Arquivo da tag: #resgate

Mais algumas meninas do Chibok foram resgatadas

Quando elas estão com seus pais compartilham estudos bíblicos e cantam; elas parecem felizes, apesar dos traumas.

Em abril de 2017, vai completar 3 anos que as “meninas do Chibok” foram sequestradas. Na época, havia 275 meninas na escola, 228 foram levadas pelo Boko Haram e somente 47 conseguiram escapar. Os extremistas islâmicos mandaram vários vídeos para os pais dessas meninas e ao governo nigeriano, exigindo a libertação de seus combatentes em troca delas.

Depois de um tempo, muitas foram forçadas a se casar com eles, algumas tiveram filhos e todas tiveram que “se converter” ao islamismo. Em maio de 2016, Amina Ali Nkeki, foi a primeira a ser encontrada viva quando foi descoberta por vigilantes na Floresta de Sambisa, perto da fronteira com Camarões. Depois dela, o exército da Nigéria disse ter resgatado uma segunda menina, Serah Luka, que era filha de um pastor.

13-nigeria-meninas-liberadas

Em outubro de 2016, mais 21 meninas foram libertadas por Boko Haram após dois anos e meio de detenção e muitas negociações com o governo. A maioria, porém, continua desaparecida. No dia 5 de janeiro de 2017, a 24ª menina foi resgatada. Rakiya Abubakar Gali que estava vivendo em cativeiro foi encontrada com seu bebê de apenas 6 meses de idade. Alguns dias depois, Maryam Ali Maiyanga também foi encontrada por soldados que procuravam fugitivos na floresta de Sambisa. Ela estava carregando um menino de 10 meses de idade.

Segundo o governo, um grupo dissidente do Boko Haram parece estar disposto a negociar a libertação de mais 83 meninas. O veículo de comunicação CNN relatou que 114 delas estão mortas, ou, segundo as notícias, não querem deixar seus sequestradores porque elas são agora casadas ou foram “radicalizadas”.

Um grupo de 21 meninas libertadas encontrou-se com o presidente Muhammadu Buhari para agradecer pessoalmente pela contribuição do líder de Estado. Desde então, elas passam por intensas avaliações psicológicas em um centro médico na capital, Abuja. A maioria pertence a famílias de origem cristã. “Quando elas estão com seus pais compartilham estudos bíblicos e cantam. Elas parecem felizes, apesar dos traumas”, finaliza um dos colaboradores da Portas Abertas.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/mais-algumas-meninas-do-chibok-foram-resgatadas

Exército da Nigéria resgata estudante de Chibok com bebê

MAIDUGURI, Nigéria — O Exército da Nigéria afirmou neste sábado ter resgatado mais uma das meninas sequestradas pelo Boko Haram em 2014 na localidade de Chibok.

Autoridades disseram que a jovem foi encontrada junto com um bebê de 10 meses, um filho que ela teve com um dos extremistas islâmicos do grupo Boko Haram no cativeiro. No mês passado, 21 outras das meninas foram libertadas e levadas de volta às suas famílias; em maio, outra das estudantes conseguiu fugir.

Esta foi a primeira vez que o Exército resgatou uma das meninas de Chibok. O Boko Haram sequestrou mais de 270 estudantes de uma escola em Chibok em abril de 2014 — um ato que provocou comoção no mundo todo e uma campanha pela libertação das meninas.

Desde que foram levadas, os parentes das vítima iniciaram uma campanha em apelo pela volta das jovens meninas com o lema “Bring Back Our Girls” (“Tragam de volta nossas meninas”, em português). Os últimos resgates aumentam as esperanças das famílias que ainda aguardam pelo dia em que poderão rever suas filhas.

grupo militante islâmico também sequestrou milhares de outras pessoas durante a sua insurgência de sete anos no Nordeste da Nigéria. Mais de 15 mil pessoas foram mortas e dois milhões foram forçadas a deixar as suas casas. No ano passado, a organização jihadista prometeu lealdade ao Estado Islâmico (EI). Próxima Exército da Nigéria resgata estudante de Chibok com bebê

Fonte: http://oglobo.globo.com/mundo/exercito-da-nigeria-resgata-estudante-de-chibok-com-bebe-20417294

http://www.jornalfloripa.com.br/noticia.php?id=842617

Muitos cristãos iraquianos são resgatados

O comandante da milícia cristã disse à mídia iraquiana que o grupo pretende libertar cristãos em outras áreas da Planície de Nínive

No Iraque, uma milícia cristã afirma tem retomado uma vila de cristãos conhecida por Badana, que havia sido tomada pelo Estado Islâmico (EI), há mais de dois anos. É visível que o grupo extremista islâmico esteja perdendo território a cada dia. “Mesmo assim, sabemos que ainda há muitos problemas a serem resolvidos. Esses cristãos locais precisam de restauração para conseguir permanecer no país”, comenta um dos colaboradores da Portas Abertas que atua na região.

Segundo ele, a simples ideia de enviar essas pessoas de volta às suas casas é impensável para muitos deles. “Viver novamente próximo aos seus vizinhos, que se aliaram ao Estado Islâmico e que agora só pensam na jihad (luta islâmica) é algo assustador para os cristãos que já viveram em campos inimigos”, observa o colaborador.

O comandante da milícia cristã disse à mídia iraquiana que o grupo pretende libertar cristãos em outras áreas da Planície de Nínive e que, através de várias operações pretendem também “restaurar a confiança e a esperança para que todos possam permanecer na terra de seus avós”. Embora o cenário de guerra tenha deixado muitas igrejas incendiadas, comércios e casas de cristãos destruídas, nossos irmãos iraquianos têm se mostrado fortes apesar das perdas e constantes apesar da violenta perseguição. Ore pela igreja no Iraque.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/10/muitos-cristaos-iraquianos-sao-resgatados

Nigéria: Muçulmanos sequestram dois padres, atiram na cabeça de um deles e mantém o outro como refém

Muçulmanos na Nigéria sequestraram dois padres forçando-os a entrar num carro. Eles partiram para uma área remota e, em seguida, dispararam contra a cabeça de um dos sacerdotes.

De acordo com relatos no local, um padre nigeriano foi seqüestrado depois que o carro em que viajava foi parado supostamente por muçulmanos conhecidos como “pastores Fulani”.

Fr Emmanuel Dim, Reitor do Seminário Maior Tansi, foi com outros dois sacerdotes, que foram ambos feridos quando atacados na segunda-feira. Um deles, o padre Chukwuemeka, um capelão universitário, foi baleado na cabeça e está recebendo tratamento no hospital.

De acordo com o diretor de comunicações para a Diocese de Nnewi no estado de Anambra, o Pe Higino Aghaulor, Dim ainda está em poder dos sequestradores, que exigem um resgate de N2.5 milhão (cerca de £ 6.000 ou US $ 8.000).

No entanto, Aghaulor disse: “A Conferência Episcopal da Nigéria decidiu e determinou que o resgate não deve ser pago pelo sequestro de qualquer dos seus sacerdotes e qualquer um que venha exigir um resgate para a libertação de um sacerdote sequestrado  perderá seu tempo. Se alguém ou grupo se prontificar a pagar o resgate para a libertação de um sacerdote, a pessoa ou o grupo agirá por conta própria. “

Maiores informações: http://shoebat.com/2016/09/30/muslims-kidnap-two-pastors-throw-them-into-a-car-and-drive-off-they-then-take-one-of-the-pastors-and-shoot-him-in-the-head/

 

Segunda menina resgatada na Nigéria não foi levada de escola em Chibok

Ela era aluna no local, mas foi sequestrada de sua casa em vila vizinha.
Jovem é filha de pastor e foi libertada em grupo de 97 mulheres e crianças.

Uma segunda “menina de Chibok” resgatada pelos militares nigerianos em uma batalha numa floresta com extremistas islâmicos foi sequestrada em sua vila de origem e não estava entre as 218 estudantes desaparecidas desde o sequestro em massa promovido pelo Boko Haram em 2014.

A menina é uma das três filhas de um pastor do ramo nigeriano da igreja americana Church of the Brethren, sequestradas em dois ataques separados, disse à agência AP o líder comunitário Pogu Bitrus. Este é um indicativo do quanto estão espalhadas e ativas as táticas dos extremistas islâmicos em sequestrar meninas e jovens mulheres usadas como escravas sexuais e meninos e jovens rapazes que são forçados a se unir à sua luta para criar um califado islâmico.

O porta-voz do exército, coronel Sani Kukasheka Usman disse que soldados libertaram a garota após uma batalha na noite de quinta na floresta Sambisa, no nordeste do país, na qual foram liberadas 97 mulheres e crianças e mortos 35 extremistas. Ele disse que ela estava entre as meninas levadas há mais de dois anos de uma escola em Chibok.

Bitrus disse que a menina, que tinha 15 anos quando foi levada, era aluna da mesma escola, mas estava em sua casa na época do sequestro em massa. Ela foi sequestrada depois de sua vila, Madagali, perto da cidade de Chibok, mas ele não sabe precisar quando exatamente.

A primeira adolescente de Chibok a escapar, junto com sua filha de quatro meses, foi descoberta por caçadores vagando pela floresta Sambisa na terça. Na quinta, Amina Ali Nkeki, de 19 anos, viajou à capital nigeriana, Abuja, para se encontrar com o presidente do país, Muhammadu Buhari.

Pais das meninas sequestradas, o movimento Bring Back Our Girls e trabalhadores humanitários criticaram o governo e os militares nigerianos pela forma como lidaram com a situação, com a Anistia Internacional acusando a politização de sua fuga e dizendo que ela não deveria ser exibida em público, mas sim receber tratamento médico urgente para uma vítima de abuso sexual e acompanhamento psicológico.

Ali revelou que algumas poucas meninas morreram no cativeiro, mas que a maioria permanece sob severa vigilância na floresta, segundo o médico da família, Idriss Danladi.

A fuga de Ali renovou esperanças em salvar as outras meninas e fortaleceu as exigências do movimento Bring Back Our Girls para que o governo atue ao lado da comunidade internacional para libertá-las rapidamente.

Na sexta (20) as estudantes de Chibok completam 767 dias de cativeiro.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/05/segunda-menina-resgatada-na-nigeria-nao-foi-levada-de-chibok.html

Cristãos assírios são libertos pelo Estado Islâmico, após negociação

“As negociações foram difíceis, pois eles estavam exigindo 100 mil dólares por refém”

12 Syria_2015_0510100099

Há nove meses, o Estado Islâmico (EI), libertou 37 cristãos assírios, incluindo homens e mulheres, entre 60 e 70 anos. Agora eles fazem parte dos 253 cristãos que estão livres, logo após os ataques contra as aldeias assírias, na província de Hassaka, na parte nordeste do país.

No total, três mil cristãos assírios indígenas foram expulsos de suas casas quando os jihadistas invadiram as 35 aldeias, no rio Khabur, no mês de fevereiro. Os reféns recém-libertos chegaram a salvo, no dia 9 de novembro, na cidade de Tel Tamar, de acordo com a agência internacional de notícias da Assíria (AINA).

Os cristãos libertados foram levados de ônibus para uma igreja local, e recebidos pelo líder da Igreja Assíria do Oriente, Ephrem Athanaël, que também é responsável pela Rede de Direitos Humanos, com sede em Estocolmo. Conforme relatos de cristãos locais, as negociações foram difíceis, pois eles estavam exigindo 100 mil dólares por refém. Há outras negociações em andamento.

No mês passado, o EI havia lançado um vídeo de seus militantes matando três reféns assírios, enquanto ameaçavam matar outros, caso as exigências não fossem atendidas. Há cerca de 168 outros cristãos mantidos em cativeiro, de onde poucos conseguem escapar. As minorias religiosas sofrem incontáveis atos de violência. Vários observadores internacionais, incluindo o Conselho de Segurança da ONU, acusaram o EI por “violação grosseira, sistemática e generalizada” dos direitos humanos. Ore por essa nação.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2015/11/cristaos-assirios-sao-libertos-pelo-estado-islamico-apos-negociacao

EUA sofrem primeira baixa militar em guerra contra Estado Islâmico

Primeira missão em solo iraquiano para combater grupo terrorista resgatou 70 reféns que estavam para ser executados.

Os EUA sofreram a primeira baixa militar desde que deram início à guerra contra o grupo terrorista Estado Islâmico, afirmaram oficiais do Exército, nesta quinta-feira (22). De acordo com a rede de notícias “CNN”, o homem foi morto durante uma ação norte-americana cujo objetivo era resgatar dezenas reféns que estavam prestes a ser executados.

Foi a primeira vez que militares dos EUA realizaram uma missão para combater o grupo terrorista em solo iraquiano, país que o Exército norte-americano bombardeia desde setembro do ano passado. Com o passar dos meses, o Pentágono foi recebendo ajuda militar de outras nações, parte da aliança internacional para eliminar o Estado Islâmico.

A ação, que teve participação, além dos EUA, de forças curdas e iraquianas contra os terroristas, resgatou aproximadamente 70 reféns de uma prisão comandada pelo Estado Islâmico, incluindo 20 militares do Iraque. Seis integrantes do grupo foram detidos e cerca de 20, mortos.

Primeiro morto desde 2011
O caso do norte-americano abatido durante a ação foi a primeira morte de um militar dos EUA no Iraque desde novembro de 2011. A missão de resgate que o levou a óbito ocorreu nas proximidades de Hawija, ao norte da província de Kirkuk, segundo o Pentágono. Além dele, quatro soldados curdos ficaram feridos.

O governo regional do Curdistão – que abrange áreas no Iraque, Síria, Irã, Armênia e Azerbaijão – rechaçou em nota a possibilidade de a ação ter visado também o resgate de curdos, conforme os EUA chegaram a anunciar mais cedo. O Pentágono classificou a ação de “complexa e altamente bem-sucedida”.

“Parabenizamos os valentes indivíduos que salvaram muitas vidas e lamentamos profundamente a perda de um dos nossos, que morreu enquanto apoiava nossos camaradas iraquianos em uma dura luta”, disse, em nota, o General Lloyd J. Austin III, comandante do Comando Central dos EUA. “Nossa gratidão e condolências à família deste jovem homem, a seus colegas militares e a seus amigos.”

http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2015-10-22/eua-sofrem-primeira-baixa-militar-em-guerra-contra-estado-islamico.html

Imigrantes não comiam havia 2 dias, diz comandante de navio do Brasil

Corveta resgatou 220 sírios e líbios que seguiam à Itália em barco de madeira. Embarcação estava quase sem combustível; ‘fugiam da violência’, conta.

Alguns dos 220 imigrantes resgatados pelo navio da Marinha brasileira no mar Mediterrâneo na sexta-feira (4) contaram que estavam há dois dias sem comer, relatou ao G1 o comandante da embarcação,  Alexandre Amendoeira Nunes.

Eles desembarcaram da corveta brasileira Barroso por volta das 14h deste sábado (5) no porto de Catânia, na Sicília (Itália), onde foram acolhidos e cadastrados pelas autoridades.

Conforme o comandante Nunes, os imigrantes, a maioria de origem síria e libanesa – havia também um indiano a bordo-, haviam partido de Benghazi, na Líbia, e estavam havia 7 dias em alto mar. A embarcação em que estavam, de dois andares e de madeira, levava cerca de 350 tripulantes quando, na verdade, tinha capacidade para apenas 80, diz Nunes.

O resgate ocorreu após a corveta Barroso ter sido acionada pelo Centro de Busca e Salvamento Marítimo (MRCC) italiano, que identificou navio com chance de naufrágio próximo à Grécia. A embarcação brasileira, que seguia para o Líbano, onde a Marinha participa de uma força naval em missão de paz da ONU, era a mais próxima do local para ajudar na tarefa.

“Os tripulantes estavam em dificuldades, o combustível estava acabando e estavam com pouca comida. Como o peso estava mal distribuído, a embarcação estava adernada de lado já”, afirma o comandante. “Pelo que nos relataram, não havia um local específico de destino, buscavam qualquer local que pudessem desembarcar em solo italiano”, explica o oficial brasileiro.

Com ajuda de um imigrante que falava inglês, a tripulação da corveta conversou com os imigrantes. “Eles não relataram que tinham medo, nada os preocupava. Diziam que o risco vale a pena. Estavam em busca de melhores condições de vida, e também de um local que pudessem trabalhar, onde não houvesse conflito. Fugiam da violência”, afirma o comandante Nunes.

Nada os preocupava, diziam que o risco vale a pena. Estavam em busca de melhores condições de vida e também de um local que pudessem trabalhar, onde não houvesse conflito. Fugiam da violência”
Comandante Alexandre Amendoeira Nunes,
sobre os imigrantes resgatados

Resgatados
Entre os resgatados havia 89 homens, 94 mulheres e 37 crianças, inclusive 4 bebês  de colo. A maioria dos adultos tinha idades entre 30 e 40 anos. As crianças, conta o comandante, apresentavam queimaduras e assaduras, devido à exposição ao sol durante dias e também estavam com a roupa molhada. Uma mulher estava com o braço fraturado e uma outra, estava grávida.

Ninguém foi diagnosticado com doenças. Todos os imigrantes receberam soro, alimentação e cobertores, tendo sido avaliados por médicos e recebido remédios a bordo da embarcação brasileira.

Em entrevista ao “Jornal Hoje”, da TV Globo, o comandante relatou também que os imigrantes “se sentiram muito agradecidos” pelo resgate. “Hoje pela manhã, após servirmos um café da manhã, eles começaram a interagir mais com a nossa tripulação, a efetuar brincadeiras e se sentiram muito agradecidos com o fato de um navio brasileiro ter os resgatado”.
“Me sinto apenas um cidadão, um servidor da Marinha do Brasil. Sinto muito orgulho do que faço perante o Brasil. Nada de heroísmo, apenas a nossa função de salvaguarda da vida no mar, como somos treinados desde os bancos escolares. Não considero isso heroísmo, mas parte do nosso dever na Marinha do Brasil”, afirmou Nunes.

Pagamento
O comandante da embarcação clandestina não quis falar. Conforme o comandante brasileiro, os imigrantes relataram que pagaram para a travessia, mas não relataram o valor.

“A maioria estava só com a roupa do corpo. Alguns, as mulheres em especial, levavam mochilas com roupas para as crianças e documentos. Não encontramos objetos de valor”, diz Nunes.

Imigrantes resgatados de embarcação que saiu da Líbia com destino à Itália receberam comida e remédios a bordo de corveta do Brasil (Foto: Divulgação)Imigrantes resgatados de embarcação que saiu da Líbia com destino à Itália receberam comida e remédios a bordo de corveta do Brasil (Foto: Divulgação)

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/imigrantes-resgatados-nao-comiam-ha-2-dias-diz-chefe-de-navio-do-brasil.html

Guarda costeira da Grécia resgata 2.500 imigrantes nos últimos 3 dias

A maior parte deve seguir para a fronteira com a Macedônia.
Grécia presenciou aumento no número de refugiados chegando da Turquia.

 A guarda costeira da Grécia resgatou mais de 2.500 imigrantes e refugiados no litoral das ilhas do leste do país nos últimos três dias, disseram autoridades nesta segunda-feira (31), à medida que o fluxo de pessoas tentando cruzar para a Europa continua alto.

A Grécia presenciou um aumento no número de refugiados chegando da Turquia em botes infláveis. Agências de resgate estimam cerca de 2 mil travessias diárias neste mês. A maioria foge de países em conflito, como Síria, Iraque eAfeganistão.

Após um hiato de poucos dias na semana passada, autoridades gregas retomaram o transporte de refugiados sírios para terra firme em navios no sábado, e o grupo mais recente de 2.500 refugiados chegou ao porto de Piraeus nesta segunda-feira.

A maior parte deve seguir para a fronteira com aMacedônia como parte da jornada para o norte europeu.

Dezenas de botes levando migrantes deixam a Líbia com direção à Itália ou à Grécia semanalmente (Foto: Mohamed Ben Khalifa/AP)Dezenas de botes levando migrantes deixam a Líbia com direção à Itália ou à Grécia semanalmente (Foto: Mohamed Ben Khalifa/AP)

Judeu que fugiu dos nazistas propicia resgate de 2.000 cristãos do ISIS para pagar ‘dívida’

Um judeu do Reino Unido está financiando o resgate de até 2.000 famílias cristãs de terroristas do Estado Islâmico no Iraque e Síria para mostrar sua gratidão para os cristãos que lhe salvaram da perseguição nazista, relatou o The Independent na terça-feira.

O projeto de reassentamento, chamado Operation Safe Haven, na semana passada organizou o vôo de 150 cristãos sírios para a Polônia, onde eles vão buscar refúgio. O grupo tem como objetivo fornecer 12-18 meses de suporte pago para os refugiados, de acordo com The Independent .

O homem por trás do projeto é o Senhor Weidenfeld, de 94 anos, um ex-editor que disse que tem “uma dívida para pagar” para os cristãos, porque eles lhe forneceram como uma criança alimentos e roupas, e o ajudou a chegar na Grã-Bretanha depois que ele fugiu ocupada pelos nazistas na Áustria . Em 1938, um ano antes do início da II Guerra Mundial, ele chegou na Grã-Bretanha de trem, como parte do esforço de resgate que trouxe milhares de crianças judias refugiadas para o Reino Unido

“Eu tinha uma dívida para pagar. Ela se aplica a tantos jovens que estavam no Kindertransports “, disse ele. “Foram os Quakers e outras denominações cristãs, que trouxeram as crianças para a Inglaterra.”

“Foi uma operação de mente muito elevada e nós, judeus, devemos também ser gratos e fazer algo para os cristãos em vias de extinção”, acrescentou.

Senhor Weidenfeld disse que espera repetir o trabalho de  Sir Nicholas Winton , que organizou comboios Kindertransport que salvaram 669 jovens de Tchecoslováquia ocupada pelos nazistas. O famoso humanitária morreu em 1 de Julho.

Operação Safe Haven tem enfrentado críticas por sua exclusão dos muçulmanos, que também foram perseguidos e forçados a deixar suas casas pelo ISIS.

O Senhor Weidenfeld defendeu o foco do projeto sobre os cristãos, dizendo: “Eu não posso salvar o mundo, mas há uma possibilidade muito específica no lado cristão. Deixe que os outros façam o que querem para os muçulmanos. ”

http://www.algemeiner.com/2015/07/14/jewish-man-who-fled-nazis-organizes-rescue-of-2000-christians-from-isis-to-repay-debt/