Arquivo da tag: #pedido

União Europeia pede que Rússia pare de bombardear rebeldes na Síria

Ataques estão enfraquecendo terroristas, mas também ‘oposição moderada’. Ação pode prolongar conflito agravar situação humanitária, diz documento.

A União Europeia pediu nesta segunda-feira (12) à Rússia que “cesse imediatamente” os bombardeios contra tropas da oposição moderada na Síria, acrescentando que uma paz duradoura é impossível sob a atual liderança do presidente Bashar al-Assad.

“As recentes operações militares russas que tiveram como alvo o Daesh (Estado Islâmico) e outros grupos designados pela ONU como terroristas, mas também a oposição moderada, são fonte de uma profunda preocupação e devem cessar imediatamente”, indicaram os 28 ministros das Relações Exteriores em um comunicado.

A “escalada militar” russa, que começou a bombardear a Síria no dia 30 de setembro, “ameaça prolongar o conflito, minar o processo político, agravar a situação humanitária e aumentar a radicalização”, acrescentaram ao término de uma reunião em Luxemburgo.

Os ministros convocaram Moscou a “centralizar seus esforços no objetivo comum de alcançar uma solução política ao conflito” na Síria.

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou no domingo que a intervenção militar na Síria tem por objetivo “reforçar as autoridades legítimas e criar as condições necessárias para encontrar um compromisso político”.

Mas para os europeus “não pode haver uma paz duradoura na Síria com a liderança atual”, segundo a declaração.

A reunião dos ministros ocorre a poucos dias de uma cúpula de chefes de Estado da UE (na quinta-feira) na qual a Síria também estará na agenda.

Os ministros afirmaram que a crise se aprofundou e que é imperativo terminar com um conflito que já deixou 250.000 mortos e obrigou 12 milhares de pessoas a deixar seus lares.

“É cada vez mais urgente encontrar uma solução duradoura para colocar fim ao conflito”, acrescentam no texto, no qual convocam “um processo dirigido pelos sírios” que leve a “uma transição pacífica e inclusiva”, sem informar se Bashar al-Assad deve participar dela.

Sobre este ponto a UE está dividida. Ao chegar à reunião, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, não esclareceu a posição.

Assad, rebeldes e o Estado Islâmico
Mogherini disse que a UE colocará toda a sua energia para apoiar os esforços da ONU para alcançar a paz, “um processo no qual todos os atores relevantes devem estar ao redor da mesa”.

O secretário de Relações Exteriores britânico, Philip Hammond, disse que pode existir certa flexibilidade sobre o momento da partida de Assad, mas que existe um sério risco de que os rebeldes se unam, então, aos grupos radicais.

“Podemos ser flexíveis sobre a forma, o momento de sua partida, mas se tentarmos trabalhar com Assad lançaremos a oposição (ao regime sírio) nos braços do Estado Islâmico, o contrário do que queremos”, disse.

“Para nós está claro que não podemos trabalhar com Assad como uma solução de longo prazo para o futuro da Síria”, acrescentou.

“Nem todos estão de acordo sobre como este processo deve ser abordado”, indicou o ministro espanhol, José Manuel García Margallo.

Para García Margallo “o pior dos males seria a continuação da guerra. As outras alternativas, mesmo algumas delas sendo ruins, são melhores que esta”.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/10/uniao-europeia-pede-que-russia-pare-de-bombardear-rebeldes-na-siria.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Assembleia geral da ONU aprova pedido palestino para hastear bandeira

Palestinos são observadores na organização.
Resolução que manda hastear sua bandeira contraria Israel.

A bandeira palestina vai tremular na sede da Organização das Nações Unidas depois que a Assembleia-Geral da ONU aprovou uma resolução palestina que contraria Israel. Para os palestinos, esse foi um passo para integrar a organização. Houve 119 votos a favor, entre os 193 membros da ONU.

Os Estados Unidos e Israel ficaram entre os oito países que votaram contra a resolução elaborada pelos palestinos, que diz que as bandeiras de Estados observadores não-membros, como a Palestina, “devem ser hasteadas na sede da ONU em Nova York e nos escritórios das Nações Unidas ao lado das bandeiras dos Estados membros”.

A maioria dos 28 países da União Europeia estiveram entre as 45 nações que se abstiveram na votação. No entanto, a França e mais meia dúzia de países da região votaram a favor da resolução palestina após a divisão europeia sobre a questão.

“É um passo para o reconhecimento da Palestina como Estado membro pleno da Organização das Nações Unidas”, afirmou o primeiro-ministro palestino, Rami Hamdallah, a repórteres em Paris mais cedo nesta quinta-feira (10).

O outro único Estado observador não membro é o Vaticano, que reagiu com frieza quando os palestinos circularam pela primeira vez seu projeto de resolução no mês passado.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/assembleia-geral-da-onu-aprova-pedido-palestino-para-hastear-bandeira.html

U.S. asks Greece to deny Russian flights to Syria

The U.S. has asked Greece to deny Russia the use of its airspace for supply flights to Syria, a Greek official said on Monday, after Washington told Moscow it was deeply concerned by reports of a Russian military buildup in Syria.

The Greek foreign ministry said the request was being examined. Russian newswire RIA Novosti earlier said Greece had refused the U.S. request, adding that Russia was seeking permission to run the flights up to September 24.

Kremlin spokesman Dmitry Peskov said Moscow would not give any official reaction until there was a decision from Athens.

Russia, which has a naval maintenance facility in the Syrian port of Tartous, has sent regular flights to Latakia, which it has also used to bring home Russian nationals who want to leave.

U.S. Secretary of State John Kerry told his Russian counterpart Sergei Lavrov on Saturday that if reports of the build-up were accurate, that could further escalate the war and risk confrontation with the U.S.-led alliance that is bombing ISIS in Syria.

Read more – Russia: We never ‘concealed’ giving arms to Syria

Lavrov told Kerry it was premature to talk about Russia’s participation in military operations in Syria, a Russian foreign ministry spokeswoman told RIA Novosti on Monday.

Lavrov confirmed Russia had always provided supplies of military equipment to Syria, saying Moscow “has never concealed that it delivers military equipment to official Syrian authorities with the aim of combating terrorism.”

Russia has been a vital ally of President Bashar al-Assad throughout the war that has fractured Syria into a patchwork of areas controlled by rival armed groups, including ISIS, leaving the government in control of much of the west.

Foreign states are already deeply involved in the war that has killed a quarter of a million people. While Russia and Iran have backed Assad, rebel groups seeking to oust him have received support from governments including the U.S., Saudi Arabia and Turkey.

The Syrian army and allied rebels have lost significant amounts of territory to insurgents this year. Assad said in July the Syrian army faced a manpower problem.

https://english.alarabiya.net/en/News/2015/09/08/U-S-asks-Greece-to-deny-Russian-flights-to-Syria.html

Comissão da ONU pede que refugiados sírios não sejam expulsos

Mesmo sem entrar na Síria, comissão constata violação de direitos.
Mais de 2.000 sírios morreram no mar ao tentar fugir do conflito.

Uma comissão da ONU denunciou nesta quinta-feira (3) o fracasso da comunidade internacional em proteger os refugiados sírios e pediu aos países que não os expulsem nesse momento em que estão afluindo em grande número para a Europa.

A comissão de investigação da ONU sobre as violações dos direitos humanos na Síria não obteve a autorização de Damasco para entrar no país, mas recolheu milhares de testemunhos de vítimas, documentos e fotos usados em seu relatório.

“O painel recomenda à comunidade internacional que proteja os direitos humanos de todas as pessoas, incluindo migrantes, deslocados, solicitantes de asilo e refugiados”.

Pede aos países que “respeitem o princípio de não expulsão dos sírios porque eles têm o direito de serem reconhecidos como refugiados”, segundo a ONU.

O conflito na Síria deixou mais de 240.000 mortos, quatro milhões de refugiados e ao menos 7,6 milhões de deslocados internos.

Mortes durante fuga
Mais de 2.000 sírios morreram no mar ao tentar fugir do conflito que teve início em março de 2011 em seu país. Na quarta-feira, as imagens de um menino sírio de 3 anos encontrado morto em uma praia da Turquia provocaram comoção nas redes sociais. A família tentava reencontrar parentes no Canadá embora o pedido de asilo tivesse sido negado, de acordo com o site National Post.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/comissao-da-onu-pede-que-refugiados-sirios-nao-sejam-expulsos.html

Presidente do Iêmen pede cessar-fogo e retirada dos rebeldes

O presidente do Iêmen, Abed Rabbo Mansour Hadi, propôs um cessar-fogo de 15 dias que irá coincidir com a retirada das milícias rebeldes xiitas de todas as instituições do governo e instalações militares e de todas as cidades e províncias – mesmo aquelas das quais são originários.

A proposta de Mansour Hadi, foi entregue ao enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) ao Iêmen, Ismail Ould Cheikh Ahmed, que deve viajar para Omã para encontrar-se com representantes Houthis para discutir a questão.

A proposta sugere que os rebeldes Houthis e as tropas leais ao ex-presidente, Ali Abdullah Saleh, implementem uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que demanda o fim da violência e o retorno das negociações de paz.

A proposta de Hadi ocorre no momento em que as tropas pró-governo, apoiadas por uma coalizão liderada pela Arábia Saudita que lança ataques aéreos, reconquistou territórios estratégicos, antes em poder dos rebeldes, incluindo o importante porto de Aden, no sul do país.

“Se o cessar-fogo for violado pelas milícias Houthi, a resposta será firme”, diz a proposta.

O governo do Iêmen já havia expressado apoio a um cessar-fogo no passado, mas essa é a primeira vez que elabora uma proposta. Fonte: Associated Press.

https://br.noticias.yahoo.com/presidente-i%C3%AAmen-pede-cessar-fogo-retirada-dos-rebeldes-024800856.html

EUA pedem ajuda à Austrália para bombardear o Estado Islâmico

Os Estados Unidos pediram formalmente à Austrália que aumente a sua contribuição militar aérea na luta contra o Estado Islâmico na Síria, incluindo a possibilidade de bombardeamentos, informou a imprensa local.

O pedido foi apresentado na quinta-feira à embaixada australiana em Washington e inclui também a expansão da cobertura aérea, do recolhimento de informação e do apoio aos aviões de combate, segundo o jornal The Australian.

Atualmente, os aviões australianos participam nas operações contra o Estado Islâmico, abastecendo com combustível os aviões norte-americanos que realizam bombardeamentos na Síria.

Apesar de o pedido prever que os aviões intervenham em missões de combate, o diário precisou que este prevê também que as aeronaves entrem no espaço aéreo sírio para apoiar as operações da coligação e ajudar a perseguir os combatentes que fogem para o Iraque.

Joe Hockey, ministro das Finanças da Austrália, afirmou que existem processos próprios para gerir este tipo de pedidos mas sublinhou que o Estado Islâmico “não tem fronteiras”, e a Austrália “tem a obrigação de fazer todos o possível para deter as maldades que estão a levar a cabo”.

A Austrália destacou 400 soldados para o Iraque, incluindo 200 efetivos das suas forças especiais, além de aviões Super Hornet, Wedgetail, KC-30A como parte da sua contribuição para a coligação que luta contra o estado islâmico.

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=4739525

Turquia pede ajuda para deter combatentes do Estado Islâmico

País é a principal porta de entrada para o território sírio e já colocou mais de 12 mil pessoas em ‘lista negra’ para deter fluxo de jihadista

WASHINGTON — A Turquia pediu ajuda na terça-feira para impedir a passagem de combatentes estrangeiros através do seu território para a Síria e o Iraque, revelando que incluiu 12.800 pessoas na lista de proibição de entrada no país.

VEJA TAMBÉM

— O Oriente Médio está passando por um momento crítico — disse o ministro turco das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, durante uma reunião com o secretário americano de Estado, John Kerry, em Washington.

A Turquia é membro da Otan, faz fronteira com Síria, Iraque e Irã, e é um “parceiro essencial” na luta dos Estados Unidos contra o Estado Islâmico, afirmou Kerry.

Em março, Washington e Ancara começaram a equipar e treinar milhares de rebeldes sírios moderados. Após sua formação, eles devem voltar para a Síria para lutar contra as tropas do regime de Bashar al-Assad.

Do lado oposto, as forças do Estado Islâmico “sofrem uma pressão crescente, suas lideranças foram enfraquecidas, suas finanças estão severamente afetadas e sua ideologia é odiada e está desacreditada”, disse o chefe da diplomacia americana, destacando que o Estado Islâmico agora depende muito de novos recrutas para se manter ativo, e muitos deles vêm de países do Golfo, mas também da Europa.

John Kerry advertiu que os países envolvidos devem redobrar os esforços para “dissuadir os jovens de cometerem esse erro fatal que consiste em se alistar, para, em seguida, tentar atravessar a fronteira para a Síria”.

Cavusoglu revelou que Ancara colocou 12.800 pessoas na lista de proibição de entrada para a Turquia, por medo de que elas atravessem o território para ir ao Iraque e à Síria. Além disso, acrescentou o ministro, 1.300 combatentes estrangeiros foram expulsos do país.

— A Turquia é um dos países pelos quais os combatentes estrangeiros transitam e fazemos o nosso melhor para que isso acabe — disse Cavusoglu. — Mas os países de origem dos combatentes também devem fazer o seu melhor para detê-los antes que eles saiam. Precisamos de uma melhor cooperação, e de mais informação e pesquisa.

http://oglobo.globo.com/mundo/turquia-pede-ajuda-para-deter-combatentes-do-estado-islamico-15941599

Pais de menino que morreu no atentado de Boston pedem que responsável não seja executado

Casal Bill e Denise Martin argumenta que a busca por esta punição pode levar a anos de apelações e prolongar o sofrimento.

BOSTON – Os pais do menino que se tornou a vítima fatal mais jovem do ataque à Maratona de Boston pediram aos promotores federais que desistam da tentativa de condenar um dos responsáveis à morte, em uma declaração publicada na primeira página do jornal “Boston Globe” nesta sexta-feira.

Em vez disso, Bill e Denise Martin, pais de Martin Richard, de 8 anos, exortaram o Departamento de Justiça dos Estados Unidos a fazer um acordo mediante o qual Dzhokhar Tsarnaev, que, na semana passada, foi condenado pelo ataque de 2013, abriria mão de seu direito de apelar em troca de uma pena de prisão perpétua sem possibilidade de condicional.

— Sabemos que o governo tem suas razões para querer a pena de morte, mas a busca incessante desta punição pode levar a anos de apelações e prolongar a sensação de estarmos revivendo o pior dia de nossas vidas — escreveu o casal em um comunicado intitulado “Para pôr fim à angústia, desistam da pena de morte”.

A segunda fase do julgamento de Dzhokhar deve começar na próxima terça-feira, quando o júri que condenou o checheno étnico decidirá se o sentencia à pena de morte ou à prisão perpétua.

Os promotores argumentam que Dzhokhar, que tinha 19 anos à época do atentado, merece a execução, afirmando que seu ataque teve como meta punir o país para o qual havia se mudado uma década antes do ataque, um ato que ele descreveu como vingança pelas campanhas militares dos EUA em países de maioria muçulmana.

Os advogados de defesa contrapõem que Dzhokhar não foi motivado por uma ideologia pessoal, mas que seguia o exemplo de seu irmão mais velho, Tamerlan Tsarnaev, de 26 anos. Tamerlan morreu após uma troca de tiros com a polícia quatro dias após o atentado de 15 de abril de 2013.

Carmen Ortiz, procuradora-geral do estado de Massachusetts, disse estar ciente da opinião do casal Richard e acrescentou que não pode comentar especificamente a questão da possibilidade de um acordo com os advogados de Dzhokhar.

— Importo-me profundamente com sua visão e com a visão das outras vítimas e sobreviventes — garantiu Ortiz. — À medida que o caso avançar, continuaremos a fazer tudo que pudermos para proteger e vingar os feridos e os falecidos.

Além de Martin Richard, as duas bombas mataram Krystle Campbell, de 29 anos, e Lingzi Lu, de 23 anos. Os irmãos Tsarnaev ainda mataram a tiros o policial Sean Collier, de 26 anos, três dias mais tarde. Esta semana, a irmã de Sean também pediu aos promotores que parem de buscar a pena de morte. Jane, irmã de Martin Richard, perdeu uma perna no atentado, mas sobreviveu.

http://oglobo.globo.com/mundo/pais-de-menino-que-morreu-no-atentado-de-boston-pedem-que-responsavel-nao-seja-executado-15918321

Líder do Iraque buscará armas e adiamento de pagamento em visita aos EUA

O primeiro-ministro do Iraque vai buscar ajuda do presidente Barack Obama para adquirir bilhões de dólares em drones e outras armas dos Estados Unidos para combater o Estado Islâmico durante uma visita a Washington na próxima semana, disse uma autoridade iraquiana.

Diante de uma crise de liquidez devido à queda dos preços do petróleo e um déficit orçamentário de 21 bilhões de dólares neste ano, o primeiro-ministro Haidar al-Abadi quer também adiar o pagamento dessas compras, disse o funcionário, que falou sob condição de anonimato.

Abadi está lutando contra a insurgência de militantes do Estado Islâmico, um ramo da Al Qaeda, que surgiu a partir do caos no Iraque e na vizinha Síria e tomou grande parte do norte e da área central do Iraque no ano passado.

Ao visitar Washington pela primeira vez como primeiro-ministro, ele espera convencer os Estados Unidos que o Iraque merece armas e mão de obra norte-americanas, três anos após as tropas dos EUA terem se retirado do país em dezembro de 2011, já que o inexperiente Exército iraquiano está tendo que combater o Estado Islâmico.

“O Estado Islâmico é problema de todos agora”, disse a autoridade iraquiana. “Não se pode fugir do problema se ele chega ao Canadá e vai a França”, disse em referência a ataques por pessoas influenciadas pelo Estado Islâmico ou Al Qaeda nesses países.

http://noticias.terra.com.br/mundo/oriente-medio/lider-do-iraque-buscara-armas-e-adiamento-de-pagamento-em-visita-aos-eua,6b2d95950feac410VgnCLD200000b1bf46d0RCRD.html

ONU pede trégua humanitária no Iêmen

Trégua duraria algumas horas para entrega de ajuda.
A situação piora a cada hora no país, principalmente em Áden.

A ONU pediu nesta sexta-feira uma “trégua humanitária imediata” de pelo menos algumas horas por dia no Iêmen para poder entregar ajuda humanitária.

“A situação piora a cada hora”, afirmou o coordenador da ONU para os Assuntos Humanitários, Johannes Van Der Klaauw.

“Precisamos de algumas horas ao menos por dia de pausa nos combates”, completou.

Isto permitiria aos integrantes das organizações humanitárias levar ajuda às regiões em que falta tudo, de mantimentos até água potável e remédios.

Em Áden, sul do país, “a situação é particularmente preocupante, inclusive catastrófica”, destacou Van Der Klaauw.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) informou que nos últimos 10 dias 317 iemenitas buscaram refúgio no Djibuti.

O Acnur se prepara para receber nos próximos meses 30.000 novos refugiados no Djibuti e até 100.000 na Somália, afirmou o porta-voz Adrian Edwards em Genebra.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/04/onu-pede-tregua-humanitaria-no-iemen.html