Arquivo da tag: #muçulmanos

ONG americana denuncia crimes contra homossexuais na Chechênia

HELSINQUE — A ONG pró-direitos humanos Human Rights Campaign (HRC) projetou frases no palácio presidencial em Helsinque, na Finlândia, horas antes da cúpula entre Trump e Putin, para denunciar atrocidades contra homossexuais na Chechênia.

LEIA MAIS: Merkel pressiona Putin por direitos dos homossexuais na Chechênia

Chechênia prende 100 e mata três ‘suspeitos de homossexualidade’

“O mundo inteiro está assistindo”, “O silêncio mata”, “#OsOlhosSobreAChechênia, “Julgue os agressores” e “Trump e Putin, coloquem um ponto final nos crimes contra a humanidade na Chechênia” foram as denúncias que iluminaram uma parede do local do encontro entre os presidentes dos Estados Unidos e da Rússia nesta segunda-feira.

Militantes da organização americana instalaram um projetor na frente do palácio neste domingo, ao mesmo tempo em que o avião de Trump pousava no aeroporto internacional da capital finlandesa.

— Denunciamos a recusa da administração (dos EUA) para lidar com as atrocidades de Vladimir Putin contra chechenos homossexuais — disse à “AFP” o porta-voz da ONG, Chris Sogro.

As ONGs frequentemente alertam sobre as perseguições contra os homossexuais na república russa da Chechênia, cuja população é majoritariamente muçulmana. As autoridades e grupos criminosos amparam sequestros e torturas, assim como “crimes de honra” que ocorrem dentro da mesma família.

Com imagem e informações O Globo

Anúncios

Moçambique: Muçulmanos matam 5 pessoas, incluindo uma criança e incendeiam 44 casas

“Cinco mortes no ataque a Litandacua, Chai – relatório da AIM,” Clube de Moçambique , 21 de junho de 2018 (graças a The Religion of Peace ):

Homens armados não identificados, supostamente membros do grupo islamista conhecido localmente como “Al Shabaab“, mataram cinco pessoas na noite de terça-feira em um ataque contra a aldeia de Litandacua, na província de Cabo Delgado, segundo um relatório da estação de televisão STV.

Os atacantes incendiaram 44 casas. Uma das vítimas era uma criança que estava dormindo em uma dessas casas…

Isto segue ataques letais às aldeias de Naene, também em Macomia, em 4 de junho, e de Namaluco, no distrito vizinho de Quissanga, dois dias depois, em que um total de 14 pessoas foram assassinadas e 374 casas foram destruídas….

News24 noticiou em 10 de junho que militantes muçulmanos têm atacado aldeias por todo o Moçambique, levando milhares a fugirem para Pemba. Relatórios dizem que militantes queimaram 230 casas e decapitaram 23 pessoas nas últimas três semanas.

O grupo Al-Shabab é uma das facções terroristas que vem perseguindo e assassinando cristãos em Moçambique. Porém, a partir de 2014, o grupo Al Sunnah wa Jama’ah  – vinculado ao grupo Al-Shabab –  promove destruição de propriedades cristãs e massacres contínuos.

Denunciando o grupo terrorista Al Sunnah wa Jama’ah, a missionária Heidi Baker, da instituição “CEO of Iris Global” postou um comunicado no Facebook  :

“Eles estão mirando em qualquer um que se oponha ao seu tipo de terror. Nas últimas semanas, esses ataques se intensificaram em frequência e brutalidade. Cada ataque envolveu a morte e queima de casas. Pessoas foram decapitadas em pelo menos seis vilarejos próximos à nossa base em Pemba. Os aldeões estão fugindo por suas vidas, nada carregando com eles e se tornaram refugiados no mato ou em ilhas “.

Autoridades do governo informaram no final de maio que 10 pessoas, incluindo mulheres e crianças, foram decapitadas pelos jihadistas na aldeia de Monjane, na província de Cabo Delgado.

As vítimas incluíram pelo menos dois filhos e quatro mulheres, com o porta-voz da polícia nacional, Inácio Dina, prometendo que os agressores serão perseguidos e levados ao tribunal.

O grupo de vigilância de perseguições International Christian Concern  disse na quarta-feira que o Al Sunnah wa Jama’ah começou como uma seita religiosa do Islã, mas nos últimos meses se tornou violento no país do Leste Africano, assassinando pelo menos 35 pessoas somente no mês passado.

A ICC acrescentou que o grupo está sendo comparado ao Boko Haram, a organização radical na Nigéria.

Com imagem Correio da Manhã e informações The Christian Post e   Jihad Watch

Desde 2017, estados alemães deportaram apenas dez extremistas islâmicos radicais

Novos números divulgados pelo Ministério do Interior alemão a pedido de um deputado do Partido Democrático Livre (FDP) mostram que os governos regionais só deportaram 10 extremistas islâmicos radicais estrangeiros enquanto no total 745 extremistas ainda permanecem no país.

Os números vêm depois de um pedido parlamentar do político do FDP, Konstantin Kuhle, e mostram uma falta de capacidade dos governos regionais alemães de deportar um grande número de extremistas islâmicos perigosos. Os 745 extremistas da lista são considerados pelo governo sob suspeita razoável de intentar realizar atos de terrorismo, relata a Neue Ruhr Zeitung .

Kuhle disse em observância à resposta do governo que havia um claro “problema de aplicação” e destacou a região da Bavária, que é governada pela conservadora União Social Cristã da Baviera, uma aliada da chanceler alemã Angela Merkel, dizendo: “É significativo que, de todas as [regiões], a Baviera governada pela CSU até agora não realizou tal desvio de risco. ”

Se necessário, as autoridades devem ter uma equipe melhor e financeiramente melhor equipada”, acrescentou.

De acordo com um relatório do instituto de estudos norte-americano, a Heritage Foundation, publicado em agosto passado, cerca de metade dos suspeitos em casos de conspiração terrorista são requerentes de asilo.

Breitbart London@BreitbartLondon

Half of terror plots in Germany were planned by asylum seekers and refugees. http://www.breitbart.com/london/2017/08/03/report-half-terror-plots-germany-refugees-targeted-migrant-crisis/ 

Report: Half of Terror Plots in Germany by ‘Refugees’

More than half (54 per cent) of terror plots in Germany have involved asylum seekers and refugees since 2014 and the onset of the migrant crisis.

breitbart.com

Não havia parcelas na Alemanha em 2014 e apenas duas em 2015. Em 2016, isso aumentou oito vezes. Há uma razão direta para isso: em 2015, a Alemanha recebeu mais de 1 milhão de refugiados e 2016 viu um aumento nos lotes envolvendo refugiados ”, disse o relatório.

A Alemanha teve grandes dificuldades com as deportações em geral por vários fatores, incluindo os solicitantes de asilo que chegam ao país sem documentos, a resistência dos parlamentos regionais com governos de coalizão de esquerda e os migrantes simplesmente se escondendo das autoridades.

No início da semana, o ministro federal do Desenvolvimento, Gerd Müller, anunciou um novo programa de incentivo para ajudar os migrantes a voltarem para suas terras natais, que receberiam muitos profissionais qualificados em seus países de origem, em parceria com empresas como a Siemens.

O novo programa vem depois que foi revelado que 21.000 tentativas de deportação falharam por várias razões em 2017.

Com imagem e informações Breitbart

Macron está perdendo o controle sobre áreas proibidas dominadas pelo Islã na França e pede “ajuda pública”

O presidente da França, Emmanuel Macron, admitiu que a França perdeu a batalha contra o tráfico de drogas dentro do crescente número de zonas proibidas no país

Em um discurso para 600 convidados políticos e empresariais em maio , Macron convocou os próprios prefeitos locais – juntamente com a população – para encontrar soluções adequadas, para os problemas nas 1.500 áreas proibidas da França ou “áreas sensíveis” como a França as chama.

Muitos prefeitos foram atingidos pelo discurso de Macron. Eles esperavam diretrizes políticas concretas. As propostas de Macron estão muito distantes da estratégia ambiciosa para as zonas sensíveis que o ex-ministro Jean-Louis Borloo já havia desenvolvido e publicado em nome da Macron.

Em vez disso, Macron passou a bola: não ele, mas seus antecessores causaram os problemas de hoje. Todas as soluções projetadas de cima falharam, então elas devem vir de baixo. Ele pediu uma “mobilização geral” da população, organizando-se para salvar a nação.

Em termos de segurança, Macron pediu uma “sociedade de vigilância”. Se você desviar o olhar, se houver problemas em seu ambiente, você se tornará cúmplice. Embora isso aconteça às vezes por medo (nas áreas focais), mas cabe às próprias pessoas estabelecer limites.

Ele anunciou que, até 2020, haverá 1.300 policiais adicionais em 60 bairros sensíveis. Todos podem relatar problemas em um site central. Estima-se que seis milhões de pessoas – cerca de um décimo da população francesa vive nos 1.500 bairros que o governo classifica como áreas sensíveis.

Já em 2011, um relatório inovador de 2.200 páginas intitulado “Subúrbios da República”, concluiu que muitos subúrbios franceses estão se tornando “sociedades islâmicas separadas” isoladas do Estado francês e onde a lei islâmica está rapidamente deslocando a lei civil francesa.

Os autores mostraram que a França – onde há agora 6,5 ​​milhões de muçulmanos (a maior população muçulmana na UE) – enfrenta uma grande explosão social como resultado da falta de integração dos muçulmanos na sociedade francesa.

Com imagem e informações The Voice of Europe

Filipinas: Catedral cancela celebrações da Páscoa depois que muçulmanos saqueiam e quebram imangens

“Catedral saqueada por extremistas ligados ao Estado Islâmico cancela celebrações da Páscoa”, por Alex WilliamsPremier , 24 de março de 2018:

As celebrações da Páscoa estão sendo canceladas em uma catedral nas Filipinas este ano, meses após o templo ter sido severamente danificado por extremistas ligados ao Estado Islâmico.

Fiéis que planejaram participar de cultos na Catedral de Santa Maria, na cidade de Marawi, estão sendo direcionados para igrejas menores na região.

O bispo de Marawi Edwin dela Peña foi citado pelo jornal Philippine Daily Inquirer dizendo: “Pela primeira vez em muitos anos, não realizaremos nenhum serviço na própria catedral.

“Mas em outras paróquias, teremos nossos cultos da Semana Santa.”

Extremistas atacaram St Mary’s durante os primeiros estágios do conflito sangrento de cinco meses em Marawi, entre grupos afiliados ao EI e ao governo filipino.

Os militantes acabaram sendo derrotados, mas não antes de a catedral ser atingida por balas por militantes que também se filmaram esmagando estátuas dentro do local de culto.

Com informações de Jihad Watch e imagem de Public Radio International

A “inspiração palestina” para criação de um novo Estado Totalitário Islâmico

Por Andréa Fernandes

Nos últimos meses, a mídia global tem proporcionado grande visibilidade à expulsão dos rohingyas em Mianmar (Birmânia). Amparados em dados fornecidos pela ONU, ativistas de direitos humanos e jornalistas noticiam semanalmente as ações do governo rotulando-as erroneamente como “genocídio” e até mesmo o Papa foi instado a se pronunciar contra as violações cometidas única exclusivamente contra o referido grupo étnico, apesar de os cristãos estarem sofrendo terrível perseguição que não atrai a atenção da imprensa.

Venho acompanhando o desenrolar da crise e não me surpreendeu um acontecimento não anunciado no Ocidente: numa reunião com o presidente do parlamento em Bangladesh na terça-feira, uma delegação do Oriente Médio – composta por representantes de diversas entidades nas áreas humanitária e política – emitiu o comunicado de que a comunidade internacional deve agir rapidamente sobre a crise com os royingyas ou o mundo criará outra Palestina.

Ora, por que entidades islâmicas estão fazendo conexão dos rohingyas com os palestinos? Há alguma semelhança entre ambas as crises?

Por saber que o Google está contaminado com “desinformação”, penso serem necessárias algumas informações para o leitor perceber que a “crise” que tanto preocupa a ONU representa mais uma faceta do projeto de islamização de territórios não-muçulmanos.

Para tanto, vamos sanar inicialmente a primeira dúvida que aparece ao debatermos essa questão: quem são os rohingyas? A “resposta” vai depender muito da fonte a ser consultada. Se a pesquisa for efetuada num site árabe como Al Jazeera, você lerá que “são a minoria mais perseguida do mundo“, isto porque, países muçulmanos e a imprensa simplesmente ocultam a realidade de que são os cristãos a minoria mais perseguida, sendo “alvos prediletos” em países muçulmanos.

Apologistas árabes muçulmanos costumam definir os rohingyas como grupo étnico formado principalmente por muçulmanos que viveram durante séculos em meio aos budistas de Mianmar. Por outro lado, diversos estudiosos afirmam que a palavra “rohingya” não é encontrada em nenhuma fonte histórica, exceto num único texto do final do século 18. Além disso, reconhecem que o termo passou a ter popularidade entre os muçulmanos do estado de Rakhine (situado em território birmanês) nos anos 50 e 60, oportunidade em que se deu uma “rebelião mujahid” – rebelião daqueles que lutam pela jihad – contra o governo budista birmanês exigindo um Estado separado para os muçulmanos de Arakan. Segundo Jaques P. Leider, especialista em História do sudeste asiático, “até a década de 1990, ‘rohingya‘  foi utilizado na maioria dos meios de comunicação não como uma denominação étnica ou religiosa, mas como uma denominação de insurgentes que resistiram ao governo de Mianmar e tentaram criar um Estado muçulmano independente perto de Bangladesh.

Dessa maneira, já dá para ver que estamos diante de mais um “povo inventado” com o escopo de dar continuidade ao expansionismo imperialista islâmico, senão vejamos: a rede Al Jazeera reconhece “evidências” que não são divulgadas pela grande mídia e vale transcrever para breve apreciação:

Durante os mais de 100 anos de governo britânico (1824-1948), houve uma quantidade significativa de migração de trabalhadores da Índia atual e do Bangladesh para o que hoje é conhecido como Myanmar. Como os britânicos administraram Myanmar como uma província da Índia, essa migração foi considerada interna, de acordo com a Human Rights Watch (HRW). A migração de trabalhadores foi vista negativamente pela maioria da população nativa.

Ora, podemos constatar dois fatos importantes para desvendar as falácias da “propaganda muçulmana”: Al jazeera, que não aceita a decisão dos britânicos em relação a partição de território para formação do Estado de Israel e da “Palestina”, aceitou de “bom grado” como legítima a migração de muçulmanos oriundos da Índia e Bangladesh para território de maioria budista (Mianmar) promovida pelos mesmos “colonialistas britânicos”. E nesse caso, pouco importa o “parecer” de uma instituição humanitária como a HRW, que não tem autoridade alguma para definir assuntos pertinentes à soberania dos países. Outrossim, uma vez não tendo o canal árabe explicado o motivo da indignação da “população nativa” (budista), urge esclarecimentos indispensáveis.

Na verdade, o que está acontecendo em Mianmar é um conflito religioso entre muçulmanos e budistas em virtude do estabelecimento da jihad apregoada por lideranças muçulmanas para criar mais um Estado teocrático islâmico a fim de  submeter os “infiéis budistas” ao Islã.  Estudiosos atestam que ao conquistarem Arakan em incursões contra Mianmar nos idos de 1824-1826, os britânicos passaram a incentivar a imigração de indianos e bengalis muçulmanos para a região de forma que no início do século 20, a população muçulmana imigrante passou a ser O DOBRO do tamanho da população local. Com isso, a comunidade muçulmana (rohingya) passou a expandir suas redes religiosas, bem como assumir costumes diferentes dos seus vizinhos budistas os quais tiveram suas aldeias deslocadas devido crescimento da população muçulmana.

Apesar de não haver nenhuma “promessa formal”, alguns muçulmanos  acreditavam que os britânicos lhes presenteariam com um território autônomo” após a 2ª Guerra Mundial, pelo que uma parcela deles esperava a separação de Mianmar para unir o território à Índia ou Paquistão. Todavia, em 1946, líderes políticos muçulmanos divulgaram suas intenções de se apropriar do território originalmente birmanês (budista) para formar um Estado independente. Logo, após a independência birmanesa em 1948, iniciou-se uma rebelião dos muçulmanos contra o governo que culminou naquilo que inapropriadamente os ocidentais qualificam de “combates de guerrilha”, mas que na linguagem muçulmana é a jihad, a qual expulsou os budistas das aldeias de Arakan, parte do território que desejam estabelecer um Estado na base da usurpação de terras budistas sob a conivência da comunidade internacional. Sendo assim, o surgimento do nacionalismo budista se deve em grande medida à oposição em relação à imigração em massa de muçulmanos. Porém, com o golpe militar em 1962, encerrou-se a participação política formal dos muçulmanos e demais minorias no país aprofundando-se medidas restritivas contra a mesmas.

Em 1982, o governo aprovou a Lei de Cidadania da Birmânia, que concedeu cidadania a muitos grupos minoritários étnicos, mas não outorgou o mesmo direito aos rohingyas. Assim, explosões de violência vêm sendo promovidas pelos muçulmanos os quais são auxiliados por outras facções terroristas islâmicas na Indonésia e Paquistão. Cabe, ainda, enfatizar que a insurgência violenta dos rohingyias é tema de segurança nacional na Índia, conforme atestam relatórios da inteligência que mostram conexão entre grupos rohingyas e organizações jihadistas (terroristas).

Desse modo, considerando o fato de que há uma “experiência genocida” vivida pelos hindus que continuam sendo erradicados por muçulmanos do território vizinho de Bangladesh – transformado à força num sanguinário Estado totalitário islâmico – é perfeitamente compreensível a pauta budista defendendo a tese de que os rohingyas são uma “identidade religiosa inventada”, afirmando através de documentos históricos a inexistência de uma comunidade assim nominada, pois tais muçulmanos são originalmente “imigrantes” conduzidos por britânicos do moderno Estado muçulmano de Bangladesh para um Estado de maioria budista sem consulta à população local.

Se a Europa rechaça a “imigração ilegal”, deveria também considerar como “legítima” a pretensão do país de maioria budista de não reconhecer um “povo inventado” que almeja criar um Estado islâmico em usurpação à soberania de um país. Aliás, vale lembrar que o governo de Mianmar está disposto a conceder cidadania à minoria muçulmana se concordar em utilizar sua verdadeira identidade, a saber, bengali, o que vem sendo rejeitado por suas lideranças que sonham com a implantação de mais um “califado” na Ásia.

Contudo, embora eu reconheça a total ilegitimidade do pleito dos rohingyas, não posso concordar com ações violentas e ilegais do governo de Mianmar, que também são usuais contra a pacífica minoria cristã que não pleiteia autodeterminação. Matança arbitrária, estupros sistemáticos, incêndio de casas e expulsão de moradores costumam ser estratégias de lideranças muçulmanas contra minorias e não cabe a uma defensora dos direitos humanos “justificar” tais ações que atingem principalmente à população mais vulnerável como mulheres e crianças. Ações enérgicas devem ser voltadas sempre contra os jihadistas e não contra a população vulnerável.

Infelizmente, falta ao governo budista de Mianmar a “ética judaica” no trato para com aqueles que almejam usurpar seu território. Dessa vez, o “esforço jihadista” dos muçulmanos está sendo combatido com as “mesmas armas” pelos “discípulos de Buda” que resolveram dar uma trégua aos seus ensinamentos religiosos para seguir os “preceitos de paz” ensinados pela ortodoxia islâmica!

Andréa Fernandes é advogada, internacionalista, jornalista, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires e líder do Movimento Nacional pelo Reconhecimento do Genocídio de Cristãos e Minorias no Oriente Médio.

Imagem:http://www.rfa.org/english/news/myanmar/myanmar-government-orders-state-media-not-to-use-rohingya-06212016155743.html

 

 

Estudante judeu sai de escola de Berlim devido ameaças e violência de colegas de classe muçulmanos

“Estudante judeu sai de escola de Berlim por ameaças e violência de colegas de classe muçulmanos”, de Simon Kent, Breitbart , 28 de maio de 2017:

 Espancamentos e abusos de colegas de classe muçulmanos foram citados pelos pais de um adolescente judeu como o motivo pelo qual o retiraram de uma escola principal de Berlim.

O menino de 14 anos nasceu em Londres de uma mãe britânica e um pai alemão. De acordo com um relatório no Sunday Times , o estudante foi expulso e recebeu soco de alunos do Oriente Médio e origem turca tantas vezes, que ficou temendo por sua vida. Um dos agressores alegadamente ameaçou matá-lo com uma arma simulada que ele acreditava ser real.

O Conselho Central de Judeus na Alemanha descreveu as alegações de bullying na Friedenauer Gemeinschaftsschule em Berlim como “anti-semitismo da forma mais horrorosa”.

The Times informa Ferdinand e seus pais – Gemma, um empresário de Londres, e Wenzel, uma ativista de direitos humanos – escolheram um ambiente multicultural para o ensino de seus filhos. Até recentemente, a família tinha hospedado um refugiado sírio na casa de Berlim.

“Eu amei o fato de que a escola era multicultural. . . Os filhos e os professores eram tão legais “, disse Ferdinand.

No entanto, dentro de uma semana de inscrição em novembro passado, em uma escola onde quase três quartos dos alunos são de famílias imigrantes, os problemas de Ferdinand começaram depois que ele deixou escapar que ele era judeu.

“Primeiro, meu amigo turco, Emre, disse que não poderia mais sair comigo porque eu era judeu”, disse Ferdinand. “Então outros alunos começaram a dizer coisas estereotipadas sobre como os judeus só querem dinheiro e odeiam muçulmanos”.

As surras diárias por uma gangue de alunos, todos de origem imigrante, logo seguiram. Estes foram acompanhados de insultos raciais.

“Este menino, Jassin, cujos pais são palestinos, me perguntou se eu sou de Israel”, disse Ferdinand. “Eu nunca estive em Israel. Ele disse que a Palestina vai queimar Israel e seus amigos disseram que o Peru queimará Israel. Ele continuou me chutando.

“Um dia ele veio até mim por trás e ele me deu um soco na parte de trás. Fiquei tonto. . . Eu tive uma hematoma por uma semana ou duas. Toda vez que algo de ruim acontecia, eu disse a mim mesmo que eu poderia gerenciá-lo, mas isso só piorou “.

A experiência de Ferdinand não é um incidente isolado no sistema escolar de Berlim.

Aaron Eckstaedt, diretor da Escola Secundária Judaica Moses Mendelssohn em Berlim, disse à Jewish Chronicle que seis a 10 pais judeus se candidataram para mudar seus filhos de escola todos os anos.

Os pedidos são geralmente “em reação a declarações antissemitas vindas esmagadoramente de colegas árabes ou turcos”, disse ele.

Matéria completa: http://pamelageller.com/2017/06/jewish-berlin-muslim.html/?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

Líderes muçulmanos em Manchester, local do massacre da jihad, reclamam do aumento da “islamofobia”

“Líderes muçulmanos em Manchester relatam aumento de incidentes islamofóbicos”, de Jamie Grierson e Robert Booth, Guardian , 24 de maio de 2017:

Os líderes muçulmanos em Manchester expressaram preocupação com uma série de incidentes islamófobos na cidade, do abuso verbal aos danos criminais às mesquitas.

Lideranças da comunidade muçulmana dizem que receberam relatos de comportamento abusivo desde o ataque a Arena Manchester no início desta semana.

Fawzi Haffar, administrador do Centro Islâmico de Manchester em Didsbury, onde Salman Abedi, o criminoso da Arena Manchester, deve ter orado, disse: “Estamos preocupados com os relatórios que estamos recebendo sobre atos anti-muçulmanos. Estes são atos anti-muçulmanos terríveis que variam do abuso verbal aos actos de dano criminal às mesquitas na área e fora da área. Incentivamos qualquer incidente a ser relatado como um crime de ódio. ”

Mohammed Ullah, capelão muçulmano na Universidade de Manchester, disse que ouviu relatos de uma menina muçulmana sendo cuspida e de outro muçulmano que teria ouvido para “ir para casa”. Um incendiário atacou uma mesquita em Oldham, Greater Manchester, pouco depois da atrocidade.

“Ouvimos relatos, mas muitas pessoas têm muito medo de falar sobre o problema ou não querem causar barulho”, disse Ullah ao Guardian. “Recebemos relatórios, mas acho que os incidentes estão sub-relatados.”

“Os ataques islamófobos aumentaram exponencialmente nos últimos anos”, prosseguiu. “Eu digo aos estudantes muçulmanos que relatem esses incidentes de ódio quando eles acontecerem. Estejam vigilantes e não permitam que o ódio nos divida. ”

Falando fora da mesquita de Didsbury, Haffar procurou dissipar os relatórios de que Abedi havia trabalhado no centro e disse: “Nós expressamos preocupação que uma pequena parte da mídia está fabricando histórias e trazendo pontos infundados”.

Ele também expressou sua indignação com o ataque, chamando-o de “atrocidade horrível” e dizendo que “esse ato de covardia não tem lugar em nossa religião ou qualquer outra religião”. Ele incentivou qualquer pessoa com informações para entrar em contato com a polícia.

Mas Ullah disse que os muçulmanos não deveriam se desculpar pelas ações de extremistas.

“Eu digo aos muçulmanos que vocês não deveriam se desculpar pelas ações dos indivíduos”, disse ele. “Nenhuma outra comunidade foi levada a conta como esta. Deixe-me ser claro – o que aconteceu na segunda-feira foi um crime de proporções épicas. Foi épico, maligno e condenamos com a mais forte condenação.

“Mas vamos também ser claros sobre isso – por que temos então de levantar-se e dizer:” pedimos desculpas “? Não é minha culpa. Não é culpa da religião.

“Estamos fartos de ter que pedir desculpas e ser o primeiro a condená-lo. O que mais podemos fazer? Diga-me o que mais podemos fazer? “…

https://www.jihadwatch.org/2017/05/uk-muslim-leaders-in-manchester-site-of-jihad-massacre-claim-rise-in-islamophobia

Presos em conflito com grupo anti-imigração são soltos em SP após audiência na Justiça

Nenhum deles foi indiciado, mas poderão ser investigados caso o Ministério Público entenda que há necessidade. Dois palestinos terão que cumprir medidas cautelares.

uatro presos após conflito com manifestantes de direita contrários à Lei de Migração, sendo dois palestinos e dois brasileiros, foram soltos na tarde deste quarta-feira (3) em São Paulo. A soltura ocorreu após audiência de custódia no Fórum da Barra Funda, para onde eles haviam sido levados ao deixar o 78º Distrito Policial, nos Jardins.

Nenhum deles foi indiciado, mas o Ministério Público pode entender que há necessidade de abertura de inquérito. Os dois, que são de origem palestina, no entanto, precisarão cumprir medidas cautelares, que incluem ter que se apresentar à Justiça mensalmente, não participar de manifestações relacionadas à Lei de Migração, não se aproximar de outras partes do processo e não se ausentar de São Paulo por mais de 15 dias.

Segundo a Polícia Civil, os quatro manifestantes favoráveis à Lei de Migração foram presos em flagrante. O auto de prisão em flagrante imputava aos detidos os crimes de explosão, lesão corporal, associação criminosa e resistência durante confronto em manifestação. O estudante Roberto Freitas, 18, e Nykolas Silva, 22, os dois brasileiros, tiveram o chamado “relaxamento total de flagrante”, o que significa que não tem o que responder à Justiça.

Justiça manda soltar quatro homens que estavam presos, depois de uma confusão na Paulista

Justiça manda soltar quatro homens que estavam presos, depois de uma confusão na Paulista

O empresário Hasam Sarif, 43, e o refugiado sírio Nour Alsayyd, 22, tiveram relaxamento de flagrante e foram liberados dos crimes de associação criminosa e resistência. No entanto, a polícia apura a participação deles em explosão e lesão corporal, por considerar que “há indícios suficientes” de que eles explodiram arterfato, conforme aponta o boletim de ocorrência.

Os dois negam as acusções que constam no BO. Segundo o advogado Hugo Albuquerque, a alegação do BO é “estapafúrdia”. “Eram 50 pessoas, eles eram 5. Eles sofreram ofensas xenofóbicas e o BO é totalmente parcial. É como se eles não tivessem sido atacados, não tivessem sido feridos”, disse.

O juiz José Eugenio do Amaral Souza determinou que eles fossem soltos porque verificou que “ambos são primários, tem bons antecedentes e ocupações lícitas”.

O conflito

Por volta das 21h desta terça-feira (2), cerca de 50 pessoas do Movimentos Direita São Paulo e Juntos pelo Brasil protestavam em frente ao escritório da Presidência da República na Avenida Paulista pedindo para o presidente Michel Temer vetar a Lei de Migração aprovada no Senado. No mesmo horário, havia 20 pessoas favoráveis à lei. Não se sabe como começou, mas houve confronto entre os dois grupos, e um vídeo divulgado no Facebook mostra uma explosão.

O ato gritava contra a “islamização do Brasil” e os manifestantes seguravam faixas escritas “Aloysio Nunes [ministro das Relações Exteriores] traidor” e pediam pela “soberania”.

O advogado do grupo disse que eles foram linchados pelos manifestantes contrários à nova lei. O sírio Nour chegou a ficar ferido na cabeça, mas nenhum agressor foi preso.

O grupo, ainda de acordo com a Polícia Civil, teria arremessado artefato explosivo. Os detidos, no entanto, alegaram que apenas se defenderam. Não é possível afirmar como começou o confronto.

Entre os presos está o palestino Hasan Zarif, líder do movimento Palestina para Tod@s e proprietário do bar Al Janiah, no Centro de São Paulo. Os advogados afirmaram que demoraram quase cinco horas para ter acesso aos presos, e jornalistas não puderam entrar no 78º DP, para onde eles haviam sido levados.

Um amigo de Hasan, em vídeo gravado e postado no Facebook, disse que “armaram” para os palestinos.

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/presos-em-conflito-com-grupo-anti-imigracao-sao-soltos-em-sp-apos-audiencia-na-justica.ghtml

Malásia: Cristãos são acusados de “enfraquecer a fé islâmica”

Um jornal local publicou um artigo afirmando que “os cristãos se infiltraram na manifestação, usando essa plataforma para desafiar e enfraquecer a fé islâmica”.

O “Bersih 5” foi um protesto democrático que ocorreu no final do ano, na Malásia, a fim de tentar “limpar” o governo da corrupção e conscientizar os cidadãos sobre os problemas atuais enfrentados pelo país. Os manifestantes reivindicaram pacificamente uma reforma no governo e exigiram também a expulsão do primeiro-ministro Najib Razak.

No dia seguinte, porém, um jornal local publicou um artigo afirmando que “os cristãos se infiltraram na manifestação, usando essa plataforma para desafiar e enfraquecer a fé islâmica”. A acusação ocorreu depois que voluntários de uma igreja distribuíram água e comida entre as pessoas. Um grupo de cristãos também usou as mídias sociais para encorajar outros cristãos a participar de Bersih 5 e eles também pediram a todos para orar pela nação.

A desconfiança da comunidade muçulmana acabou distorcendo as ações da igreja. Ore para que os cristãos malaios continuem demonstrando amor e bondade, e que os corações de muitos muçulmanos sejam tocados pelo amor de Cristo, a fim de compreenderem o motivo da fé daqueles que seguem Jesus.

Leia também
Islamização progressiva na Malásia
Igreja na Malásia não está segura

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/cristaos-sao-acusados-de-enfraquecer-a-fe-islamica