Arquivo da tag: #São Paulo

Aiatolá que prega a destruição de Israel visitará o Brasil

O iraquiano Mohsen Araki é uma estrela do islã xiita. Dono do título de aiatolá, ele faz parte do círculo mais próximo líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, de quem é amigo pessoal desde a juventude. Araki desembarcará no Brasil na próxima semana para pregar em mesquitas e instituições patrocinadas pelo governo do Irã no Brasil. No sábado dia 29, ele proferirá uma palestra no evento “Os muçulmanos e o enfrentamento ao terrorismo radical”, que será em São Paulo, no Novotel Center Norte. Uma ironia por Araki ser conhecido justamente por pregar a violência contra o que ele define como inimigos do islã.

Quando o ex-presidente Mahmoud Ahmadinejad pregou a destruição de Israel, ele estava apenas reproduzindo os discursos de Araki. Em várias oportunidades, o religioso pregou a destruição do Estado Israel. Durante um encontro com o secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, o aiatolá Araki definiu Israel como “um câncer que deveria ser extirpado do Oriente Médio”.

Em suas pregações, Araki acusa os Estados Unidos e os judeus de serem os responsáveis pelos problemas econômicos dos países islâmicos e das divisões existentes entre as várias correntes da religião islâmica. Em uma visita ao Líbano, ele sugeriu aos líderes do Hamas, o grupo terrorista que controla a Faixa de Gaza, uma união estratégica entre todos as organizações terroristas que atuam no Líbano e Palestina como forma de “banir Israel do mapa”, conforme publicado pela imprensa oficial iraniana.

Em sua página oficial no Facebook, o líder religioso não faz questão de esconder seus vínculos com o Hezbollah e suas posições extremistas. Resta saber se no Brasil ele reproduzirá esse mesmo discurso de ódio que ele propaga por onde passa.

O anfitrião de Araki no Brasil será o sheik iraquiano Taleb Khazraji, outra figurinha carimbada do Hezbollah na América Latina. Khazraji foi citado dos relatórios produzidos pelos investigadores do atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita (AMIA), como sendo um dos interlocutores dos terroristas que explodiram a entidade em julho de 1994.

Arquivado em:Mundo

http://www.msn.com/pt-br/noticias/mundo/aiatol%C3%A1-que-prega-a-destrui%C3%A7%C3%A3o-de-israel-visitar%C3%A1-o-brasil/ar-BBEsqtR?ocid=ob-fb-ptbr-48

Presos em conflito com grupo anti-imigração são soltos em SP após audiência na Justiça

Nenhum deles foi indiciado, mas poderão ser investigados caso o Ministério Público entenda que há necessidade. Dois palestinos terão que cumprir medidas cautelares.

uatro presos após conflito com manifestantes de direita contrários à Lei de Migração, sendo dois palestinos e dois brasileiros, foram soltos na tarde deste quarta-feira (3) em São Paulo. A soltura ocorreu após audiência de custódia no Fórum da Barra Funda, para onde eles haviam sido levados ao deixar o 78º Distrito Policial, nos Jardins.

Nenhum deles foi indiciado, mas o Ministério Público pode entender que há necessidade de abertura de inquérito. Os dois, que são de origem palestina, no entanto, precisarão cumprir medidas cautelares, que incluem ter que se apresentar à Justiça mensalmente, não participar de manifestações relacionadas à Lei de Migração, não se aproximar de outras partes do processo e não se ausentar de São Paulo por mais de 15 dias.

Segundo a Polícia Civil, os quatro manifestantes favoráveis à Lei de Migração foram presos em flagrante. O auto de prisão em flagrante imputava aos detidos os crimes de explosão, lesão corporal, associação criminosa e resistência durante confronto em manifestação. O estudante Roberto Freitas, 18, e Nykolas Silva, 22, os dois brasileiros, tiveram o chamado “relaxamento total de flagrante”, o que significa que não tem o que responder à Justiça.

Justiça manda soltar quatro homens que estavam presos, depois de uma confusão na Paulista

Justiça manda soltar quatro homens que estavam presos, depois de uma confusão na Paulista

O empresário Hasam Sarif, 43, e o refugiado sírio Nour Alsayyd, 22, tiveram relaxamento de flagrante e foram liberados dos crimes de associação criminosa e resistência. No entanto, a polícia apura a participação deles em explosão e lesão corporal, por considerar que “há indícios suficientes” de que eles explodiram arterfato, conforme aponta o boletim de ocorrência.

Os dois negam as acusções que constam no BO. Segundo o advogado Hugo Albuquerque, a alegação do BO é “estapafúrdia”. “Eram 50 pessoas, eles eram 5. Eles sofreram ofensas xenofóbicas e o BO é totalmente parcial. É como se eles não tivessem sido atacados, não tivessem sido feridos”, disse.

O juiz José Eugenio do Amaral Souza determinou que eles fossem soltos porque verificou que “ambos são primários, tem bons antecedentes e ocupações lícitas”.

O conflito

Por volta das 21h desta terça-feira (2), cerca de 50 pessoas do Movimentos Direita São Paulo e Juntos pelo Brasil protestavam em frente ao escritório da Presidência da República na Avenida Paulista pedindo para o presidente Michel Temer vetar a Lei de Migração aprovada no Senado. No mesmo horário, havia 20 pessoas favoráveis à lei. Não se sabe como começou, mas houve confronto entre os dois grupos, e um vídeo divulgado no Facebook mostra uma explosão.

O ato gritava contra a “islamização do Brasil” e os manifestantes seguravam faixas escritas “Aloysio Nunes [ministro das Relações Exteriores] traidor” e pediam pela “soberania”.

O advogado do grupo disse que eles foram linchados pelos manifestantes contrários à nova lei. O sírio Nour chegou a ficar ferido na cabeça, mas nenhum agressor foi preso.

O grupo, ainda de acordo com a Polícia Civil, teria arremessado artefato explosivo. Os detidos, no entanto, alegaram que apenas se defenderam. Não é possível afirmar como começou o confronto.

Entre os presos está o palestino Hasan Zarif, líder do movimento Palestina para Tod@s e proprietário do bar Al Janiah, no Centro de São Paulo. Os advogados afirmaram que demoraram quase cinco horas para ter acesso aos presos, e jornalistas não puderam entrar no 78º DP, para onde eles haviam sido levados.

Um amigo de Hasan, em vídeo gravado e postado no Facebook, disse que “armaram” para os palestinos.

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/presos-em-conflito-com-grupo-anti-imigracao-sao-soltos-em-sp-apos-audiencia-na-justica.ghtml

Sessão solene discute genocídio de cristãos e minorias no Oriente Médio

A Câmara Municipal realizou nesta segunda-feira (15/8) sessão solene em reconhecimento do genocídio de cristãos e minorias no Oriente Médio. Presidida pelo vereador Natalini (PV), representantes de entidades católicas e judaicas discutiram sobre o tema no Auditório Prestes Maia.

A presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, Andrea Fernandes Vieira, iniciou os pronunciamentos dando um panorama sobre a perseguição religiosa e pontuou sobre a falta de cobertura pela mídia e posicionamento de órgãos governamentais e instituições internacionais acerca da violência cometida contra seguidores do cristianismo. “Depois de 1.400 anos, o número de cristãos que habitavam o norte da África e o Oriente Médio reduziu de 90% para 4%. É necessário que a diplomacia brasileira pressione para que a ONU reconheça esse genocídio.”

Já Ricardo Berkiensztat, presidente-executivo da Federação Israelita do Estado de São Paulo, falou sobre a importância de relembrar fatos históricos, como o holocausto sofrido pelo povo judeu, e a necessidade de utilizar a informação e a educação para combater a intolerância. “Em pleno século XXI as pessoas ainda são discriminadas por cor, por orientação sexual e não são vistas como seres humanos. Nós, judeus, sentimos na pele. Temos sobreviventes do holocausto e há gente que nega que existiu. Vamos protestar, usar os espaços que temos, as redes sociais, que são uma grande arma pela paz, e repelir o extremismo”.

Representando o Cardeal Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, o bispo Dom Carlos Lema Garcia argumentou que o Brasil é um país promissor para o debate, em vista do acolhimento a refugiados nos últimos cinco anos. “Não podemos ter uma reação de violência, porque gera mais violência. O Brasil é o país que mais recebe refugiados e é um exemplo vivo para o restante dos países por acolher uma diversidade de pessoas”.

O vereador Natalini reiterou a urgência em abordar o tema de forma empática. “Não podemos tratar como um problema distante e perder a capacidade de nos indignar. Que essa sessão possa levar para a sociedade o que está acontecendo.”

http://www.camara.sp.gov.br/blog/sessao-solene-discute-genocidio-de-cristaos-e-minorias-no-oriente-medio/

Palestra aborda ações humanitárias no mundo muçulmano

A advogada e internacionalista Andréa Fernandes Vieira ministrou na noite de quarta-feira (22), no plenário da Câmara Municipal, palestra sobre a necessidade de ações humanitárias em países muçulmanos. O evento aconteceu em parceria entre a Escola Legislativa e a organização não governamental “Ecoando a voz dos mártires”, da qual a palestrante é presidente.

Andréa iniciou a palestra ao explicar o tema. “Nós vamos falar sobre a perseguição religiosa que tem gerado uma grande catástrofe em países muçulmanos, que não é comentada pela mídia global, nem combatida pela Organização das Nações Unidas (ONU) ou por organismos que deveriam tratar sobre este assunto”.

Ainda, segundo a palestrante, o Estado Islâmico e muitos governos muçulmanos estão promovendo uma “limpeza religiosa” nos países do Oriente Médio e da África. “Esperamos que o Brasil, onde a maioria da população é cristã, se levante para dar voz aos cristãos e à outras minorias que estão sendo dizimadas”, comentou Andréa, destacando a necessidade de a sociedade brasileira colaborar com as instituições humanitárias que prestam auxílio nesses locais.

Durante o evento, foram apresentados dados estatísticos e documentação fotográfica sobre as situações de violência denunciadas.

http://www.araras.sp.leg.br/palestra-aborda-acoes-humanitarias-no-mundo-muculmano/6363

Refugiados sírios fazem protesto em São Paulo

Grupo quer sensibilizar brasileiros para a violência na terra natal.

SÃO PAULO. Um grupo de refugiados sírios que vive no Brasil fez neste domingo um ato na Avenida Paulista, em São Paulo, próximo ao Consulado da Síria, em solidariedade aos conterrâneos e em protesto contra bombardeios na província de Aleppo, no norte do país.

Em abril, apesar da trégua em vigor desde fevereiro entre o regime e os rebeldes, bombardeios deixaram 22 civis mortos na província da Síria, entre eles dez crianças, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Continuar lendo Refugiados sírios fazem protesto em São Paulo

EVM postulará reconhecimento do Genocídio Armênio no MRE

1e0ecba0-c23e-49ed-acd7-c0fdd3f1d9f5.jpg
Sessão Solene ocorrida na Câmara Municipal de São Paulo para homenagear os Mártires Armênios.

São Paulo – O EVM compareceu à Sessão Solene em Homenagem aos Mártires Armênios na Câmara Municipal de São Paulo, data instituída em 2015, por iniciativa do vereador Gilberto Natalini. A presidente da ONG, Andréa Fernandes, esteve no local com Alberto Rosenberg que a auxiliou nos contatos com representantes da comunidade armênia.

A solenidade contou com a presença de representantes diplomáticos, dirigentes comunitários e representantes da arte e cultura, além da comunidade armênia e outros convidados. Andréa Fernandes conversou com lideranças religiosas e comunitárias se prontificando a pleitear na próxima videoconferência do Ministério das Relações Exteriores (MRE) o reconhecimento do genocídio armênio promovido pela Turquia durante a Primeira Guerra Mundial, uma vez que o Senado já aprovou documento reconhecendo a política de extermínio turca em virtude da moção de solidariedade apresentada em 25/05/2015, pelos senadores Aloysio Nunes Ferreira e José Serra.

8a2a8b1f-68d7-4044-9cb6-28a9a68816d6.jpg
Bispo Dom Vartan Waldir Boghossian – bispo dos armênios católicos da América Latina

 

O documento assevera: “Em dezenas de cidades do Império Turco-Otomano, onde conviviam pacificamente famílias de diferentes etnias toda a população armênia masculina foi reunida à força, executada e empilhada”. Segundo a Associação internacional de Estudiosos de Genocídio, as execuções e deportações em massa para áreas desérticas provocaram a morte de mais de 1 milhão de armênios, o que não é reconhecido pela Turquia. O Estado muçulmano alega que teriam sido 300 a 400 mil mortos em decorrência da guerra.

No evento, a esposa de Kevork Zadikian, presidente do Conselho Nacional Armênio do Brasil, dirigiu-se à Andréa Fernandes para informar que a entidade entrará em contato com a ONG, que tem sido porta-voz dos conclames de direitos humanos das minorias étnicas e religiosas no mundo muçulmano. O vereador Gilberto Natalini agendou reunião com a presidente do EVM para deliberar sobre o pleito da instituição humanitária acerca de evento pertinente ao genocídio de cristãos e minorias em curso no Oriente Médio, pois, como sabiamente frisado pela comunidade armênia: “um genocídio não termina enquanto não for reconhecido”.

Por Andréa Fernandes (advogada, internacionalista e presidente do EVM)

Veja mais fotos:

40823453-dd7b-409e-90c0-44c0695828d8.jpg
Gilberto Natalini – vereador proponente da Sessão
ac8ad3e1-712f-4cf1-8de7-1d5cedf154de.jpg
Bispo Nareg Barberian – bispo da Igreja Apostólica Armênia no Brasil
8a95621c-17bd-4a8e-acb4-6bf488f52ea3.jpg
Presidente Andréa Fernandes e Alberto Rosenberg
3a5622cb-0b6d-400e-ab36-fe269472b607.jpg
Sonia Nicolian Muradian – Presidente da Associação Beneficente de Damas do Brasil Armênia

Pastor da 1ª Igreja Batista em Araras encaminhará pleito do EVM à CBB

São Paulo –  O EVM logrou importante vitória na busca de apoio para o pedido da instituição que tramita no Ministério das Relações Exteriores em Brasília. Daniel Barros, importante líder político da região, encaminhou o projeto da ONG ao pastor André Fabiano, da 1ª Igreja Batista em Araras, que participou de reunião onde estiveram presentes as representantes do EVM, Andréa Fernandes e Andréa Giordana, além do pastor coordenador de Missões, André Custódio.

Após ouvir sobre as condições periclitantes em que vivem cristãos e minorias no mundo muçulmano aprouve ao pastor André Fabiano ofertar apoio mediante o contato que estabelecerá com a Convenção Batista Brasileira no estado de São Paulo para deliberar sobre o tema objeto de requerimento no MRE.

Logo, configura-se importante passo em direção à ratificação por parte de renomadas organizações religiosas no que pertine ao requerimento de inclusão da denúncia e condenação da perseguição a cristãos e minorias por governos muçulmanos no discurso do Brasil na assembleia geral da ONU, em setembro.

Inobstante tal fato, o articulador Daniel Barros se prontificou a contatar lideranças evangélicas e católicas para somar nos esforços de apoio a tão importante causa humanitária. E, graças à sua iniciativa, a presidente da ONG, Dra. Andréa Fernandes, terá acesso à assessora do senador Magno Malta, Dra. Damares Alves.

 

Vereador Bonezinho apoia EVM para palestrar na Escola Legislativa de Araras

São Paulo – Nessa quarta-feira, a presidente do EVM, Andréa Fernandes e Andrea Giordana estiveram pela manhã em reunião com o vereador Bonezinho Corrochel para tratar de projetos da instituição no município de Araras.

O vereador atendeu prontamente a solicitação da Dra. Andréa Fernandes para requerer o agendamento de palestra na Escola Legislativa da Câmara Municipal, o que foi deferido pela assessora da presidência, Magda Regina Carbonero Celidorio.

O vereador Bonezinho se mostrou atencioso ao pleito do EVM, prontificando-se a intermediar reunião com o pastor presidente da Igreja do Evangelho Quadrangular, Durvalino Brocanelli. Além disso, Bonezinho forneceu importantes contatos na Assembleia Legislativa do estado de São Paulo, indicando, ainda, Daniel Barros para articulação com as lideranças religiosas evangélicas e católicas no município.

Ao ser informado do trabalho da instituição humanitária, Daniel Barros, de pronto, sugeriu agendamento com o pastor da sua denominação para promover reunião com pastores da região, e já se disponibilizou a promover pedido de agendamento para conversação com um senador em Brasília.

 

 

EVM na Câmara Municipal de Araras-SP

São Paulo – Na segunda-feira (18/04), o EVM esteve na Câmara Municipal de Araras, município de São Paulo, onde foi convidado à tribuna para discursar divulgando seu trabalho e promovendo o ideário de conscientização humanitária acerca das violações dos direitos humanos contra minorias étnicas e religiosas no mundo muçulmano.

Na oportunidade, discursou representando a ONG, Andréa Giordana, em razão de disposição regimental exigindo que a tribuna só pode ser ocupada por morador da cidade. Andréa leu o discurso confeccionado pela presidente da ONG, Dra. Andréa Fernandes, que também compareceu ao evento. No discurso frisou-se a grave situação de ameaça que vivem os cristãos e minorias no Oriente Médio, África e Ásia, bem como o descaso da comunidade internacional. Após o pronunciamento, mesmo ainda em sessão para deliberação de outras pautas, a vereadora Anete Monteiro dos Santos Casagrande demonstrou interesse em conhecer o trabalho da instituição e a equipe do EVM foi recebida imediatamente no gabinete por seu assessor Thiago Marquezin.

A presidente da ONG explicitou projetos, frisando, em especial, as articulações junto ao Ministério das Relações Exteriores para a inclusão da denúncia e condenação da perseguição aos cristãos e minorias no mundo muçulmano no próximo discurso do Brasil na assembleia geral da ONU.

Após o cumprimento da agenda na Câmara dos Vereadores, a equipe se dirigiu a uma escola do município para reunião com a vice-diretora a fim de informar sobre o trabalho a nível educacional desenvolvido pela ONG, uma vez que, a pedido de uma aluna, houve interesse de ser conhecido o tema das exposições do EVM para possível ministração de palestra ao corpo discente, o que será decidido após o contato posterior com a diretora.

Nessa terça-feira, está agendada reunião com um vereador para discutir projeto do EVM e articular apoio entre lideranças evangélicas no município.

Por Andréa Fernandes (Presidente do EVM)

EVM CONVENCE MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES A PROPOR AO ITAMARATY A INCLUSÃO DE CONDENAÇÃO DA “CRISTOFOBIA” EM DISCURSO NA ASSEMBLEIA GERAL DA ONU

Por Andréa Fernandes

Mais uma vez, a equipe de internacionalistas do Ecoando a Voz dos Mártires (EVM) participou de videoconferência com o Ministério das Relações Exteriores e Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, em 29 de março, sobre a atuação internacional do Brasil em temas de direitos humanos. O referido diálogo é realizado periodicamente, seis vezes ao ano, antes e depois das sessões do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra.

As videoconferências costumam ocorrer nas sedes do Ministério Público Federal em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Manaus, Curitiba e Belém, sendo certo que, as internacionalistas do EVM, Dra. Andréa Fernandes e Marcelle Torres, estiveram no MPF de São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente, contando com o apoio operacional de Andrea Giordana Ribeiro que filmou e fotografou o evento.

Cumpre informar que ao ser concedida a palavra à Marcelle Torres, especialista em Coreias e pesquisadora da Escola Naval de Guerra, a mesma se pronunciou tecendo uma análise acurada do cenário de letargia com que são encaradas as terríveis violações de direitos humanos na Coreia do Norte e pontuou a falta de engajamento brasileiro nesse contexto de omissão internacional, requerendo posicionamento brasileiro nesse sentido.

Em resposta às colocações da internacionalista, Pedro Saldanha, Chefe da Divisão de Direitos Humanos do Ministério das Relações Exteriores, informou que na última sessão do Conselho de Direitos Humanos, em março, mais uma vez foi adotado Projeto de Resolução intitulado “A Situação dos Direitos Humanos na República Popular Democrática da Coreia” e foi aprovado por consenso, dizendo que o Brasil apóia essa iniciativa, e afirmando ainda que “há sim, uma preocupação da comunidade internacional com relação à situação de diretos humanos na Coreia do Norte”. Contudo, o representante do Ministério das Relações Exteriores se limitou a expressar que o “Brasil acompanha com atenção a situação e atua tendo por objetivo uma melhora concreta da situação de direitos humanos no terreno e não vai atuar com meras condenações pelo simples fato de condenar se o Brasil não considerar que aquela eventual condenação tem o poder de contribuir para a melhora da situação das pessoas que estão sofrendo violações nos diversos países no mundo todo”, sendo com esse princípio que atua também com a Coreia do Norte, mantendo canal de diálogo objetivando trazer o país à cooperação. Todavia, em momento algum, Pedro Saldanha especificou as tais ações brasileiras ou rebateu com argumentos críveis as colocações da internacionalista.

Logo após, houve a manifestação da presidente do EVM, Andréa Fernandes, que inicialmente teceu considerações onde demonstrou o descaso da ONU para com o tema “perseguição a cristãos e minorias no mundo muçulmano”, abordando o fato de ter havido em 21 de março a celebração do Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial na ONU, e o secretário-geral da entidade, Ban Ki-moon, alertou para o aumento do preconceito, da xenofobia e da violência contra minorias, migrantes e, particularmente, contra muçulmanos, alertando, ainda, sobre o risco que emerge da “extrema-direita” européia contra os imigrantes, idéia esta seguida também pela Diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, destacando que discriminação racial “divide e mata”. Outrossim, noticiou que em 24 de março, a Comissão de Direitos Humanos pronunciou 37 resoluções, mas nenhuma delas condenou especificamente países muçulmanos por violações de direitos humanos contra minorias cristãs.

Andréa Fernandes afirmou que a chamada “extrema direita” européia não vindica formulação de pena de morte contra homossexuais, adúlteros, dissidentes políticos, apóstatas e crianças, como ocorre, por exemplo, no Irã – país que a presidente Dilma pretende visitar – além do que, não defende a escravidão sexual, decapitações e outras atrocidades que ocorrem em países muçulmanos, sendo absurda a falta de posicionamento da ONU contra tais barbáries. Nesse diapasão, a presidente do EVM lembrou do discurso da presidente Dilma Roussef condenando a ISLAMOFOBIA na sessão de abertura da Assembleia Geral da ONU, em 2012, ano em que 105 mil cristãos foram assassinados em razão da sua fé, ressaltando que, em não havendo pronunciamento da presidente ou representante brasileiro na próxima sessão da Assembleia Geral denunciando e condenando a CRISTOFOBIA, configurar-se-á seletividade no trato com o tema, o que seria inadmissível por ser o Brasil um país de maioria cristã que abomina a perseguição sistemática promovida por governos muçulmanos.

Inobstante tal fato, a internacionalista evocou a denúncia da Anistia Internacional em 2015, no que pertine exportação para Arábia Saudita de bombas de fragmentação – proibidas em mais de cem países – as quais estão sendo utilizadas pela teocracia islâmica em bairros residenciais iemenitas na “guerra por procuração” contra o Irã. Frisando que o Brasil é o 4º maior exportador mundial desse tipo de armamento, Andréa Fernandes indagou Pedro Saldanha sobre a resposta brasileira a tal denúncia e o posicionamento governamental quanto ao banimento de exportação do aludido armamento por ser imoral para um país que postula assento permanente no Conselho de Segurança e diz defender direitos humanos, oportunidade em que, trouxe à lume o informe de o governo brasileiro ter ofertado incentivos fiscais em 2013 para as indústrias que enviam armamento proibido que está matando a população mais pobre do Oriente Médio.

Embora sabendo que a denúncia partiu da Anistia Internacional, o Chefe da Divisão de Direitos Humanos do Ministério das Relações Exteriores afirmou que não poderia se pronunciar num caso relatado pela “imprensa” e que se certificaria sobre o ocorrido.

No que concerne ao pleito da internacionalista acerca da inclusão no discurso brasileiro de DENÚNCIA e CONDENAÇÃO da CRISTOFOBIA na próxima sessão de abertura da Assembleia Geral da ONU, Pedro Saldanha se comprometeu a encaminhar o pedido para o Itamaraty a fim de ser atendido, posto que, impossível refutar os argumentos expendidos dada a gravidade das violações de direitos humanos cometidas contra as comunidades cristãs no mundo muçulmano.

Dessa forma, o EVM cumpriu um dos seus objetivos institucionais, qual seja, “dar voz nos cenários nacional e internacional aos cristãos e minorias” que são perseguidos por governos muçulmanos e pela Coreia do Norte. E vale salientar que o EVM entrará em contato com importantes lideranças cristãs brasileiras para apoiá-la para que haja o implemento de tão importante tema na agenda de política externa da diplomacia brasileira.

Andréa Fernandes é advogada, internacionalista e presidente do Ecoando a Voz dos Mártires (EVM)