Arquivo da tag: #Nigéria

Nigéria: muçulmanos decapitam pastor cristão depois que ele se recusa a negar a Cristo e se converter ao Islã

Se os papéis fossem invertidos aqui e os cristãos tivessem assassinado um imã muçulmano por se recusar a se converter ao Cristianismo, embora esse assassinato nunca aconteça e nunca aconteceria, haveria manchetes internacionais gritantes. Mas ninguém tomará conhecimento disso.

Pastor nigeriano que louvou a Deus em vídeo de resgate decapitado depois de se recusar a negar a Cristo”, por Samuel Smith, Christian Post , 21 de janeiro de 2020:

Um pastor que foi manchete no início deste mês por louvar a Deus em um vídeo de resgate foi executado por militantes do Boko Haram na Nigéria.

Ativistas internacionais de direitos humanos condenaram o assassinato do Rev. Lawan Andimi, presidente da Associação Cristã da Nigéria na área do governo local de Michika, no estado de Adamawa.

Andimi foi declarado desaparecido em 3 de janeiro, após uma invasão do grupo extremista islâmico em Michika. O vídeo postado on-line parece mostrar Andimi sendo forçado a entrar em um veículo por seus captores.

Dias depois, Andimi foi visto em um vídeo divulgado por seus captores, pedindo aos colegas líderes cristãos e funcionários do governo estadual para garantir sua libertação.

Apesar da situação, Andimi disse no vídeo que não estava desanimado porque “todas as condições que se encontram estão nas mãos de Deus”.

Pela graça de Deus, estarei junto com minha esposa, meus filhos e todos os meus colegas”, disse ele. “Se a oportunidade não for concedida, talvez seja a vontade de Deus.

Na segunda-feira, fontes locais divulgaram aos parceiros do ministério nos Estados Unidos que Andimi foi assassinado.

Uma fonte disse à organização não governamental norte-americana Save the Persecuted Christian que a família de Andimi foi notificada sobre a morte do pastor pelo escritório da CAN no estado de Adamawa na segunda-feira.

“Eles o mataram na floresta de Sambisa”, disse uma fonte à Save the Persecuted Christian, de acordo com o diretor executivo da organização sem fins lucrativos Dede Laugesen. “Eles o assassinaram porque ele se recusou a renunciar à sua fé. E porque eles não podiam arrecadar dinheiro para o seu resgate. ”

A fonte local, cujo nome não pôde ser revelado por razões de segurança, disse à Save the Persecuted Christian que os captores de Andimi exigiram 2 milhões de euros em troca de sua libertação. No entanto, a comunidade eclesiástica carente só conseguiu levantar 2 milhões de nairas (4.969,88 euros).

O jornalista investigativo nigeriano Ahmed Salkida informou em um tweet que Andimi foi decapitado na tarde de segunda-feira. Salkida escreveu que obteve um vídeo da execução e informou as autoridades.

O porta-voz da CAN, Bayo Oladeji, disse ao Centro Internacional de Relatórios Investigativos que a organização guarda-chuva interdenominacional planeja divulgar uma declaração oficial sobre a execução de Andimi.

“É patético e doloroso saber que um cavalheiro desses pode ser morto como um carneiro”, disse Oladeji.

Andimi não foi o único líder cristão que foi morto no estado de Adamawa nesta semana.

O pastor Denis Bagauri, da Igreja Luterana da Nigéria, um conhecido defensor político dos cristãos, teria sido morto por pistoleiros desconhecidos em sua casa em Nassarawo Jereng, na área do governo local de Mayobelwa no estado de Adamawa, na noite de domingo, segundo o The Daily Post….

A Nigéria é classificada como o 12º pior país do mundo quando se trata de perseguição cristã, de acordo com a lista de observação mundial do Open Doors USA em 2020.

Com imagem e informações de Jihad Watch

Duas jovens cristãs executadas por grupo muçulmano na Nigéria

Pastores Muçulmanos Fulani mataram duas jovens cristãs no sul do estado de Kaduna, na Nigéria, na sexta-feira (17 de janeiro), disseram fontes.

Os pastores de moto chegaram à vila de Gora-Gan, no condado de Zango Kataf, por volta das 17 horas, matando aldeões à vista, de acordo com um morador local. Luka Biniyat, porta-voz da União dos Povos Kaduna do Sul (SOKAPU), confirmou o assassinato de Briget Philip, 18 anos, e Priscilla David, 19.

“As duas meninas, que eram alunas do ensino médio, adoravam na paróquia católica de Gora-Gan”, disse Biniyat ao Morning Star News.

Foram feridos no ataque à comunidade predominantemente cristã os adolescentes Henry Jonathan, 18 anos, Benjamin Peter e Goodluck Andawus, 12 anos, disse Luka Biniyat.

O grupo muçulmano atacou quando as pessoas se reuniram na praça da vila, onde são realizadas atividades evangelísticas e sociais.

“Quando as pessoas fugiram para os arbustos próximos para se esconder, os atacantes recuaram e foram embora”, disse o morador da região, Solomon John, ao Morning Star News por mensagem de texto. “Estamos tristes com esses ataques ao nosso povo, que parecem intermináveis.”

O presidente do conselho do condado, Elias Manza, confirmou o ataque a jornalistas no sábado (18 de janeiro).

“Os feridos estão atualmente recebendo tratamento em um hospital não divulgado, mas a boa notícia é que a normalidade foi restaurada na área”, disse Manza.

Trabalhadores sequestrados libertados

Dois dias antes, no estado de Borno, no nordeste da Nigéria, cinco trabalhadores humanitários seqüestrados pela Província da África Ocidental do Estado Islâmico (ISWAP) foram libertados.

Os trabalhadores humanitários foram sequestrados pelo ISWAP, que se separou do Boko Haram em 2016, em 22 de dezembro, ao longo da estrada Monguno-Maiduguri, no estado de Borno, enquanto visitavam os campos de deslocados para fornecer itens médicos e alimentares.

Entre os trabalhadores libertados estava Jennifer Samuel Ukumbong, cuja família reside em Jos. Jummai Markus, um vizinho da família, disse ao Morning Star News que ligou para sua casa na quinta-feira (16 de janeiro), dizendo que havia sido libertada.

“Desde que Jennifer foi seqüestrada pelo Boko Haram [anteriormente aliado à ISWAP], sua família mantém vigílias de oração e jejua por sua libertação”, disse Markus. “De fato, sua mãe, que é viúva, estava na igreja orando pela liberdade de sua filha quando as notícias sobre ela resgatada chegaram.”

Não ficou claro como se deu a liberdade dos trabalhadores humanitários. Peter Afunanya, porta-voz da polícia secreta da Nigéria, o Departamento de Serviços de Estado, disse em um comunicado à imprensa de Abuja que eles foram resgatados pelo pessoal da DSS e outras agências de segurança, incluindo os militares na quarta-feira (15 de janeiro).

Ukumbong, juntamente com os trabalhadores de ajuda humanitária Asabe Cletus Musa, Arthur Ibojekwe Chima, Adamu Ozeshi e George Danbaba Micheal, foram levados para o escritório do DSS em Maiduguri por volta das 16 horas daquele dia, segundo o comunicado.

120 permanecem em cativeiro

Mais de 120 cristãos ainda estão sendo mantidos em cativeiro por grupos extremistas islâmicos, incluindo Grace Taku. O trabalhador humanitário da Action Against Hunger (AAH), sediado na França, foi seqüestrado pelo ISWAP em um ataque a um comboio em Damasak, estado de Borno, em julho.

“Congratulamo-nos com a libertação de cinco trabalhadores humanitários que foram seqüestrados no nordeste da Nigéria em 22 de dezembro”, disseram autoridades da AAH em comunicado à imprensa. “Mas, apesar dessas boas notícias, continuamos extremamente preocupados com Grace Taku, que é mantida refém desde 18 de julho de 2019. Reiteramos nossos pedidos de libertação imediata”.

Taku é a única sobrevivente de um grupo de seis detidos desde então, segundo a AAH. Ahmad Salkida, jornalista nigeriana com um relacionamento próximo com o Boko Haram, que supostamente ajudou a facilitar a libertação dos cinco ativistas de direitos humanos cristãos na semana passada, informou que Taku seria escravizada por toda a vida desde que as negociações para sua libertação com o governo nigeriano fracassassem.

Entre os cristãos ainda mantidos em cativeiro estão 112 meninas sequestradas de uma escola de ensino médio em Chibok , estado de Borno, em abril de 2014. A ativista dos direitos Gapani Yangas disse em comunicado que as meninas estão em cativeiro há mais de 2.100 dias.

Também está em cativeiro Dapchi, a estudante do ensino médio do estado de Yobe, Leah Sharibu, bem como a assistente social Alice Ngadda, Bitrus Z. Bala, o Rev. Lawan Andimi, Patience Ishaku, Awagana Kwagwi, Saratu Kwagwi e outros, disse Yanga.

Taku e Ngadda são trabalhadores humanitários cristãos com organizações que ajudam pessoas deslocadas. Ngadda é mãe de dois filhos que trabalha com a UNICEF.

Também está presa Lilian Gyang, uma estudante da Universidade de Maiduguri, sequestrada por terroristas do Boko Haram em 9 de janeiro ao longo da estrada Damaturu-Maiduguri enquanto ela retornava à universidade.

Gyang, um estudante do primeiro ano em Zoologia, é de Foron, no estado de Plateau, no estado de Barkin Ladi. O Senador Istifanus Gyang, que representa o estado de Plateau na Assembléia Nacional da Nigéria, apelou ao governo nigeriano e às Nações Unidas para que rapidamente intervissem pela libertação de Lilian Gyang e outros.

Leah Sharibu era a única cristã entre 110 meninas seqüestradas na Escola Técnica e Científica de Meninas do Governo em Dapchi, estado de Yobe, em 19 de fevereiro de 2018. Meninas muçulmanas foram libertadas enquanto Leah foi impedida por se recusar a renunciar à sua fé cristã. 

O Boko Haram anunciou em um vídeo que ela e Ngaddah agora eram escravas. 

Nigéria está classificada no 12º lugar no ranking de perseguição religiosa, segundo a entidade Portas Abertas que apresenta anualmente a lista dos 50 países onde os cristãos sofrem mais perseguição, mas o país está em segundo lugar no número de cristãos mortos por sua fé, atrás do Paquistão.

Artigo publicado originalmente por Morning Star News. Usado com permissão pelo site Christian Headlines.

Foto cedida por Joshua Oluwagbemiga / Unsplash

Nigéria: Jihadistas do Boko Haram tomam duas cidades semanas depois que o governo os declarou derrotados

O governo nigeriano se gabou repetidamente de ter derrotado o Boko Haram, o Partido do Povo da Sunnah por Dawah e Jihad, ou estava prestes a fazê-lo. Prometeu derrotar o Boko Haram até o final de 2014. E até o final de 2015. Em meados de 2017, chamou o movimento de força gasta. Em fevereiro de 2018, alegou novamente que os jihadistas foram derrotados. Eles não foram e não estão derrotados.

“‘Muitos temidos mortos’: o Boko Haram apreende duas cidades nigerianas semanas após o governo ter declarado derrotado o grupo”, por Edwin Mora, Breitbart, 22 de agosto de 2019:

Os jihadistas do Boko Haram apreenderam duas cidades no estado de Borno, na Nigéria, na quarta-feira, matando muitas pessoas ao incendiar casas e prédios do governo.

Citando a Agência de Notícias estatal da Nigéria e uma importante autoridade do governo local, o jornal Punch relata que os terroristas deixaram as duas cidades, observando:

A normalidade voltou às comunidades Gubio e Magumeri de Borno após os ataques de quarta-feira à noite coordenados pelos insurgentes do Boko Haram.

A Agência de Notícias da Nigéria relata que os residentes nas áreas afetadas voltaram para suas casas após os ataques dos insurgentes na sede de Gubio e Magumeri das áreas de governo local dos estados Magumeri e Gubio

Os insurgentes atacaram as comunidades por volta das 18:00 [quarta-feira]; incendiou residências, escolas, escritórios, saqueou itens alimentares e sequestrou um membro da Força-Tarefa Conjunta Civil.

… O Premium Times relata que os jihadistas continuam no controle das cidades. Ao contrário de outras agências de notícias, o jornal atribuiu a culpa pelo ataque à afiliada do Estado Islâmico (ISIS / ISIL) na África Ocidental (ISWA), uma ramificação do Boko Haram.

“Os terroristas, principalmente da filial do Boko Haram ISWA, permaneceram no controle de Gubio, Magumeri e comunidades contíguas”, relata o Premium Times ….

Um funcionário do governo local disse aos repórteres do Saara sob a condição de anonimato:

É lamentável que, uma semana depois de um ataque mortal ocorrido em Gubio, que levou à retirada de tropas, outros insurgentes armados invadiram a cidade de Gubio por volta das 18h, realizem suas orações sobre maghrib por volta das 18h30 na mesquita de Gubio, antes de causar estragos em civis inocentes incendiando casas e estruturas públicas.

Maghrib refere-se a uma das cinco orações diárias obrigatórias do Islã realizadas após o pôr do sol.

Sem fornecer um número específico, as agências de notícias locais informam que o ataque de quarta-feira deixou “muitas” pessoas mortas …

Os ataques ocorreram semanas depois que o governo do presidente nigeriano Muhammadu Buhari alegou falsamente que seu governo “derrotou” o Boko Haram.

Buhari reivindicou repetidamente a vitória sobre o grupo desde que assumiu o cargo em 2015, mas o grupo continuou a causar estragos…

Imagem e informações Jihad Watch

Nigéria: adolescente cristã permanece no cativeiro do Boko Haram por se recusar a negar a Jesus Cristo

“Glazov: A adolescente Leah Sharibu permanece no cativeiro do Boko Haram por se recusar a negar a Cristo”, por Jamie Glazov, Breitbart , 24 de junho de 2019:

Hoje, Leah Sharibu, 16 anos, uma garota cristã da cidade de Dapchi, Nigéria, permanece nas mãos monstruosas do grupo terrorista islâmico Boko Haram – que mantém Leah em seu cativeiro bárbaro porque ela se recusa a negar a Jesus Cristo e se converter ao Islã.

Leah tinha apenas 14 anos quando, com 109 outras garotas, foi sequestrada de sua escola em Dapchi pelo Boko Haram em 19 de fevereiro de 2018. As outras garotas sequestradas foram libertadas (5 foram mortas) em março daquele mesmo ano, mas Leah permaneceu nas mãos do grupo jihadista porque ela se recusou a renunciar a Cristo.

Para uma menina tão jovem, em tais circunstâncias, não desistir de sua fé, permanecer fiel ao que ela acredita, apesar dessas consequências horríveis que ela teve para ela durante todos esses meses passados, é impressionante para mim.

Essa citação é de Sonja Dahlmans, pesquisadora do sequestro, estupro e conversões forçadas de meninas e mulheres cristãs, e também de outras mulheres não-muçulmanas, em vários países da Ásia, do Oriente Médio e da África. Estudante de Teologia e Cristianismo Ortodoxo em duas universidades na Holanda, Sonja está atualmente liderando uma petição em nome de Leah que ela espera que adicione pressão sobre as autoridades nigerianas para pressionar seus sequestradores para sua libertação.

Sonja gentilmente concordou em responder algumas das minhas perguntas sobre sua petição, onde exatamente fica a situação assustadora de Leah e sobre as condições gerais de pesadelo para os cristãos na Nigéria.

Glazov: Obrigado, Sonja, muito por se juntar a mim hoje. Como está o caso de Leah Sharibu neste momento?

Dahlmans: Obrigado, Jamie.

Recentemente, a mãe de Leah, Rebecca Sharibu, visitou os Estados Unidos para falar no escritório da Heritage Foundation em Washington, DC, no dia 11 de junho. Ela pediu a ajuda do governo dos EUA para pedir ao governo nigeriano que assegure mais urgentemente a libertação de sua filha.

O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, prometeu uma vez que não abandonaria Leah, a quem chamou de “a garota solitária”, mas, tragicamente, muito tempo se passou. Ela foi sequestrada em fevereiro de 2018, e não houve muito progresso desde então. A mãe de Leah compartilhou que ela não tem notícias do governo nigeriano há meses.

Glazov: Apenas terrível. Este pesadelo é, naturalmente, parte de um pesadelo nigeriano maior em termos do horrível problema de perseguição cristã que o país temHá, por exemplo, horrores genocidas sendo perpetrados contra comunidades agrícolas cristãs no Cinturão Médio da Nigéria.

Você pode nos contar um pouco sobre isso?

Dahlmans: Claro, Jamie.

A lista de classificação anual da Open Doors USA sobre a perseguição mundial de cristãos classifica a Nigéria no número 12 deste ano. Especialmente para mulheres e meninas, a situação é realmente sombria: estupros, sequestros, violência.

A Portas Abertas também publicou recentemente um relatório chamado “Feridas Ocultas”, que aborda a questão da violência – especialmente contra as mulheres cristãs durante a perseguição. Não se trata apenas da Nigéria, mas sim, eu diria que a Nigéria é absolutamente um país onde mulheres e meninas, como Leah Sharibu, são muito vulneráveis.

Muitas outras garotas foram sequustradas ao longo dos anos: as garotas da escola Chibok, por exemplo, que foram sequestradas em 2014. A Associação Cristã da Nigéria tem um artigo em sua página discutindo o sequestro e a conversão forçada de garotas cristãs no norte da Nigéria. A situação é horrível.

Glazov: verdadeiramente horrível.

Vamos voltar para Leah: Ela parece uma garota muito especial e incrível. Os relatos dizem que, como afirmei na minha introdução, ela teve a chance de ser libertada se tivesse renunciado a Jesus – mas ela se recusou a fazê-lo. Esta é apenas uma coragem e fé absolutamente estonteantes, especialmente para uma menina tão jovem.

Que detalhes você conhece sobre isso? E o que tudo isso nos diz sobre Leah?

Dahlmans: De acordo com o testemunho das outras meninas, Leah ainda é refém do Boko Haram porque ela se recusou a renunciar à sua fé em Cristo. Isso nos diz que Leah é uma jovem muito forte e corajosa com uma fé sólida em Jesus.

Para uma menina tão jovem, em tais circunstâncias, não desistir de sua fé, permanecer fiel ao que ela acredita, apesar das terríveis conseqüências que ela teve para ela, é alucinante para mim.

Em uma mensagem dada por uma das outras garotas que foi liberada em março de 2018, Leah disse isso para sua mãe: “Minha mãe, você não deve ser incomodada. Eu sei que não é fácil sentir a minha falta, mas quero assegurar-lhe que estou bem onde estou. Estou confiante de que, um dia, verei seu rosto novamente. Se não aqui, então lá no seio de nosso Senhor Jesus Cristo ”.

Observe que nesta mensagem Leah nem sequer fala sobre como ela sente falta de sua mãe, como qualquer garota de 15 anos obviamente faria nestas circunstâncias. Não, ela está consolando sua mãe em vez disso. Isso diz tudo, não é sobre quem é Leah Sharibu?

Acho que não poderia dizer mais nada que fosse mais eficaz para as pessoas entenderem a força, a coragem e a fé dessa garota. Eu prefiro deixar as palavras de Leah falarem por si mesmas.

Glazov: E que história incrível as palavras de Leah contam.

Imagem e informações Jihad Watch

Nigéria: muçulmanos matam 17 evangélicos, incluindo quatro crianças e uma avó, em ataque jihadista

A islamofobia nunca terminará?

“Nigéria: 4 crianças e avó entre os 17 cristãos abatidos por radicais em assassinato em massa”, por Stoyan ZaimovChristian Post , 2 de outubro de 2018:

Dezessete cristãos, incluindo quatro crianças e uma avó, foram mortos a tiros na semana passada por radicais Fulanis que invadiram suas casas em Jos, na Nigéria.

A Morning Star News informou que o ataque aconteceu na noite de quinta-feira, quando os atiradores invadiram casas e começaram a atirar em qualquer um que vissem.

Lucky Kogi, um dos sobreviventes, revelou que dois de seus filhos e 14 membros de sua extensa família foram mortos no massacre.

Rogu Audu, outra testemunha cuja mãe e dois filhos foram assassinados no ataque, disse: “Quando os pastores fulanis chegaram, eles entraram na casa aleatoriamente, quebrando e forçando seu caminho para os quartos, atirando em mulheres e crianças indefesas e qualquer um à vista. “

Audu afirmou que os soldados do exército nigeriano acompanharam os atacantes Fulanis que estavam armados com armas de fogo e facões.

“Os pastores fulanis vieram do Wild Life Park, que faz fronteira com a nossa comunidade”, disse Audu. “O parque está localizado no flanco sul da Rukuba Road e tem colinas rochosas, que forneceram aos invasores uma cobertura para permitir que eles invadissem nossa comunidade.”

O homem revelou que todas as vítimas eram membros da Igreja Evangélica local, Vencendo Todos.

Outros moradores disseram que familiares feridos que sofreram cortes em suas cabeças, rostos e mãos estão recebendo tratamento no Hospital de Ensino da Universidade de Bingham, em Jos.

Milhares de cristãos foram mortos este ano em ataques dos Fulanis, com algumas das mais mortíferas incursões ocorrendo dentro e ao redor de Jos. Mais de 200 crentes foram massacrados em alguns dos maiores incidentes ocorridos em junho, deslocando pelo menos 3.000 pessoas.

Imagem e informações Jihad Watch

10 países mais perigosos do mundo para as mulheres

Aqui está a lista dos 10 países classificados como os mais perigosos para as mulheres por uma pesquisa de especialistas globais

A Índia foi apontada como o país mais perigoso do mundo para as mulheres em uma pesquisa com especialistas globais divulgada na terça-feira.

A pesquisa da Thomson Reuters Foundation com cerca de 550 especialistas em questões femininas classificou o Afeganistão e a  Síria  em segundo e terceiro lugar, com a Somália e a Arábia Saudita em seguida.

A pesquisa foi uma repetição de uma pesquisa semelhante em 2011, que classificou os países mais perigosos para as mulheres como Afeganistão, República Democrática do Congo, Paquistão, Índia e Somália.

Ele perguntou quais cinco dos 193 estados membros das Nações Unidas eram mais perigosos para as mulheres e o pior para os cuidados de saúde, recursos econômicos, práticas tradicionais, abuso sexual e não sexual e tráfico de seres humanos.

1. ÍNDIA – No topo da lista, com níveis de violência contra as mulheres ainda em alta, mais de cinco anos após o estupro e assassinato de um estudante em um ônibus em Nova Déli provocou indignação nacional e promessas do governo para enfrentar a questão.

A Índia classificou-se como a mais perigosa em três questões – os riscos que as mulheres enfrentam de violência e assédio sexual, de práticas culturais e tradicionais e do tráfico de seres humanos, incluindo trabalho forçado, escravidão sexual e servidão doméstica.

2. AFEGANISTÃO – Segundo na lista, com especialistas dizendo que as mulheres enfrentam problemas terríveis quase 17 anos após a derrubada do Taleban.

Classificado como o país mais perigoso para as mulheres em três áreas – violência não sexual, acesso a cuidados de saúde e acesso a recursos econômicos.

3. SÍRIA – Terceiro após sete anos de guerra civil. Classificada como o segundo país mais perigoso para mulheres em termos de acesso a cuidados de saúde e violência não sexual, o que inclui violência relacionada com conflitos, bem como abuso doméstico. Terceiro conjunto com os Estados Unidos sobre os riscos que as mulheres enfrentam de abuso sexual.

5. ARÁBIA SAUDITA – Quinto total, mas o reino conservador foi nomeado o segundo país mais perigoso para as mulheres em termos de acesso econômico e discriminação, inclusive no local de trabalho e em termos de direitos de propriedade. Quinto em termos dos riscos que as mulheres enfrentam de práticas culturais e religiosas.

6. PAQUISTÃO – O sexto mais perigoso e quarto pior em termos de recursos econômicos e discriminação, bem como os riscos que as mulheres enfrentam de práticas culturais, religiosas e tradicionais, incluindo os chamados crimes de honra. O Paquistão ficou em quinto lugar na violência não sexual, incluindo abuso doméstico.

7. REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO – Listada como a sétima das Nações Unidas, alertando que milhões de pessoas enfrentam “condições infernais de vida” depois de anos de derramamento de sangue e ilegalidade. Classificada como segundo país mais perigoso para mulheres no que diz respeito à violência sexual, e entre sétima e nona em quatro outras questões.

8. IÊMEN – Oitavo na lista após classificar mal o acesso a cuidados de saúde, recursos econômicos, risco de práticas culturais e tradicionais e violência não sexual. O Iêmen ainda está se recuperando da crise humanitária mais urgente do mundo, com 22 milhões de pessoas que precisam de ajuda vital.

9. NIGÉRIA – Classificado em nono lugar, com grupos de direitos humanos acusando os militares do país de tortura, estupro e assassinato de civis durante uma luta de nove anos contra militantes do Boko Haram.  Nigéria foi nomeada o quarto país mais perigoso, juntamente com a Rússia, quando se tratava de tráfico humano. Ele listou o sexto pior dos riscos que as mulheres enfrentam em práticas tradicionais.

10. ESTADOS UNIDOS – Única nação ocidental no top 10 e terceira em conjunto com a Síria pelos riscos que as mulheres enfrentam em termos de violência sexual, incluindo estupro, assédio sexual, coerção sexual e falta de acesso à justiça em casos de estupro. A pesquisa veio depois que a campanha #MeToo se tornou viral no ano passado, com milhares de mulheres usando o movimento de mídia social para compartilhar histórias de assédio ou abuso sexual.

Com imagem   Jornal de Notícias e informações Haaretz

Nigéria: Dois cristãos são assassinados por muçulmanos após culto evangélico

“Pastores fulanis”(muçulmanos) emboscaram e mataram dois cristãos no centro da Nigéria quando deixaram um culto evangélico e estavam voltando para casa.

A Morning Star News  noticiou na quinta-feira que Ibrahim Weyi, 45, e Larry More, 53, foram atacados pelos pastores muçulmanos fulanis na noite de domingo, quando voltavam para casa de motocicleta após o culto na Igreja Evangélica Winning All, em Kwall, estado de Plateau.

Os radicais também feriram outro cristão de 23 anos, Samuel Weyi, que sobreviveu e está sendo tratado em um hospital em Jos.

Os pastores fulanis continuaram matando cristãos inocentes em nossas aldeias, mas o governo nigeriano não tomou medidas proativas para acabar com o ataque”, disse o residente Lawerence Zango.

O Rev. Sunday Zibeh, pastor da igreja da ECWA em Nzharuvo, Miango, disse que 11 cristãos foram mortos pelos fulanis na região de Bassa desde fevereiro.

E essas são apenas uma parte das centenas de crentes  que foram massacrados em todo o país desde o início do ano, com os Fulani aumentando seus ataques mortais mês a mês.

“Nestes casos, as vítimas foram emboscadas e mortas pelos pastores ou atacadas em suas casas à noite”, disse Zibeh“A triste realidade é que o governo nigeriano liderado pelo presidente Muhammadu Buhari, ele próprio um muçulmano e fulani, não agiu de forma alguma para acabar com esses ataques.”

Cristãos de diferentes denominações insistiram que Buhari não está fazendo o suficiente para proteger o povo. Após o assassinato de dois padres em um ataque que matou 19 pessoas durante uma missa católica no Estado de Benue em abril, a Conferência dos Bispos Católicos da Nigéria disseram em um comunicado :

“Estamos tristes. Estamos com raiva. Nos sentimos totalmente expostos e mais vulneráveis. Diante dessas nuvens escuras de medo e ansiedade, nosso pessoal está sendo cotado diariamente por alguns para se defender. Mas se defender com o quê?”

Os bispos acrescentaram que os cristãos “se sentem violados e traídos em uma nação que todos nós continuamos a sacrificar e a orar. Nós nos sentimos abandonados e traídos coletivamente”.

Buhari chamou o ataque aos crentes na igreja de “particularmente desprezível“.

“Violar um local de culto, matar padres e fiéis não é apenas vil, perverso e satânico, é claramente calculado para provocar conflitos religiosos e mergulhar nossas comunidades em derramamentos infinitos de sangue”, disse ele na época.

Ainda assim, os líderes católicos enfatizaram que, independentemente da razão pela qual Buhari esteja impedido de conter as mortes, “ele não deve mais continuar a presidir os campos de extermínio e o cemitério em massa que nosso país se tornou”.

A frustração foi repetida pela predominantemente cristã Irigwe Development Association, cujos membros foram mortos e sofreram muito nas mãos dos fulanis.

“A nação Irigwe sente-se compelida, mais uma vez, a alarmar a contínua perda de vidas de ataques a aldeias inocentes”, disse em abril domingo Abdu, presidente da associação.

“Você está ciente de que nós enterramos 25 pessoas no dia em que havíamos planejado enterrar quatro dos cinco que foram mortos na noite da visita do presidente ao estado, isso é um acréscimo aos que foram enterrados numa série de ataques desde janeiro, para não mencionar o número de casas que perdemos de tais ataques e a destruição de fazendas que garantiu uma fome iminente “.

Com imagem The Gospel Herald e informações Christian Post

Filho de pastor nigeriano relata que pai foi queimado vivo pelo Boko Haram

Um líder da igreja nigeriana que fugiu da perseguição islâmica na Nigéria compartilhou os detalhes horríveis de como seu pai foi morto por não abandonar a fé cristã e como os terroristas alinhados do Estado Islâmico incendiaram o prédio da igreja onde congregava.

David-Olonade Segun, que agora reside na Holanda, disse ao Holland Sentinel  que um novo capítulo de sua vida começou há alguns anos, depois que sua família foi alvo de extremistas afiliados ao Boko Haram (também conhecido como Estado Islâmico da África Ocidental desde 2015).

Segun e sua esposa, que eram originalmente da área de maioria cristã do sudoeste da Nigéria, dirigiam um ministério chamado Assembléia da Vida Vitoriosa, dirigindo também serviços vinculados à escola, orfanato e socorro às viúvas.

Embora o ministério tenha começado originalmente no sudoeste da Nigéria, Segun e sua família tomaram a decisão de transferir o ministério para a parte norte da Nigéria, que tem sido atormentado pela violência nos últimos anos, mesmo sabendo dos riscos que corriam.

De acordo com o Holland Sentinel, o ministério fornecia casa para 150 crianças órfãs e ofereceu cuidados aos pobres e viúvas em partes do norte da Nigéria. Além disso, o ministério forneceu água limpa para as aldeias locais.

As ações dos cristãos causaram ira no grupo terrorista Boko Haram, que vem aterrorizando o estado de Borno, no nordeste da Nigéria, com seu jihadismo salafista desde 2011 matando milhares de pessoas. O grupo também escravizou inúmeras mulheres e meninas da escola.

O pastor recordou o ataque que mudou sua vida para sempre. No entanto, ele não estava lá quando aconteceu.

Segun disse ao jornal que no dia seguinte em que ele, sua esposa e seus quatro filhos saíram de casa para ir a um congresso em que Segun seria orador, os militantes do Boko Haram chegaram em sua casa. Embora a mãe de Segun tenha conseguido escapar, seu pai não teve tanta sorte.

Militantes supostamente questionaram o pai de Segun sobre onde ele estava. O pai disse a eles que seu filho havia ido à igreja. Depois que os militantes não puderam encontrar Segun na igreja, eles atearam fogo e mataram o pastor assistente da igreja.

Segun afirmou que os militantes voltaram para seu pai e colocaram uma Bíblia e um Alcorão na frente dele e lhe disseram para escolher um dos dois livros sagrados. Segun disse que depois que seu pai escolheu a Bíblia, os militantes lançaram gasolina em seu corpo e o queimaram até a morte.

Se eles tivessem destruído tudo o que eu possuía, isso não significaria nada para mim“, afirmou Segun. “Mas meu pai, ele amava a Jesus, ele me ensinou a ser forte”.

Meu amigo me encorajou: ‘Seu pai ficou com Cristo no final‘”.

Segun disse que perdeu tudo o que trabalhou por mais de 18 anos para conseguir.

Após o ataque, ele finalmente decidiu ir para os EUA, considerando que apenas algumas semanas antes eles tinham recebido vistos para visitar os EUA para um período planejado de férias, tendo conseguido sua permanência no país.

Você sabe, às vezes, você pensa em algumas coisas boas. Eu penso: ‘Deus, e se [Boko Haram] viesse ontem (antes que a família partisse para a conferência)?’ Este é o caminho de Deus para nos salvar. Eu também penso nisso … Eu oro pelos cristãos no norte da Nigéria, porque eles são mortos todos os dias. “

A Nigéria classifica-se  como o 14º pior país do mundo no que diz respeito à perseguição cristã, de acordo com a World Watch List de 2018 da Open Doors USA.

 Em seu relatório de 2018  divulgado no mês passado, a Comissão sobre Liberdade Religiosa Internacional dos EUA pediu novamente ao Departamento de Estado dos EUA que listasse a Nigéria como um “país de preocupação particular” por violações sistemáticas, constantes e notórias da liberdade religiosa.

 

Em fevereiro, o Boko Haram sequestrou mais de 100 estudantes de uma escola secundária na cidade de Dapchi. Embora a maioria das alunas que ainda estavam vivas fossem libertadas, o grupo terrorista supostamente manteve uma colegial porque ela se recusou a renunciar sua fé em Cristo.

No início deste mês, a mãe de Leah Sharibu declarou  quão orgulhosa se mantpem por saber que sua filha não renunciou sua fé em Cristo.

E por causa disso, eu sei que Deus nunca a abandonará,” teria dito a mãe da menina sequestrada . “Quando ela foi para a escola, eu dei a ela uma cópia da Bíblia para que ela pudesse ter suas devoções mesmo quando eu não estava lá. Como mãe, eu sei que ela é uma filha obediente, respeitosa e alguém que coloca os outros antes dela mesma.

Com informações de Christian Post e imagem Reuters

Nigéria: jihadistas assassinam 17 pessoas e ferem 34 em ataques de jihad contra muçulmanos no final do jejum no Ramadã

“O último ataque do Boko Haram, o mais sangrento em 2017 – Amnistia Internacional”, de Wale Odunsi, Daily Post , 9 de junho de 2017:

A Amnistia Internacional afirmou na sexta-feira que os ataques coordenados do Boko Haram que mataram pelo menos 17 pessoas e feriram mais 34 na noite de quarta-feira foram “viciosos, demonstram um desprezo para a vida humana e o mais sangrento até agora neste ano”.

Osai Ojigho, diretor da Amnesty International Nigéria, em uma declaração disponibilizada para o POSTAL DIÁRIO, disse que Boko Haram deve encerrar sua campanha de homicídios ilegais de civis.

“Estes ataques deploráveis ​​ocorreram em um momento em que os muçulmanos estavam quebrando o seu jejum durante o mês sagrado do Ramadã e demonstraram o completo desrespeito pela vida humana

“As autoridades nigerianas devem fazer mais para proteger os civis e levar os perpetradores de todos esses ataques à justiça, em vez de varrerem centenas de suspeitos e mantendo-os indefinidamente em condições horríveis e ameaçadoras para a vida”.

AI lembrou que os ataques começaram em torno das 18h30 quando os combatentes de Boko Haram abriram fogo aleatoriamente na comunidade de Jiddari Polo em Maiduguri, uma das maiores cidades da região norte.

A AI acrescentou que, mais tarde, às 9h, quatro bombardeiros suicidas detonaram dispositivos explosivos perto do Lake Chad Basin Research Institute na área de Goni Kachallari da cidade ….

https://www.jihadwatch.org/2017/06/nigeria-jihadis-murder-17-injure-34-in-jihad-attacks-on-muslims-ending-ramadan-fast

Nigéria: grupo muçulmano bloqueia esforços da ONU para ajudar dois milhões de pessoas à beira da fome

Jihad vem em primeiro lugar. Deus quer a área islamizada. As pessoas famintas não devem ser impedidas de se opor a isso.

“Boko Haram prende pessoas famintas na Nigéria, alerta a ONU” , AFP , 18 de maio de 2017 (graças à The Religion of Peace ):

Dois milhões de pessoas estão à beira da fome no nordeste da Nigéria, mas os esforços para alcançar alguns estão sendo frustrados pelos jihadistas de Boko Haram, disse a agência de alimentos da ONU nesta quinta-feira.

Mais de 20 milhões de pessoas na Nigéria, Sudão do Sul, Somália e Iêmen estão em áreas atingidas pela seca e estão passando fome ou estão em alto risco de fome na “maior crise que vimos nos últimos 50 anos”, disse Denise Brown , Coordenador de emergências do Programa Alimentar Mundial da ONU.

“Enquanto eles estão todos em dificuldade, o nordeste da Nigéria é um que tem sob a nossa pele no PMA”, acrescentou.

Cerca de 1,8 milhão de pessoas na área são classificadas como “à beira da fome”, disse ela, e o PAM está conseguindo fornecer apoio de algum tipo para 1,2 milhão deles – embora precise desesperadamente de mais fundos.

“Mas há várias centenas de milhares de pessoas que estão em três áreas na Nigéria, nas fronteiras com o Níger e o Chade, que não conseguimos chegar devido ao conflito ativo”, disse ela, colocando a cifra em cerca de 600 mil pessoas.

Boko Haram lançou uma revolta no nordeste da Nigéria em 2009 e começou a adentrar em áreas fronteiriças no vizinho Chade, Níger e Camarões. O conflito na área do lago Chad deixou 20.000 povos mortos desde então ….

https://www.jihadwatch.org/2017/05/nigeria-muslim-group-blocks-un-efforts-to-aid-two-million-people-on-brink-of-famine