Arquivo da tag: #muçulmana

Suécia: menina é ameaçada de estupro e chamada de vadia em escola por não se vestir como muçulmana

Uma menina receberá cerca de dois mil euros de indenização depois de ter sido exposta a assédio por outros estudantes da escola Johannes em Malmö, segundo reportagem da Fria Tider .

Outros incidentes incluíram ter suas calças abaixadas e ameaças de estupro porque ela não era “muçulmana o suficiente”, disse o pai da menina.

De acordo com um artigo em Sydsvenskan de novembro de 2016, os pais contam como as crianças da escola Johannes em Malmöalgumas com apenas seis anos de idade – foram espancadas e assediadas sexualmente durante o horário escolar.

Um pai falou sobre como sua filha foi maltratada durante anos, sendo chamada de “vadia” e ameaçada de estupro. Garotos ameaçando estuprá-la e dizendo que seus pais também vão “f * ck” ela e chamaram-na de vadia. Também perguntando a ela qual é sua afiliação religiosa.

Segundo o pai da menina ameaçada, “ela não é muçulmana o suficiente“, portanto ela é maltratada.

Chocante, a escola não considerar que a menina tenha sido submetida a assédio sexual. O Provedor da Discriminação, juntamente com Malmö Contra a Discriminação, apontaram deficiências na investigação do município sobre os acontecimentos.

O município será obrigado a pagar 20.000 coroas suecas (cerca de 2.000 euros) em danos à menina, que atualmente frequenta outra escola em Malmö.

Com imagem e informações The Voice of Europe

Suíça: imigrante muçulmana condenada a 8 meses de prisão por mutilação genital de suas duas filhas

Isso, no entanto, continuará acontecendo e se tornará mais comum na Europa. Isto porque a MGF é fundamentada na lei islâmica: “A circuncisão é obrigatória (para todos os machos e fêmeas) (cortando o pedaço de pele na glande do pênis do macho, mas a circuncisão da fêmea é cortando a bazina) ‘clitóris’ [isso se chama khufaadh ‘circuncisão feminina’]]. ”‘Umdat al-Salik e4.3, traduzido por Mark Durie, The Third Choice, p. 64

Por que é obrigatório? Porque considera-se que Muhammad  teria dito: “Abu al-Malih ibn, o pai de Usama relata que o Profeta disse: ‘A circuncisão é uma lei para os homens e uma preservação da honra para as mulheres.’” – Ahmad Ibn Hanbal 5:75

Narrado Umm Atiyyah al-Ansariyyah: As mulheres costumavam realizar a circuncisão em Medina. O Profeta (que a paz esteja com ele) disse a elas: ‘Não faça cortes severos, pois isso é melhor para uma mulher e mais desejável para um marido’. ”- Abu Dawud 41: 5251

A menos que e até que suas justificativas islâmicas, que todos parecem querer encobrir e negar, sejam abordadas, a MGF nunca será erradicada. Movimentos anti-MGF dirão às mulheres muçulmanas (e homens) sobre os riscos para a saúde da MGF, e sobre como é bárbaro trabalhar para negar o prazer sexual das mulheres e tentar controlá-las, e nada disso irá parar a MGF. Tudo o que vai irritar os crentes e o que restará será o fato de que isso é justificado no Islã – e essa é a única coisa que os ativistas anti-FGM se recusam a abordar. Então, eles, infelizmente, nunca terão sucesso.

“Primeira sentença sob nova lei sobre mutilação genital”, Swiss Info , 13 de julho de 2018:

Uma mulher somali do cantão de Neuchâtel foi condenada a oito meses de prisão por causa da mutilação genital de suas duas filhas, no primeiro caso suíço de sua espécie depois de uma mudança na lei.

As meninas tinham seis e sete anos quando o procedimento foi realizado entre 2013 e 2015 na Somália e na Etiópia.

A mãe, que agora vive em Neuchâtel, na parte francesa da Suíça, não negou as acusações. Ela foi denunciada às autoridades por seu marido distante, que também é da Somália.

O julgamento baseou-se em um artigo relativamente novo na lei suíça que visa impedir que as famílias baseadas na Suíça tenham suas filhas circuncidadas, seja na Suíça ou no exterior.

A mulher, que é analfabeta, estava sob imensa pressão social em seu país de origem para as meninas se submeterem ao procedimento.

É por isso que a sentença é principalmente de natureza simbólica, explicou a juíza. Mas dada a gravidade da ofensa, uma curta sentença ainda era necessária, disse ela.

Com imagem e informações Jihad Watch

Paquistão: Muçulmano assassina sua irmã de 18 anos com machado em crime de honra

“O homem mata a irmã por” honra “em Khanewal,” por Owais Qarni, Express Tribune , 27 de maio de 2017 (graças à Religião da Paz ):

MULTAN: Um homem matou sua irmã de 18 anos na aldeia de Kacha Khuh do distrito de Khanewal em mais um caso de “crime de honra”.

Muhammad Mudassir, 27 anos, foi preso e acusado de assassinato, disse a polícia Kacha Khuh.

Amna, uma moradora de Chak número 4, tinha fugido com Muhammad Yasin. O casal passou a coabitar por volta de dois meses atrás.

Mudassir, irmão de Amna, ficou furioso quando ouviu falar do casamento quatro dias depois.

Uma semana atrás, um tribunal local (Panchayat) chamou as famílias e depois de ouvir seus argumentos, disse à família Yasin para casar com a irmã  de Mudassir.

Três dias antes do casamento, que deveria ocorrer na terça-feira, o pai de Yasin se recusou a dar sua filha em ‘vani’ – uma prática na qual uma mulher é entregue ou forçosamente casada com alguém em troca dos pecados de seu parente masculino (S).

Para vingar sua “humilhação”, Mudassir assassinou sua irmã com um machado ….

Matéria completa: https://www.jihadwatch.org/2017/05/pakistan-muslim-murders-his-18-year-old-sister-with-axe-in-honor-killing

Muçulmana americana demoniza cristãos coptas perseguidos no Egito

Num tempo em que os cristãos coptas sofrem abusos “a cada dois ou três dias” no Egito, uma muçulmana nos EUA fez um vídeo pedindo mais hostilidade dos muçulmanos contra a minoria cristã, neste caso, sob o disfarce de um boicote econômico.

Em um vídeo, Ayat Oraby, simpatizante da Irmandade Muçulmana, que tem cerca de 1,5 milhão de seguidores no Facebook, recentemente chamou a igreja copta de “bando de gangsters,” a “mafia total”, e ainda disse que “os coptas por trás das cortinas já estariam “armazenando armas em igrejas” e “se esforçando para criar um pequeno Estado copta”, a fim de continuar travando “uma guerra contra o Islã”.

Enquanto isso, no mundo real, que consiste em 196 nações, o Egito é o 22º pior país para cristãos viverem”. É Severo o nível de perseguição que os cristãos experimentam e durante décadas as igrejas cristãs têm enfrentado imensas restrições; mulheres coptas e as crianças são regularmente sequestradas e forçadas a se converter; aldeias e igrejas cristãs inteiras são incendiados no rumor de que um local cristão “blasfemou” contra Muhammad em mídia social.

Mas, Oraby não tem se incomodado com os fatos; de acordo com a raiva muçulmana, os muçulmanos precisam ser mais hostis para com os cristãos – cujo número é de apenas de  4,5 milhões –  porque eles estão “armazenando armas em suas igrejas” em preparação daquele dia quando eles proclamarão uma “jihad” contra o Egito de 80 milhões de muçulmanos e declararão um “pequeno Estado copta.”

Oraby odeia coptas, simplesmente porque eles são cristãos- ao contrário de toda a sua conversa sem sentido de um copta hostil assumindo o controle-  ficando muito claro no final do seu discurso, quando disse: “Eles [coptas] devem aprender muito bem que o Crescente (islã) deve estar acima da Cruz [cristianismo]. “Em outras palavras, a raiva não é porque os coptas representam um perigo para os muçulmanos do Egito, mas porque eles se atrevem a quer direitos, quando eles devem saber o seu lugar, isto é, sob comando dos muçulmanos, assim como a Cruz está bem abaixo do Crescente no Egito.

Oraby é de uma etnia antiga de muçulmanos egípcios. Seus ancestrais como os antepassados de praticamente todos os modernos egípcios muçulmanos eram coptas cristãos que, após a invasão do Islã no século VII, não puderam lidar com a perseguição e discriminação, e, eventualmente, se converteram ao Islã. Muçulmanos como Oraby se irritam ao ver os descendentes remanescentes de cristãos originários do Egito ainda desafiadoramente se estabelecendo e até mesmo tendo a ousadia de querer igualdade quando, na verdade só tem de se render ao Islã.

Maiores informações: http://raymondibrahim.com/2016/09/29/american-muslim-woman-demonizes-egypts-persecuted-copts/

 

 

Nova York investiga crime de ódio a muçulmana queimada

Turista escocesa vestia trajes islâmicos e conseguiu apagar chamas

NOVA YORK — Uma mulher muçulmana que foi atacada no sábado à noite pode ter sido vítima de um crime de ódio. De acordo com autoridades, ela estava em frente à loja de alta-costura Valentino, na 5ª Avenida, em Manhattan, quando sentiu um calor no braço. Ao perceber que sua blusa estava em chamas, viu que um homem com um isqueiro observava a cena. Ela conseguiu apagar o fogo, e o suspeito fugiu.

Como noticiou o jornal “Daily News”, a vítima é uma turista escocesa de 35 anos, e vestia trajes tradicionais islâmicos quando foi atacada. Funcionários do departamento que investiga crimes de ódio na cidade assumiram a investigação, e procuram um homem que aparece vestido de preto em câmeras de segurança.

Na última quinta-feira, a agressão sofrida por duas muçulmanas que empurravam carrinhos de bebê no Brooklyn foi identificada como um caso de xenofobia. Como relataram as autoridades, uma mulher de 32 anos agrediu as duas vítimas com socos e chutes, tentando arrancar seus hijabs e gritando palavras de ódio.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/nova-york-investiga-crime-de-odio-muculmana-queimada-20101982#ixzz4KAj8H6Gr
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Babá é presa em Moscou após suspeita de decapitar criança

MOSCOU — A polícia russa prendeu nesta segunda-feira uma babá suspeita de decapitar uma menina em Moscou depois que a imprensa local a fotografou com uma cabeça perto de uma movimentada estação de metrô da capital, gritando: “Sou uma terrorista”. Segundo as autoridades, ela teria realizado o crime antes de atear fogo no apartamento dos pais da vítima.

A mulher, que usava um véu islâmico no momento da detenção, foi levada a um centro psiquiátrico para que profissionais avaliassem se ela é mentalmente sã e compreende o significado de seus atos. Segundo a rede russa LifeNews, a suspeita foi identificada como Gyulchekhra Bobokulova, de 39 anos, natural do Uzbequistão.

Na estação Oktyabrskoye Pole, um policial se aproximou da mulher para checar seus documentos. Ela então removeu a cabeça da criança de uma sacola e começou a gritar “Allahu Akbar” (Deus é grande), informou a mídia local.

Mais cedo, as autoridades de Moscou lançaram uma investigação criminal depois que os restos do corpo de uma criança, de entre 3 e 4 anos, foram encontrados em um apartamento carbonizado no Noroeste da cidade. Os ferimentos da criança indicavam morte violenta.

“De acordo com informações preliminares, a babá da criança, cidadã de um país da Ásia Central nascida em 1977, esperou os pais e o irmão mais velho saírem do apartamento para depois, por razões ainda não esclarecidas, matar a criança, atear fogo no apartamento e deixar a cena do crime”, resumiu o comunicado do Comitê Investigativo de Moscou.

http://oglobo.globo.com/mundo/baba-presa-em-moscou-apos-suspeita-de-decapitar-crianca-18771766

Aluno adolescente é suspenso em escola islâmica por conversar com estudante do sexo oposto

A escola muçulmana que foi classificada como “excelente” pela Ofsted suspendeu um aluno adolescente por violar sua política de comportamento depois que ele  interagiu com um estudante do sexo oposto.

A escola secundária Al-Khair, em Croydon, sul de Londres, proíbe a interação “por qualquer meio” entre alunos e alunas que são considerados “não-mahrams ‘(parentes próximos).

O pai de um aluno disse a The Sunday Times  que a política da escola privada, que ganhou elogios da entidade fiscalizadora governamental Ofsted pela promoção do desenvolvimento pessoal dos alunos, era “absurda”, e que os estudantes não estavam sendo preparados para integrar a sociedade britânica.

Escola Al-Khair em Croydon ganhou elogios pelo cão de guarda educação Ofsted para promover o desenvolvimento pessoal dos alunos 

Escola Al-Khair em Croydon ganhou elogios do Ofsted por promover o desenvolvimento pessoal dos alunos

Os pais de aluno suspenso referido chamado a política comportamento "absurdo" e disse que os estudantes não estavam preparados para a vida na sociedade britânica (foto)

Os pais do aluno suspenso chamaram a política de comportamento de “absurda” e disseram que os estudantes não estavam preparados para a vida na sociedade britânica (foto)

“Como essas crianças vão interagir de forma mais ampla na sociedade, quando eles têm que trabalhar nos mesmos lugares que [as pessoas do sexo oposto] estão trabalhando? Isso é totalmente absurdo “, disse o pai.

“Para mim, como um pai muçulmano, se a minha filha ou filho vai para uma escola muçulmana e ela ou ele fala em boa forma para qualquer menino ou menina, isso não importa, porque eu acredito que isso não é contra a minha religião. O que é esta política absurda? Eu não consigo entender isso.’

Al-Khair foi criada há 13 anos em um armazém convertido Croydon após um imã local, Qasim Ahmad, comprometer-se a educar cinco crianças excluídas pelo sistema escolar.

Após a inspeção em setembro, Ofsted elogiou a equipe, dizendo que são “efetivamente exemplares os valores em que acreditam, e quaisquer desigualdades ou preconceitos não são toleradas”. Ele foi classificada como “oustanding” por sua abordagem para o desenvolvimento pessoal, comportamento, bem-estar e em qualquer outra categoria.

Aisha Chaudhry disse ao Evening Standard  na época que a escola queria alunos ‘para ser modelos honestos, justos, educados e bons na comunidade muçulmana “.

“Não podemos ser representados por idiotas por aí fazendo coisas bárbaras”, disse Chaudhry.

Read more: http://www.dailymail.co.uk/news/article-3414182/Teenage-pupil-suspended-Islamic-school-chatting-student-opposite-sex.html#ixzz3yBqNjwRX
Follow us: @MailOnline on Twitter | DailyMail on Facebook

Derramamento de sangue em Uganda continua com cristã, mãe de oito filhos, sendo morta

NAIROBI (Quênia) – Os muçulmanos do leste de Uganda ficaram com raiva de um homem porque ele tinha abandonado o islã para se converter ao Cristianismo e então mataram sua esposa em 19 de Outubro, um mês depois que o irmão do homem foi morto pelo mesmo motivo.

Mamwikomba Mwanika, mãe de oito filhos morreu a caminho do hospital depois que muçulmanos a tiraram de casa por volta de 9 da manhã.

Mwanika atendeu a algumas pessoas que batiam em sua porta procurando por seu marido na vila Kalampete, situada no bairro Kibuku.

Mwanika abriu a porta. Os muçulmanos a arrastaram para fora de casa enquanto ela gritava, disse o filho de 13 anos. Os vizinhos chegaram mais tarde e logo depois veio o marido George Mwanika. Eles haviam encontrado a mulher em uma poça de sangue, mas ainda com vida. Eles a levaram ao hospital, mas ao chegar lá, foi declarada morta.

No dia 23 de setembro Samson Nfunyeku, seu cunhado, foi morto depois de um debate religioso com um especialista muçulmano.

NAIROBI (Quênia) – Os muçulmanos do leste de Uganda ficaram com raiva de um homem porque ele tinha abandonado o islã para se converter ao Cristianismo e então mataram sua esposa em 19 de Outubro, um mês depois que o irmão do homem foi morto pelo mesmo motivo.

Mamwikomba Mwanika, mãe de oito filhos morreu a caminho do hospital depois que muçulmanos a tiraram de casa por volta de 9 da manhã.

Mwanika atendeu a algumas pessoas que batiam em sua porta procurando por seu marido na vila Kalampete, situada no bairro Kibuku.

Mwanika abriu a porta. Os muçulmanos a arrastaram para fora de casa enquanto ela gritava, disse o filho de 13 anos. Os vizinhos chegaram mais tarde e logo depois veio o marido George Mwanika. Eles haviam encontrado a mulher em uma poça de sangue, mas ainda com vida. Eles a levaram ao hospital, mas ao chegar lá, foi declarada morta.

No dia 23 de setembro Samson Nfunyeku, seu cunhado, foi morto depois de um debate religioso com um especialista muçulmano.

http://morningstarnews.org/2015/10/bloodshed-in-eastern-uganda-continues-as-christian-mother-of-eight-is-slain/

Farkhunda, jovem muçulmana espancada e queimada no Afeganistão, foi inocentada depois de morta

Farkhunda de 27 anos foi brutalmente assassinada em Cabul, no Afeganistão, por um crime que não cometeu.

A conclusão é do tribunal que julga os crimes contra a segurança nacional e que, esta quarta-feira, condenou à morte por enforcamento quatro dos homens envolvidos no linchamento da afegã. Oito vão cumprir uma pena de prisão de 16 anos.

A mulher suspeita de ter ateado fogo a um exemplar do Alcorão foi espancada, em março em plena capital afegã perante o olhar passivo da policia e da população. A jovem foi depois queimada, mas não se sabe se na altura já estaria morta.

O caso gerou uma onda de contestação no país e o chefe de Estado prometeu tudo fazer para esclarecer o caso.

No total, 19 policiais aguardam, ainda, pela leitura da sentença que deve ser conhecida nos próximos dias.

http://pt.euronews.com/2015/05/06/farkhunda-inocentada-depois-de-morta/

Jornalista árabe acenderá tocha na festa do Dia da Independência de Israel

A jornalista árabe Lucy Aharish acenderá uma das tochas na cerimônia no Dia da Independência, que será realizada no dia 23 de abril em Jerusalém.

Quando o governo de Israel fez o anúncio oficial dos convidados, ela orgulhosamente declarou: “Fui às lágrimas. Jamais pensei que isso pudesse acontecer. Esta é minha resposta a todos os racistas”.

Ela disse que está preparada para enfrentar ataques verbais de árabes e judeus descontentes com o convite e com o fato de que uma jornalista árabe seja apresentadora de TV em Israel.

Aharish, de 33 anos, é muçulmana, nasceu na cidade de Dimona, no sul de Israel, e trabalha em Tel Aviv, no canal i24news.

http://www.conib.org.br/blog/noticias/1018/jornalista_arabe_acendera_tocha_na_festa_do_dia_da_independencia_de_israel