Arquivo da tag: #Pentágono

EUA reconhecem erro em ataque a hospital da MSF em Kunduz

Segundo comandante-chefe, bombardeio precisava passar por procedimento rigoroso; secretário de Defesa se diz ‘profundamente arrependido’

WASHINGTON – O comandante-chefe dos Estados Unidos no Afeganistão, John Campbell, disse nesta terça-feira que o bombardeio a um hospital da organização Médicos sem Fronteiras (MSF) em Kunduz no sábado, que matou 22 pessoas, foi um erro. Em depoimento à Comissão das Forças Armadas no Senado, Campbell confirmou que o governo afegão havia pedido ajuda das forças americanas, mas admitiu que o lançamento de bombas deveria ter passado por um procedimento rigoroso, o que não ocorreu.

— Mesmo que os afegãos tenham requisitado apoio, ainda é preciso um rigoroso procedimento americano (antes do início dos ataques) — disse Campbell à comissão. — O hospital foi atingido por engano. Nós nunca teríamos como alvo uma instalação médica protegida.

O general disse que a decisão de realizar o ataque foi tomada dentro de uma cadeia americana de comando. Respondendo a perguntas dos senadores, ele também afirmou que as forças afegãs já reconheceram ter errado outras vezes, mas demonstrou confiança de que o governo vai conseguir recuperar a cidade estratégica de Kunduz das mãos do Talibã.

Campbell disse ainda que o país precisa elaborar um novo plano para o Afeganistão, levando em conta a redução do número de soldados americanos e o aumento da insurgência e da presença da al-Qaeda.

O secretário de Defesa do país, Ash Carter, disse estar “profundamente arrependido” pelas mortes causadas no bombardeio. Segundo o chefe do Pentágono, haverá uma investigação completa.

— Ficamos profundamente arrependidos pela perda de tantas vidas inocentes. As Forças Armadas tomam o maior cuidado para prevenir mortes de civis, e temos que assumir quando cometemos erros. É isso que estamos fazendo.

Um garoto afegão ferido no ataque em Kunduz se recupera – WAKIL KOHSAR / AFP
Funcionários da MSF exigiram uma investigação independente sobre o incidente e chamaram a ação de “crime de guerra”. A presidente da organização, Joanne Liu, disse que o governo afegão informou que o Talibã estavam usando o hospital para atirar contra forças da Otan.

“Esses relatos implicam que forças afegãs e americanas, trabalhando juntas, decidiram derrubar um hospital totalmente funcional, e isso pode ser julgado como um crime de guerra”, disse Joanne em nota.

http://oglobo.globo.com/mundo/eua-reconhecem-erro-em-ataque-hospital-da-msf-em-kunduz-17698824

EUA confirmam mortes de líder do Estado Islâmico e jihadista francês

Abu Bakr al Turkmani foi da Al-Qaeda antes de se unir ao Estado Islâmico. Francês David Drugeon era especialista em explosivos e morreu em julho

Um importante líder do grupo Estado Islâmico (EI) morreu em um bombardeio aéreo da coalizão internacional no Iraque, informou nesta terça-feira (22) o Pentágono, que também confirmou a morte de um jihadista francês na Síria.

Abu Bakr al Turkmani morreu em 10 de setembro em um ataque aéreo em Tal Afar, no norte do Iraque, disse o secretário de imprensa do Pentágono Peter Cook a repórteres.

 “Ele era um emir administrativo do EI, fazia parte da Al-Qaeda no Iraque antes de unir-se ao EI e era um integrante próximo a vários importantes líderes do EI no Iraque”, disse Cook.

O responsável também confirmou a morte do jihadista francês David Drugeon, que morreu em um bombardeio aéreo perto de Aleppo, na Síria, em 5 de julho.

Drugeon era membro de uma rede de operação de veteranos da Al-Qaeda, às vezes chamados grupo Jorasan, que planeja ataques contra o Ocidente, explicou Cook.

“Como especialista em explosivos, ele treinou outros extremistas na Síria e tentava planejar outros ataques contra alvos ocidentais”, completou.

Drugeon, cuja morte foi informada pela AFP em 11 de setembro, nasceu em 1989 e havia se convertido ao Islã aos 13 anos antes de ser atraído pelo ultra-conservador movimento salafista.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/eua-confirmam-mortes-de-lider-do-estado-islamico-e-jihadista-frances.html

Pentagon: Top al-Qaeda leader killed in Syria

The alleged leader of Al-Qaeda’s Khorasan Group was killed in an air strike by the U.S.-led coalition in northern Syria, the Pentagon said Tuesday, according to Agence France-Presse.

The “kinetic strike” reportedly killed Muhsin al-Fadhli on July 8 while he was traveling in a vehicle near Sarmada, Syria, Pentagon spokesman Captain Jeff Davis said.

He did not confirm whether a drone or a manned aircraft had killed Fadhli.

Fadhli was allegedly the leader of the Khorasan Group, a group of senior Al-Qaeda members who have traveled from Central Asia and elsewhere in the Middle East to Syria to plot attacks on the West.

Officials say Khorasan is part of Al-Qaeda’s Syrian branch, Al-Nusra Front, though experts and activists cast doubt on the distinction between the two groups.

Fadhli “was a senior Al-Qaeda facilitator who was among the few trusted Al-Qaeda leaders who received advance notification of the September 11, 2001, terrorist attacks on the United States,” said Captain Jeff Davis, a Defense Department spokesman.

“His death will degrade and disrupt ongoing external operations of Al-Qaeda against the United States and its allies and partners.”

Davis, who heads the Defense Department’s press operations, said Fadhli was also involved in October 2002 attacks against US Marines on Kuwait’s Failaka Island and on the MV Limburg, a French oil tanker.

He was reported to have been previously targeted in a U.S. air strike in September, but his death was not confirmed by U.S. officials at the time.

The U.S. State Department had posted a $7 million reward for information leading to Fadhli’s death or detention.

He was wanted by law enforcement authorities in Kuwait, Saudi Arabia and the United States for terrorist activities.

The U.S. .National Counterterrorism Center has said Fadhli had become Al-Qaeda’s senior leader in Iran.

Fadhli was a major facilitator to late militant Abu Musab al-Zarqawi, who once led Al-Qaeda in Iraq, and other fighters against US and multinational forces.

He was designated by the U.S. Treasury Department for providing financial and material support to Zarqawi’s network and Al-Qaeda.

The U.N. Security Council’s Al-Qaeda Sanctions Committee cited him in 2005 for his role in planning, facilitating and financing Al-Qaeda attacks, which triggered a freeze on his assets and a travel ban.

[With AFP]

https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2015/07/22/Senior-al-Qaeda-leader-killed-in-Syria-.html

Estado Islâmico perde terreno no Iraque, mas mantém força na Síria, diz Pentágono

Grupo perdeu o controle de mais de um quarto do território que dominava no Iraque. Forças de segurança iniciam ofensiva para recuperar província de Anbar

WASHINGTON e BAGDÁ — O Pentágono afirmou nesta segunda-feira que combatentes do Estado Islâmico perderam “de 25 a 30%” do território que ocupavam no Iraque e forram empurrados para o Sul e o Oeste do país, embora ainda controlem uma longa faixa de terra que vai do Oeste e do Sul de Sinjar e passa por Mossul e Bayji.

VEJA TAMBÉM

— O Estado Islâmico não é mais a força dominante em 25 a 30% das zonas povoadas no Iraque onde antes tinha completa liberdade de circulação —declarou o coronel Steven Warren, porta-voz do departamento de Defesa dos EUA. — O Estado Islâmico agora é rechaçado lentamente, mas trata-se de um longo combate.

Segundo a agência americana, o terreno perdido pelo Estado Islâmico no Iraque desde agosto do ano passado chega 16.800 quilômetros quadrados.

Um novo mapa divulgado pela agência americana mostra que as forças de coalizão conquistaram territórios nos arredores de Tikrit, das montanhas de Sinjar e da represa de Mossul. No entanto, de acordo com Warren, o grupo ganhou terreno na Síria. Embora os combatentes tenham sido expulsos de Kobani, o Estado Islâmico conseguiu manter sua influência no país e ganhou força nos arredores do Damasco e Homs.

Ofensiva em Anbar

Forças de segurança iraquianas iniciaram uma ofensiva contra o Estado Islâmico na província de Anbar, no Oeste do país nesta segunda-feira, numa tentativa de recapturar a província. Um policial local afirmou a agências internacionais que as forças iraquianas haviam recapturado cerca de 40% da capital local, Ramadi, nesta segunda-feira, mas ainda enfrentavam dura resistência por parte dos jihadistas.

— Hoje, a província de Anbar, e em especial, Ramadi, é alvo do ataque mais agressivo em mais de um ano — afirmou o governador da província, Suhaib al-Rawi, ao canal de TV al-Hadath nesta segunda. — Precisamos de forças adicionais porque a batalha em Anbar é violenta e o Estado Islâmico está usando diferentes tipos de armas.

Embora forças de segurança tenha conquistado terreno no Iraque, importantes redutos sunitas como Anbar e a província de Nineveh, no Norte do país, permanecem sob o controle do Estado Islâmico.

http://oglobo.globo.com/mundo/estado-islamico-perde-terreno-no-iraque-mas-mantem-forca-na-siria-diz-pentagono-15863969

Acordo nuclear: Pentágono exige inspeções às instalações militares iranianas

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, disse na sexta-feira que um acordo nuclear com o Irã deve incluir inspeções às suas instalações militares, uma posição em contradição com os recentes comentários do líder supremo do Irã.

Em entrevista à CNN, Carter disse que o acordo nuclear que está sendo negociado entre os Estados Unidos, outras potências mundiais e o Irã deve incluir maneiras de verificar o cumprimento de Teerã.

“Ele não pode ser baseado na confiança. Tem que ter provisões adequadas para inspeções “, disse ele, acrescentando que inspeções” absolutamente ” teriam que incluir instalações militares.

Foi alcançado um acordo preliminar na semana passada para restringir o programa nuclear do Irã para garantir que ele não possa construir uma bomba. Um acordo final enfrenta um prazo 30 de junho e um dos principais obstáculos parece ser a questão das inspeções.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, que tem a palavra final pelo Irã sobre o acordo, na quinta-feira descartou quaisquer “medidas extraordinárias” de supervisão sobre as atividades nucleares e disse que instalações militares não podem ser inspecionadas.

Segundo documento emitido depois que foi alcançado um acordo na semana passada, na Suíça, a Agência Internacional de Energia Atômica teria acesso regular a todas as atividades nucleares do Irã.

Carter, que foi entrevistado na Coreia do Sul, também disse que os Estados Unidos possuíam uma bomba convencional, que é projetada para destruir alvos subterrâneos profundos. O Irã tem uma instalação nuclear subterrânea em Fordow.

Carter disse que se empregar uma opção militar só traria retrocesso no programa nuclear de Teerã por um ano. Ele observou que é aproximadamente a mesma quantidade de tempo que levaria Teerã para construir uma bomba em caso de quebra do acordo que está sendo negociado.

http://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2015/04/10/PLO-against-Syrian-army-drive-into-Yarmouk-camp.html

Estado Islâmico pede que apoiadores matem 100 militares nos EUA

Grupo divulgou lista de nomes, fotos e endereços de militares.
Grupo diz que invadiu servidores e e-mails para obter dados.

O Estado Islâmico publicou na internet o que diz serem os nomes, fotos e endereços nos EUA de 100 militares norte-americanos e pediu que seus “irmãos residentes na América” os matem.

O Pentágono disse, depois que a informação foi publicada na internet, que está investigando o assunto. “Nós não podemos confirmar a veracidade da informação, mas estamos analisando o assunto”, disse neste sábado (21) um oficial da defesa norte-americana, falando sob condição de anonimato.

“Nós sempre estimulamos nossas equipes a adotarem a adequada segurança de operação e os procedimentos de proteção contra ataques”, disse o oficial.

Na postagem, o grupo que se denomina “Divisão de Hackers do Estado Islâmico” escreveu em inglês que havia invadido diversos servidores, bancos de dados e e-mails de militares e tornado públicas informações sobre 100 membros das forças armadas norte-americanas para que “lobos solitários” pudessem matá-los.

O jornal “The New York Times” disse que a informação não parecia ter sido obtida em servidores do governo dos EUA e citou uma fonte anônima do Departamento de Defesa que disse que a maior parte dessas informações poderia ser encontrada em registro públicos, mídias sociais e sites de busca de endereços.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/03/estado-islamico-pede-que-apoiadores-matem-100-militares-nos-eua.html

Ataque de drone dos EUA mata líder da Al Shabaab, diz Pentágono

Um ataque de um drone norte-americano no sul da Somália matou Adnan Garaar, líder do grupo militante Al Shabaab, afirmou o Pentágono nesta quarta-feira.

O ataque ocorrido em 12 de março atingiu um veículo que transportava Garaar, uma autoridade de alto escalão da Al Shabaab suspeito de planejar o ataque de 2013 contra o shopping Westgate em Nairóbi, no Quênia, que matou 67 pessoas, acrescentou o Pentágono em comunicado.

http://noticias.terra.com.br/mundo/oriente-medio/ataque-de-drone-dos-eua-mata-lider-da-al-shabaab-diz-pentagono,c78c42d879e2c410VgnCLD200000b2bf46d0RCRD.html

EUA realiza ataque aéreo contra líder do al-Shabaab na Somália

Os Estados Unidos realizaram um ataque aéreo contra um alto líder dos radicais islâmicos ‘shebab’ na Somália e estão a avaliar os resultados da operação, anunciou hoje o Pentágono.

A operação, que não envolveu soldados norte-americanos no terreno, decorreu na quinta-feira numa estrada a sul de Mogadíscio e foi dirigida contra um “alvo de alto valor”, declarou aos jornalistas um porta-voz do Pentágono, o coronel Steven Warren.

Um responsável do Departamento de Defesa indicou à agência France Presse que o ataque foi realizado por um ‘drone’ (avião não tripulado).

“Esta operação visou a rede ‘shebab'”, adiantou Warren, indicando que o Pentágono poderá dar informações adicionais “se e quando for apropriado”.

O Pentágono recusou comentar informações de que o ataque teria visado um dos cérebros do ataque ao centro comercial Westgate, em Nairobi, em setembro de 2013, que causou 67 mortos.

Três pessoas morreram hoje e oito ficaram feridas no ataque a uma caravana oficial no nordeste do Quénia, perto da fronteira somali, segundo um responsável local, um atentado reivindicado pelos ‘shebab’.

A caravana, que transportava o governador do condado de Madera, Ali Roba, foi atacada através de lança-roquetes perto da localidade de Madera, mas o governador não foi atingido, indicou à AFP um autarca de Madera, Elvis Korir.

Contactado pela AFP, Abdulaziz Abu Musab, porta-voz militar dos ‘shebab’, reivindicou a operação, afirmando que tinham sido mortas quatro pessoas e destruídos dois veículos.

Há vários anos que os ‘shebab’ realizam ataques em países vizinhos e envolvidos militarmente contra os radicais na Somália.

Os rebeldes ‘shebab’, que em 2012 anunciaram a sua adesão formal à Al-Qaida, já controlaram quase todo o centro e sul da Somália, mas desde agosto de 2011 que têm sofrido uma série de desastres militares.

Ainda assim continuam a ser a principal ameaça à paz na Somália, país em que as primeiras eleições multipartidárias por sufrágio universal em mais de 40 anos estão previstas para 2016. Desde a queda do regime autoritário do presidente Siad Barre em 1991 que o país vive em guerra civil.

http://www.dnoticias.pt/actualidade/mundo/504286-eua-realizam-ataque-aereo-contra-responsavel-dos-shebab-na-somalia