Arquivo da tag: #prisão

Mauritânia é acusada de prender e torturar ativistas antiescravagistas

A Anistia Internacional acusou as autoridades mauritanas de detenção arbitrária e tortura de ativistas antiescravistas.

Relatório divulgado pela instituição na quarta-feira tem por título “ Uma espada pairando sobre nossas cabeças”: A repressão de ativistas contra a discriminação e a escravidão na Mauritânia ”, onde se lê:“ Defensores dos direitos humanos mauritanos que falam contra práticas persistentes de escravidão e discriminação no país enfrentam prisões arbitrárias, tortura, detenção em prisões remotas e a proibição sistemática de reuniões ”.

Conforme o relatório, “as autoridades usam uma série de medidas repressivas contra ativistas antiescravistas, incluindo a proibição de protestos pacíficos, usando força excessiva contra os manifestantes, proibindo grupos de ativistas e interferindo em suas atividades”.

Leia: ativista anti-escravidão líder preso na Mauritânia

A instituição ainda denuncia que as autoridades mauritanas “não responderam adequadamente aos casos reportados de exploração, para identificar vítimas ou punir suspeitos”.  Ainda segundo a Anistia, em 2006, grupos internacionais antiescravagistas estimaram que cerca de 43.000 pessoas, ou 1% da população total do país, vivem em escravidão na Mauritânia.

O governo mauritano não se dispôs a comentar a denúncia, mas geralmente nega a existência da escravidão no país. O Estado muçulmano aboliu a escravidão em 1982.

Com informações e imagem de Middle East Monitor

Anúncios

Irã: Proeminente professor condenado à prisão

Um proeminente acadêmico iraniano foi sentenciado à 1 ano e 6 meses de prisão na terça-feira(13) apóes dar uma entrevista ao canal de notícias alemão Deutsche Welle , segundo comunicado de imprensa da DW .

Sadegh Zibakalam, professor de ciência política na Universidade de Tehran, foi encarregado de conceder uma entrevista a uma organização de notícias estrangeira na língua persa e foi acusado de fazer “propaganda contra a ordem da República Islâmica e propagação de informações falsas”, disse o comunicado.

Leia mais: terrorista morto ao esfaquear soldado próximo da residência do embaixador do Irã na Áustria

A entrevista foi concedida no dia 1º de janeiro por telefone onde o acadêmico falou sobre os protestos que estava ocorrendo no Irã. O comunicado ainda afirma que Zibakalam vai recorrer da sentença.

Com informações e imagem de Middle East Monitor

Saudita é preso por compartilhar tweets críticos ao reino

Na quarta-feira (28/02), um tribunal na Arábia Saudita  condenou a seis anos de prisão um cidadão por compartilhar comentários críticos ao reino no Twitter, segundo informou o proeminente jornal saudita Okaz.

O homem saudita, cujo nome não foi revelado, sofreu condenação por acusação de “tentar incitar a opinião pública contra o Estado” e “desafiar as decisões soberanas”.

A condenação também abrangeu as “ações” de supostamente “impugnar decisões judiciais” e “demonstrar apoio a pessoas detidas por razões relacionadas ao terrorismo e à segurança nacional”.

As críticas on line que geraram a condenação incluíam o sistema de governança “shura” da Arábia Saudita e a guerra em curso do reino contra rebeldes xiitas no Iêmen.

Além do período de prisão de seis anos, o condenado também foi proibido de usar as mídias sociais – ou a internet – por mais seis anos após sua libertação.

A sentença condenatória de quarta-feira ainda pode ser impugnada com recurso para um tribunal de apelação.

Com informações e imagem de Middle East Monitor

Bebida alcoólica e dança ocasionam prisão de dezenas de jovens no Irã

A agência de notícias iraniana ISNA do informou que a polícia prendeu 230 jovens por fazerem uso de bebida alcoólica.

 O relatório lançado na sexta-feira afirma que a polícia de Teerã efetuou a prisão de 140 jovens num jardim nos arredores de Teerã e 90 na cidade enquanto dançavam e consumia, bebida alcoólica na noite de quinta-feira.

Ingestão de bebidas alcoólicas e encontro em festas de grupos de homens e mulheres que não têm parentesco são ilegais e considerados um pecado pela sharia (lei islâmica).

 Segundo a ISNA alguns participantes da festa enviaram convite pelo Instagram para que outros se juntassem e a polícia os prendeu. Nas ações da polícia alega-se que bebidas alcoólicas e drogas psicotrópicas teriam sido confiscadas.

Com informações de Ynet News

Imagem: https://www.nytimes.com/2017/09/11/world/middleeast/iran-alcohol-rehabilitation.html

Militância LGBT, homossexuais em países muçulmanos clamam por socorro

Por Andréa Fernandes

          É estarrecedor  o silêncio da grande mídia em relação à perseguição que a comunidade LGBT vem sofrendo em países muçulmanos. Dessa forma, enquanto no Brasil as redes continuam reverberando a polêmica causada pela decisão de um juiz do Distrito Federal outorgando o direito a psicólogos de tratarem homossexuais egodistônicos que solicitem terapia, vergonhosas violações dos direitos humanos  contra  a comunidade gay em países islâmicos vem sendo ocultadas para impedir que a opinião pública global tome conhecimento do sofrimento de seres humanos discriminados e perseguidos por lutarem pelo direito à orientação sexual que lhes apraz em virtude da imposição de normas comportamentais medievais embasadas na sharia (lei islâmica).

          Logo, é difícil compreender o motivo da aguerrida militância LGBT – em sua maioria –  não denunciar estridentemente a abominável ação egípcia de prender 7 homens por portarem a bandeira do arco-íris num show da banda libanesa Mashrou’Leila[1], que tem o vocalista assumidamente homossexual. Como se não bastasse esse condenável ato, a Anistia Internacional acaba de informar que os “presos por promover desvio sexual” nas redes deverão passar por exame anal antes do julgamento. A certeza de ausência de condenação internacional é tão grande que levou a Autoridade de Medicina Forense afirmar que investigará se os presos mantiveram relações sexuais com outros homens.

          Ademais, não faltam denúncias acerca da perseguição que vem sendo promovida por autoridades contra homossexuais  desde o dia 22 de setembro logo após o show da banda libanesa, porém, a situação se torna mais crítica em razão do fundamentalismo religioso abraçado pela população cujo país é falaciosamente chamado de “moderado” numa alusão mentirosa ao inexistente respeito aos direitos humanos. A maior prova do radicalismo generalizado presente no país é a forte pressão popular com apoio da mídia conclamando a “devida punição” dos homens que ousaram desafiar o poder da sharia erguendo uma bandeira que simboliza uma aberração para o Islã ortodoxo.

          Importante ressaltar que formalmente a homossexualidade não é considerada ilegal no Egito, porém, na década de 1990, a polícia intensificou a implementação de duas leis antigas[2]. Logo, a Lei contra a “devassidão”, publicada em 1961serviu para efetuar prisões junto à comunidade LGBT, tendo sido a motivadora para a polícia invadir uma boate no Cairo e prender 52 homens.

          Conforme acontece em outros países muçulmanos, há muita dificuldade no acesso aos dados exatos que retratam a perseguição governamental aos homossexuais, porém, segundo o jornal  New York Times, até o ano de 2016 haviam pelo menos 250 pessoas da comunidade LGBT presas, muito embora algumas instituições de direitos humanos afirmem que a estimativa de encarceramentos pode representar no mínimo o dobro do número de casos que ativistas conseguem documentar.

          Geralmente, o Egito processa homossexuais com base em acusações como “imoralidade” e “devassidão”[3] e os “crimes” podem resultar em prisões de até 8 anos.  As instituições Human Rights Watch e Anistia Internacional apresentaram pedidos de cancelamento do exame anal nos detidos suspeitos de homossexualidade alegando que a prática equivale a “tortura”, porém, o governo não atendeu ao apelo de cunho humanitário.

          Inobstante a caracterização de evidente e inaceitável violação dos direitos humanos, os detidos ilegalmente no Egito não representam o nível máximo de repressão que sofrem homossexuais no mundo muçulmano. Em países como o Irã, a prática homossexual pode resultar em pena de morte por enforcamento sendo este o “fim” de milhares de pessoas que violaram as regras advindas dos escritos sagrados islâmicos.

          Logo, há que se rever a motivação da famosa “Marcha do Orgulho LGBT”, que reuniu uma multidão em SP para defender direitos, criticar o governo Temer e reivindicar Estado laico, mas, estranhamente as críticas a governantes estrangeiros se limitaram aos presidentes dos Estados Unidos e Rússia[4], mantendo-se “silente” quanto aos abusos inomináveis cometidos por Estados totalitários islâmicos. Eleger apenas dois  presidentes para serem criticados quando a Associação Internacional de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais afirma em relatório que a homossexualidade é crime em mais de 70 países [5]– quando não é criminalizada nos EUA – torna a ação de protesto praticamente inócua.

          Ora, uma das maiores manifestações do país não aproveitar o ensejo de visibilidade gigantesca da opinião pública para propiciar “voz ativa” contra a perseguição e violações de direitos humanos sofrida pela comunidade LGBT no mundo muçulmano beira a uma hipocrisia espantosa e egoísmo injustificável que está muito longe de representar “orgulho” para qualquer ativismo que realmente se preocupa com a dignidade da pessoa humana.

Será que o medo de enfrentar o poder das mesquitas vinculadas ao radicalismo é o motivo real para a covarde omissão no socorro às minorias de gênero em países que seguem piamente os ditames da sharia?

Andréa Fernandes, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, é bacharel em Direito, internacionalista, jornalista e Líder do Movimento Nacional pelo Reconhecimento do Genocídio de Cristãos e Minorias no Oriente Médio.

Imagem: https://www.thoughtco.com/what-is-jihad-2004414

[1] http://igay.ig.com.br/2017-09-30/egito-exame-anal.html.amp

[2]https://www.theguardian.com/global-development-professionals-network/2017/apr/03/jailed-for-using-grindr-homosexuality-in-egypt

[3] http://www.foxnews.com/world/2017/09/30/rights-groups-urge-egypt-to-halt-crackdown-on-homosexuals.html

[4] https://brasil.elpais.com/brasil/2017/06/18/politica/1497791801_155683.html

5] http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,ser-homossexual-e-crime-em-mais-de-70-paises-indica-relatorio,70001851321

 

Pelo menos 20 iranianos foram chicoteados por quebra de jejum no Ramadã

“Pelo menos 20 iranianos foram açoitados por quebrar o Ramadã”, de Fatih Karimov, Trend News Agency , 11 de junho de 2017 (graças à Religião da Paz ):

Pelo menos 20 cidadãos iranianos foram chicoteadas na província de Qazvin, no noroeste do país, devido à quebra do jejum do Ramadã.

Procurador da província de Qazvin, Esmail Sadeghi Niaraki disse que as pessoas mencionadas foram condenadas a multa e chicoteadas devido a comer em público durante as horas de jejum no mês do Ramadã, informou a agência de notícias Irmã, Mehr, em 11 de junho.

Ele ainda disse que até agora 90 pessoas foram presas em Qazvin devido à quebra do jejum do Ramadã, acrescentando que um tribunal especial está revendo os casos ….

Diz-se que, de acordo com a lei no Irã, as pessoas que quebram seus jejuns em público são passíveis de entre 10 a 60 dias de prisão ou 74 chicotadas.

https://www.jihadwatch.org/2017/06/at-least-20-iranians-lashed-for-breaking-ramadan-fast

O Líbano afasta os palestinos. Seus “líderes” concordaram em torná-los prisioneiros. Grupos de direitos humanos silenciosos.

Este artigo, de  The New Arab , descreve com ironia:

Os primeiros blocos de uma parede de isolamento foram erguidos ao redor do maior campo de refugiados palestinos no Líbano esta semana, como um plano entrou em vigor para construir cordões de segurança e torres de vigia em torno de Ain al-Hilweh.

O muro de segurança faz parte de um acordo entre as facções palestinas e as autoridades no Líbano, na tentativa de conter os recentes confrontos entre palestinos dentro do campo e o exército libanês, afirmam oficiais libaneses e palestinos.

O muro de isolamento está pronto para ser concluído nos próximos 15 meses, de acordo com um relatório do site de notícias al-Modon, baseado no Líbano.

“Quatro torres serão construídas”, disse o oficial do Hamas de Ain al-Hilweh, Abu Ahmad Faysal no início do mês, ao Daily Star do Líbano.

Apesar de ser aprovado pela liderança palestina em Ain al-Hilweh , localizado a sudeste da cidade portuária de Sidon, para os milhares que vivem na vida de campo superlotado só vai piorar.

Os palestinos irritados acionaram a mídia social para expressar sua frustração, chamando a torre de vigilâcia de “a muralha da vergonha” e comparando-a com medidas israelenses semelhantes.

Aqueles que residem na borda sul do acampamento manifestaram queixas porque a parede ficaria a apenas 3 metros de distância de suas casas, de acordo com relatórios sobre os planos de construção.

Eles estão literalmente construindo uma prisão ao ar livre. Os residentes não poderão sair sem permissão específica. Já os palestinos libaneses estão sofrendo de discriminação sancionada pelo Estado, e agora as coisas vão piorar.

Mas ninguém pode culpar Israel, então isso simplesmente não é novidade.

O Daily Star (Líbano) mostra que nada mudou para os palestinos há mais de 65 anos – seus chamados “líderes” cortaram seus próprios negócios para ajudar a si mesmos e depois afirmam que as pessoas os apoiam:

Após uma reunião entre o Exército e as facções palestinas na última terça-feira, uma declaração conjunta foi emitida pelo chefe das facções do campo – o primeiro de seu tipo sobre o muro proposto.

De acordo com o comunicado, o chefe das Forças de Segurança Nacional Palestinas no Líbano, o general Sobhi Abu Arab, confirmou que o povo de Ain al-Hilweh ficaria com o Exército enquanto as obras começassem.

Após as reuniões, os funcionários deixaram claro que não havia objeções ao estabelecimento do muro.

O oficial da frente democrática Fouad Othman salientou que a cooperação estava em curso em todos os aspectos da construção. “Não há objeção palestina ao muro” , disse ele ao Daily Star. “Há notas que tivemos em partes do muro,

As mentiras são risíveis, mas são suficientes para convencer as ONGs de que não há nada a ver aqui – mesmo quando os residentes se queixam amargamente.

(H / t Mark)

http://elderofziyon.blogspot.com.br/2016/11/lebanon-walls-off-palestinians-their.html#disqus_thread

Ahok é preso por blasfêmia

Depois de ser perseguido por radicais islâmicos e ser falsamente acusado por blasfemar contra eles, Ahok é julgado e condenado à prisão

11-indonesia-ahok-em-discurso

Em um veredicto que surpreendeu a muitos, o tribunal indonésio condenou o governador de Jacarta, Basuki Tjahaja Purnama, mais conhecido como “Ahok”, à dois anos de prisão pelo crime de blasfêmia. A sentença é maior do que os promotores pediram e a notícia foi bem recebida pelos extremistas islâmicos que se reuniram fora do tribunal para comemorar. Muitos partidários choraram. Andi*, uma muçulmana, disse que está com o coração partido. “Ele é um homem tão bom e um grande líder e não se importava com a religião das pessoas; agora ele está preso”, lamentou.

Milhares de policiais estavam nas ruas para evitar confrontos entre os apoiantes e opositores de Ahok. O processo judicial teve apoio político, o que ilustra a crescente intolerância religiosa na nação mais populosa do mundo com maioria muçulmana. De acordo com um colaborador da Portas Abertas, a acusação de blasfêmia tem sido uma arma poderosa nas mãos de grupos radicais. “Se Ahok, sendo governador, não conseguiu escapar das falsas acusações, como os cidadãos comuns vão conseguir?”, questiona.

A princípio, a condenação sugerida para o cristão de origem chinesa seria de dois anos de liberdade condicional com um possível período de um ano de prisão, caso cometesse algum crime durante a condicional. Essa recomendação de sentença foi dada, levando em consideração suas “contribuições significativas” para a capital indonésia. O juiz, no entanto, mudou o artigo do Código Penal ao julgar o caso.

O juiz-chefe, Dwiarso Budi Santiarto, disse ao tribunal: “Verificou-se que o Sr. Purnama, de forma legítima e convincente, conduziu um ato criminoso de blasfêmia, e por isso impomos a ele dois anos de prisão. Como parte de uma sociedade religiosa, o réu deve ter cuidado para não usar palavras com conotações negativas sobre os símbolos das religiões, incluindo a religião do próprio réu”. O governador foi detido logo após a leitura do veredito. Seu vice, Djarot Saiful Hidayat, governará Jacarta até o mês de outubro, quando terminaria seu mandato.

Grupos islâmicos disseram que vão pedir uma sentença ainda mais severa, pois consideraram a prisão de dois anos muito leve. Segundo a lei indonésia, a blasfémia é punível com até cinco anos de prisão. De acordo com Frankfurter Allgemeine, um jornal alemão, a decisão do tribunal foi uma “vitória para os defensores do islamismo político” e pode impulsionar as eleições presidenciais de 2019 a acontecer sob a crescente influência do islamismo radical. Ore pela Igreja Perseguida na Indonésia.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/05/ahok-e-preso-por-blasfemia

Etiópia: meninas cristãs são condenadas a um mês de prisão

Elas foram detidas logo após distribuírem livros cristãos escritos por um autor muito conhecido que fazia críticas ao islamismo; as famílias ficaram espantadas com o veredito do juiz.

Três adolescentes cristãs tiveram que comparecer a um Tribunal Etíope para responder às acusações de “violência religiosa”. As meninas cujos nomes foram informados somente como Eden* (15), Gifti* (14) e Mihiret* (14), juntamente com Deborah*, uma garota mais velha, foram presas após distribuírem livros cristãos escritos por um autor muito conhecido que fazia críticas ao islamismo.

Em uma breve audiência, o juiz condenou as quatro a um mês de prisão, depois de pedir ao promotor para apresentar as devidas provas. De acordo com um dos colaboradores da Portas Abertas, as meninas serão transferidas para uma prisão maior, numa cidade conhecida por Gelemiso, para cumprir pena entre os criminosos comuns, mesmo que três delas tenham idade inferior a 18 anos.

O juiz permitiu um apelo, que só poderá ser feito após a transferência. As famílias ficaram espantadas com o veredito do juiz. Muçulmanos locais disseram que o livro é um “insulto ao islã” que, inclusive, inspirou o ataque a uma igreja. A Etiópia ocupa o 18º lugar na atual Classificação da Perseguição Religiosa e está entre os países onde o cristianismo é rejeitado e muito hostilizado. Ore por essa nação.

*Nomes alterados por motivos de segurança.

Juntos pela África
Os cristãos de alguns países da África Subsaariana enfrentam uma das piores perseguições de sua história. No dia 11 de junho, data escolhida para o Domingo da Igreja Perseguida 2017, juntos faremos mais pelos nossos irmãos dessa região.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/meninas-cristas-sao-condenadas-a-um-mes-de-prisao

Segunda audiência de Yousef Nadarkhani e outros três cristãos

Eles foram acusados de agir contra a segurança nacional e agora estão sendo julgados pela justiça iraniana, mas o único crime deles é seguir a Cristo.

Aconteceu ontem a segunda audiência de quatro cristãos iranianos: Yousef Nadarkhani, Yasser Mossayebzadeh, Saheb Fadaie e Mohammad Reza Omidi. Nada de concreto foi decidido até agora. Segundo as autoridades, eles foram acusados de “agir contra a segurança nacional” e estão presos desde o dia 13 de maio. A primeira audiência aconteceu no dia 15 de outubro.

Não houve nenhum veredito após a audiência. Sabe-se que a sentença máxima é de 6 anos de prisão. Nadarkhani já esteve preso anteriormente por quase três anos pelo crime de apostasia e já enfrentou a sentença de morte, antes de sua liberação em 2012.

Em outubro, Mossayebzadeh, Fadaie e Omidi foram sentenciados também a 80 chicotadas cada um. Haverá, porém, um recurso contra esta audiência no dia 9 de fevereiro de 2017. Omidi já foi condenado 2 vezes, se houver uma terceira condenação ele poderá ser executado.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/12/segunda-audiencia-de-yousef-nadarkhani-e-outros-tres-cristaos