Arquivo da tag: #naufrágio

Naufrágio no Mediterrâneo pode ter deixado 500 mortos

ROMA, 20 ABR (ANSA) – Ao menos 500 pessoas estavam a bordo da embarcação que naufragou no Mar Mediterrâneo no começo da semana, o que pode ter deixado centenas de vítimas, informou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

Em relatório divulgado hoje, dia 20, o organismo apontou que o barco vinha da Líbia, e não do Egito como foi publicado previamente, e que tinha como destino a Itália.

Representantes da Acnur entrevistaram alguns dos 41 sobreviventes, que foram resgatados e levados para a Grécia. Segundo eles, após várias horas de viagem, os traficantes de seres humanos responsáveis pelo trajeto tentaram transferir o grupo para um barco maior, que já estava lotado e que começou a naufragar por conta do peso.

Muitos dos sobreviventes não chegaram a entrar na outra embarcação, enquanto muitos deles conseguiram nadar de volta para o barco menor. Os imigrantes eram de origem somaliana, sudanesa, etíope e egípcia, em sua maioria.

Se as mortes forem confirmadas, esse pode ter sido o pior desastre dos últimos 12 meses na região.

Só em 2015, a Itália foi porta de entrada para mais de 150 mil pessoas que fugiam das guerras, da miséria e de perseguições, especialmente, de países do norte da África, do Afeganistão e do Iraque. O país é a segunda “rota de imigrantes” pelo mar, ficando atrás apenas da Grécia — que recebeu mais de 840 mil imigrantes no ano passado. (ANSA)

Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2016/04/20/naufragio-no-mediterraneo-pode-ter-deixado-500-mortos.htm

Novo naufrágio em ilha grega mata 3 pessoas, entre elas 1 criança

Embarcação com 100 imigrantes naufragou no mar Egeu oriental.
68 foram resgatados com vida e outros 29 nadaram até uma praia.

Três pessoas morreram neste domingo (13), entre elas uma criança, no naufrágio de uma embarcação com cerca de 100 imigrantes e refugiados a leste da ilha grega de Farmakonisi, no mar Egeu oriental, perto do litoral da Turquia.

Segundo a Guarda-Costeira grega, após receber um alerta de auxílio, foi acionada uma operação que permitiu resgatar do mar 68 pessoas, enquanto outras 29 conseguiram chegar nadando à praia.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/novo-naufragio-em-ilha-grega-mata-3-pessoas-entre-elas-1-crianca.html

Family of drowned toddler Aylan Kurdi had been given FREE housing in Turkey, while father’s story is full of holes

Abdullah Kurdi’s story is made-up. But his lies are now being used and rewarded by the media in full blown propaganda, while pressuring policies to force Europe to take in more economic migrants who have never experienced a war zone. The dead toddler pornography is a dream-come true PR campaign serving ISIS and their overwhelming Muslim supporters.

Abdullah was never on that boat to watch his wife and children drown. That’s why he was the only survivor. The first time he learned of their death was from the hospital after the photos of his young son was circulating in the media. Listen to all the contradictions and holes in his story.

This was an attempt to send his wife and children into Europe before his own arrival to apply for refugee status as a lone woman with children, while they never even lived in a war zone.

Unfold the #migrationfraud :

.

After leaving from what they say was a war zone (Syria is huge and the entire country is not a war zone) the Kurdi family was given FREE housing in Turkey and had been there for THREE years. Abdullah Kurdi was not in any war zone. He was safe, he had food, he had over $4,400 in cash, which is over 13,000 Turkish Lira – so why did he leave?

Frankly the whole story simply doesn’t add up.

This is what he told the press initially, as reported in the Guardian yesterday:

“I took over and started steering. The waves were so high and the boat flipped. I took my wife and my kids in my arms and I realised they were all dead,” he told AP.

Let’s look at all the details of his story.

The report according to Abdullah’s own words is that he lived in Turkey for three years and prior to that he had lived in Damascus. His sister makes the story even more confusing saying that Abdullah was a barber originally from Damascus, who fled from Kobani to Turkey but “dreamed of a future in Canada” for his family. Was he living in Damascus or Kobani? Kobani is over 500 kms from Damascus.

After “fleeing” from “war zone” Kobani he now wants to return to Kobani to attend — a funeral. Huh…? So he’s safe to fly back by plane to Kobani and attend a funeral. And guess what? ISIS was not even in Kobani when Kurdi claims his family “fled” from ISIS.

ISIS was not in Damascus either three years ago when Kurdi claims he lived there. ISIS entered only a small rural part of northern Damascus last year and targeted a remote refugee camp with “Palestinians” earlier in 2015 and were pushed out. ISIS is present ina quarter of the country in Northern Syria, not in the South.

While Western media reports that he was trying to reach Canada, Swedish media are being given reports by Kurdi that he was trying to reach Sweden and that he had been receiving FREE housing in Turkey for three years. Abdullah claims he was trying to reach Canada but was denied asylum – while Canadian authorities say they have never received any application from him at all. Which story does Abdullah want to stick to?

What we’re reading here is a story about relatives serving as people smugglers to other relatives living in Turkey. This is what happened with Kurdi. His own family in Canada are his people smugglers trying to come up with ways for him to illegally fraud the immigration system, and make up stories about threats that he never experienced.

The father, Abdullah Kurdi, is giving different stories depending on who he is talking to. His sister Fatima gave an account of a phone conversation with her brother Abdullah that is reported in the DailyMail. That story is different to the one Abdullah Kurdi gave to the press.

Listen to the bits here from DailyMail:

Reliving the moments after the dinghy capsized and the Mediterranean waves crashed around them, Abdullah Kurdi described how he’d pleaded with his sons to keep breathing, telling them he didn’t want them to die.

It was only when he looked down at their faces and saw blood in Aylan’s eyes that he realised the boys had died in his arms and he was forced to let them go.

Looking around in the water, he spotted the body of his wife Rehan ‘floating like a balloon’. She had also drowned.

…and the version his sister Fatima gives, the DailyMail, is here:

Yesterday his sister Tima – who is also known as Fatima – revealed how the grief-stricken father had relived the final moments of his boys’ lives in a phone conversation she’d had with him.

‘When a bigger wave came and flipped the boat upside down, Abdullah right away caught both his kids and tried so hard with all the power he had to keep them up from the water, screaming, ‘Breathe, breathe, I don’t want you to die!’,’ she said.

‘In his left arm was Galip and he saw he was dead and he told me, ‘I had to let him go’,’ she added. 

Then he looked at Aylan and could see blood from his eyes, so he closed them and said, ‘rest in peace my son,’ she went on to say.

She said that while he was still in the water, Abdullah saw his wife’s dead body floating in the water ‘like a balloon’, causing him to struggle to recognise her.

Sobbing uncontrollably Abdullah yesterday recalled his terror when the flimsy and overcrowded dinghy overturned, causing the night to be pierced by the screams of his fellow Syrian refugees as he clung on to his wife.

I was holding her, but my children slipped through my hands,’ he said.

‘We tried to cling to the boat, but it was deflating. It was dark and everyone was screaming. I could not hear the voices of my children and my wife.’

The wife was ‘a balloon’ in less than three hours ? The rate of decay to a dead body in water is not instant. Obviously Abdullah had no idea how dead people in water decay and he knew at some point they would bloat, so he described his wife in a condition of decay that takes days to mature. Here from The Forensic Library is a description:

Bloated (2-6 days)
This stage of decomposition includes the first visible signs of decay, namely the inflation of the abdomen due to a build-up of various gases produced by bacteria inside the cadaver. This bloating is particularly visible around the tongue and eyes as the build-up of gases cause them to protrude. The skin may exhibit a certain colour change, taking on a marbled appearance due to the transformation of haemoglobin in the blood into other pigments.

Although Abdullah claims to have seen the dead bodies of his two children and his wife after their boat was hit by two large waves, his story then changes and he claims that he made it safely to the beach. He now assumed that the wife, who had laid bloated and drowned, and the two small boys who he had seen drowned right in front of him and he knew were dead,  had managed somehow to make it alive to the beach. He could not find them on the beach so he assumed they had “become scared and ran away”. He now sees these dead people nowhere. But he only finds the “truth” about their death after going to the hospital where their bodies were kept.
Can someone explain to us how dead bodies run away? In other words, he only knew they were dead after the pictures of his son started showing up in the media reports. Here’s his own account reported in the DailyMail:

Over the following three hellish hours in the water, [in the short time his wife turned onto a ‘balloon’ – a sign of decomposing that only occurs 2-6 days later] Mr Kurdi battled for survival, while frantically searching for his sons and his wife, who had also been pulled from his reach. He found one childbut it was too late – the boy had drowned.

‘My first son died from the high waves,’ he said. ‘I was obliged to leave him to save the other one. I tried to swim to the beach by following the lights.

‘I looked for my wife and child on the beach but couldn’t find them. I thought they had got scared and had run away and I went back to Bodrum.

‘When they did not come to our meeting point I went to the hospital and learned the bitter truth.’ (How can he learn the bitter truth when he claimed earlier that he saw them die and tried to save one of the sons, who had already drowned? He then attempted to save the second one who was dead with bloodied eyes, while finding his wife floating and bloated in the water. How can dead people like this run away?)

The barber had paid people smugglers £2,900 over the course of three attempts to reach Greece from a refugee camp in Turkey.

But he has told friends he wished he had also drowned to be spared a lifetime of self-recrimination over the family’s desperate gamble for a better life. 

Pictures of Aylan and Galip have been shared by social networkers around the world, prompting calls for politicians to do more for fleeing Syrians.

So you can hear that we have completely different stories coming from Abdullah that don’t even match.

He doesn’t even know what exactly happened. This man was never on that boat and never watched his wife and children drown. That is why he was the only survivor without any injuries and without any need for medical help, although he claims to have undergone a violent and desperate situation for over three hours where everyone else drowned. He is lying and making the story up. We’ve worked long enough with these humanitarian issues to recognize a tall tale. Basically, the fragmented and fabricated story indicates to us that the wife and children were sent to arrive before him as a lone mother and children (easier to get accepted). Of course, this advice would come from his own family already living in Canada and parts of Europe who know more about the dhimmitude of Europe, now serving as long-distance human smugglers. The wife has clearly been told to go first, get her refugee case handled, and then help to get him entry at a later date where he can join them with a forged passport after the wife is already settled.

It’s all fraud. All of this explains his dry crocodile tears. No wonder his sister Fatima was crying more than he brother who lost his entire family. She had guilt that their suggestions and strategies caused the death of a  woman who could not swim and was afraid, and the death of three small children. They’re intentionally frauding the system. And now they also push propaganda to open the floodgates to the rest of these fraudsters.

It is however, noteworthy to hear this comment coming from Abdullah Kurdi that he does not mind sacrificing his wife and children for his agenda, according to his sister Fatima in Canada:

‘Of course it makes me sad that it’s taken this [tragedy] to make people realise what is going on,’ she said, adding: ‘Abdullah said, its ok if it has to be my kids and my wife who wake up the world, its ok. If it’s been written to happen that way, it was supposed to happen.’

And the Turkish people smuggler Turkish President Tayyip Erdogan responded to the deaths in his country’s waters by saying: “European countries, which have turned the Mediterranean, the cradle of the world’s oldest civilizations, into a cemetery for refugees, shares the sin for every refugee who loses their life.”

Syrian boy drowns off coast of Turkey

Galip (right), 5, and Aylan Kurdi (left), 3, pictured with their father Abdullah who survived the tragedy

Heart-breaking: Abdullah Kurdi says his final goodbyes to his two sons and his wife before they are buried

https://themuslimissue.wordpress.com/2015/09/04/family-of-drowned-toddler-aylan-kurdi-had-been-given-free-housing-in-turkey-while-fathers-story-is-full-of-holes/

Dezenas de migrantes desaparecem após naufrágio na costa da Líbia

Lancha com mais de 100 pessoas começou a afundar no Mediterrâneo.
Guarda Costeira italiana resgatou 91 migrantes e achou um corpo.

Lancha com mais de 100 pessoas começou a afundar no Mediterrâneo.
Guarda Costeira italiana resgatou 91 migrantes e achou um corpo.

Uma lancha dos Guarda Costeira italiana resgatou 91 pessoas e encontrou um corpo. De acordo com os sobreviventes, que foram levados durante a noite para a ilha italiana de Lampedusa, a embarcação transportava de 120 a 140 pessoas.

“Como costuma ocorrer, o bote, que havia sido inflado na praia pouco antes de partir, começou a se desinflar rapidamente. As pessoas entraram em pânico, e se apinharam de um lado do barco”, explicou à AFP Flavio Di Giacomo, porta-voz da OIM na Itália.

“Muitos caíram na água, alguns se afogaram e outros conseguiram voltar a subir a bordo”, explicou, ressaltando que os migrantes eram em sua maioria de Somália, Sudão e Nigéria.

Os integrantes da Guarda Costeira italiana indicaram em um comunicado que resgataram 91 pessoas e encontraram um cadáver na embarcação, em parte afundada quando chegaram.

Ao mesmo tempo, outra embarcação da Guarda Costeira resgatou outro barco em dificuldades, onde 106 pessoas estavam a bordo, entre elas uma nigeriana que deu à luz no barco de resgate.

Assistida por uma equipe médica da Ordem de Malta presente na embarcação da guarda-costeira, a mulher e seu bebê estão bem, e foram levados para observação a um hospital de Lampedusa.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/dezenas-de-migrantes-desaparecem-apos-naufragio-na-costa-da-libia.html

A história por trás da foto do menino sírio que chocou o mundo

Alan Kurdi, o menino refugiado sírio de três anos cujo afogamento causou consternação ao redor do mundo, tinha escapado das atrocidades do grupo autointitulado “Estado Islâmico” na Síria.

Alan e sua família eram de Kobane, a cidade que ganhou notoriedade por ter sido palco de violentas batalhas entre militantes extremistas muçulmanos e forças curdas no início do ano.

O pai do menino, Abdullah, fugira com mulher, Rehan, e outro filho, Galip, de 5 anos, para tentar chegar ao Canadá, onde vivem parentes da família. Isso mesmo depois autoridades do país norte-americano terem negado um pedido de asilo.

Negado

Da família, apenas Abdullah sobreviveu à tentativa de travessia de barco entre a Turquia e a Grécia, em que, além dos familiares, morreram pelo menos outras nove pessoas.

Leia mais: Imigração ilegal transforma cidade turca em ‘capital do colete salva-vidas’

Parentes dos Kurdi no Canadá disseram à mídia canadense que o pai telefonou para informar sobre a morte das crianças e da mulher. E que desejava voltar a Kobane para enterrar a família.

ReutersImage copyrightReuters
Image captionAs fotos do corpo de Aylan provocaram consternação ao redor do mundo

Várias fotos do corpo de Alan na praia de Ali Hoca, em Bodrum, sendo observado e depois levado por um policial turco, ganharam manchetes no mundo inteiro e viraram símbolo do drama enfrentado por milhares de refugiados sírios, afegãos e iraquianos que buscam recomeçar suas vidas na Europa.

A consternação aumentou com o surgimento, nas mídias sociais, de uma imagem bem diferente das que tornaram Alan famoso: nela, ele e Galip são vistos sorrindo para a câmera, ao lado de um urso de pelúcia.

Teema Kurdi, tia dos meninos que vive na cidade canadense de Vancouver, disse ao jornal National Post que vinha tentando conseguir uma travessia mais segura para os parentes. Contou que vinha financiando a estadia deles na Turquia, mas que Abdullah tinha decidido entrar como refugiado na Europa por conta da situação precária em que estariam vivendo.

Leia mais: Como o Brasil virou o principal refúgio de sírios na América Latina

Teema, que emigrou para o Canadá há mais de 20 anos, entrara com um pedido de asilo para os parentes. O parlamentar Fin Donnelly disse à BBC que entregou a solicitação diretamente ao ministro da Imigração, Chris Alexander, mas que o pedido fora negado.

Já o Departamento Canadenses de Cidadania e Imigração diz não ter nenhum registro de solicitação por parte de Abdullah Kurdi e sua família.

“Uma solicitação para Mohammad Kurdi (que acredita-se ser o irmão de Abdullah e Teema) e família foi recebida pelo departamento, mas devolvida por estar incompleta, sem cumprir com as exigências regulatórias de provas para o reconhecimento do status de refugiado”, informou o órgão à BBC.

Mais tarde, Teema afirmou, em entrevista coletiva, que, diferentemente da versão que havia circulado anteriormente, ela não havia submetido um pedido de asilo para Abdullah e sua família.

De acordo com as leis do país, refugiados podem ir para o Canadá caso tenham apoio financeiro de pelo menos cinco cidadãos do país, mas apenas candidatos que tenham oficialmente recebido status de refugiados podem fazer o pedido.

PAImage copyrightPA
Image captionNo mesmo dia em que Aylan morreu, a Guarda Costeira conseguiu salvar 100 pessoas

E a obtenção de salvo-conduto é complicada para os sírios que passam pelos centros de triagem do Alto Comissariado da ONU para Refugiados na Turquia. Sem o status de refugiado, não se pode deixar o país.

Leia mais: Síria é ‘maior crise humana da nossa era’, diz ONU

Alan e a família estavam em um pequeno bote que carregava 17 pessoas no momento em que virou, nas proximidades do balneário turco de Bodrum. Um outro bote, carregando 16 pessoas, também teria virado.

Mas foram as imagens do corpo do menino nas areias da praia que chocaram o mundo e viralizaram na internet.

No início da semana, a Guarda Costeira turca disse que, apenas nos primeiros cinco meses de 2015, 42 mil pessoas foram resgatadas no Mar Egeu. Na semana passada, foram mais de 2 mil.

Na mesma quarta-feira em que Alan morreu, 100 pessoas foram resgatadas, também tentando atravessar da Turquia para a ilha grega de Kos.

Atualização: O nome do menino sírio havia sido grafado pela BBC como Aylan, mas, segundo a tia do garoto, a grafia havia sido alterada de seu original – Alan – por autoridades turcas. Por isso, o nome foi corrigido para Alan nesta reportagem.

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/09/150903_aylan_historia_canada_fd

Comissão da ONU pede que refugiados sírios não sejam expulsos

Mesmo sem entrar na Síria, comissão constata violação de direitos.
Mais de 2.000 sírios morreram no mar ao tentar fugir do conflito.

Uma comissão da ONU denunciou nesta quinta-feira (3) o fracasso da comunidade internacional em proteger os refugiados sírios e pediu aos países que não os expulsem nesse momento em que estão afluindo em grande número para a Europa.

A comissão de investigação da ONU sobre as violações dos direitos humanos na Síria não obteve a autorização de Damasco para entrar no país, mas recolheu milhares de testemunhos de vítimas, documentos e fotos usados em seu relatório.

“O painel recomenda à comunidade internacional que proteja os direitos humanos de todas as pessoas, incluindo migrantes, deslocados, solicitantes de asilo e refugiados”.

Pede aos países que “respeitem o princípio de não expulsão dos sírios porque eles têm o direito de serem reconhecidos como refugiados”, segundo a ONU.

O conflito na Síria deixou mais de 240.000 mortos, quatro milhões de refugiados e ao menos 7,6 milhões de deslocados internos.

Mortes durante fuga
Mais de 2.000 sírios morreram no mar ao tentar fugir do conflito que teve início em março de 2011 em seu país. Na quarta-feira, as imagens de um menino sírio de 3 anos encontrado morto em uma praia da Turquia provocaram comoção nas redes sociais. A família tentava reencontrar parentes no Canadá embora o pedido de asilo tivesse sido negado, de acordo com o site National Post.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/comissao-da-onu-pede-que-refugiados-sirios-nao-sejam-expulsos.html

O mundo vai prestar atenção agora?

Uma foto de um corpo sem vida de uma criança lançado pelo mar em uma praia turca depois que um barco de imigrantes afundou provocou um clamor internacional na mídia social na quarta-feira, em uma imagem terrível da crise de refugiados apresentada em manchetes em todo o mundo.

O garoto estava entre pelo menos 12 outros sírios que morreram tentando viagem por mar em um bote superlotado para a ilha grega de Kos. Entre os mortos estavam cinco crianças e uma mulher.

Outras 15 pessoas foram resgatadas e a guarda costeira, apoiada por helicópteros, continuava sua busca por mais três que ainda estão desaparecidas, disse um comunicado.

A imprensa turca identificou o menino como Aylan Kurdi,  de 3 anos cujo irmão de 5 anos de idade, também morreu no mesmo barco. A imprensa disse que ele era da cidade síria de Kobane, perto da fronteira com a Turquia, palco de violentos combates entre militantes do ISIS  e forças regionais curdas, há alguns meses.

As imagens mostraram Kurdi deitado de bruços na areia perto de Bodrum, uma das principais estâncias turísticas da Turquia, antes del ter sido pego por um policial em fotografias tiradas pela agência de notícias Dogan.

‘Humanidade lançada ao mar’

A hashtag “#KiyiyaVuranInsanlik” (“A humanidade lançada ao mar”) chegou ao topo dos tópicos de tendências mundiais no Twitter depois que a imagem foi amplamente compartilhada.

A imagem fez a primeira página de quase todos os principais jornais da Grã-Bretanha, incluindo alguns que tinham tomado anteriormente uma linha dura sobre a crise imigrante.

“Se essas imagens extraordinariamente poderosas de uma criança síria morta lançada em uma praia não mudar a atitude da Europa para os refugiados, o que será”, perguntou The Independent em um editorial que foi manchete: “. Criança de alguém”.

Londres tem sido objecto de críticas sobre o número de refugiados que aceitou, o que é inferior ao de outros países da União Europeia, proporcionalmente à sua população.

Ao longo da última semana, tem havido um aumento dramático no número de i#migrantes – principalmente da Síria, Afeganistão, Paquistão e África – que procuram deixar a Turquia por mar para a Grécia, na esperança de encontrar uma vida nova na União Europeia.

A agência de refugiados das Nações Unidas UNHCR diz que mais de 2.500 pessoas morreram tentando cruzar o Mediterrâneo até agora este ano.

https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2015/09/03/Photo-of-Syrian-boy-drowned-on-Turkish-beach-sparks-outcry.html

Líbia encontra corpos após naufrágio de barco com migrantes

A Líbia recuperou 82 corpos que foram parar em terra depois que um barco repleto de migrantes afundou perto da cidade de Zuwara, no oeste do país, disse um funcionário do Crescente Vermelho nesta sexta-feira (28).

“Cerca de 100 pessoas ainda estão desaparecidas”, afirmou Ibrahim al-Attoushi, do Crescente Vermelho, acrescentando que pelo menos 198 imigrantes haviam sido resgatados.

 

O barco afundou na quinta-feira depois de deixar Zuwara, um porto de onde traficantes de pessoas normalmente embarcam imigrantes para a Itália, explorando o vazio na segurança da Líbia, onde governos rivais e dezenas de grupos armados disputam o poder.

Muitos dos imigrantes a bordo, a maioria da África subsaariana, ficaram presos no porão quando o barco virou, disseram autoridades.

As autoridades líbias levaram 147 sobreviventes para um centro de detenção de imigrantes ilegais em Sabratha, a oeste de Trípoli, de acordo com um oficial de segurança da Líbia, que pediu que não fosse identificado.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/08/libia-encontra-corpos-apos-naufragio-de-barco-com-migrantes.html

Pelo menos 40 imigrantes morrem em naufrágio no litoral da Líbia

Pelo menos 40 imigrantes morreram depois que a embarcação na qual navegavam em direção à Itália naufragou diante do litoral da Líbia, segundo confirmou neste sábado (15) a Marinha italiana.

 

IMIGRANTES
Milhares morreram no Mediterrâneo

“Continuam em curso as atividades (de resgate) em um barco por parte da Nave Cigala Fulgosi #MarinaMilitare. Salvos vários imigrantes. Pelo menos 40 mortos”, confirmou a Marinha em mensagem na rede social de Twitter.

Cerca de 5 mil imigrantes por semana podem chegar à Itália pelo mar provenientes de portos do norte da África nos próximos cinco meses, se não forem tomadas medidas para conter a situação, segundo projeção do Ministério do Interior.

Os números, publicados no último dia 23 pelo jornal de Roma “Il Messaggero” e confirmados por uma fonte do ministério, apontam que 200 mil podem chegar até o fim do ano.

Nesta segunda-feira (10), um total de 1.552 imigrantes foram resgatados nas águas do Mediterrâneo quando tentavam chegar à Itália procedentes do litoral norte da África, informou a guarda costeira italiana.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/08/pelo-menos-40-pessoas-morrem-em-naufragio-no-litoral-da-libia.html

Mau sinal do futuro: os imigrantes muçulmanos cristãos jogados ao mar

O destino dos imigrantes cristãos assassinados é a imagem do nosso futuro, a menos que formemos uma corrente humana para resistir aos nossos atacantes.

Por Ralph H. Sidway

Como as pessoas, muitas vezes de origens muito diferentes, países, nacionalidades e raças, e até mesmo religiões, podem ligar-se em simples camaradagem humana, especialmente quando passam juntas por desafios e provações difíceis, ajudando uma a outra, olhando uma para a outra, protegendo não apenas a própria família, mas os companheiros de viagem, que são companheiros de luta.

A experiência compartilhada

No entanto, no relatório da Associated Press acerca do crime terrível contra os cristãos imigrantes – companheiros de imigrantes que procuram uma vida melhor – nós vemos no coração muçulmano as trevas:

ROMA (AP) – crise migratória da Itália assumiu uma nova reviravolta mortal quinta-feira quando a polícia da Sicília informou que os imigrantes muçulmanos tinham jogado 12 cristãos ao mar durante uma travessia recente da Líbia, e um grupo de ajuda disse que outros 41 temiam se afogar em um incidente separado.

A polícia de Palermo disse ter detido 15 pessoas suspeitas do lançamento ao alto mar, após entrevistar sobreviventes chorosos da Nigéria e Gana, que haviam chegado em Palermo ontem de manhã após serem resgatados no mar pelo navio Ellensborg.

Os 15 foram acusados ​​de homicídio múltiplo agravado por ódio religioso, disse a polícia em um comunicado.

Os sobreviventes disseram que embarcaram em um barco de borracha em 14 abril, na costa da Líbia com 105 passageiros a bordo, parte da onda de imigrantes que se aproveitam de mar calmo e tempo quente para fazer a travessia arriscada da Líbia, onde a maioria das operações de contrabando originam.

Durante a travessia, os imigrantes da Nigéria e Gana – que se acredita serem cristãos – foram ameaçados de serem lançados no mar por cerca de 15 outros passageiros da Costa do Marfim, Senegal, Mali e Guiné Bissau.

Eventualmente, a ameaça foi realizada e 12 foram empurrados ao mar. A declaração disse que o motivo foi que as vítimas “professaram a fé cristã, enquanto os agressores eram muçulmanos.”

Foi relatado que os sobreviventes forjaram literalmente um vínculo através de suas experiências compartilhadas de suportarem um ataque brutal e assassino do terror jihadista:

Os cristãos sobreviventes, segundo o comunicado, só conseguiram ficar a bordo, formando uma “corrente humana” para resistir ao assalto.

Mas há mais nessa história do imigrante-muçulmano e o imigrante-cristão assassinato pela julah, mesmo quando se leva em conta o ângulo de contrabando?

Lembre-se como o Estado Islâmico intitulou seu vídeo infame da decapitação de 21 cristãos coptas na Líbia “, uma mensagem assinada com o sangue para a Nação da Cruz”, e após o abate, com espuma vermelha encharcada ao enrolar sobre a costa da Líbia, o narrador ameaçou: “E nós vamos conquistar Roma, se Alá quiser.”

Funcionários italianos não levaram a ameaça a sério, o alerta, que o “ISIS está à porta.”

De forma alarmante, como The Daily Beast informou em fevereiro, ISIS pode já ter feito isso por meio da porta, via o afluxo de migrantes em espiral desafiando o aparato de segurança da Itália.

A Itália viu “um aumento de 64 por cento nas chegadas de imigrantes ilegais pelo mar desde o ano passado. Em todo o ano de 2014, mais de 170.000 pessoas chegaram da Líbia e Turquia, o maior número já registrado “.

Pior ainda, os analistas de defesa alertam que a Itália nunca esteve tão exposta a um ataque, devido, em grande medida a contrabandistas oriundos de via marítima fortemente armados fundidos com os imigrantes ilegais. O artigo Daily Beast acrescentou que “O Serviço de Migração em Roma diz que pode haver tantos como meio milhão de pessoas em acampamentos à espera de vir para a Itália e a agitação vai empurrá-los para fora o mais rápido.”

E embutido dentro desse meio milhão, quantos agentes do ISIS pode haver?

Olhando para além da ameaça específica para a Itália e Roma, continuamos a ver os números chocantes de muçulmanos no Ocidente que estão sendo desenhados para se juntarem ao Estado islâmico. A atração para o Oriente Médio de muçulmanos africanos dificilmente pode ser menor, como atestado pela onda implacável de crimes contra os cristãos e suas igrejas cometido não só pelo ISIS ou outros grupos jihadistas, mas cada vez mais por vizinhos muçulmanos contra muito dos cristãos (veja aqui, aqui e aqui).

A Mesma pesquisa estatística revela que mais e mais é “comum” (ou, como os líderes ocidentais invariavelmente descrevem como “moderado”), muçulmanos simpatizando com as metas do Estado Islâmico como honrar o Islã e purificar as suas terras de presença infiel. Aqui estão alguns exemplos:

– 80% dos muçulmanos Londres apoiam o ISIS
– 27% dos jovens muçulmanos franceses (1,62 milhões) de volta o Estado Islâmico, constata pesquisa
– Newsweek: 16% dos cidadãos franceses cidadãos apoiam o ISIS, descobre pesquisa
– 92% da Arábia Saudita acredita que “Estado islâmico está em conformidade com os valores do Islã e à lei islâmica ‘.
– Nova votação dos países muçulmanos aumenta dois dígitos o apoio a terroristas

Como os relatórios de Raymond Ibrahim relativos às fontes de mídia árabe, tais pontos de vista muçulmanos são corrente principal e profundamente enraizados na mente islâmica. Um escritor saudita escreveu recentemente: “Elas [instituições sauditas] disse que o cristão é um infiel, um habitante do inferno, um inimigo de Alá e do Islã. Então nós dissemos, ‘maldição de Deus sobre eles’ “.

Levando tudo isso em conta, o ataque muçulmano sobre os cristãos em um barco de imigrantes cruzando o Mediterrâneo é um sinal dos nossos tempos, um símbolo escuro e metáfora para um futuro que está rapidamente começando a entrar em foco:

Estamos todos em um barco juntos, mas há um bando de pessoas em nosso barco que procura jogar o resto de nós ao mar, para nos matar, a afundar e afogar-nos, para nos eliminar.

O destino dos imigrantes cristãos assassinados é a imagem do nosso futuro, a menos que formemos uma corrente humana para resistir aos nossos atacantes.

http://www.raymondibrahim.com/muslim-persecution-of-christians/ominous-sign-of-future-muslim-migrants-throw-christians-overboard/