Arquivo da tag: #Nova York

Suspeito de espalhar bombas odiava os gays e os EUA, diz ex-namorada

Mãe da filha de Rahami fala em ‘lavagem cerebral’ após viagem ao Afeganistão.

NOVA YORK — O homem preso por implantar bombas em Nova Jersey e Nova York, Ahmad Rahami, odiava os Estados Unidos e os homossexuais. Foi isso que sua ex-namorada, que é mãe da sua filha, relatou ao canal “FoxNews”. Ela conheceu o terrorista na escola e conta que ele sofreu uma “lavagem cerebral” em uma das suas viagens ao Afeganistão — da qual voltou com uma esposa e outro filho.

— Ele falava muito da cultura ocidental e de como, em seu país, era diferente. De como não havia gays no Afeganistão — disse ao canal americano.

Maria — cujo nome completo não foi divulgado — diz que não via Rahami há dois anos. Na escola, era conhecido por ser o aluno brincalhão da turma, mas seu comportamento foi mudando muito durante os anos.

Ainda assim, ela afirma que jamais teria imaginado que ele fosse capaz de fazer algo parecido com o que fez. No último fim de semana, ele implantou bombas em diferentes localidades de Nova York e Nova Jersey.

Ela diz ainda que não quer a filha perto do pai, que não paga a pensão alimentícia da menina. Após ter trocado tiros com agentes polícias ao ser capturado, ele permanece internado em estado crítico, porém estável. Ele foi acusado de quatro delitos por tentativa de homicídio e por possessão de arma de fogo.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/suspeito-de-espalhar-bombas-odiava-os-gays-os-eua-diz-ex-namorada-20150054#ixzz4KxN7LvAD
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Afegão ligado à Al Qaeda admite plano para atentado em Nova York

NOVA YORK (Reuters) – Um imigrante afegão acusado de tramar um atentado a bomba em Nova York declarou-se nesta segunda-feira culpado de três acusações, dizendo ao juiz que pretendia se sacrificar numa “operação de martírio” em que atacaria o sistema metroviário da cidade norte-americana.

Najibullah Zazi, de 25 anos, também admitiu na Corte Federal do Brooklyn que havia recebido treinamento da Al Qaeda para a produção de explosivos e armas na região paquistanesa do Waziristão, fronteiriça com o Afeganistão.

“O plano era conduzir operação de marítimo em Manhattan”, disse Zazi ao tribunal. “Para mim, isso significava que eu me sacrificaria para chamar a atenção sobre aquilo que os militares dos EUA estavam fazendo com os civis no Afeganistão.”

As autoridades dizem que ele planejava agir em setembro de 2009.

O acusado se declarou culpado dos crimes de conspiração para usar armas de destruição em massa, conspiração para cometer homicídio em um país estrangeiro e apoio material à Al Qaeda.

As confissões são parte de um acordo entre promotoria e defesa, e sugerem que Zazi está disposto a cooperar com investigadores. Os advogados envolvidos não quiseram comentar.

Zazi pode ser condenado à prisão perpétua pelo complô, apontado pelo secretário de Justiça dos EUA, Eric Holder, como um dos mais graves nos EUA desde os atentados de 11 de setembro de 2001.

(Reportagem adicional de Basil Katz)

http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE61L0LV20100222

Nova York investiga crime de ódio a muçulmana queimada

Turista escocesa vestia trajes islâmicos e conseguiu apagar chamas

NOVA YORK — Uma mulher muçulmana que foi atacada no sábado à noite pode ter sido vítima de um crime de ódio. De acordo com autoridades, ela estava em frente à loja de alta-costura Valentino, na 5ª Avenida, em Manhattan, quando sentiu um calor no braço. Ao perceber que sua blusa estava em chamas, viu que um homem com um isqueiro observava a cena. Ela conseguiu apagar o fogo, e o suspeito fugiu.

Como noticiou o jornal “Daily News”, a vítima é uma turista escocesa de 35 anos, e vestia trajes tradicionais islâmicos quando foi atacada. Funcionários do departamento que investiga crimes de ódio na cidade assumiram a investigação, e procuram um homem que aparece vestido de preto em câmeras de segurança.

Na última quinta-feira, a agressão sofrida por duas muçulmanas que empurravam carrinhos de bebê no Brooklyn foi identificada como um caso de xenofobia. Como relataram as autoridades, uma mulher de 32 anos agrediu as duas vítimas com socos e chutes, tentando arrancar seus hijabs e gritando palavras de ódio.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/nova-york-investiga-crime-de-odio-muculmana-queimada-20101982#ixzz4KAj8H6Gr
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Nova York autoriza anúncio com a afirmação: “matar judeus é louvar a Alá”

Existe remédio contra muitos males, menos a Xenofobia.

Um juiz deu sinal verde para a publicação nos ônibus de Nova Iorque de um polêmico anúncio que se refere a muçulmanos matando judeus.

A Autoridade do Transporte Metropolitano de Nova Iorque (MTA em inglês) proibiu seu uso, argumentando que poderia incitar a violência e o terrorismo.

Mas o juíz John Koeltl rejeitou esse reparo, dizendo que o anúncio estava protegido pela Constituição dos EUA, que contem o princípio da liberdade de expressão.

O anúncio, que já foi usado no transporte público de Chicago e São Francisco, é financiado pelo grupo Iniciativa para a Defesa da Liberdade nos EUA.

Mostra um homem coberto com um turbante e com olhar ameaçador, junto com um lema atribuido a um video de música do grupo militante palestino Hamas: “Matar judeus é um louvor que nos aproxima de Alá”.
Incita à violencia?

O anúncio acrescenta: “Essa é sua Jihad. Qual é a tua?”

O juíz disse que a MTA havia subestimado a tolerância dos novaiorquinos.

O juíz Koeltl disse ainda que está consciente da preocupação pela segurança da MTA, e que esta havia subestimado a tolerância dos novaiorquinos e superestimado o potencial impacto do anúncio.

“Precisa ser muito crédulo para creer que os novaiorquinos se veriam incitados à violência por anúncios que não incitaram aos residentes de Chicago e São Francisco”, disse.

A MTA tem 30 dias para apelar a decisão, prazo durante o qual a publicação do anúncio será suspensa.

O porta-voz da MTA Adam Lisberg expressou sua decepção pela decisão e disse que a agência está estudando suas opções.

A Iniciativa para a Defesa da Liberdade dos EUA está dirigida pela blogueira e ativistaPamela Geller.

A organização é considerada um grupo antimuçulmano pelo Southern Poverty Law Center, um grupo de direitos civis.

Se quiser ver as fotos dos anúncios siga os links, está acontecendo nos EUA pode ir ver, mas não vou publicar aqui.

Fonte: www.bbc.co.uk

Leia também:
http://www.ibtimes.com/us-judge-allows-killing-jews-ad-nyc-buses-rejects-mtas-argument-it-may-incite-1891545
https://www.nydailynews.com/news/national/bus-ad-quote-attributed-hamas-article-1.1287090

https://dinamicaglobal.wordpress.com/2015/04/26/nova-iorque-autoriza-anuncio-com-a-afirmacao-matar-judeus-e-louvar-a-ala/