Arquivo da tag: #processo

Hungria e Polônia: “Sem refugiados, sem terror”

“WND Exclusive:” Não há refugiados, sem terror para a Polônia, Hungria “, de Liam Clancy, WND , 6 de junho de 2017 (graças à Religião da Paz ):

A Comissão Europeia lançou processos judiciais contra três Estados membros da União Européia que se recusaram a acolher refugiados.

A Polônia, a Hungria e a República Tcheca foram acusados ​​de não cumprir as suas obrigações descritas em um plano de 2015 para transferir migrantes da Itália e da Grécia, para ajudar a aliviar seu fardo.

“Lamento ver isso, apesar das repetidas chamadas para se comprometer a mudar, a República Tcheca, a Hungria e a Polônia ainda não tomaram as medidas necessárias”, disse o comissário de migração da UE, Dimitris Avramopoulos, em entrevista coletiva.

A Comissão está iniciando processos de infração contra as três nações, o que permitiria que o principal tribunal da UE impusesse multas. No entanto, a batalha legal pode demorar meses, mesmo anos, para concluir.

Os governos polonês e húngaro recusaram-se a levar alguém, enquanto a República Checa inicialmente aceitou 12 pessoas, mas já disse que não seria mais bem-vindo …

https://www.jihadwatch.org/2017/06/hungary-and-poland-no-refugees-no-terror

Anúncios

Pais alemães enfrentam tribunal por não permitirem viagem do filho para mesquita sob o comando da escola

Os pais de um adolescente alemão podem enfrentar um julgamento e uma multa por “falta às aulas” depois de se recusarem a permitir que seu filho fosse a uma mesquita local em uma excursão escolar por medo de que isso levasse à sua “doutrinação” pelos radicais islâmicos.

Reuters  – Em junho, os pais de um estudante de 13 anos se opuseram à ideia de que seu filho visitasse uma mesquita na cidade de Rendsburg, no norte da Alemanha, visita organizada como parte de uma aula de geografia.

Em uma carta ao professor citado pelo NDR, o pai do adolescente argumentou que seu filho seria “doutrinado” na mesquita. Ele prosseguiu dizendo que “há anos temos ouvido relatos de violência motivada na religião ligada ao povo islâmico”.

Uma autoridade local de educação posteriormente multou o casal em um total de € 300 ($ 328), referindo-se a regulamentos escolares e leis regionais que incluem penalidades por ausência escolar.

Quando os pais se opuseram à multa, o caso foi encaminhado a Peter Mueller-Rakow, um promotor local, que decidirá se deve ou não prosseguir com um julgamento judicial, informou Spiegel na quarta-feira.

O advogado dos pais, Alexander Heumann, argumenta que eles recusaram a viagem escolar por medo da “segurança física” de seu filho.

Negando qualquer motivação baseada na fé, ele enfatizou que o casal não pertence a nenhum grupo religioso, e são de opinião que “ninguém será forçado a ir a um lugar sagrado contra a sua boa vontade”.

Heumann, no entanto, é um ex-membro do partido Alternativa para a Alemanha, um grupo político anti-imigrante, e participou na criação da “Pegida”, um ramo do movimento de extrema-direita PEGIDA.

De acordo com o relatório da NDR, os pais encontraram-se com o advogado através do movimento “Pax Europa”, um grupo cívico que se opõe à “islamização da Europa”.

A história provocou um debate acalorado entre os usuários da mídia social, com muitos dizendo que visitar mesquitas não tem nada a ver com geografia ou aulas de escola.

“Que viagem à mesquita tem a ver com as aulas de geografia?”, Perguntou um usuário chamado Arthur Dent.

Outros compararam as ações das autoridades com a parte mais escura da história da Alemanha, com um usuário tweetando: “Visitar mesquitas é uma prioridade em nosso regime, semelhante a ter uma imagem de Fuhrer no apartamento de todos”.

“Se os pais obtiverem o veredicto do tribunal, eu vou votar na AfD”, prometeu o usuário do Twitter Sarah S.

No entanto, a diretora da escola, Renate Fritzsche, disse à NDR que a excursão à mesquita destinava-se a promover tolerância e diversidade.

“Nós também temos crianças muçulmanas conosco e os pais muçulmanos também sabem que não há exceções”, disse ela, acrescentando que as aulas de natação e educação sexual também são obrigatórias para crianças muçulmanas. “Não é responsabilidade dos pais dizer: ‘Meu filho vai assistir a essa ou aquela classe'”, afirmou Fritzsche.

O incidente certamente vai acrescentar ao debate em curso na sociedade alemã, que ainda está lutando para encontrar o equilíbrio certo entre liberdade religiosa e outras preocupações das pessoas. Os críticos da introdução do Islã como parte integrante da paisagem cultural jogam sobre os temores populares da islamização, que é alimentada pela atual crise dos imigrantes.

Algumas vozes moderadas propõem, ao invés, engajar mais os muçulmanos nas comunidades, ou mesmo elaborar uma nova versão do Islã que se adapte mais aos valores democráticos e à cultura européia.

https://www.rt.com/document/5812040dc461884f4e8b459d/amp

EUA permitem que vítimas do 11/9 processem a Arábia Saudita

EUA permitem que vítimas do 11/9 processem a Arábia Saudita.

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou, nesta sexta-feira (09/09), uma legislação que permite aos familiares das vítimas dos ataques de 11 de setembro de 2001 processarem governos estrangeiros suspeitos de apoiarem atos de terrorismo contra o país. A Casa Branca deve, no entanto, vetar e medida.

O chamado Ato da Justiça contra Apoiadores do Terrorismo (Justice Against Sponsors of Terrorism Act, em inglês) foi aprovado na Câmara por unanimidade cerca de quatro meses após a sua passagem pelo Senado. A medida tem registrado forte oposição da Arábia Saudita, de onde eram originários 15 dos 19 homens que desviaram os aviões e executaram os ataques em Nova York e Washington.

O projeto foi enviado à Casa Branca alguns dias antes do 15º aniversário dos ataques, mas a o governo do presidente Barack Obama já manifestou a sua oposição à medida por contrariar a doutrina de imunidade soberana que protege os países de recursos civis ou processos criminais.

Em maio, após a aprovação por unanimidade pelo Senado, o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, justificou a posição do governo. “Esta legislação iria alterar a lei internacional há muito em vigor sobre a imunidade soberana. E o presidente dos Estados Unidos continua a manifestar sérias preocupações de que esta legislação poderá tornar os EUA vulneráveis a outros sistemas judiciais por todo o mundo”, considerou.

De acordo com a atual lei, as vítimas de terrorismo apenas podem processar os países oficialmente designados pelo Departamento de Estado como apoiadores de terrorismo, como o Irã e a Síria. Ainda não foi provada a cumplicidade do reino saudita com os ataques da Al Qaeda e o país não foi formalmente implicado, nem designado apoiador de atividades terroristas, segundo a agência de notícias AFP.

Em fevereiro, Zacarias Moussaoui, apontado como o 20º membro dos comandos que desviaram os aviões em 2001, disse a magistrados americanos que a família real saudita doou milhões de dólares à Al Qaeda durante a década de 1990.

A embaixada saudita negou as alegações de Moussaoui. Suas declarações, porém, resultaram no retorno do debate sobre a eventual divulgação de Washington da seção de 28 páginas do Relatório da Comissão 9/11, que ainda está catalogada como secreta.

Os documentos que foram liberados e divulgados em meados de julho mostram que ao serem investigadas eventuais ligações entre o governo saudita e os ataques de 11 de setembro foram encontradas diversas suspeitas, mas não foi possível provar laços diretos.

http://www.dw.com/pt/eua-permitem-que-v%C3%ADtimas-do-11-9-processem-a-ar%C3%A1bia-saudita/a-19541306

MPF: Google é condenada por vídeos de intolerância religiosa na Internet

23 vídeos eram mantidos no YouTube com conteúdo dediscriminação contra o Islamismo.

Após ação do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal confirmou liminar ao manter a condenação da Google do Brasil por manter conteúdo de intolerância religiosa no site YouTube. Na decisão, é determinada a retirada de 23 vídeos que discriminavam o Islamismo no canal “Islamismo Assassino”.

Além da retirada do conteúdo, a sentença exige o fornecimento dos dados do responsável pelo canal: nome completo, R.G., CPF, endereço de e-mail, endereço residencial, além dos logs de acesso, incluindo endereço de IP, bem como outros dados que possibilitem a devida identificação dos envolvidos. Em caso de descumprimento, é determinada a aplicação de multa diária de R$ 10 mil.

O MPF decidiu judicializar a questão após o Google negar atender recomendação para retirada dos vídeos por vias extrajudiciais. O caso chegou à Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão após representação formulada pela Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro, com delação de suposta veiculação de discursos de ódio contra a religião islâmica em diversas páginas de internet e perfis de rede sociais diversos, reunidos no dossiê islamofobia online.

Para o MPF, os direitos e garantias fundamentais foram violadas pela Google ao manter conteúdo na Internet que deprecia e estigmatiza a denominada fé islâmica, assim como seuslíderes, seguidores, símbolos rituais e crenças, propagando verdadeiro discurso de ódio em relação ao Islamismo.

“O Brasil é um Estado laico, no qual é garantido, a todos, em igualdade de condições, a liberdade de consciência e de crença religiosa, sendo assegurado o livre exercício de cultos e a proteção dos seus locais e suas cerimônias. Apesar disso, como a Google se negou a colaborar, a via judicial se mostrou a única forma de restabelecer o exercício das liberdades fundamentais violadas ao eixo da constitucionalidade; de restaurar a dignidade de tratamento negada à religião islâmica e seus adeptos; de ver concretizados os objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil consagrados pela Constituição”, pondera a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão.

http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2016/05/26/mpf-google-e-condenada-por-videos-de-intolerancia-religiosa-na-internet/

Jovem dinamarquesa de 17 anos que usou spray de pimenta para lutar contra um estuprador, perto do centro de asilo de imigrante disse que será processada por portar a arma

  • Jovem de 17 anos foi atacada por um homem enquanto caminhava em Sondermorg
  • Ela foi derrubada ao chão pelo agressor que tentou despi-la 
  • Mas ela usou spray de pimenta contra o homem para dar fim ao ataque 
  • Como spray de pimenta é ilegal na Dinamarca, funcionários dizem que ela vai ser processada

Uma adolescente dinamarquesa que foi sexualmente agredida perto de um centro de asilo imigrante disse será processada depois de usar spray de pimenta para afastar seu agressor.

A jovem de 17 anos disse à polícia que foi alvo na cidade costeira de Sonderborg por um homem de fala Inglês, que derrubou-a no chão e tentou despi-la.

Mas ela conseguiu impedir o homem de atacá-la ainda quando pulverizou a substância nele.

No entanto, como é ilegal o uso de spray de pimenta, a adolescente enfrentará acusações. É provável que ela irá enfrentar uma multa de £ 50.

O porta-voz da polícia local, Knud Kirsten, disse à Syd TV: “É ilegal possuir e usar spray de pimenta, então ela provavelmente vai ser cobrada por isso. ‘

O homem que atacou a menina fugiu da cena e ainda não foi processado. Não está claro se o homem era um requerente de asilo ou refugiado.

No entanto, o caso provocou uma controvérsia na Dinamarca, onde tem havido crescente denúncia de assédio sexual em relação às mulheres.

No início deste mês, várias mulheres em Sønderborg relataram sensação de assédio pela natureza agressiva dos refugiados no centro de asilo local.

Essas denúncias ocorrem depois que se relatou que tem havido um número crescente de ataques sexuais por gangues de imigrantes através de um número de países europeus, incluindo a cidade alemã de Colônia.

A discoteca Buddy Holly em Sonderborg, onde os proprietários só irá admitir clientes se eles falam Inglês, Alemão ou dinamarquês 

A discoteca Buddy Holly em Sonderborg, onde os proprietários só admitirão clientes se eles falarem Inglês, Alemão ou dinamarquês

Pessoal de segurança IDs de verificação na estação de trem Kastrups fora Copenhague, na Dinamarca, onde o parlamento depois que o Parlamento aprovou leis para confiscar valor de requerentes de asilo para financiar sua manutenção

Pessoal de segurança IDs de verificação na estação de trem Kastrups Copenhague, na Dinamarca, onde o parlamento aprovou leis para confiscar valor de requerentes de asilo para financiar sua permanência no país.

Isso levou vários nightcubs em Sonderborg a impedir a entrada de pessoas a menos que elas falem dinamarquês, alemão ou Inglês.

Os requisitos linguísticos foram alegadamente postos em prática em vários estabelecimentos na sequência de relatos de “homens estrangeiros em grupos de assediando clientes do sexo feminino.

Buddy Holly, um clube nocturno em Sønderborg, perto da fronteira alemã, popular entre estudantes locais, aplica uma política linguística para todos os hóspedes, e o proprietário a defende como medida de segurança.

“Nós temos algumas regras para que os nossos hóspedes possam ter uma experiência agradável e se sentir seguros”, disse o proprietário Tom Holden à TV2, acrescentando que tem sido a política do clube há anos.

Entretanto, o Parlamento da Dinamarca votou a favor do confisco dos bens dos requerentes de asilo em um lance polêmico para reduzir os números de imigrantes que se deslocam para lá.

Sob a nova lei, os funcionários terão o poder de procurar entre os imigrantes objetos de valor e tomar dinheiro e posses que estejam acima de £ 1.000 para ajudar a pagar a sua estadia.

Apenas anéis de casamento e itens de valor sentimental serão isentos.

Os requerentes de asilo também terão que esperar três anos para os membros da família se juntar a eles no país, em vez do atual um ano.

Por JENNIFER NEWTON PARA MAILONLINE

Read more: http://www.dailymail.co.uk/news/article-3418751/Danish-17-year-old-girl-used-pepper-spray-fight-rapist-near-migrant-asylum-centre-told-prosecuted-carrying-weapon.html#ixzz3yS2q6QoQ
Follow us: @MailOnline on Twitter | DailyMail on Facebook