Arquivo da tag: #Síria

ONU: sete mil crianças sírias vitimadas pela guerra

As Nações Unidas calculam em sete mil o número de casos de crianças mortas ou mutiladas durante a guerra da Síria. Os dados foram avançados na passada sexta-feira no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A guerra da Síria dura há sete anos. Desde então, as Nações Unidas apontam para a morte ou mutilação de sete mil crianças. No entanto, relatórios não verificados colocam o número em mais de 20 mil casos.

“Está na hora de as crianças reaverem a infância que lhes foi retirada. Têm sido utilizadas e vítimas de abusos, pelo e para o conflito, há demasiado tempo”, declarou Virginia Gamba, representante especial das Nações Unidas para Crianças e Conflitos Armados.

Durante o Conselho de Segurança, Gamba afirmou que as crianças da Síria sofreram ataques terríveis, tanto nas suas casas como nas suas comunidades, escolas, centros de detenção e campos de deslocados.

Tal como é explicado no site das Nações Unidas, em 2005 o Conselho de Segurança criou um mecanismo de monotorização e comunicação (MRM) para seis violações graves contra crianças em situações de conflito armado.

Este foi aplicado à situação síria em 2013, verificando situações de morte e mutilação, recrutamento de crianças no conflito, violência sexual, rapto, ataques em escolas e hospitais e recusa de acesso humanitário.

“Desde então, todos os anos tem havido um enorme aumento em todas as violações graves, cometidas por ambas as partes do conflito”, afirmou Virginia Gamba.
“Mera fração das violações cometidas”
Desde o início deste ano, o mecanismo verificou mais de 1200 violações graves contra crianças. Mais de 600 foram mortas e mutiladas e cerca de 180 recrutadas para o conflito.

Para além disso foram atacadas 60 escolas e 100 hospitais e outras instalações médicas.

Virginia Gamba assegura que a maior parte do recrutamento de crianças é feito por grupos não estatais, enquanto que grande parte das mortes e mutilações é atribuída ao Governo e a forças que o apoiam, como aponta a CNN.

Gamba acrescenta que se estima que uma em cada três escolas não seja utilizada, quer por estar danificada ou destruída, quer por ser utilizada como abrigo ou para propósitos militares. Cerca de 2,1 milhões de crianças sírias não vão à escola por insegurança, falta de instalações, fraca qualidade na educação e pobreza.

“Devo enfatizar que os casos documentados pelo MRM, apesar de serem verificados pelas Nações Unidas, representam uma mera fração das violações cometidas na Síria até hoje”, reforçou a representante especial das Nações Unidas.

Com imagem e informações RTP Noticias

Anúncios

Israel fornece mais ajuda humanitária aos sírios deslocados no Golã

Na semana passada, as Forças de Defesa de Israel (IDF) realizaram seis operações para fornecer ajuda humanitária aos sírios deslocados nas Colinas de Golan, informaram os militares nesta quinta-feira.

Dirigido pela Brigada Bashar , 72 toneladas de alimentos, 70 tendas, 9 mil litros de combustível, bem como remédios, suprimentos médicos, roupas e brinquedos foram transferidos para a Síria.

“As IDF continuaram  ajudando sírios em acampamentos  estabelecidos no Golan sírio, onde milhares de sírios que vivem em condições precárias , sem acesso à água, eletricidade, comida ou necessidades básicas,” diz o comunicado divulgado pela Unidade Porta-voz das IDF.

“ASs IDF estão monitorando eventos no sul da Síria e estão preparadas para uma variedade de cenários , incluindo assistência humanitária contínuo aos sírios “, disse o comunicado, acrescentando que as IDF vão permitir que os sírios atravessem para Israel e os militares continuarão a defender os interesses de segurança do Estado de Israel “.

IDF têm vindo a fornecer  assistência humanitária para salvar vidas dos sírios nas Colinas de Golã, como parte da operação ” bons vizinhos “, que foi lançado em junho de 2016. O Exército de Israel tem fornecido de 1524 toneladas de alimentos 250 toneladas de roupas, 947.520 litros de combustível, 21 geradores, 24.900 equipamentos médicos e medicamentos, tudo isso mantendo o princípio de não participação na guerra civil síria.

O major Dr. Sergei Kotikov , um oficial sênior das IDF envolvido na Operação Good Neighbor, disse ao  The Jerusalem Post  em uma entrevista recente perto da fronteira com a Síria que as IDF aumentaram sua ajuda e alimentos para os sírios desde o início da ofensiva.

No início desta semana, cerca de 200 sírios se reuniram a poucos metros da fronteira com Israel, depois que eles marcharam na fronteira, com algumas bandeiras brancas acenando na tentativa de entrar no Estado judeu.

Os sírios recuaram logo depois que soldados israelenses gritaram para que eles voltassem e retornassem a um acampamento de pessoas deslocadas na vila de Bariqa .

O exército sírio iraniano – apoiado milícias xiitas e Hezbollah foi bater nas províncias do sudoeste da Dara’a e Qunetria em uma ofensiva destinada a recuperar os eixos estratégicos que fazem fronteira com a Jordânia e os rebeldes no Golan que ocuparam a fronteira durante vários anos.

Milhares de sírios fugiram para a fronteira israelense nas Colinas de Golã em busca de uma área segura e de acordo com a ONU , entre 285.000 e 325.000 pessoas fugiram desde o início da ofensiva com cerca de 189.000 que se mudaram para a fronteira com Israel.

Os sírios fugiram de suas casas por causa da ofensiva. Muitos se agruparam na área de Quneitra ao longo da fronteira, esperando que a área de fronteira seja uma zona de exclusão e que eles sejam protegidos de ataques aéreos ou avanços de regime.

Apesar dos relatos não confirmados de que Israel e a ONU estão em negociações para estabelecer zonas de segurança para os sírios ao longo da fronteira, Israel deixou claro que nenhum refugiado sírio poderá entrar em Israel, e que continuará a fornecer ajuda humanitária.

Com imagem MENAHEM KAHANA / AFP / Getty Images e informações Israel Noticias

10 países mais perigosos do mundo para as mulheres

Aqui está a lista dos 10 países classificados como os mais perigosos para as mulheres por uma pesquisa de especialistas globais

A Índia foi apontada como o país mais perigoso do mundo para as mulheres em uma pesquisa com especialistas globais divulgada na terça-feira.

A pesquisa da Thomson Reuters Foundation com cerca de 550 especialistas em questões femininas classificou o Afeganistão e a  Síria  em segundo e terceiro lugar, com a Somália e a Arábia Saudita em seguida.

A pesquisa foi uma repetição de uma pesquisa semelhante em 2011, que classificou os países mais perigosos para as mulheres como Afeganistão, República Democrática do Congo, Paquistão, Índia e Somália.

Ele perguntou quais cinco dos 193 estados membros das Nações Unidas eram mais perigosos para as mulheres e o pior para os cuidados de saúde, recursos econômicos, práticas tradicionais, abuso sexual e não sexual e tráfico de seres humanos.

1. ÍNDIA – No topo da lista, com níveis de violência contra as mulheres ainda em alta, mais de cinco anos após o estupro e assassinato de um estudante em um ônibus em Nova Déli provocou indignação nacional e promessas do governo para enfrentar a questão.

A Índia classificou-se como a mais perigosa em três questões – os riscos que as mulheres enfrentam de violência e assédio sexual, de práticas culturais e tradicionais e do tráfico de seres humanos, incluindo trabalho forçado, escravidão sexual e servidão doméstica.

2. AFEGANISTÃO – Segundo na lista, com especialistas dizendo que as mulheres enfrentam problemas terríveis quase 17 anos após a derrubada do Taleban.

Classificado como o país mais perigoso para as mulheres em três áreas – violência não sexual, acesso a cuidados de saúde e acesso a recursos econômicos.

3. SÍRIA – Terceiro após sete anos de guerra civil. Classificada como o segundo país mais perigoso para mulheres em termos de acesso a cuidados de saúde e violência não sexual, o que inclui violência relacionada com conflitos, bem como abuso doméstico. Terceiro conjunto com os Estados Unidos sobre os riscos que as mulheres enfrentam de abuso sexual.

5. ARÁBIA SAUDITA – Quinto total, mas o reino conservador foi nomeado o segundo país mais perigoso para as mulheres em termos de acesso econômico e discriminação, inclusive no local de trabalho e em termos de direitos de propriedade. Quinto em termos dos riscos que as mulheres enfrentam de práticas culturais e religiosas.

6. PAQUISTÃO – O sexto mais perigoso e quarto pior em termos de recursos econômicos e discriminação, bem como os riscos que as mulheres enfrentam de práticas culturais, religiosas e tradicionais, incluindo os chamados crimes de honra. O Paquistão ficou em quinto lugar na violência não sexual, incluindo abuso doméstico.

7. REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO – Listada como a sétima das Nações Unidas, alertando que milhões de pessoas enfrentam “condições infernais de vida” depois de anos de derramamento de sangue e ilegalidade. Classificada como segundo país mais perigoso para mulheres no que diz respeito à violência sexual, e entre sétima e nona em quatro outras questões.

8. IÊMEN – Oitavo na lista após classificar mal o acesso a cuidados de saúde, recursos econômicos, risco de práticas culturais e tradicionais e violência não sexual. O Iêmen ainda está se recuperando da crise humanitária mais urgente do mundo, com 22 milhões de pessoas que precisam de ajuda vital.

9. NIGÉRIA – Classificado em nono lugar, com grupos de direitos humanos acusando os militares do país de tortura, estupro e assassinato de civis durante uma luta de nove anos contra militantes do Boko Haram.  Nigéria foi nomeada o quarto país mais perigoso, juntamente com a Rússia, quando se tratava de tráfico humano. Ele listou o sexto pior dos riscos que as mulheres enfrentam em práticas tradicionais.

10. ESTADOS UNIDOS – Única nação ocidental no top 10 e terceira em conjunto com a Síria pelos riscos que as mulheres enfrentam em termos de violência sexual, incluindo estupro, assédio sexual, coerção sexual e falta de acesso à justiça em casos de estupro. A pesquisa veio depois que a campanha #MeToo se tornou viral no ano passado, com milhares de mulheres usando o movimento de mídia social para compartilhar histórias de assédio ou abuso sexual.

Com imagem   Jornal de Notícias e informações Haaretz

Síria assume Comissão de Desarmamento da ONU apesar de ser acusada de ataque químico

Os Estados Unidos organizaram um boicote em protesto contra  presidência da Síria na Conferência sobre Desarmamento nas Nações Unidas, em Genebra, na terça-feira.

A Conferência sobre o Desarmamento é um órgão ligado à ONU que trabalha para a redução de armas no mundo e não-proliferação de armas nucleares.

A delegação se levantou de seus assentos enquanto o embaixador sírio na ONU, Hussam Edin Aala, abriu a última rodada da conferência.

Wood disse que a presidência da Síria de um órgão comprometido com a não-proliferação é uma farsa, dado que “o regime foi responsável por matar incontáveis ​​de seus próprios civis, muitos dos quais foram afetados por ataques com armas químicas“.

Washington não planejou um boicote à presidência que será exercida pela Síria durante quatro semanas, mas queria manter o país responsável por seu uso de armas químicas, disse Wood.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, disse que falta credibilidade à Síria para assumir a presidência da entidade.

Em abril, a cidade síria de Douma foi alvo de mais ataque de armas químicas que deixou 40 mortos e mais de 500 feridos. A visita de inspetores internacionais foi adiada após a equipe da ONU ter sido atacada a tiros. A missão da OPAQ ( tinha sido requerida pelas potências ocidentais que culpam o ditador sírio Assad e Rússia pelo ataque.

A conferência, sediada em Genebra, é formada por 65 países, e é o fórum mundial mais importante na área de desarmamento muito embora pouco tenha alcançado êxito em resultados práticos.

Com imagem de Associated Press e informações de Folha de São PauloHaaretz

Síria: Assad e Putin proíbem o acesso dos inspetores de armas químicas à Douma

Diretor da Organização para a Proibição de Armas Químicas diz que Moscou e Damasco estão citando “questões de segurança” para impedir acesso dos inspetores ao local

Uma visita de inspetores de armas químicas ao local do suspeito ataque de gás na Síria foi adiada na segunda-feira, disseram autoridades britânicas e russas, enquanto potências ocidentais e a Rússia trocavam acusações após os ataques de mísseis retaliatórios liderados pelos EUA.

Moscou, principal aliado do presidente sírio, Bashar Assad, condenou no domingo os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França por se recusarem a esperar pelas constatações da equipe de inspeção da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) sobre o alegado ataque à Douma antes de iniciarem os ataques.

Os inspetores da OPCW chegaram a Damasco no sábado e planejaram ir à Douma, na periferia da capital, na segunda-feira. Mas a delegação britânica da OPCW disse que a Rússia e a Síria ainda não permitiram que os inspetores tivessem acesso à Douma.

Com informações de The Times of Israel e Ynet News e imagem de Louai Beshara / AFP / Getty Images

 

Relato de forte explosão em base iraniana na Síria

Uma forte explosão foi ouvida no sábado numa área rural controlada pelo governo sírio ao sul de Aleppo, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos, asseverando que a causa da explosão seria desconhecida, assim como seu alvo.

A mídia libanesa noticiou que a explosão aconteceu num depósito de armas e a mídia síria relatou que seriam jatos israelenses bombardeando o local.

Outra versão é apresentada por parte da mídia árabe, ao informar  que um avião não identificado atingiu o depósito de armas perto de Aleppo. Contudo, o Hezbollah nega que a explosão teria sido em virtude de ataque aéreo, após as incursões em alvos do regime pelos EUA, Grã-Bretanha e França.

O depósito, considerado um dos maiores do país, está localizado no Monte Azzan, perto de Aleppo, e teria sido usado pelo grupo libanês Hezbollah, do Irã, e por outras milícias iranianas na Síria.

A rede Sky News informou que a explosão foi provavelmente causada por um ataque aéreo lançado por um jato não identificado, e ainda disse que a área tinha sido previamente evacuada por medo de um ataque norte-americano.

Mas o canal de notícias libanês al-Mayadeen, que tem laços estreitos com o Hezbollah, informou que o grupo terrorista libanês negou qualquer ataque militar e disse que houve algumas explosões controladas perto do local no início do dia.

O relato da explosão ocorreu menos de 24 horas depois que os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França lançaram uma série de ataques aéreos contra vários alvos militares pertencentes ao regime de Assad durante uma operação conjunta de sexta a sábado.

Soldados sírios inspecionam os destroços de um prédio descrito como parte do Complexo do Centro de Estudos e Pesquisas Científicas (SSRC) no distrito de Barzeh, ao norte de Damasco, durante uma turnê de imprensa organizada pelo Ministério da Informação da Síria, em 14 de abril de 2018. / LOUAI BESHARA)

Soldados sírios inspecionam os destroços de um prédio descrito como parte do Complexo do Centro de Estudos e Pesquisas Científicas (SSRC) no distrito de Barzeh, ao norte de Damasco. / LOUAI BESHARA)

Os alvos incluíam uma instalação de pesquisa científica perto de Damasco, uma instalação de armazenamento de armas químicas a oeste da cidade de Homs, e um terceiro local perto de Homs que continha um posto de comando e uma instalação de armazenamento de armas químicas, disseram os militares dos EUA.

As instalações atingidas teriam sido evacuadas nos últimos dias.

Com informações de Ynet News, Record e The Times of Israel

Rússia e Irã advertem após ataques dos EUA e aliados na Síria: haverá “conseqüências”

Numa declaração oficial às 21h em Washington, Trump afirmou que deu ordem às Forças Armadas norte-americanas para atingir “alvos específicos associados à capacidade de produzir armas químicas do ditador sírio, Bashar al-Assad”.

Há um ano, Assad lançou um ataque químico contra o seu próprio povo, contra inocentes. Os EUA responderam com 58 ataques de mísseis que destruíram 20% da Força Aérea Síria”, acrescentou Trump. O recurso a armas químicas ter-se-á então repetido no último sábado, na cidade de Douma, atribuído a Assad por Trump e pelos seus aliados.

A nossa informação foi corroborada por múltiplas fontes. O ataque matou e feriu milhares de civis inocentes. Vídeos e imagens mostram resquícios de pelo menos duas bombas de gás  cloro no ataque, coincidentes com bombas de ataques anteriores“.

Para a Casa Branca, o mais recente ataque do Presidente sírio constituiu uma “acentuada escalada no recurso a armas químicas” e, depois de uma semana de tensões e ameaças, os bombardeios dos aliados acabaram por se concretizar. Foi um “ato único“, como o qualificou Jim Mattis, secretário de Defesa norte-americano, para enviar “uma mensagem muito forte a Assad“.

Horas mais tarde, o Pentágono viria a detalhar que o ataque teve três alvos: um centro de investigação científica, perto de Damasco; um depósito de armas químicas situado a Oeste de Homs; e um outro armazém de armas químicas e um “importante centro de comandos“, ambos situados perto do depósito de armas químicas a Oeste de Homs.

O embaixador da Rússia nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, disse em resposta aos ataques aéreos de precisão dos EUA, França e Grã-Bretanha na Síria no  sábado que “Toda a responsabilidade por essas conseqüências cairá sobre Washington, Londres e Paris“.

Os EUA, um país com o maior arsenal de armas químicas, não têm o direito moral de culpar outros países“, disse ele, acrescentando que os ataques são uma ameaça para Moscou.

Também respondendo aos ataques, o Irã alertou para as “conseqüências regionais, informou a AFP.

A embaixada russa nos EUA divulgou um comunicado dizendo que “nós alertamos que tais ações não serão deixadas sem consequências“, acrescentando que Washington, Paris e Londres serão responsabilizados por eles.

Insultar o presidente da Rússia é inaceitável e inadmissível“, disse o comunicado. “Os EUA – o possuidor do maior arsenal de armas químicas – não têm o direito moral de culpar outros países”.

Em um discurso televisionado da Casa Branca, Trump disse: “Para o Irã e para a Rússia, eu pergunto: Que tipo de nação quer ser associada ao assassinato em massa de homens, mulheres e crianças inocentes?

Com o ataque, o presidente dos EUA, Donald Trump, desafia os dois principais aliados da Síria por causa de sua associação com o ataque a gás que teria sido conduzido pelo governo do presidente Bashar al-Assad.

Entre os oito alvos reportados foram atacados bases militares, institutos de pesquisa e instalações de armazenamento de armas químicas na Síria.

Os meios de comunicação estatais na Síria informaram que os ataques são “uma violação flagrante do direito internacional e demonstram o desprezo destes países por esta lei“. A televisão síria transmitiu fotos do centro de Damasco, Aleppo e outras cidades que mostraram rotina apesar dos ataques.

Agitando bandeiras sírias e imagens de Bashar al-Assad, alguns sírios foram para a Praça Al-Amawin em Damasco e elogiaram seu líder na denúncia do ataque.

A oposição síria disse à agência de notícias DFA que os ataques liderados pelos Estados Unidos eram uma mensagem para a administração russa e para os iranianos, “que provaram que as potências ocidentais poderiam agir como iguais ao Conselho de Segurança da ONU“.

Com informações de Haaretz e Público  imagem Veja

Líder do Hezbollah: ataque à base síria põe Israel em “confronto direto” com o Irã

O líder do grupo terrorista libanês Hezbollah disse na sexta-feira que o suposto ataque aéreo israelense à uma base aérea no centro da Síria que matou sete iranianos foi um “erro histórico” que levou Israel a um conflito direto com Teerã.

Hassan Nasrallah disse que o ataque de segunda-feira à base aérea T-4 inaugura uma nova fase que coloca Israel em um estado de “confronto direto” com a República Islâmica do Irã.

O Irã, a Rússia e a Síria culparam Israel pelo ataque aéreo. Israel se recusou a comentar o assunto, mantendo sua política de ambiguidade em relação aos ataques aéreos fora das fronteiras do país.

Isso é sem precedentes em sete anos (de guerra na Síria): Israel tem como alvo direto a Guarda Revolucionária do Irã“, disse Nasrallah.

Nasrallah disse que o “assassinato direcionado” dos iranianos foi um ato de “grave tolice.

 

O Irã, o principal patrocinador da organização terrorista Hezbollah, ameaçou atacar o Estado judeu por causa de um ataque com mísseis que aconteceu na madrugada de segunda-feira na base aérea perto de Palmyra, no centro da Síria, atribuída à Israel. A mídia iraniana informou que sete membros das forças armadas do país foram mortos no ataque, sendo que pelo menos 14 mortes relatadas. Um dos mortos foi identificado como coronel da força aérea do Corpo dos Guardas da Revolução Islâmica.

O exército de Israel ficou em alerta máximo em meio a ameaças iranianas de ataques retaliatórios após o ataque aéreo de segunda-feira.

Israel havia realizado um ataque aéreo contra a base T-4, também conhecido como Tiyas,  em 10 de fevereiro, depois que um operador iraniano que enviou um drone iraniano ao território israelense, segundo o exército. Essa incursão provocou uma série de confrontos aéreos que resultaram na derrubada do avião iraniano. Além disso, um F-16I israelense foi atingido e caiu em um campo, e uma porcentagem significativa das defesas aéreas da Síria foi destruída em retaliação.

O Irã e a [unidade especial do Corpo de Guardas Revolucionários Iranianos] Quds Force operam há algum tempo a Base Aérea T-4 na Síria ao lado de Palmyra, com o apoio dos militares sírios e com a permissão do regime sírio”, disse Israel à época através das Forças de Defesa.

O ataque à base militar veio depois de um ataque químico suspeito em uma cidade controlada pelos rebeldes perto de Damasco. As potências ocidentais culpam o governo sírio.

Falando via satélite na sexta-feira para os apoiadores em Beirute, Nasrallah também chamou o suposto ataque de armas químicas de “teatro” de Douma.

Países ocidentais ameaçaram lançar ataques contra o regime do presidente sírio Bashar Assad em retaliação ao suposto ataque a gás no qual dezenas foram mortos.

No início da sexta-feira, o vice de Nasrallah disse que uma guerra mais ampla é improvável na região, apesar das ameaças do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de promover ataques retaliatórios.

Nós descartamos a situação se transformando em um confronto direto entre americanos e russos ou um amplo estado de guerra“, disse o xeque Naim Qassem ao jornal libanês al-Joumhouria, conforme traduzido pela agência de notícias Reuters.

As condições não apontam para uma guerra total … a menos que [o presidente dos EUA, Donald] Trump e o [primeiro-ministro Benjamin] Netanyahu, percam completamente a cabeça“, acrescentou.

Na quinta-feira, Trump adiou a decisão final sobre possíveis ataques militares contra a Síria depois de twittar mais cedo que eles poderiam acontecer “muito em breve ou não tão cedo“. A Casa Branca disse que iria consultar mais os aliados.

Com informações e imagem The Times of Israel

Tropas de Assad voltam a controlar Douma, para onde foi mobilizada a polícia militar russa

PÚBLICO – Depois do ataque químico de sábado e de vários bombardeamentos, o Governo sírio retomou o controlo de Ghouta Oriental. A polícia militar russa foi enviada para o terreno na sequência do acordo com os rebeldes e da escalada de tensões com os Estados Unidos.

O Governo sírio assumiu controlo total da cidade de Douma e, consequentemente, da região de Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco, segundo anunciaram agências de notícias russas durante a madrugada. Entretanto, também a polícia militar da Rússia, aliada do regime sírio de Bashar al-Assad, foi mobilizada para a cidade síria na quarta-feira, segundo anunciou o ministério da Defesa russo, citado pela agência de notícias RIA. “Eles são os que garantem a lei e a ordem na cidade”, informou o ministério.

Além dos bombardeamentos, Bashar al-Assad é também acusado de ser o responsável do ataque químico de sábado passado – que matou dezenas de pessoas e deixou centenas feridas. Com esse ataque, Assad conseguiu a rendição dos combatentes da oposição na zona de Douma, em Ghouta Oriental, uma importante vitória para o seu regime.

Já a decisão de enviar tropas militares russas para Douma surge na sequência do acordo com o grupo rebelde Jaish al-Islam – com quem foi negociada a pacificação de Douma –, mas também de uma escalada de tensões internacional que se seguiu ao ataque químico de sábado. Os Estados Unidos, em cooperação com França e Reino Unido, prometeram dar resposta ao ataque – e a iminência dessa resposta tem vindo a ganhar força nos últimos dias. Mas a Rússia mantém-se firme na protecção do aliado Assad — a intenção de Moscovo de responder a qualquer ofensiva norte-americana na Síria continua de pé.

Com imagem de Al-Jazeera

Trump quanto ao ataque na Síria: “Muito em breve ou não tão cedo!”

O presidente dos EUA, Donald Trump, foi evasivo nessa quinta-feira sobre quando os Estados Unidos poderiam atacar a Síria em retaliação por um ataque com armas químicas, dizendo que poderia ser “muito em breve ou não tão cedo”.

Um dia depois de ter avisado que “mísseis virão”, Trump disse de manhã cedo: “Nunca disse quando um ataque à Síria aconteceria. Pode ser em breve ou não tão cedo! ”

Ele acrescentou: “De qualquer forma, os Estados Unidos, sob minha administração, fizeram um ótimo trabalho ao livrar a região do ISIS Onde está o nosso “Obrigado América?”

No início da semana , autoridades dos EUA disseram que os EUA, França e Grã-Bretanha estavam em extensas consultas sobre o lançamento de um ataque militar no final desta semana.

Enquanto isso, o presidente sírio, Bashar Assad, advertiu na quinta-feira que as ameaças de ação militar ocidental em resposta ao suposto ataque químico só levariam a mais caos na região.

Com cada vitória no terreno, alguns países ocidentais levantam suas vozes e intensificam suas atividades em um esforço para mudar a trajetória dos eventos”, disse Assad.

Essas vozes e quaisquer ações possíveis só contribuirão para desestabilizar ainda mais a região“, disse ele em comentários postados nas contas de mídia social da presidência síria.

Assad falou durante uma reunião com Ali Akbar Velayati, assessor de política externa do líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, e outros funcionários.

Assad e Velayati criticaram as ameaças ocidentais de realizar ataques contra a Síria em resposta ao suposto uso de armas tóxicas no fim de semana, disse a presidência.

A ameaça de alguns países ocidentais de atacar a Síria é baseada em mentiras que esses países fabricaram junto com organizações terroristas“, disse o gabinete de Assad.

Tropas sírias se prepararam para ataques ocidentais em todo o país, escondendo bens e abandonando prédios importantes.

Trump e outros líderes ocidentais prometeram uma resposta rápida e contundente ao suposto ataque a gás no sábado, que, segundo equipes de resgate, matou mais de 40 pessoas.