Arquivo da tag: #refém

Nigéria: Muçulmanos sequestram dois padres, atiram na cabeça de um deles e mantém o outro como refém

Muçulmanos na Nigéria sequestraram dois padres forçando-os a entrar num carro. Eles partiram para uma área remota e, em seguida, dispararam contra a cabeça de um dos sacerdotes.

De acordo com relatos no local, um padre nigeriano foi seqüestrado depois que o carro em que viajava foi parado supostamente por muçulmanos conhecidos como “pastores Fulani”.

Fr Emmanuel Dim, Reitor do Seminário Maior Tansi, foi com outros dois sacerdotes, que foram ambos feridos quando atacados na segunda-feira. Um deles, o padre Chukwuemeka, um capelão universitário, foi baleado na cabeça e está recebendo tratamento no hospital.

De acordo com o diretor de comunicações para a Diocese de Nnewi no estado de Anambra, o Pe Higino Aghaulor, Dim ainda está em poder dos sequestradores, que exigem um resgate de N2.5 milhão (cerca de £ 6.000 ou US $ 8.000).

No entanto, Aghaulor disse: “A Conferência Episcopal da Nigéria decidiu e determinou que o resgate não deve ser pago pelo sequestro de qualquer dos seus sacerdotes e qualquer um que venha exigir um resgate para a libertação de um sacerdote sequestrado  perderá seu tempo. Se alguém ou grupo se prontificar a pagar o resgate para a libertação de um sacerdote, a pessoa ou o grupo agirá por conta própria. “

Maiores informações: http://shoebat.com/2016/09/30/muslims-kidnap-two-pastors-throw-them-into-a-car-and-drive-off-they-then-take-one-of-the-pastors-and-shoot-him-in-the-head/

 

Estado Islâmico diz ter derrubado avião e capturado piloto sírio

Caso lembra episódio que terminou com piloto queimado vivo

DAMASCO – O grupo terrorista Estado Islâmico capturou um piloto sírio após derrubar seu avião ao Leste de Damasco, alegou na noite desta sexta-feira a agência Amaq, ligada aos jihadistas. O piloto foi identificado como Azam Eid, oriundo de Hama, que foi capturado após saltar de paraquedas e cair próximo ao caça abatido.

Segundo militares sírios citados pela agência russa Interfax, o avião era da Força Aérea Síria e sofreu uma falha técnica. O Observatório Sírio para os Direitos Humanos confirmou a queda.

Em 2015, a derrubada de um caça jordaniano fez o grupo jihadista negociar a vida do piloto Muath al-Kasaesbeh. O piloto, de 26 anos, foi capturado por militantes do Estado Islâmico em dezembro, quando seu jato F-16 caiu perto de Raqqa, na Síria. Após falsas sinalizações de negociação, o grupo o queimou vivo em uma execução filmada.

Em retaliação à morte de Kasaesbeh, a Jordânia executou por enforcamento a mulher-bomba iraquiana Sajida al-Rishawi e outro membro da al-Qaeda.

Estado Islâmico divulgou vídeo no qual piloto jordaniano Moaz al-Kasasbeh é queimado vivo – Reprodução

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/estado-islamico-diz-ter-derrubado-aviao-capturado-piloto-sirio-19150231#ixzz46ezqoMCp
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Estado Islâmico afirma que decapitou refém croata no Egito

Tomislav Salopek, 31, foi sequestrado em 22 de julho no Cairo.
Foto mostra corpo que seria do refém, mas autoridades não confirmam.

O grupo Estado Islâmico (EI) anunciou nesta quarta-feira (12) que decapitou o croata sequestrado no Egito há três semanas e publicou uma suposta foto do corpo em várias contas jihadistas no Twitter, afirmou a agência France Presse.

Pai de duas crianças, Tomislav Salopek, de 31 anos, trabalhava para uma empresa francesa e foi sequestrado em 22 de julho por homens armados em uma estrada ao sudoeste do Cairo.

O serviço de monitoramento Site também deu a informação e afirma que a foto foi distribuída pelo Twitter nesta quarta-feira (12), noticiou a Reuters.

A foto, cuja autenticidade ainda não foi verificada, mostra o corpo de um jovem decapitado, ao lado de uma bandeira do Estado Islâmico e de um punhal e com a legenda: “Execução do prisioneiro da Croácia – que participou na guerra contra o Estado Islâmico – depois do fim do prazo”.

O braço egípcio do EI havia ameaçado na sexta-feira matar o refém em 48 horas se o governo do Egito não libertasse as “mulheres muçulmanas” detidas no país.

Falta confirmação
Segundo a Reuters, o primeiro-ministro croata disse que o governo não podia confirmar “com 100% de certeza” a morte do refém. Em uma entrevista, ele disse a repórteres que as autoridades estão tentando confirmar a autenticidade da fotografia que está circulando na internet.

Um porta-voz do Ministério do Interior do Egito disse: “Vimos essa notícia online, mas estamos no momento conduzindo nossa própria verificação. Se confirmarmos que é mesmo verdade, vamos informar à mídia por meio de um comunicado.”

Uma fonte do ministério das Relações Exteriores citada pela agência de notícias estatal croata HINA disse “não ter confirmação de que o cidadão croata sequestrado Tomislav Salopek tenha sido assassinado”.

Vídeo
Se sua morte for confirmada, Salopek será o primeiro estrangeiro sequestrado e assassinado pelos jihadistas no Egito, país que combate o EI na península do Sinai, afirma a France Presse.

Seu sequestro foi um motivo de preocupação para os estrangeiros que trabalham em multinacionais e colocou em xeque o alcance da ação dos jihadistas, apesar da ampla ofensiva militar em andamento contra o Estado Islâmico.

Em um vídeo divulgado há uma semana, Salopek aparece ajoelhado aos pés de um homem encapuzado e com um facão na mão.

Enquanto lia o texto em uma folha de papel, o refém dizia que seria executado se o governo egípcio não libertasse “mulheres muçulmanas” detidas.

No vídeo, o refém explica que trabalha para o grupo francês de serviços petroleiros CGG no Egito e que foi sequestrado por combatentes do braço egípcio do EI, autodenominado Wilayat Sina (Província do Sinai), para marcar sua submissão ao “califado” autoproclamado pelo EI em parte do Iraque e da Síria.

Na última quinta-feira (6), o pai do croata implorou pela libertação do filho. “Peço aos que retêm meu filho que permitam seu retorno a sua família, porque a única razão para sua presença em vossa pátria era ganhar o sustento para seus filhos, nada além disso”, disse à AFP Zlatko Salopek em sua residência em Vrpolje, uma pequena cidade do leste da Croácia.

O pai do refém pediu às autoridades francesas e ao presidente François Hollande que cooperassem com o Egito visando a libertação de seu filho, que “trabalhava para uma empresa francesa”. A ministra croata das Relações Exteriores, Vesna Pusic, viajou ao Egito para cuidar pessoalmente da situação.

Os jihadistas afirmam que o sequestro é uma represália pela repressão sangrenta contra os seguidores do ex-presidente islâmico Mohamed Mursi, destituído pelo Exército em 2013 e substituído pelo general Abdel Fattah al Sissi.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/08/estado-islamico-afirma-que-decapitou-refem-croata-no-egito.html

Grupo egípcio ligado ao EI exige libertação de mulheres em troca da vida de refém croata

Funcionário de empresa francesa, TomislavSalopek foi sequestrado em julho

CAIRO – Um vídeo publicado pelo um grupo egípcio ligado ao Estado Islâmico, no Sinai, mostra um refém croata dizendo que os rebeldes irão matá-lo em 48 horas a menos que mulheres muçulmanas presas em cadeias egípcias sejam libertadas. Um militante mascarado usando uniforme aparece ao lado de TomislavSalopek, de 30 anos, da Croácia, e funcionário da empresa francesa CGG.

“Os soldados do Wilayet Sinai (Província do Sinai, em árabe) me pegaram na quarta-feira, 22 de julho de 2015. Eles querem me substituir pelas mulheres muçulmanas detidas em prisões egípcias. Esta questão tem que ser resolvida antes de 48 horas a partir de agora. Senão, os soldados do Wilayet Sinai irão me matar”, disse Salopek, lendo uma nota no meio do deserto.

A Reuters não conseguiu verificar de imediato a autenticidade das imagens. Se confirmado, será o primeiro vídeo conhecido de um refém ocidental em poder do grupo Província do Sinai, que mudou seu nome anterior, AnsarBayt al-Maqdis, depois de jurar lealdade ao Estado Islâmico.

“O governo croata está fazendo todo o possível para resolver esta situação difícil. Levando em conta as circunstâncias difíceis e delicadas, não podemos fornecer quaisquer informações mais detalhadas neste momento”, declarou o ministério em comunicado.

Em 24 de julho, o Ministério das Relações Exteriores da Croácia relatou que um grupo de homens armados tinha sequestrado um cidadão croata no Egito, identificado como T.S.

http://oglobo.globo.com/mundo/grupo-egipcio-ligado-ao-ei-exige-libertacao-de-mulheres-em-troca-da-vida-de-refem-croata-17099339

Refém francesa no Iêmen envia pedido de socorro

Um vídeo da refém francesa Isabelle Prime, raptada há mais de três meses em Sanaa, capital do Iémen, foi postado no youtube com uma mensagem para os presidentes francês e iemenita para que intercedam pela sua libertação.

A francesa, que estava a trabalhar no país no abrigo de um programa financiado pelo Banco Mundial, teria sido submetida a tortura física, segundo a sua intérprete, Chérine Makkaoui, que foi raptada com ela mas libertada no mês de março.

 A francesa foi raptada por um grupo tribal iemenita que exige um resgate de um milhão de dólares num país mergulhado na guerra civil. Paris garante que todos os serviços do Estado competentes estão mobilizados para obter a libertação de Prime apesar da situação caótica em que o Iêmen se encontra.

Os houthis, que varreram a capital em setembro e espalharam o terror por todo o país, dizem que estão a ganhar uma revolução contra funcionários corruptos.

Este conflito matou perto de 2.000 pessoas e feriu mais de 8.000 desde 19 de março, segundo a ONU.

http://pt.euronews.com/2015/06/01/refem-francesa-no-iemen-envia-pedido-de-socorro/

Estado Islâmico divulga vídeo em que refém na Síria cava a própria cova

Depois de cavar terreno, refém aparece decapitado.
Homem diz que exercia trabalho de espião.

O grupo Estado Islâmico divulgou um novo vídeo em que um refém do grupo na Síria aparece cavando a própria cova antes de ser decapitado por um combatente jihadista, segundo um grupo que monitora a ação do Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

As imagens – divulgadas pelo grupo “Raqqa está sendo silenciosamente massacrada” –  mostram um prisioneiro com uniforme laranja usando pá e picareta para cavar o terreno de um ambiente desértico que, segundo os jihadistas, está nos arredores da capital Damasco.

No vídeo refém se dirige para câmera diz que exercia trabalho de espião.

Um carro com a bandeira do Estado Islâmico se aproxima do refém e, então, o vídeo corta para uma cena em que o prisioneiro está ajoelhado na frente de um combatente jihadista. Depois, seu corpo decapitado aparece jogado na cova, com a cabeça em cima de seu peito.

Recentemente o EI ampliou sua área de influência na Síria. Tomou controle de postos da fronteira com o Iraque, onde também domina importantes áreas, e da cidade histórica de Palmira, a 215 km de Damasco.

A localidade abriga instalações militares modernas e está numa estrada desértica que liga a capital, Damasco, às províncias do leste sírio, a maioria sob comando dos rebeldes.

Nesta quarta, o grupo matou 20 homens no antigo anfiteatro da cidade, que faz parte das ruínas de 2.000 anos da cidade que são um patrimônio mundial da Unesco.

No Iraque o grupo também está expandindo seu território. Os jihadistas muçulmanos sunitas do grupo agora controlam grande parte da província de Anbar, da qual sua última conquista Ramadi é capital, e podem ameaçar as aproximações do Ocidente sobre Bagdá, que fica a 100 km de Ramadi, ou até mesmo avançar pelo sul, rumo ao coração do reduto xiita do Iraque.

O grupo já divulgou diversos vídeos em que seus reféns são decapitados.

Estado Islâmico criou réplica de Guantánamo na Síria

Os jiadistas do Estado Islâmico juntaram até 23 reféns de 11 nacionalidades diferentes, dos quais sete estão mortos, numa prisão na Síria, criada à imagem da prisão militar norte-americana de Guantánamo, revelou um refém espanhol libertado.

Esta declaração consta de um relato publicado, este domingo, pelo jornal espanhol “El Mundo” sobre a experiência do jornalista Javier Espinosa, que durante 194 dias foi mantido como refém pelos jiadistas do Estado Islâmico (EI). O prisioneiro número 43 acabaria por ser libertado em março de 2014.

No texto, o repórter espanhol descreve como ficou preso durante vários meses numa localidade a norte de Alepo (norte da Síria), com 22 europeus, americanos e uma refém latino-americana, cuja identidade não revela.

Segundo Espinosa, o EI reuniu os reféns internacionais, trabalhadores humanitários ou jornalistas, numa única prisão que funcionava como uma réplica de Guantánamo, uma base militar norte-americana em solo cubano onde estão detidos os suspeitos de terrorismo e os suspeitos capturados no Afeganistão.

Sobre esta questão concreta, o repórter espanhol cita o jornalista norte-americano James Foley, o seu companheiro de cela que foi sequestrado em novembro de 2012 e executado em agosto de 2013.

De acordo com Espinosa, citando informações de Foley, o objetivo era reunir todos os ocidentais numa prisão de alta segurança, com câmaras de vigilância e muitos guardas.

O jornalista do “El Mundo”, que foi libertado ao mesmo tempo com o seu colega Ricardo Garcia Vilanova (repórter fotográfico) e com o jornalista do “Periodico de Catalunya” Marc Marginedas, explica ainda os motivos pelos quais permaneceu em silêncio após a sua libertação. Espinosa afirma que os seus guardas, durante o cativeiro, ameaçaram executar outros reféns caso ele falasse.

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=4454609

Estudantes franceses reconhecem menino que matou refém do EI

Garoto teria ligação com parente de Merah, autor do massacre de Toulouse.
Vídeo de execução foi divulgado na terça-feira (10) pelo grupo jihadista.

O menino que aparentemente matou um refém em um vídeo divulgado na terça-feira (10) pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI) foi reconhecido por colegas de turma de Toulouse (sudoeste da França), informou uma fonte do ministério da Educação.

“Os estudantes reconheceram um de seus colegas, mas temos que ser prudentes”, declarou em uma entrevista coletiva o inspetor escolar de Haut-Garonne, Jacques Caillaut.

Caillaut não confirmou as informações de fontes ligadas ao caso segundo as quais o menino, que teria 12 anos e que foi filmado enquanto executava com uma pistola um árabe-israelense apresentado como espião, é enteado de Sabri Essid, um parente de Mohamed Merah, o autor do massacre de Toulouse.

Merah espalhou o medo na França quando matou três militares e três crianças e um professor em uma escola judaica entre 11 e 19 de março de 2012. As crianças teriam assistido o vídeo na quarta-feira.

O ministério disponibilizou na quinta-feira um serviço de “assistência psicológica” para os estudantes, pois as “crianças estão em choque”, disse Caillaut.

No vídeo, ao lado da criança, aparece um jihadista que menciona, em francês, o recente ataque contra judeus na França e ameaça atacar os israelenses e conquistar Jerusalém.

Segundo uma fonte próxima ao caso, o jihadista seria Sabri Essid, “meio-irmão” de Mohamed Merah, depois que seu pai, Mohamed Essid, se casou com a mãe de Merah.

Segundo o inspetor escolar, os colegas de turma teriam conhecido o menino na escola primária de Vergers, em Toulouse.

“Há uma criança que não está mais na escola de Vergers desde 14 de março de 2014, mas não tenho mais informações”, declarou Caillaut.

A família de Sabri Essid é suspeita de ter abandonado Toulouse para viajar à Síria em meados de 2014. A justiça francesa iniciou uma investigação na quinta-feira, principalmente por assassinato, segundo uma fonte judicial

Na terça-feira, o EI postou o vídeo onde um suposto espião árabe-israelense é morto com um tiro disparado por um menino.

No vídeo de mais de 10 minutos, é possível ver um homem se apresentar como Muhammad Said Ismail Musallam, de 19 anos, e, em seguida, ser morto com um tiro na cabeça por um menino de no máximo 12 anos.

No vídeo, o menino grita “Allahu Akbar!” (“Alá é grande!”), antes de disparar contra a cabeça da vítima, que recebe outros quatro tiros já caído no chão.

O vídeo foi mais um dos vários produzidos pelo EI e que começaram pela decapitação, em agosto passado, do jornalista americano James Foley e, mais recentemente, pela execução, queimado vivo, de um piloto jordaniano capturado, seguido da decapitação de 21 cristãos coptas.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/03/estudantes-franceses-reconhecem-menino-que-matou-refem-do-ei.html