Arquivo da tag: #prisão

Membro do alto escalão do Hezbollah preso no Paraguai

É o empresário Eli Atarach que trabalhou para lavar dinheiro para a organização. A família Barghat está ligada à infra-estrutura de drogas e terror do Hezbollah na fronteira de três anos com o Brasil, e sua construção também está ligada à infra-estrutura terrorista contra a comunidade judaica na Argentina.

Neste ponto não há dúvida de responsabilidade do Irã e Hezbollah nos carros bombardeios à Embaixada de Israel em Buenos Aires em 17 de Março, 1992, com 29 mortos e 240 feridos, e Mutual Israelita Argentina Association (AMIA) em 18 de julho de 1994, com 85 mortos e 300 feridos. Em ambos os casos, a Tríplice Fronteira foi utilizada como centro de ligação, abrigo e logística.

Só para citar um exemplo, foi mostrado que a agência de viagens e muda Turismo Pilot em Foz do Iguaçu, de propriedade de Mohammad Youssef Abdallah e Farouk Abdul Omairi, ambos classificados como terroristas pelos Estados Unidos, foi usado para fornecer passaportes e servir como um centro de de comunicações aos perpetradores do ataque AMIA.

Graças a uma vasta rede de apoio em áreas-chave da América Latina, o Hezbollah desempenha um papel central em um novo cenário em que o tráfico de drogas e de pessoas, tráfico de armas, o comércio ilegal de cigarros, lavagem de dinheiro com as atividades comerciais e o financiamento do terror não podem mais ser tratados como fenômenos distintos.

Hezbollah fornece suporte e serviços de máfias locais e cartéis criminosos para enviar seus bens ao mercado final e lavar os rendimentos resultantes através do comércio de bens de consumo, que colhe enormes benefícios, em seguida, vai para suas atividades mortais.

O sucesso do Hezbollah na região é o resultado de uma combinação letal: a compra de influência política e impunidade através elites políticas corruptas na América Latina e sua relação com uma rede de expatriados que se envolvem em esquemas ilegais e altamente rentável, motivado por uma mistura variada de lealdades familiares, ganância, fervor religioso e oportunismo.

Com imagem e informações Israel Noticias

Anúncios

Cristãos são punidos com tortura e prisão no Irã

Mohabat News A    Prisão de Evin, também conhecida como “a fábrica de torturas do regime” e “a prisão mais notória do Irã”, atualmente conta entre seus detentos 11 cristãos sendo punidos por sua fé.

A organização anti-perseguição International Christian Concern (ICC) revelou que um dos internos , Nasser Navard Gol-Tapeh , corre o risco de “perder completamente os dentes” devido a tratamento desumano e falta de assistência médica.

Nasser foi sentenciado a uma sentença de 10 anos depois de montar um grupo de oração em sua casa.

O Irã o acusou de “agir contra a segurança nacional através da formação e estabelecimento de uma organização ilegal da igreja em sua casa” e disse que ele deve cumprir sua pena.

Seu advogado Hossein Ahmadi Niaz disse à ICC: “Meu cliente não violou nenhum dos códigos criminais e não é culpado de suas acusações.

Todos os outros cristãos presos com ele também confirmaram que todas as suas reuniões eram estritamente focadas em sua fé e adoração e nada mais.”

Ex-presos revelaram as condições angustiantes dentro da prisão, na capital do Irã.

Um disse que os prisioneiros “nunca são os mesmos” depois de experimentar a vida atrás das grades em Evin.

Ela disse: “Um dia é como um ano, alguns dias você não pode respirar porque não sabe o que vai acontecer com você no dia seguinte.

Quando as pessoas vivenciam a prisão de Evin, elas nunca mais serão as mesmas.

Ela disse que mesmo depois de ser libertado, ex-prisioneiros não podem voltar à vida normal.

Ela disse: “O estresse é demais. Nós não podemos ser as mesmas pessoas. Nós não podemos ser tão felizes quanto antes.

Não gostamos de atividades como pessoas normais, porque o tempo todo pensamos naqueles que ainda estão lá.”

Hormoz Shariat, da organização Iran Alive Ministries, também revelou como é a vida na Prisão de Evin.

Ele disse: “Geralmente, no primeiro ou segundo mês, há tortura para obter todas as informações que podem do prisioneiro.

Se o preso morre sob tortura, eles alegam que ele cometeu suicídio.

“Além disso, quando alguém é preso, outros irmãos e irmãs cortam o relacionamento  com ele e sua família por causa dos riscos de segurança. Então a pessoa e sua família se sentem abandonados e solitários. ”/  Express.co

Publicado em 21 de maio

Com imagem de Al Jazeera   e informações Mohabat

 

No Irã, cristãos convertidos enfrentam sentenças de 10 anos de prisão

Mohabat News – As igrejas católicas dentro do país são monitoradas de perto com câmeras de vigilância para garantir que os muçulmanos não entrem, e as escolas religiosas são limitadas naquilo que podem ensinar, explicou à CNA uma jornalista iraniana, Sohrab Ahmari.

Ahmari está atualmente escrevendo uma memória espiritual sobre sua própria jornada à fé católica para a Ignatius Press. Ele se converteu em 2016 depois de morar nos EUA por mais de duas décadas. Sua conversão teria sido quase impossível se ele ainda estivesse morando no Irã.

No Irã, o catolicismo é principalmente um fenômeno étnico. Há católicos armênios e assírios. Eles têm suas próprias igrejas, mas não podem evangelizar e não podem ter Bíblias em nenhum idioma além do seu”, disse Ahmari, que trabalhou para o Wall Street Journal por vários anos antes de se tornar editor sênior da revista Commentary.

A Constituição iraniana consagra o islamismo xiita como religião do Estado e relega certas outras minorias religiosas a um status protegido, mas de segunda classe, de modo que os judeus e cristãos, principalmente, são pessoas das religiões abraâmicas”, continuou ele. “Essas pessoas têm um certo grau de direitos limitados, mas também têm todos os tipos de desvantagens sociais“.

A população da república islâmica é 99% muçulmana e suas minorias religiosas reconhecidas são estritamente controladas.

O tratamento fica muito pior para grupos que o regime não reconhece como legítimos”, explicou Ahmari. Isso inclui o cristianismo evangélico e a religião bahá’í.

Depois de serem julgados como apóstatas, cristãos convertidos do islamismo têm sido submetidos a condenações cada vez mais duras, de acordo com o relatório da Comissão Internacional de Liberdade Religiosa de 2018, que observou que “muitos foram condenados a pelo menos 10 anos de prisão por suas atividades religiosas”.

Maryam Naghash Zargaran, uma cristã convertida do Islã, foi libertada da prisão em agosto de 2017, depois de cumprir mais de uma sentença de quatro anos. Mary Ann Glendon, ex-embaixadora dos EUA na Santa Sé, estava entre os que defendiam sua libertação.

Em maio de 2017, quatro cristãos evangélicos foram condenados a 10 anos de prisão por seus esforços de evangelização.

O Departamento de Estado dos EUA designou o Irã como um “país de preocupação particular” para a liberdade religiosa desde 1999.

A crescente capacidade do governo iraniano de censurar e monitorar os usuários da Internet aumenta sua capacidade de reforçar as interpretações religiosas oficiais e a repressão aos ativistas.

Durante os protestos da democracia no Irã, em janeiro de 2018, o governo interrompeu o acesso à Internet, incluindo ferramentas de comunicação de mídia social, de acordo com a USCIRF. Os iranianos protestaram com queixas econômicas e sociais.

Embora os cristãos tenham se saído muito melhor no Irã do que no vizinho Iraque, Ahmani acha importante que os católicos percebam que esses protestos foram diferentes de outras revoltas do Oriente Médio.

Há uma tendência entre alguns católicos conservadores de ver qualquer revolta ou qualquer ferida democrática em um país democrático como automaticamente ruim agora, precisamente porque eles se preocupam com essas comunidades. Eles olham o que aconteceu com o Iraque, o que está acontecendo com os coptas no Egito e eles pensam “não mais revoltas“, disse Ahmari.

O caso no Irã é diferente porque o próprio regime consagra uma espécie de supremacia islâmica e suprime as minorias de várias maneiras. As pessoas que estão subindo querem liberdade religiosa ”, continuou ele.

A liberdade religiosa e os direitos humanos foram o foco do encontro do Papa Francisco com o presidente iraniano, Hassan Rouhani, em janeiro de 2016. O Irã e a Santa Sé mantêm relações diplomáticas contínuas desde 1954.

No Vaticano, o papa Francis e Rouhani também discutiram a aplicação do Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), também conhecido como o “acordo nuclear do Irã, que entrou em vigor apenas dez dias antes da reunião.

Em 8 de maio, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, encerrou o JCPOA e re-impôs as sanções anteriormente levantadas.

“O JCPOA não conseguiu lidar com a ameaça do programa de mísseis do Irã e não incluiu um mecanismo forte o suficiente para inspeções e verificação”, segundo o comunicado da Casa Branca.

As violações dos direitos humanos do regime iraniano e a repressão contra os manifestantes também foram condenadas na declaração de 8 de maio anunciando o fim da participação dos EUA no acordo nuclear com o Irã. / Agência de notícias católica.

Além de prisão, os cristãos costuma ser torturados pelo regime, pois a fé cristã é considerada uma ameaça à segurança nacional.

Com imagem de Christians in Pakistan e informações Mohabat News 

Mauritânia é acusada de prender e torturar ativistas antiescravagistas

A Anistia Internacional acusou as autoridades mauritanas de detenção arbitrária e tortura de ativistas antiescravistas.

Relatório divulgado pela instituição na quarta-feira tem por título “ Uma espada pairando sobre nossas cabeças”: A repressão de ativistas contra a discriminação e a escravidão na Mauritânia ”, onde se lê:“ Defensores dos direitos humanos mauritanos que falam contra práticas persistentes de escravidão e discriminação no país enfrentam prisões arbitrárias, tortura, detenção em prisões remotas e a proibição sistemática de reuniões ”.

Conforme o relatório, “as autoridades usam uma série de medidas repressivas contra ativistas antiescravistas, incluindo a proibição de protestos pacíficos, usando força excessiva contra os manifestantes, proibindo grupos de ativistas e interferindo em suas atividades”.

Leia: ativista anti-escravidão líder preso na Mauritânia

A instituição ainda denuncia que as autoridades mauritanas “não responderam adequadamente aos casos reportados de exploração, para identificar vítimas ou punir suspeitos”.  Ainda segundo a Anistia, em 2006, grupos internacionais antiescravagistas estimaram que cerca de 43.000 pessoas, ou 1% da população total do país, vivem em escravidão na Mauritânia.

O governo mauritano não se dispôs a comentar a denúncia, mas geralmente nega a existência da escravidão no país. O Estado muçulmano aboliu a escravidão em 1982.

Com informações e imagem de Middle East Monitor

Irã: Proeminente professor condenado à prisão

Um proeminente acadêmico iraniano foi sentenciado à 1 ano e 6 meses de prisão na terça-feira(13) apóes dar uma entrevista ao canal de notícias alemão Deutsche Welle , segundo comunicado de imprensa da DW .

Sadegh Zibakalam, professor de ciência política na Universidade de Tehran, foi encarregado de conceder uma entrevista a uma organização de notícias estrangeira na língua persa e foi acusado de fazer “propaganda contra a ordem da República Islâmica e propagação de informações falsas”, disse o comunicado.

Leia mais: terrorista morto ao esfaquear soldado próximo da residência do embaixador do Irã na Áustria

A entrevista foi concedida no dia 1º de janeiro por telefone onde o acadêmico falou sobre os protestos que estava ocorrendo no Irã. O comunicado ainda afirma que Zibakalam vai recorrer da sentença.

Com informações e imagem de Middle East Monitor

Saudita é preso por compartilhar tweets críticos ao reino

Na quarta-feira (28/02), um tribunal na Arábia Saudita  condenou a seis anos de prisão um cidadão por compartilhar comentários críticos ao reino no Twitter, segundo informou o proeminente jornal saudita Okaz.

O homem saudita, cujo nome não foi revelado, sofreu condenação por acusação de “tentar incitar a opinião pública contra o Estado” e “desafiar as decisões soberanas”.

A condenação também abrangeu as “ações” de supostamente “impugnar decisões judiciais” e “demonstrar apoio a pessoas detidas por razões relacionadas ao terrorismo e à segurança nacional”.

As críticas on line que geraram a condenação incluíam o sistema de governança “shura” da Arábia Saudita e a guerra em curso do reino contra rebeldes xiitas no Iêmen.

Além do período de prisão de seis anos, o condenado também foi proibido de usar as mídias sociais – ou a internet – por mais seis anos após sua libertação.

A sentença condenatória de quarta-feira ainda pode ser impugnada com recurso para um tribunal de apelação.

Com informações e imagem de Middle East Monitor

Bebida alcoólica e dança ocasionam prisão de dezenas de jovens no Irã

A agência de notícias iraniana ISNA do informou que a polícia prendeu 230 jovens por fazerem uso de bebida alcoólica.

 O relatório lançado na sexta-feira afirma que a polícia de Teerã efetuou a prisão de 140 jovens num jardim nos arredores de Teerã e 90 na cidade enquanto dançavam e consumia, bebida alcoólica na noite de quinta-feira.

Ingestão de bebidas alcoólicas e encontro em festas de grupos de homens e mulheres que não têm parentesco são ilegais e considerados um pecado pela sharia (lei islâmica).

 Segundo a ISNA alguns participantes da festa enviaram convite pelo Instagram para que outros se juntassem e a polícia os prendeu. Nas ações da polícia alega-se que bebidas alcoólicas e drogas psicotrópicas teriam sido confiscadas.

Com informações de Ynet News

Imagem: https://www.nytimes.com/2017/09/11/world/middleeast/iran-alcohol-rehabilitation.html

Militância LGBT, homossexuais em países muçulmanos clamam por socorro

Por Andréa Fernandes

          É estarrecedor  o silêncio da grande mídia em relação à perseguição que a comunidade LGBT vem sofrendo em países muçulmanos. Dessa forma, enquanto no Brasil as redes continuam reverberando a polêmica causada pela decisão de um juiz do Distrito Federal outorgando o direito a psicólogos de tratarem homossexuais egodistônicos que solicitem terapia, vergonhosas violações dos direitos humanos  contra  a comunidade gay em países islâmicos vem sendo ocultadas para impedir que a opinião pública global tome conhecimento do sofrimento de seres humanos discriminados e perseguidos por lutarem pelo direito à orientação sexual que lhes apraz em virtude da imposição de normas comportamentais medievais embasadas na sharia (lei islâmica).

          Logo, é difícil compreender o motivo da aguerrida militância LGBT – em sua maioria –  não denunciar estridentemente a abominável ação egípcia de prender 7 homens por portarem a bandeira do arco-íris num show da banda libanesa Mashrou’Leila[1], que tem o vocalista assumidamente homossexual. Como se não bastasse esse condenável ato, a Anistia Internacional acaba de informar que os “presos por promover desvio sexual” nas redes deverão passar por exame anal antes do julgamento. A certeza de ausência de condenação internacional é tão grande que levou a Autoridade de Medicina Forense afirmar que investigará se os presos mantiveram relações sexuais com outros homens.

          Ademais, não faltam denúncias acerca da perseguição que vem sendo promovida por autoridades contra homossexuais  desde o dia 22 de setembro logo após o show da banda libanesa, porém, a situação se torna mais crítica em razão do fundamentalismo religioso abraçado pela população cujo país é falaciosamente chamado de “moderado” numa alusão mentirosa ao inexistente respeito aos direitos humanos. A maior prova do radicalismo generalizado presente no país é a forte pressão popular com apoio da mídia conclamando a “devida punição” dos homens que ousaram desafiar o poder da sharia erguendo uma bandeira que simboliza uma aberração para o Islã ortodoxo.

          Importante ressaltar que formalmente a homossexualidade não é considerada ilegal no Egito, porém, na década de 1990, a polícia intensificou a implementação de duas leis antigas[2]. Logo, a Lei contra a “devassidão”, publicada em 1961serviu para efetuar prisões junto à comunidade LGBT, tendo sido a motivadora para a polícia invadir uma boate no Cairo e prender 52 homens.

          Conforme acontece em outros países muçulmanos, há muita dificuldade no acesso aos dados exatos que retratam a perseguição governamental aos homossexuais, porém, segundo o jornal  New York Times, até o ano de 2016 haviam pelo menos 250 pessoas da comunidade LGBT presas, muito embora algumas instituições de direitos humanos afirmem que a estimativa de encarceramentos pode representar no mínimo o dobro do número de casos que ativistas conseguem documentar.

          Geralmente, o Egito processa homossexuais com base em acusações como “imoralidade” e “devassidão”[3] e os “crimes” podem resultar em prisões de até 8 anos.  As instituições Human Rights Watch e Anistia Internacional apresentaram pedidos de cancelamento do exame anal nos detidos suspeitos de homossexualidade alegando que a prática equivale a “tortura”, porém, o governo não atendeu ao apelo de cunho humanitário.

          Inobstante a caracterização de evidente e inaceitável violação dos direitos humanos, os detidos ilegalmente no Egito não representam o nível máximo de repressão que sofrem homossexuais no mundo muçulmano. Em países como o Irã, a prática homossexual pode resultar em pena de morte por enforcamento sendo este o “fim” de milhares de pessoas que violaram as regras advindas dos escritos sagrados islâmicos.

          Logo, há que se rever a motivação da famosa “Marcha do Orgulho LGBT”, que reuniu uma multidão em SP para defender direitos, criticar o governo Temer e reivindicar Estado laico, mas, estranhamente as críticas a governantes estrangeiros se limitaram aos presidentes dos Estados Unidos e Rússia[4], mantendo-se “silente” quanto aos abusos inomináveis cometidos por Estados totalitários islâmicos. Eleger apenas dois  presidentes para serem criticados quando a Associação Internacional de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais afirma em relatório que a homossexualidade é crime em mais de 70 países [5]– quando não é criminalizada nos EUA – torna a ação de protesto praticamente inócua.

          Ora, uma das maiores manifestações do país não aproveitar o ensejo de visibilidade gigantesca da opinião pública para propiciar “voz ativa” contra a perseguição e violações de direitos humanos sofrida pela comunidade LGBT no mundo muçulmano beira a uma hipocrisia espantosa e egoísmo injustificável que está muito longe de representar “orgulho” para qualquer ativismo que realmente se preocupa com a dignidade da pessoa humana.

Será que o medo de enfrentar o poder das mesquitas vinculadas ao radicalismo é o motivo real para a covarde omissão no socorro às minorias de gênero em países que seguem piamente os ditames da sharia?

Andréa Fernandes, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, é bacharel em Direito, internacionalista, jornalista e Líder do Movimento Nacional pelo Reconhecimento do Genocídio de Cristãos e Minorias no Oriente Médio.

Imagem: https://www.thoughtco.com/what-is-jihad-2004414

[1] http://igay.ig.com.br/2017-09-30/egito-exame-anal.html.amp

[2]https://www.theguardian.com/global-development-professionals-network/2017/apr/03/jailed-for-using-grindr-homosexuality-in-egypt

[3] http://www.foxnews.com/world/2017/09/30/rights-groups-urge-egypt-to-halt-crackdown-on-homosexuals.html

[4] https://brasil.elpais.com/brasil/2017/06/18/politica/1497791801_155683.html

5] http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,ser-homossexual-e-crime-em-mais-de-70-paises-indica-relatorio,70001851321

 

Pelo menos 20 iranianos foram chicoteados por quebra de jejum no Ramadã

“Pelo menos 20 iranianos foram açoitados por quebrar o Ramadã”, de Fatih Karimov, Trend News Agency , 11 de junho de 2017 (graças à Religião da Paz ):

Pelo menos 20 cidadãos iranianos foram chicoteadas na província de Qazvin, no noroeste do país, devido à quebra do jejum do Ramadã.

Procurador da província de Qazvin, Esmail Sadeghi Niaraki disse que as pessoas mencionadas foram condenadas a multa e chicoteadas devido a comer em público durante as horas de jejum no mês do Ramadã, informou a agência de notícias Irmã, Mehr, em 11 de junho.

Ele ainda disse que até agora 90 pessoas foram presas em Qazvin devido à quebra do jejum do Ramadã, acrescentando que um tribunal especial está revendo os casos ….

Diz-se que, de acordo com a lei no Irã, as pessoas que quebram seus jejuns em público são passíveis de entre 10 a 60 dias de prisão ou 74 chicotadas.

https://www.jihadwatch.org/2017/06/at-least-20-iranians-lashed-for-breaking-ramadan-fast

O Líbano afasta os palestinos. Seus “líderes” concordaram em torná-los prisioneiros. Grupos de direitos humanos silenciosos.

Este artigo, de  The New Arab , descreve com ironia:

Os primeiros blocos de uma parede de isolamento foram erguidos ao redor do maior campo de refugiados palestinos no Líbano esta semana, como um plano entrou em vigor para construir cordões de segurança e torres de vigia em torno de Ain al-Hilweh.

O muro de segurança faz parte de um acordo entre as facções palestinas e as autoridades no Líbano, na tentativa de conter os recentes confrontos entre palestinos dentro do campo e o exército libanês, afirmam oficiais libaneses e palestinos.

O muro de isolamento está pronto para ser concluído nos próximos 15 meses, de acordo com um relatório do site de notícias al-Modon, baseado no Líbano.

“Quatro torres serão construídas”, disse o oficial do Hamas de Ain al-Hilweh, Abu Ahmad Faysal no início do mês, ao Daily Star do Líbano.

Apesar de ser aprovado pela liderança palestina em Ain al-Hilweh , localizado a sudeste da cidade portuária de Sidon, para os milhares que vivem na vida de campo superlotado só vai piorar.

Os palestinos irritados acionaram a mídia social para expressar sua frustração, chamando a torre de vigilâcia de “a muralha da vergonha” e comparando-a com medidas israelenses semelhantes.

Aqueles que residem na borda sul do acampamento manifestaram queixas porque a parede ficaria a apenas 3 metros de distância de suas casas, de acordo com relatórios sobre os planos de construção.

Eles estão literalmente construindo uma prisão ao ar livre. Os residentes não poderão sair sem permissão específica. Já os palestinos libaneses estão sofrendo de discriminação sancionada pelo Estado, e agora as coisas vão piorar.

Mas ninguém pode culpar Israel, então isso simplesmente não é novidade.

O Daily Star (Líbano) mostra que nada mudou para os palestinos há mais de 65 anos – seus chamados “líderes” cortaram seus próprios negócios para ajudar a si mesmos e depois afirmam que as pessoas os apoiam:

Após uma reunião entre o Exército e as facções palestinas na última terça-feira, uma declaração conjunta foi emitida pelo chefe das facções do campo – o primeiro de seu tipo sobre o muro proposto.

De acordo com o comunicado, o chefe das Forças de Segurança Nacional Palestinas no Líbano, o general Sobhi Abu Arab, confirmou que o povo de Ain al-Hilweh ficaria com o Exército enquanto as obras começassem.

Após as reuniões, os funcionários deixaram claro que não havia objeções ao estabelecimento do muro.

O oficial da frente democrática Fouad Othman salientou que a cooperação estava em curso em todos os aspectos da construção. “Não há objeção palestina ao muro” , disse ele ao Daily Star. “Há notas que tivemos em partes do muro,

As mentiras são risíveis, mas são suficientes para convencer as ONGs de que não há nada a ver aqui – mesmo quando os residentes se queixam amargamente.

(H / t Mark)

http://elderofziyon.blogspot.com.br/2016/11/lebanon-walls-off-palestinians-their.html#disqus_thread