Arquivo da tag: #Quênia

Muçulmanos no Quênia fuzilam 6 cristãos em emboscada

 

Shoebat – Seis pessoas foram assassinadas em um ataque no norte do Quênia, perto da fronteira com a Somália, e o grupo extremista  al-Shabab alegou que tinha como alvo os cristãos.

Os atiradores alvejaram 33 não-muçulmanos que vivem em uma área residencial, mas a resposta rápida das forças de segurança salvou outras vidas, disse em um comunicado o governador Mandera County Ali Roba . Ele disse que o ataque ocorreu perto da área de Bulla no início da manhã.

O grupo estabelecido na Somália, Al-Shabab, através de sua estação de rádio Andulus, assumiu a responsabilidade. A estação citou um militante não identificado do al-Shabab dizendo: “Foi um ataque bem planejado que teve como alvo membros cristãos em Mandera.”

O porta-voz do governo do Quênia Eric Kiraithe disse que as agências de segurança tinham recebido informações de que haveria um ataque em Mandera, “mas não havia nenhuma informação específica real e precisa sobre este ataque em particular”, disse Kiraithe a repórteres.

Ele disse que os assassinos “escaparam através da fronteira.”

Kenya tem experimentado uma onda de ataques do Al-Shabab, que é aliado da Al-Qaeda. Al-Shabab tinha prometido retaliação sobre o Quênia devido o envio de tropas para a Somália desde 2011 para combater os extremistas que estão travando uma insurgência contra o fraco governo da Somália apoiado pelo Ocidente.

Mandera County e Garissa County fazem fronteira com a Somália e têm sido alvo do al-Shabab. O pior ataque foi em abril de 2015, quando homens armados do al-Shabab mataram 148 pessoas, a maioria estudantes, na Universidade de Garissa.

Supostos pistoleiros do al-Shabab mataram pelo menos seis pessoas quando dispararam contra dois ônibus que viajam em Mandera County, em julho.

Extremistas do Al-Shabab também seqüestraram um ônibus que trafegava em Mandera County, em Novembro de 2014 e mataram 28 não-muçulmanos a bordo. Em dezembro de 2014, mataram 36 trabalhadores numa pedreira na cidade de Mandera.

Fonte: http://shoebat.com/2016/10/06/muslims-ambush-six-christians-and-butcher-all-of-them/

Violência toma conta das ruas no Quênia

Os últimos dois anos apresentaram perseguição aos cristãos por meio de ataques a ônibus, locais de trabalho e até instituições educacionais

23 Kenya_2016_0100100490

Aumenta o perigo para os cristãos quenianos que já enfrentavam a violência do Al-Shabaab no país. Recentemente, a população ficou alarmada por causa dos manifestantes e líderes da oposição que atiravam pedras, exigindo a renúncia da Comissão Eleitoral Independente (na sigla inglesa IEBC –Independent Electoral and Boundaries Commission). A polícia queniana teve que usar canhões de água e gás lacrimogêneo para dispersar as pessoas.

As próximas eleições, previstas para 2017, são um desafio para o país que, teve um cenário violento nas últimas escolhas, marcadas por vários incidentes que resultaram na morte de 12 pessoas, sendo 6 policiais. O empenho da população e das forças de segurança pretende evitar que isso ocorra novamente. Em 2013, houve inclusive uma série de atentados na fronteira com a Somália. Os manifestantes estão reivindicando uma Comissão Eleitoral mais íntegra e com a participação de todos os partidos.

Eventos como esse mostram o quanto as pessoas estão vulneráveis no Quênia, o 16º país na Classificação da Perseguição Religiosa. A Anistia Internacional chegou a denunciar os espancamentos brutais por parte das forças de segurança no país. No mês de maio, as imagens de um manifestante sendo capturado e agredido pelas tropas de choque, deixaram a população revoltada. Dá para se ter uma ideia de como os cristãos são tratados no país. Os últimos dois anos apresentaram perseguição aos cristãos por meio de ataques a ônibus, locais de trabalho e até instituições educacionais. Ore por essa nação.

Leia também
Famílias cristãs são perseguidas de todas as formas
Quênia e Israel se unem contra o extremismo islâmico

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/06/violencia-toma-conta-das-ruas-no-quenia

ONGs apelam contra fechamento do maior campo de refugiados do mundo

ONU e grupos denunciam ilegalidade de proposta, tomada por motivos de segurança, mas que pode piorar ainda mais situação de terrorismo.

NAIRÓBI – O governo do Quênia provocou apelo internacional após anunciar um grande investimento para encerrar as atividades no campo de refugiados de Dadaab, o maior do mundo. De acordo com o Executivo, o local tem suspeitas de que sirva de abrigo para os radicais islâmicos somalis do al-Shabaab, aliados da al-Qaeda. Mas a ONU e várias ONGs apelaram contra a decisão.

Continuar lendo ONGs apelam contra fechamento do maior campo de refugiados do mundo

Quênia e Israel se unem contra o extremismo islâmico

“Israel está disposto a ajudar o Quênia a combater o extremismo, que é um crime hediondo que deve ser confrontado com a mesma força que ataca”, diz o vice-embaixador de Israel

11_Kenya_0270100105

De acordo com informações do Haaretz Israel News, Quênia e Israel concordaram em cooperar no combate aos grupos islâmicos extremistas. O presidente queniano Uhuru Kenyatta visitou Israel em fevereiro desse ano, a fim de buscar mais sobre a experiência dos israelenses para combater os recentes ataques. Uhuru pretende derrotar os militantes da Somália, Al-Shabaab, principalmente depois do ataque à Universidade de Garissa.

“Israel está pronto e disposto a ajudar o Quênia e também qualquer outra nação que necessite combater o terrorismo, que é um crime hediondo que deve ser confrontado com a mesma força que ataca”, disse Nadav Peldman, vice-embaixador de Israel. “As principais vítimas dos últimos ataques no Quênia têm sido os cristãos. Em muitas ocasiões, por falta de estratégia e segurança, os policiais chegam atrasados, não conseguindo impedir as mortes. Por isso, algumas nações têm recorrido a Israel para preencher a lacuna”, comenta um dos analistas de perseguição.

“Essa aproximação entre Quênia e Israel não é algo novo. Durante a Operação Entebbe de 1976, que foi uma missão de resgate e uma ação organizada contra o terrorismo, realizada pelas Forças de Defesa de Israel, no aeroporto de Entebbe, em Uganda, o Quênia prestou assistência às forças especiais israelenses”, conta o analista. O Quênia tem 80% de sua população cristã, ocupando o 16º lugar na Classificação da Perseguição Religiosa atual. O nível de perseguição continua aumentando e é provável que continue assim. Mas a igreja queniana tem se mostrado forte e se destaca por ter uma vida de oração perseverante e muita fé, apesar de todas as dificuldades que encontra para seguir a Cristo. Ore por essa nação.

Leia também
Faz exatamente um ano que ocorreu o atentado na Universidade de Garrisa
Al-Shabaab mata mais cristãos no Quênia
Famílias cristãs são perseguidas de todas as formas

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/04/quenia-e-israel-se-unem-contra-o-extremismo-islamico

 

Al-Shabaab mata mais cristãos no Quênia

A fé dos cristãos quenianos permanece firme e é digna de ser exemplo para muitos cristãos que sequer imaginam o que é ser perseguido por amor a Cristo

De acordo com notícias do Morning Star, mais uma vez o grupo extremista islâmico Al-Shabaab atacou cristãos de uma pequena vila costeira, deixando pelo menos quatro mortos e vários feridos. “Só no ano passado, esse grupo extremista matou pelo menos 147 estudantes da Universidade de Garissa. Os cristãos que vivem em regiões costeiras e no norte do Quênia estão enfrentando ataques cada vez mais brutais. O governo queniano não está conseguindo proteger os cidadãos e a situação piora a cada dia”, comenta um dos analistas de perseguição.

Como o 16º país da Classificação da Perseguição Religiosa de 2016, o Quênia tem apresentado um cenário devastador, mesmo tendo 80% da sua população cristã. “O problema é que a minoria muçulmana está no poder, então eles querem fazer uma limpeza étnica no país. A corrupção chegou a um nível alarmante e o governo tem alianças com grupos terroristas, como o caso do Al-Shabaab. O futuro da igreja no país é preocupante e os cristãos temem pelo que ainda virá”, diz o analista.

 Por outro lado, a fé desses cristãos permanece firme e é digna de ser exemplo para muitos cristãos que sequer imaginam o que é ser perseguido por amor a Cristo. Em uma carta, uma cristã queniana escreve palavras de perdão para o Al-Shabaab, mostrando que sua fé está acima de sua dor: “Eu digo para todos vocês, militantes do Al-Shabaab, que mataram meus irmãos e irmãs cristãos: eu perdoo vocês. Sim, é isso mesmo. Da mesma forma que vocês encheram seus corações de ódio (assim como aquela multidão enfurecida fez há dois mil anos), eu vou encher meu coração com amor – como Jesus fez – porque vocês realmente não sabem o que fazem…eu não os odeio. Eu amo vocês.”

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/03/al-shabaab-mata-mais-cristaos-no-quenia

Quênia diz ter matado chefe da Inteligência do al-Shabaab

Mahad Karate morreu ao lado de outros dez comandantes e mais de quarenta combatentes em ataque do Exército do Quênia.

MOGADÍSCIO — Um ataque aéreo matou o chefe da Inteligência do Al-Shabaab, informou nesta quinta-feira o Exército do Quênia. O coronel David Obonyo, porta-voz dos militares, indicou que Mahad Karate morreu junto a outros dez comandantes do grupo e 40 extremistas de menor cargo em um acampamento de Nadris, no Sul da Somália. Ele coordenava um campo de treinamento entre as cidades de Buale e Sakow com dezenas de recrutas quando foi alvo do bombardeio.

A organização, que é ligada à al-Qaeda, nega que Karate tenha sido morto. O histórico do líder extremista — também conhecido como Abdirahim Mohamed Warsame — lista ativa participação no ataque a uma base militar queniana na cidade de el-Ade, em janeiro deste ano. Segundo o Al-Shabaab, 100 militares foram mortos na investida extremista.

O Departamento de Estado americano ainda registrou que ele teve papel importante no atentado à Universidade de Garissa, no Quênia, que deixou 150 vítimas em abril passado. No mesmo mês, as autoridades dos EUA o incluíram no rol de terroristas.

O al-Shabaab também é responsável por atentados em países vizinhos que tenham enviado tropas para respaldar o governo central. O Quênia, por exemplo, contribui com quatro mil homens às forças da União Africana, que deslocou ao todo 22 mil soldados ao solo somaliano para combater os extremistas.

Em agosto de 2011, quando as forças de paz apoiadas pela ONU entraram no país, os terroristas foram expulsos da capital Mogadishu, mas ainda ocupam grandes áreas ao sul da Somália com o objetivo de instituir um Estado islâmico na região.
Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/quenia-diz-ter-matado-chefe-da-inteligencia-do-al-shabaab-na-somalia-18699468#ixzz40XH4WJp7
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

 

A situação dos refugiados cristãos

Muitos são obrigados a deixar sua casa e se refugiar em outras localidades, às vezes, até fugir do país, arriscando suas vidas.

12-oriente-medio-0050100333

Sabe-se que o Oriente Médio tem um número aproximado de 12,5 milhões de refugiados. Mas não se tem certeza da porcentagem de cristãos que estão entre eles. A maioria foi forçada a abandonar suas casas e a se refugiar em diversas regiões da Síria. Alepo já foi considerada a cidade mais cristã desse país, hoje, porém, o número de cristãos lá diminuiu de 400 mil para 60 mil, durante os últimos quatro anos de guerra. Outras localidades menos conhecidas também enfrentam momentos em que os cristãos precisam decidir se refugiar ou não. Em doze estados do norte da Nigéria, por exemplo, governados pela sharia, 27 milhões de cristãos são considerados de segunda classe e discriminados tanto pelo governo, como por suas aldeias e famílias. Isso criou um número incontável de cristãos refugiados que deixou o norte da Nigéria e partiu para outras localidades do país, e em alguns casos, até para outros países.

No Quênia, a situação não é muito diferente, muitos cristãos estão fugindo das áreas muçulmanas e dezenas de milhares de pessoas morrem pelo deserto ou são capturadas por traficantes de seres humanos. Da Eritreia também saem muitos cristãos que partem com destino à Europa. Estatísticas demonstram que 22% de todos os refugiados que chegam à costa italiana são eritreus. Até mesmo cristãos paquistaneses estão fugindo para países do sudeste asiático pedindo asilo por motivos de perseguição religiosa. A revista Portas Abertas de fevereiro traz uma reportagem especial para se ter ideia de como é viver como um refugiado. Segundo as estatísticas, os refugiados já somam cerca de 60 milhões em todo o mundo.

Embora as notícias sobre eles enchem os olhos de lágrimas, é possível enxergar o lado bom da perseguição. Muitos muçulmanos estão tendo um encontro real com Jesus nos campos de refugiados da Jordânia e do Líbano. Estes novos convertidos já sonham em plantar novas igrejas quando regressarem. Na Síria, nos campos de refugiados, cristãos e muçulmanos se misturam, a ajuda humanitária dada aos cristãos também é estendida a eles, que podem testemunhar atos de bondade e a realidade do evangelho. Segundo um líder cristão sírio em Alepo, a igreja cristã continuará ajudando tanto cristãos quanto os muçulmanos que respeitam e se aproximam deles. “Isso representa uma grande mudança, pois eles foram ensinados que os cristãos tentariam matá-los ou envenená-los, mas ao invés disso, eles estão sendo surpreendidos com o amor de Cristo. Apesar das dificuldades, tem sido emocionante ver estas cenas”, conclui o líder.

 

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/02/a-situacao-dos-refugiados-cristaos

Trabalhadores cristãos são atacados pelo Al-Shabaab

Os agressores chegaram de madrugada e colocaram granadas nas portas

25_Kenya_0270001293

Pelo menos 14 trabalhadores de uma pedreira que fica na aldeia de Soko Mbuzi, na fronteira com a Somália, nordeste do Quênia, foram mortos e outros 12 ficaram gravemente feridos quando soldados do grupo extremista Al-Shabaab atacaram.

Eles chegaram de madrugada, quando os trabalhadores ainda estavam dormindo. A imprensa local informou que os guerrilheiros colocaram granadas nas portas, mas a maioria estava em tendas, do lado de fora, por causa do clima quente.

“Eles lançaram uma bomba de gasolina nas barracas antes de disparar. O motivo do ataque não foi descoberto, mas todos os trabalhadores eram de outras regiões do Quênia, e a maioria era de cristãos. O ocorrido foi semelhante a um ataque de dezembro de 2014, quando os membros do Al Shabaab mataram 36 trabalhadores cristãos da pedreira em Koromey, não muito longe de Soko Mbuzi”, disse um repórter.

Pedidos de oração

  • Em suas orações, peça a Deus pelas famílias de todas as vítimas do ataque.
  • Ore para que Deus conforte seus corações e que continue dando forças para eles perseverarem na fé.
  • Que Deus alcance os corações dos perseguidores, levando-os ao arrependimento.
  • Ore pelo Quênia e pelos nossos irmãos que vivem nessa nação, enfrentando discriminação e perseguição religiosa, para que tenham paz em meio a tantas dificuldades.
  • https://www.portasabertas.org.br/noticias/2015/11/trabalhadores-cristaos-sao-atacados-pelo-Al-Shabaab

Shopping de Nairóbi, no Quênia, reabre dois anos após massacre

Centro comercial Westgate sofreu ataque que matou 67 pessoas em 2013.
Ação foi executada por islamitas somalis shebabs.

O centro comercial Westgate de Nairóbi, capital do Quênia, reabriu neste sábado (18), quase dois anos após um ataque dos islamitas somalis shebabs que matou 67 pessoas durante quatro dias de cerco.

O luxuoso complexo, frequentado pela classe média e expatriados, sofreu importantes danos no ataque realizado em setembro de 2013 pelos insurgentes filiados à Al-Qaeda.

Depois de uma curta cerimônia de abertura, na presença do governador de Nairóbi Evans Kidero, cerca de 50 clientes fizeram fila para serem os primeiros a entrar no edifício, cuja entrada ganhou um detector de metais.

“Estamos impacientes porque (…) a gente pode mostrar ao mundo que o terrorismo não pode nos colocar para baixo”, declarou Ben Mulla, de 34 anos, ferido no ataque.

“Eu tinha ido para um almoço de negócios. O tiroteio foi intenso, escondi-me atrás de algumas plantas. Vi quatro terroristas (…) Dispararam contra mim e uma bala ricocheteou na parede e atingiu minha perna. Eles mataram um guarda na minha frente”, relatou.

“Eles eram jovens. Não tinham emoções. Pareciam desfrutar o que estavam fazendo. Eu nunca vou esquecer os seus rostos, nunca”, acrescentou.

O Shebab reivindicou a responsabilidade pelo massacre e disse que atacou o shopping em retaliação pelo envolvimento militar do Quênia na vizinha Somália, mergulhada no caos há duas décadas.

As tropas quenianas fazem parte da AMISOM, uma força militar da União Africana que apoia o governo de Mogadíscio contra os insurgentes.

Desde o Westgate, os shebabs cometeram mais ataques no Quênia. Em abril, realizaram mais um massacre sangrento na Universidade de Garisa (nordeste), que deixou 148 mortos, em sua maioria estudantes.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/07/shopping-de-nairobi-no-quenia-reabre-dois-anos-apos-massacre.html

Al-Shabab faz recrutamento de novos militantes nas cidades quenianas

Militantes islâmicos do al-Shabab da Somália estão recrutando fortemente no nordeste do Quênia, de acordo com provas reunidas pela BBC.

O recrutamento marca uma nova tática para o Al-Shabab, despertando receio nos serviços de inteligência do Quênia e deputados.
Em uma cidade, a BBC tomou conhecimento de terem sido aprendidos 26 jovens cujo desaparecimento foi relatado à polícia, porque eles eram suspeitos de terem se juntado aos militantes.
O Al-Shabab atacou uma universidade do Quênia, há duas semanas, matando 148 pessoas.
O ataque em Garissa foi o mais mortal em solo queniano. Um dos pistoleiros era nacional do Quênio.
O recrutamento do combatentes do Al-Shabab no próprio território do Quênia marca uma mudança de tática para o afiliado da Al-Qaeda na África Oriental.

Combatentes da Al-Shabab na Somália

Militantes da Al-Shabab têm lutado contra as forças da União Africana na Somália.
As autoridades quenianas esperam conseguir a ajuda da comunidade muçulmana para combater a radicalização
A BBC teve conhecimento de casos pontuais de sumiço de jovens na cidade do nordeste de Isiolo, que mais tarde admitiram em telefonemas para seus pais, que haviam se juntado ao grupo islâmico.
Apenas metade desses casos foram denunciados à polícia por medo de represálias. Há preocupações semelhantes em outras partes do país.
As famílias dos dois jovens que entrevistei que haviam ingressado no al-Shabab estavam longe de desistências nos estudos. Em vez disso, os pais falaram que seus filhos estavam entre os mais brilhantes da sua classe, grandes empreendedores. com ambições profissionais.
Um deles, um jovem de 17 anos chamado Abdulahi, ficou fascinado com os ensinamentos de Abdi Rogo, o clérigo islâmico que foi morto em um tiroteio em Mombasa há quase dois anos.
Ele estava em uma lista de procurados internacionalmente por seu envolvimento como novo recruta do al-Shabab.
O assassinato de Rogo, que alguns muçulmanos culpam ter sido ocasionado pelas forças de segurança do Quênia, jogou o país no caos com os jovens muçulmanos tomando as ruas para protestar.
Um sentimento de marginalização, frustração e reivindicações de execuções extrajudiciais estão entre as razões dadas para o al-Shabab estar encontrando atração em partes da comunidade muçulmana.
O problema persistente de desemprego dos jovens é também um fator.

http://www.bbc.com/news/world-africa-32329518