Arquivo da tag: #Sharia

Brunei vai instaurar a Lei Sharia e punir sexo gay com apedrejamento

Ativistas estão divulgando os planos de Brunei para implementar a lei da Sharia, que puniria o sexo gay por lapidação.

A pequena nação asiática tornou-se a primeira na região a pôr em prática a lei religiosa muçulmana, em 2014. O sexo gay já é punido com até dez anos de prisão, mas as novas leis acrescentariam chicotadas e apedrejamentos às punições para aqueles considerados culpados.

Embora a intenção original fosse introduzir a lei da Sharia em três fases, ela nunca passou da primeira fase, devido aos apelos internacionais.

Essas duas etapas atrasadas estão marcadas para entrar em vigor em 3 de abril, de acordo com vários grupos de direitos humanos, segundo a  Reuters .

O Projeto Brunei, o ASEAN SOGIE Caucus e o OutRight Action International confirmaram a notícia.

Imagem South China Morning Post e informações Richard Dawkins Foundation

Mauritânia: Parlamento rejeita duas vezes as leis que endurecem as penas por violência contra as mulheres

As feministas na Mauritânia estão lutando uma batalha difícil para ver penalidades mais duras para violência sexual e discriminação em um estado conservador onde o direito penal é derivado da Sharia.

“Poucos sobreviventes de ataques sexuais se atrevem a falar na Mauritânia”, disse a Human Rights Watch em um relatório em setembro passado.

A entidade criticou “um sistema disfuncional que desencoraja as vítimas de acusações (e) pode levar a uma nova traumatização ou punição.”

Os grupos de mulheres ajudaram a elaborar legislação para combater a violência baseada no gênero, exigindo penas mais duras para o estupro, a criminalização do assédio sexual e a criação de tribunais específicos para lidar com a violência sexual.

Mas o projeto foi rejeitado duas vezes pelo parlamento, apesar dos esforços para elaborar textos que estão dentro dos limites da lei Sharia – por exemplo, sexo extraconjugal permaneceria um crime.

Os legisladores se opuseram a disposições que permitem que as mulheres viajem sem a permissão de seus maridos, e permitem que grupos de apoio a vítimas arquivem processos civis.

Liderando a luta pela mudança está a Associação de Mulheres Chefes de Família (AFCF), cujo presidente Aminetou El Moctar disse à AFP: “Precisamos desta lei, porque sabemos que a violência contra as mulheres está aumentando” – embora as estatísticas sobre o flagelo estejam seriamente ausentes.

Nos escritórios da AFCF, Zahra (nome fictício) relatou como uma vizinha teve sua filha de cinco anos raptada de sua casa enquanto dormia, e depois foi estuprada a menina.

Por causa da pouca idade da menina e do fato de que o estuprador era um pedófilo serial, ele foi rapidamente condenado a 10 anos de prisão.

Mas a AFCF afirma que, na Mauritânia, os violadores condenados raramente cumprem suas sentenças.

“Ele provavelmente ficará um ano no máximo”, disse Mariem, um pesquisado do caso. “Depois disso, ele poderá pagar fiança e sair em liberdade condicional.  Então, quando houver uma anistia geral, ele se beneficiará disso. ”…

Imagens e informações Jihad Watch

“Não é que a Alemanha convenceu parte da Europa a se submeter à “sharia”?

Por Andréa Fernandes

Quando a Alemanha publicou uma LEI inserindo a CENSURA nas redes em 2017, poucos ativistas de direitos humanos não embotados pelos encantos masoquistas do marxismo denunciaram o ato como um sutil instrumento de dominação islâmica impondo a “mordaça” em todos aqueles que conhecem as consequências drásticas da implantação da sharia (lei islâmica).

A referida lei exigia que as plataformas da mídia social, tais como Facebook, Twitter e You Tube censurassem os usuários, uma vez que tais empresas seria obrigadas a excluir ou bloquear quaisquer “infrações criminais” on line CONSIDERADAS calúnia, difamação ou incitação no prazo de 24h, contadas do recebimento da reclamação de usuário, independentemente de averiguação prévia do conteúdo contestado. Em casos mais complexos, as empresas de mídia social teriam 7 dias para cumprimento da determinação legal, e no caso de descumprimento, o governo alemão poderia aplicar MULTA que poderia chegar a US$ 56 milhões. Ou seja, empregados de empresas particulares foram agraciados com “poder de polícia” para determinar os “discursos políticos e culturais” que seriam “autorizados” nas redes.

Isto, num país onde um tribunal de Munique já havia sentenciado o jornalista Michael Stürzenberger a uma condenação de 6 meses de prisão por postar em sua página no Facebook uma foto histórica do grão-mufti de Jerusalém, Haj Amin Al-Hussein apertando a mão de um oficial nazista em Berlim no ano de 1944. Motivação da acusação para penalidade: incitação de “ódio contra o Islã” e “denegrir a religião islâmica”, pelo que o tribunal considerou culpado um alemão por “disseminar a propaganda de organizações anti-constitucionais”. Apesar de lograr o “direito” à  liberdade condicional, o jornalista recorreu à 2ª instância, sendo absolvido.

Contudo, é interessante notar que por ocasião do julgamento do jornalista em 1ª instância, foi utilizado pela defesa o douto conhecimento do cientista político egípcio Abdel-Samad por ser especialista no tema “Islã”. Samad é filho de imã muçulmano e tornou-se famoso na Alemanha após publicar o livro  “O meu Adeus do Céu” (2009), o que lhe rendeu condenação através de FATWA (decreto islâmico), produzida por grupo muçulmano no Egito. Contudo, a ameaça contra a “liberdade de expressão” do escritor em território alemão teve como “cereja do bolo” a divulgação de FATWA acusando-o de HERESIA, sendo declarada pelo clérigo e professor da Universidade Al- Azhar, Mahmoud Shaaban, o qual afirmou em entrevista que o escritor deveria ser condenado à PENA DE MORTE, caso não se retratasse acerca dos ensinamentos sobre a jihad islâmica publicados não apenas nessa obra, mas em outros escritos abarcando Islã, sharia e proselitismo.

Disse o professor da Universidade Al-Azhar em entrevista que foi ao ar na TV Al-Hafez em 7 de junho de 2013:

Eu chamo o Dr. Morsi e todos os homens do Egito para implementar a lei islâmica sobre esse homem. Ele é um herege, e depois que ele for confrontado com a evidência, a shari’a o sentenciará à morte.

Venho aqui declarar uma fatwa que, uma vez que ele tenha sido confrontado com a evidência, sua morte é permitida, e eu estou preparado para ser investigado pelo procurador-geral. Eu digo ao povo egípcio: Depois que este homem e sua turma tiverem sido confrontados com a evidência, sua morte é permitida. Esta é a minha decisão. Embora vivamos em um país onde a lei de Allah não está instaurada, qualquer um que cometa heresia e afronta o Islã e o Profeta … Escute atentamente, eu direi de novo: eu declaro fatwa que depois de ter sido confrontado com a evidência, sua morte é permitida se o governo não o fizer.

Talvez, o juiz  da Primeira instância do Poder Judiciário alemão tenha RECUSADO o parecer do cientista político e escritor Abdel-Samad em “respeito” à essa “reprimenda mortal” proveniente de autoridade muçulmana do mais importante centro do pensamento islâmico sunita em todo mundo. Já pensou se o “tribunal muçulmano egípcio da Al-Azhar” – que tem foro global – resolvesse emitir fatwa contra o juiz alemão que acolheu “parecer técnico” de um especialista em Islã, que necessita de “segurança especial” para não ser assassinado por seguidores  da “religião da paz”? Pois é… o juiz não quis “pagar para ver”…

De todo modo, a Alemanha passou a militar no sentido de que sua LEI progressista fosse copiada por toda União Europeia, que já adotava um “código de conduta” bastante assemelhado com os gigantes das mídias sociais Facebook Twitter, YouTube e Microsoft, “visando incluir uma série de compromissos para combater a disseminação do discurso ilegal de ódio online na Europa”, que na verdade, é um “escudo de proteção” para que ideólogos islâmicos extremistas continuem agindo sem ser incomodados pelos “infiéis ocidentais submissos”. O extremismo ainda conta com o “apoio explícito” de governos ocidentais. O próprio Parlamento da União Europeia autorizou em setembro/2017, que seu edifício em Bruxelas fosse cedido para uma conferência sobre o “Papel das Mulheres na Luta Popular Palestina“, tendo como “palestrante” uma TERRORISTA árabe, Leila Khaled, da Frente Popular pela Libertação da Palestina, organização considerada terrorista pela UE, EUA , Canadá e Austrália.

Em seu discurso, a terrorista ignorou a ALIANÇA entre Hitler e o grande mufti de Jerusalém, e comparou os “sionistas” aos nazistas e Auschwitz à Faixa de Gaza. Como se não bastasse a afronta infundada, ainda acusou a comunidade judaica de monopolizar o Holocausto, declarando, em seguida,  que “não pode haver paz enquanto houver um só sionista no território palestino. O “discurso de ódio” fora das plataformas on line foi ovacionado pela platéia antissemita presente.

Assim, numa Europa onde o antissemitismo e sentimento de ódio aos cristãos toma proporções gigantescas, os esforços da Alemanha de submeter todos os europeus à crueldade medieval da sharia não foram em vão! O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos determinou que a crítica a Maomé constitui incitamento ao ódio, de modo que, na Europa, a crítica ao profeta do islã não está mais protegida pela “infame” liberdade de expressão ocidental. A decisão prolatada em 25 de outubro de 2018, defende a tese insana de que expor o comportamento de Maomé ao desposar uma criança de 6 anos – praticando sexo com a menina Aisha aos 9 anos – enquanto adulto de 56 anos, não deve ser chamado de “pedofilia”, acusação esta que vai, segundo o Tribunal europeu, “além do limite aceitável de um debate objetivo” e deve ser classificada como “um ataque abusivo ao profeta do Islã, que poderia provocar preconceitos e ameaçar a paz religiosa“.

A decisão acima mencionada apenas consolida a tendência mundial de criminalizar a “blasfêmia”, ou seja, trata-se de imposição da chamada “lei da blasfêmia”, que é uma variante da “sharia (lei islâmica), versando especificamente sobre a proibição absoluta de crítica fundamentada ou não, ao Islã, alcorão, seu profeta e dogmas . Porém, vale salientar que a “blasfêmia” contra  símbolos cristãos permanece desprotegida. Por isso, em agosto de 2017, os promotores holandeses não consideraram ilegal gravar um filme pornô em um confessionário de Igreja. 

A instituição “Observatório da Intolerância e Discriminação contra os Cristãos na Europa” produziu relatório denunciando mais de 500 casos de intolerância e discriminação contra Cristãos no continente coletados entre 2016 e 2017. Por oportuno, cabe citar apenas um exemplo das perversidades promovidas contra os cristãos e que não encontram “amparo” no sistema de proteção de direitos humanos em solo europeu: Em julho de 2017, três adolescentes atacaram um homem de 39 anos num bonde em Berlim, pelo “ato hediondo” de usar duas cruzes cristãs de madeira numa corrente em volta do pescoço.  Os criminosos covardes apontaram para o colar e perguntaram em alemão arrastado:“O que é isso?”. A partir daí, os adolescentes com aparência Norte Africana começaram a provocá-lo com insultos e deram-lhe bofetadas repetidamente no rosto.

O comportamento agressivo que se repetiu diversas vezes em Estados europeus com grande número de imigrantes muçulmanos demonstra que além do europeu religioso ser obrigado a pautar seus discursos em “adulação” ao Islã sem críticas, ainda deve usar seus símbolos religiosos somente na esfera privada do seu lar, pois a SHARIA já determina condutas e símbolos proibitivos.

O domínio islâmico vem abocanhando não somente a mídia, Judiciário e sistemas educacionais europeus. Hoje, o jornal Dailymail informou que  as gigantes do comércio online, incluindo AmazoneBay , foram acusadas ​​de CENSURA por fãs do ativista britânico anti-Islamismo e escritor Tommy Robinson, depois que suspenderam a venda do seu livro sobre o alcorão. O escritor já havia sido removido do Facebook  e do Twitter , e a “purga” não estaria completa sem o banimento da obra “O Alcorão de Mohammed: Por que os muçulmanos matam pelo Islã”, em que ele é co-autor com Peter McLoughlin.

O sucesso de venda do livro não impediu a Amazon de divulgar que o conteúdo seria “inapropriado”. Todavia, como bem lembrado por McLoughlin, a obra  “Mein Kampf “, do genocida Hitler continua nas prateleiras virtuais bem como outros  “livros inspiradores” tal qual o manual do terrorista chamado “The Anarchist Cookbook”.

Realmente, seria um “acinte” ao Islã ortodoxo o banimento do livro Mein Kampf . Uma falta de consideração à “contribuição” do “carniceiro nazista” para o velho sonho acalentado por renomadas autoridades islâmicas que pedem a destruição dos judeus, inclusive, em pronunciamentos “emocionados” na  TV Al-Jazeera!

Esse é o resultado dos “experimentos ideológicos” de uma civilização decadente que REJEITOU o “Livro da Vida” e RECEBEU com honras o “Livro da morte”.

 

Andréa Fernandes é  jornalista, advogada, internacionalista e Presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Imagem Trump Army

 

Irã: Regime se recusa a aprovar projeto de lei para impedir a violência contra as mulheres

O Judiciário iraniano pediu que a proposta de segurança para mulheres contra a violência seja revisada, expressando dúvidas sobre se as pesadas punições estipuladas na lei por violações dos direitos das mulheres podem realmente enfraquecer a estrutura familiar, ou seja, colocar um marido na cadeia por espancar sua esposa.

Gholam-Hossein Mohseni Eje’ii, primeiro vice-ministro e porta-voz do Judiciário, disse : “O objetivo de adotar este projeto é fortalecer o ambiente familiar para que mulheres, cônjuges e outros se sintam seguros em todos os aspectos. Agora, a questão é se os artigos contidos na lei do PSW fornecem essa segurança ou não. ”

Ele argumentou que a política geral do Irã é “aprisionamento”, que levanta a questão de por que as prisões iranianas têm entre três e quatro vezes a capacidade, e que a lei defende a prisão como punição para cada “violação menor”, ​​uma frase que deve ser traduzida a cada ato de violência contra as mulheres.

Eje’ii disse: O projeto PSW continha vários problemas que não puderam ser reformados. A solução é redigir uma lei totalmente diferente ou reformar a lei existente somente em colaboração com o governo ”.

Essa noção ridícula foi repetida pelo deputado cultural do Judiciário, Hadi Sadeqi, que argumentou que era impossível que o projeto PSW apoiasse as mulheres se mandasse seus maridos para a prisão e descreveu o ato de aprisionar abusadores domésticos como “o maior golpe para as mulheres e famílias“.

Ele disse: “Quando uma mulher manda o marido para a prisão, esse homem nunca mais poderá ser marido para ela, e a mulher deve aceitar o risco de se divorciar com antecedência“.

Isso mostra, como se precisássemos confirmado, que o Judiciário iraniano e o Regime como um todo não levam a sério a violência contra as mulheres, especialmente quando o marido comete essa violência.

Também mostra que o Regime não faz ideia do impacto destrutivo que a violência doméstica tem sobre uma mulher ou sobre a família como um todo. De fato, se os mullahs olhassem para a causa raiz da maioria dos casos de mulheres condenadas à morte, suicidas e fugitivas, bem como as crescentes taxas de divórcio, eles descobririam que a maioria está ligada à violência doméstica.

O Regime tem bloqueado o projeto PSW por 13 anos, não porque eles têm uma política de aprisionamento, mas porque eles não se importam com as mulheres. É por isso que prendem mulheres que protestam contra o hijab forçado e se recusam a aumentar a idade de casamento para meninas para 15 anos, o que ainda seria terrivelmente jovem.

Com imagem e informações NCRI

Suécia: menina de 10 anos estuprada em Malmö – a polícia se recusa a divulgar a descrição física do suspeito

Na tarde de quinta-feira, uma menina de 10 anos foi estuprada em Malmö. A polícia tem uma descrição do suspeito, mas não revela nenhum detalhe , escreve Sydsvenskan.

Às 17h30 de quinta-feira, ocorreu um estupro num pátio em Malmö. Segundo a polícia, um adulto se aproximou de uma menina de 10 anos.

Quinta-feira à noite, a polícia optou por bloquear uma sala de depósito de lixo e uma sala de armazenamento de bicicletas na área residencial para garantir provas técnicas. A polícia também usou cães para revistar a área.

Na sexta-feira, a polícia realizou uma busca e também verificou as câmeras de vigilância que podem ter capturado o agressor.

A menina foi interrogada na sexta-feira. O que ela contou, a polícia não quer dizer.

A polícia tem uma descrição do suspeito, mas não divulga nenhum detalhe.

Queremos depoimentos não afetados e, portanto, não entraremos em detalhes, diz Mats Attin.

Inicialmente, a polícia não quis revelar a suspeita de crime, mas a promotora distrital Charlotte Ottosen anunciou mais tarde na sexta-feira que foi um estupro de uma criança.

A polícia pede que as testemunhas entrem em contato com eles, no número 114 14, caso tenham feito observações por volta das 17h da quinta-feira.

Clérigo muçulmano que lidera a maior rede de tribunais islâmicos da Grã-Bretanha, é investigado por estupro de crianças

  • Polícia investigando alegações de que o xeique Faiz-ul-Aqtab Siddiqi estuprou duas mulheres holandesas
  • Ele negou as alegações, que apareceram pela primeira vez no jornal holandês De Telegraaf 
  • Duas mulheres alegam ter sofrido abuso sexual a partir dos 11 e 12 anos até aos 16 anos

Um clérigo muçulmano que dirige a maior rede de tribunais islâmicos da Grã-Bretanha tem sido questionado sobre alegações históricas de violação de crianças.

A polícia de West Midlands está investigando alegações de que o xeique Faiz-ul-Aqtab Siddiqi estuprou duas mulheres holandesas nos anos 1980 e 1990.

Ele negou as alegações, que apareceram pela primeira vez no jornal holandês De Telegraaf, dizendo que elas são “infundadas” e parte de uma campanha para desacreditar sua família.

O clérigo, 51 anos, é o chefe do Tribunal Arbitral Muçulmano, um serviço legal islâmico que opera uma série de controversos tribunais sharia em toda a Inglaterra, que os críticos dizem discriminar as mulheres.

As duas mulheres afirmam que foram abusadas sexualmente desde as idades de 11 e 12 até os 16 anos. Elas foram enviadas para o Reino Unido por seus pais para serem educadas pelo pai do xeque Siddiqi, um respeitável estudioso muçulmano.

Um porta-voz da Polícia de West Midlands disse: ‘Um homem de 51 anos de Nuneaton foi voluntariamente entrevistado em relação a alegações de casos históricos de estupro. As investigações continuam em andamento.

O xeique Siddiqi também é chefe de um colégio islâmico baseado em uma imponente mansão em Warwickshire. 

Ele também é dono de um parque de férias em Devon, onde vários futebolistas da Premiership têm casas de campo.

Com imagem e informações Daily Mail

O destino de Asia Bibi é selado após julgamento final, mas a decisão está sendo mantida em sigilo

Nas últimas notícias da Suprema Corte de Islamabad: O veredicto final foi mantida em sigilo até novo aviso. 

A bancada especial da Suprema Corte do Paquistão decidiu sobre o recurso de sentença de morte de Asia Bibi, mas ainda não divulgou seu veredicto.

Os meios de comunicação foram impedidos de acessar o tribunal, quando a deliberou sobre a última apelação sobre o caso mais conhecido de blasfêmia na história recente.

Asia Bibi estava trabalhando em um campo com outras mulheres e compartilhava água com elas. Irritados com o fato de um cristão “impuro” ter contaminado sua água potável, elas levaram a queixa a um imã que reconhecidamente não estava presente para acusá-la de blasfêmia.

Bibi sofreu violência, isolamento de sua família e problemas de saúde precária ao longo dos anos e está presa por mais tempo para a blasfêmia do que qualquer outra pessoa na história recente do Paquistão.

Mehwish Bhatti, oficial-chefe da BPCA, estava no tribunal do lado de fora das portas do tribunal durante o processo.

“Eles chegaram a uma decisão, mas foi reservada. O presidente do tribunal proibiu a interferência da mídia, mas todos os jornalistas estão falando sobre isso.

” Mais cedo eles levaram o meu celular por quase duas horas depois que eu tentei tirar uma foto . A entrada de pessoas de altas níveis era do outro lado, para que ninguém pudesse vê-las “.

O marido da Ásia, Ashiq Masih, continua a afirmar que ela continua forte. Em resposta à investigação de Wilson Chowdhry em um recente evento de direitos humanos, ele disse:

“Ela é psicologicamente, fisicamente e espiritualmente forte”, disse Ashiq. “Tendo uma fé muito forte, ela está pronta e disposta a morrer por Cristo. Ela nunca se converterá ao islamismo “. (Clique aqui)

Há pedidos de oração por cristãos de todo o mundo no fim de semana que alegam inocência, enquanto indignação tem sido registrada na mídia social por muçulmanos que acham que ela não deveria ser perdoada e não foi punido o suficiente.Para ler mais sobre isso   (clique aqui)

Há uma alta taxa de acusação contra aqueles que praticam a fé cristã no Paquistão, já que 15% das acusações de blasfêmia são contra os cristãos minoritários, que são apenas uma escassa 1,6% da população do Paquistão.

O presidente da BPCA, Wilson Chowdhry, doou £ 1.500 para Ashiq no domingo, enquanto o encontrava em Chester, para ajudar a pagar o custo de seu advogado. Continuamos nosso apelo para a família e você pode doar clicando (aqui)

Wilson Chowdhry disse:
“Estou confiante de que este é um bom resultado de ter falado com funcionários da Embaixada do Paquistão no Reino Unido, MPEs e vários deputados e Lordes que têm trabalhado diligentemente pela liberdade para Asia Bibi e outros no campo humanitário todos compartilham essa confiança “.

“Reservar a decisão parece uma medida destinada a permitir que a Ásia escape da ação de retaliação de extremistas enfurecidos no país, muitos dos quais protestaram regularmente em resposta a cada um de seus recursos anteriores e a ameaçaram com um processo extrajudicial se exonerados.”

“A Asia tem sido uma mulher corajosa e resoluta durante todo o seu encarceramento e nunca perdeu uma pitada de sua fé.

” Sua libertação quando declarada deve ser recebida com uma resposta imediata através de ofertas de asilo de todos os países do Ocidente. Ela não merece menos pelo sua grande coragem.

“Tendo falado com Ashiq Masih apenas ontem, enquanto em um evento em Chester organizado pela instituição de caridade católica Aid to the Church in Need.

“Sua maior preocupação é que qualquer asilo no Reino Unido não inclua suas filhas casadas, o que significa que a Asia sempre será separada de alguns daqueles que ela ama. Nós pedimos à Grã-Bretanha e a outras nações ocidentais que ofereçam ofertas de asilo mais completas “.

Por favor, assine nossa petição e ajude a Asia e toda a sua família a procurar asilo no oeste . (Clique aqui)

Com imagem e informações British Pakistani Christians

Malásia: “Sharia ordena chicotear lésbicas para infundir medo de Allah”

Na segunda-feira, duas mulheres consideradas culpadas por tentar fazer sexo foram chicoteadas seis vezes em público devido decisão do Tribunal de Syariah de Terengganu, enquanto cerca de 100 pessoas assistiram à punição.

A punição recebeu condenação mundial, com o ministro federal encarregado dos assuntos religiosos Datuk Mujahid Yusof Rawa dizendo que a presença pública durante a sentença deveria ser revista.

Grupos de defesa dos direitos das mulheres chamado “Justiça para as Irmãs no Islã” também alegou que a condenação era ilegal, já que a punição só pode ser feita contra prisioneiros, mas a dupla não foi presa.

O partifo Kedah PAS apoiou o governo de Terengganu contra as críticas por impor chicotadas publicamente nas duas mulheres muçulmanas na segunda-feira, dizendo que as punições da Sharia devem “infundir medo em relação a Alá”.

Seu comissário Ahmad Fakhruddin Fakhrurazi disse que a chibata é uma “arma” para conter problemas sociais, citando a alegada disseminação da comunidade de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT) na Malásia como exemplo.

“É inegável, as leis conseguiram abrir os olhos de muitas pessoas, embora tenham recebido muitas reações. Mas o fato é que a filosofia das punições da Sharia é instilar o medo em relação a Allah ”, disse ele em um comunicado.

Ele alegou que o público deve estar ciente de que “atos LGBT” supostamente trazem problemas de saúde e doenças, e são grandes pecados aos olhos de Deus.

Com imagem e infirmações Yahoo News

As punições medievais e grotescas enfrentadas por criminosos na Arábia Saudita

OLHO POR OLHO 

Paralisia, perfuração e crucificação dos olhos – as punições medievais e grotescas enfrentadas por criminosos na Arábia Saudita

A Arábia Saudita continua a usar métodos bárbaros de execução alegando que são justificados pelo Alcorão e suas tradições.

Decapitações públicas, amputações, retribuição e espancamento fazem parte do sistema de justiça.

Resultado de imagem para A man who paralysed his friend was sentenced to himself be paralysed SAUDI ARABI

Uma execução pública por decapitação na Arábia Saudita (The Guardian)

Como o The Sun relatou esta semana, um assassino foi crucificado após ser considerado culpado de esfaquear repetidamente uma mulher. O corpo dele foi pendurado em uma cruz após a execução.

O príncipe herdeiro Salman quer tornar o reino do deserto uma  nação do século XXI experiente em tecnologia e introduziu reformas liberais.

A Arábia Saudita mantém a pena de morte para um grande número de crimes, incluindo tráfico de drogas e “feitiçaria”, além de assassinato.

Imagem relacionada

Os corpos de cinco homens iemenitas decapitados na Arábia Saudita são deixados pendurados depois que suas cabeças foram colocadas em sacos (observers.france24.com)

A maioria das sentenças de morte é executada em público por decapitação, fazendo comparações com a chocante brutalidade do Estado Islâmico.

O sistema é baseado na lei Sharia, que os sauditas dizem estar enraizada na tradição islâmica e no Alcorão.

Os julgamentos duram um dia e as confissões são extraídas sob tortura.

O país não tem código penal escrito e nenhum código de procedimento criminal e procedimento judicial.

 

Resultado de imagem para King Salman, pictured with PM Theresa May, makes the final decision on executions in Saudi Arabia
Rei Salman e a chanceler  Theresa May (Sputnik International)

Isso permite que os tribunais tenham amplos poderes para determinar o que constitui uma ofensa criminal e quais sentenças os crimes merecem.

O único meio de recurso é diretamente para o rei, que decide se o condenado vive ou morre.

A lista de punições leva à leitura sombria.

Decapitação

No ano passado, o ano do reino levou a cabo 146 execuções, a terceira maior taxa do mundo, atrás da China e do Irã, segundo a Anistia Internacional.

Só nos primeiros quatro meses deste ano foram realizadas 86 decapitações, metade delas para crimes não violentos, como delitos de drogas.

Houve um surto de execuções desde o mês passado, com pelo menos 27 pessoas executadas somente em julho, segundo a Anistia Internacional .

A decapitação continua a ser a forma mais comum de execução e a sentença tradicionalmente realizada em uma praça pública na sexta-feira após as orações.

Deera Square, no centro da capital Riyadh é conhecida localmente como “Chop Chop Square”.

Resultado de imagem para Saudi executioner Muhammad Saad al-Beshi

O carrasco saudita Muhammad Saad al-Beshi (O Explorador)

O trabalho talvez sombrio, mas o carrasco-chefe do país parecia se orgulhar de seu trabalho.

Depois de visitar a família da vítima para ver se querem perdoar o prisioneiro, eles são levados para a decapitação.

“Quando eles chegam à praça da execução, sua força se esvai”, informou a BBC Muhammad Saad al-Beshi.

“Então eu leio a ordem de execução, e em um sinal eu corto a cabeça do prisioneiro”.

Um aumento recente na taxa de execuções levou a anúncios de oito carrascos no site do serviço público.

Um formulário de inscrição em PDF para empregos dizia que eles se enquadravam no termo “funcionários religiosos” e estariam no nível mais baixo da escala salarial do funcionalismo público.

Resultado de imagem para A kneeling man is beheaded in Jeddah, next to the headless corpse of another who had just suffered the same fate

Um homem ajoelhado é decapitado em Jeddah, ao lado do cadáver sem cabeça de outro que acabara de sofrer o mesmo destino (The Sun)

Crucificação

Na Arábia Saudita, a prática da “crucificação” refere-se à exibição pública ordenada pelo tribunal após a execução, juntamente com a cabeça separada, se decapitada.

Em um dos casos, imagens nas redes sociais aparentam mostrar cinco corpos decapitados pendurados em um poste horizontal com suas cabeças embrulhadas em sacos.

A decapitação e a “crucificação” ocorridas em frente à Universidade de Jizan, onde os estudantes estavam fazendo os exames, ocorrem em uma praça pública para agir como um impedimento.

Paralisia

A capacidade dos tribunais de decidir por si mesmos as sentenças que se encaixam no crime levou a sentenças de “qisas” ou retribuição.

O exemplo de maior destaque foi o de Ali al-Khawahir, que tinha 14 anos quando esfaqueou um amigo no pescoço, deixando-o paralisado da cintura para baixo.

Resultado de imagem para injeção

Um jovem que paralisou seu amigo foi condenado a ficar paralisado (Imagem Parou Tudo)

Dez anos depois foi condenado a ficar paralisado, a menos que pagasse um milhão de riais sauditas à vítima.

Na época, a Anistia Internacional disse que a sentença era “totalmente chocante” mesmo para a Arábia Saudita.

Nesses casos, a vítima pode exigir que a punição seja executada, solicitar compensação financeira ou conceder um perdão condicional ou incondicional.

Lapidação

O apedrejamento continua sendo uma punição por adultério para mulheres na Arábia Saudita.

De acordo com uma testemunha, as acusados ​​são colocados em buracos e, em seguida, têm pedras derrubadas sobre elas de um caminhão.

Em 2015, uma mulher casada de 45 anos, originalmente do Sri Lanka, que trabalhava como empregada em Riad, foi condenada à morte por apedrejamento.

Seu parceiro, que era solteiro e também do Sri Lanka, foi punido com 100 chicotadas depois de ser considerado culpado do mesmo delito.

Resultado de imagem para A kneeling man is beheaded in Jeddah, next to the headless corpse of another who had just suffered the same fate

Amputação de membros é outra das terríveis punições no país

Arrancar os olhos

Abdul-Latif Noushad, um cidadão indiano, foi condenado a ter seu olho direito extorquido em retribuição por sua ação numa briga em que um cidadão saudita foi ferido.

Ele trabalhou em um posto de gasolina e entrou em uma briga com cliente que queria um reembolso e na luta que se seguiu atingiu o outro homem na cabeça, batendo em seu olho.

Um tribunal de apelação em Riad teria simplesmente perguntado se o saudita aceitaria uma compensação monetária, segundo a Human Rights Watch.

Em 16 de setembro de 2004, o jornal saudita Okaz informou que um tribunal em Tabuk ordenou que o olho direito de Muhammad `Ayid Sulaiman al-Fadili al-Balawi fosse arrancado.

O tribunal deu-lhe a opção de pagar uma indemnização no prazo de um ano e foi relatado que ele tinha levantado os 1,4 milhão de riais necessários.

Outro jornal saudita, o ArabNews, informou em 6 de dezembro que um tribunal havia recentemente condenado um homem egípcio a ter seus olhos arrancados.

Ele foi acusado de jogar ácido no rosto de outro homem, que posteriormente perdeu a visão.

Resultado de imagem para A man is brutally flogged by uniformed guards in Saudi Arabia

 

Um homem é brutalmente açoitado por guardas uniformizados na Arábia Saudita (The Sun)

Flagelação

Aqueles condenados por insultar o Islã também podem esperar ser açoitados.

Em um caso que trouxe condenação internacional, o blogueiro  Raif Badawi foi condenado a 1000 chicotadas, bem como 10 anos atrás das grades.

Vídeo mostra uma multidão aplaudindo quando os primeiras 50 chicotadas de sua sentença foram executadas, uma ocorrência que sua esposa Ensaf Haidar diz que quase o matou.

No ano passado, um homem foi sentenciado a dez anos de prisão e 2.000 chicotadas por expressar seu ateísmo no Twitter.

O jovem de 28 anos teria se recusado a se arrepender, insistindo que o que ele escreveu refletia suas crenças e que ele tinha o direito de expressá-las.

Com imagem e informações The Sun

Liberado após 7 meses de prisão o imigrante afegão que abusou sexualmente de sete crianças na Alemanha

Um imigrante afegão que abusou sexualmente de pelo menos sete crianças na Alemanha é libertado depois de apenas sete meses de prisão, informa o jornal Augsburger Allgemeine .

O homem foi condenado por se expor às crianças nos bondes da cidade de Augsburg. Nas linhas de bonde, ele sentou-se com garotas de apenas dez anos e expôs seus genitais enquanto se masturbava.

Devido a gravações em vídeo, um policial, que estava viajando em particular, o havia reconhecido em dezembro de 2017 em Königsplatz e o prendeu. A acusação legal contra ele é o abuso sexual de crianças.

O refugiado reconhecido foi libertado após apenas sete meses de prisão depois de um acordo entre seu advogado de defesa Michael Bauer e a promotora Hannah Witzigmann e o tribunal.

O refugiado agora recebe um oficial de condicional e um cuidador ao seu lado, porque de acordo com a corte, ele sozinho ‘não está em posição de dominar sua vida em liberdade’.

Com imagem e informações Voice of Europe

Lutando pelos cristãos e minorias perseguidos