Arquivo da tag: #muçulmanos

A “inspiração palestina” para criação de um novo Estado Totalitário Islâmico

Por Andréa Fernandes

Nos últimos meses, a mídia global tem proporcionado grande visibilidade à expulsão dos rohingyas em Mianmar (Birmânia). Amparados em dados fornecidos pela ONU, ativistas de direitos humanos e jornalistas noticiam semanalmente as ações do governo rotulando-as erroneamente como “genocídio” e até mesmo o Papa foi instado a se pronunciar contra as violações cometidas única exclusivamente contra o referido grupo étnico, apesar de os cristãos estarem sofrendo terrível perseguição que não atrai a atenção da imprensa.

Venho acompanhando o desenrolar da crise e não me surpreendeu um acontecimento não anunciado no Ocidente: numa reunião com o presidente do parlamento em Bangladesh na terça-feira, uma delegação do Oriente Médio – composta por representantes de diversas entidades nas áreas humanitária e política – emitiu o comunicado de que a comunidade internacional deve agir rapidamente sobre a crise com os royingyas ou o mundo criará outra Palestina.

Ora, por que entidades islâmicas estão fazendo conexão dos rohingyas com os palestinos? Há alguma semelhança entre ambas as crises?

Por saber que o Google está contaminado com “desinformação”, penso serem necessárias algumas informações para o leitor perceber que a “crise” que tanto preocupa a ONU representa mais uma faceta do projeto de islamização de territórios não-muçulmanos.

Para tanto, vamos sanar inicialmente a primeira dúvida que aparece ao debatermos essa questão: quem são os rohingyas? A “resposta” vai depender muito da fonte a ser consultada. Se a pesquisa for efetuada num site árabe como Al Jazeera, você lerá que “são a minoria mais perseguida do mundo“, isto porque, países muçulmanos e a imprensa simplesmente ocultam a realidade de que são os cristãos a minoria mais perseguida, sendo “alvos prediletos” em países muçulmanos.

Apologistas árabes muçulmanos costumam definir os rohingyas como grupo étnico formado principalmente por muçulmanos que viveram durante séculos em meio aos budistas de Mianmar. Por outro lado, diversos estudiosos afirmam que a palavra “rohingya” não é encontrada em nenhuma fonte histórica, exceto num único texto do final do século 18. Além disso, reconhecem que o termo passou a ter popularidade entre os muçulmanos do estado de Rakhine (situado em território birmanês) nos anos 50 e 60, oportunidade em que se deu uma “rebelião mujahid” – rebelião daqueles que lutam pela jihad – contra o governo budista birmanês exigindo um Estado separado para os muçulmanos de Arakan. Segundo Jaques P. Leider, especialista em História do sudeste asiático, “até a década de 1990, ‘rohingya‘  foi utilizado na maioria dos meios de comunicação não como uma denominação étnica ou religiosa, mas como uma denominação de insurgentes que resistiram ao governo de Mianmar e tentaram criar um Estado muçulmano independente perto de Bangladesh.

Dessa maneira, já dá para ver que estamos diante de mais um “povo inventado” com o escopo de dar continuidade ao expansionismo imperialista islâmico, senão vejamos: a rede Al Jazeera reconhece “evidências” que não são divulgadas pela grande mídia e vale transcrever para breve apreciação:

Durante os mais de 100 anos de governo britânico (1824-1948), houve uma quantidade significativa de migração de trabalhadores da Índia atual e do Bangladesh para o que hoje é conhecido como Myanmar. Como os britânicos administraram Myanmar como uma província da Índia, essa migração foi considerada interna, de acordo com a Human Rights Watch (HRW). A migração de trabalhadores foi vista negativamente pela maioria da população nativa.

Ora, podemos constatar dois fatos importantes para desvendar as falácias da “propaganda muçulmana”: Al jazeera, que não aceita a decisão dos britânicos em relação a partição de território para formação do Estado de Israel e da “Palestina”, aceitou de “bom grado” como legítima a migração de muçulmanos oriundos da Índia e Bangladesh para território de maioria budista (Mianmar) promovida pelos mesmos “colonialistas britânicos”. E nesse caso, pouco importa o “parecer” de uma instituição humanitária como a HRW, que não tem autoridade alguma para definir assuntos pertinentes à soberania dos países. Outrossim, uma vez não tendo o canal árabe explicado o motivo da indignação da “população nativa” (budista), urge esclarecimentos indispensáveis.

Na verdade, o que está acontecendo em Mianmar é um conflito religioso entre muçulmanos e budistas em virtude do estabelecimento da jihad apregoada por lideranças muçulmanas para criar mais um Estado teocrático islâmico a fim de  submeter os “infiéis budistas” ao Islã.  Estudiosos atestam que ao conquistarem Arakan em incursões contra Mianmar nos idos de 1824-1826, os britânicos passaram a incentivar a imigração de indianos e bengalis muçulmanos para a região de forma que no início do século 20, a população muçulmana imigrante passou a ser O DOBRO do tamanho da população local. Com isso, a comunidade muçulmana (rohingya) passou a expandir suas redes religiosas, bem como assumir costumes diferentes dos seus vizinhos budistas os quais tiveram suas aldeias deslocadas devido crescimento da população muçulmana.

Apesar de não haver nenhuma “promessa formal”, alguns muçulmanos  acreditavam que os britânicos lhes presenteariam com um território autônomo” após a 2ª Guerra Mundial, pelo que uma parcela deles esperava a separação de Mianmar para unir o território à Índia ou Paquistão. Todavia, em 1946, líderes políticos muçulmanos divulgaram suas intenções de se apropriar do território originalmente birmanês (budista) para formar um Estado independente. Logo, após a independência birmanesa em 1948, iniciou-se uma rebelião dos muçulmanos contra o governo que culminou naquilo que inapropriadamente os ocidentais qualificam de “combates de guerrilha”, mas que na linguagem muçulmana é a jihad, a qual expulsou os budistas das aldeias de Arakan, parte do território que desejam estabelecer um Estado na base da usurpação de terras budistas sob a conivência da comunidade internacional. Sendo assim, o surgimento do nacionalismo budista se deve em grande medida à oposição em relação à imigração em massa de muçulmanos. Porém, com o golpe militar em 1962, encerrou-se a participação política formal dos muçulmanos e demais minorias no país aprofundando-se medidas restritivas contra a mesmas.

Em 1982, o governo aprovou a Lei de Cidadania da Birmânia, que concedeu cidadania a muitos grupos minoritários étnicos, mas não outorgou o mesmo direito aos rohingyas. Assim, explosões de violência vêm sendo promovidas pelos muçulmanos os quais são auxiliados por outras facções terroristas islâmicas na Indonésia e Paquistão. Cabe, ainda, enfatizar que a insurgência violenta dos rohingyias é tema de segurança nacional na Índia, conforme atestam relatórios da inteligência que mostram conexão entre grupos rohingyas e organizações jihadistas (terroristas).

Desse modo, considerando o fato de que há uma “experiência genocida” vivida pelos hindus que continuam sendo erradicados por muçulmanos do território vizinho de Bangladesh – transformado à força num sanguinário Estado totalitário islâmico – é perfeitamente compreensível a pauta budista defendendo a tese de que os rohingyas são uma “identidade religiosa inventada”, afirmando através de documentos históricos a inexistência de uma comunidade assim nominada, pois tais muçulmanos são originalmente “imigrantes” conduzidos por britânicos do moderno Estado muçulmano de Bangladesh para um Estado de maioria budista sem consulta à população local.

Se a Europa rechaça a “imigração ilegal”, deveria também considerar como “legítima” a pretensão do país de maioria budista de não reconhecer um “povo inventado” que almeja criar um Estado islâmico em usurpação à soberania de um país. Aliás, vale lembrar que o governo de Mianmar está disposto a conceder cidadania à minoria muçulmana se concordar em utilizar sua verdadeira identidade, a saber, bengali, o que vem sendo rejeitado por suas lideranças que sonham com a implantação de mais um “califado” na Ásia.

Contudo, embora eu reconheça a total ilegitimidade do pleito dos rohingyas, não posso concordar com ações violentas e ilegais do governo de Mianmar, que também são usuais contra a pacífica minoria cristã que não pleiteia autodeterminação. Matança arbitrária, estupros sistemáticos, incêndio de casas e expulsão de moradores costumam ser estratégias de lideranças muçulmanas contra minorias e não cabe a uma defensora dos direitos humanos “justificar” tais ações que atingem principalmente à população mais vulnerável como mulheres e crianças. Ações enérgicas devem ser voltadas sempre contra os jihadistas e não contra a população vulnerável.

Infelizmente, falta ao governo budista de Mianmar a “ética judaica” no trato para com aqueles que almejam usurpar seu território. Dessa vez, o “esforço jihadista” dos muçulmanos está sendo combatido com as “mesmas armas” pelos “discípulos de Buda” que resolveram dar uma trégua aos seus ensinamentos religiosos para seguir os “preceitos de paz” ensinados pela ortodoxia islâmica!

Andréa Fernandes é advogada, internacionalista, jornalista, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires e líder do Movimento Nacional pelo Reconhecimento do Genocídio de Cristãos e Minorias no Oriente Médio.

Imagem:http://www.rfa.org/english/news/myanmar/myanmar-government-orders-state-media-not-to-use-rohingya-06212016155743.html

 

 

Anúncios

Estudante judeu sai de escola de Berlim devido ameaças e violência de colegas de classe muçulmanos

“Estudante judeu sai de escola de Berlim por ameaças e violência de colegas de classe muçulmanos”, de Simon Kent, Breitbart , 28 de maio de 2017:

 Espancamentos e abusos de colegas de classe muçulmanos foram citados pelos pais de um adolescente judeu como o motivo pelo qual o retiraram de uma escola principal de Berlim.

O menino de 14 anos nasceu em Londres de uma mãe britânica e um pai alemão. De acordo com um relatório no Sunday Times , o estudante foi expulso e recebeu soco de alunos do Oriente Médio e origem turca tantas vezes, que ficou temendo por sua vida. Um dos agressores alegadamente ameaçou matá-lo com uma arma simulada que ele acreditava ser real.

O Conselho Central de Judeus na Alemanha descreveu as alegações de bullying na Friedenauer Gemeinschaftsschule em Berlim como “anti-semitismo da forma mais horrorosa”.

The Times informa Ferdinand e seus pais – Gemma, um empresário de Londres, e Wenzel, uma ativista de direitos humanos – escolheram um ambiente multicultural para o ensino de seus filhos. Até recentemente, a família tinha hospedado um refugiado sírio na casa de Berlim.

“Eu amei o fato de que a escola era multicultural. . . Os filhos e os professores eram tão legais “, disse Ferdinand.

No entanto, dentro de uma semana de inscrição em novembro passado, em uma escola onde quase três quartos dos alunos são de famílias imigrantes, os problemas de Ferdinand começaram depois que ele deixou escapar que ele era judeu.

“Primeiro, meu amigo turco, Emre, disse que não poderia mais sair comigo porque eu era judeu”, disse Ferdinand. “Então outros alunos começaram a dizer coisas estereotipadas sobre como os judeus só querem dinheiro e odeiam muçulmanos”.

As surras diárias por uma gangue de alunos, todos de origem imigrante, logo seguiram. Estes foram acompanhados de insultos raciais.

“Este menino, Jassin, cujos pais são palestinos, me perguntou se eu sou de Israel”, disse Ferdinand. “Eu nunca estive em Israel. Ele disse que a Palestina vai queimar Israel e seus amigos disseram que o Peru queimará Israel. Ele continuou me chutando.

“Um dia ele veio até mim por trás e ele me deu um soco na parte de trás. Fiquei tonto. . . Eu tive uma hematoma por uma semana ou duas. Toda vez que algo de ruim acontecia, eu disse a mim mesmo que eu poderia gerenciá-lo, mas isso só piorou “.

A experiência de Ferdinand não é um incidente isolado no sistema escolar de Berlim.

Aaron Eckstaedt, diretor da Escola Secundária Judaica Moses Mendelssohn em Berlim, disse à Jewish Chronicle que seis a 10 pais judeus se candidataram para mudar seus filhos de escola todos os anos.

Os pedidos são geralmente “em reação a declarações antissemitas vindas esmagadoramente de colegas árabes ou turcos”, disse ele.

Matéria completa: http://pamelageller.com/2017/06/jewish-berlin-muslim.html/?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

Líderes muçulmanos em Manchester, local do massacre da jihad, reclamam do aumento da “islamofobia”

“Líderes muçulmanos em Manchester relatam aumento de incidentes islamofóbicos”, de Jamie Grierson e Robert Booth, Guardian , 24 de maio de 2017:

Os líderes muçulmanos em Manchester expressaram preocupação com uma série de incidentes islamófobos na cidade, do abuso verbal aos danos criminais às mesquitas.

Lideranças da comunidade muçulmana dizem que receberam relatos de comportamento abusivo desde o ataque a Arena Manchester no início desta semana.

Fawzi Haffar, administrador do Centro Islâmico de Manchester em Didsbury, onde Salman Abedi, o criminoso da Arena Manchester, deve ter orado, disse: “Estamos preocupados com os relatórios que estamos recebendo sobre atos anti-muçulmanos. Estes são atos anti-muçulmanos terríveis que variam do abuso verbal aos actos de dano criminal às mesquitas na área e fora da área. Incentivamos qualquer incidente a ser relatado como um crime de ódio. ”

Mohammed Ullah, capelão muçulmano na Universidade de Manchester, disse que ouviu relatos de uma menina muçulmana sendo cuspida e de outro muçulmano que teria ouvido para “ir para casa”. Um incendiário atacou uma mesquita em Oldham, Greater Manchester, pouco depois da atrocidade.

“Ouvimos relatos, mas muitas pessoas têm muito medo de falar sobre o problema ou não querem causar barulho”, disse Ullah ao Guardian. “Recebemos relatórios, mas acho que os incidentes estão sub-relatados.”

“Os ataques islamófobos aumentaram exponencialmente nos últimos anos”, prosseguiu. “Eu digo aos estudantes muçulmanos que relatem esses incidentes de ódio quando eles acontecerem. Estejam vigilantes e não permitam que o ódio nos divida. ”

Falando fora da mesquita de Didsbury, Haffar procurou dissipar os relatórios de que Abedi havia trabalhado no centro e disse: “Nós expressamos preocupação que uma pequena parte da mídia está fabricando histórias e trazendo pontos infundados”.

Ele também expressou sua indignação com o ataque, chamando-o de “atrocidade horrível” e dizendo que “esse ato de covardia não tem lugar em nossa religião ou qualquer outra religião”. Ele incentivou qualquer pessoa com informações para entrar em contato com a polícia.

Mas Ullah disse que os muçulmanos não deveriam se desculpar pelas ações de extremistas.

“Eu digo aos muçulmanos que vocês não deveriam se desculpar pelas ações dos indivíduos”, disse ele. “Nenhuma outra comunidade foi levada a conta como esta. Deixe-me ser claro – o que aconteceu na segunda-feira foi um crime de proporções épicas. Foi épico, maligno e condenamos com a mais forte condenação.

“Mas vamos também ser claros sobre isso – por que temos então de levantar-se e dizer:” pedimos desculpas “? Não é minha culpa. Não é culpa da religião.

“Estamos fartos de ter que pedir desculpas e ser o primeiro a condená-lo. O que mais podemos fazer? Diga-me o que mais podemos fazer? “…

https://www.jihadwatch.org/2017/05/uk-muslim-leaders-in-manchester-site-of-jihad-massacre-claim-rise-in-islamophobia

Presos em conflito com grupo anti-imigração são soltos em SP após audiência na Justiça

Nenhum deles foi indiciado, mas poderão ser investigados caso o Ministério Público entenda que há necessidade. Dois palestinos terão que cumprir medidas cautelares.

uatro presos após conflito com manifestantes de direita contrários à Lei de Migração, sendo dois palestinos e dois brasileiros, foram soltos na tarde deste quarta-feira (3) em São Paulo. A soltura ocorreu após audiência de custódia no Fórum da Barra Funda, para onde eles haviam sido levados ao deixar o 78º Distrito Policial, nos Jardins.

Nenhum deles foi indiciado, mas o Ministério Público pode entender que há necessidade de abertura de inquérito. Os dois, que são de origem palestina, no entanto, precisarão cumprir medidas cautelares, que incluem ter que se apresentar à Justiça mensalmente, não participar de manifestações relacionadas à Lei de Migração, não se aproximar de outras partes do processo e não se ausentar de São Paulo por mais de 15 dias.

Segundo a Polícia Civil, os quatro manifestantes favoráveis à Lei de Migração foram presos em flagrante. O auto de prisão em flagrante imputava aos detidos os crimes de explosão, lesão corporal, associação criminosa e resistência durante confronto em manifestação. O estudante Roberto Freitas, 18, e Nykolas Silva, 22, os dois brasileiros, tiveram o chamado “relaxamento total de flagrante”, o que significa que não tem o que responder à Justiça.

Justiça manda soltar quatro homens que estavam presos, depois de uma confusão na Paulista

Justiça manda soltar quatro homens que estavam presos, depois de uma confusão na Paulista

O empresário Hasam Sarif, 43, e o refugiado sírio Nour Alsayyd, 22, tiveram relaxamento de flagrante e foram liberados dos crimes de associação criminosa e resistência. No entanto, a polícia apura a participação deles em explosão e lesão corporal, por considerar que “há indícios suficientes” de que eles explodiram arterfato, conforme aponta o boletim de ocorrência.

Os dois negam as acusções que constam no BO. Segundo o advogado Hugo Albuquerque, a alegação do BO é “estapafúrdia”. “Eram 50 pessoas, eles eram 5. Eles sofreram ofensas xenofóbicas e o BO é totalmente parcial. É como se eles não tivessem sido atacados, não tivessem sido feridos”, disse.

O juiz José Eugenio do Amaral Souza determinou que eles fossem soltos porque verificou que “ambos são primários, tem bons antecedentes e ocupações lícitas”.

O conflito

Por volta das 21h desta terça-feira (2), cerca de 50 pessoas do Movimentos Direita São Paulo e Juntos pelo Brasil protestavam em frente ao escritório da Presidência da República na Avenida Paulista pedindo para o presidente Michel Temer vetar a Lei de Migração aprovada no Senado. No mesmo horário, havia 20 pessoas favoráveis à lei. Não se sabe como começou, mas houve confronto entre os dois grupos, e um vídeo divulgado no Facebook mostra uma explosão.

O ato gritava contra a “islamização do Brasil” e os manifestantes seguravam faixas escritas “Aloysio Nunes [ministro das Relações Exteriores] traidor” e pediam pela “soberania”.

O advogado do grupo disse que eles foram linchados pelos manifestantes contrários à nova lei. O sírio Nour chegou a ficar ferido na cabeça, mas nenhum agressor foi preso.

O grupo, ainda de acordo com a Polícia Civil, teria arremessado artefato explosivo. Os detidos, no entanto, alegaram que apenas se defenderam. Não é possível afirmar como começou o confronto.

Entre os presos está o palestino Hasan Zarif, líder do movimento Palestina para Tod@s e proprietário do bar Al Janiah, no Centro de São Paulo. Os advogados afirmaram que demoraram quase cinco horas para ter acesso aos presos, e jornalistas não puderam entrar no 78º DP, para onde eles haviam sido levados.

Um amigo de Hasan, em vídeo gravado e postado no Facebook, disse que “armaram” para os palestinos.

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/presos-em-conflito-com-grupo-anti-imigracao-sao-soltos-em-sp-apos-audiencia-na-justica.ghtml

Malásia: Cristãos são acusados de “enfraquecer a fé islâmica”

Um jornal local publicou um artigo afirmando que “os cristãos se infiltraram na manifestação, usando essa plataforma para desafiar e enfraquecer a fé islâmica”.

O “Bersih 5” foi um protesto democrático que ocorreu no final do ano, na Malásia, a fim de tentar “limpar” o governo da corrupção e conscientizar os cidadãos sobre os problemas atuais enfrentados pelo país. Os manifestantes reivindicaram pacificamente uma reforma no governo e exigiram também a expulsão do primeiro-ministro Najib Razak.

No dia seguinte, porém, um jornal local publicou um artigo afirmando que “os cristãos se infiltraram na manifestação, usando essa plataforma para desafiar e enfraquecer a fé islâmica”. A acusação ocorreu depois que voluntários de uma igreja distribuíram água e comida entre as pessoas. Um grupo de cristãos também usou as mídias sociais para encorajar outros cristãos a participar de Bersih 5 e eles também pediram a todos para orar pela nação.

A desconfiança da comunidade muçulmana acabou distorcendo as ações da igreja. Ore para que os cristãos malaios continuem demonstrando amor e bondade, e que os corações de muitos muçulmanos sejam tocados pelo amor de Cristo, a fim de compreenderem o motivo da fé daqueles que seguem Jesus.

Leia também
Islamização progressiva na Malásia
Igreja na Malásia não está segura

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/cristaos-sao-acusados-de-enfraquecer-a-fe-islamica

Aldeias cristãs são atacadas durante festividades

A violência se espalhou para várias regiões; fontes locais informaram que o número de mortos é de aproximadamente 700.

Ataques em várias aldeias da República do Congo e combates entre milícias mataram pelo menos 35 pessoas durante as festas de fim de ano, em Kivu do Norte, ao leste do país, uma região onde a maioria dos habitantes é cristã.

A violência começou em Eringeti, uma cidade que fica a 55 quilômetros de Beni e que é muito conhecida pelos massacres que deixaram centenas de mortos, organizados pelos rebeldes das Forças Democráticas Aliadas (ADF, sigla em inglês, Allied Democratic Forces), dominadas por muçulmanos extremistas ugandenses.

Entre as vítimas estavam pelo menos 13 civis hutus (grupo étnico originado em Ruanda e Burundi), a maioria de mulheres e uma menina de apenas oito anos, de acordo com informações de um oficial local. A violência se espalhou para outras regiões. Fontes locais informaram que o número de mortos é de aproximadamente 700.

Leia também
A “Grande Guerra da África” chega no país
Momento de espera para os cristãos congoleses

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/aldeias-cristas-sao-atacadas-durante-festividades

Perseguição no Egito:“Temos o direito de abrir igrejas”

A construção de igrejas no Egito tem sido uma questão controversa: “Queremos viver num Estado que prioriza a ordem e o cumprimento das leis”.

Mais de 10 casas de propriedade de cristãos foram vandalizadas, outras 3 saqueadas e comércios que pertenciam a eles foram destruídos, numa pequena vila do Egito. O ataque aconteceu duas semanas depois dos rumores de que uma comunidade cristã planejava abrir uma igreja no local. Os agressores atiraram pedras e coquetéis molotov logo após saírem de suas tradicionais orações de sexta-feira. Durante o ataque eles gritavam “não queremos uma igreja aqui”.

Algumas pessoas tentaram ajudar e o próprio prefeito local tentou impedir a violência. Bombeiros também chegaram para dar reforço, mas os muçulmanos impediram sua passagem. A polícia chegou 1 hora e meia depois do ocorrido e usou gás lacrimogêneo para dispersar a multidão.

Um dos cristãos declarou: “Temos o direito de abrir igrejas”. Yaccoub* alega que pediram autorização ao governo, mais de 3 vezes, e que o pedido foi rejeitado. “Há mais de 2 mil moradores na aldeia e temos que dirigir mais de meia hora para chegar à igreja mais próxima, para que possamos orar e ter comunhão entre os irmãos. É nosso direito básico ter uma igreja aqui”, reivindica ele.   

Yaccoub também acrescenta que os cristãos querem justiça e que os extremistas muçulmanos que os atacaram devem ser punidos. “Acredito que a punição funcionará como forma de impedimento, para que eles não façam isso novamente. Queremos viver num Estado que prioriza a ordem e o cumprimento das leis”, disse. No total, 29 pessoas foram presas, 15 já foram liberadas e 14 ficaram detidas para interrogatórios. 

A construção de igrejas no Egito tem sido uma questão controversa. Em agosto, a Igreja Copta disse que as emendas propostas sobre uma lei para a construção da igreja eram “inaceitáveis e impraticáveis”. Haverá reuniões com o objetivo de discutir uma nova legislação priorizando eliminar os obstáculos que impedem a construção de igrejas. Projetos semelhantes já foram apresentados em 2006, 2009, 2011, 2012, e 2014. Até agora nada foi resolvido para aliviar a situação dos cristãos. 

*Nome alterado por motivo de segurança

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/temos-o-direito-de-abrir-igrejas

Mali: assassinato de cristão aumenta a preocupação da igreja

Até agora não houve nenhuma reivindicação do crime por grupos extremistas. “Não sabemos se a morte dele foi por causa de sua fé ou se houve motivação política”.

O assassinato de um político cristão fulani, no Mali, que ocorreu no mês de novembro, continua sendo um mistério. Os moradores da vila onde ocorreu o crime suspeitam de uma “agenda islâmica”. Moussa Issah Bary, de 47 anos, era vice-prefeito de Kerana, cidade próxima à fronteira com Burquina Faso. Ele foi morto a tiros por seis homens não identificados, que estavam dirigindo motocicletas.

O cristão deixou a esposa e oito filhos. O assassinato de Bary aconteceu poucos dias antes das eleições municipais. Ele era um exemplo raro, pois era cristão e ao mesmo tempo membro da tribo Fulani. Os fulanis normalmente são conhecidos por cometer atrocidades e já foram reconhecidos como uma das principais milícias mortais do mundo.

Essa perda causou muita tristeza entre os cristãos, fez aumentar o medo e as preocupações em relação à vulnerabilidade da igreja no país. Cristãos fulanis de outras nações que conheciam Bary também estão apreensivos. Até agora não houve nenhuma reivindicação do crime por grupos extremistas. “Não sabemos se a morte dele foi por causa de sua fé ou se houve motivação política”, conclui um dos colaboradores da Portas Abertas.

Leia também
Igreja não estava preparada para dias piores
Igreja persevera apesar das dificuldades

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/assassinato-de-cristaos-aumenta-a-preocupacao-da-igreja

Muçulmanos atacam cristãos em igreja no Natal e destroem casa de cristã enquanto gritam ‘esta aldeia não é para cristãos, mas para Allah’

Em um terrível ataque no dia de Natal, 19 saqueadores muçulmanos atacaram cristãos na igreja. Eles espancaram uma mãe solteira e destruíram sua casa enquanto gritavam que sua aldeia não é “para cristãos, mas para Allah”:

Os muçulmanos no leste de Uganda atacaram os cristãos no Natal e destruíram a casa de uma mãe solteira na véspera de Natal, disseram fontes.

Em uma aldeia predominantemente muçulmana de Obokora, no distrito de Pallisa, 19 muçulmanos mascarados entraram em um conjunto de igrejas cantando o slogan jihadista “Allahu Akbar” e “Longe daqui, esta aldeia não é para cristãos, mas para Allah”, durante um culto dominical (25 de dezembro) às 11 horas, disse à Morning Star News o pastor da congregação, Erod Okaali.

O pastor Okaali, que estava pregando na ocasião, e vários membros da igreja fugiram para salvar suas vidas por uma porta dos fundos. Os assaltantes pegaram o pastor e 15 membros da igreja e os espancaram, deixando cinco com ferimentos graves, incluindo ossos quebrados de suas mãos e pernas, disse ele. A face do pastor foi ferida. Os cristãos receberam tratamento em um centro de saúde em Kashebai.

Anteriormente em um serviço de noite de Natal, um muçulmano tinha se convertido foi imediatamente curado de doença, disse o converso à Morning Star News. Yasiini Mugoya disse que voltou para casa e compartilhou o evangelho de Cristo com seus companheiros muçulmanos no início da manhã de Natal.

“Eles começaram a me bater e me forçaram a levá-los para o recinto da igreja onde os cristãos haviam orado por mim e eu tinha recebido salvação e cura”, Mugoya disse. “Quando chegamos à igreja, os muçulmanos começaram a atacar os membros da igreja.” (Fonte)

http://shoebat.com/2016/12/27/muslims-attack-christians-celebrating-christmas-beat-a-single-mother-and-destroy-her-home-while-shouting-this-village-is-not-for-christians-but-for-allah/

Uzbequistão: cristãs são perseguidas pela família e vizinhos

Hostilizadas por vizinhos e parentes, Gulnor e Karima ainda enfrentam a perseguição da polícia, que ameaça prendê-las. O crime delas é seguir a Jesus.

Quando descobriu que a esposa havia se convertido e que os filhos a seguiram na fé, o marido de Gulnor* abandonou a família e foi morar na Rússia, muito longe da mulher e filhos. Diante de vários problemas financeiros que teve por conta da saída do marido, Gulnor foi morar com sua mãe e irmão em um vilarejo uzbeque. A irmã também é cristã mora em condições precárias, necessitando de várias reformas, principalmente no telhado e um novo poço para coleta de água. Além disso, os remédios da mãe, que além de não aceita-las como cristãs, depende totalmente do cuidado das filhas. Entre todos os problemas, o filho mais velho de Gulnor, Amir*, está em um hospital por conta de um problema cardíaco. Ele faz parte da equipe de louvor de sua igreja e acredita que em breve poderá voltar para suas tarefas em comunidade.

Atualmente, as irmãs e suas famílias estão sendo ameaçadas pela polícia por atividades ilegais religiosas. Elas são delatadas pelos vizinhos que desaprovam a presença delas no vilarejo. “Eles nos acusam de traição ao islã e por isso acreditam que toda a doença e pobreza de nossa família provêm disso. Mas não vamos deixar de confiar em Deus. Se não nos deixam pegar água no poço da comunidade, vamos cavar poços próprios e Deus vai nos ajudar”, declara a cristã.

*Nomes e foto alterados por motivo de segurança.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/12/cristas-sao-perseguidas-pela-familia-e-vizinhos