Arquivo da tag: #perseguição aos cristãos

Juiz bloqueia a tentativa dos EUA de enviar cristãos iraquianos de volta ao Estado islâmico

Esta é uma boa notícia, mas esses procedimentos de deportação precisam ser anulados. Trump estava inicialmente determinado a assegurar que os refugiados da perseguição muçulmana recebessem tratamento preferencial. Quem está fazendo isso acontecer provavelmente tentará punir esses cristãos caldeus por se opor à construção de uma mega-mesquita em Sterling Heights, Michigan. Esta pessoa deve ser identificada e despedida. Trump pode não saber sobre isso, mas ele é o presidente dos Estados Unidos. É sua responsabilidade saber, e garantir que a justiça seja feita.

Uma atualização sobre esta história . “O juiz bloqueia a tentativa dos EUA de enviar os cristãos iraquianos de volta aos perigos do ISIS”, de Andy Walton, Christian Today , 23 de junho de 2017:

Um juiz do distrito federal dos EUA interveio para bloquear a deportação de mais de 100 cristãos iraquianos que foram presos no mês anterior em Michigan.

Os 114 cristãos principalmente caldeus foram interceptados porque tinham algum tipo de registro criminal, de acordo com as autoridades. Mas seus advogados afirmam que é injusto enviá-los de volta ao Iraque, onde o governo dos EUA reconheceu um genocídio contra os cristãos está ocorrendo.

A União Americana de Liberdades Civis estava lutando com o caso em nome dos cristãos e agora o juiz Mark Goldsmith suspendeu temporariamente a sua deportação. Ele ordenou um atraso de duas semanas, após o que ele irá decidir novamente.

Lee Gelernt, advogada da União Americana das Liberdades Civis, representando os iraquianos em Michigan, disse: “A ação do tribunal hoje foi legalmente correta e pode muito bem ter salvado inúmeras pessoas de abusos e possíveis mortes”.

“Muitos que foram apanhados não são criminosos endurecidos, mas durante as últimas décadas foram grandes cidadãos”, disse o bispo caldeu local em Detroit, onde há a maior comunidade de cristãos caldeus fora do Iraque ….

https://www.jihadwatch.org/2017/06/judge-blocks-us-attempt-to-send-iraqi-christians-back-to-face-the-islamic-state

Anúncios

Filipinas: Jihadistas do Estado Islâmico capturam e assassinam nove cristãos

“Os cristãos são amarrados e mortos a tiros pelos militantes do ISIS, enquanto forças especiais treinadas pelos EUA lutam para retomar a cidade sitiada das Filipinas contra os jihadistas”, de Ekin Karasin, Jay Akbar e Nic White, Daily Mail Austrália, 25 de maio de 2017:

Os militantes ligados ao ISIS capturaram nove cristãos, amarraram suas mãos e os mataram em uma cidade das Filipinas.

O grupo de Maute forçou os civis a saírem de um caminhão num ponto de verificação da estrada na cidade de Marawi na quarta-feira e os assassinou depois que foram identificados como cristãos, relataram os meios de comunicação locais.

Imagens angustiantes mostram o grupo deitado de bruços na grama, em meio a relatos de que os moradores têm medo de retirar os corpos porque os terroristas ainda estão na área.

Um policial foi capturado de forma semelhante em um posto de controle criado pelos militantes e decapitado na quarta-feira, disse o presidente Rodrigo Duterte.

Isso acontece quando 100 homens das forças especiais treinadas pelos EUA a bordo de helicópteros e tanques blindados lutaram para retomar a cidade sitiada no sul por jihadistas.

Cinco soldados e um policial morreram nos confrontos, enquanto 13 homens armados foram mortos, segundo os militares.

“Estamos enfrentando talvez 30 a 40 restantes do grupo terrorista local”, disse Jo-Ar Herrera, um porta-voz do primeiro Regimento de Infantaria do Exército ….

https://www.jihadwatch.org/2017/05/philippines-islamic-state-jihadis-capture-and-murder-nine-christians

Ataque a ônibus de cristãos coptas no Egito deixa 26 mortos

Um ataque de homens armados a um ônibus com cristãos coptas no Egito, nesta sexta-feira, deixou pelo menos 26 mortos e 25 feridos, informou o Ministério do Interior. O grupo viajava em dois ônibus e uma caminhonete em direção ao mosteiro de São Samuel, na província de Minya, 220 km ao sul do Cairo.

Sete dos feridos estão em estado grave, segundo uma fonte de segurança, e o número de vítimas fatais pode aumentar. Eles foram levados a três hospitais nos povoados de Magaga, Al Adua e Bani Mazar.

A região onde o tiroteio aconteceu abriga das maiores concentrações da minoria cristã no país, que representa 10 por cento da população de 92 milhões, além de ter cerca de 1 milhão de fiéis no resto do mundo. Os cristãos coptas foram alvo de uma série de ataques letais em meses recentes por todo o Egito e os moradores de Mynia se preocupam com o aumento da violência por parte de grupos extremistas, que queimam igrejas e locais sagrados e atacam os seguidores da religião.

As perseguições contra o grupo cresceram em 2013, quando os militares tomaram o poder do país e derrubaram o presidente Mohamed Morsi, da Irmandade Muçulmana. Determinados grupos da maioria muçulmana, como os terroristas do Estado Islâmico (EI), culpam os coptas de apoiar o golpe militar e intensificaram ataques contra eles. Aproximadamente 70 pessoas foram mortas em ataques com bombas em igrejas coptas nas cidades de Cairo, Alexandria e Tanta desde dezembro.

Todos os atentados recentes contra cristãos no Egito foram reivindicados pelo EI, mas ainda não houve declaração de responsabilidade pelo ataque desta sexta-feira.

(Com Reuters e EFE)

http://veja.abril.com.br/mundo/ataque-a-onibus-de-cristaos-coptas-no-egito-deixa-26-mortos/

Indonésia: Mais detalhes sobre a prisão de Ahok

O governador de Jacarta que é cristão, foi acusado pela comunidade muçulmana de blasfemar contra o islã

18-indonesia-multidao-unida-em-solidariedade-a-ahok
Simpatizantes se reunem em solidariedade a Ahok

Basuki Tjahaja Purnama, mais conhecido como “Ahok”, recebeu a sentença de dois anos de prisão por supostamente blasfemar contra o islã. O processo judicial teve apoio político, o que ilustra a crescente intolerância religiosa na Indonésia. Mas os grupos islâmicos não estão satisfeitos e disseram que vão lutar por uma sentença ainda mais severa. O juiz principal, Dwiarso Budi Santiarto, declarou a culpa de Ahok, dizendo: “Numa sociedade religiosa, o réu deve ter cuidado para não usar palavras com conotações negativas a respeito dos símbolos das religiões”. Outro juiz, Abdul Rosyad, acrescentou que “o réu não se sentia culpado e seu ato causou ansiedade e sofrimento aos muçulmanos”.

Como resultado, especialistas, ativistas de direitos humanos e partidários de Ahok, questionam a independência dos juízes. Ahok foi levado para uma prisão policial na periferia de Jacarta, porque muitos cidadãos permaneceram na frente do tribunal, gritando e exigindo sua libertação. A irmã do governador, Indra, disse que o único livro que ele levou consigo foi a Bíblia. “Ele adora ler a palavra, e sei que poderá orar sempre que quiser”, disse. Manifestações de solidariedade surgiram em todo o país, reunindo milhares de simpatizantes de várias origens religiosas que lamentavam “a morte da justiça”.

“O fenômeno só prova que Ahok, que é conhecido por exercer uma boa governança durante o seu mandato, não só pertence a Jacarta ou à comunidade cristã, mas a toda a Indonésia, independente de etnia ou religião”, observou um dos colaboradores da Portas Abertas. A solicitação para libertá-lo se espalhou pelas igrejas e instituições cristãs indonésias. Uma declaração que saiu no dia 10 de maio, dizia o seguinte: “O veredito dos juízes do Tribunal mostra preconceito em relação à aplicação da lei contra Ahok, que não teve a intenção de cometer blasfêmia contra o islã. Portanto, pedimos para que ele seja liberado e exonerado de todas as acusações e decisões judiciais”. Ore por Ahok e pelos demais cristãos perseguidos na Indonésia.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/05/mais-detalhes-sobre-a-prisao-de-ahok

Ahok é preso por blasfêmia

Depois de ser perseguido por radicais islâmicos e ser falsamente acusado por blasfemar contra eles, Ahok é julgado e condenado à prisão

11-indonesia-ahok-em-discurso

Em um veredicto que surpreendeu a muitos, o tribunal indonésio condenou o governador de Jacarta, Basuki Tjahaja Purnama, mais conhecido como “Ahok”, à dois anos de prisão pelo crime de blasfêmia. A sentença é maior do que os promotores pediram e a notícia foi bem recebida pelos extremistas islâmicos que se reuniram fora do tribunal para comemorar. Muitos partidários choraram. Andi*, uma muçulmana, disse que está com o coração partido. “Ele é um homem tão bom e um grande líder e não se importava com a religião das pessoas; agora ele está preso”, lamentou.

Milhares de policiais estavam nas ruas para evitar confrontos entre os apoiantes e opositores de Ahok. O processo judicial teve apoio político, o que ilustra a crescente intolerância religiosa na nação mais populosa do mundo com maioria muçulmana. De acordo com um colaborador da Portas Abertas, a acusação de blasfêmia tem sido uma arma poderosa nas mãos de grupos radicais. “Se Ahok, sendo governador, não conseguiu escapar das falsas acusações, como os cidadãos comuns vão conseguir?”, questiona.

A princípio, a condenação sugerida para o cristão de origem chinesa seria de dois anos de liberdade condicional com um possível período de um ano de prisão, caso cometesse algum crime durante a condicional. Essa recomendação de sentença foi dada, levando em consideração suas “contribuições significativas” para a capital indonésia. O juiz, no entanto, mudou o artigo do Código Penal ao julgar o caso.

O juiz-chefe, Dwiarso Budi Santiarto, disse ao tribunal: “Verificou-se que o Sr. Purnama, de forma legítima e convincente, conduziu um ato criminoso de blasfêmia, e por isso impomos a ele dois anos de prisão. Como parte de uma sociedade religiosa, o réu deve ter cuidado para não usar palavras com conotações negativas sobre os símbolos das religiões, incluindo a religião do próprio réu”. O governador foi detido logo após a leitura do veredito. Seu vice, Djarot Saiful Hidayat, governará Jacarta até o mês de outubro, quando terminaria seu mandato.

Grupos islâmicos disseram que vão pedir uma sentença ainda mais severa, pois consideraram a prisão de dois anos muito leve. Segundo a lei indonésia, a blasfémia é punível com até cinco anos de prisão. De acordo com Frankfurter Allgemeine, um jornal alemão, a decisão do tribunal foi uma “vitória para os defensores do islamismo político” e pode impulsionar as eleições presidenciais de 2019 a acontecer sob a crescente influência do islamismo radical. Ore pela Igreja Perseguida na Indonésia.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/05/ahok-e-preso-por-blasfemia

Senador Magno Malta recebe Presidente da ONG EVM para deliberar pauta em defesa dos cristãos perseguidos no mundo muçulmano

Brasília- A presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, Dra. Andréa Fernandes, esteve nessa terça-feira (09/05), em reunião com o Senador Magno Malta (ES), articulando pautas importantes sobre as temáticas perseguição religiosa e violações dos direitos humanos no mundo muçulmano, bem como outros temas importantes.

Andréa Fernandes teve acesso ao senador por intermédio da assessora do deputado federal Gilberto Nascimento, Dra. Teresinha Neves, que juntamente com a assessora do parlamentar, Dra. Damares Alves, participou da reunião. No encontro o parlamentar manifestou imediato interesse pelas pautas apresentadas pela ONG EVM e solicitou o comparecimento de Andréa ao Senado na terça-feira para acompanhar alguns procedimentos que serão perpetrados pela Dra. Damares para implementar os planos apresentados pelo parlamentar.

ONG EVM se reúne com Assessor da Bancada Evangélica para articular pautas de direitos humanos

Brasília- A presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, Dra. Andréa Fernandes, esteve nessa segunda-feira (08/05), em reunião com o assessor da Bancada Evangélica, Josué Alves, articulando pautas importantes sobre as temáticas perseguição religiosa e violações dos direitos humanos no mundo muçulmano, bem como outros temas importantes.

Josué Alves se mostrou muito prestativo ao tomar conhecimento do campo de atuação da ONG EVM e recebeu o parecer preliminar sobre o projeto de Lei de Migração elaborado por Andréa Fernandes e a jurista Cristina Bassôa de Moraes, através do qual são refutados os principais argumentos engendrados a favor da lei, abordando, ainda, as soluções viáveis para que a mesma seja rechaçada.

Andréa Fernandes e Cristina Bassôa têm se mobilizado no Parlamento no sentido de explicitar parecer técnico apontando as aberrações presentes no bojo do projeto de Lei de Migração, considerada inconstitucional pela jurista Cristina, especialista em Direito Público.

Na oportunidade, Andréa Fernandes recebeu o apoio voluntário de Bruno Dias, que dada  a capacitação em área de pesquisa acadêmica que abrange as atividades da ONG, passará a integrar o grupo de  colunistas que escrevem para o Blog Ecoando a Voz dos Mártires.

Egito: Jihadistas do Estado Islâmico assassinam cristão em barbearia

“O assassinato no fim de semana na cidade costeira de Al-Arish aconteceu um dia depois que a filial local do ISIS avisou que aumentaria os ataques contra os cristãos”.

Esse homem estava apenas fazendo seus negócios. Depois vieram os muçulmanos do Estado Islâmico. “E preparai contra eles o que quer que possais de poder e de corcéis de guerra, com os quais possais aterrorizar o inimigo de Deus e do teu inimigo, e outros além dos que não conheces, a quem Deus conhece” (Alcorão 8 : 60)

“Militantes da ISIS matam cristão no norte do Sinai”, Associated Press , 7 de maio de 2017:

Autoridades de segurança disseram que um cristão foi morto a tiros por militantes suspeitos enquanto estava dentro de uma barbearia no turbulento Sinai, no norte do Egito.

O assassinato no sábado, na cidade costeira de Al-Arish, ocorreu um dia depois que a afiliada local do ISIS alertou que aumentaria os ataques contra os cristãos.

Ayoub é pelo menos o sétimo cristão no norte do Sinai a ser morto por suspeitos militantes ISIS nos últimos meses. Os assassinatos forçaram centenas de cristãos a fugir da região. Pelo menos 75 outros foram mortos em ataques do ISIS contra igrejas desde dezembro ….

https://www.jihadwatch.org/2017/05/egypt-islamic-state-jihadis-murder-christian-in-barber-shop

Sob Obama, EUA entram na Lista de Países que Perseguem Cristãos

No Mapa da Vergonha aparecem os países que perseguem os cristãos no mundo, feito pelo International Christian Concern, no relatório de 2016.

O destaque do relatório de 2016 é que pela primeira vez os Estados Unidos, sob administração do Obama, entraram no Mapa da Vergonha.

O texto mostra uma mudança cultural no país que se volta contra os cristãos.

Os países onde há mais perseguição aos cristãos são os de praxe: Iraque, Síria e Coréia do Norte.

Vejam todo o relatório da perseguição aos cristãos, clicando aqui.

Abaixo vai o texto sobre os Estados Unidos que relata alguns casos de perseguição sofridos pelos cristãos nos Estados Unidos:

On June 11, 2016, Omar Mateen, a US-based radical Muslim, attacked a gay nightclub in Orlando, killing 49 and injuring 53 more. In a call to 911, he clearly laid out his motivation. The attack
was driven by his allegiance to ISIS and desire for retribution for attacks on ISIS. Incredibly, after the attack, numerous high profile media outlets blamed the attacks on what they perceive as the anti-LGBTQ atmosphere that Christians have created. 
In short, Christians in the US are facing constant attacks in the media, where they are portrayed as bigoted, racist, sexist, and close- minded. The characterization in the media may be translating into direct attacks as well. The First Liberty Institute, the largest legal organization in the US dedicated exclusively to protecting religious freedom, documents such actions and reports that attacks on religion doubled between 2012 and 2015.
More importantly, Christians and all religious people are being marginalized through the law.
From the case of a Christian football coach suspended for praying at the 50-yard line, to Christian business owners forced to pay a $135,000 fine for declining to bake a cake for a same-sex wedding, t
he number of troubling cases directed towards Christians has exploded.
In 2011, InterVarsity Christian Fellowship lost their official recognition as a student organization in all of their respective chapters across 23 California public colleges. This occurred because the
Christian organization required their respective leaders to uphold a doctrinal statement of Biblical principles, which allegedly conflicted with California State universities’ policies. After four years of embattled negotiations, InterVarsity regained their official recognition in June 2015.
 In 2014, Eric Walsh was terminated one week after being hired by the Georgia Department of Public Health (DPH). The basis of termination was alleged undisclosed income from prior employment in California.  However, the Georgia DPH knew that Walsh was a Christian preacher outside of work and went to great lengths to review and investigate the content of his sermons posted on YouTube. Georgia officials have even requested copies of Walsh’s sermons, despite prior statements that the termination had nothing to do with his religious views or affiliations.
Walsh is currently suing the Georgia DPH for wrongful termination and religious discrimination.
The rise of these cases stems partly from a broad cultural shift towards secularism. The Pew Foundation found that those identifying as non-religious in the US rose by seven percent, to 23 percent of the total US adult population within just seven years (2007 to 2014).
Anti-Christian entities have been able to leverage the growing secularization of society and culture to their advantage, utilizing the courts as a preferred venue to gradually marginalize and silence
Christians. Using the cudgel of “equality,” secular forces in and out of the courts have worked to create a body of law built from one bad precedent after another. Claims of intolerance and inequality are used to fundamentally distort the clear intent of the First Amendment.
 The Founders carefully and deliberately placed religious freedom as the first liberty because it encompasses several fundamental rights including thought, speech, expression, and assembly. The First Amendment explicitly grants freedom of religion, not freedom from religion. The essential aim is to protect the right of citizens to practice religion in the public square.
Decades of accumulated poor judicial decisions and precedents have twisted the First Amendment so that the courts, in defiance of the Founders, are pushing religion out of the public square, and into the small space of private expression. In essence, the courts are deciding that you only have full religious freedom and expression in the church and your home. In the public domain, your religious views and thoughts must be restrained and controlled.
This trend is extremely worrying in the country that has long held the ideal of religious liberty.
While there is no comparison between the life of a Christian in the US with persecuted believers overseas, ICC sees these worrying trends as an alarming indication of a decline in religious liberty in the United States.
FONTE: http://thyselfolord.blogspot.com.br/2017/01/sob-obama-eua-entram-na-lista-de-paises.html

Malásia: Cristãos são acusados de “enfraquecer a fé islâmica”

Um jornal local publicou um artigo afirmando que “os cristãos se infiltraram na manifestação, usando essa plataforma para desafiar e enfraquecer a fé islâmica”.

O “Bersih 5” foi um protesto democrático que ocorreu no final do ano, na Malásia, a fim de tentar “limpar” o governo da corrupção e conscientizar os cidadãos sobre os problemas atuais enfrentados pelo país. Os manifestantes reivindicaram pacificamente uma reforma no governo e exigiram também a expulsão do primeiro-ministro Najib Razak.

No dia seguinte, porém, um jornal local publicou um artigo afirmando que “os cristãos se infiltraram na manifestação, usando essa plataforma para desafiar e enfraquecer a fé islâmica”. A acusação ocorreu depois que voluntários de uma igreja distribuíram água e comida entre as pessoas. Um grupo de cristãos também usou as mídias sociais para encorajar outros cristãos a participar de Bersih 5 e eles também pediram a todos para orar pela nação.

A desconfiança da comunidade muçulmana acabou distorcendo as ações da igreja. Ore para que os cristãos malaios continuem demonstrando amor e bondade, e que os corações de muitos muçulmanos sejam tocados pelo amor de Cristo, a fim de compreenderem o motivo da fé daqueles que seguem Jesus.

Leia também
Islamização progressiva na Malásia
Igreja na Malásia não está segura

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/cristaos-sao-acusados-de-enfraquecer-a-fe-islamica