Arquivo da tag: #ONU

Europa: refugiados cristãos sofrem cruel perseguição de muçulmanos em abrigos

Muitos refugiados cristãos do Oriente Médio relatam enfrentar perseguição de extremistas islâmicos nos campos de refugiados e centros na Europa, e os convertidos do islamismo ao cristianismo estão no pior perigo, já que são considerados apóstatas pelos extremistas.

Embora existam políticas de proteção nos tratados da ONU e no direito internacional dos refugiados, essas proteções raramente são implementadas porque as autoridades temem que elas sejam acusadas de discriminação. Com efeito, a maioria das agências e instituições de caridade que trabalham com refugiados na Europa preferem ignorar o problema.

O relatório interino sobre perseguição elaborado pelo Bispo de Truro para o Secretário do Exterior, divulgado na sexta-feira, também ignora a situação dos refugiados cristãos na Europa, mesmo quando foi destacado como parte das provas orais e escritas apresentadas ao painel de revisão independente em Westminster .

De fato, o relatório não menciona o que está acontecendo com os cristãos na Europa ou na Grã-Bretanha.

Yochana Darling, chefe de missão do ICC, que administra um centro de dia e abrigos para refugiados cristãos na Grécia, foi um dos que deram provas orais ao painel de Westminster.

De acordo com essa evidência, refugiados cristãos em Atenas foram cercados por extremistas muçulmanos que mostraram vídeos do Estado Islâmico decapitando cristãos. Eles foram informados de que seriam os próximos.

O painel de revisão foi informado de que quando uma família foi transferida de um acampamento para uma acomodação oficial da agência, eles foram atacados com facas.

Um refugiado iraniano na Grécia sofreu um ataque cardíaco quando cerca de cinquenta extremistas cercaram sua unidade de alojamento depois que ele voltou da igreja com sua família. Os extremistas despejaram gasolina em sua casa temporária e seguraram facas nas gargantas das mulheres e crianças. Os seguranças estavam com muito medo de intervir.

“O abuso verbal é normal”, Yochana me diz. “Os cristãos são ridicularizados e chamados kafirs [incrédulos]. Isso acontece diariamente. Mais preocupantes são os altos números de ameaças de morte regulares e ameaças de danos físicos. Nos últimos três anos, nos deparamos com incontáveis ​​casos de danos físicos reais. e agressões sexuais.

Em 2016, tanto a Portas Abertas  na Alemanha como a ICC na Grécia publicaram dois relatórios separados sobre a perseguição de refugiados cristãos. Esses relatórios eram independentes uns dos outros, mas produziram resultados quase idênticos: na época, 87 a 88 por cento dos entrevistados relataram perseguição em campos de refugiados, migrantes e acomodações. E porque a perseguição é ignorada, continua inabalável.

“O estupro é usado como uma punição para a conversão e um método de coerção para fazer com que os apóstatas se arrependam e retornem ao Islã”, diz Yochana.

“Mulheres e crianças tiveram facas presas às suas gargantas, enquanto pais e maridos são espancados com canos de metal e outros utensílios. As famílias tiveram petróleo derramado sobre eles e ameaçaram queimar vivos, só porque eles estavam lendo suas Bíblias juntos e cantando alguma adoração. músicas.

“Barracas e acomodações foram destruídas e cristãos expulsos de acampamentos e outras acomodações.

“A polícia e os oficiais do campo não intervêm e nenhuma proteção é dada”.

Na Grécia, houve muitos relatos de homens convertidos sendo estuprados por gangues como punição.

No campo de Moria, na ilha de Lesbos, 95% dos refugiados cristãos disseram ao ICC que não é seguro ler a Bíblia. Na Alemanha, um afegão foi esfaqueado recentemente por causa de sua fé. Ele sobreviveu, mas a polícia disse que ele estava mentindo e que o ataque não tinha nada a ver com ele ser um cristão, de modo que não seria registrado como um crime de ódio.

Alguns cristãos ocidentais estão céticos sobre os refugiados se converterem ao cristianismo, mas a triste realidade é que a conversão do islamismo ao cristianismo pode ser perigosa em qualquer lugar da Europa. Ouvimos relatos semelhantes de ataques a convertidos em toda a Europa, incluindo a Grã-Bretanha.

Nossos contatos na Alemanha nos dizem que quando muçulmanos convertidos ao cristianismo são atacados, os serviços de emergência costumam atrasar sua chegada. Isso resultou na morte de alguns convertidos.

“É uma questão politicamente sensível, mas esmagadoramente os perseguidores são companheiros de asilo do Oriente Médio e de origens islâmicas”, diz Yochana.

“Há preocupações sobre o número de grupos extremistas nos campos, e isso é algo que nos é dito regularmente pelos beneficiários de nossa instituição de caridade, que estão chocados com o fato de seus perseguidores no Oriente Médio terem os seguido até os campos.

Ela afirma que o governo e outras agências oficiais “evitam olhar para a religião a qualquer custo”.

“A política geral é não perguntar nada sobre crenças religiosas ou questões e, consequentemente, a perseguição religiosa é geralmente completamente fora do seu radar”, diz ela.

“Eles temem conseqüências políticas ou acusações de tratamento preferencial se considerarem os perigos enfrentados por refugiados e convertidos cristãos.

“As pessoas ainda tendem a considerar a Europa como um continente de maioria cristã, e pode ser um desafio para as pessoas entenderem que os refugiados cristãos são um grupo religioso minoritário que precisa de proteção em certas situações.”

A ICC tem um centro de dia em Atenas especificamente para os refugiados cristãos. Eles precisam se sentir seguros para acessar serviços de suporte à integração e outros tipos de suporte, por isso se tornou um centro vital para muitos dos beneficiários da organização.

Com imagem e informações Christian Today

Será que o “progressismo voraz” da ONU vai engolir o “Brasil conservador”?

Por Andréa Fernandes

Todo ativista é – ou deveria ser – uma incansável “máquina pensante”, pois a reflexão contínua se torna indispensável para cativar a opinião pública objetivando elevar ou mesmo manter suas pautas em discussão. O trabalho não é nada fácil num país onde o desvirtuamento do conceito de “direitos humanos” esvaziou seu grau de importância, já que na atualidade, o tema só interessa, na maioria das vezes, aos grupos militantes de esquerda que receberam vultosas quantias dos governos petistas para dar prosseguimento ao processo de “alienação cultural”, que preconiza a ideia de que no Brasil em que a violência mata mais do que guerras pelo mundo afora, apenas alguns grupos específicos devem ser “protegidos” com leis especiais endurecendo as penas.

Há um “temor velado” em relação à defesa das pautas conservadoras?

A situação se tornou tão complicada que, em certas situações, perdeu-se  o parâmetro entre os próprios conservadores do que representa um efetivo “governo conservador” ao ponto da ministra Damares Alves sucumbir diante do poder atrativo da ONU fazendo “propaganda inconsciente” da “entidade maligna” que apoia a perseguição contra cristãos e demoniza o Estado de Israel. Estranhamente, quando Damares levantou defesa da pauta LGBT em discurso na ONU e ainda se declarou “ativista dos direitos da comunidade LGBT” no Senado, movimento este que teve primazia na recepção de pautas durante o governo de transição, imaginei que os conservadores utilizariam as redes para protestos educados e respeitosos exigindo mudança de posicionamento da ministra. Entrementes, o silêncio foi quase unânime!

Apesar da impossibilidade de explicar-se racionalmente a mudança drástica de alguns posicionamentos da ministra, penso, que em parte, se dão por temor à reação hidrófoba da extrema-imprensa e partidários da esquerda que – principalmente nas primeiras semanas de governo – promoveram ataques grotescos e covardes, não respeitando nem mesmo a dor suportada heroicamente pela ministra em sua infância roubada por “monstros estupradores”. Com isso, acredito que assustada, Damares arrefeceu em seus valores… tanto é que, em entrevista à GloboNews, inacreditavelmente elogiou de forma entusiasmada uma funcionária PETISTA exonerada. Nem mesmo o presidente Bolsonaro foi tão enaltecido como a petista, que ainda terá o apoio aberto de Damares na campanha para “vereadora”. Pelo menos, tive a chance de conhecer uma “petista bolsonarista”, caso contrário não teria apoio da ministra.

Ativismo LGBTI no Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos

Talvez, o ímpeto de agradar a imprensa para evitar a perseguição objetivando macular sua imagem tenha desnorteado a ministra, que recentemente em audiência pública no Senado afirmou o seguinte:

Nosso ministério está trabalhando muito na proteção dos direitos LGBTI. A  diretoria ficou intacta, inclusive quem eles indicaram. Essa ministra é uma ativista na defesa dos direitos da comunidade LGBTI[3].”

A fala da ministra suscita várias dúvidas desconcertantes: Ora, porventura os “direitos LGBTI” só seriam resguardados se a ministra mantivesse “intacta” a diretoria anterior, opositora do posicionamento do presidente Bolsonaro? Aliás, essa era a “condição” para a ministra ser “aceita” pela comunidade? Por que a ministra se posiciona frontalmente contrária à promessa de campanha do presidente de não segmentar os direitos humanos? Qual foi o “professor” que ensinou à advogada que para defender os direitos das pessoas que se enquadram no perfil LGBTI precisa necessariamente se rotular como “ativista dos direitos humanos da comunidade LGBTI”?

Outrossim, não ficou muito claro quais são as pautas LGBTI apoiadas pela ministra, uma vez que, até o momento, como bem lembrado em matéria do Gospel Prime[4], ela não se pronunciou sobre a “criminalização da homofobia” em julgamento de ação no Supremo Tribunal Federal, sendo todavia, “resguardada” pelo argumento sorrateiro de não se imiscuir em temas discutidos no Poder Judiciário, muito embora não tenha sido poupada de crítica tácita em pronunciamento do voto do ministro Celso de Mello[5] , que citou a frase da filósofa feminista francesa Simone de Beauvoir de que “ninguém nasce mulher, torna-se mulher”.

Damares não quis se pronunciar sobre a questão da “criminalização da homofobia”, quando o senador Alessandro Vieira (PPS/SE) questionou se “o projeto que criminaliza a LGBTfobia  tem apoio do seu ministério e do governo federal? A “resposta” foi ofertada pelo Secretário Nacional de Proteção Global Sérgio Queiroz, que afirmou que no entendimento do ministério, “os contornos dessa criminalização ou não devem ser decididos por esta Casa (Senado) com as suas devidas excludentes, somos terminantemente contra qualquer violência a essa população ou qualquer outra população”. OU SEJA, a fala do secretário foi dúbia e pode levar ao entendimento que uma vez “sendo contrário a qualquer violência” o ministério apoia tacitamente a criminalização da homofobia. PORÉM, em outro momento dos questionamentos no Senado, a própria Damares expôs  em forma de DENÚNCIA a sua “preocupação” em relação ao “ativismo judicial”, frisando que o tema do ABORTO é do Congresso Nacional e não do Judiciário

Será que Damares silenciou irresignação com o ativismo judicial que concebe a aberração jurídica de “racismo” para tipificar a homofobia devido RECEIO da “diretoria” que manteve no poder pronta para lhe dar “o bote”, caso não “reze” de acordo com a “cartilha” do movimento LGBTI, que é o real mentor desse pleito?

A propósito, dei uma espiada por curiosidade na página institucional do Ministério e resolvi ler o documento em forma de “ata” da 1ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Combate à Discriminação (CNCD/LGBT), que tinha como “pauta” o lançamento da Frente Parlamentar Mista pela Cidadania LGBT, realizada em março de 2011. E sabe o que encontrei?“a leitura de nota pública de repúdio ao deputado Jair Bolsonaro pela conselheira Janaina (vice-presidente do CNCD/LGBT) sobre as ponderações racistas e homofóbicas feitas essa semana em programa de televisão[6]”.

Nada mal essa ata com acusações contra o chefe de Damares compondo o “abre alas” das diversas atas e pautas lá consignadas! Confesso que perdi a vontade de continuar a leitura já imaginando o “respeito” que essa diretoria preservada pela ministra deve ter pelo presidente. Por mais que Damares queira negar essa é a “verdadeira face” do órgão vinculado ao seu ministério: revolta contra Bolsonaro. Contudo, ela se entregou “de corpo e alma” ao ativismo extremista LGBTI e hoje, infelizmente está amordaçada. Daí, não denunciar o “ativismo judicial” na questão que seus ex-companheiros de “ativismo sem rótulos” vem reverberando quanto à Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO Nº 26).

Cabe parceria de um “país conservador” com a escarnecedora “Europa progressista” para o “enfrentamento da homofobia”?

Na realidade, a ministra se tornou “refém” da odiosa agenda multiculturalista da ONU, e a manutenção do Conselho Nacional de Combate à Discriminação é corolário da propaganda das Nações Unidas para fortalecimento da “agenda LGBTI”, E POR ISSO, CONSTA DA PÁGINA OFICIAL DO MINISTÉRIO DOS DIREITOS HUMANOS A “PARCERIA” ENTRE BRASIL E UNIÃO EUROPEIA  VISANDO TROCAR EXPERIÊNCIAS  NO ENFRENTAMENTO DA HOMOFOBIA[7]. Como a ministra não deve andar bem informada sobre as “políticas públicas” da União Europeia, ignora que o PROGRESSISMO VORAZ é a base de atuação das comunidades LGBTI. Poderia mencionar diversos exemplos da agenda minuciosamente propagada pela ONU…

A pergunta que fica: será que os conservadores não teriam “competência” para promover os “direitos humanos” da comunidade LGBT, e por isso, precisam ser “substituídos” pelo ideário totalitarista da União Europeia anti-cristã e extremistas de governos anteriores mantidos nos seus postos?

logo, só após avaliar diversas ações e omissões da ministra Damares, algumas delas não mencionadas aqui, percebo o motivo de ter se acovardado em “discurso politicamente correto” na 40ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU,  não denunciando a Cristofobia que persegue e mata milhares de cristãos anualmente em diversos países, e nesse ponto, ela não precisaria realmente se preocupar porque, de fato, esta não é considerada uma pauta tradicional de conservadores no Brasil. São pouquíssimos aqueles que acreditam no “dever moral” de um país majoritariamente cristão se posicionar nos foros internacionais denunciando a perseguição contra cristãos.

Por sinal, orgulhosamente a ministra aponta as pautas do seus discurso na página oficial do Ministério. Como boa “serviçal” dos interesses da ONU, ocultou a perseguição dos cristãos – que já é “norma da Casa” – e reverberou as pautas da instituição que finge “proteger minorias” com o cuidado redobrado de não pronunciar o termo “aborto” para não manchar sua estreia como “ministra progressista” na tribuna do órgão que se NEGOU a RECONHECER O GENOCÍDIO DE CRISTÃOS nos territórios ocupados pelo Estado Islâmico apesar de fartas provas.

A ministra “terrivelmente cristã”, ao invés de firmar protagonismo exemplar na seara internacional agindo como a “rainha Ester” – que entendeu o objetivo Divino ao ser agraciada com posto tão elevado na potência mundial da época – preferiu agir como uma ativista “LGBTQI” reafirmando na ONU “o compromisso de combater a discriminação e a violência contra a comunidade LGBTQI[8]. O único evento trágico internacional que despertou a sensibilidade denunciativa da ministra foi a turbulência na Venezuela, momento em que o discurso ganhou um “tom emotivo” para posar de “humanista”, já que o derramamento covarde e sistemático de “sangue cristão” não merece o empenho de combate da comunidade internacional. Ou seja, de nada valeu minha constante súplica à ministra quando era assessora de Magno Malta informando os horrores perpetrados contra cristãos no mundo muçulmano. Ela não conseguiu exercer “compaixão” pelos seus irmãos de fé, talvez, pelo fato do tema não render honrarias ou votos num país de maioria cristã, onde a preocupação maior de algumas autoridades é mostrar à comunidade LGBTI que está “seguindo obedientemente suas pautas”.

O “alinhamento conservador” com as pautas da ONU comuno-islâmica

Mais grave foi Damares afirmar que o Brasil pretende se candidatar a vaga no Conselho de Direitos Humanos da ONU, violando incontestavelmente uma “promessa de campanha” do presidente Bolsonaro. E se algum incauto afirmar que essa pode ser uma “estratégia” para tentar mudar posicionamentos diversos da ONU atuando no referido Conselho na defesa de “pautas conservadoras”, tal argumento “cai por terra”, quando no primeiro discurso da ministra a pauta foi eminentemente ditada por “interesses” da agenda progressista. Se houve alguma dúvida sobre essa realidade, foi sanada quando a própria Damares twitou foto sorridente ao lado do Alto Comissário da ONU para Refugiados (ACNUR), Filippo Grandi, o qual reconheceu o exemplo do Brasil no acolhimento de refugiados venezuelanos.

Política imigratória da ONU arruinando Roraima é “orgulho” para a pasta de direitos humanos

Vale explicar o “significado” desse “reconhecimento da ONU, que não orgulharia brasileiro algum com conhecimento elementar de política internacional e direitos humanos: foi a ONU que “desorientou” o Brasil em relação não apenas à perigosa Lei de Migração, mas também, à nossa política migratória. A ONU é culpada por “refugiados” terem sido agraciados com o “livre arbítrio” pertinente à decisão se queriam ou não ser vacinados  ao ingressarem pela fronteira oficial em Pacaraima. Não houve controle sanitário obrigando a vacinação porque as “questões humanitárias” da ONU estão acima da nossa soberania, e por isso, imigrantes e refugiados fazem o que querem em nosso território sem preocupação de nenhuma autoridade no tocante às epidemias importadas com a imigração em massa! Contudo, a ONU que não exigia vacinação para preservar a saúde da população de Roraima agiu de forma diferente para a “interiorização” desses venezuelanos exigindo a vacinação para enviá-los aos municípios brasileiros.

Aliás, o nobre leitor sabe que o “processo de interiorização” utilizado para assentar “refugiados” venezuelanos em municípios brasileiros só ocorreu com a “autorização da ONU”?  E “as regras” impostas para a “interiorização” previam que deveriam ser enviadas “pessoas com maior escolaridade, menos doentes”. Dá para perceber a perversidade? Os doentes e incapacitados para o trabalho deveriam ficar em Roraima, estado já depauperado pela imigração em massa e sem condições de suportar tamanho fluxo em suas fronteiras (oficial e não oficiais).

O elogio do representante da ACNUR aos “direitos humanos” do Brasil é mais do que “merecido”, pois a partir do momento que o governo continua se negando exigir da ONU a instalação de campos de refugiados para acolher os refugiados sem causar impacto destrutivo no estado, privilegia a tese da imigração em massa. Dessa forma, apesar do Brasil ter se retirado do Pacto Global de Migração, causando euforia nos “desavisados”, continua seguindo a pauta de ´promover atenção e cuidados especiais para a imigração em massa comandada pela ONU abandonando a população local. Nesse sentido, foi risível ler post nas redes do deputado federal Nicoletti (PSL/RR), anunciando que a ministra Damares o recebeu em reunião, onde entregou ofício pedindo a promoção de políticas públicas efetivas voltadas para Roraima, recebendo aprovação da ministra em relação ao seu convite para conhecer as necessidades públicas naquele estado. Esquece o parlamentar, que sem controles de segurança e sanitário na fronteira – pastas que não são da alçada daquele ministério – não há resolução da situação caótica em que se encontra a sofrida população. Logo, de nada adiantará a visita de uma ministra que apoia a “política de refúgio totalitária” da ONU.

Outro motivo para a ONU “elogiar” o Brasil se dá pelo privilégio da entidade auferido em detrimento da população do estado pobre de Roraima: o Executivo Federal publicou a MP nº 860/2018 presenteando a ACNUR com doação de 15 milhões de reais, o que mostra que a “nação paga” para a ONU interferir na sua política de migração.

Enfim, assim como abordei temáticas vinculadas aos direitos humanos, poderia abordar outras pautas – de segurança pública (terrorismo), por exemplo – para mostrar que os conservadores precisam se organizar , inclusive, com aparato técnico, para trabalhar as pautas que já estão na mídia e aquelas “estrategicamente nebulosas”, caso contrário, as “contaminações progressistas” irão, aos poucos, minando o governo…

No “Brasil acima de todos”, não é apenas o ministro Sergio Moro que deve sofrer reprimendas em forma de protestos nas redes da militância conservadora, Damares e quaisquer ministros que violarem os ditames básicos que impulsionaram a vitória de Bolsonaro nas urnas, devem ser tratados de forma igualitária eivada de “rigor democrático”. A reconstrução de um país não é ofício para conservadores melindrosos!

Andréa Fernandes é jornalista, advogada, internacionalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Imagem El Pais – El País

[1] https://ecoandoavozdosmartires.wordpress.com/2017/05/10/senador-magno-malta-recebe-presidente-da-ong-evm-para-deliberar-pauta-em-defesa-dos-cristaos-perseguidos-no-mundo-muculmano/

[2] https://ecoandoavozdosmartires.wordpress.com/2016/12/01/senador-magno-malta-oficiara-o-ministerio-das-relacoes-exteriores-para-responder-postulacoes-da-ong-evm/

[3] https://exame.abril.com.br/brasil/damares-diz-a-parlamentares-nao-haver-vertente-religiosa-em-suas-falas/

[4] https://noticias.gospelmais.com.br/ministra-damares-alves-ativista-direitos-lgbt-108399.html

5] https://extra.globo.com/noticias/brasil/relator-de-acao-pedindo-criminalizacao-da-homofobia-celso-de-mello-critica-ministra-damares-alves-23453076.html

[6] https://www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao/participacao-social/old/cncd-lgbt/reunioes/pauta-001-ro

[7] https://www.mdh.gov.br/navegue-por-temas/lgbt

[8] https://www.mdh.gov.br/todas-as-noticias/2019/fevereiro/em-genebra-ministra-damares-alves-faz-apelo-por-atuacao-internacional-na-venezuela

 

Israel exige ação internacional contra o Hezbollah por construir túneis terroristas

IDF lançaram a “Operação Escudo do Norte”, com o objetivo de descobrir e eliminar os túneis de ataque construídos pelo Hezbollah do Líbano para Israel.

O governo israelense exigiu na terça-feira uma ação internacional contra o Hezbollah por construir túneis para se infiltrar e lançar ataques contra Israel.

“Esses túneis terroristas transfronteiriços foram construídos pelo Hezbollah com apoio direto e financiamento do Irã. Eles foram construídos com um objetivo em mente: atacar e matar homens, mulheres e crianças israelenses inocentes “, disse o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu no Ministério da Defesa em Tel Aviv. “Esta é uma violação grave da soberania de Israel e uma séria violação da  Resolução nº 1701 do Conselho de Segurança da ONU . É um ato inaceitável de agressão sem sentido “.

A IDF lançou a “Operação Escudo do Norte” na terça-feira para descobrir e eliminar os túneis de ataque construídos pelo Hezbollah do Líbano para Israel.

“Eu tenho uma mensagem para o povo do Líbano: o Hezbollah está colocando suas vidas em perigo”, disse Netanyahu. “Eles estão sacrificando seu bem-estar para cumprir os objetivos agressivos do Irã. Israel responsabiliza o governo libanês por todas as atividades terroristas que emanam do Líbano contra Israel “.

“Como qualquer outra nação, Israel mantém o direito de se defender. Continuaremos a fazer todo o necessário para nos defendermos dos esforços do Irã para usar o Líbano, a Síria ea Faixa de Gaza como bases terroristas avançadas para atacar Israel “.

Netanyahu acrescentou que mencionou a imposição de novas sanções contra o Hezbollah durante sua  reunião na segunda-feira  com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.

Em uma carta ao Conselho de Segurança da ONU, o embaixador israelense nas Nações Unidas, Danny Danon, exigiu o corpo mundo para condenar o Hezbollah “nos termos mais fortes possíveis” e acusou o governo libanês “desestabilização perigosa região “.

“O governo libanês deve cumprir seus compromissos internacionais e implementar integralmente as resoluções do Conselho de Segurança acima mencionadas”, escreveu ele.

“A construção destes túneis, construído pelo Hezbollah e financiado pelo Irã, juntamente com os esforços em andamento para transferir armas, convertem mísseis mísseis imprecisos e mísseis de precisão de fabricação de precisão no Líbano são uma flagrante violação da soberania de Israel . Outro estágio dos esforços contínuos do Hezbollah para expandir seu acúmulo militar e desestabilizar ainda mais a já volátil região “, acrescentou.

Os Estados Unidos também condenaram os túneis.

“Os Estados Unidos apóiam fortemente os esforços de Israel para defender sua soberania, e pedimos [ao Hezbollah] que pare seu túnel para Israel e que se abstenha de escalada e violência”, disse o Conselheiro Nacional de Segurança dos Estados Unidos, John. Bolton. “Em termos mais gerais, apelamos ao Irã e a todos os seus agentes para que parem com suas agressões e provocações regionais, que representam uma ameaça inaceitável à segurança israelense e regional”.

Imagem Isto É e informações Israel Noticias

Fome no Iêmen está prestes a ser a mais grave do mundo em 100 anos

Ao menos 22 milhões de pessoas dependem atualmente de ajuda humanitária para sobreviver no Iêmen, em guerra civil desde 2015

Iêmen, país que vive três anos de uma violenta guerra civil, está prestes a se tornar a maior crise de fome no planeta em cem anos, se os bombardeios da coalizão liderada pela Arábia Saudita, e que tem o apoio dos Estados Unidos, Reino Unido e França. O alerta veio da Organização das Nações Unidas no início desta semana. De acordo com estimativas recentes da entidade, 18 milhões de pessoas vivem em “insegurança alimentar”.

Lise Grande, diretora de ajuda humanitária da ONU no país,  prevê que a fome possa se alastrar pelo Iêmen nos próximos três meses. Atualmente, cerca de 13 milhões de pessoas estão ameaçadas de carência alimentar. “Muitos acreditavam ser inimaginável que em pleno século 21 veríamos uma crise de fome como na Etiópia e em partes da União Soviética”, disse ela em entrevista à rede de notícias BBC e repercutida pelo jornal britânico The Guardian.

Guerra no Iêmen

Um dos países mais pobres do mundo, o Iêmen está em conflito desde idos de 2015, quando rebeldes huthis se levantaram contra o presidente iemenita Abedrabbo Mansour Hadi. A guerra civil se agravou na medida em que os diferentes lados passaram a ser apoiados por diferentes potências militares em 2015. Do lado dos huthis, que conseguiram se consolidar e controlar grandes territórios no país (a capital Sana, inclusive), está o Irã e do lado do governo, que ganhou reconhecimento internacional, a coalizão saudita.

Os efeitos desse conflito na população civil têm sido devastadores. O país sofre uma série de sanções que vêm dificultando o acesso à ajuda humanitária nas áreas emergenciais, vive uma onda de recrutamento de crianças para servirem como soldados. Desde 2015, ao menos 10 mil pessoas foram mortas no conflito, 2.200 delas crianças, e 22 milhões dependem de assistência de organizações não governamentais para sobreviver.

A coalizão saudita é frequentemente acusada pelos rebeldes de engajar em bombardeios e ataques que causam fatalidades civis. Como resultado, o Conselho de Direitos Humanos da ONU começou a investigar possíveis crimes de guerra no Iêmen. Embora reconheça que as ações da coalizão são as que mais afetaram civis, o órgão nota que os rebeldes também são potencialmente culpados por esses crimes.

Com imagem e informações Exame

Enviado de Israel pede à ONU para condenar ataque terrorista palestino

Kim Levengrond Yehezkel, 28, mãe de um filho, e Ziv Hajbi, 35 anos, pai de três crianças, foram mortos a tiros por um terrorista palestino no Parque Industrial Barkan, perto da cidade de Ariel.

“Os membros do Conselho de Segurança da ONU devem condenar claramente o ataque terrorista assassino”, escreveu ele em uma carta ao conselho. “Esta é sua responsabilidade e sua obrigação para com o Oriente Médio e o mundo. E ainda mais por causa dos filhos de Kim e Ziv que ficaram órfãos “.

Ele também pediu ao presidente da Autoridade Palestina , Mahmoud Abbas, para condenar expressamente o ataque.

“Em vez de dar discursos para Israel e sugestões de blocos para acalmar a região, [Abbas] deve demonstrar uma clara e contundente ação contra os instigadores e os terroristas que vêm da maneira Autoridade Palestina,” escreveu Danon. “Financiamentos terroristas é o combustível para os ataques que ocorreram em Barkan, e só parando financiamento pode ajudar a combater o terror”.

O terrorista, Walid Ashraf Suleiman Na’alowa um palestino de 23 anos, do norte da Cisjordânia, entrou em uma fábrica onde ele trabalhava no Parque Industrial Barkan pouco antes de 08:00, armado com uma submetralhadora, de acordo O porta-voz do Exército, o tenente-coronel Jonathan Conricus.

No interior, ele amarrou e matou Yehezkel à queima-roupa, atirou em Hajbi e feriu outra funcionária, Sara Vaturi.

As forças de segurança  prenderam  o irmão e a irmã de Na’alowa na manhã de segunda-feira.

Segundo o IDF, o suspeito não tinha histórico de atividades terroristas e não estava ligado a nenhum grupo terrorista, embora vários deles aplaudissem suas ações.

Mais cedo naquele dia, ele postou em sua página no Facebook que estava “esperando por [ Allah ]”. Uma reportagem da televisão disse que ele havia  deixado uma nota de suicídio  com um amigo vários dias antes.

Levengrond Yehezkel foi enterrado em sua cidade natal de Rosh Ha’ayin no centro de Israel na noite de domingo. Ela deixou marido e um filho de 15 meses de idade.

O funeral de Hajbi ocorreu na tarde de segunda-feira na comunidade do sul de Nir Israel.

Imagem The Times of Israel e informações Israel Noticias

Por que a “direita” não insere no debate nacional o caos da imigração venezuelana em Roraima?

Por Andréa Fernandes

Tenho acompanhado as discussões que envolvem os candidatos à presidência da república e fico pasma com a falta de interesse deles e da própria imprensa de abordar as “propostas de solução” de forma acurada para a crise imigratória venezuelana que está literalmente destruindo um estado brasileiro.

Quando indagados sobre a fronteira do Brasil com a Venezuela, a resposta dos “presidenciáveis” parece até combinada: “não podemos fechar a fronteira por “questão humanitária“! E alguns ainda vão mais longe… Frisam sua indignação com a suposta “xenofobia” propalada pela imprensa, que vem continuamente acusando roraimenses de serem os “culpados” pelo acirramento da tensão com os imigrantes.

Aliás, muito antes do protesto de pacaraimenses devido consequências danosas do descontrole na fronteira – rotulado como “xenofóbico” pela mídia –  o governo federal, através do Ministério da Justiça, já havia anunciado em dezembro de 2017, uma campanha nas redes visando o suposto combate à xenofobia e intolerância contra imigrantes, tendo como lema: “Brasil, a imigração está no nosso sangue“. A campanha governamental já era um ardil que visava funcionar como “agente inibidor” de qualquer solidariedade aos roraimenses aflitos com o caos proporcionado pela imigração em massa de venezuelanos, que, inclusive, gerou a decretação de “situação de emergência social” em 4 de dezembro de 2017, “coincidentemente” no mesmo mês em que o governo federal dava início à sua temerária campanha. Afinal de contas, o importante é estigmatizar como “xenófobo” todo aquele que ouse criticar a União por manter fronteira aberta num momento de saturação devido inequívoca constatação de impossibilidade de receber número tão elevado de imigrantes, independentemente da nacionalidade dos mesmos.

Além disso, a agenda perversa da ONU ditada pelo ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) deveria prevalecer, ainda que “questões  superficiais” de soberania nacional e segurança interna estivessem ameaçadas. Se o objetivo real é “dar fim às fronteiras”, por que se incomodar com a destruição de um estado pobre no Brasil? Daí, cabe ao governo “esquecer” do seu dever constitucional de proteger seus nacionais. Vale mais “zelar” pelos objetivos da ONU, ignorando a solução factível de instalação de campos de refugiados no território venezuelano com a devida proteção internacional e assistência humanitária das Nações Unidas.

Para os hipócritas, “campos de refugiados” seria um absurdo! O melhor é manter milhares de venezuelanos vivendo em condições deploráveis em “favelas” e nas ruas de um estado que já se encontra exaurido. Se Roraima “quebrar”, os verdadeiros “culpados” contam com a inoperância do nosso parlamento e Judiciário que não responsabilizarão a União Federal por uma “política migratória suicida” tal qual se dá na “civilização europeia”.

Por sua vez, a mídia faz o “trabalho sujo” de tentar calar os pouquíssimos defensores de Roraima. Ao ler os jornais, percebo a mesma “estratégia” da imprensa europeia mascarando a violência de venezuelanos e o depauperamento dos serviços públicos provocado pela falta de estrutura para receber milhares de pessoas. O foco é apenas “demonizar” os nossos irmãos roraimenses utilizando “depoimentos” de venezuelanos afirmando que estariam com “medo”, fruto da tensão vivenciada na região devido a incidência de CRIMES BÁRBAROS perpetrados por VENEZUELANOS. Na verdade, a situação é gravíssima e poderemos ver sérios conflitos, pois a população local está no auge do desespero.

O pior de tudo é perceber que lideranças políticas conservadoras nesses país não percebem que esse tema deve ser tratado IMEDIATAMENTE com PRESSÃO NAS REDES não apenas em relação ao Executivo, Legislativo e Judiciário, mas levando a questão imigratória para DEBATE.  Os “presidenciáveis” e candidatos ao parlamento na esfera federal devem se pronunciar efetivamente….  Enquanto a DIREITA se cala – na sua grande maioria – a esquerda está clamando por fronteiras abertas usando o pretexto da “assistência humanitária”, que sabemos ser falacioso! E, à exceção de Jair Bolsonaro, praticamente eliminado da campanha por “obra e graça” de covarde ação criminosa que quase o matou, TODOS os candidatos são favoráveis à imigração em massa de venezuelanos, não demonstrando preocupação mínima com a segurança e sobrevivência de uma parte da população brasileira sempre esquecida por tomadores de decisão.

Roraima é habitada por aproximadamente 576,6 mil pessoas, e na “matemática da esquerda” esse número não é relevante, visto que, contam  no futuro com “os votos” dos milhões de imigrantes que ansiosamente aguardam. Triste é perceber que a “racionalidade da direita” não enxerga a “tragédia anunciada” por acreditar que “salvar um estado” é medida que pode aguardar “o resultado” das eleições.

Espero que a “voz da consciência” grite nos “ouvidos surdos” de muitas lideranças conservadoras ao ponto de incomodá-las a usar suas redes e contatos para dar visibilidade à angústia roraimense… Depois, faltará “moral” para chorar pela “catástrofe” que se aproxima!

Andréa Fernandes – advogada, jornalista, internacionalista, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires (EVM) e líder do Movimento pelo Reconhecimento do Genocídio de Cristãos e Minorias no Oriente Médio

Imagem DefesaNet

ONU: sete mil crianças sírias vitimadas pela guerra

As Nações Unidas calculam em sete mil o número de casos de crianças mortas ou mutiladas durante a guerra da Síria. Os dados foram avançados na passada sexta-feira no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A guerra da Síria dura há sete anos. Desde então, as Nações Unidas apontam para a morte ou mutilação de sete mil crianças. No entanto, relatórios não verificados colocam o número em mais de 20 mil casos.

“Está na hora de as crianças reaverem a infância que lhes foi retirada. Têm sido utilizadas e vítimas de abusos, pelo e para o conflito, há demasiado tempo”, declarou Virginia Gamba, representante especial das Nações Unidas para Crianças e Conflitos Armados.

Durante o Conselho de Segurança, Gamba afirmou que as crianças da Síria sofreram ataques terríveis, tanto nas suas casas como nas suas comunidades, escolas, centros de detenção e campos de deslocados.

Tal como é explicado no site das Nações Unidas, em 2005 o Conselho de Segurança criou um mecanismo de monotorização e comunicação (MRM) para seis violações graves contra crianças em situações de conflito armado.

Este foi aplicado à situação síria em 2013, verificando situações de morte e mutilação, recrutamento de crianças no conflito, violência sexual, rapto, ataques em escolas e hospitais e recusa de acesso humanitário.

“Desde então, todos os anos tem havido um enorme aumento em todas as violações graves, cometidas por ambas as partes do conflito”, afirmou Virginia Gamba.
“Mera fração das violações cometidas”
Desde o início deste ano, o mecanismo verificou mais de 1200 violações graves contra crianças. Mais de 600 foram mortas e mutiladas e cerca de 180 recrutadas para o conflito.

Para além disso foram atacadas 60 escolas e 100 hospitais e outras instalações médicas.

Virginia Gamba assegura que a maior parte do recrutamento de crianças é feito por grupos não estatais, enquanto que grande parte das mortes e mutilações é atribuída ao Governo e a forças que o apoiam, como aponta a CNN.

Gamba acrescenta que se estima que uma em cada três escolas não seja utilizada, quer por estar danificada ou destruída, quer por ser utilizada como abrigo ou para propósitos militares. Cerca de 2,1 milhões de crianças sírias não vão à escola por insegurança, falta de instalações, fraca qualidade na educação e pobreza.

“Devo enfatizar que os casos documentados pelo MRM, apesar de serem verificados pelas Nações Unidas, representam uma mera fração das violações cometidas na Síria até hoje”, reforçou a representante especial das Nações Unidas.

Com imagem e informações RTP Noticias

ONU SE RECUSA A PEDIR QUE O HAMAS LIBERE CATIVOS ISRAELENSES EM GAZA

Um órgão das Nações Unidas rejeitou um texto israelense que pedia ao Hamas que libertasse os prisioneiros israelenses e os corpos dos soldados israelenses mantidos em Gaza. 

Israel introduziu o texto de uma linha em uma ampla resolução condenando as ações de Israel contra os palestinos, aprovadas na terça-feira em Nova York pelo Conselho Econômico e Social da ONU (ECOSOC), com 54 membros.

A resolução – que passou por 45-2 – não fez referência à violência do Hamas ou dos palestinos contra Israel. 

A emenda de uma linha que Israel introduziu chamou “pela libertação imediata dos civis e soldados mantidos em Gaza pelo Hamas”. 

Apenas cinco países votaram a favor da emenda israelense: Estados Unidos, Canadá, Colômbia, México e Uruguai. Outros 18 países se opuseram ao chamado para libertar os cativos israelenses. 

Cerca de 23 países se abstiveram, incluindo todos os estados membros da UE no conselho; Bélgica, República Checa, Dinamarca, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Romênia, Espanha e Grã-Bretanha. 

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Emmanuel Nahshon, atacou a UE por sua neutralidade no Twitter.

– É DIFÍCIL ACREDITAR NA ONU! Na @UNECOSOC, ontem, os membros da UE não apoiaram uma iniciativa de Israel para incluir nos habituais textos anti-Israel uma sentença pedindo a libertação imediata dos civis e soldados detidos em Gaza pelo Hamas! Decepcionante ”, escreveu Nahshon.

Emmanuel Nahshon

@EmmanuelNahshon

HARD TO BELIEVE AT THE UN! At @UNECOSOC yesterday the EU members did not support an Israel initiative to include in the usual anti Israel texts a sentence calling for the immediate release of the civilians and soldiers held in Gaza by Hamas! Disappointing. @IsraelMFA @IsraelinUN

Antes da votação, o embaixador dos EUA no ECOSOC, Kelley Currie, disse que seu país mais uma vez “conclama o Hamas a devolver os corpos de soldados das Forças de Defesa de Israel Hadar Goldin e Oron Shaul, bem como os civis israelenses Avera Mengistu e Hisham al-Sayed. , para as suas famílias imediatamente. 

Cativos israelenses no Hamas (Cortesia)Cativos israelenses no Hamas (Cortesia)

“Todos os estados-membros devem ter clareza sobre sua posição em relação ao Hamas, votando em apoio à emenda”, disse Currie. 

O embaixador das Nações Unidas Danny Danon acrescentou que os israelenses são “deficientes mentais e precisam de atenção médica imediata”. Eles [o Hamas] também se recusam a permitir visitas pela Cruz Vermelha ou qualquer outro terceiro, ou para fornecer informações sobre seu destino ou condição. ”

“Nós vemos que alguns países aqui não podem nomear o Hamas quando se trata de condenar quem é responsável por manter os corpos dos israelenses”, disse Danon. 

Os representantes palestinos disseram a Danon: “Você teria um argumento muito mais forte se Israel não retivesse dezenas de corpos palestinos … Essa prática vem acontecendo há anos”. 

“Depois de seguir essa política, torna-se mais difícil ser uma denúncia confiável”, disse o representante palestino. 

Ele falou em referência à prática de Israel, em alguns casos, de reter os corpos dos terroristas palestinos responsáveis ​​por matar israelenses. 

A pedido da UE, os Estados do ECOSOC aprovaram um texto de compromisso que falava geralmente da libertação de todos os corpos retidos como parte do conflito israelo-palestiniano.

“Deplorando a prática de reter os corpos dos mortos e pedindo a libertação dos corpos que ainda não foram devolvidos aos seus familiares, de acordo com o direito internacional humanitário e o direito dos direitos humanos, a fim de assegurar o fechamento digno de acordo com suas crenças religiosas e tradições. ” 

Após a votação, o Uruguai disse que apoiava ambas as emendas de Israel e da UE que falavam do retorno de prisioneiros ou corpos. 

“É desagradável especular ou argumentar sobre corpos. É quase imoral se não tivermos clareza sobre esses conceitos. 
“Não temos dificuldade em nomear os grupos que se recusam obstinadamente a retornar” aqueles corpos ou aquelas pessoas que podem ter “inadvertidamente” cruzado uma fronteira em uma área de conflito, disse o Uruguai.

A maior resolução pró-palestina contra Israel, aprovada pelo ECOSOC, sob as objeções apenas dos Estados Unidos e do Canadá, incluiu 22 declarações, incluindo uma convocação para cessar o acordo e acabar com todas as restrições nas passagens de Gaza. Todos os Estados membros do ECOSOC da UE apoiaram a resolução maior. 

Um representante israelense disse ao conselho que a resolução maior falhou em mencionar que “o Hamas controla Gaza através da violência, repressão, negação de direitos humanos básicos e uso indevido de recursos”. O texto também não lida com a corrupção palestina, disse ela. 

Currie disse: “A resolução e o relatório [acompanhante] são desequilibrados, e injustamente destacam Israel em um fórum que não pretende ser politizado”.

“Este documento serve apenas para inflamar os dois lados do conflito e complicar nosso objetivo comum de promover a paz israelense e palestina”, disse Currie. “Bilhões de dólares foram investidos em Gaza nos últimos 70 anos, mas como o relatório observa, ainda mais da metade da população vive abaixo da linha da pobreza.” 

O principal culpado pela situação em Gaza é o Hamas, não Israel, disse Currie. . 

“O Hamas deve reconhecer que a existência de Israel é uma realidade permanente e que a Autoridade Palestina é o corpo governante legítimo na Faixa de Gaza.

“O Hamas deveria parar de desviar fundos destinados à infra-estrutura para comprar armas ou outros usos nefastos e, em vez disso, trabalhar em prol da paz e da prosperidade de seus próprios cidadãos, em vez de nutrir seu sentimento de injustiça e violência”, disse ela. 
O representante palestino disse: “Esta não é uma resolução anti-Israel. Este é um anti-colonialismo, pró-direito à resolução de autodeterminação. 

“É porque Israel escolheu ser um poder colonial que é criticado por suas violações. Se fizer uma escolha diferente, a comunidade internacional deve empurrá-lo e forçá-lo nessa direção do que a atitude e as resoluções seriam extremamente diferentes ”, disse o representante palestino.

“A ONU pode tomar qualquer posição, exceto se opor ao colonialismo e em favor do direito de autodeterminação, ou deve abrir uma exceção porque são os palestinos e o povo palestino e é Israel”, disseram os representantes.

Com imagem Giweh e informações Jpost

A Hungria sai oficialmente do Pacto de Migração da ONU, uma vez que “incentiva a imigração”

A Hungria notificou oficialmente a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira que está deixando o processo de aprovação do Pacto Global para as Migração, disse o ministro das Relações Exteriores, Peter Szijjarto.

Ficou claro que as diferenças entre a posição da Hungria sobre a imigração e a abordagem da ONU são irreconciliáveis, disse Szijjarto em uma entrevista coletiva.

“A Hungria manterá sua posição e nenhum pacote global poderá mudar isso”, acrescentou.

Nós vemos os processos de imigração de uma perspectiva diferente”, disse ele. A ONU acredita que a imigração é inevitável, benéfica e deve ser apoiada, enquanto a Hungria considera um perigo para a Hungria e a Europa, disse ele, acrescentando que o objetivo da ONU é incentivar a imigração, enquanto o objetivo da Hungria é impedi-la.

O Pacto Global para Migração inclui alguns alvos agradáveis, como agir contra traficantes de seres humanos, mas seu efeito será contrário mesmo a esses, disse ele. Um documento que incentiva a imigração só beneficiará traficantes de seres humanos porque eles podem convencer mais pessoas a partir, dizendo que eles serão aceitos de acordo com o acordo global, disse Szijjarto.

A posição da Hungria é que seria antinatural mudar a população do continente e os esforços globais deveriam ser feitos para impedir a imigração, disse ele.

O pacto de migração inclui certas obrigações que a Hungria não estaria disposta a cumprir, como organizar sessões de treinamento para imigrantes antes de partirem e conceder subsídios aos que enviam remessas para casa, permitindo que ONGs ajudem os imigrantes a enviar reclamações, aumentando as capacidades de recepção dos imigrantes e vendo a passagem de fronteira como uma questão de direitos humanos em vez de uma questão de segurança, acrescentou.

A Hungria introduziu “medidas precisamente contrárias” para proteger a segurança dos cidadãos, disse Szijjarto
Em resposta a uma pergunta, ele disse que, considerando que os EUA nem participaram das conversações sobre o Pacto Global para Migração e vários países expressaram insatisfação no final das negociações, a Hungria provavelmente não teria nenhuma conseqüência negativa quanto ao seu anúncio.

Com imagem e informações Voice of Europe

EUA anunciam desligamento do Conselho de Direitos Humanos da ONU, citando sua “tendência crônica contra Israel”

Haley chama o corpo global de “uma fossa de preconceito político”; anuncia a saída dos Estados Unidos depois de prolongadas críticas sobre seu foco obsessivo em Israel; Oficial dos EUA diz que a mudança é “imediata”

THE TIMES OF ISRAEL– Os Estados Unidos estão se retirando do Conselho de Direitos Humanos da ONU, disse na terça-feira a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, afirmando que o corpo global é um “esbanjamento de preconceito político”.

“Damos esse passo porque nosso compromisso não nos permite continuar fazendo parte de uma organização hipócrita e egoísta que ridiculariza os direitos humanos”, disse ela em uma coletiva de imprensa anunciando a mudança.

Haley disse que se o conselho fizesse reformas, os Estados Unidos “ficariam felizes em se juntar”.

Embora os EUA possam ter permanecido como observadores não-votantes no conselho, uma autoridade dos EUA disse que se tratava de uma “retirada completa” e que os Estados Unidos estavam renunciando à sua função “imediatamente”. O funcionário não estava autorizado a comentar publicamente e insistiu no anonimato.

Autoridades dos EUA disseram na terça-feira que o governo concluiu que seus esforços para promover reformas no conselho fracassaram, e que a retirada foi o único passo que pode dar para demonstrar sua seriedade. Não ficou imediatamente claro se os EUA permaneceriam como observadores não-votantes no conselho.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, ao lado de Haley no Departamento de Estado, disse que não havia dúvida de que o conselho já teve uma “visão nobre“.

Mas hoje precisamos ser honestos ”, disse Pompeo. “O Conselho de Direitos Humanos é um pobre defensor dos direitos humanos.”

Haley e Pompeo ressaltaram que a decisão foi tomada depois de um longo ano de esforços para envergonhar o conselho de reforma e remover os Estados membros que cometem abusos.

Essas reformas foram necessárias para tornar o conselho um defensor sério dos direitos humanos”, disse Haley. “Por muito tempo, o Conselho de Direitos Humanos tem sido um protetor de violadores de direitos humanos e um escoadouro de preconceito político. Lamentavelmente, agora está claro que nosso pedido de reforma não foi atendido ”.

O órgão sediado em Genebra foi criado em 2006 para promover e proteger os direitos humanos em todo o mundo, mas seus pronunciamentos e relatórios muitas vezes enfureceram os EUA – em particular, o enfoque implacável do conselho nas políticas israelenses em relação aos palestinos.

Mas, como Haley ressaltou, Washington também acredita que não chega a criticar abusos flagrantes de oponentes americanos como Venezuela e Cuba.

“Os países têm conspirado uns com os outros para minar o atual método de seleção de membros”, disse Pompeo. “E o preconceito continuado e bem documentado do conselho contra Israel é injusto”, disse ele.

“Desde a sua criação, o conselho adotou mais resoluções condenando Israel do que contra o resto do mundo combinado”, observou ele.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, saudou a decisão dos EUA, afirmando que o conselho é “uma organização tendenciosa, hostil e anti-Israel que traiu sua missão de proteger os direitos humanos”.

Haley, que há um ano fez um alerta de que Washington faria valer sua ameaça de deixar o conselho se as reformas não fossem cumpridas, usou uma linguagem ainda mais rígida.

“Damos esse passo porque nosso compromisso não nos permite continuar fazendo parte de uma organização hipócrita e egoísta que ridiculariza os direitos humanos”, disse ela.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, lamentou a decisão dos EUA, acrescentando: “A arquitetura de direitos humanos da ONU desempenha um papel muito importante na promoção e proteção dos direitos humanos em todo o mundo”.

O embaixador de Israel na ONU Danny Danon saudou o anúncio, dizendo em um comunicado que os EUA “provaram, mais uma vez, seu compromisso com a verdade e justiça e sua relutância em permitir que o ódio cego à Israel em instituições internacionais permaneça incontestado”.

“O Conselho de Direitos Humanos tem sido o inimigo daqueles que realmente se importam com os direitos humanos ao redor do mundo”, disse Danon imediatamente após Haley falar. “Agradecemos ao presidente Donald Trump, ao secretário de Estado Mike Pompeo e à embaixadora Nikki Haley por sua liderança, e conclamamos a maioria moral da ONU a responsabilizar todas as suas instituições”.

Haley havia ameaçado se retirar do conselho em junho de 2017, a menos que fosse reformada, inclusive removendo seu mecanismo processual embutido para atacar Israel.

A “campanha implacável e patológica” do conselho contra um Estado com um forte histórico de direitos humanos “zomba não somentede Israel, mas do próprio conselho”, disse ela na ocasião durante um discurso em Genebra, horas antes de ir para Israel para sua primeira visita ao Estado judeu.

Haley listou várias condições para os EUA permanecerem no conselho, incluindo a necessidade de abolir o item 7 da Agenda (“a situação dos direitos humanos na Palestina e em outros territórios árabes ocupados”), que desde sua adoção em 2007 destacou Israel para censura perpétua, uma medida que nenhum outro país enfrenta no órgão da ONU.

“Não há razão legítima de direitos humanos para este item da agenda existir”, disse Haley no ano passado. “É a falha central que transforma o Conselho de Direitos Humanos de uma organização que pode ser uma força para o bem universal, em uma organização que está sobrecarregada por uma agenda política.”

Uma retirada total dos EUA retiraria do conselho sem um dos defensores tradicionais dos direitos humanos. Nos últimos meses, os Estados Unidos participaram de tentativas de identificar violações de direitos em lugares como o Sudão do Sul, o Congo e o Camboja.

A oposição à decisão dos defensores dos direitos humanos foi rápida. Um grupo de 12 organizações, incluindo a Save the Children, a Freedom House e a United Nations Association – EUA, disse que havia “preocupações legítimas” sobre as deficiências do conselho, mas que nenhuma delas garantiu a saída dos EUA.

“Esta decisão é contraproducente para a segurança nacional americana e os interesses da política externa e tornará mais difícil o avanço das prioridades de direitos humanos e ajuda às vítimas de abuso em todo o mundo”, disseram as organizações em um comunicado conjunto.

Adicionado Kenneth Roth, o diretor executivo da Human Rights Watch: “Todos no governo Trump parecem se preocupar com a defesa de Israel.”

O anúncio veio apenas um dia depois de o chefe de direitos humanos da ONU, Zeid Ra’ad al-Hussein, ter denunciado o governo Trump por separar crianças migrantes de seus pais.

Existem 47 países no Conselho de Direitos Humanos, eleitos pela Assembléia Geral da ONU com um número específico de cadeiras alocadas para cada região do globo. Os membros servem por períodos de três anos e podem servir apenas dois termos consecutivos.

Uma questão chave será quando uma retirada dos EUA sairá de Israel se seu maior e mais poderoso defensor abandonar seus direitos de voto ou abandonar o conselho por completo.

Desde o ano passado, o gabinete de Haley pressionou o conselho e seu chefe a não publicar um banco de dados de empresas que operam em assentamentos na Cisjordânia, a chamada “lista negra” que está preocupando Israel poderia afastar as empresas e lançar mais retaliações sobre sua presença na Cisjordânia, reivindicada por palestinos.

No mês passado, o ministro da Defesa, Avigdor Liberman, pediu que Israel e os Estados Unidos se retirassem do conselho, no que chamou de “hipocrisia” ao criticar a política israelense em de Gaza.

Mas Israel nunca foi um Estado membro do Conselho de Direitos Humanos, cujos membros são eleitos pela Assembléia Geral da ONU.

“Estamos cooperando com o conselho e temos uma embaixada nas instituições da ONU em Genebra … mas não somos membros do conselho”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Emmanuel Nahshon, na terça-feira, poucas horas antes do anúncio dos EUA.

Uma retirada dos EUA também pode ser em grande parte simbólica: o atual mandato dos Estados Unidos no conselho termina no ano que vem, quando poderá voltar ao status de observador mantido por outros países que não são membros. Nessa situação, os EUA seriam capazes de falar sobre os abusos de direitos, mas não votar.

Os Estados Unidos optaram por ficar fora do Conselho de Direitos Humanos antes: O governo do presidente George W. Bush decidiu não ser membro quando o conselho foi criado em 2006. Os EUA só entraram no órgão em 2009 sob o presidente Barack Obama.

O anúncio esperado dos EUA foi bem recebido pelo vice-ministro de Diplomacia de Israel, Michael Oren.

“Emb. Nikki Haley anunciará em breve a retirada dos Estados Unidos do Conselho de Direitos Humanos da ONU. Esta é uma resposta bem-vinda a um organismo que condenou Israel mais do que todos os outros países juntos. Os EUA agora sinalizam sua recusa em dar legitimidade ao preconceito da ONU contra Israel e os judeus”,  twittou  na terça-feira,

A reação ao movimento antecipado dos defensores dos direitos humanos foi igualmente rápida.

“A retirada da administração Trump é um triste reflexo de sua política unidimensional de direitos humanos: defender os abusos israelenses contra as críticas tem precedência acima de tudo”, disse Kenneth Roth, diretor executivo da Human Rights Watch.

“Tudo o que Trump parece se preocupar é com a defesa de Israel”, disse ele, acrescentando que caberá aos membros remanescentes garantir que o conselho aborde sérios abusos.

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, recusou-se a comentar diretamente, dizendo: “Vamos esperar para ouvir os detalhes dessa decisão antes de comentar completamente”.

Mas, ele acrescentou: “O que está claro é que o secretário-geral acredita firmemente na arquitetura de direitos humanos da ONU e na participação ativa de todos os estados membros nessa arquitetura”.

A retirada também segue as fortes críticas da ONU à política de Trump de separar crianças migrantes de suas famílias na fronteira EUA-México, embora o governo Trump ainda não tenha explicitamente citado essas críticas, manifestadas segunda-feira pelo chefe de direitos da ONU Zeid Ra’ad Al-Hussein como uma razão para sair.

Falando da política de administração de Trump, Hussein disse, “o pensamento de que qualquer estado procuraria intimidar os pais infligindo tal abuso em crianças é inconcebível.”

Desde que Trump assumiu o cargo, os Estados Unidos renunciaram à agência cultural da ONU, Unesco, cortaram o financiamento da ONU e anunciaram planos para deixar o acordo climático de Paris apoiado pela ONU.