Arquivo da tag: #Sharia

Como derrubar o voraz “jabuti islâmico” no “acordo de cooperação cultural” entre Brasil e Arábia Saudita?

Por Andréa Fernandes

Hoje, tomamos conhecimento através da imprensa que o presidente Bolsonaro afirmou em Riad que a Arábia Saudita convidou informalmente o Brasil a integrar a OPEP ( Organização dos Países Exportadores de Petróleo). Mostrando a devida cautela, o presidente disse que a decisão seria comunicada após consultar a equipe econômica e o Ministério da Energia, apesar de manifestar entusiasmo pelo convite que vem após o anúncio de investimento do Fundo Soberano Saudita à monta de US$ 10 bilhões no Brasil.

O voraz “Jabuti islâmico”

Dessa forma, o presidente cumpre a promessa de comercializar com o mundo, porém, ontem, a imprensa árabe noticiou os acordos celebrados com o Brasil e como eu já esperava, entre os acordos assinados foi inserido estrategicamente um perigoso “jabuti islâmico” que, uma vez implementado trará sérias ameaças à soberania nacional. De maneira que ao firmar o ” “Memorando de Entendimento sobre Cooperação Cultural, o Brasil se expõe às práticas de dominação islâmica que já mostraram sua maléfica influência na Europa através da instalação de uma estrutura de poder que fortalece a rede de jihadistas que se infiltram em todos os níveis da sociedade a fim de impor a sharia (lei islâmica), o que ocorre muitas vezes de forma imperceptível.

Quando escrevi o artigo alertando para o perigo de sair das águas dos acordos comerciais e navegar pelo mar turbulento da “cooperação cultural” fundamentada no estímulo à divulgação de uma doutrina religiosa ortodoxa que promove atrocidades, alguns leitores subestimaram a análise, isto porque, não discernem a forma de atuação do fundamentalismo islâmico.

Acordo de “cooperação cultural” ou acordo de “dominação islâmica”?

Em primeiro lugar, não existe uma real reciprocidade nesse acordo, pois não haverá efetiva cooperação cultural por parte dos sauditas. A sharia (lei islâmica) comanda a vida do muçulmano em todos os aspectos  e a cultura ocidental é demonizada, além do que, a Arábia Saudita exporta a doutrina wahabita para as mesquitas em todo mundo. Essa doutrina é a base religiosa do Estado Islâmico, Al -Qaeda, Hamas e milhares de outros grupos terroristas muçulmanos sunitas.

De sorte que, as lideranças religiosas muçulmanas ortodoxas terão “carta aberta”para apregoar de forma enganosa o pacifismo do Islã ortodoxo a fim de angariar novos fiéis que serão ensinados através do Alcorão e Hadiths a odiar cristãos, homossexuais, ateus e judeus. Enquanto isso, os brasileiros não poderão levar sua fé e/ou cultura ao solo sagrado saudita, onde o Cristianismo é terminantemente proibido desde a ordem do profeta Mohammad de extirpar da Península Arábica todos os cristãos e judeus. Antes de sua morte, seus seguidores jihadistas assassinaram ou expulsaram todos os não-muçulmanos de suas terras, pelo que todos aqueles que conhecem o Islã ortodoxo sabem que esse acordo assinado pelo presidente com o príncipe acusado recentemente de mandar esquartejar um jornalista no interior do Consulado turco é apenas uma estratégia de “engano religioso” chamada taqiyya (obrigação de todo muçulmano mentir para os infiéis visando expandir o Islã).

O Jabuti Islâmico devorou até a Primeira Emenda dos Estados Unidos

Ademais, os países europeus que comercializaram com a Arábia Saudita e demais Estados totalitário muçulmanos permitindo a concretização dos comandos de “acordo de cooperação cultural” estão sofrendo as terríveis consequências da islamização radical. A sharia (lei islâmica) tem sido implantada de forma a regular até o comportamento de não-muçulmanos em obediência ao Islã, e enganam-se aqueles que ao tentarem refutar meus argumentos afirmaram que alguns países ocidentais comercializam com sauditas, inclusive os Estados Unidos. Contudo, se adentrarmos no contexto comportamental americano perceberemos que a SHARIA já impõe os preceitos islâmicos no país protestante violando as outrora sagradas “liberdades individuais” e “liberdades religiosas”. Vamos a um exemplo? A Suprema Corte se negou a apreciar o processo de estudante do ensino médio de Maryland , Caleigh Wood, que se recusou a participar de um trabalho escolar para escrever a reza de conversão islâmica que afirma “… não há Deus, exceto Alah”, porque ela acreditava que isso contradizia diretamente sua fé cristã .

Segundo a Fox News:

Richard Thompson, presidente e conselheiro principal do Thomas More Law Center, que apresentou a petição em nome de Wood, disse: “As escolas estão promovendo o Islã sobre o cristianismo ou qualquer outra religião, e você tem um padrão duplo, que consideramos uma violação da lei. Thompson também disse no comunicado de imprensa da empresa : “Sob o pretexto de ensinar história ou estudos sociais, escolas públicas de toda a América estão promovendo a religião do Islã de maneira que nunca seria tolerada pelo Cristianismo ou por qualquer outra religião”.

Thompson disse que, além de obter um F na classe, Wood também foi obrigado a assistir a uma apresentação em PowerPoint pró-Islã que denegria sua religião e basicamente dizia que os cristãos não são tão fiéis quanto os muçulmanos. Então acreditamos firmemente que isso era uma violação. ”

Ora, se nos Estados Unidos as diversas entidades muçulmanas ortodoxas patrocinadas pela Arábia Saudita e outros países totalitários conseguem DERRUBAR A PRIMEIRA EMENDA para promover a difusão em todo país dessa crença que estimula violação de direitos humanos, pergunto: por que o brasileiro acha que nosso país será o ÚNICO no mundo em que o Islã não abocanhará as principais instituições????

Brasil na rota das doutrinas religiosas extremistas

Brasileiro, você tem a noção do nível de influência do Islã ortodoxo nas comunidades carentes? Esqueceu que o PCC de São Paulo e o Comando Vermelho do Rio de Janeiro já fecharam parceria com a mais poderosa organização narcoterrorista islâmica do mundo? Então leia parte da matéria publicada no Correio Braziliense em abril de 2019 seguinte:

Enquanto o Congresso discute uma série de leis anticrime e o governo federal concentra esforços na atuação da crise na divisa com a Venezuela, no norte do país, facções criminosas se fortalecem na tríplice fronteira, na divisa entre Brasil, Paraguai e Argentina. Desde 2017, organizações como o Primeiro Comando Capital (PCC), aliada ao Hezbollah, e o Comando Vermelho (CV), ampliam suas atividades de contrabando de armas, drogas lícitas e ilícitas e eletrônicos na região. O crescimento do poder do crime preocupa autoridades, mas encontra poucas ações práticas para frear o crescimento do poder paralelo no local.

Assim, mesmo sabendo que a maioria dos muçulmanos NÃO são jihadistas, a realidade é que o Brasil ainda não está preparado para combater em todas as frentes um aprofundamento da ameaça terrorista que já existe há anos. Apenas uma ação coordenada de ataques jihadistas/terroristas perpetrados por sauditas que seguiam a doutrina wahabita  exportada pela Arábia Saudita matou quase 3 mil inocentes nos atentados de 11 de setembro (Estados Unidos), o que mostra que não podemos facilitar a disseminação desse VENENO IDEOLÓGICO em solo nacional!

Como se livrar do perigoso jabuti?

Uma vez assinado o “acordo de jabuti islâmico”, resta-nos, a princípio, uma saída altamente democrática e respeitosa para com o presidente: pressionar os parlamentares para derrubarem em votação esse acordo de cooperação, e caso seja ratificado – porque dificilmente o Parlamento vai se mobilizar – a alternativa é promover a criminalização explícita da sharia em território nacional e derrubar a Lei de Migração. Ressalto, ainda, que sem MOBILIZAÇÃO POPULAR dentro e fora das redes, essa batalha estrá perdida!!!

O brasileiro que vem permitindo o ingresso de inúmeros terroristas do Hezbollah, FARC e milícias venezuelanas infiltrados entre os refugiados no pobre território de Roraima precisa despertar urgentemente para essa GRAVE questão de SOBERANIA NACIONAL. A espada de Mohammad não poupa aqueles que se omitem no quesito SEGURANÇA NACIONAL.

A democracia precisa vencer a sharia. Brasil acima de tudo, D’us acima do Islã!!!

Andréa Fernandes – advogada, jornalista, internacionalista e diretora-presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires

Imagem Veja

No Irã, conversão ao Cristianismo resulta em prisão por “agir contra a segurança nacional”

“O Irã sentencia cristãos convertidos a 1 ano de prisão por ‘agir contra a segurança nacional’”, por Samuel Smith, Christian Post , 1º de agosto de 2019:

Um cristão convertido foi condenado a um ano de prisão sob a acusação de “atuar contra a segurança nacional” e de se engajar em “propaganda contra o sistema” enquanto prosseguem as repressões contra os cristãos, informa o grupo de ajuda International Christian Response.

A sentença foi entregue a Mahrokh Kanbari, de 65 anos, na segunda-feira, dois dias depois de comparecer ao Tribunal Revolucionário Islâmico em Karaj. Amigos de Kanbari disseram ao grupo sem fins lucrativos que o juiz foi rude com a ré e tentou humilhá-la quando ela discordou dele.

Kanbari foi presa por três agentes de inteligência iranianos em sua casa na véspera de Natal. Autoridades teriam confiscado telefones celulares, Bíblias e outros materiais relacionados a cristãos.

Depois de pagar uma fiança equivalente a cerca de US $ 2.500, ela foi liberada. Ela foi oficialmente acusada de agir contra a segurança nacional em janeiro. De acordo com a International Christian Response, ela foi orientada a ir a um líder religioso para ser “instruída” a retornar ao Islã….

Imagem e informações Jihad Watch

Clérigo Muçulmano: Se os muçulmanos “subirem ao poder através da democracia, eles não permitirão que um infiel os governe”

“Sermão de sexta-feira em Jatt, Israel, pelo xeque Ahmad Badran: Quando os muçulmanos chegarem ao poder, nunca permitirão que os infiéis governem os muçulmanos” , MEMRI , 28 de junho de 2019:

O xeque Ahmad Badran disse em um sermão de sexta-feira de 28 de junho de 2019 em Jatt, Israel que foi enviado à Internet que os infiéis devem saber que quando os muçulmanos governarem de acordo com o Islã, não haverá uma única lei que não seja islâmica. Ele disse que os muçulmanos nunca permitirão que os não-muçulmanos governem os muçulmanos porque Allah disse que os infiéis nunca terão influência sobre os muçulmanos. Referindo-se aos muçulmanos que dizem que estão explorando a democracia para chegar ao poder, Badran aconselhou os infiéis a não serem enganados e explicou que assim que esses muçulmanos chegarem ao poder, eles também nunca permitirão que os infiéis governem os muçulmanos. Ele também explicou que quando a Irmandade Muçulmana “flerta” com os infiéis dizendo que apóiam a alternância de poder, eles estão apenas agindo para subir ao poder.

Sheikh Ahmad Badran: “Devemos dizer aos infiéis que quando governarmos de acordo com o Islã, não haverá uma única lei que não seja islâmica. Isso não é tudo. Nós nunca permitiremos que um não-muçulmano governe os muçulmanos. Devemos ser claros sobre isso. Alguns de nossos irmãos dizem: “Nós exploramos a democracia para chegar ao poder”. Estou dizendo aos infiéis: não se deixem enganar. Nossos irmãos muçulmanos – embora pensemos que eles escolheram um caminho errado … Se eles ascenderem ao poder através da democracia e conseguirem consolidar seu poder, eles não permitirão que um infiel os governe novamente. Você pode ter certeza disso. Estou me referindo a Erdogan ou Mohamed Morsi, que Allah tenha misericórdia de sua alma. É tudo a mesma coisa. Em qualquer lugar que os muçulmanos cheguem ao poder, por qualquer método, eles não permitirão que um infiel governe novamente os muçulmanos. Nós não aceitamos um sistema pluralista que combine islamismo e heresia. Existe apenas o Islã.

[…]

“Os infiéis não podem governar os muçulmanos, porque Allah diz: ‘Allah nunca concederá influência aos infiéis sobre os muçulmanos’. Se nossos irmãos islamistas [da Irmandade Muçulmana] flertarem com você e disserem que eles apóiam a alternância de poder – eles estão apenas fingindo ser infelizes para ascender ao poder. Se ascenderem ao poder, não permitirão que um infiel governe os muçulmanos. Não há duas maneiras sobre isso.

Imagem Britain First e  Informações Jihad Watch

Brunei vai instaurar a Lei Sharia e punir sexo gay com apedrejamento

Ativistas estão divulgando os planos de Brunei para implementar a lei da Sharia, que puniria o sexo gay por lapidação.

A pequena nação asiática tornou-se a primeira na região a pôr em prática a lei religiosa muçulmana, em 2014. O sexo gay já é punido com até dez anos de prisão, mas as novas leis acrescentariam chicotadas e apedrejamentos às punições para aqueles considerados culpados.

Embora a intenção original fosse introduzir a lei da Sharia em três fases, ela nunca passou da primeira fase, devido aos apelos internacionais.

Essas duas etapas atrasadas estão marcadas para entrar em vigor em 3 de abril, de acordo com vários grupos de direitos humanos, segundo a  Reuters .

O Projeto Brunei, o ASEAN SOGIE Caucus e o OutRight Action International confirmaram a notícia.

Imagem South China Morning Post e informações Richard Dawkins Foundation

Mauritânia: Parlamento rejeita duas vezes as leis que endurecem as penas por violência contra as mulheres

As feministas na Mauritânia estão lutando uma batalha difícil para ver penalidades mais duras para violência sexual e discriminação em um estado conservador onde o direito penal é derivado da Sharia.

“Poucos sobreviventes de ataques sexuais se atrevem a falar na Mauritânia”, disse a Human Rights Watch em um relatório em setembro passado.

A entidade criticou “um sistema disfuncional que desencoraja as vítimas de acusações (e) pode levar a uma nova traumatização ou punição.”

Os grupos de mulheres ajudaram a elaborar legislação para combater a violência baseada no gênero, exigindo penas mais duras para o estupro, a criminalização do assédio sexual e a criação de tribunais específicos para lidar com a violência sexual.

Mas o projeto foi rejeitado duas vezes pelo parlamento, apesar dos esforços para elaborar textos que estão dentro dos limites da lei Sharia – por exemplo, sexo extraconjugal permaneceria um crime.

Os legisladores se opuseram a disposições que permitem que as mulheres viajem sem a permissão de seus maridos, e permitem que grupos de apoio a vítimas arquivem processos civis.

Liderando a luta pela mudança está a Associação de Mulheres Chefes de Família (AFCF), cujo presidente Aminetou El Moctar disse à AFP: “Precisamos desta lei, porque sabemos que a violência contra as mulheres está aumentando” – embora as estatísticas sobre o flagelo estejam seriamente ausentes.

Nos escritórios da AFCF, Zahra (nome fictício) relatou como uma vizinha teve sua filha de cinco anos raptada de sua casa enquanto dormia, e depois foi estuprada a menina.

Por causa da pouca idade da menina e do fato de que o estuprador era um pedófilo serial, ele foi rapidamente condenado a 10 anos de prisão.

Mas a AFCF afirma que, na Mauritânia, os violadores condenados raramente cumprem suas sentenças.

“Ele provavelmente ficará um ano no máximo”, disse Mariem, um pesquisado do caso. “Depois disso, ele poderá pagar fiança e sair em liberdade condicional.  Então, quando houver uma anistia geral, ele se beneficiará disso. ”…

Imagens e informações Jihad Watch

“Não é que a Alemanha convenceu parte da Europa a se submeter à “sharia”?

Por Andréa Fernandes

Quando a Alemanha publicou uma LEI inserindo a CENSURA nas redes em 2017, poucos ativistas de direitos humanos não embotados pelos encantos masoquistas do marxismo denunciaram o ato como um sutil instrumento de dominação islâmica impondo a “mordaça” em todos aqueles que conhecem as consequências drásticas da implantação da sharia (lei islâmica).

A referida lei exigia que as plataformas da mídia social, tais como Facebook, Twitter e You Tube censurassem os usuários, uma vez que tais empresas seria obrigadas a excluir ou bloquear quaisquer “infrações criminais” on line CONSIDERADAS calúnia, difamação ou incitação no prazo de 24h, contadas do recebimento da reclamação de usuário, independentemente de averiguação prévia do conteúdo contestado. Em casos mais complexos, as empresas de mídia social teriam 7 dias para cumprimento da determinação legal, e no caso de descumprimento, o governo alemão poderia aplicar MULTA que poderia chegar a US$ 56 milhões. Ou seja, empregados de empresas particulares foram agraciados com “poder de polícia” para determinar os “discursos políticos e culturais” que seriam “autorizados” nas redes.

Isto, num país onde um tribunal de Munique já havia sentenciado o jornalista Michael Stürzenberger a uma condenação de 6 meses de prisão por postar em sua página no Facebook uma foto histórica do grão-mufti de Jerusalém, Haj Amin Al-Hussein apertando a mão de um oficial nazista em Berlim no ano de 1944. Motivação da acusação para penalidade: incitação de “ódio contra o Islã” e “denegrir a religião islâmica”, pelo que o tribunal considerou culpado um alemão por “disseminar a propaganda de organizações anti-constitucionais”. Apesar de lograr o “direito” à  liberdade condicional, o jornalista recorreu à 2ª instância, sendo absolvido.

Contudo, é interessante notar que por ocasião do julgamento do jornalista em 1ª instância, foi utilizado pela defesa o douto conhecimento do cientista político egípcio Abdel-Samad por ser especialista no tema “Islã”. Samad é filho de imã muçulmano e tornou-se famoso na Alemanha após publicar o livro  “O meu Adeus do Céu” (2009), o que lhe rendeu condenação através de FATWA (decreto islâmico), produzida por grupo muçulmano no Egito. Contudo, a ameaça contra a “liberdade de expressão” do escritor em território alemão teve como “cereja do bolo” a divulgação de FATWA acusando-o de HERESIA, sendo declarada pelo clérigo e professor da Universidade Al- Azhar, Mahmoud Shaaban, o qual afirmou em entrevista que o escritor deveria ser condenado à PENA DE MORTE, caso não se retratasse acerca dos ensinamentos sobre a jihad islâmica publicados não apenas nessa obra, mas em outros escritos abarcando Islã, sharia e proselitismo.

Disse o professor da Universidade Al-Azhar em entrevista que foi ao ar na TV Al-Hafez em 7 de junho de 2013:

Eu chamo o Dr. Morsi e todos os homens do Egito para implementar a lei islâmica sobre esse homem. Ele é um herege, e depois que ele for confrontado com a evidência, a shari’a o sentenciará à morte.

Venho aqui declarar uma fatwa que, uma vez que ele tenha sido confrontado com a evidência, sua morte é permitida, e eu estou preparado para ser investigado pelo procurador-geral. Eu digo ao povo egípcio: Depois que este homem e sua turma tiverem sido confrontados com a evidência, sua morte é permitida. Esta é a minha decisão. Embora vivamos em um país onde a lei de Allah não está instaurada, qualquer um que cometa heresia e afronta o Islã e o Profeta … Escute atentamente, eu direi de novo: eu declaro fatwa que depois de ter sido confrontado com a evidência, sua morte é permitida se o governo não o fizer.

Talvez, o juiz  da Primeira instância do Poder Judiciário alemão tenha RECUSADO o parecer do cientista político e escritor Abdel-Samad em “respeito” à essa “reprimenda mortal” proveniente de autoridade muçulmana do mais importante centro do pensamento islâmico sunita em todo mundo. Já pensou se o “tribunal muçulmano egípcio da Al-Azhar” – que tem foro global – resolvesse emitir fatwa contra o juiz alemão que acolheu “parecer técnico” de um especialista em Islã, que necessita de “segurança especial” para não ser assassinado por seguidores  da “religião da paz”? Pois é… o juiz não quis “pagar para ver”…

De todo modo, a Alemanha passou a militar no sentido de que sua LEI progressista fosse copiada por toda União Europeia, que já adotava um “código de conduta” bastante assemelhado com os gigantes das mídias sociais Facebook Twitter, YouTube e Microsoft, “visando incluir uma série de compromissos para combater a disseminação do discurso ilegal de ódio online na Europa”, que na verdade, é um “escudo de proteção” para que ideólogos islâmicos extremistas continuem agindo sem ser incomodados pelos “infiéis ocidentais submissos”. O extremismo ainda conta com o “apoio explícito” de governos ocidentais. O próprio Parlamento da União Europeia autorizou em setembro/2017, que seu edifício em Bruxelas fosse cedido para uma conferência sobre o “Papel das Mulheres na Luta Popular Palestina“, tendo como “palestrante” uma TERRORISTA árabe, Leila Khaled, da Frente Popular pela Libertação da Palestina, organização considerada terrorista pela UE, EUA , Canadá e Austrália.

Em seu discurso, a terrorista ignorou a ALIANÇA entre Hitler e o grande mufti de Jerusalém, e comparou os “sionistas” aos nazistas e Auschwitz à Faixa de Gaza. Como se não bastasse a afronta infundada, ainda acusou a comunidade judaica de monopolizar o Holocausto, declarando, em seguida,  que “não pode haver paz enquanto houver um só sionista no território palestino. O “discurso de ódio” fora das plataformas on line foi ovacionado pela platéia antissemita presente.

Assim, numa Europa onde o antissemitismo e sentimento de ódio aos cristãos toma proporções gigantescas, os esforços da Alemanha de submeter todos os europeus à crueldade medieval da sharia não foram em vão! O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos determinou que a crítica a Maomé constitui incitamento ao ódio, de modo que, na Europa, a crítica ao profeta do islã não está mais protegida pela “infame” liberdade de expressão ocidental. A decisão prolatada em 25 de outubro de 2018, defende a tese insana de que expor o comportamento de Maomé ao desposar uma criança de 6 anos – praticando sexo com a menina Aisha aos 9 anos – enquanto adulto de 56 anos, não deve ser chamado de “pedofilia”, acusação esta que vai, segundo o Tribunal europeu, “além do limite aceitável de um debate objetivo” e deve ser classificada como “um ataque abusivo ao profeta do Islã, que poderia provocar preconceitos e ameaçar a paz religiosa“.

A decisão acima mencionada apenas consolida a tendência mundial de criminalizar a “blasfêmia”, ou seja, trata-se de imposição da chamada “lei da blasfêmia”, que é uma variante da “sharia (lei islâmica), versando especificamente sobre a proibição absoluta de crítica fundamentada ou não, ao Islã, alcorão, seu profeta e dogmas . Porém, vale salientar que a “blasfêmia” contra  símbolos cristãos permanece desprotegida. Por isso, em agosto de 2017, os promotores holandeses não consideraram ilegal gravar um filme pornô em um confessionário de Igreja. 

A instituição “Observatório da Intolerância e Discriminação contra os Cristãos na Europa” produziu relatório denunciando mais de 500 casos de intolerância e discriminação contra Cristãos no continente coletados entre 2016 e 2017. Por oportuno, cabe citar apenas um exemplo das perversidades promovidas contra os cristãos e que não encontram “amparo” no sistema de proteção de direitos humanos em solo europeu: Em julho de 2017, três adolescentes atacaram um homem de 39 anos num bonde em Berlim, pelo “ato hediondo” de usar duas cruzes cristãs de madeira numa corrente em volta do pescoço.  Os criminosos covardes apontaram para o colar e perguntaram em alemão arrastado:“O que é isso?”. A partir daí, os adolescentes com aparência Norte Africana começaram a provocá-lo com insultos e deram-lhe bofetadas repetidamente no rosto.

O comportamento agressivo que se repetiu diversas vezes em Estados europeus com grande número de imigrantes muçulmanos demonstra que além do europeu religioso ser obrigado a pautar seus discursos em “adulação” ao Islã sem críticas, ainda deve usar seus símbolos religiosos somente na esfera privada do seu lar, pois a SHARIA já determina condutas e símbolos proibitivos.

O domínio islâmico vem abocanhando não somente a mídia, Judiciário e sistemas educacionais europeus. Hoje, o jornal Dailymail informou que  as gigantes do comércio online, incluindo AmazoneBay , foram acusadas ​​de CENSURA por fãs do ativista britânico anti-Islamismo e escritor Tommy Robinson, depois que suspenderam a venda do seu livro sobre o alcorão. O escritor já havia sido removido do Facebook  e do Twitter , e a “purga” não estaria completa sem o banimento da obra “O Alcorão de Mohammed: Por que os muçulmanos matam pelo Islã”, em que ele é co-autor com Peter McLoughlin.

O sucesso de venda do livro não impediu a Amazon de divulgar que o conteúdo seria “inapropriado”. Todavia, como bem lembrado por McLoughlin, a obra  “Mein Kampf “, do genocida Hitler continua nas prateleiras virtuais bem como outros  “livros inspiradores” tal qual o manual do terrorista chamado “The Anarchist Cookbook”.

Realmente, seria um “acinte” ao Islã ortodoxo o banimento do livro Mein Kampf . Uma falta de consideração à “contribuição” do “carniceiro nazista” para o velho sonho acalentado por renomadas autoridades islâmicas que pedem a destruição dos judeus, inclusive, em pronunciamentos “emocionados” na  TV Al-Jazeera!

Esse é o resultado dos “experimentos ideológicos” de uma civilização decadente que REJEITOU o “Livro da Vida” e RECEBEU com honras o “Livro da morte”.

 

Andréa Fernandes é  jornalista, advogada, internacionalista e Presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Imagem Trump Army

 

Irã: Regime se recusa a aprovar projeto de lei para impedir a violência contra as mulheres

O Judiciário iraniano pediu que a proposta de segurança para mulheres contra a violência seja revisada, expressando dúvidas sobre se as pesadas punições estipuladas na lei por violações dos direitos das mulheres podem realmente enfraquecer a estrutura familiar, ou seja, colocar um marido na cadeia por espancar sua esposa.

Gholam-Hossein Mohseni Eje’ii, primeiro vice-ministro e porta-voz do Judiciário, disse : “O objetivo de adotar este projeto é fortalecer o ambiente familiar para que mulheres, cônjuges e outros se sintam seguros em todos os aspectos. Agora, a questão é se os artigos contidos na lei do PSW fornecem essa segurança ou não. ”

Ele argumentou que a política geral do Irã é “aprisionamento”, que levanta a questão de por que as prisões iranianas têm entre três e quatro vezes a capacidade, e que a lei defende a prisão como punição para cada “violação menor”, ​​uma frase que deve ser traduzida a cada ato de violência contra as mulheres.

Eje’ii disse: O projeto PSW continha vários problemas que não puderam ser reformados. A solução é redigir uma lei totalmente diferente ou reformar a lei existente somente em colaboração com o governo ”.

Essa noção ridícula foi repetida pelo deputado cultural do Judiciário, Hadi Sadeqi, que argumentou que era impossível que o projeto PSW apoiasse as mulheres se mandasse seus maridos para a prisão e descreveu o ato de aprisionar abusadores domésticos como “o maior golpe para as mulheres e famílias“.

Ele disse: “Quando uma mulher manda o marido para a prisão, esse homem nunca mais poderá ser marido para ela, e a mulher deve aceitar o risco de se divorciar com antecedência“.

Isso mostra, como se precisássemos confirmado, que o Judiciário iraniano e o Regime como um todo não levam a sério a violência contra as mulheres, especialmente quando o marido comete essa violência.

Também mostra que o Regime não faz ideia do impacto destrutivo que a violência doméstica tem sobre uma mulher ou sobre a família como um todo. De fato, se os mullahs olhassem para a causa raiz da maioria dos casos de mulheres condenadas à morte, suicidas e fugitivas, bem como as crescentes taxas de divórcio, eles descobririam que a maioria está ligada à violência doméstica.

O Regime tem bloqueado o projeto PSW por 13 anos, não porque eles têm uma política de aprisionamento, mas porque eles não se importam com as mulheres. É por isso que prendem mulheres que protestam contra o hijab forçado e se recusam a aumentar a idade de casamento para meninas para 15 anos, o que ainda seria terrivelmente jovem.

Com imagem e informações NCRI

Suécia: menina de 10 anos estuprada em Malmö – a polícia se recusa a divulgar a descrição física do suspeito

Na tarde de quinta-feira, uma menina de 10 anos foi estuprada em Malmö. A polícia tem uma descrição do suspeito, mas não revela nenhum detalhe , escreve Sydsvenskan.

Às 17h30 de quinta-feira, ocorreu um estupro num pátio em Malmö. Segundo a polícia, um adulto se aproximou de uma menina de 10 anos.

Quinta-feira à noite, a polícia optou por bloquear uma sala de depósito de lixo e uma sala de armazenamento de bicicletas na área residencial para garantir provas técnicas. A polícia também usou cães para revistar a área.

Na sexta-feira, a polícia realizou uma busca e também verificou as câmeras de vigilância que podem ter capturado o agressor.

A menina foi interrogada na sexta-feira. O que ela contou, a polícia não quer dizer.

A polícia tem uma descrição do suspeito, mas não divulga nenhum detalhe.

Queremos depoimentos não afetados e, portanto, não entraremos em detalhes, diz Mats Attin.

Inicialmente, a polícia não quis revelar a suspeita de crime, mas a promotora distrital Charlotte Ottosen anunciou mais tarde na sexta-feira que foi um estupro de uma criança.

A polícia pede que as testemunhas entrem em contato com eles, no número 114 14, caso tenham feito observações por volta das 17h da quinta-feira.

Clérigo muçulmano que lidera a maior rede de tribunais islâmicos da Grã-Bretanha, é investigado por estupro de crianças

  • Polícia investigando alegações de que o xeique Faiz-ul-Aqtab Siddiqi estuprou duas mulheres holandesas
  • Ele negou as alegações, que apareceram pela primeira vez no jornal holandês De Telegraaf 
  • Duas mulheres alegam ter sofrido abuso sexual a partir dos 11 e 12 anos até aos 16 anos

Um clérigo muçulmano que dirige a maior rede de tribunais islâmicos da Grã-Bretanha tem sido questionado sobre alegações históricas de violação de crianças.

A polícia de West Midlands está investigando alegações de que o xeique Faiz-ul-Aqtab Siddiqi estuprou duas mulheres holandesas nos anos 1980 e 1990.

Ele negou as alegações, que apareceram pela primeira vez no jornal holandês De Telegraaf, dizendo que elas são “infundadas” e parte de uma campanha para desacreditar sua família.

O clérigo, 51 anos, é o chefe do Tribunal Arbitral Muçulmano, um serviço legal islâmico que opera uma série de controversos tribunais sharia em toda a Inglaterra, que os críticos dizem discriminar as mulheres.

As duas mulheres afirmam que foram abusadas sexualmente desde as idades de 11 e 12 até os 16 anos. Elas foram enviadas para o Reino Unido por seus pais para serem educadas pelo pai do xeque Siddiqi, um respeitável estudioso muçulmano.

Um porta-voz da Polícia de West Midlands disse: ‘Um homem de 51 anos de Nuneaton foi voluntariamente entrevistado em relação a alegações de casos históricos de estupro. As investigações continuam em andamento.

O xeique Siddiqi também é chefe de um colégio islâmico baseado em uma imponente mansão em Warwickshire. 

Ele também é dono de um parque de férias em Devon, onde vários futebolistas da Premiership têm casas de campo.

Com imagem e informações Daily Mail

O destino de Asia Bibi é selado após julgamento final, mas a decisão está sendo mantida em sigilo

Nas últimas notícias da Suprema Corte de Islamabad: O veredicto final foi mantida em sigilo até novo aviso. 

A bancada especial da Suprema Corte do Paquistão decidiu sobre o recurso de sentença de morte de Asia Bibi, mas ainda não divulgou seu veredicto.

Os meios de comunicação foram impedidos de acessar o tribunal, quando a deliberou sobre a última apelação sobre o caso mais conhecido de blasfêmia na história recente.

Asia Bibi estava trabalhando em um campo com outras mulheres e compartilhava água com elas. Irritados com o fato de um cristão “impuro” ter contaminado sua água potável, elas levaram a queixa a um imã que reconhecidamente não estava presente para acusá-la de blasfêmia.

Bibi sofreu violência, isolamento de sua família e problemas de saúde precária ao longo dos anos e está presa por mais tempo para a blasfêmia do que qualquer outra pessoa na história recente do Paquistão.

Mehwish Bhatti, oficial-chefe da BPCA, estava no tribunal do lado de fora das portas do tribunal durante o processo.

“Eles chegaram a uma decisão, mas foi reservada. O presidente do tribunal proibiu a interferência da mídia, mas todos os jornalistas estão falando sobre isso.

” Mais cedo eles levaram o meu celular por quase duas horas depois que eu tentei tirar uma foto . A entrada de pessoas de altas níveis era do outro lado, para que ninguém pudesse vê-las “.

O marido da Ásia, Ashiq Masih, continua a afirmar que ela continua forte. Em resposta à investigação de Wilson Chowdhry em um recente evento de direitos humanos, ele disse:

“Ela é psicologicamente, fisicamente e espiritualmente forte”, disse Ashiq. “Tendo uma fé muito forte, ela está pronta e disposta a morrer por Cristo. Ela nunca se converterá ao islamismo “. (Clique aqui)

Há pedidos de oração por cristãos de todo o mundo no fim de semana que alegam inocência, enquanto indignação tem sido registrada na mídia social por muçulmanos que acham que ela não deveria ser perdoada e não foi punido o suficiente.Para ler mais sobre isso   (clique aqui)

Há uma alta taxa de acusação contra aqueles que praticam a fé cristã no Paquistão, já que 15% das acusações de blasfêmia são contra os cristãos minoritários, que são apenas uma escassa 1,6% da população do Paquistão.

O presidente da BPCA, Wilson Chowdhry, doou £ 1.500 para Ashiq no domingo, enquanto o encontrava em Chester, para ajudar a pagar o custo de seu advogado. Continuamos nosso apelo para a família e você pode doar clicando (aqui)

Wilson Chowdhry disse:
“Estou confiante de que este é um bom resultado de ter falado com funcionários da Embaixada do Paquistão no Reino Unido, MPEs e vários deputados e Lordes que têm trabalhado diligentemente pela liberdade para Asia Bibi e outros no campo humanitário todos compartilham essa confiança “.

“Reservar a decisão parece uma medida destinada a permitir que a Ásia escape da ação de retaliação de extremistas enfurecidos no país, muitos dos quais protestaram regularmente em resposta a cada um de seus recursos anteriores e a ameaçaram com um processo extrajudicial se exonerados.”

“A Asia tem sido uma mulher corajosa e resoluta durante todo o seu encarceramento e nunca perdeu uma pitada de sua fé.

” Sua libertação quando declarada deve ser recebida com uma resposta imediata através de ofertas de asilo de todos os países do Ocidente. Ela não merece menos pelo sua grande coragem.

“Tendo falado com Ashiq Masih apenas ontem, enquanto em um evento em Chester organizado pela instituição de caridade católica Aid to the Church in Need.

“Sua maior preocupação é que qualquer asilo no Reino Unido não inclua suas filhas casadas, o que significa que a Asia sempre será separada de alguns daqueles que ela ama. Nós pedimos à Grã-Bretanha e a outras nações ocidentais que ofereçam ofertas de asilo mais completas “.

Por favor, assine nossa petição e ajude a Asia e toda a sua família a procurar asilo no oeste . (Clique aqui)

Com imagem e informações British Pakistani Christians

Lutando pelos cristãos e minorias perseguidos