Arquivo da tag: #misoginia

Irã: A “potência genocida” protegida pela “parceria ocidental”

Por Andréa Fernandes

Na quinta-feira, o presidente Donald Trump deu visibilidade em suas redes ao drama do famoso campeão iraniano de luta livre Navid Afkari, um jovem de 27 anos condenado à pena de morte pelo gravíssimo “crime-pecado” de participar de protestos contra o governo teocrático islâmico xiita[1]. A mídia não costuma divulgar, mas em países muçulmanos a liberdade de expressão é proibida assim como a crítica aos governantes “iluminados por Allah”.

O site de notícias Iran International informou que o tribunal da cidade de Shiraz determinou duas sentenças de morte contra Afkari, além de condenação a 6 anos e 6 meses de prisão e 74 chicotadas por participar de protestos pacíficos em 2018 contra o agravamento da situação econômica do país e o aumento estrondoso da inflação. Uma das sentenças foi aplicada por um “tribunal criminal” e a outra por um “tribunal revolucionário”, pois o “culto à morte” dos “infiéis não-alinhados” é um verdadeiro “altar do regime” desde a sangrenta Revolução em 1979.

A jornalista dissidente iraniana Behieh Namjou, noticiou que o lutador tem irmãos presos injustamente pelo regime[2]. Mas, ativistas de direitos humanos e iranianos da diáspora estão protestando nas redes aumentando a exposição de tamanha violação de direitos humanos, o que levou Trump a interceder pelo jovem através do Twitter[3] pedindo: “…Aos líderes do Irã, eu agradeceria muito se poupassem a vida desse jovem, e não o executassem. Obrigado!”

Segundo a Fox News, aAgência de Notícias de Ativistas de Direitos Humanos (HRANA) publicou uma imagem de uma carta de Navid Afkari na qual ele afirma que as autoridades iranianas o torturaram para forçá-lo a confessar as acusações fabricadas contra ele. Sua cabeça foi coberta com um saco plástico e álcool foi derramado em suas narinas como parte da tortura”[4].

No entanto, a TV estatal iraniana divulgou no sábado a suposta confissão por escrito de Afkari sobre a acusação de assassinato, muito embora a vítima do regime autoritário tenha dito numa gravação que circula nas redes sociais que foi COAGIDO a assinar o termo de confissão, o que é comum no país que promove tortura contra presos.

ONU em estado de absoluta “conivência”

Outros líderes globais “parceiros” no projeto armamentista genocida do Irã, tais como França e Reino Unido – que se abstiveram em votação no Conselho de Segurança da ONU para prorrogar embargo a compra de armas[5] – não se sensibilizaram com a grave violação de direitos humanos mantendo-se calados, porém, a instituição UN Watch expôs a conivência das Nações Unidas ao twitar[6] solicitando manifestação do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, em relação ao fato de “A República Islâmica do Irã ser membro da Comissão de Justiça Criminal das Nações Unidas”, apesar de sentenciar um nacional à pena de morte por exercer o direito supostamente “universal” à liberdade de expressão.

Se a ONU não se interessa em preservar a vida de milhões de pessoas através do impedimento à ascensão nuclear de um país, cuja liderança genocida promete publicamente destruir Israel, por que se importaria com a vida de um jovem atleta?

Na realidade, os jornalistas e humanistas histéricos que ficam chocados quando Israel bombardeia alvos do grupo terrorista Hamas em Gaza ou quando conservadores brasileiros protestam contra “o assassinato de feto a mando da própria mãe” – conhecido como “aborto” – costumam não se importar com as perversidades na terra dos aiatolás.

No “território do terror”, a lei islâmica promove verdadeiro “culto à morte”

Em relatório para a Assembleia Geral da ONU[7], Javaid Rehman, especialista em direitos humanos da ONU, afirmou em 2019, que houve aumento das restrições ao direito à liberdade de expressão e ininterruptas  violações dos direitos à vida, à liberdade e ao julgamento justo no Irã, salientando a realização de pelo menos 253 execuções de adultos e CRIANÇAS. O especialista relatou que o país tem  mais de 80 CRIMES PUNÍVEIS COM PENA DE MORTE, dentre os quais, adultério, homossexualidade, posse de drogas, “guerra contra Allah”, corrupção na terra, blasfêmia e insulto ao profeta Mohammad.

A instituição Iran Human Rights (IHR) divulgou Relatório[8] em julho denunciando pelo menos 123 execuções nos primeiros 6 meses do ano em diferentes partes do Irã. Desse total, apenas 36 execuções foram anunciadas pela mídia e autoridades locais, sendo as demais realizadas em “segredo”. Frisa, ainda a instituição:

“Isso mostra uma taxa de crescimento de mais de 10% em relação ao mesmo período de 2019. Nos primeiros seis meses de 2019, 110 pessoas foram executadas nacionalmente. (…) O número real de execuções pode ser muito maior do que os altos números já relatados.

A IHR revela que 4 iranianos foram executados em razão de “moharebeh” (inimizade contra Deus), e um deles foi morto sob acusação de “ter ligações com partidos da oposição” e os demais por acusações de fundamento desconhecidos.

Nem mesmo a “ingestão de bebida alcóolica” foi perdoada. A reincidência levou o iraniano Mortaza Jamali, de 55 anos, à pena de morte[9], pois o medieval Código Penal Islâmico prevê punição de 80 chibatadas em caso de consumo de bebida alcóolica, mas se o “infrator” for sentenciado e condenado três vezes, a pena na quarta “ação criminosa” é a morte.

Para agravar a covardia, muitos dos “crimes” não são considerados “graves” de acordo com o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Empresários e comerciantes são executados sob acusação de  “crimes econômicos”[10] e qualquer ação considerada “temerária” pelo regime pode resultar na pena capital, já que o promotor de Teerã, Jafari Dolatabadi, exortou os “importadores que abusam dos subsídios do governo”, salientando que podem ser acusados de “corrupção na terra”, o que possibilita a prolação de sentença de morte, medida que tem apoio de jornais e parlamentares reforçando o posicionamento do promotor para “executar pessoas  responsáveis por contribuir para a instabilidade econômica do país[11]. Mas, os “corruptos apadrinhados” que ocupam altos cargos no regime gozam de imunidade.

O Relatório da ONU conduzido por Rehman reforçou a declaração da Chefe dos Direitos Humanos da ONU, Michele Bachelet afirmando que a execução de crianças infratoras “é absolutamente proibida e deve terminar imediatamente”. Contudo, considerando a característica “leve” de violação de direitos humanos, a “quadrilha das Nações Unidas” não aplicou nenhuma sanção e os humanistas não protestaram em frente às embaixadas iranianas. Sugestão de boicote? Nem pensar! Antropólogos versados em “Ocidentalismo” ensinam a respeitar a “diversidade cultural assassina”.

De acordo com a Anistia Internacional, a crueldade do regime dos Aiatolás  que promove “execuções em massa”, deu ao Irã o status de “segundo carrasco mais prolífico do mundo.

Mulheres e crianças na mira do “fundamentalismo assassino”

No auge do descaso com a vida humana, Michele Bachelet, diante de dois casos de adolescentes açoitados e executados, cujas confissões foram obtidas através de tortura e toda sorte de violações do devido processo legal, se limitou a dizer[12]:

“Mais uma vez, apelo às autoridades para que detenham todas as execuções de jovens infratores e comutem imediatamente todas as sentenças de morte”.

Até as feministas engolem a barbárie do “regime racista, misógino e patriarcal” do Irã. A ativista e advogada Nasrin Sotoudeh foi condenada em março do ano passado a 38 anos de prisão e 148 chibatadas “em relação ao seu trabalho na defesa de mulheres acusadas de protestar contra o hijab obrigatório”. Nenhuma feminista resolveu se desnudar em protesto contra o símbolo máximo do “machismo islâmico”, o hijab. As iranianas continuam sendo presas, torturadas e estupradas ao tentar se libertar do autoritarismo machista, mas os “costumes impositivos muçulmanos” não estão no rol de violações de direitos humanos das mulheres progressistas.

Em agosto, um documentário do jornal Al Arabiya denunciou  crimes contra mulheres mantidas em prisões. Os depoimentos são estarrecedores: as detentas solteiras são frequentemente casadas à força ou estupradas antes da execução, uma vez que as autoridades das penitenciárias creem que se as mulheres forem mortas na condição de “virgens”, irão para o céu, destino indevido que as autoridades perversas tentam impedir através do estupro.

Aos manifestantes é assegurado o “direito sagrado à tortura”

Relatório da Anistia Internacional[13] divulgado em Maio revela a implementação de repressão brutal que impôs a prisão de mais de 7 mil homens, mulheres e crianças de até 10 anos. Teriam sido 304 pessoas mortas pelas forças de segurança  durante os protestos realizados em novembro de 2019. Os iranianos presos recentemente em virtude das manifestações antigovernamentais sofreram tortura física, sexual e psicológica, conforme imagens de vídeo e entrevistas com mais de 75 pessoas, envolvendo vítimas e parentes das mesmas.

Retirada forçada das unhas, choque elétrico nos órgãos genitais e execução simulada com armas e cordas, administração forçada de substâncias químicas, spray de pimenta, espancamentos e afogamentos eram alguns dos métodos utilizados por autoridades do regime e as acusações que fundamentaram as prisões arbitrárias realizadas em 28 das 31 províncias do país eram diversas, incluindo a participação em “protestos ilegais” e “compartilhamento de vídeos dos protestos com familiares, amigos, meios de comunicação ou redes sociais”.

Os detidos feridos eram privados do direito ao tratamento médico e medicamentos correspondentes, ainda que vítimas de armas de fogo e espancamentos.

Minorias reféns do terror

Nenhum segmento da sociedade iraniana está seguro em relação às ações autoritárias do regime, já que as instituições de repressão aumentaram a vigilância e punição sobre os sindicalistas, motoristas de caminhão, professores, operários de fábricas e outros profissionais que protestaram em favor dos seus direitos trabalhistas. Aqueles que ignoraram as ameaças foram intimados, presos e acusados de crimes variados, como por exemplo, “espalhar propaganda contra o Estado” e “perturbar a ordem pública e a paz por meio de participação em reuniões ilegais”, o que resulta em prisões e chicotadas.

As minorias étnicas e religiosas também sofrem violações de direitos humanos. A comunidade Bahai ocupa a posição lamentável de maior minoria religiosa não-muçulmana e não-reconhecida do Irã, sendo contínua as “mais flagrantes formas de repressão, perseguição e vitimização.” Já a minoria sunita, que representa aproximadamente 10% da população é atingida por medidas de Apartheid garantidas pela Constituição, a qual os proíbe de ocupar cargos religiosos relevantes, sendo certo que não foi permitida a construção de mesquita na capital desde 1970. Infelizmente, a rivalidade e ódio sectário entre sunitas e xiitas remonta à morte do profeta.

Pior situação é a dos cristãos convertidos, considerados “apóstatas” pelo regime, o que impede o reconhecimento oficial de igrejas. Esses cristãos devem se reunir clandestinamente e sofrem perseguição estatal terrível por ser considerados “inimigos do Estado”. Segundo a lei iraniana, os cristãos “agem contra a segurança nacional”.

As minorias étnicas, dentre as quais, ahwazis árabes, turcos do Azerbaijão, baluchis e curdos, sofrem com a negação de direitos humanos básicos. Os presos políticos da etnia curda também costumam ser acusados de praticar “crimes contra a segurança nacional” e compõem  quase metade do número total de presos políticos no país.

Por que o Ocidente se cala?

Grande parte das desgraças promovidas pelo regime iraniano contra a população vem sendo fartamente relatada por testemunhas e instituições de direitos humanos, porém, não vemos o engajamento de artistas, políticos, intelectuais, humanistas. Por quê? O jornalista Reza Parchizadeh responde: o regime iraniano passou a se infiltrar e influenciar o sistema educacional americano, por perceber que no Ocidente, a academia desempenha papel importantíssimo na política do dia-a-dia e nos planos políticos de longo prazo.  Colocando em prática essa estratégia no “coração do ocidente” cria um “escudo” para espalhar sua ideologia e “se defender dos seus adversários”.

Afirma  Parchizadeh:

O meio acadêmico no Ocidente em geral e nos Estados Unidos em particular, favorece automaticamente a República Islâmica. E isso faz sentido. As correntes esmagadoramente esquerdistas na academia veem um aliado estratégico – senão totalmente ideológico – no regime iraniano em sua luta contra o suposto capitalismo e imperialismo do establishment político ocidental. Além disso, o aparato de segurança do regime iraniano também manipula conscientemente a academia ocidental por meio de financiamento, modelagem de currículo e implantação de professores, pesquisadores e estudantes pró-Teerã em universidades americanas e outros centros de ensino superior e pesquisa.”

A influência dominadora se dá de forma organizada há décadas e várias instituições trabalham nesse sentido. Parchizadeh discorre sobre a Fundação Alavi, braço estrangeiro da Fundação Mostaz’afan da Revolução Islâmica, instituição que representa um poderoso conglomerado político e financeiro vinculado diretamente ao Aiatolá e à Guarda Revolucionária, que funciona desde a Revolução Iraniana como uma “entidade de fachada” visando promover a ideologia e atividades pró-regime na América do Norte, utilizando o método predileto de financiar Departamentos de Estudos iranianos, islâmicos e do Oriente Médio nos mais renomados centros de ensino superior e instituições afins para que reverberem a concepção do regime nessas áreas.

Um relatório da entidade Conservative Review aponta que a Fundação Alavi financiou e instituiu professores e currículos apoiadores do Irã em 41 universidades estadunidenses. Aliás, a universidade onde o blogueiro de extrema-esquerda Guga Chacra estudou – Columbia University – recebeu esses “mimos” da ditadura genocida. Daí, o “respeito” do militante que se nega a reconhecer a facção Hezbollah como organização terrorista.

Além de “tapar os olhos” dos manipulados ideologicamente no que concerne às violações de direitos humanos contra a população iraniana e minorias que vivem naquele território, bem como toldar os projetos imperialistas e as intervenções carniceiras na Síria, Iraque, Líbano e Iêmen, os “filhotes institucionais do regime” promoveram o “desacerto global” de apoiar o perigoso “acordo o nuclear”.

A omissão conivente que não resiste à barbárie e a prevalência da presunção de boa-fé em relação à uma ideologia assassina “açucarada” pelo veneno multiculturalista mostra que no quintal do “Grande Satã”, quem “canta de galo” é Allah!

Andréa Fernandes – advogada, internacionalista, jornalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires (EVM).

Imagem: The Media Express


[1] https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2020/09/04/Trump-calls-on-Tehran-not-to-execute-27-year-old-Iranian-wrestler?utm_source=insider&utm_medium=web_push&utm_campaign=en_trump_iranian_wrestler_&webPushId=MjI0NzU=

[2]https://twitter.com/AlinejadMasih/status/1300465583583002630?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1300465583583002630%7Ctwgr%5Eshare_3&ref_url=https%3A%2F%2Fwww.foxnews.com%2Fworld%2Firan-imposes-double-execution-on-champion-wrestler-for-peacefully-protesting-regime

[3]https://twitter.com/realDonaldTrump/status/1301627761715490817?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1301627761715490817%7Ctwgr%5Eshare_3&ref_url=https%3A%2F%2Fenglish.alarabiya.net%2Fen%2FNews%2Fmiddle-east%2F2020%2F09%2F04%2FTrump-calls-on-Tehran-not-to-execute-27-year-old-Iranian-wrestler

[4] https://www.foxnews.com/world/iran-imposes-double-execution-on-champion-wrestler-for-peacefully-protesting-regime

[5] https://oglobo.globo.com/mundo/em-derrota-para-os-eua-conselho-de-seguranca-da-onu-rejeita-extensao-do-embargo-de-armas-ao-ira-24587487#:~:text=As%20san%C3%A7%C3%B5es%20unilaterais%20americanas%20ao%20Ir%C3%A3%20foram%20restabelecidas.&text=Mas%2C%20com%20o%20acordo%20de,com%C3%A9rcio%20de%20armas%20pelo%20Ir%C3%A3.

[6] https://twitter.com/UNWatch/status/1299827990080229377

[7] https://english.alarabiya.net/en/features/2019/08/17/UN-expert-Executions-in-Iran-among-the-world-s-highest

[8] https://iranhr.net/en/articles/4311/

[9] https://www.amnesty.org/en/latest/news/2020/07/iran-man-executed-for-drinking-alcohol/

[10] https://www.arabnews.com/node/1424271/middle-east

[11] https://www.hrw.org/news/2018/08/10/irans-judiciary-threatens-executions-economic-crimes

[12] https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2019/05/03/UN-rights-chief-says-appalled-by-Iran-execution-of-two-minors-

[13] https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2020/09/02/Iran-tortures-protesters-with-fingernail-removal-electric-shock-mock-killing-Repor

Paquistão: Muçulmanos apedrejam mulher até a morte

“Crime de honra em Sindh: mulher apedrejada até a morte, confirma relatório post mortem”, Global Village Space , 7 de julho de 2020 (graças a The Religion of Peace ):

Um relatório post mortem sobre o corpo de uma mulher supostamente apedrejada até a morte no distrito de Jamshoro confirmou que uma tortura severa foi infligida a ela, o que levou à sua morte. Segundo o relatório, a suposta vítima de apedrejamento teve um crânio fraturado com o pescoço e os ossos faciais quebrados, o que afetou gravemente seu cérebro. Este é outro caso brutal de assassinato por honra em Sindh.

Além disso, houve ferimentos graves em todo o corpo da mulher, de acordo com a autópsia realizada 12 horas após sua morte. Concluiu que ferimentos na cabeça resultaram em sua morte.

Segundo a polícia, em 27 de junho, a Polícia Rodoviária encontrou o corpo mutilado de uma mulher desconhecida com ferimentos graves na cabeça da Rodovia Indus, nos limites da Delegacia de Chachaar.

A Polícia Rodoviária encaminhou o caso para a Delegacia de Chachaar, onde a vítima foi identificada como Waziran Chachaar, uma moradora da aldeia vizinha de Wadda Chachaar….

Surpreendentemente, os parentes da mulher falecida, incluindo o pai e o marido, inicialmente evitaram a investigação policial e o registro do caso e queriam que um acidente de viação fosse declarado como a causa da morte. Mais tarde, o pai e o marido acusou um ao outro como assassino da mulher.

Fontes afirmam que esse assassinato é um caso de Karo-Kari, que é um assassinato premeditado de honra amplamente praticado nas áreas rurais e tribais de Sindh. Quaisquer homens ou mulheres envolvidos em relações pré-maritais ou extraconjugais são considerados inimigos da consciência coletiva e espera-se que a família em questão tire a vida da pessoa para restaurar a honra ou a reputação.

As estatísticas oficiais revelam que de janeiro a junho de 2019, houve 78 casos de assassinato por honra. Alguns casos foram registrados, mas em muitos casos, as investigações estão pendentes devido a desafios culturais e estruturais.

No entanto, a polícia geralmente acha difícil investigar esses casos devido a razões culturais. “A morte por honra é um problema social e tem suas raízes na cultura tribal e em uma mentalidade em que as mulheres são vistas como subservientes aos homens”, disse Abdul Khaliq Shaikh, sede da DIG.

Imagem e informações Jihad Watch

Mauritânia: Parlamento rejeita duas vezes as leis que endurecem as penas por violência contra as mulheres

As feministas na Mauritânia estão lutando uma batalha difícil para ver penalidades mais duras para violência sexual e discriminação em um estado conservador onde o direito penal é derivado da Sharia.

“Poucos sobreviventes de ataques sexuais se atrevem a falar na Mauritânia”, disse a Human Rights Watch em um relatório em setembro passado.

A entidade criticou “um sistema disfuncional que desencoraja as vítimas de acusações (e) pode levar a uma nova traumatização ou punição.”

Os grupos de mulheres ajudaram a elaborar legislação para combater a violência baseada no gênero, exigindo penas mais duras para o estupro, a criminalização do assédio sexual e a criação de tribunais específicos para lidar com a violência sexual.

Mas o projeto foi rejeitado duas vezes pelo parlamento, apesar dos esforços para elaborar textos que estão dentro dos limites da lei Sharia – por exemplo, sexo extraconjugal permaneceria um crime.

Os legisladores se opuseram a disposições que permitem que as mulheres viajem sem a permissão de seus maridos, e permitem que grupos de apoio a vítimas arquivem processos civis.

Liderando a luta pela mudança está a Associação de Mulheres Chefes de Família (AFCF), cujo presidente Aminetou El Moctar disse à AFP: “Precisamos desta lei, porque sabemos que a violência contra as mulheres está aumentando” – embora as estatísticas sobre o flagelo estejam seriamente ausentes.

Nos escritórios da AFCF, Zahra (nome fictício) relatou como uma vizinha teve sua filha de cinco anos raptada de sua casa enquanto dormia, e depois foi estuprada a menina.

Por causa da pouca idade da menina e do fato de que o estuprador era um pedófilo serial, ele foi rapidamente condenado a 10 anos de prisão.

Mas a AFCF afirma que, na Mauritânia, os violadores condenados raramente cumprem suas sentenças.

“Ele provavelmente ficará um ano no máximo”, disse Mariem, um pesquisado do caso. “Depois disso, ele poderá pagar fiança e sair em liberdade condicional.  Então, quando houver uma anistia geral, ele se beneficiará disso. ”…

Imagens e informações Jihad Watch

A Contradição do “Lugar de Fala” nos Discursos Feministas

Por Andréa Fernandes

O Dia internacional da Mulher é uma daquelas datas que me irrita profundamente. Nada contra a mulherada, pelo contrário! O que me causa arrepio é o “espetáculo” que a militância feminista faz sob o pretexto de alcançar o “empoderamento” através do exercício do chatíssimo “lugar de fala[1]”, conceito criado por uma militante negra, o qual foi “apropriado” por outros militantes de movimentos feministas, negros e LGBTs em debates nas redes.

“Lugar de fala” representa, segundo seus defensores, a busca pelo fim da mediação considerando que a pessoa que sofre “preconceito” fala por si, como protagonista da própria luta e movimento. Eles acreditam que esse “mecanismo de vitimização” emergiu como contraposição do suposto silenciamento dos reclames de minorias sociais por grupos privilegiados em espaços públicos de debate. Toda essa “esquizofrenia conceitual” desconsidera que “a fala” da imprensa há muitos anos reduz a “sociedade branca machista patriarcal” a um nível depreciativo vergonhosamente “deslocador”. Afinal de contas, é praxe as lideranças das  “minorias” posicionarem suas demandas estigmatizando as “maiorias”, já que “discursos conciliatórios” não integram a agenda nessa “guerra cultural” promovida pela extrema-esquerda, onde a maior vítima é a “verdade”.

Mutilação genital Feminina não combina com “lugar de fala”

O problema é que nessa “conversa mole” de denunciar as chamadas “relações de poder” com base na alegada “legitimidade” para discursar representando determinadas “minorias”, milhões de mulheres são “desalojadas”. Eu explico com um exemplo simples: no “Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina”, celebrado há dois dias, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu o fim da prática que caraterizou como “horrenda violação dos direitos humanos[2]. Cerca de 200 milhões de meninas e mulheres foram submetidas à essa indizível crueldade e, segundo as Nações Unidas, até 2030, o quantitativo lastimável de 68 milhões de mulheres poderão ser mutiladas. Logo, pergunto: qual “movimento” conhecido divulgado na grande mídia e redes vem exercendo o “lugar de fala” dessas “vítimas da barbárie” perpetrada por “trogloditas machistas medievais”? Aliás, convém enfatizar que a “prática” é comum na “Europa”.

Em 2017, foi emitido relatório no Canadá[3] alertando que praticantes de medicina indocumentada especializados em mutilação genital feminina (MGF) que atuavam no país abraçaram uma nova modalidade, qual seja, ofertar seus “serviços desumanos” nas casas dos seus “clientes muçulmanos”. Ah… esqueci de informar no parágrafo acima que a prática é comum em vários países muçulmanos, apesar do relatório da ONU culpar as “culturas” a fim de não permitir que o crime seja identificado como “conduta justificável” de  parte dos seguidores da “religião da paz”. Ademais, relatórios de inteligência informavam naquele ano que DEZENAS DE MILHARES DE MENINAS E MULHERES  nos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália passaram pelo procedimento ou estariam sob risco, além do que, no Canadá, as autoridades não tinham como precisar a abrangência dos casos.

As bebês no Reino Unido desprovidas de “lugar de fala”

A dificuldade extrema de detectar a aberração que marca ad eternum a vida das mulheres é um acréscimo no drama vivenciado por BEBÊS no Reino Unido. Preste atenção! Você não leu incorretamente: o procedimento utilizado pelo Estado Islâmico e que horrorizava os “ocidentais” é COMUM no Reino Unido. No dia 4 de fevereiro, o jornal BBC[4] noticiou que a Polícia de West Yorkshire divulgou que ¼ dos seus relatórios de mutilação genital feminina entre 2015 e 2017, envolvia vítimas com três anos ou idade inferior. Houve caso de bebê mutilada com apenas 1 mês de vida.

A especialista em MGF, Dra. Charlotte Proudman afirmou que era “quase impossível detectar” o procedimento, pois as meninas não estavam na escola ou não tinham condição de relatar a prática devido idade insuficiente. O crime nem sempre é denunciado por médicos e quando um profissional da saúde se encoraja a informar à polícia, alguns policiais  não sabem como proceder porque falta “protocolo” para lidar com uma questão de saúde pública gravíssima.

Charlotte Proudman declarou o seguinte:

“As pessoas estão preocupadas com as sensibilidades culturais, preocupadas em serem rotuladas como RACISTAS”.

O temor de cair na “teia  acusatória” dos movimentos em prol das minorias fez com que desde 2010, a Promotoria recebesse apenas 36 encaminhamentos de MGF pela polícia. Um relatório da Universidade de Londres emitido em 2015, estimou que 137 MIL mulheres e meninas foram vítimas de mutilação genital.

Após a sucinta exposição, questiono: como fica o “lugar de fala” das bebês e meninas que sofrem mutilação genital, visto que, em geral, as mães e avós são responsáveis pela autorização da prática? Ou seja, aquelas que teriam na concepção feminista a “legitimidade” primordial para exercer o “mecanismo de discurso” são as “culpadas” pela violação dos direitos humanos. O movimento feminista por sua vez, não se imiscui na questão para evitar “conflito indesejável e perigoso” com a “minoria” cujo “lugar de fala” é garantido pela “espada” que subjugou o “Ocidente infiel”. Daí, a gente não vê o tema em nenhuma das muitas marchas e “atos” de “pautas marcadas”.

Ayaan Irsi Ali, a refugiada “filha” da África, atacada por feminista palestina

A omissão das “feministas lacradoras” fez a “batata quente” da “luta mundial” contra a MGF parar nas mãos de uma MULHER NEGRA, “filha da África” de berço somali, Ayaan Irsi Ali[5], que venceu os traumas impostos pela pobreza e a “tradição” da família muçulmana, sendo submetida a “cliterectomia” (extirpação do clitóris) e ao “casamento forçado” com um primo muçulmano. Sabedora que nenhuma feminista lhe ajudaria para mudar o “roteiro de vida ” escrito pela “religião”, fugiu do marido em direção à Holanda, onde pediu asilo. Sem fazer uso do “discurso de vitimização” estudou Ciência Política e foi eleita deputada da Câmara Baixa do Parlamento holandês, deixando o país em 2006, após sofrer ameaça de muçulmanos em virtude de produzir o “material denunciativo” que fundamentou o curta-metragem “Submissão”, em 2004, onde era exposta a violência efetivada contra mulheres muçulmanas, notadamente, a MGF, abordando outros abusos, tais como incestos, estupros consentidos, casamentos e suicídios forçados de jovens imigrantes muçulmanas.

A sharia não perdoa os “infiéis”, e a “penalidade  cabível” foi aplicada contra o cineasta e escritor escocês que produziu o filme, Theo Van Gogh, que em novembro de 2004, teve sua garganta cortada além de ser baleado numa rua de Amsterdã por muçulmano holandês de origem marroquina. Um bilhete cravado a faca no peito do cineasta continha versos do alcorão[6] e o “aviso” de que Ayaan Irsi seria a próxima vítima.

A refugiada somali, que não obteve “garantia de segurança” na Holanda mudou-se para os Estados Unidos e deu continuidade à sua luta que passou a ser ferozmente combatida pela esquerda progressista, pois não a vê com legitimidade para exercer o seu “lugar de fala” como mulher, negra, mutilada e refugiada. Em 2011, Linda Sarsour, uma muçulmana palestina vinculada ao Partido Democrata e ao grupo terrorista Hamas, que também é diretora executiva da Associação Árabe-Americana de Nova York – e como tal, exerce ativismo para implementação da sharia nos Estados Unidos – utilizou o twitter com ofensa vulgar contra Ayaan Hirsi e a fundadora do grupo “ACT for America”, Brigitte Gabriel, escrevendo: “eu gostaria de poder arrancar fora as suas vaginas – elas não merecem ser mulheres”[7]. De maneira que, pouco importou se a ofensa se dirigia a uma mulher que sofreu a desgraça da MGF aos 5 anos.

Sarsour usou seu “lugar de fala” como “mulher” e  “ativista palestina” para determinar que Ayaan e a refugiada libanesa Brigitte não mereciam ser reconhecidas como “mulheres”, o que comprova que a esquerda traz para si a “autoridade totalitária” de definir os “papéis sociais”, ainda que ambas as “vítimas do ódio” sejam, também, “biologicamente mulheres” e defendam o “gênero feminino” das práticas misóginas do Islã.

O ataque promovido pela violenta islamista palestina que ajudou a coordenar a “Marcha das Mulheres contra Trump” – organizada e financiada pelo bilionário George Soros, em janeiro de 2017 – não foi repreendido por nenhum movimento feminista. Por que deveria, não é verdade? Para alguém ter “direito” ao “lugar de fala” deve “falar a mesma língua” da liderança do movimento. Sem essa “harmonia” configura-se um “ruído” que torna a pauta “inaudível”.

E nesse trajeto assustador de “antagonismo crônico” reproduzido por suas “falas desconexas e dissimuladas” sem suporte fático, o movimento feminista está fadado a chegar a “lugar nenhum”.

Viva as mulheres alforriadas do sistema opressor feminista!

Andréa Fernandes é jornalista, advogada, internacionalista e Presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Imagem abc net

[1] https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/01/15/O-que-%C3%A9-%E2%80%98lugar-de-fala%E2%80%99-e-como-ele-%C3%A9-aplicado-no-debate-p%C3%BAblico

[2] https://nacoesunidas.org/onu-68-milhoes-de-mulheres-e-meninas-poderao-sofrer-mutilacao-genital-ate-2030/

[3] https://globalnews.ca/news/3602227/female-genital-mutilation-canada-border-officers-warned/

[4] https://www.bbc.com/news/uk-47076043

[5] http://www.rodaviva.fapesp.br/materia/381/entrevistados/ayaan_hirsi_ali_2008.htm

[6] https://www.nytimes.com/2004/11/03/world/europe/dutch-filmmaker-an-islam-critic-is-killed.html

[7] http://infielatento.blogspot.com/2017/01/marcha-das-mulheres-contra-Trump-promove-Sharia.html

 

Irã: Regime se recusa a aprovar projeto de lei para impedir a violência contra as mulheres

O Judiciário iraniano pediu que a proposta de segurança para mulheres contra a violência seja revisada, expressando dúvidas sobre se as pesadas punições estipuladas na lei por violações dos direitos das mulheres podem realmente enfraquecer a estrutura familiar, ou seja, colocar um marido na cadeia por espancar sua esposa.

Gholam-Hossein Mohseni Eje’ii, primeiro vice-ministro e porta-voz do Judiciário, disse : “O objetivo de adotar este projeto é fortalecer o ambiente familiar para que mulheres, cônjuges e outros se sintam seguros em todos os aspectos. Agora, a questão é se os artigos contidos na lei do PSW fornecem essa segurança ou não. ”

Ele argumentou que a política geral do Irã é “aprisionamento”, que levanta a questão de por que as prisões iranianas têm entre três e quatro vezes a capacidade, e que a lei defende a prisão como punição para cada “violação menor”, ​​uma frase que deve ser traduzida a cada ato de violência contra as mulheres.

Eje’ii disse: O projeto PSW continha vários problemas que não puderam ser reformados. A solução é redigir uma lei totalmente diferente ou reformar a lei existente somente em colaboração com o governo ”.

Essa noção ridícula foi repetida pelo deputado cultural do Judiciário, Hadi Sadeqi, que argumentou que era impossível que o projeto PSW apoiasse as mulheres se mandasse seus maridos para a prisão e descreveu o ato de aprisionar abusadores domésticos como “o maior golpe para as mulheres e famílias“.

Ele disse: “Quando uma mulher manda o marido para a prisão, esse homem nunca mais poderá ser marido para ela, e a mulher deve aceitar o risco de se divorciar com antecedência“.

Isso mostra, como se precisássemos confirmado, que o Judiciário iraniano e o Regime como um todo não levam a sério a violência contra as mulheres, especialmente quando o marido comete essa violência.

Também mostra que o Regime não faz ideia do impacto destrutivo que a violência doméstica tem sobre uma mulher ou sobre a família como um todo. De fato, se os mullahs olhassem para a causa raiz da maioria dos casos de mulheres condenadas à morte, suicidas e fugitivas, bem como as crescentes taxas de divórcio, eles descobririam que a maioria está ligada à violência doméstica.

O Regime tem bloqueado o projeto PSW por 13 anos, não porque eles têm uma política de aprisionamento, mas porque eles não se importam com as mulheres. É por isso que prendem mulheres que protestam contra o hijab forçado e se recusam a aumentar a idade de casamento para meninas para 15 anos, o que ainda seria terrivelmente jovem.

Com imagem e informações NCRI

Arábia Saudita desenvolve aplicativo para impedir mulheres de viajar sem a permissão de guardiões

“A Arábia Saudita faz um apelo para impedir que as mulheres viajem sem consentimento”, por Zakaria Oudrhiri, Marrocos World News , 5 de fevereiro de 2019:

Rabat – O Centro Nacional de Informações da Arábia Saudita desenvolveu um aplicativo móvel chamado “Absher” (árabe para “curtir”) que permite que homens responsáveis, geralmente maridos e pais, monitorem os movimentos das mulheres.

O aplicativo, disponível em iOS e Android, foi desenvolvido para ajudar os responsáveis ​​por tarefas como renovar a carteira de motorista ou pagar multas, mas também para monitorar as mulheres e impedi-las de sair do país sem o consentimento deles.

O aplicativo envia uma notificação quando uma mulher apresenta seu passaporte no controle de fronteira. A polícia de fronteira negará a viagem da mulher se o seu tutor disser…

Com imagem NDig e informações Jihad Watch

Promotor-chefe do Irã: é pecaminoso mulheres assistirem homens seminus jogando futebol

O procurador-chefe do Irã, Mohammad Jafar Montazeri, ameaçando autoridades que permitem que mulheres entrem em estádios de futebol, causou um alvoroço entre ativistas iranianos.

Montazeri, o poderoso chefe do judiciário do país, afirmou que as mulheres deveriam ser proibidas de ir aos estádios porque é “pecado” para elas assistirem “homens seminus jogarem futebol”. Ele acrescentou que a ação será tomada se elas continuarem indo.

Os estádios de futebol estão proibidos para as mulheres nas últimas quatro décadas no Irã, uma proibição que dividiu o establishment político do Irã.

Patricia González@PatriGlez8

Yesterday🇮🇷 they did one more step but still a long way to go. As long as Iranian women can’t buy tickets to enter the stadiums, keep fighting.
Football is for ALL!

O líder da Guarda Revolucionária Iraniana, Abdullah Hajj Sadeqi, também chocou o público quando pediu aos guardas para impedir que as mulheres entrassem nos estádios e disse que “a presença das mulheres nos estádios é perigosa”.

“Primeiro, permitimos que as mulheres assistam à Copa do Mundo na televisão, depois permitimos que elas entrem nos estádios para assistir às reivindicações do futebol. Em seguida, as mulheres vão querer se misturar com os homens e assistir aos jogos juntos. Não devemos perder nossa fé religiosa e precisamos ter cuidado com nosso comportamento social ”, disse Sadeqi.

Autoridades do Estádio Azadi, em Teerã, selecionaram cerca de 150 mulheres para participar da partida de futebol entre as equipes iraniana e boliviana na terça-feira, que terminou com uma vitória para o Irã.

As mulheres foram autorizadas a participar de estádios de futebol quando a FIFA exigiu que a Federação Iraniana de Futebol permitisse que as mulheres assistissem aos jogos de futebol.

O assessor cultural da Federação, Gholam Hussein Zanam Abadi, disse: “A FIFA solicitou que as mulheres fossem permitidas nos estádios. Não poderíamos nos arriscar a ser barrados da competição por causa da proibição ”.

Durante a última partida de futebol, as autoridades permitiram que algumas mulheres entrassem no estádio e proibiram outras. Eles também proibiram os fotógrafos de tirar fotos de fãs do sexo feminino, a fim de evitar a reação dos fundamentalistas. No entanto, fotos e vídeos de fãs do sexo feminino foram amplamente divulgados nas redes sociais com legendas incentivando mais liberdade para as mulheres iranianas.

Irony Of India@IronyOfIndia_

Iranian women attended the international friendly match between Iran and Bolivia at the Azadi Stadium for the first time in nearly 40 years! Women were banned from entering male sports stadiums.

Imagem e informações Al Arabiya

10 países mais perigosos do mundo para as mulheres

Aqui está a lista dos 10 países classificados como os mais perigosos para as mulheres por uma pesquisa de especialistas globais

A Índia foi apontada como o país mais perigoso do mundo para as mulheres em uma pesquisa com especialistas globais divulgada na terça-feira.

A pesquisa da Thomson Reuters Foundation com cerca de 550 especialistas em questões femininas classificou o Afeganistão e a  Síria  em segundo e terceiro lugar, com a Somália e a Arábia Saudita em seguida.

A pesquisa foi uma repetição de uma pesquisa semelhante em 2011, que classificou os países mais perigosos para as mulheres como Afeganistão, República Democrática do Congo, Paquistão, Índia e Somália.

Ele perguntou quais cinco dos 193 estados membros das Nações Unidas eram mais perigosos para as mulheres e o pior para os cuidados de saúde, recursos econômicos, práticas tradicionais, abuso sexual e não sexual e tráfico de seres humanos.

1. ÍNDIA – No topo da lista, com níveis de violência contra as mulheres ainda em alta, mais de cinco anos após o estupro e assassinato de um estudante em um ônibus em Nova Déli provocou indignação nacional e promessas do governo para enfrentar a questão.

A Índia classificou-se como a mais perigosa em três questões – os riscos que as mulheres enfrentam de violência e assédio sexual, de práticas culturais e tradicionais e do tráfico de seres humanos, incluindo trabalho forçado, escravidão sexual e servidão doméstica.

2. AFEGANISTÃO – Segundo na lista, com especialistas dizendo que as mulheres enfrentam problemas terríveis quase 17 anos após a derrubada do Taleban.

Classificado como o país mais perigoso para as mulheres em três áreas – violência não sexual, acesso a cuidados de saúde e acesso a recursos econômicos.

3. SÍRIA – Terceiro após sete anos de guerra civil. Classificada como o segundo país mais perigoso para mulheres em termos de acesso a cuidados de saúde e violência não sexual, o que inclui violência relacionada com conflitos, bem como abuso doméstico. Terceiro conjunto com os Estados Unidos sobre os riscos que as mulheres enfrentam de abuso sexual.

5. ARÁBIA SAUDITA – Quinto total, mas o reino conservador foi nomeado o segundo país mais perigoso para as mulheres em termos de acesso econômico e discriminação, inclusive no local de trabalho e em termos de direitos de propriedade. Quinto em termos dos riscos que as mulheres enfrentam de práticas culturais e religiosas.

6. PAQUISTÃO – O sexto mais perigoso e quarto pior em termos de recursos econômicos e discriminação, bem como os riscos que as mulheres enfrentam de práticas culturais, religiosas e tradicionais, incluindo os chamados crimes de honra. O Paquistão ficou em quinto lugar na violência não sexual, incluindo abuso doméstico.

7. REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO – Listada como a sétima das Nações Unidas, alertando que milhões de pessoas enfrentam “condições infernais de vida” depois de anos de derramamento de sangue e ilegalidade. Classificada como segundo país mais perigoso para mulheres no que diz respeito à violência sexual, e entre sétima e nona em quatro outras questões.

8. IÊMEN – Oitavo na lista após classificar mal o acesso a cuidados de saúde, recursos econômicos, risco de práticas culturais e tradicionais e violência não sexual. O Iêmen ainda está se recuperando da crise humanitária mais urgente do mundo, com 22 milhões de pessoas que precisam de ajuda vital.

9. NIGÉRIA – Classificado em nono lugar, com grupos de direitos humanos acusando os militares do país de tortura, estupro e assassinato de civis durante uma luta de nove anos contra militantes do Boko Haram.  Nigéria foi nomeada o quarto país mais perigoso, juntamente com a Rússia, quando se tratava de tráfico humano. Ele listou o sexto pior dos riscos que as mulheres enfrentam em práticas tradicionais.

10. ESTADOS UNIDOS – Única nação ocidental no top 10 e terceira em conjunto com a Síria pelos riscos que as mulheres enfrentam em termos de violência sexual, incluindo estupro, assédio sexual, coerção sexual e falta de acesso à justiça em casos de estupro. A pesquisa veio depois que a campanha #MeToo se tornou viral no ano passado, com milhares de mulheres usando o movimento de mídia social para compartilhar histórias de assédio ou abuso sexual.

Com imagem   Jornal de Notícias e informações Haaretz

Apresentadora de TV Saudita foge do país em meio à investigação por usar ‘vestes indecentes’

Uma apresentadora de TV saudita deixou o reino, pouco depois de a autoridade de radiodifusão ter dito que vai iniciar uma investigação sobre suas violações do código de vestuário no reino conservador.

A Comissão Geral de Mídia Audiovisual anunciou a investigação depois que um vídeo circulou nas mídias sociais mostrando Shereen al-Rifaie uma reportagem sobre as mulheres sauditas que dirigem no reino.

No clipe, ela está usando roupas que violam os regulamentos do reino: um lenço solto com uma abaya branca, um vestido tradicional, que estava aberto, mostrando suas calças e blusa por baixo.

>> Quando a Arábia Saudita era um reino judeu ■ Mulher saudita dirige carro de Fórmula 1, marcando o fim da proibição de mulheres

A comissão disse que a investigação prosseguirá apesar de al-Rifaie ter deixado o país. Ela trabalha para a estação de TV Al-Aan, dos Emirados Árabes Unidos.

 

Ela rejeitou as acusações, dizendo ao site de notícias saudita Ajel: “Eu estava vestindo roupas decentes e Alah revelará a verdade do que foi dito sobre mim”.

A Arábia Saudita é conhecida por sua interpretação estrita do Islã. As mulheres devem cobrir os cabelos e usar roupas largas e soltas.

Com imagem IBTimes India e informações Haaretz

Mulheres tunisianas marcham por direitos de herança iguais aos homens

Centenas de mulheres foram às ruas na capital tunisiana no sábado para exigir direitos de herança iguais aos homens, um assunto que muitas vezes é visto como um tabu no mundo árabe.

O país muçulmano do norte da África concede às mulheres mais direitos do que outros países da região, e desde o ano passado permitiu que as mulheres muçulmanas se casem com homens não-muçulmanos.

Mas os manifestantes que marcharam para o prédio do parlamento em Túnis no sábado disseram que queriam direitos como as mulheres europeias tendo acesso aos mesmos direitos de herança.

Juntamente com alguns homens, as mulheres gritaram slogans como “em um estado civil, eu tomo exatamente o que você toma”, exigindo o fim das leis de herança baseadas na lei islâmica. Isso geralmente concede aos homens o dobro do que as mulheres recebem.

Kaouther Boulila, um ativista, disse:

É verdade que as mulheres tunisianas têm mais direitos em comparação com outras mulheres árabes, mas queremos compará-los com os direitos das mulheres europeias. Nós apenas queremos nossos direitos.

Em agosto, o presidente Beji Caid Essbsi, político secular, criou uma comissão para redigir propostas para promover os direitos das mulheres.

Leia: Tunísia gastará mais US $ 70 milhões em pobres após protestos e 800 prisões

A Tunísia foi aclamada como a única história de sucesso da “primavera árabe” após as liberdades políticas introduzidas com a expulsão de Zine El Abidine Ben Ali, em 2011.

O crescimento econômico tem sido decepcionante, no entanto, com o alto desemprego levando muitos jovens tunisianos a se juntaram ao levante no exterior.

Este relatório foi recebido da Reuters.

Categorias

Notícias daÁfricaVídeos deTunísiae Histórias de Fotos

Com informações e imagens de Middle East Monitor