Arquivo da tag: #mutilação genital

Mutilação Genital Feminina já é caso de saúde pública no País de Gales

A primeira clínica no País de Gales para fornecer ajuda médica e psicológica às vítimas da mutilação genital feminina (MGF) foi aberta.

A Clínica de Bem-Estar Feminina especialista da Cardiff Royal Infirmary oferecerá atendimento individualizado, aconselhamento e aconselhamento.

Estima-se que 2.000 mulheres e meninas no País de Gales estejam vivendo com a mutilação genital feminina.

Cardiff e o Conselho de Saúde da Universidade de Vale afirmaram que qualquer pessoa afetada poderia obter atendimento semanal na clínica. As pacientes também podem ser encaminhadas por médicas, enfermeiras e parteiras, policiais, serviços sociais e organizações de apoio.

A prática ilegal da MGF é levada a cabo por razões culturais e religiosas em certas comunidades.

Envolve a remoção parcial ou total da genitália externa feminina ou lesão dos órgãos genitais femininos por razões não médicas e pode causar problemas de saúde profundos.

Clínica de Bem-Estar da Mulher em Cardiff Royal Infirmary
                                            Clínica de Bem-Estar da Mulher 

Até agora, as vítimas deixadas com as cicatrizes físicas e psicológicas não tiveram acesso a serviços especializados no País de Gales, apesar de a Inglaterra ter atualmente cinco clínicas dedicadas.

Mas o novo serviço liderado por parteiras para Cardiff – que será executado como piloto todas as quartas-feiras – oferecerá acesso a aconselhamento psico-sexual, serviços de interpretação e apoio à defesa da comunidade.

Crianças vítimas de MGF serão atendidas em uma clínica adjacente à Clínica de Bem-Estar Feminina dirigida por pediatras de consultores de saúde infantil.

Cerca de 220 vítimas de MGF foram apoiadas desde 2013 pela Bawso, uma instituição de caridade que ajuda as mulheres afetadas pela prática no País de Gales.

Bawso fez campanha para que a clínica fosse aberta no País de Gales e Samsunear Ali, seu vice-presidente-executivo, disse: “É um serviço vital para as mulheres que são vítimas da MGF e fará parte da prestação de serviços integrais”.

Os números obtidos pela BBC Wales no ano passado mostraram que um caso de mutilação genital feminina foi descoberto em média a cada três dias pela equipe de maternidade no País de Gales em 2016.

A ONG Carity Welsh Women’s Aid disse que estima-se que 2.000 mulheres no País de Gales estejam vivendo com a MGF.

Com informações de BBC

Anúncios

30 % das jovens em subúrbios de Paris enfrentam ameaça de Mutilação Genital Feminina

A ameaça da mutilação genital feminina (MGF) na área populosa de Seine-Saint-Denis, nos subúrbios de Paris, pode afetar até 30 % das meninas na área, de acordo com uma socióloga francesa.

A socióloga francesa e diretora do Grupo para a Abolição da Mutilação Sexual (GAMS), Isabelle Gillette-Faye, afirmou que a prevalência da mutilação genital feminina nos subúrbios de Paris, muitas vezes referida como áreas proibidas , na Île-de-France região são preocupantes.

Gillette-Faye disse em  uma entrevista  a um site oficial da região que a prática muitas vezes envolve crianças mais velhas do que em outras regiões do mundo onde a MGF ocorre.

“Em geral, eles sofrem mutilações do tipo 2, ou seja, a remoção do clitóris e dos pequenos lábios”, disse Gillette-Faye.

A socióloga acrescentou que na França muitas vítimas são obrigadas a ir ao exterior para realizar a operação, muitas vezes antes de serem forçadas a casar.

A fim de combater a propagação da MGF, Gillette-Faye e seu grupo GAMS, foram capazes de treinar médicos e assistentes sociais para identificar casos e trabalhar com as autoridades.

“Ficamos aliviados quando deixamos a circuncisão duas ou três gerações atrás de nós. Famílias que vivem na França são frequentemente resistentes, pois as pressões sociais e tradicionais são muito fortes, e muitas vezes a família permanece no país [original] que decide ”.

Female Genital Mutilation is a “nuanced” crime 😡 http://www.breitbart.com/london/2018/01/19/police-commander-lack-female-genital-mutilation-convictions-nuances/ 

Police Commander on Lack of Female Genital Mutilation Convictions: ‘There Are Many Nuances to This…

The police commander tasked with tackling female genital mutilation has excused the lack of convictions by saying it has “many nuances”.

breitbart.com

A MGF tornou-se uma questão reconhecida em todo o mundo ocidental nos últimos anos, à medida que o número de casos explodiu. No Reino Unido, o número de casos é tão alto que, no ano passado, um caso foi descoberto ou tratado a cada hora .

No início deste mês, muitos celebraram o “Dia da Conscientização da MGF” para destacar o problema. A polícia de Surrey optou por passar o dia nas redes sociais, não destacando o problema do corte genital, mas sim investigando os usuários do Twitter por “tweets islamofóbicos”.

Na Irlanda, o médico e estudioso muçulmano Ali Selim endossou totalmente uma forma da prática no início desta semana dizendo: “Eu não sou um defensor da mutilação genital feminina, mas sou um defensor da circuncisão feminina”.

Com informações de Breibart

Site Muçulmano Canadense Publica Artigo Defendendo ‘Benefícios Médicos’ da Circuncisão Feminina

Um site muçulmano baseado na cidade canadense de Calgary publicou um artigo defendendo a prática da mutilação genital feminina (MGF) alegando que há benefícios médicos se parte dos genitais de uma mulher for removido, e dizendo que isso é justificado pelo Islã.

artigo, escrito pela autora e jornalista Asiff Hussein, pró-MGF, afirma que “Misoginistas e feministas” estão “denegrindo” a prática que ele alega ter benefícios médicos para as mulheres.

O colaborador do site defende a remoção do prepúcio, uma camada de pele nos órgãos genitais da mulher, alegando que a operação não é MGF, mas sim “circuncisão feminina”, já que não remove o clitóris.

Sua definição contraria a Organização Mundial da Saúde (OMS) que define MGF como “todos os procedimentos que envolvem a remoção parcial ou total da genitália feminina externa ou outra lesão dos órgãos genitais femininos por razões não médicas”, e acrescentam que não existe benefícios conhecidos para a saúde.

Hussein reconhece a definição da OMS, mas culpa a falta de pesquisas pró-MGF sobre “sentimentos islamofóbicos expressos por uma mídia amplamente controlada pelos judeus”.

Muitos também rejeitaram a MGF como uma prática cultural local sem ligações com a religião do próprio Islã. Hussein discordou dizendo que há uma referência à MGF nas palavras do profeta Maomé, também conhecido como Hadith.

Comentários sobre o artigo mostram uma ressonante rejeição dos argumentos de Hussein com alguns dizendo que a prática é “bárbara” e outros acusam os praticantes de abuso infantil. Um usuário foi questionado se o artigo era ou não uma sátira.

Os procedimentos de MGF em menores de 18 anos ou sem motivos médicos são atualmente ilegais no Canadá, de acordo com o Código Penal Canadense. Apesar disso, alguns alegam que as meninas canadenses foram levadas para o exterior para que o procedimento fosse realizado e os praticantes de MGF entraram no Canadá para realizar a operação dentro do país também.

“…there has not been a single conviction for FGM in Scotland…” http://www.breitbart.com/london/2017/07/17/migrants-travel-to-soft-touch-scotland-for-fgm-midwife-sees-150-cases-a-year/ 

Migrants Travel to ‘Soft Touch’ Scotland for FGM, Midwife Sees 150 Cases a Year

A Scottish midwife has revealed how she deals with cases of female genital mutilation (FGM) on an almost daily basis, seeing around 150 affected women and girls every year.

breitbart.com

No Reino Unido, o número de casos de MGF é estimado em 5.000 só no ano passado e até agora ninguém foi processado em conexão com a prática. No início deste ano, o Serviço Nacional de Saúde (NHS) estimou que havia novos casos de MGF sendo relatados ou tratados no Reino Unido a  cada hora .

A França adotou uma abordagem muito diferente em relação ao Reino Unido e ao Canadá e, desde que a proibição da MGF em 1983, processou centenas de praticantes.

Em abril, os Estados Unidos registraram as primeiras acusações de MGF quando três indivíduos foram acusados em Michigan. Uma investigação federal sobre uma conspiração mais ampla ocorreu em julho, incluindo  investigações em Los Angeles, Nova York e Chicago.

Com informações de Breibart

Conselho Islâmico Suíço Justifica Mutilação Genital Feminina

O Conselho Central Islâmico da Suíça (IZRS) defendeu a prática da mutilação genital feminina (MGF), alegando que a lei islâmica justifica a prática.

A organização divulgou uma “opinião legal islâmica” em fevereiro argumentando que uma forma da chamada “circuncisão feminina”, envolvendo a remoção de partes dos órgãos genitais, é justificada, informa o jornal suíço Tages Anzeiger .

O secretário-geral da IZRS, Ferah Uluca, disse que embora o documento justifique a prática, não pede aos muçulmanos que o façam como um dever. Ulucay disse que cabe a cada pai decidir, mas o jornal afirma que a prática não é prejudicial para a garota envolvida.

O documento também usa um relatório do Fundo de População das Nações Unidas para apoiar seu argumento de comparar a MGF à circuncisão masculina – mas o relatório citado afirma que as conseqüências para a saúde da circuncisão masculina e feminina são muito diferentes.

A “circuncisão da Sunna ” é classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como FGM Tipo 1, que envolve a remoção do capuz clitórico (prepúcio) apenas (Tipo 1a) ou a remoção do clitóris com o prepúcio (Tipo 1b).

A MGF é ilegal na Suíça desde 2012 e aqueles que procedem em qualquer tipo de prática podem ser presos por até dez anos.

Muitos defensores da MGF justificam o processo como “circuncisão feminina”, afirmando que é separado da MGF. Um desses estudiosos islâmicos, o líder muçulmano irlandês Ali Selim,  apresentou este argumento no início deste mês dizendo: “Eu não sou um defensor da mutilação genital feminina, mas sou um defensor da circuncisão feminina”.

30 Per Cent of Young Girls in Paris’s Troubled Suburbs Face FGM Threat http://www.breitbart.com/london/2018/02/13/30-percent-young-girls-paris-troubled-suburbs-face-fgm-threat/ 

30 Percent of Young Girls in Paris’ Troubled Suburbs Face FGM Threat

The threat of female genital mutilation (FGM) in the heavily migrant-populated Seine-Saint-Denis area in the suburbs of Paris.

breitbart.com

As Nações Unidas e a OMS não fazem distinção entre as várias formas de circuncisão feminina, rotulando-as todas de MGF.

Casos de mutilação genital feminina dispararam em toda a Europa devido às políticas de migração em massa, com o Reino Unido vendo 5.000 casos em 2016,  mas nenhum processo, apesar de ser ilegal.

Na França, um relatório recente de uma instituição de caridade anti-GFM afirmou que até 30% das meninas que moram nos subúrbios populosos e com população de migrantes de Paris estavam em risco de sofrer MGF.

A prevalência da MGF também não se limitou à Europa, com mais e mais casos sendo vistos no Canadá também.

Com informações de Breibart.

Ativistas: Os freios na Mutilação Genital Feminina não são suficientes

Espera-se que o governo da Somalilândia promulgue legislação que aborde o problema desenfreado da  mutilação genital feminina (MGF)  na região. A Somalilândia é uma área autônoma dentro da Somália, um país onde 98% das mulheres e meninas foram cortadas, a taxa mais alta de MGF no mundo. O governo emitiu recentemente uma fatwa (decreto religioso) que proíbe as duas formas mais extremas da prática. No entanto, a fatwa não tem autoridade legal.

Além disso, a fatwa não conseguiu proibir completamente a prática, deixando em aberto a possibilidade de FGM Tipo I, que envolve a remoção parcial ou completa do clitóris. Agora, os ativistas temem que, quando a legislação subsequente for aprovada, ela não vá longe o suficiente.

Relatos iniciais sobre a fatwa afirmavam que o governo havia tornado obrigatória a mutilação genital feminina do tipo I para todas as meninas da Somalilândia.

Enquanto isso, na Suíça, o Conselho Central Islâmico da Suíça emitiu recentemente uma opinião legal dizendo que  a lei islâmica justifica a prática da MGF e que não é prejudicial para as meninas. A MGF é ilegal na Suíça e qualquer tipo de corte é punível com até 10 anos de prisão.

A MGF refere-se a todos os procedimentos que envolvem a remoção parcial ou total da genitália feminina externa e / ou outras lesões nos órgãos genitais femininos por razões culturais ou outras não médicas.

A prática tem sérios e permanentes impactos negativos na saúde e sexualidade de mulheres e meninas, incluindo, a curto prazo, dores e sangramentos intensos, infecções e distúrbios urinários. Os efeitos a longo prazo incluem complicações durante o parto, anemia, formação de cistos e abscessos, formação de cicatriz quelóide, dano à uretra resultando em incontinência urinária, relação sexual dolorosa e disfunção sexual, hipersensibilidade, aumento do risco de transmissão do HIV, bem como graves efeitos psicológicos.

Leia o folheto informativo do Projeto Clarion sobre FGM

A MGF é classificada da seguinte forma pela Organização Mundial da Saúde:

Tipo I: Remoção parcial ou total do clitóris e / ou do capuz do clitóris

Tipo II: Remoção parcial ou total do clitóris e dos pequenos lábios, com ou sem excisão dos grandes lábios.

Tipo III: estreitamento do orifício vaginal com selo de cobertura. O selo é formado cortando e reposicionando os pequenos lábios e / ou os grandes lábios. Isso pode ocorrer com ou sem a remoção do clitóris.

Tipo IV: Todos os outros procedimentos prejudiciais à genitália feminina para fins não médicos, por exemplo: picada, perfuração, incisão, raspagem ou cauterização.

Com informações de Clarion Porject

A dor de urinar, menstruar e dar à luz após mutilação genital

Cerca de 200 milhões de mulheres e meninas em todo o mundo já foram vítimas de mutilação genital.

Muitos se perguntam como é viver com esse tipo de mutilação, passando por situações como urinar, menstruar ou ter um filho.

Continuar lendo A dor de urinar, menstruar e dar à luz após mutilação genital

Unicef: 200 milhões de mulheres sofreram mutilação genital

Relatório inclui dados de 30 países, mas afirma que metade dos casos ocorreu em apenas três: Egito, Etiópia e Indonésia. Agência da ONU alerta que número de vítimas deve aumentar significativamente nos próximos anos.

Pelo menos 200 milhões de meninas e mulheres foram vítimas de mutilação genital em 30 países, afirmou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) em relatório divulgado nesta sexta-feira (05/02), o mais completo já feito sobre o assunto.

O documento traz 70 milhões de casos a mais que o estimado em 2014. Segundo o órgão, isso aconteceu porque a população cresceu em alguns lugares e porque a pesquisa passou a incluir mais dados da Indonésia, onde a prática é muito comum e onde antes não havia dados confiáveis.

O relatório afirma que o montante se refere a números de procedimentos de mutilação genital realizados, prática que, “independentemente da forma como é feita, é uma violação dos direitos das crianças e mulheres”.

Segundo o Unicef, três países – Egito, Etiópia e Indonésia – concentram metade dos casos. Das 200 milhões de vítimas, 44 milhões são meninas de até 14 anos. Em vários países, a prevalência da mutilação genital nessa faixa etária supera 50%. Na Indonésia, por exemplo, cerca de metade das meninas de até 11 anos já foi submetida à prática. No Iêmen, 85% das garotas são mutiladas na primeira semana de vida, segundo o Unicef.

Já os países com uma maior prevalência de casos na faixa dos 15 aos 49 anos são a Somália, com 98%, a Guiné, com 97%, e o Djibouti, com 93%.

Apesar dos números alarmantes, a agência das Nações Unidas diz que a oposição a esta prática está ganhando força no mundo. Desde 2008, mais de 15 mil comunidades e distritos em 20 países declararam publicamente que estão abandonando a mutilação genital. Além disso, cinco países aprovaram leis que criminalizam a prática.

De qualquer forma, a taxa de progressão não é “suficiente para acompanhar o crescimento populacional” e, se as atuais tendências se mantiverem, “o número de vítimas vai aumentar significativamente ao longo dos próximos 15 anos”, diz a pesquisa.

“Determinar a magnitude da mutilação genital feminina é essencial para eliminar a prática”, afirmou Geeta Rao Gupta, diretora-executiva do Unicef. “Governos que coletam estatísticas nacionais sobre o assunto estão em melhor posição para entender a extensão do problema e acelerar os esforços para proteger os direitos de milhões de meninas e mulheres.”

http://www.dw.com/pt/unicef-200-milh%C3%B5es-de-mulheres-sofreram-mutila%C3%A7%C3%A3o-genital/a-19029065

ISIS publica Fatwa repugnante ordenando mutilação genital de bebês recém-nascidas

imagens

Uma menina submetida a Mutilação Genital Feminina.

Em outra nova barbárie do ISIS, o grupo muçulmano ordenou que todas as bebês recém-nascidas sejam submetidas a uma clitorectomia, também conhecida como Mutilação Genital Feminina (MGF).

De acordo com o UK Express:

O grupo terrorista ordenou que a mãe que se opuser à mutilação genital feminina (MGF) para as suas filhas deve ser açoitada, multada e a operação realizada sem  seu consentimento.

De acordo com a decisão do cruel Daesh, parte do clitóris da criança deve ser removido cirurgicamente imediatamente após o nascimento.

Ele disse que as mães de recém-nascidas tinham recebido ordens de levá-las a hospitais, a fim de ser realizada a operação.

A advogada e ativista dos direitos das mulheres Falah Murad Khan disse: “No ano passado, quando isto foi sugerido pela primeira vez ninguém acreditava que poderia realmente ser uma fatwa, mas agora parece que com a mais recente confirmação de que ela seja realmente verdade.” 

O Deputado Murad Khan disse que supostamente haveria um quarto de cirurgias que tinha sido criado em Mosul para a realização das operações em bebés. 

http://shoebat.com/2016/01/10/barbaric-isis-issue-sickening-fatwa-to-mutilate-genitals-of-newborn-baby-girls/

A Islamização da Grã-Bretanha em 2015

Crimes Sexuais, Jihadimania e “Taxa de Proteção”.

  • Hospitais espalhados pela Grã-Bretanha estão se defrontando com pelo menos 15 novos casos de mutilação genital feminina (FGM em inglês), todos os dias. Muito embora a FGM seja ilegal na Grã-Bretanha desde 1984, não houve nenhuma condenação.
  • Entre 1997 e 2013 pelo menos 1.400 crianças foram exploradas sexualmente na cidade de Rotherham, na maioria dos casos por gangues muçulmanas, no entanto a polícia e as autoridades municipais não conseguiram lidar com o problema por receio de serem tachadas de “racistas” ou “islamofóbicas”.
  • O Reverendo Giles Goddard, vigário da igreja de St John em Waterloo, centro de Londres, permitiu que um serviço religioso muçulmano fosse realizado, do início ao fim, em sua igreja. Ele também pediu a sua congregação que enaltecesse “o Deus que todos nós amamos: Alá”.
  • Houve um aumento de 60% nas ocorrências policiais quanto ao abuso sexual de crianças nos últimos quatro anos de acordo com números oficiais.
  • A inteligência britânica está monitorando mais de 3.000 extremistas islamistas autóctones, dispostos a desfechar atentados na Grã-Bretanha.
  • Um funcionário muçulmano de uma usina nuclear em West Kilbride, Escócia, foi afastado das dependências do complexo após ser pego estudando materiais para a fabricação de bombas, em horário de trabalho.
  • “Nós procuramos evitar descrever alguém como terrorista ou um ato de ser terrorista”. – Tarik Kafala, chefe do serviço da BBC em árabe.

A população muçulmana na Grã-Bretanha ultrapassou 3,5 milhões em 2015, atingindo cerca de 5,5% da população de 64 milhões de habitantes, de acordo com os números inferidos de um estudo recente sobre o crescimento da população muçulmana na Europa. Em termos reais, a Grã-Bretanha conta com a terceira maior população muçulmana da União Européia, depois da França e seguida pela Alemanha.

O islamismo e os problemas relacionados com o islamismo estiveram onipresentes na Grã-Bretanha em 2015 e podem ser divididos em cinco grandes temas: 1) o extremismo islâmico e as implicações sobre a segurança em vista dos jihadistas britânicos na Síria e no Iraque, 2) a contínua disseminação da lei da Sharia na Grã-Bretanha, 3) a exploração sexual de crianças britânicas por gangues muçulmanas, 4) a integração muçulmana na sociedade britânica e 5) os fracassos do multiculturalismo britânico.

JANEIRO de 2015

7 de janeiro. O extremista islâmico Anjem Choudary, natural da Grã-Bretanha defende os ataques jihadistas contra a redação da revista satírica francesa Charlie Hebdo. Em um artigo publicado pelo jornal USA Today, Choudary assinala:

“Contrário ao conceito popular equivocado, o Islã não significa paz e sim submissão apenas aos comandos de Alá. É por esta razão que os muçulmanos não acreditam na ideia da liberdade de expressão, porque suas palavras e ações são determinadas pela revelação divina e não baseadas nos desejos das pessoas.

“Em um mundo cada vez mais instável e inseguro, a potencialidade das consequências de insultar o Mensageiro Maomé já são conhecidas tanto pelos muçulmanos quanto pelos não-muçulmanos. Se é assim, por que então o governo francês permitiu que a revista Charlie Hebdo continuasse a provocar os muçulmanos, colocando dessa maneira em risco a inviolabilidade de seus cidadãos”?

9 de janeiro. O clérigo muçulmano Mizanur Rahman de Palmers Green, norte de Londres, também defendeu os ataques em Paris e declarou que a “Grã-Bretanha é inimiga do Islã”. Discursando para uma platéia em Londres, discurso este que também foi difundido na Internet a milhares de seus seguidores, Rahman disse que os cartunistas do Charlie Hebdo cometeram o pecado de “insultar o Islã” e que portanto “não podiam esperar outra coisa”. E acrescenta: “vocês sabem o que acontece quando se insulta Maomé”.

14 de janeiro. Zack Davies, 25, atacou um sikh de 24 anos de idade chamado Sarandev Bhambra com um facão, em um supermercado da rede Tesco em Mold, norte do País de Gales. Inicialmente os jornais britânicos retrataram o ataque com “motivação racista”, de um extremista de extrema direita promovendo o “poder branco”. Depois ficou-se sabendo que Davies era na realidade um muçulmano convertido que adotou o nome de Zack Ali. Na manhã do ataque, Davies alertou, em sua página do Facebook, que se preparava para atacar, publicando um post com quatro versos do Alcorão que prega a violência contra não-muçulmanos.

16 de janeiro. Rahin Aziz, um islamista de Luton, foi fotografado na Síria exibindo um fuzil AK-47. Em um tuíte, Aziz, que também responde pelo nome de Abu Abdullah al-Britani, postou o seguinte: “ainda não decidi o que fazer com o meu passaporte #british (britânico), eu poderia queimá-lo, jogá-lo na privada, o que eu quero dizer é que ele não presta nem para que se cuspa nele”.

16 de janeiro. O Secretário de Estado para Comunidades e Governo Local Eric Pickles enviou uma carta a mais de 1.000 imãs da Grã-Bretanha, pedindo a ajuda deles na luta contra o extremismo e a erradicação daqueles que pregam o ódio. Grupos muçulmanos reagiramacusando o governo britânico de alimentar a “islamofobia”, exigindo uma retratação.

17 de janeiro. O jornal The Telegraph reportou que um terrorista da al-Qaeda, já condenado, com ligações estreitas aos ataques jihadistas em Paris, não pode ser deportado da Grã-Bretanha porque isso violaria seus direitos humanos. Baghdad Meziane, um argelino-britânico de 49 anos, condenado em 2003, cumprindo uma pena de 11 onze anos de prisão por comandar uma rede terrorista que recrutava jihadistas e captava recursos para a al-Qaeda, foi libertado cinco anos antes e teve permissão de voltar para a casa da sua família em Leicester. Desde então, Meziane conseguiu frustrar todos os esforços para deportá-lo, apesar da insistência do governo em afirmar que ele representa “uma ameaça para o Reino Unido”.

De acordo com o The Telegraph, Djamel Beghal, um colaborador próximo de Meziane, foi o mentor de pelo menos dois dos atiradores suspeitos pelos assassinatos, Amedy Coulibaly e Chérif Kouachi, durante o período que eles passaram juntos na prisão. A esposa de Beghal, uma cidadã francesa, reside no Reino Unido, cortesia dos contribuintes britânicos. Sylvie Beghal reside de graça em uma casa de quatro dormitórios em Leicester. Ela veio à Grã-Bretanha juntamente com seus filhos a procura de um “ambiente mais islâmico”, depois de chegar à conclusão que a França era antimuçulmana demais.

20 de janeiro. O ex-chefe do MI6, Sir John Sawers, em uma recomendação que pode ser vista como autocensura, alertou os britânicos para que não insultem o Islã se não quiserem que terroristas islâmicos executem atentados dentro do país. Ele disse o seguinte:

“Se você desrespeitar os valores fundamentais dos outros, você estará provocando uma reação furiosa… Há a necessidade de moderação por parte de nós, do Ocidente”.

25 de janeiro. Tarik Kafala, chefe do serviço da BBC em árabe, o maior de todos os serviços de notícias em idioma estrangeiro da BBC, disse que o termo “terrorista” era “pesado” demais para descrever as ações dos homens de mataram 12 pessoas no atentado contra a redação do Charlie Hebdo.

26 de janeiro. Veio à tona que hospitais espalhados pela Grã-Bretanha estão se defrontando com pelo menos 15 novos casos de mutilação genital feminina (FGM em inglês), todos os dias, e que o problema é especialmente grave em Birmingham. Muito embora a FGM seja ilegal na Grã-Bretanha desde 1984, não houve nenhuma condenação.

29 de janeiro. Uma investigação da Sky News sobre exploração sexual infantil em Rotherham, uma cidade ao sul de Yorkshire, constatou que centenas de novos casos continuam a emergir. Em agosto de 2014, o assim chamado relatório Alexis Jay Report revelou que entre 1997 e 2013 pelo menos 1.400 crianças foram exploradas sexualmente, na maioria dos casos por gangues muçulmanas e que a polícia e as autoridades municipais não conseguiram lidar com o problema por conta de considerações politicamente corretas, quanto à possibilidade dela ser tachada de “racista” ou “islamofóbico”.

FEVEREIRO de 2015

4 de fevereiro. A polícia britânica prendeu 45 muçulmanos, todos do sexo masculino, sob a acusação de abusarem sexualmente de crianças. Em Northumbria 20 suspeitos compareceram no tribunal para responderem a acusações incluindo estupro, abuso sexual e tráfico humano para exploração sexual. Os supostos crimes envolviam 12 vítimas, incluindo uma menina de apenas 13 anos. Em Halifax, West Yorkshire, 25 homens foram acusados de cometerem uma série de crimes relacionados a abusos sexuais de crianças.

4 de fevereiro. O gabinete inteiro do Conselho de Rotherham renunciou depois que um relatório constatou que a correção política inapropriada junto com uma cultura de negação, permitiu que mais de 1.400 meninas fossem abusadas recorrentemente por gangues de homens muçulmanos em um espaço de tempo de 15 anos. Crianças, algumas com não mais de nove anos de idade foram aliciadas, traficadas e estupradas por membros da comunidade paquistanesa da cidade, mas o receio de serem tachados de racistas fez com que os vereadores fizessem vista grossa diante dos abusos.

8 de fevereiro. Mais de 1.000 muçulmanos britânicos fizeram uma manifestação no centro de Londres contra o que eles chamaram de “representações ofensivas” do Profeta Maomé pela revista francesa Charlie Hebdo. Multidões que carregavam cartazes com dizeres como “Defenda o Profeta” se concentraram perto do gabinete do Primeiro Ministro David Cameron no distrito governamental Whitehall em Londres. O evento foi organizado por um grupo chamado Muslim Action Forum, que está lançando uma campanha de lobby, bem como uma série de desafios legais no sistema judiciário para estabelecer que as representações de Maomé são “crimes de intolerância”.

25 de fevereiro. Asif Masood, 40, um motorista embriagado sem carteira de habilitação, que aparentemente ingeriu uma quantidade de álcool três vezes acima do limite tolerado, quando bateu em um hidrante com o carro de um amigo em Nottingham, conseguiu se esquivar de uma sentença que o levaria à prisão porque logrou persuadir o juiz que ele acabara de redescobrir a fé muçulmana e que tinha deixado de beber.

27 de fevereiro. Um juiz em Liverpool interrompeu um processo após descobrir que o réu, Kerim Kurt, tinha jurado sobre a Bíblia e não sobre o Alcorão. O Juiz Patrick Thompson do Tribunal da Coroa de Liverpool disse que Kurt tinha feito “o juramento de dizer a verdade sobre o Novo Testamento”. Mais tarde ficou se sabendo, em um interrogatório da testemunha pela parte adversa, que ele era muçulmano. Kurt insistiu que ele tinha aceito fazer o juramento em cima da Bíblia porque “ele respeitava todos os livros sagrados e queria jurar sobre o livro sagrado do país no qual estava residindo”. Mas o Juiz Thompson disse que “na opinião dele o Sr. Kurt, como muçulmano, deveria fazer o juramento sobre o Alcorão”.

MARÇO de 2015

3 de março. Um relatório do governo detectou que cerca de 400 meninas britânicas, algumas com não mais de onze anos, ao que consta, foram exploradas sexualmente por gangues de estupradores muçulmanos em Oxfordshire durante os últimos 15 anos. O relatório acusa as autoridades locais de ignorarem, repetidamente, casos de estupro devido a uma “cultura de negação”.

7 de março. Um respeitado clérigo liberal, Reverendo Giles Goddard, vigário da igreja de St John em Waterloo, centro de Londres, permitiu que um serviço religioso muçulmano fosse realizado, do início ao fim, em sua igreja. Ele também pediu a sua congregação que enaltecesse “o Deus que todos nós amamos: Alá”. Acredita-se ter sido esta a primeira vez que um serviço religioso muçulmano inteiro tenha sido realizado pela Igreja da Inglaterra.

11 de março. O Reverendo Canon Gavin Ashenden, um dos capelães da rainha, manifestoupreocupação em relação as mais de 100 passagens no Alcorão que “encorajam a violência”. Ele estava respondendo aos comentários proferidos pelo Arcebispo de Canterbury Justin Welby, que alegava que os jovens estavam abraçando a jihad porque a religião predominante não era “estimulante” o suficiente.

12 de março. Uma delegação de destacados egípcios-britânicos solicitaram ao governo do Reino Unido a proibição da Irmandade Muçulmana e o banimento de suas atividades em solo britânico. O pedido dizia o seguinte: “o terror não conhece fronteiras, a Irmandade Muçulmana, suas ramificações e seus braços não têm piedade, sua ânsia pelo poder, busca da teocracia e desejo de domínio, fazem delas sedentas de sangue e nada as fará parar até que elas destruam a civilização, tanto Ocidental quanto Oriental”.

15 de março. O governo britânico anunciou que não irá classificar a Irmandade Muçulmana de organização terrorista.

20 de março. Segundo mostram os números que acabam de ser divulgados, a população carcerária de muçulmanos na prisão de Belmarsh, na prática a prisão dos terroristas de Londres, mais que dobrou em apenas quatro anos O número de presidiários muçulmanos detidos na prisão de segurança máxima “Categoria A” saltou 108% desde março de 2010, de 127 para 265 em dezembro de 2014. Dados do governo mostram que na primavera de 2010, os presidiários muçulmanos perfaziam somente 14% dos presidiários de Belmarsh, mas em menos de cinco anos essa proporção subiu para quase um terço. A proporção de presidiários muçulmanos na prisão de Pentonville saltou 40% enquanto que na Wormwood Scrubs, na zona oeste de Londres, ela aumentou cerca de um sexto no mesmo período.

23 de março. Um relatório alerta que mulheres muçulmanas em toda a Grã-Bretanha estão sendo sistematicamente oprimidas, abusadas e discriminadas pelos tribunais da lei da Sharia que tratam as mulheres como cidadãs de segunda classe. O relatório de 40 páginas intitulado “Um mundo Paralelo: Confrontando o Abuso de Muitas Mulheres Muçulmanas na Grã-Bretanha de Hoje”, foi escrito pela Baronesa Caroline Cox, membro independente, não ligada a partidos políticos da British House of Lords (Câmara dos Lordes Britânicos) e uma das principais defensoras dos direitos das mulheres no Reino Unido. O relatório mostra como a crescente influência da lei da Sharia na Grã-Bretanha de hoje está debilitando o princípio fundamental de que deve haver igualdade para todos os cidadãos britânicos sob a única lei do país.

ABRIL de 2015

1º de abril. A polícia turca deteve nove cidadãos britânicos de Rochdale, Grande Manchester, que hipoteticamente estavam procurando se juntar ao grupo terrorista Estado Islâmico na Síria. Os nove, cinco adultos e quatro crianças, incluindo um bebê de um ano de idade, foram detidos na cidade turca de Hatay.

Um dos detidos era Waheed Ahmed, estudante de política da Universidade de Manchester. Seu pai, Shakil, vereador do Partido Trabalhista em Rochdale, disse que achava que seu filho estava fazendo um estágio em Birmingham:

“Fui pego de surpresa ao saber que ele estava lá, pelo que entendi ele estava fazendo um estágio em Birmingham. Meu filho é um bom muçulmano, sua lealdade é com a Grã-Bretanha, de modo que não consigo entender o que ele está fazendo por lá. Se tivesse passado pela minha cabeça que ele estava correndo o perigo de ser radicalizado, eu o teria denunciado às autoridades”.

5 de abril. Abase Hussen pai de uma colegial jihadista britânica que fugiu de casa, admitiu que a filha se radicalizou após ele tê-la levado a um comício extremista organizado pelo grupo islamista Al-Muhajiroun, já banido, dirigido por Anjem Choudary, muçulmano nascido na Grã-Bretanha, que foi posto em prisão preventiva, acusado segundo o artigo 12 da Lei contra o Terrorismo 2000.

Amira, 15, era uma das três meninas da Bethnal Green Academy em East London que viajaram para a Turquia em fevereiro para se tornarem “noivas de jihadistas” na Síria. Durante uma audiência em março, na Comissão Especial para Assuntos Internos, Abase acusou as autoridades britânicas de malograrem por não terem evitado que sua filha fugisse para a Síria. Perguntado pelo Presidente Keith Vaz se Amira tinha sido exposta a algum tipo de extremismo, Hussen respondeu: “de jeito nenhum. Nada”. A polícia até apresentou um pedido de desculpas.

Abase no entanto mudou seu lado da história depois que apareceu um vídeo que odesmascarou como sendo um islâmico radical, que participou de um comício em prol do ódio juntamente com Choudary e Michael Adebolajo, assassino de Lee Rigby. Abase, originário da Etiópia, disse que veio para a Grã-Bretanha em 1999 “pela democracia, pela liberdade, por uma vida melhor para os filhos, para que pudessem aprender inglês”.

5 de abril. Victoria Wasteney, 38, uma profissional da saúde, cristã, apresentou um apelo contra um tribunal do trabalho que a considerou culpada por “intimidar” uma colega muçulmana por ter rezado por ela e por tê-la convidado a ir à igreja. Wasteney foi suspensa de seu emprego de terapeuta ocupacional sênior no John Howard Centre, uma unidade de saúde mental na região leste de Londres, após sua colega Enya Nawaz, 25, tê-la acusado de tentar convertê-la ao cristianismo. Os advogados de Wasteney disseram que o tribunal infringiu a lei ao restringir sua liberdade de arbítrio e a liberdade de professar sua religião, que constam do Artigo 9 da Convenção Européia de Direitos Humanos.

5 de abril. Em uma entrevista concedida ao Guardian, Nazir Afzal, o mais importante promotor público muçulmano da Grã-Bretanha alertou que mais crianças britânicas do que se pensava correm o risco da “jihadimania” porque eles veem os terroristas islâmicos como “ídolos pop”. Ele disse o seguinte:

“Os meninos querem ser como eles e as meninas querem estar com eles. É isso que eles costumavam dizer em relação aos Beatles e mais recentemente em relação ao One Direction e Justin Bieber. A propaganda que os terroristas difundem é parecida com marketing e muitos de nossos adolescentes se apaixonam por esta imagem.

“Eles veem suas próprias vidas como medíocres ao compararem com aquelas e não percebem que estão sendo usados. Os extremistas os tratam de forma semelhante aos sedutores sexuais, manipulam, os distanciam de seus amigos e familiares e depois dão o bote.

“Cada um deles, se for para a Síria, estará mais radicalizado ao retornar. E se não for, se tornará um problema, uma bomba relógio, esperando explodir”.

Talha Asmal (esquerda), um adolescente de 17 anos de idade de Dewsbury, segundo consta, se tornou o homem bomba mais jovem da Grã-Bretanha quando detonou explosivos amarrados ao seu corpo em uma refinaria iraquiana. Amigos de Asmal o descrevem como um “jovem comum de Yorkshire”. Amira Abase (direita), aos 15 anos, viajou em fevereiro de Londres para a Síria para se juntar ao Estado Islâmico como “noiva de jihadista”.

8 de abril. O Guardian divulgou que houve um aumento de 60% nas ocorrências policiais quanto ao abuso sexual de crianças nos últimos quatro anos, de acordo com números oficiais obtidos por meio de uma solicitação baseada na Legislação sobre Liberdade de Informação, que tornou público pela primeira vez a dimensão do problema na Inglaterra e no País de Gales.

8 de abril. O Tribunal da Coroa de Leicester condenou Jafar Adeli, requerente de asilo afegão a 27 meses de prisão depois que ele tentou se encontrar com “Amy”, uma menina menor de idade, após tê-la seduzido online. Adeli, 32, que é casado, marcou um encontro com a menina após seduzi-la com conversas de conteúdo sexual online e de enviar imagens obscenas dele próprio. Mas ele foi ludibriado por um grupo de voluntários a procura de pedófilos chamadoLetzgo Hunting. “Amy” era de fato um dos voluntários chamado John, que se fez passar pela jovem menina.

10 de abril. Abukar Jimale, pai de quatro filhos, 46 anos de idade, requerente de asilo no Reino Unido após ter fugido da devastada Somália, se esquivou da prisão depois de ter estuprado uma passageira enquanto dava voltas em Bristol em seu táxi. Muito embora Jimale tenha sido considerado culpado por estupro, ele teve sua sentença de dois anos suspensa. O advogado de defesa disse que Jimale, natural da Somália, era um pai esforçado que perdeu o emprego e o bom nome em consequência desse crime.

13 de abril. Mohammed Khubaib, natural do Paquistão pai de cinco filhos foi condenado por seduzir meninas com não mais de 12 anos, oferecendo comida, dinheiro, cigarros e bebidas alcoólicas. O empresário de 43 anos de idade, casado, que residia em Peterborough com sua esposa e filhos, se engraçava com garotas em seu restaurante para em seguida “dopá-las” com bebidas alcoólicas para que “concordassem” com seus avanços sexuais.

14 de abril. O Presidente da Suprema Corte do Reino Unido Lord Neuberger, declarou em um discurso que deveria ser permitido às mulheres muçulmanas usarem véus nos tribunais. Ele acrescentou que, com o intuito de demonstrar equidade àqueles implicados em processos, os juízes devem “compreender as diferenças dos hábitos culturais e sociais”. Os comentários de Neuberger vieram depois que um juiz manteve uma decisão permitindo que Rebekah Dawson, de 22 anos de idade, convertida ao Islã, fosse julgada usando uma niqab, um véu em que aparecem apenas os olhos.

20 de abril. Um colegial de 14 anos de Blackburn, Lancashire, se tornou o suspeito mais jovem de cometer atos terroristas na Grã-Bretanha. Ele foi detido em conexão com uma conspiração terrorista inspirada no ISIS em Melbourne, Austrália. A polícia declarou que mensagens encontradas em seu computador e celular indicavam que havia um plano para atacar as comemorações do centenário do desembarque da Anzac em Gallipoli na Primeira Guerra Mundial. (O Dia da Anzac, 25 de abril, marca o aniversário da primeira grande operação militar em que participaram forças australianas e neozelandesas na Primeira Guerra Mundial).

20 de abril. A polícia na Turquia deteve um casal de britânicos juntamente com seus quatro filhos sob suspeita de procurarem viajar para uma região da Síria controlada pelo Estado Islâmico. Asif Malik, sua mulher Sara e os quatro filhos com idades entre 11 meses e 7 anos, foram detidos em um hotel em Ancara. Autoridades turcas disseram que a família atravessou a fronteira rumo à Turquia a partir da Grécia em 16 de abril e que ela foi detida após serem informados pela polícia britânica.

22 de abril. Quatro muçulmanos, todos do sexo masculino, foram acusados de cometerem crimes sexuais contra crianças em Rochdale. Hadi Jamel, 33, Mohammed Zahid, 54, Raja Abid Khan, 38 e Abid Khan, 38, cada um deles foi acusado de ter mantido relações sexuais com uma menina que tinha menos de 16 anos.

22 de abril. O Daily Mail publicou trechos de um novo livro, Girl for Sale (Menina à Venda), que descreve o chocante suplício de Lara McDonnell, que virou vítima de uma gangue de pedófilos muçulmanos quando tinha apenas 13 anos de idade. Ela escreveu o seguinte:

“Mohammed me vendia por £250 a pedófilos do país inteiro. Eles entravam, sentavam e começavam a me tocar. Se eu me recolhesse, Mohammed me obrigava a ingerir mais crack para que eu fechasse os olhos e “viajasse”. Eu me tornei oca, morta por dentro.

“Às vezes eu era passada de um pervertido para outro. Em Oxford, muitos desses depravados eram de origem asiática (em Londres), eles eram do Mediterrâneo, negros ou árabes.

“Depois, no início de 2012 (cerca de cinco anos após o começo dos abusos), a polícia de Thames Valley pediu para me ver. Os policiais estavam conduzindo investigações, há muito atrasadas, em relação à exploração sexual de meninas jovens e queriam conversar. Contei tudo a eles, e no final de março Mohammed e sua gangue estavam presos. Sem eu saber, cinco meninas estavam contando a mesma história à polícia.

“A defesa de Mohammed foi ridícula: ele alegou que eu o forçava a ingerir drogas e transar comigo. Sua advogada, uma mulher, inferiu que eu era racista, pelo fato de todos os réus serem muçulmanos.

“Pelo fato dos réus serem muçulmanos, o caso expôs questões delicadas envolvendo raça e religião. Minha leitura da realidade é clara: eles se comportavam daquele jeito por conta das diferenças na maneira de enxergarem as mulheres”.

23 de abril. O Tribunal da Coroa de Birmingham sentenciou Imran Uddin, 25, um estudante da Universidade de Birmingham, a quatro anos de prisão por invadir o sistema de computadores da universidade com o intuito de melhorar suas notas. Uddin usou dispositivos para a prática de espionagem de teclado para roubar senhas do staff e em seguida aumentou suas notas de cinco exames. Segundo consta Uddin é o primeiro estudante britânico a ir para a prisão por trapacear.

25 de abril. O The Telegraph revelou que os contribuintes britânicos estavam pagando o aluguel mensal de Hani al-Sibai, o pregador islamista que era o “mentor” de Mohammed Emwazi (mais conhecido como Jihadi John, o carrasco do ISIS). Al-Sibai, 54, pai de cinco filhos, reside em uma casa no valor de £1 milhão em Hammer-smith, bairro de West London.

27 de abril. Mohammed Kahar, 37, de Sunderland foi detido após disseminar matérias extremistas, inclusive documentos do tipo “O Curso Explosivo”, “44 Maneiras de Servir e Participar da Jihad”, “O Livro da Jihad” e “Esta é a Província de Alá”.

28 de abril. O jihadista Kazi Jawad Islam, de 18 anos, foi condenado por “aliciamento ao terrorismo” por tentar aplicar uma “lavagem cerebral” em seu amigo autista Harry Thomas, “um jovem vulnerável com dificuldades de aprendizado”, para que atacasse soldados britânicos com um cutelo.

28 de abril. Aftab Ahmed, 44, de Winchcombe Place, Heaton, foi acusado de ameaçar decapitar David Robinson-Young, candidato do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP em inglês) em Newcastle East.

MAIO de 2015

3 de maio. Bana Gora, presidente do Muslim Women’s Council (Conselho das Mulheres Muçulmanas), anunciou planos para criar a primeira mesquita do país dirigida por mulheres, para as mulheres, em Bradford. Ela disse:

“Na época do Profeta a mesquita era o centro da vida da comunidade e do estudo, e nós esperamos reproduzir aquele modelo incluindo rezas da congregação dirigidas pelas mulheres para as mulheres. Após consultas nossa intenção é trabalhar com grupos diversificados, opiniões e organizações, incluindo o Conselho de Mesquitas para criar o etos e o espírito das mesquitas da época do Profeta”.

7 de maio. Um número recorde de 13 parlamentares muçulmanos (um salto dos 8 em 2010) foieleito nas eleições gerais na Grã-Bretanha. Oito dos parlamentares muçulmanos são mulheres.

14 de maio. O Editor para Assuntos Internos da BBC Mark Easton foi objeto de críticas depois de ter comparado o islamista Anjem Choudary, natural da Grã-Bretanha, a Mahatma Gandhi e Nelson Mandela. Michael Ellis parlamentar do Partido Conservador, integrante da última comissão especial para assuntos internos, disse o seguinte:

“A BBC parece estar obcecada em oferecer o máximo de tempo possível aos pregadores do ódio. Comparar figuras históricas que trabalharam para mudanças pacíficas com um pregador do ódio como Choudary é estarrecedor, ofensivo e inflamatório”.

O próprio Choudary rejeitou as comparações da BBC:

“As comparações com Mandela e Gandhi são enganosas. Eles são kuffar (infiéis) que vão para o inferno ao passo que eu sou muçulmano. Alhamudililah (louvado seja Alá)”.

26 de maio. Abu Haleema, pregador radical de Londres, que publicou posts de filmes na Internet atacando as Forças Armadas Britânicas, jurou nunca “sucumbir” à democracia, foiproibido de fazer uso das redes sociais e de promover seus pontos de vista. A proibição provocou descontentamento de seus seguidores quanto à supressão da liberdade de expressão.

JUNHO de 2015

1º de junho. Karim Kazane, um muçulmano de 23 anos, exigiu que Zizzi, uma rede de restaurantes italianos, lhe pagasse £5.000 (€7.000; US$7.800) em indenização por ele ter encontrado salame em um prato em uma filial em Winchester. Kazane já tinha ingerido metade da carne picante, o prato tinha carne bovina e frango, conforme anúncio, quando ele descobriu a carne proibida segundo o Islã.

4 de junho. Mohammed Rehman, 24, de Reading e Sana Ahmed Khan, 23, de Wokingham, foram acusados de estarem preparando atos de terrorismo no Reino Unido. Ambos são acusados de comprar produtos químicos para a fabricação de artefatos explosivos e de pesquisar e fazer download de instruções sobre como executar um ataque, incluindo uma cópia da revista Inspire da Al-Qaeda contendo um artigo intitulado “Como Fabricar uma Bomba na Cozinha da Sua Mãe”.

9 de junho. Sara Khan, chefe do grupo antiradicalização disse ao jornal The Guardian que professores britânicos estão com medo de denunciar a suspeição de extremismo islamista no meio estudantil por receio de serem tachados de “islamofóbicos”.

10 de junho. Um homem de negócios, muçulmano, de 34 anos, de Cardiff foi a primeira pessoa do Reino Unido a ser processada segundo as leis sobre casamento forçado que entrou em vigor em junho de 2014. O homem está cumprindo pena de 16 anos de prisão após ter confessado ter coagido uma mulher de 25 anos a se casar com ele. O elemento, que já era casado, estuprava a vítima “sistematicamente”, durante meses, ameaçando vir a público com uma filmagem dela no chuveiro, feita com uma câmera escondida se ela não casasse com ele e, além disso ameaçou matar membros da sua família se ela contasse a alguém sobre os abusos.

11 de junho. Um relatório fez um alerta sustentando que a Grã-Bretanha está diante de uma ameaça “sem precedentes” de centenas de jihadistas experimentados nos campos de batalha na Ásia, África e Oriente Médio. O relatório também alerta que agora mais britânicos receberam treinamento em terrorismo do que em qualquer outro período da sua história recente.

11 de junho. Alaa Abdullah Esayed, uma refugiada de 22 anos, oriunda do Iraque, que reside em Kennington, Sul de Londres, foi condenada a três anos e meio de prisão por tuitar mensagens que estimulavam o terrorismo. Esayed publicou mais de 45.000 tuítes em árabe em uma conta aberta para seus 8.240 seguidores entre junho de 2013 e maio de 2014, sendo que muitos destes tuítes estimulavam a jihad violenta.

12 de junho. Tamanna Begum, uma mulher muçulmana residente em Ilford, Essex, perdeu uma batalha jurídica para poder usar a jilbab islâmica, uma bata que a envolveria dos pés à cabeça, em uma creche, porque a vestimenta causaria um “leve risco” às crianças e ao staff. Begum entrou com uma ação alegando discriminação por causa de seu “background cultural e étnico”. O Juiz Daniel Serota manteve a decisão anterior do tribunal do trabalho de East London, segundo a qual a vestimenta é “plausivelmente considerada um leve risco”.

13 de junho. Talha Asmal, um adolescente de 17 anos de idade de Dewsbury, West Yorkshire, que fugiu de casa em abril para se juntar ao ISIS, segundo consta, se tornou o homem bomba mais jovem da Grã-Bretanha quando detonou explosivos amarrados ao seu corpo em um ataque a uma refinaria iraquiana. Amigos de Asmal o descrevem como um “jovem comum de Yorkshire”. Isso pode ser verdade dependendo do caso: Dewsbury, uma peculiar cidade que dependia da indústria têxtil, esteve de alguma forma ligada a mais de uma dezena de extremistas islâmicos, incluindo Mohammad Sidique Khan, o organizador dos atentados em Londres de 7 de julho de 2005.

15 de junho. Um grupo anti-Sharia chamado “One Law for All” emitiu um comunicadosolicitando ao novo governo da Grã-Bretanha que revogue os tribunais da Sharia Islâmica, os quais eles chamam de “tribunais ilegais e irregulares que determinam formas de justiçaaltamente discriminatória e de segunda categoria”. O comunicado diz o seguinte:

“Embora os tribunais da Sharia estejam vendendo a ideia de serem a favor da liberdade de religião, na realidade são ferramentas eficazes do movimento islamista de extrema-direita cujo principal objetivo é restringir e negar direitos, especialmente direitos de mulheres e crianças.

“Contrapor-se aos tribunais da Sharia não é racismo nem islamofobia, é a defesa dos direitos de todos os cidadãos, independentemente de suas crenças e background, a ser governado pelos meios democráticos segundo o princípio de uma lei para todos. Racismo se traduz na ideia de que às minorias pode ser negado direitos desfrutados pelos demais por meio de endossos de sistemas dejustiça baseados na religião, que operam de acordo com a lei divina, que devido a sua própria natureza é imune ao escrutínio do estado”.

19 de junho. Um juiz britânico determinou que um suspeito de terrorismo podia ser dispensado de usar o rastreador eletrônico porque ele violava seus direitos humanos. O suspeito, um pregador somali de 39 anos acusado de radicalizar jovens muçulmanos-britânicos, disse acreditar que o MI5 tinha colocado uma bomba na pulseira eletrônica e que o uso do dispositivo de vigilância estava fazendo com que ele tivesse “delírios”. O Juiz Collins, determinou que isso equivale à violação do Artigo 3 da Lei dos Direitos Humanos, que tem como objetivo proibir a tortura.

24 de junho. Veio à tona que a polícia de Birmingham sabia que as gangues de aliciadores de exploração sexual tinham como alvo crianças fora das escolas da cidade, mas não alertou a população por medo de ser acusada de “islamofobia”. Um relatório confidencial obtido conforme a Legislação sobre Liberdade de Informação, mostrou que a polícia estava preocupada com as “tensões dentro da comunidade” se o abuso praticado predominantemente por gangues paquistanesas que abusam de crianças viesse a público.

JULHO de 2015

1º de julho. O diretor geral da BBC Tony Hall, rejeitou as exigências de um grupo multipartidário de parlamentares para que a emissora parasse de usar o termo “Estado Islâmico” ao se referir ao grupo terrorista. Mais de 100 parlamentares assinaram a carta que solicitava que a emissora usasse o termo “Daesh” (acrônimo árabe do Estado Islâmico do Iraque e da Síria) ao se referir ao Estado Islâmico. A carta, redigida por Rehman Chishti, um parlamentar do Partido Conservador nascido no Paquistão, declara:

“O uso das denominações: Estado Islâmico, EIIL e ISIS concedem legitimidade a uma organização terrorista, que não é islâmica nem foi reconhecida como estado e que a maioria esmagadora dos muçulmanos ao redor do mundo acredita ser desprezível e ofensiva à sua religião pacífica”.

Os parlamentares fizeram a exigência em uma carta depois que o Primeiro Ministro David Cameron teceu críticas à emissora censurando a BBC por ela se referir ao Estado Islâmico pelo nome. Em uma entrevista concedida ao programa “Today” da BBC Radio 4 em 29 de junho Cameron salientou:

“Espero que a BBC pare de chamá-lo de Estado Islâmico porque ele não é um Estado Islâmico. Trata-se de um regime pavoroso e cruel. É uma distorção da religião do Islã, e como você sabe, muitos muçulmanos que estão nos ouvindo agora irão se aterrorizar toda vez que ouvirem as palavras Estado Islâmico“.

Hall disse que usar o termo Daesh não irá preservar a imparcialidade da BBC, além dela correr o risco de dar a impressão de oferecer apoio aos opositores do grupo. Ele disse que o termo é usado de forma pejorativa pelos inimigos do grupo. Daesh é parecido com “Dahes” que em árabe significa “aquele que semeia discórdia”.

20 de julho. David Cameron esboçou um novo plano de cinco anos para combater o extremismo islâmico na Grã-Bretanha. Em um pronunciamento histórico em Birmingham, Cameron chamou a luta contra o extremismo islâmico de “batalha da nossa geração”.

27 de julho. O Telegraph informou que o número de adolescentes e crianças que são enviadas a programas contraradicalização irá dobrar em apenas dois anos devido à fascinação pelo ISIS. Jovens estão sendo enviados ao Channel Project, um programa de antiradicalização do governo, esses adolescentes estão sendo enviados ao programa a uma velocidade de mais de um por dia, em meio a receios de que muitos deles estejam correndo o risco de se tornaram jihadistas. Em um determinado caso uma criança de três anos foi enviada ao programa. Em outros casos alunos de escolas que desenhavam bombas ou faziam ameaças islamistas também foram enviados ao programa.

AGOSTO de 2015

1º de agosto. O Daily Mail noticiou que Shamima Begum, 15, fugiu de sua casa em East London para se tornar uma noiva jihadista na Síria, foi radicalizada em uma instituição beneficente de mulheres em uma mesquita em East London, uma das maiores mesquitas da Grã-Bretanha. Inicialmente líderes islâmicos e alguns de seus familiares culparam a Internet pelo aliciamento, mas o Mail descobriu que Sharmeena foi primeiramente radicalizada dentro da mesquita de East London, supostamente por mulheres do Islamic Forum of Europe (Fórum Islâmico da Europa IFE em inglês), grupo vinculado à Irmandade Muçulmana.

5 de agosto. Anjem Choudary, extremista islâmico natural da Grã-Bretanha, foi posto em prisão preventiva, acusado de cometer o crime de terrorismo ao estimular as pessoas a se juntarem ao ISIS. Choudary, 48, e Mohammed Rahman, 32, compareceram ao Tribunal de Primeira Instância de Westminster e foram acusados de infringir repetidamente o Artigo 12 da Lei contra o Terrorismo. Choudary disse não ter receio de ir para a cadeia, que ele descreve como solo fértil para conquistar mais conversões para o Islã. “Se me detiverem e me colocarem na cadeia eu continuarei com a minha atividade na prisão”, adverte ele. “Vou radicalizar todo mundo na prisão”.

18 de agosto. Um juiz em Londres determinou que uma menina de 16 anos fosse tirada de seus pais depois que eles a aliciaram para se tornar uma noiva jihadista. A polícia encontrou sua casa repleta de propaganda jihadista, incluindo um livro com o título “How to Survive in the West — A Mujahid’s Guide” (Como Sobreviver no Ocidente — Guia do Mujahid). O Juiz Hayden disse que sua mãe e seu pai, ambos “desonestos”, fizeram tanto mal a ela quanto estupradores de crianças. O avião que a levaria para a Síria foi impedido de levantar voo por agentes do contraterrorismo enquanto a aeronave estava taxiando na pista do Aeroporto de Heathrow, os agentes a retiraram do avião que iria partir para a Turquia.

26 de agosto. Uma colegial de 16 anos admitiu ser culpada de duas acusações de terrorismo ao comparecer ao principal Juizado da Infância e da Juventude de Manchester. Ela confessou ser culpada das acusações depois que foram encontradas em seu telefone instruções de como fabricar bombas, juntamente com fotos de crianças mortas, execuções e material de propaganda do ISIS.

SETEMBRO de 2015

17 de setembro. Um tribunal de apelação em Londres determinou que seria adequado que Jamal Muhammed Raheem Ul Nasir, um violentador de crianças que abusou de duas meninas muçulmanas, fosse condenado a um período mais longo do que se as vítimas fossem brancas, porque vítimas muçulmanas de crimes sexuais sofrem mais devido à vergonha que elas têm que passar. Advogados do pedófilo argumentaram que a sentença original era demasiadamente dura. A National Society for the Prevention of Cruelty to Children (Sociedade Nacional para a Prevenção de Atos Cruéis contra Crianças – NSPCC) declarou:

“A justiça britânica deveria funcionar em condições iguais para todos, e as crianças precisam ser protegidas independentemente das diferenças culturais. Independentemente de raça, religião ou sexo, cada criança merece ter o direito a segurança e proteção contra abuso sexual e os tribunais devem espelhar isso”.

18 de setembro. O jornal The Times informou que a inteligência britânica está monitorando mais de 3.000 extremistas islamistas autóctones, dispostos a desfechar atentados na Grã-Bretanha. De acordo com a notícia, homens e mulheres britânicos, entre eles muitos adolescentes, estão sendo radicalizados em questão de semanas, a ponto de estarem aptos a executar atos violentos.

26 de setembro. O Queen Elizabeth Hospital em Margate, Kent, pediu desculpas ao Sargento da Força Aérea Mark Prendeville depois que ele foi afastado de outros pacientes, porque alguns membros da equipe disseram que sua farda poderia ofender pacientes muçulmanos.

Também em setembro, uma exposição de arte que estava comemorando a liberdade de expressão proibiu a exibição de trabalhos artísticos anti-ISIS, depois que a polícia manifestou preocupação com a segurança. “ISIS Ameaça Sylvania”, uma série de sete quadros satíricos destacando os brinquedos de crianças Sylvanian Families, foi retirada da exposição Passion for Freedom (Paixão pela Liberdade) depois que a polícia manifestou preocupação em relação ao “conteúdo potencialmente inflamatório” da exposição. A polícia informou aos organizadores que se eles forem adiante com os planos para a exibição, eles terão que pagar £36.000 (US$53,000) para a segurança dos seis dias do evento.

OUTUBRO de 2015

9 de outubro. O Channel 4 News noticiou que o muçulmano convertido Jamal al-Harith recebeu do governo britânico £1 milhão (US$1,5 milhões) após sua libertação do campo de detenção de Guantánamo Bay em Cuba e, em seguida ele fugiu para a Síria para se juntar ao ISIS.

12 de outubro. Nadir Syed, 21, Yousaf Syed, 19 e Haseeb Hamayoon, 27, compareceram ao Tribunal da Coroa de Woolwich para o início de seus julgamentos. Os promotores dizem que o trio planejava, em nome do ISIS, decapitar pessoas nas ruas da Grã-Bretanha. Segundo consta, eles também planejavam usar uma faca de caçador para assassinar um policial, soldado ou alguém do público no Dia da Lembrança também conhecido como Dia do Armistício, um feriado nacional em homenagem ao fim da Primeira Guerra Mundial. O tribunal ouviu que os acusados “mostravam um interesse não natural nos assassinatos e nas decapitações”.

25 de outubro. Veio à tona que Abdulrahman Abunasir, um imigrante que violentou uma mulher duas semanas após chegar à Grã-Bretanha, está obstruindo os esforços para deportá-lo sob a alegação de que ele é um refugiado sírio. Abunasir entrou com um pedido de asilo enquanto cumpria uma pena de 18 meses de prisão pelo estupro. Quando ele foi interrogado pelos oficiais da imigração, no entanto, foi constatado que ele não sabia como responder as perguntas mais simples sobre a Síria. Agentes britânicos dizem que há um “altíssimo grau de certeza” de que Abunasir é do Egito, porém segundo as leis de direitos humanos da Europa, eles não têm como deportá-lo porque não têm como provar sua nacionalidade.

27 de outubro. Um funcionário muçulmano de uma usina nuclear em West Kilbride, Escócia, foiafastado das dependências do complexo após ser pego estudando materiais para a fabricação de bombas em horário de trabalho. Uma fonte da usina afirmou: “não é possível trabalhar com pessoas que tenham acesso ao reator e que tenham qualquer interesse em explosivos. Ninguém sabe o que se passa na cabeça dele, mas não é o que você quer em uma usina nuclear”.

29 de outubro. A British Muslim Youth (Juventude Muçulmana da Grã-Bretanha), um grupo islâmico de Rotherham, conclamou os muçulmanos a boicotarem a polícia porque a investigação sobre um caso de exploração sexual de uma criança na cidade é o mesmo que “marginalizar e desumanizar” os muçulmanos. Em uma mensagem postada na Internet, o grupo emitiu uma ordem para que os patrícios muçulmanos cortem imediatamente todos os laços com os agentes da lei ou então corram o risco de se tornarem párias em suas próprias comunidades.

30 de outubro. Atiq Ahmed, 32, de Oldham, Grande Manchester, foi condenado a dois anos e meio de prisão por ameaçar decapitar um policial. A polícia encontrou em sua residência uma pilha de vídeos de execuções e decapitações. Após assistir os vídeos, o Juiz Michael Topolski QC declarou: “muitos desses vídeos são profundamente preocupantes, verdadeiramente horripilantes e nada tem a ver com as verdadeiras práticas dessa milenar e venerável religião”.

NOVEMBRO de 2015

1º de novembro. O Independent publicou um editorial com o título: “O Profeta Maomé Tinha Valores Britânicos, de modo que a única maneira de combater o extremismo é ensinar mais do Islã nas escolas”.

1º de novembro. O Sunday Times revelou que investigadores do governo descobriram que presidiários não-muçulmanos, em diversas prisões de segurança máxima da Grã-Bretanha, estão sendo obrigados a pagar uma “taxa de proteção” a presidiários muçulmanos radicais por medo de atos violentos. A “taxa”, também conhecida como “jizya” está sendo imposta por gangues de extremistas islâmicos nas prisões de Belmarsh, Long Lartin, Woodhill e Whitemoor. Presidiários não-muçulmanos disseram que estão sofrendo bullying e sendo ameaçados de sofrerem atos violentos a menos que façam os pagamentos com cartões telefônicos, alimentos, fumo ou drogas. Algumas das supostas vítimas disseram que foram instruídas a arrumarem amigos e familiares fora da cadeia para que façam a transferência do dinheiro para contas bancárias controladas por islamistas.

3 de novembro. Kasim Ali, 25 juntamente com seus primos Adeel Ali, 20 e Razi Khalid, 18 que foram considerados culpados de um “ataque em nome da honra” contra um namorado de uma de suas irmãs, foram poupados de irem para a prisão. Os três homens, todos de Blackburn, Lancashire, tiveram como alvo Aquib Baig porque a família dele não aprovava seu namoro com a irmã deles. Eles depredaram seu carro antes de persegui-lo dentro de uma loja, onde aos chutes e pontapés o espancaram na frente de clientes horrorizados. O Juiz Recorder Julian Shaw assinalou:

“Não há lugar para violência em nome da religião ou da honra. é abominável, é contra a sua religião e é ilegal. Eu espero que todos vocês estejam envergonhados por estarem presentes neste tribunal. Não há dúvida que suas famílias estão perplexas, balançando a cabeça se perguntando: o que fizemos de errado. Eles estão sendo humilhados e constrangidos ao verem vocês aqui, um grupo covarde atacando uma pessoa. Voltem para sua comunidade, para suas famílias e reconstruam suas reputações. Não voltem nunca mais para assombrar este tribunal com algum tipo de violência em nome da honra”.

9 de novembro. Veio à tona que professores muçulmanos na Academia de Oldknow, uma escola envolvida no escândalo do “cavalo de Tróia”, tentaram islamizar escolas britânicas, obrigando os alunos a recitarem cânticos anticristãos. Os ex-professores Jahangir Akbar e Asif Khan, ao que consta, incitavam os alunos gritando “não acreditamos no Natal, acreditamos”? e “Jesus não nasceu em Belém, nasceu”? Christopher Gillespie, o advogado do National College for Teaching and Leadership, disse que “foi fechado um acordo para introduzir uma influência religiosa exagerada no currículo escolar na Escola de Oldknow. É turva a diferença entre uma escola religiosa e uma escola do estado, para não dizer inexistente”.

12 de novembro. A polícia britânica prendeu Bakr Hamad, Zana Abdul Rahman, Kadir Sharif e Awat Wahab Hamasalih como parte de uma operação antiterrorismo ligada a conspirações para o recrutamento de homens bomba e sequestro de diplomatas ocidentais. Acredita-se que os quatro homens do Iraque aos quais foram concedidos o status de asilados na Grã-Bretanha faziam parte de uma facção da al-Qaeda que usava a Internet para recrutar homens bomba, estabelecer “células adormecidas” dentro da Europa e atacar alvos no exterior.

13 de novembro. Yahya Rashid, 19, foi condenado em um julgamento no Tribunal da Coroa de Woolwich, acusado de dois crimes por se preparar para cometer atos de terrorismo. Rashid usou o empréstimo a estudantes para reservar voos para a Turquia para ele e outros quatro com a intenção de viajarem para a Síria para se juntarem ao ISIS. Atendendo aos apelos de sua família para que voltasse para casa, Rashid acabou mudando de ideia e ficou na Turquia. Ele voltou para Londres em março de 2015 e foi preso ao desembarcar.

17 de novembro. Nissar Hussain, de 49 anos, pai de cinco filhos que se converteu ao cristianismo, foi brutalmente espancado em frente a sua casa em St Paul’s Road, Manningham. O vídeo do espancamento, capturado por uma câmera de circuito interno da casa de Hussain, mostra dois homens encapuzados saindo de um carro estacionado em frente a sua casa e em seguida golpeando-o por 13 vezes com uma picareta. A polícia está tratando do caso como crime de intolerância religiosa. Hussain disse que ele e sua família estão enfrentando uma série de perseguições, intimidações e medo nas mãos de muçulmanos radicais desde 2008, quando eles apareceram em um documentário do canal de TV Channel 4 sobre abusos cometidos contra muçulmanos convertidos.

DEZEMBRO de 2015

9 de dezembro. Policiais corroboraram a alegação feita pelo candidato à presidência dos Estados Unidos Donald Trump de que partes de Londres se transformaram em zonas proibidas para a polícia britânica devido ao extremismo muçulmano. As declarações de Trump foramridicularizadas pelo Primeiro Ministro David Cameron e pelo Prefeito de Londres Boris Johnson. A Secretária do Interior Theresa May insiste que “a polícia de Londres não tem medo de policiar as ruas”. A Polícia Metropolitana emitiu um comunicado dizendo:

“Normalmente não damos importância a esse tipo de comentários, desta vez, no entanto, acreditamos ser de interesse dos londrinos afirmarmos que o Sr Trump está redondamente errado. Qualquer candidato às eleições presidenciais dos Estados Unidos está convidado a receber um briefing da Polícia Metropolitana sobre a realidade do policiamento de Londres”.

Contudo um policial de Lancashire disse o seguinte: “há bolsões muçulmanos em Preston que se quiséssemos patrulhar teríamos que entrar em contato com os líderes da comunidade muçulmana local, para obtermos permissão de realizar tal missão”. Outro policial disse que ele e seus colegas temem ser alvos de ataques terroristas e também falou sobre “terríveis advertências” dos chefes de polícia (em off) para que os policiais não usem fardas “nem em seus próprios carros”. E ainda por cima outro policial disse: “a islamização ocorreu e continua ocorrendo. Bolsões muçulmanos não são novidade”.

Um policial de Yorkshire escreve o seguinte:

“Nesse caso ele (Trump) não está errado. Na melhor das hipóteses nossos líderes estão mal informados ou simplesmente são hipócritas. Ele aponta para algo totalmente óbvio, algo que eu acredito que nós como nação não estamos dispostos a reconhecer, você acredita que um departamento de polícia dos EUA iria proibir policiais de usarem suas fardas por MEDO que eles possam ser mortos por extremistas”?

17 de dezembro. O governo britânico publicou a tão esperada avaliação sobre a Irmandade Muçulmana. O assim chamado Relatório Jenkins concluiu que a Irmandade Muçulmana não tem ligação com nenhuma atividade relacionada com o terrorismo dentro ou contra o Reino Unido”. No entanto o relatório também manifesta preocupação sobre a maneira “às vezes dissimulada, para não dizer clandestina” que a Irmandade Muçulmana tem operado no passado recente, com o objetivo de moldar o modo muçulmano de pensar através de três grupos: a Associação Muçulmana da Grã-Bretanha, o Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha e a Sociedade Islâmica da Grã-Bretanha.

17 de dezembro. O Conselho de Mesquitas Waltham Forest, que alega representar 70.000 muçulmanos em Londres, jurou boicotar o programa Prevent antiterrorista do governo, censurando as diretrizes do programa, acusando-as de serem um ataque racista contra a comunidade islâmica. Foi a primeira vez que um conselho de mesquitas adotou um boicote dessa natureza, isso solapa a tentativa do governo de envolver comunidades religiosas no combate à radicalização.

26 de dezembro. O Times noticiou que muçulmanos estão boicotando o programa Prevent antiterrorista do governo. Menos de um décimo das pistas sobre o extremismo estão vindo diretamente da comunidade muçulmana. A revelação de que menos de 300 pistas foram fornecidas pela comunidade em seis meses, irá levantar a preocupação de que estão ocultando da polícia informações que poderiam impedir ataques terroristas.

29 de dezembro. Mohammed Rehman, 25 e sua esposa Sana Ahmed Khan, 24 foramconsiderados culpados de planejar um ataque terrorista inspirado no ISIS em um shopping center ou em um metrô em Londres. Só foi possível frustrar o complô quando Rehman usou o nome de usuário do Twitter SilentBomber para enviar um tuíte pedindo ajuda para identificar o melhor alvo. Os policiais então invadiram sua residência em Reading, Berkshire, onde encontraram 10 kg de explosivos de nitrato. A promotoria disse que Rehman completaria a fabricação do artefato em questão de dias, que causaria muitas vítimas caso ele não tivesse sido pego a tempo pela polícia anti-terror.

Durante o julgamento, o tribunal tomou conhecimento que Khan tinha sublinhado passagens em uma cópia do Alcorão onde se lia o seguinte: “Matai-os onde quer se os encontreis e expulsai-os de onde vos expulsaram… Tal será o castigo dos incrédulos”. Outra passagem com realce dizia: “Está-vos prescrita a luta (pela causa de Deus), embora o repudieis. É possível que repudieis algo que seja um bem para vós e, quiçá, gosteis de algo que vos seja prejudicial”.

por Soeren Kern

Soeren Kern é colaborador sênior doGatestone Institutesediado em Nova Iorque. Ele também é colaborador sênior do European Politics do Grupo de Estudios Estratégicos / Strategic Studies Group sediado em Madri. Siga-o noFacebooke noTwitter. Seu primeiro livro,Global Fire, estará nas livrarias no início de 2016.

http://pt.gatestoneinstitute.org/7198/islamizacao-gra-bretanha

MUTILAÇÃO GENITAL CONTINUA A SER UMA PRÁTICA COMUM NO QUÊNIA

A prática tem uma taxa de cerca de 27 por cento.

A mutilação genital feminina continua a ser uma prática comum em vários países e acredita-se que afeta mais de 140 milhões de meninas e mulheres.

As Nações Unidas comprometeram-se, desde 2012, a acabar com a prática, e bilhões de dólares foram gastos na procura de conscientizar a todos dos perigos dessa prática.

Numa pequena comunidade do Quênia, as pessoas dançam ao longo das estradas e em ruas que ligam as vilas remotas. Todos estão num clima de celebração, pois uma cerimónia de circuncisão acabou de ser feita.

A circuncisão de meninos é legal no Quênia. A mutilação genital feminina não. Mas a comunidade de Kuria, no sudoeste do Quênia, pratica abertamente a circuncisão feminina e nenhum oficial de polícia ousa tentar impedi-los

Alguns policiais e oficiais do Governo que não quiseram se identificar disseram à VOA que eles estão em menor número e que a comunidade se voltaria contra eles se tentassem agir.

Longe das ruas, os repórteres encontraram duas meninas que passaram pela circuncisão naquela manhã. Eles dizem que se podia ver o trauma nos seus rostos, apesar de uma idosa tentar animá-las e assegurar que têm lugar na sociedade de Kuria.

Elas estão preparadas e prontas para se juntarem ao resto das meninas que passaram pelo ritual de circuncisão, que marca a transição para a vida adulta.

Do lado de onde acontece a celebração, uma igreja abriga mais de 20 garotas que foram socorridas na cerimônia de circuncisão. Na igreja elas aprendem as três matérias principais: matemática, inglês e estudos religiosos.

Pendo Gati é uma sobrevivente da prática da circuncisão e graduada no ensino médio. Ela diz que se sentiu insegura na comunidade. “Meus pais não queriam aquilo, mas o clã força as meninas à prática e eu não vejo nenhuma importância em ser circuncidada. Então eu decidi vir aqui e procurar por um lugar melhor para viver”, conta Gati

Aquelas que escaparam da circuncisão, com séculos de tradição, enfrentam abusos e maldições.

Robi Marwa é  diretora de uma escola secundária e recusou-se a passar pelo corte. “Durante o meu casamento, algumas pessoas de onde eu venho diziam que sim, o casamento é bom, mas que eu não iria ouvir o choro de uma criança. As pessoas perguntavam porquê, e eles diziam que eu já estava amaldiçoada, não podia dar a luz”, conta

Aquela maldição e ofensas fazem parte do passado. Robi Marwa tem quatro filhos, é graduada na universidade e tornou-se um exemplo para muitas moças na sua comunidade.

Florence Gachanja trabalha com o Fundo Populacional das Nações Unidas para Combater a Mutilação Feminina. Ela diz que, apesar das celebrações nas ruas de Kuria, as pessoas estão lutando para combater a prática.

Entretanto, a prática da circuncisão feminina tem uma taxa de 27 por cento entre as meninas e mulheres do Quênia, mas em alguns lugares é ainda superior.

http://www.voaportugues.com/content/mutilacao-genital-pratica-comum-quenia/2664725.html