções do EI estão passando despercebidas. Na África Central, um grupo militante islâmico radical invadiu o extremo leste da República Democrática do Congo. O MDI (sigla em inglês que significa Defesa Muçulmana Internacional), anteriormente conhecido como Aliança das Forças Democráticas, infiltrou-se na região e está fazendo uma verdadeira limpeza étnica, tentando exterminar com os cristãos, a fim de criar ali mais uma central do islã, para comandar toda a região dos Lagos.

“Com essa intenção, os ataques aos cristãos, que são a maioria deste lugar, têm sido frequentes. Cada ano que passa a situação piora ainda mais. Sequestros e assassinatos agora fazem parte do cotidiano deles. Estamos diante de uma preparação da jihad, nome que eles dão a uma guerra que chamam de ‘santa’ e que possui o foco de construir um governo único para o mundo”, comenta um dos analistas de perseguição. Atuante no coração da África, a região dos Lagos é o lugar onde o Estado Islâmico mais comete atrocidades. “A militância islâmica africana é a corrente ideológica mais ampla que existe. Até os pequenos grupos radicais são inspirados pelo EI. No ano passado, a jihad como eles chamam, custou a vida de milhares de cristãos de diversos países”, diz o analista.

O MDI islamiza toda a região, inspira as pessoas a se revoltarem contra o governo, recrutam crianças, oferecem educação gratuita e presenteiam seus pais. “Depois que eles dominam, então mostram como são violentos, sequestrando jovens para repor suas fileiras militares, raptam mulheres para servirem de escravas sexuais e também para reproduzir mais crianças, além de massacrar os moradores”, explica um pesquisador. De acordo com o governo de Uganda, o MDI tem apoio do governo islâmico do Sudão, além de ter ligações com Al-Shabaad da Somália, Boko Haram da Nigéria e Al-Qaeda.

E qual tem sido o impacto desses acontecimentos sobre a igreja? Levando em conta que a população relacionada é predominantemente cristã, cerca de 95,8%, o impacto tem sido imenso. “Essa crise tem colocado a igreja sob pressão. Os cristãos lutam para lidar com o deslocamento, perda de entes queridos, sérias dificuldades econômicas e muitos traumas. Muitas igrejas tiveram que ser fechadas. Porém, vale a pena observar que falta dinheiro, mas não faltam membros nas igrejas, e elas continuam a existir em forma de pequenos grupos, que resistem debaixo de muito sofrimento. Eles realmente precisam das nossas orações. Por favor, ore por estes cristãos perseguidos”, pede o analista.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/02/limpeza-etnica-e-o-real-motivo-da-morte-de-milhares-de-cristaos

 

Milhares protestam após atentados na capital turca

ANCARA — Milhares de pessoas protestam em Ancara neste domingo contra o duplo atentado que matou ao menos 95 em uma marcha pela paz no dia anterior, cobrando que o governo assuma a responsabilidade pelos ataques em frente à principal estação de trem da capital turca. Os manifestantes expressaram indignação pela falta de segurança na marcha de sábado que foi alvo de duas explosões, no que está sendo considerado o maior ataque na História do país. O número de mortos varia, com o Partido da Democracia dos Povos (HDP), que organizou o evento, apontando 128 vítimas fatais, das quais 120 teriam sido identificadas. As investigações se concentram no Estado Islâmico (EI), segundo fontes de segurança citadas por vários meios de comunicação.

Imagem retirada de vídeo mostra grupo de jovens cantando de mãos no momento da primeira explosão em Ancara. Duplo atentado é visto como o maior da História do país

Convocados por sindicatos, ONGs, partidos de esquerda e pró-curdos, os manifestantes lotaram a praça Sihhiye, no centro da capital, perto de onde as explosões ocorreram. A multidão gritou palavras de ordem contra o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, chamando-o de assassino e pedindo sua renúncia.

O principal partido da oposição, o Partido Republicano do Povo (CHP), exigiu que “demitam todos os políticos” que foram incapazes de evitar a tragédia de Ancara. Em um comunicado na manhã deste domingo, o gabiente do primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, afirmou que 160 pessoas ainda estavam sendo tratadas em hospitais, 65 delas sob cuidados intensivos.

De acordo com a agência Reuters, citando fontes de segurança da Turquia, as indicações iniciais sugerem que o Estado Islâmico foi responsável pelas explosões e o foco das investigações é o grupo radical islâmico. Uma das fontes disse que os ataques contêm semelhanças extraordinárias com um ataque suicida em julho na cidade de Suruc, perto da fronteira com a Síria, reivindicado pelo Estado Islâmico. Até o momento, nenhum grupo reivindicou a autoria do atentado.

— Este ataque foi no estilo de Suruc e todos os sinais são de que foi uma cópia daquele ataque. Indícios apontam para o Estado Islâmico — disse a fonte sob condição de anonimato. — Nós estamos completamente focados no Estado Islâmico.

INVESTIGAÇÃO

Segundo a polícia, o explosivo usado, TNT reforçado com aço, é muito semelhante ao utilizado no ataque em Suruc, que matou cerca de 30 pessoas. O irmão mais velho do homem-bomba de Suruc é um dos possíveis suspeitos, de acordo com fontes policiais citadas pelo jornal “Haber Turk”.

Informações vazadas pelos serviços secretos à imprensa turca apontam cinco militantes do EI e supostos homens-bomba que se infiltraram nas últimas semanas na Turquia a partir do território sírio. O premier reconheceu em sua entrevista coletiva no sábado que foram detidos dois supostos terroristas suicidas esta semana, um em Ancara e um em Istambul.

Em agosto, um alto funcionário do governo disse que as forças de segurança turcas tinham apreendido 35 coletes suicidas prontos para serem utilizados em ataques.

Neste domingo, o Papa Francisco disse estar profundamente triste pela morte de pessoas “indefesas” e pediu aos milhares de fiéis na Praça de São Pedro, no Vaticano, que rezassem pelas vítimas.


Parentes choram sobre o caixão de Korkmaz Tedik, membro do conselho do Partido Trabalhista turco (EMEP), que foi morto no duplo atentado em Ancara – ADEM ALTAN / AFP
SEGURANÇA QUESTIONADA

Um turco que sobreviveu aos ataques, e que falou sob condição de anonimato, relatou que não havia policiais na mobilização de sábado, algo incomum na Turquia, onde qualquer ato político público, especialmente se é organizado pela oposição, é acompanhado de perto pelos agentes.

Em declarações à CNN-Turk, o jornalista Faruk Bildirici, que também estava no local, confirmou que não havia “medidas de segurança”, o que chamou atenção dos turcos.

O ministro do Interior, Selami Altinok, justificou a ausência de polícia no local do ataque dizendo que era o “ponto de encontro” dos grupos que iam participar do ato “Pela Paz, Trabalho e Democracia” e que a manifestação propriamente dita seria na praça de Sihhiye, a dois quilômetros da estação de trem. Questionado em uma entrevista coletiva se pretendia se demitir devido ao massacre, ele descartou alegando que “não houve nenhuma falha na segurança”.

A passeata de sábado foi convocada pela oposicionista Confederação dos Sindicatos de Trabalhadores Revolucionários da Turquia, uma das três principais do país, apoiada por outras agremiações de esquerda, como HDP, pró-curdo e o terceiro maior no Parlamento. Vários deputados da legenda opositora, o social-democrata CHP, estavam na concentração.

— Depois da primeira explosão, apenas corri. Quando voltei para ajudar, havia corpos e sangue espalhado por todo lado — contou Oya Barlas, uma ativista curda.

CURDOS E GOVERNO SE ACUSAM MUTUAMENTE

O objetivo principal do protesto era pedir o fim dos combates entre as forças de segurança turcas e o grupo armado curdo Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), bem como criticar o que classificam como um governo autoritário comandado pelo islamista Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP). Os curdos, considerados a maior etnia sem um Estado no mundo, somam 14 milhões dentre a população turca, quase 20% do total de 76 milhões de habitantes. No sábado à noite, o PKK anunciou uma trégua até as eleições em 1º de novembro.

— Estávamos esperando um ataque em Ancara antes das eleições legislativas, mas nada com essa extensão — contou Sedat Kartal, morador da capital, referindo-se ao pleito marcado para daqui três semanas, o segundo nos últimos cinco meses. — Há muita polarização e nada mais é surpresa.

O primeiro-ministro citou alguns suspeitos no sábado: Estado Islâmico, o PKK e as organizações esquerdistas DHKP-C e MLKP. Entretanto, o líder do HDP, Selahattin Demirtas, levantou suspeitas contra o governo, entre acusações de conivência com o EI e outros movimentos jihadistas para derrubar o ditador da Síria, Bashar al-Assad:

— É um Estado assassino que se converteu numa máfia. Suas mãos têm sangue. Vocês são os maiores apoiadores de terror.

O HDP acusa o governo de estar por trás deste e de outros recentes atentados, numa tentativa de incriminar o PKK e reduzir o apoio aos movimentos e partidos pró-curdos.

http://oglobo.globo.com/mundo/milhares-protestam-apos-atentados-na-capital-turca-17749030

‘Just wait…’ Islamic State reveals it has smuggled THOUSANDS of extremists into Europe

AN OPERATIVE working for Islamic State has revealed the terror group has successfully smuggled thousands of covert jihadists into Europe.

The Syrian operative claimed more than 4,000 covert ISIS gunmen had been smuggled into western nations – hidden amongst innocent refugees.

The ISIS smuggler, who is in his thirties and is described as having a trimmed jet-black beard, revealed the ongoing clandestine operation is a complete success.

“Just wait,” he smiled.

The Islamic State operative spoke exclusively to BuzzFeed on the condition of anonymity and is believed to be the first to confirm plans to infiltrate western countries.

Islamic State, also referred to as IS and ISIS, is believed to be actively smuggling deadly gunmen across the sparsely-guarded 565-mile Turkish border and on to richer European nations, he revealed.

They are following the well-trodden route taken by refugees and migrants fleeing, travelling across the border of Turkey then on boats across to Greece and through Europe.

There are now more than 4,000 covert ISIS gunmen “ready” across the European Union, he claimed.

The operative said the undercover infiltration was the beginning of a larger plot to carry out revenge attacks in the West in retaliation for the US-led coalition airstrikes.

He said: “If someone attacks me then for sure I will attack them back.”

Masked Islamic State gunmen march in one of the terror group's propaganda videos  IG

Masked Islamic State gunmen march in one of the terror group’s propaganda videos

It’s our dream that there should be a caliphate not only in Syria but in all the world and we will have it soon, God willing

ISIS operative

Islamic State extremists are taking advantage of developed nations’ generosity towards refugees to infiltrate Europe, he said.

Refugees were applauded as they arrived in Germany this weekend having made the journey through Hungary and Austria.

The lethal ISIS gunmen use local smugglers to blend in and travel amongst a huge tide of illegal migrants flooding Europe.

More than 1.5million refugees have fled into Turkey alone – desperate to escape the bloodshed in Syria.

From Turkish port cities like Izmir and Mersin, thousands of refugees venture across the Mediterranean aiming for Italy, he said.

Then the majority make for more welcoming nations like Sweden and Germany, turning themselves over to authorities and appealing for asylum.

An Islamic State fighter brandishes the radical group's jet-black flag IG

An Islamic State fighter brandishes the radical group’s jet-black flag

“They are going like refugees,” he said.

Two Turkish refugee-smugglers backed up the claims made by the ISIS Syrian operative.

One admitted to helping more than ten trained ISIS rebels infiltrate Europe under the guise of asylum seekers.

He said: “I’m sending some fighters who want to go and visit their families.

“Others just go to Europe to be ready.”

The Islamic State group has seized control of huge swathes of Iraq and Syria in the last year  IG

The Islamic State group has seized control of huge swathes of Iraq and Syria in the last year

The Syrian operative, a former member of his nation’s security forces, said ISIS had ambitious plans ahead.

He said: “It’s our dream that there should be a caliphate not only in Syria but in all the world,” he said “and we will have it soon, God willing.”

The operative agreed to a meeting at the urging of a former Free Syrian Army gunman who fought alongside him in the war.

The Syrian said he had been granted permission to attend the meeting by his superior in ISIS — a radical referred to by members of the group as an “emir.”

He said: “There are some things I’m allowed to tell you and some things I’m not.”

During the meeting, the operative said he believed future attacks would only target Western governments – not civilians.

Although details of terror plot are something over which he has little control, he claims.

The revelation comes after a spokesperson for Islamic State earlier this year called on Muslims in the West to carry out terror attacks.

Migrants in CalaisGETTY

The informant said he had smuggled people in amongst migrants

The jihadist told Western followers if they had the opportunity to “shed a drop of blood” in Western countries – then they should do so.

Spokesman Abu Mohammed al-Adnani also praised terror attacks that have happened in Australia, Belgium and France.

He said: “We repeat our call to Muslims in Europe, the infidel West, and everywhere to target the Crusaders in their home countries and wherever they find them.

“We will be enemies, in front of God, to any Muslim who can shed a drop of blood of a Crusader and abstains from doing that with a bomb, bullet, knife, car, rock or even a kick or a punch.”

http://www.express.co.uk/news/world/555434/Islamic-State-ISIS-Smuggler-THOUSANDS-Extremists-into-Europe-Refugees

Alemanha recebeu mais de 100 mil pessoas em busca de asilo em agosto

Desde o início do ano, mais de 400 mil refugiados chegaram ao país.
Previsão é de que 800 mil peçam asilo, quatro vezes mais que em 2014.

Um recorde de 104.460 pessoas chegaram à Alemanha em busca de asilo no mês passado, disse uma autoridade da Bavária nesta quarta-feira (2), parte de um onda sem precedentes de imigrantes que tem comprometido os recursos de municípios e vilas alemães.

A Alemanha, com leis para concessão de asilo relativamente liberais e benefícios generosos, é o país que mais recebe imigrantes vindos do sudeste europeu e pessoas que fogem das guerras no Oriente Médio.

De janeiro a agosto, cerca de 413.535 pessoas foram registradas no sistema alemão Easy, disse um porta-voz da ministra Social da Bavária, Emilia Mueller.

O sistema Easy é usado para o registro inicial de imigrantes que chegam à Alemanha. O pedido de asilo é um processo separado. Cerca de um terço dos registros em agosto foram feitos na Bavária, disse o porta-voz.

A Europa enfrenta sua maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial e ainda precisa organizar um plano de reposta conjunto. Milhares de pessoas de Oriente Médio, Ásia e África morreram em perigosas jornadas via terra ou mar.

A Alemanha espera que 800 mil pessoas entrem com pedidos de asilo no país neste ano, quatro vezes mais do que o nível do ano passado.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/alemanha-recebeu-mais-de-100-mil-pessoas-em-busca-de-asilo-em-agosto.html

Milhares de pessoas foram às ruas da Tunísia em protesto contra terrorismo

O presidente francês também participou de ato, convocado pelo governo.
Ataque a museu deixou 20 turistas mortos em 18 de março.

Milhares de pessoas foram às ruas da Tunísia neste domingo (29) para protestar contra o terrorismo internacional, uma manifestação de união nacional que só não foi apoiada pela Frente Popular, partido esquerdista que representa a quarta força no Congresso do país.

Convocados pelo governo e por líderes religiosos, os manifestantes partiram da histórica praça de Bab Saadoun, em direção ao museu Bardo, local do atentado que no último dia 18 de março matou 21 pessoas, 20 delas turistas estrangeiros.

“Hoje é um dia para dizer que que na Tunísia somos livres, que o terrorismo não poderá abalar nosso país e a nossa liberdade”, disse à Efe uma das manifestantes.

Centenas de bandeiras do país foram levadas pelos participantes do protesto, acompanhado por helicópteros do Exército tunisiano, e gritavam “terrorismo fora da Tunísia”.

Somaram-se à passeata o presidente do país, Beji Caid Essebsi, acompanhado de líderes árabes e europeus, fortemente escoltados, como o presidente da França, François Hollande, e o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas.

Concluído o trajeto, Essebsi inaugurou uma placa em homenagem aos mortos na entrada do museu, onde centenas de pessoas voltaram a gritar ‘liberdade para a Tunísia’ enquanto mostravam cartazes com os nomes dos 21 turistas mortos.

No último dia 18 de março, três terroristas invadiram o estacionamento do museu e abriram fogo contra um ônibus no qual viajavam cerca de 40 turistas. Depois, eles se atrincheiraram no interior do local e foram mortos pelas forças especiais da Polícia Nacional. Um deles, no entanto, conseguiu fugir e ainda está sendo procurado pelas autoridades locais.

Apesar de o atentado ter sido reivindicado pelo Estado Islâmico (EI), o governo da Tunísia acusa a Brigada Okba Ibn Nafaa, ligada à Al Qaeda do Magrebe Islâmico (AQMI) e que vive refugiada nas montanhas de Chaambi, na fronteira com a Argélia, de ser responsável pelo ataque.

Pouco antes do início da manifestação, a Tunísia divulgou que a Guarda Nacional conseguiu abater na madrugada deste domingo nove integrantes do grupo, em uma operação realizada na região de Gafsa.

Segundo fontes oficiais, o líder da organização e mentor do ataque contra o museu Bardo, Lokman Abou Sakher, foi morto na ação.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/03/milhares-de-pessoas-vao-ruas-da-tunisia-em-protesto-contra-terrorismo.html