Arquivo da tag: #terroristas

O jihadista de Londres ao cortar garganta de mulher gritou: “Isto é para Allah pare de viver essa vida”

“Quando você encontrar os incrédulos, ataca os pescoços …” (Alcorão 47: 4)

“Isto é para Deus, pare de viver esta vida”: o que os terroristas de Londres gritaram quando eles cortaram a garganta da vítima australiana em cenas “como um filme de terror” em um restaurante cheio onde com fúria mataram oito “, de April Glover e Max Margan, Daily Mail Austrália , 11 de junho de 2017:

Uma mulher australiana e seu parceiro que sobreviveram ao ataque terrorista de Londres descreveram o momento em que três terroristas jihadistas invadiram o restaurante onde eles trabalhavam.

Candice Hedge, 31, de Brisbane, teve a garganta cortada durante a fúria por três homens que atropelaram muitas pessoas em London Bridge no último sábado à noite antes de atacar pessoas inocentes com facas.

Oito pessoas morreram quando foram atacadas a faca por jihadistas gritando slogans islâmicos quando entraram em restaurantes atacando aleatoriamente qualquer um em seu caminho, antes de serem mortos a tiros pela polícia.

“Eles estavam dizendo:” Isto é para nossa família, isso é para Allah. Pare de viver essa vida “, disse Luke ao programa Sunday Night da Channel Seven.

A Sra. Hedge estava trabalhando no restaurante de Elliot no Borough Market perto da ponte, junto com seu namorado Luke.

Recordando a provação em sua primeira entrevista na mídia, ela descreveu como ela olhou seu atacante no olho segundos antes de ser esfaqueada.

“Ele olhou para mim e eu olhei para ele, realmente aconteceu tão rápido”, disse Hedge.

No momento em que ela foi ferida, ela disse: “Foi um rápido ir e foi isso. Eu estava vomitando sangue.

O terrorista cortou a garganta da Sra. Hedge, deixando um corte profundo que quase rasgou suas cordas vocais e a principal artéria.

“Eu podia sentir a quantidade de sangue e estava quente na minha mão”, disse ela.

‘E eu podia ver o quanto era e, você sabe, você vê filmes de terror – era assim. Eu estava pensando por um momento que não conseguiria fazê-lo.

A área que os terroristas atingiram foi cercada e nenhuma ambulância foi autorizada a entrar com medo, os ataques ainda estavam em andamento.

A Sra. Hedge foi forçada a dirigir-se para a ajuda médica a pé enquanto segurava um pedaço de pano na garganta sangrando.

“Eu estava pensando,” eu não quero morrer. Eu quero passar por isso. “E eu também queria sair daqui. Eu queria entrar em segurança “, disse ela.

https://www.jihadwatch.org/2017/06/london-jihadi-screamed-this-is-for-allah-stop-living-this-life-as-he-slit-womans-throat

Anúncios

130 imãs do Reino Unido saudados por recusar-se a realizar orações funerárias por jihadistas, mas o Islã proíbe orações fúnebres por jihadistas

O Conselho muçulmano da Grã-Bretanha ganhou manchetes em todo o mundo – e elogios – pelo anúncio. O secretário de Estado Tillerson disse na segunda-feira na Nova Zelândia: “Fui realmente encorajado quando ouvi as notícias nesta manhã que vários imãs em Londres condenaram esses atacantes e disseram que não realizarão serviços de oração sobre seus funerais, o que significa que eles” Estão condenando suas almas. E isso é o que tem que ser feito, e somente a fé muçulmana pode lidar com isso “.

Os muçulmanos moderados se levantam, certo? Aqui está a declaração do MCB:

“Mais de 130 imãs e líderes religiosos de diversas origens se recusam a realizar a oração funerária para atacantes londrinos em um movimento sem precedentes”, Conselho muçulmano da Grã-Bretanha , 5 de junho de 2017

Imames e líderes religiosos de todo o país e uma série de escolas de pensamento se uniram para emitir uma declaração pública condenando o recente ataque terrorista em Londres e transmitindo sua dor ao sofrimento das vítimas e suas famílias.

Em um movimento sem precedentes, eles não só se recusaram a realizar a oração islâmica tradicional pelo terrorista – um ritual que normalmente é realizado para cada muçulmano, independentemente de suas ações -, mas também pediu aos outros que façam o mesmo. Eles disseram:

“Consequentemente, e à luz de outros princípios éticos que são essenciais para o Islã, não realizaremos a oração funeral islâmica tradicional sobre os perpetradores e também pedimos aos imigos e autoridades religiosas que retirem esse privilégio. Isso ocorre porque essas ações indefensáveis ​​estão completamente em desacordo com os elevados ensinamentos do Islã “.

Tudo isso parece ótimo, mas há apenas uma captura: Muhammad é retratado em hadiths como proibindo orações funerárias para mártires, e a lei islâmica proíbe tais orações também:

“Narrado Jabir bin` Abdullah: O Mensageiro de Deus costumava envolver dois mártires de Uhud em uma folha e depois dizer: “Qual deles conhecia mais o Alcorão?” Quando um dos dois foi apontado, ele o colocaria primeiro no grave. Então ele disse: “Eu vou ser testemunha deles no Dia da Ressurreição”. Ele ordenou que fossem enterrados com o sangue deles (em seus corpos). Nem a oração funeral oferecida para eles, nem foram lavados. Jabir acrescentou: “Quando meu pai foi martirizado, comecei a chorar e a descobrir o rosto dele. Os companheiros do Profeta impediram-me de fazê-lo, mas o Profeta não me impediu. Então o Profeta disse: “(Ó Jabir.) Não chore sobre ele, pois os anjos continuaram a cobri-lo com as suas asas até que seu corpo fosse levado (para o enterro)” (Bukhari 5.59.406).

“Narrado Jabir bin` Abdullah: O Profeta coletou cada dois mártires de Uhud em um pedaço de pano, então ele perguntaria: “Qual deles tinha (sabia) mais do Alcorão?” Quando um deles foi apontado para Ele colocaria aquele primeiro no túmulo e dizia: “Eu vou ser uma testemunha nestes no Dia da Ressurreição”. Ele ordenou que fossem sepultados com o sangue em seus corpos e não fossem lavados nem uma Oração no funeral fosse oferecida por eles. “(Bukhari 2.23.427)

As palavras de Muhammad em hadiths que são consideradas autênticas são normativas para a lei islâmica, e a lei islâmica, portanto, afirma: “É ilegal lavar o corpo de um mártir (O: mesmo que seja em estado de grande impureza ritual (janaba) ou similar) Ou executar a oração funeral sobre ele. Um mártir (shahid) significa alguém que morreu em batalha com não-muçulmanos (O: de lutar contra eles, em oposição a alguém que morreu de outra forma, como uma pessoa morta fora de opressão quando não estava na batalha ou que morreu de lutar contra não- Politeístas, como transgressores (N: muçulmanos). “- Confiança do viajante g4.20

Então, o que foi tirado por Rex Tillerson e o mundo como um grande show de rejeição muçulmana do terrorismo é realmente uma exibição da adesão muçulmana à lei islâmica, a aceitação de mortes terroristas como o martírio islâmico e a aplicação do dito de Muhammad “a guerra é engano”.

https://www.jihadwatch.org/2017/06/130-uk-imams-hailed-for-refusing-to-perform-funeral-prayers-for-jihadis-but-islam-forbids-funeral-prayers-for-jihadis

 

Onde nasceu o processo que condenou terroristas no Brasil e a existência do “Daesh” no país

Por Amir Kater

                   Muito ouvem falar sobre diversas operações da Polícia Federal Brasileira, até pelos nomes pelos quais são batizadas, como por exemplo: Acrônimo, Zelotes, Lava Jato, Carne Fraca, Jaleco Branco, Esfinge entre muitas outras desde sua criação. Mas é evidente que uma das que foi falada, além da “Lava Jato”, foi no ano de 2016, a operação “Hastag”, por ocasião dos Jogos Olímpicos ocorridos no Rio de Janeiro.

               Pois bem, hoje falaremos um pouco dessa operação que acabou por condenar, recentemente, 08 (oito) pessoas por crime de terrorismo. O que ainda, não me convence, mas falaremos mais adiante.

                 A operação “Hashtag” teve seu início em 26 de abril de 2016, por conta de uma célula terrorista do grupo  “Daesh” (sigla em árabe para al-Daula al-Islamiya al-Iraq wa Sham (Estado Islâmico do Iraque e Sham [Levante]), aqui chamada de “Estado Islâmico” (EI). A operação em tela contou com órgão de diversos órgãos internacionais, Forças Armadas Brasileira, Polícia Federal e a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN). Essa iniciativa, operação policial, foi a primeira com real foco em questões terroristas, com base na lei nº 13.260, sancionada, poucas semanas antes, em 16 de março de 2016, que tenta tipificar os crimes de terror. Sim, tenta tipificar, afinal sabemos que em seu art. 2º, §2º:

  Art. 2o  O terrorismo consiste na prática por um ou mais indivíduos dos atos previstos neste artigo, por razões de xenofobia, discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião, quando cometidos com a finalidade de provocar terror social ou generalizado, expondo a perigo pessoa, patrimônio, a paz pública ou a incolumidade pública.

  • 2oO disposto neste artigo não se aplica à conduta individual ou coletiva de pessoas em manifestações políticas, movimentos sociais, sindicais, religiosos, de classe ou de categoria profissional, direcionados por propósitos sociais ou reivindicatórios, visando a contestar, criticar, protestar ou apoiar, com o objetivo de defender direitos, garantias e liberdades constitucionais, sem prejuízo da tipificação penal contida em lei.

                  Fica evidente que não existe uma clara tipificação de terrorismo, e, sim uma tentativa, aliás, para quem leu o artigo anterior a este intitulado:“O QUE MUDA COM A LEI DE MIGRAÇÃO, O QUE TEMOS DE LEI ANTITERROR E O QUE O PRECONCEITO INTERNO PODE GERAR E JÁ ESTÁ GERANDO AO BRASIL?” no blog “Ecoando a Voz dos Mártires”, vê que se tenta definir terrorismo desde o Decreto nº. 4269, de janeiro de 1921, e, infelizmente essa lei em nada muda essa realidade de constante tentativa. Pois bem, feitas essas considerações iniciais podemos abordar o que hoje gostaria de lhes mostrar: a existência anterior de terroristas em solo brasileiro, afinal se assim não o fosse, para que haveria sido deflagrada a operação “Hashtag”?

 “O Brasil está na rota do terrorismo não por causa de nacionalidade, etnia ou religião, mas porque vai sediar o maior evento esportivo do mundo. Só o fato de existirem pessoas falando sobre isso, é uma prova disso“. Heni Ozi Cuckier, cientista político, que atuou junto à ONU no Cons. de Segurança e professor de RI na ESPM, em entrevista à BBC Brasil que chegou a afirmar a existência de uma “ameaça real”.

              O terrorista Maxime Hauchard, do “DAESH” posta no twiter, no ano de 2015, cerca de uma ano antes do início da operação policial “hashtag” o seguinte:

Brasil, vocês são nosso próximo alvo. Podemos atacar esse país de merda

                        Essa mensagem fora postada na sequência de atentado que matou cento e vinte e nove pessoas e feriu dezenas na França em 11 de novembro de 2015, mais precisamente em Paris. Tempos após a ABIN, através do seu, então, diretor Luiz Alberto Sallaberry, afirma que a mensagem acima, de Maxime, elevava o nível de alerta para terrorismo no país, e, que isso incrementava a adesão de brasileiros em relação ao “DAESH”.

                   No ano de 2016, no mês de abril, agentes do Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin) obtém informação de que muitos brasileiros mantinham contato com elementos ligados ao “DAESH”; o que fez com se elevasse mais uma vez o nível de alerta no Brasil. Tal informe gera maior tensão quanto aos alertas de contra-terror fazendo com que a ABIN expedisse relatório que demonstrava de maneira objetiva ameaças ao país durante os Jogos Olímpicos 2016. Concomitante os agentes solicitam à Polícia Federal alemã (BKA) informações sobre os 22 mil nomes dos integrantes do “daesh”, que lhes havia sido entregue por um informante; não encontraram brasileiros nessa lista.

       Em 29 de maio de 2016, segundo “SITE Intelligence Group”, agência de monitoramento de terrorismo, informa que integrantes do “daesh’ criam conta no aplicativo “Telegram”, com isso foi criado o primeiro grupo de aplicativos de comunicação para divulgação de terrorismo em português, voltado especificamente para o público brasileiro; visando cooptar seguidores, uma vez que já se sabia e se sabe, ainda mais hoje, o grande número de simpatizantes que há quanto aos grupos terroristas, e, não só ao “DAESH”. Basta analisar a autorização do então presidente Lula, que além de autorizar a construção de uma embaixada da Autoridade “Palestina, evidente embaixada do grupo terrorista Hamas, além dos 25 milhões que em Decreto, na canetada, o mesmo presidente doa a esse grupo terrorista, o que mais se pode pensar, não é?

          A partir desse momento, da criação do mencionado grupo, seus seguidores brasileiros, passam a espargir propaganda, incitações terroristas pelo grupo que se intitula, autointitula, “Asnar AL-Khilafah Brasil”, algo como “Soldados do Califado Brasil” que está sediado em território brasileiro. O uso do “Telegram” foi definido como ferramenta mais adequada para disseminação de propaganda, após o fechamento de diversas de suas redes sociais; além do que o aplicativo em questão, permite que se crie canal com número ilimitado de participantes. Aliás ferramenta utilíssima para os integrantes do “DAESH”, como é de conhecimento, devido a grande repercussão, àquela época, foi postado no grupo “Asnar AL-Khilafah Brasil”, 17 maneiras de cometimento de atentados durante os Jogos Olímpicos 2016, momento em que a ABIN passa a monitorar de maneira efetiva o grupo.

                  No início do mês de junho de 2016, a PF em Santa Catarina provoca a Justiça que permitisse o monitoramento de um elemento na cidade de Chapecó, devido suspeitas de planejamento de atentados. Na sequência, em 08 de julho, do mesmo ano, o senhor Raul Jungmann, Ministro da Defesa, informava que não havia informe não se havia qualquer rastreamento de agência internacional sobre ameaça de qualquer monta  de ataque durante os Jogos de 2016. E, ato-contínuo, imprime a “ladainha” de sempre, de que o Brasil é um país pacífico, bem armado e que sabe usar o contra-ataque. Me pergunto, a França, Alemanha, Suécia, Inglaterra entre outros não são pacíficas, não sabem contra-atacar: Por isso, estão sofrendo o que assistimos, hoje com muito menos freqüência, em nossas casas quando dos telejornais?

              Os envolvidos nesse episódio se denominavam, num grupo virtual de “Defensores de Sharia”, sim, os preceitos religiosos, comportamentais, sociais, costumes e outros expressos no “Al Kouran”, que planejavam adquirir material e armamento no exterior, com a intenção de praticar atos terroristas no Brasil. As quebras de sigilo telefônico, autorizadas pela Justiça Federal, demonstraram muitos indícios de que os elementos monitorados/investigados tinham evidente sentimento e prática de intolerância racial, igualmente assim agiam quanto a gênero, religiões diversas propagando-a. Também se descobriu a utilização de táticas com armas e de técnicas de guerrilha para buscar seus insanos, objetivos. Mensagens que estavam sendo monitorados mostram a comemoração de atentado nos EUA, dias antes, numa boate LGBT em Orlando. Segundo apurado pelo jornal “O Globo” essas pessoas usavam falsos nomes árabes, alguns possuíam antecedentes criminais e a idade variava entre 20 e 40 anos.

              A tal “organização” já tinha ramificações em sete estados do Brasil, quando passou a ser monitorado, através de um informante infiltrado no grupo virtual de discussões, após a PF brasileira, receber alerta do FBI. Ora, se houve a necessidade de alerta enviado por agência estrangeira, quanto se sabe ou se monitora realmente células, grupos, organizações ou facções terroristas em solo brasileiro? O questionamento vem com base em outro artigo que publiquei, que dava conta de monitoramento, leniente, por parte da Polícia Federal por volta do anos de 2011, que acabou por se abandonado, mesmo se sabendo da ligação dos elementos monitorados com a Al Qaeda de Osama Bin Laden.

                   Ainda em 2016, se iniciam as investigações, felizmente, menos leniente e mais profissionais do que as anteriores, que por questões, creio eu, mais políticas do que qualquer outra coisa, foram sendo deixadas de lado. Tais investigações passam, também, a monitorar diálogos via “Facebook” e “Twitter”, além de outros aplicativos eletrônicos. Por ocasião do, bem elaborado, monitoramento foram detidos doze elementos suspeitos de planejamento de atentado terrorista em solo brasileiro durante os Jogos 2016. Junto com as prisões mandados de busca, 19 no total, e apreensão foram cumpridos em dez estados brasileiros; cumprimento de duas conduções coercitivas, e, a Justiça determinara a prisão temporária dos doze envolvidos, detidos àquela época.

“Durante o rastreamento, inteligências de vários países nos auxiliaram com trocas de informações.”

Alexandre de Moraes, ministro da justiça, em entrevista à imprensa

             No mês de setembro, daquele ano, houve a divulgação de que os elementos ligados ao planejamento de atentados mencionavam a possibilidade do emprego de armas químicas, para a contaminação de estação de água durante os Jogos.

                 O juiz, Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal do Paraná, responsável pelo caso, dava conta de que as prisões temporárias e todas as outras medidas teriam sido autorizadas por evidentes indícios da práticas dos crimes previstos na Lei nº 13.260/16, no seguintes tocantes:

Art. 3o  Promover, constituir, integrar ou prestar auxílio, pessoalmente ou por interposta pessoa, a organização terrorista.

 Art. 5o  Realizar atos preparatórios de terrorismo com o propósito inequívoco de consumar tal delito:

  • loIncorre nas mesmas penas o agente que, com o propósito de praticar atos de terrorismo:

I – recrutar, organizar, transportar ou municiar indivíduos que viajem para país distinto daquele de sua residência ou nacionalidade; ou

             Documentos  demonstram em suas mais de 300 páginas a intenção dos extremistas de usar as tais armas químicas durante os Jogos 2016; literalmente falavam em promessa de pogrom (limpeza étnica – termo muito ligado às perseguições dos russos contra os judeus na Russia Ksariana) contra os “kaffir”, infiéis; concomitante a isso, islâmicos xiitas e americanos tramavam planos para contaminação de água no Rio de Janeiro; comemorando e trocando fotos dos atos bárbaros cometidos pelo integrantes do “DAESH” nos diversos locais devastados pelo grupo, tais fotos mostravam assassinatos através de incinerar pessoas vivas, decapitações, crucificações, entre outras barbaridades que já não aguentamos mais ver, jurando que o mesmo seria feito em terras brasileiras. Houve, ainda troca de instruções para construção de artefatos explosivos, além de pregarem guerra civil, e as mesmas práticas que mencionamos acima como prática da imposição de “sharia”. Houve, em setembro de 2016, a admissão por parte de Fernando Pinheiro Cabral, também conhecido como Ahmed Faaiz, em seu depoimento à PF, a elaboração de plano para atentado no estado de São Paulo, com grande probabilidade de alvo a parada gay daquela cidade. A ideia era perpetrar o ataque próximo da época dos Jogos 2016, dizendo:

 “em razão da proximidade das Olimpíadas, a fim de aproveitar a mídia em torno desse evento e do Brasil para difusão mundial do ato terrorista”.

                   Em 04 de maio de 2017, a Justiça brasileira condenou oito réus. Foram, estes, condenados com base na lei antiterrorismo, Lei nº 13.260/16, que fala em “promover, constituir, integrar ou prestar auxílio, pessoalmente ou por interposta pessoa, a organização terrorista”.

Foram as condenações:

Leonid El Kadre de Melo – 15 anos de reclusão, sendo 13 anos em regime inicial fechado;

Alisson Luan De Oliveira – 6 anos de reclusão, sendo cinco em regime inicial fechado;

Oziris Moris Lundi dos Santos Azevedo – 6 anos de reclusão, sendo cinco em regime inicial fechado;

Levi Ribeiro Fernandes De Jesus – 6 anos de reclusão, sendo cinco em regime inicial fechado

Israel Pedra Mesquita – 6 anos de reclusão, sendo cinco em regime inicial fechado;

Hortencio Yoshitake – 6 anos de reclusão, sendo cinco em regime inicial fechado;

Luis Gustavo de Oliveira – 6 anos de reclusão, sendo cinco em regime inicial fechado;

Fernando Pinheiro Cabral – 5 anos de reclusão em regime inicial fechado.

              Nos chamou atenção o que o  advogado criminalista Euro Maciel Filho destacou ao falar que os detidos foram tratados como amadores, mas é necessário ter atenção nas investigações e tirar dúvidas sobre o envolvimento dos detidos.

“Então é uma situação complicada porque estamos lidando com pessoas que são claramente amadoras. Mas o mesmo amador que pode dirigir um caminhão ensandecido em Nice, pode cometer algo aqui no Rio de Janeiro, nas Olimpíadas”, declarou.

                  Já se sabe de há muito, que há integrantes de grupos terroristas, conforme venho escrevendo, a mídia informando e inúmeros relatórios policiais e de inteligência, que aos poucos ou nunca são divulgados; em minha opinião colocando a população em mais ignorância e por óbvio, tornando-a menos atenta aos fatos que a cerca, como estamos vendo em relação ao Projeto de Lei de Migração, que é no mínimo um descalabro jurídico. Mas isso é tema para outras oportunidades.

           A sociedade tem que as manter atenta, diligente e pronta para entender a existência, efetiva e real de terroristas já operando em solo brasileiro, conforme inúmeras matérias jornalísticas; e, infelizmente, caso nada se faça com relação a entrada forçosa dos migrantes “da religião da paz PELA ESPADA” o Brasil, sofrerá, tanto ou mais do que os países europeus.

Referências:

 «PF prende suspeito de ligação com terrorismo em operação no RS»G1. Globo. 21 de julho de 2016. Consultado em 21 de julho de 2016

 «Prisões foram decididas após início de atos preparatórios de ataques, diz Moraes». IstoÉ. 21 de julho de 2016. Consultado em 26 de julho de 2016

 «Prisão de brasileiros é a primeira após aprovação de nova lei antiterror no Brasil». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de julho de 2016

osul.com.br/ Preso na Operação Hashtag volta a ser detido após esfaquear vizinho

 esportes.terra.com.br/ Qual é o risco de ataque terrorista nos Jogos Rio 2016?

«Não vou mais ao Rio”: Como medo de ataques fez alguns brasileiros desistirem de torcer na Olimpíada». BBC

esporteinterativo.com.br/ Preocupação com ataque terrorista aumenta durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/11/franca-identifica-117-dos-129-mortos-nos-atentados-de-paris.html

 noticias.uol.com.br/ Abin confirma ameaça terrorista contra o Brasil; “lobos solitários” preocupam

 em.com.br/ Às vésperas do Rio-2016, Inteligência detecta contatos de brasileiros com EI

 «Daesh sugere formas de terror nos Jogos Olímpicos do Rio». Estado de Minas. Consultado em 27 de julho de 2016

 tecnologia.uol.com.br/ O novo aplicativo preferido do Estado Islâmico do Iraque e do Levante

 dn.pt/ Terroristas publicam manual de instruções para atentados nos Jogos Olímpicos

 noticias.uol.com.br/ Abin monitora grupo em português criado peloEstado Islâmico do Iraque e do Levante no Telegram

 folha.uol.com.br/ Justiça monitora com tornozeleira suspeito de planejar ato terrorista

 «Ministro da Defesa reafirma que não há ameaça de terrorismo nos Jogos»G1. Globo. Consultado em 27 de julho de 2016

  oglobo.globo.com/ Professor franco-argelino da UFRJ é deportado

oglobo.globo.com/ Ministro da Justiça diz que brasileiro preso em Nova Iguaçu tinha envolvimento com grupos terroristas

 esportes.estadao.com.br/ PF diz que prisão de suspeito de terrorismo não tem relação com Operação Hashtag

 «Investigação da PF sobre terrorismo no Brasil envolve até ONG». IstoÉ. 21 de julho de 2016. Consultado em 26 de julho de 2016

«Em 8 pontos: O que já se sabe sobre os suspeitos de planejar ataques no Brasil». Terra. Consultado em 27 de julho de 2016

 jconline.ne10.uol.com.br/ Polícia Federal prende grupo que planejava ataques terroristas durante a Rio-2016

 oglobo.globo.com/ Suspeitos usavam falsos nomes árabes para se comunicar nas redes sociais

folha.uol.com.br/ Suspeito de terrorismo tem morte cerebral após ser espancado em prisão

 folha.uol.com.br/ Grupo simpatizante ao terrorismo cogitou usar arma química nos Jogos do Rio

Felipe Coutinho (21 de julho de 2016). «Polícia Federal prende célula do Estado Islâmico do Iraque e do Levante que planejava atentado na Olimpíada»Época. Globo. Consultado em 21 de julho de 2016

 «Em operação antiterror, PF prende 10 pessoas suspeitas de ligação com EI»G1. Globo. Consultado em 26 de julho de 2016

 g1.globo.com/ Fantástico mostra e-mail de brasileiro preso por ligação com terrorismo

 politica.estadao.com.br/ Ahmed Faaiz, alvo da Hashtag, confessou à PF que ia planejar atentado na Parada Gay

 veja.abril.com.br/ Juiz manda soltar três réus que planejaram atentados na Rio 2016

 epoca.globo.com/ Polícia Federal pede indiciamento de 16 pessoas na Operação Hashtag

 defesanet.com.br/ Operação Hashtag – Chance de soltura de grupo é mal recebida

Imagem: Portal do Trono.

Justiça Federal do Paraná condena oito por terrorismo

Presos pela Operação Hashtag, em julho de 2016, eles foram acusados de fazer parte de célula do Estado Islâmico e de planejar atentados na Olimpíada do Rio

O juiz federal Marcos Josegrei da Silva proferiu na tarde de hoje sentença condenando os oito brasileiros denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) por fazerem parte de uma célula da organização terrorista Estado Islâmico (EI) no Brasil. O magistrado ratificou a posição do MPF, que afirmou que os acusados difundiam os ideais do EI e planejavam realizar um atentado em solo brasileiro. O grupo foi desmantelado em julho passado, quando a Polícia Federal prendeu doze pessoas acusadas de fazer parte da mesma célula, durante a Operação Hashtag – ocorrida duas semanas antes da abertura da Olimpíada do Rio de Janeiro.

A maior pena, de quinze anos, dez meses e cinco dias, além de multa, foi imposta ao líder do grupo, Leonid El Kadre, de 33 anos. Segundo o juiz, não restam dúvidas da ascendência dele sobre os demais. Nas mensagens interceptadas pela Polícia Federal, El Kadre era quem dava as ordens para os outros seguidores. Também coube a ele o principal papel de recrutamento de adeptos, alguns deles menores de idade.

E, ao contrário dos demais condenados, El Kadre possuía antecedentes criminais, o que impediu a aplicação de qualquer atenuante. Em 2005, ele já havia sido sentenciado a treze anos de prisão por homicídio. Depois de um assalto, ele matou o comparsa a pedradas para não ter que dividir o dinheiro. El Kadre – que está preso no presídio federal de Campo Grande – iniciou uma greve de fome. Diz que é alvo de perseguição religiosa.

A segunda maior pena foi aplicada a Alisson Luan de Oliveira. A ele foram impostos seis anos e onze meses de prisão. Oliveira foi, ao lado de El Kadre, um dos principais insufladores da violência. Valendo-se de programas de comunicação criptografada, ele foi um dos que mais deram sugestões de atentados possíveis de ser praticados.

A maioria dos réus – Oziris Moris Lundi dos Santos Azevedo, Israel Pedra Mesquita, Levi Ribeiro Fernandes de Jesus, Hortêncio Yoshitake e Luís Gustavo de Oliveira – recebeu uma pena de seis anos e três meses. Todos foram considerados culpados de promoção de organização terrorista e associação para crime.

O único dos oito condenados a não receber a pena por associação para o crime foi o paulista Fernando Pinheiro Cabral, de 23 anos. O juiz Marcos Josegrei da Silva não considerou que Cabral mantivesse as conexões necessárias para tipificação do crime. Em depoimento prestado em setembro do ano passado, Cabral assumiu ter planejado um atentado para ser realizado durante a Parada Gay, em São Paulo.

Esta é a primeira vez que a Justiça brasileira julga acusados de terrorismo islâmico. A condenação confirmada hoje também é a primeira do tipo na América Latina.

A Operação Hashtag foi tratada como um exagero por seus críticos. O juiz Marcos Josegrei da Silva faz uma reflexão ao justificar a ação dos policiais. Ele comparou as investigações da célula brasileira do EI aos crimes de pedofilia pela internet. Segundo ele, aqueles criminosos que enviam imagens de crianças mantendo relações sexuais não necessariamente as praticam. Mas nem por isso eles deixar de ser pedófilos ou estimulam outros pedófilos. Em sua sentença de 99 páginas, ele discorre sobre os riscos associados à radicalização individual (os lobos solitários) e o potencial destrutivo que as redes sociais podem ter nas mãos dos radicais. Da sentença cabe recurso.

Justiça Federal do Paraná condena oito por terrorismo

Conselho da Europa Recomenda à Imprensa Britânica que NÃO Informe Quando os Terroristas Forem Muçulmanos

  • É nesse momento que as leis sobre o discurso de incitamento ao ódio se tornam uma ameaça maior para a democracia e a liberdade de expressão do que o próprio discurso de incitamento ao ódio.

  • Na França os terroristas muçulmanos nunca são terroristas muçulmanos, mas “lunáticos”, “maníacos” e “jovens”.
  • Atacar a liberdade de imprensa e a liberdade de expressão não é discurso contra o ódio, é submissão.
  • Ao seguir essas recomendações o governo britânico proporcionaria às organizações muçulmanas uma espécie de monopólio: elas iriam se tornar a única fonte de informação sobre si mesmas. É a perfeita ordem totalitária da informação.
  • Criadas para a proteção contra o tipo de propaganda xenófoba e antissemita que deu origem ao Holocausto, as leis nacionais que tratam do discurso de incitamento ao ódio têm sido cada vez mais invocadas para criminalizar um discurso meramente considerado um insulto à raça, etnia, religião ou nacionalidade.
  • É preocupante imaginar por quanto tempo o Conselho da Europa vai envolver seus especialistas e sua influência para transpor obstáculos legais existentes, no esforço de reprimir qualquer tipo de crítica ao Islã e se curvar aos valores da jihad.

De acordo com a Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância (ECRI em inglês) – parte integrante do Conselho da Europa – a imprensa britânica é responsável pelo aumento do discurso de incitamento ao ódio e da violência racista. Em 04 de outubro de 2016 a ECRI divulgou um boletim dedicado exclusivamente à Grã-Bretanha. O boletim salienta:

alguns dos tradicionais meios de comunicação, principalmente tabloides… são responsáveis em grande medida pelo uso da terminologia ofensiva, discriminatória e provocadora. O jornal The Sun por exemplo, publicou um artigo em abril de 2015 com o título: “Botes salva-vidas? Eu usaria helicópteros de combate para conter os migrantes”, no qual o colunista comparou os migrantes a “baratas”…

O jornal The Sun também publicou manchetes incendiárias antimuçulmanas, como no caso da primeira página de 23 de novembro de 2015 em que se lia: “Um em cada cinco britânicos muçulmanos tem apreço pelos jihadistas”, juntamente com a foto de um terrorista mascarado empunhando uma faca…

Vale dizer que a Organização de Normas da Imprensa Independente da Grã-Bretanha forçou o Sun a admitir que a manchete: “Um em cada cinco britânicos muçulmanos”, citada no boletim da ECRI “é acentuadamente enganosa”.

O boletim da ECRI estabelece uma ligação direta de causalidade entre determinadas manchetes sensacionalistas publicadas em tabloides britânicos e a segurança dos muçulmanos no Reino Unido. Em outras palavras, pelo visto a imprensa britânica está incitando os leitores a cometerem atos “islamofóbicos” contra muçulmanos:

A ECRI considera que, à luz do fato dos muçulmanos estarem cada vez mais sob os holofotes em consequência dos recentes ataques terroristas relacionados ao ISIS ao redor do mundo, alimentando o preconceito contra os muçulmanos, mostra um descaso desajuizado, não só em relação à dignidade da grande maioria dos muçulmanos do Reino Unido, como também pela sua segurança.

A ECRI baseia o boletim em um estudo recente de Matthew Feldman, professor da Universidade de Teesside. O estudo compila incidentes antimuçulmanos ocorridos antes e depois dos ataques terroristas:

Nos sete dias que antecederam o massacre na redação da revista Charlie Hebdo em Paris onde 12 pessoas foram mortas, houve 12 incidentes (antimuçulmanos) registrados, mas nos sete dias seguintes, houve 45. Este padrão é semelhante se comparado aos ataques terroristas ocorridos em Sydney em dezembro e em Copenhague em fevereiro.

De modo que segundo a ECRI e especialistas da Universidade de Teesside, quando jihadistas muçulmanos cometem assassinatos e a imprensa relata que os assassinos são muçulmanos, a imprensa e não os islamistas é que incentiva os “incidentes islamofóbicos” na Grã-Bretanha. De acordo com o Presidente da ECRI Christian Ahlund, “não é por acaso que a violência racista está aumentando no Reino Unido à medida que observamos exemplos preocupantes de intolerância e de discurso de incitamento ao ódio nos jornais, na Internet e até mesmo na classe política”.

Para a ECRI, o maior problema está:

“… onde a mídia enfatiza o background muçulmano dos perpetradores de atos terroristas e dedica uma extensiva cobertura a isso, a reação violenta contra muçulmanos é provavelmente maior do que seria em casos em que a motivação dos agressores fosse minimizada ou rejeitada em favor de explicações alternativas”.

O boletim não explica quais poderiam ser as “explicações alternativas”. Mas podemos encontrar exemplos na imprensa francesa: quando um muçulmano ataca um soldado e tenta roubar a sua arma, ele não é um terrorista islamista e sim um “lunático“. Ataques perpetrados por “lunáticos” são muito comuns na França.

A imprensa francesa minimiza ataques ao não fornecer os nomes dos perpetradores muçulmanos: incriminar um “Mohamed” pode, na mente dos jornalistas franceses, incitar retaliações contra os muçulmanos. Em outro exemplo, gangues muçulmanas não podem ser ligadas a nenhuma forma de violência, consequentemente elas se tornam “jovens”. Na França os terroristas muçulmanos nunca são terroristas muçulmanos, mas “lunáticos”, “maníacos” e “jovens”.

Assim é a França. Na Grã-Bretanha os tabloides não são tão corteses e entendemperfeitamente as intenções do boletim da ECRI: banir a palavra “muçulmano” quando ela está associada à “violência ou ao terrorismo”.

O Boletim da ECRI Marca uma Virada de 90º na Liberdade de Expressão

É nesse momento que as leis sobre o discurso de incitamento ao ódio se tornam uma ameaça maior para a democracia e a liberdade de expressão do que o próprio discurso de incitamento ao ódio. Proibir jornalistas de identificarem o “terrorismo islâmico”, encorajando-os a esconderem a associação dos muçulmanos com o terrorismo é uma tentativa de deturpar a verdade da mesma maneira que a antiga União Soviética censurava a verdade. Aproveitando-se de alguns artigos verdadeiramente racistas publicados em tabloides – não muitos, porque não são muitos os citados no boletim – atacar a liberdade de imprensa e a liberdade de expressão não é discurso contra o ódio, é submissão.

A prova da submissão pode ser vista nas recomendações da ECRI ao governo britânico:

  • “criação de uma agência regulatória de imprensa independente”;
  • “rigoroso treinamento para jornalistas para garantir melhor cumprimento das normas éticas”;
  • “revisão das disposições relativas ao incitamento ao ódio a fim de torná-las mais eficazes e utilizáveis”;
  • “criação de um verdadeiro diálogo com os muçulmanos, a fim de combater a islamofobia. Eles (jornalistas) deverão consultá-los no tocante a todas as políticas que possam afetar os muçulmanos”;
  • emendar o Código de Conduta do editor com o objetivo de assegurar que os membros de grupos possam apresentar reclamações como vítimas de reportagens tendenciosas ou prejudiciais em relação a sua comunidade”.

Ao seguir essas recomendações o governo britânico proporcionaria às organizações muçulmanas uma espécie de monopólio: elas iriam se tornar a única fonte de informação sobre si mesmas. É a perfeita ordem totalitária da informação. Se uma brecha dessa natureza for aberta no futuro, sem a menor sombra de dúvida todos os lobbies correrão para se aproveitar dela: partidos políticos, protestantes, católicos, judeus, multinacionais, todos.

O governo britânico não caiu na armadilha e repeliu energicamente as demandas da ECRI. Ele assinalou ao órgão do Conselho Europeu:

  • “O governo está compromissado com uma imprensa livre e aberta e não interfere com o que a imprensa informa ou deixa de informar, desde que esteja dentro da lei.”

Na Grã-Bretanha assim como em todos os países da União Europeia as leis anti-ódio já estão em vigor. Criadas para a proteção contra o tipo de propaganda xenófoba e antissemita que deu origem ao Holocausto, as leis nacionais que tratam do discurso de incitamento ao ódio têm sido cada vez mais invocadas para criminalizar um discurso meramente considerado um insulto à raça, etnia, religião ou nacionalidade.

Essas leis também foram invocadas diversas vezes por islamistas para processarem discursos anti-islâmicos (caricaturas de Maomé, blasfêmia contra o Islã, etc.) como manifestações de “racismo” – felizmente, com pouco sucesso. A maioria das ações judiciais cujos autores foram islamistas malograram porque o Islã não é raça.

Agnes Callamard, especialista em direitos humanos, escreve em referência à Carta das Nações Unidas:

“O ARTIGO 19 reconhece que restrições razoáveis em relação à liberdade de expressão podem ser necessárias ou serem legítimas para evitar o apelo ao ódio com base na nacionalidade, raça e religião que constitua incitamento à discriminação, hostilidade ou violência. A organização não estende essas restrições legítimas a expressões ofensivas e blasfemas”.

É preocupante imaginar por quanto tempo o Conselho da Europa vai envolver seus especialistas e sua influência para transpor obstáculos legais existentes, no esforço de reprimir qualquer tipo de crítica ao Islã e se curvar aos valores da jihad.

Yves Mamou, radicado na França, trabalhou por duas décadas como jornalista para o Le Monde.

https://pt.gatestoneinstitute.org/9508/midia-censura-muculmanos-terroristas

Minorias religiosas são alvo de assassinatos brutais em Bangladesh

As mortes de dois hindus, um cristão e a esposa de um oficial anti-terror em Bangladesh de maioria muçulmana na semana passada deixaram membros das comunidades religiosas minoritárias amedrontadas por suas vidas e céticas em relação à capacidade do governo para garantir sua segurança.

Ataques direcionados separados contra hindus, cristãos, budistas e ateus deixaram o país em choque. No topo da violência, algumas igrejas têm recebido ameaças de morte de militantes islâmicos.

“Os islamitas disseram que Bangladesh seria governado apenas pela lei Shariah”, disse William Proloy Samadder, secretário do Bangladesh Christian Association. “Nós todos estamos realmente com medo.”

Grupos islâmicos durante anos se levantam sobre questões que supostamente ameaçam a sua hegemonia, apesar do fato de que 90% dos 160 milhões de habitantes de Bangladesh são muçulmanos.

A recente onda de intolerância religiosa começou em 2013, quando militantes brutalmente mataram um blogger ateu.

Mais recentemente, as vítimas têm incluído estrangeiros, xiitas, muçulmanos liberais e membros de outras minorias religiosas.

Ao todo, 48 mortes nos últimos 18 meses foram atribuídas a militantes islâmicos. O chamado Estado Islâmico reivindicou a autoria de mais de metade das mortes, incluindo a da semana passada a respeito da morte de um sacerdote hindu, um trabalhador do mosteiro hindu e uma mercador cristã. Al-Qaeda reivindicou a responsabilidade pela maior parte, de acordo com o site baseado no EUA Intelligence Group.

O governo insiste que nem o Estado Islâmico nem al-Qaeda tem um ponto de apoio em Bangladesh, e que os militantes locais estão por trás dos assassinatos.

O primeiro-ministro Sheikh Hasina e ministro do Interior Asaduzzaman Khan Kamal disseram que os grupos militantes foram apoiados pelo Partido Nacionalista de Bangladesh de Khaleda Zia e seu aliado Jamaat-e-Islami. Mas as duas partes rejeitaram as alegações e disseram que o governo está enquadrando-os nas taxas de terrorismo para enfraquecer a oposição.

Esta semana, o chefe nacional da polícia de Bangladesh disse que proibiu trajes islâmicos. Ansarullah Bangla Team e Jama’atul Mujahideen Bangladesh estavam por trás dos assassinatos seletivos.

Na semana passada, Bangladesh começou uma ofensiva em todo o país, prendendo 8.000 pessoas, incluindo pelo menos 119 supostos radicais islâmicos.

Hasina disse que nenhum dos criminosos envolvidos nos assassinatos vai escapar da punição.

“Bangladesh é um país pequeno. Onde os assassinos vão se esconder? Hasina perguntou. “Nossas forças vão caçá-los e trazê-los para justiça. Aqueles que estão patrocinando esses ataques horríveis também não serão poupados. A violência contra as minorias e os outros vai ser controlada. “

Mas muitos líderes minoritários em Bangladesh disseram que estão perdendo a esperança.

“A aceleração súbita nos ataques mortais mostra que os assassinos estão aproveitando a situação de impunidade prevalecente no país”, disse Rana Dasgupta, secretário-geral do Bangladesh Hindu Buddhist Christian Unity Council. “O padrão de ataques de facão mostrar que os assassinos estão entre os islamitas que querem limpar o país de todos os não-muçulmanos e até mesmo os muçulmanos liberais. O governo tem claramente fracassado em proporcionar segurança às minorias. A situação é alarmante “.

Nirmol Rozario, secretário-geral da Bangladesh Christian Association, disse que parece difícil para as autoridades parar os assassinatos quando os militantes mantêm civis como alvo em todo o país.

“Um deles é vulnerável a um ataque assassino só porque é hindu, cristão ou budista”, disse ele. “É quase impossível para a polícia oferecer segurança a todos estes membros da comunidade minoritária vulneráveis. Por agora, os militantes, ao que parece, serão capazes de manter a matança à vontade. “

http://www.usatoday.com/story/news/world/2016/06/13/brutal-killings-target-bangladesh-religious-minorities/85842236/

Grupo que apoia EI dá sugestões de atentados para a Rio-2016

As sugestões foram postadas no canal Ansar al-Khilafah Brazil, criado por extremistas brasileiros no aplicativo de mensagens Telegram.

O grupo extremista brasileiro que declarou lealdade ao Estado Islâmico (EI) divulgou uma lista com 17 maneiras de cometer um atentado terrorista durante a Olimpíada do Rio. As sugestões foram publicadas no canal Ansar al-Khilafah Brazil, criado pelo grupo no aplicativo de mensagens Telegram, semelhante ao Whatsapp, segundo a especialista americana em monitoramento de atividades terroristas na web Rita Katz, do SITE Intelligence Group.

LEIA MAIS:
Grupo no Brasil declara apoio ao Estado Islâmico
Abin minimiza terrorismo no Rio. Preocupação, porém, é altíssima
Abin confirma ameaça do Estado Islâmico ao Brasil

A relação inclui tipos de alvo, localizações e métodos de ataque que podem ser cometidos pelos chamados lobos solitários – que agem inspirados ou sob orientação de algum grupo radical, mas sem a necessidade de uma célula terrorista ou outra organização formal. De acordo com Katz, a lista menciona atentados em aeroportos e transportes públicos, ataques com facas, envenenamento, ataques visando mulheres e crianças, além de ameaças falsas.

Dentro do grupo no Telegram, o Ansar al-Khilafah Brazil comentou que, “se a polícia francesa não consegue deter ataques dentro do seu território, o treinamento dado à polícia brasileira não servirá em nada”, referindo-se ao apoio que agências internacionais de inteligência têm oferecido ao governo brasileiro na prevenção de ataques terroristas durante os Jogos Olímpicos do Rio.

Em novembro, uma ameaça ao Brasil foi publicada em conta no Twitter vinculada a um membro do Estado Islâmico. “Brasil, vocês são nosso próximo alvo”, dizia o tuíte, publicado dias depois dos ataques terroristas em Paris. A mensagem foi postada na conta – posteriormente suspensa – de Maxime Hauchard, um francês que foi para a Síria em 2013 para integrar o grupo jihadista.

O diretor de Contraterrorismo da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Luiz Alberto Sallaberry, alertou que as autoridades brasileiras consideram os chamados lobos solitários “a principal ameaça aos Jogos Olímpicos”.

Grupo que apoia EI dá sugestões de atentados para a Rio-2016

Comemorando o Terrorismo ao Estilo Palestino

  • O júbilo palestino concernente ao ataque terrorista de ontem em Jerusalém, o primeiro deste tipo desde os atentados suicidas durante a Segunda Intifada há mais de uma década, é mais um lembrete da crescente radicalização no meio palestino.
  • O principal obstáculo à paz com Israel continua sendo a ausência de uma educação para a paz com Israel. Na realidade, pode-se afirmar com segurança que nunca houve nenhuma tentativa sincera por parte das facções e líderes palestinos em preparar seu povo para a paz com Israel. Muito pelo contrário, a mensagem que eles mandam ao seu povo continua sendo radicalmente contra Israel.
  • Isso põe em xeque a disposição tanto da liderança palestina quanto do povo de avançar na direção da paz e coexistência com Israel.

Logo depois da explosão do ataque terrorista em um ônibus de Jerusalém em 18 de abril, inúmeras facções palestinas se apressaram em emitir declarações aplaudindo a “heróica operação”, exortando os palestinos a prosseguirem no caminho da luta armada contra Israel.

O júbilo palestino concernente ao ataque terrorista, o primeiro deste tipo desde os atentados suicidas durante a Segunda Intifada há mais de uma década, é mais um lembrete da crescente radicalização no meio palestino. Esta radicalização é atribuída principalmente ao incessante incitamento e doutrinamento anti-Israel impingido por diversas facções e líderes palestinos.

Não é de se admirar que o primeiro grupo palestino a aplaudir o ataque ao ônibus de Jerusalém tenha sido o Hamas.

O porta-voz do Hamas Sami Abu Zuhri disse que o movimento “saúda a operação de Jerusalém e considera-a uma resposta natural aos crimes israelenses, especialmente as execuções extrajudiciais e a profanação da Mesquita de Al-Aqsa”.

O porta-voz do Hamas estava na realidade ecoando acusações do mesmo tipo feitas pelo Presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas, que declarou que os palestinos não permitirão que judeus “profanem a Mesquita de Aqsa com seus pés imundos”.

Como é possível alguém repudiar o Hamas por proferir tais acusações contra os judeus quando o próprio Abbas, parceiro da paz de Israel, foi o primeiro a vir a público se manifestar contra as visitas de judeus ao Templo do Monte? Vale a pena lembrar que as alegações de Abbas foram proferidas somente poucas semanas antes da explosão da “Intifada das Facadas” no início de outubro último.

Hussar Badran, outro líder do Hamas, também teceu elogios ao ataque terrorista. Ele disse que seu movimento estava determinado a seguir em frente com a resistência para “acabar com a ocupação das nossas terras palestinas”.

Quando os líderes do Hamas falam em “acabar com a ocupação das terras palestinas”, o que eles estão na realidade dizendo é que Israel deve ser eliminado e substituído por um império islamista.

O apresentador Mohamed Hamed da TV Al-Aqsa do Hamas estava tão feliz e agitado ao saber do ataque terrorista de Jerusalém que resolveu saudar os criminosos.

Outros palestinos que não necessariamente são partidários do Hamas foram às redes sociais para elogiar o ataque terrorista e pedir mais ataques. No Twitter, muitos ativistas palestinos criaram hashtags com o nome #Bus12 (Ônibus12) e #TheRoofoftheBusGoesFlying (O Teto do Ônibus Voou Pelos Ares) para festejar o ataque terrorista.

Refletindo o estado de júbilo em relação ao ataque terrorista de Jerusalém, cartunistas palestinos, mais do que depressa, engrossaram o coro daqueles que estavam comemorando a “heróica operação” contra civis israelenses. Omayya Juha, uma dessas cartunistas, respondeu rapidamente desenhando uma charge destacando uma palestina festejando o ataque terrorista, uivando e distribuindo doces.

A cartunista palestina Omayya Juha comemorou o ataque terrorista de 18 de abril contra um ônibus de Jerusalém desenhando rapidamente uma charge destacando uma palestina festejando o ataque terrorista, uivando e distribuindo doces.

Em questão de horas após o ataque, as facções palestinas pareciam estar competindo entre si pela declaração mais favorável no tocante à explosão terrorista. A Jihad Islâmica Palestina e a Frente Popular para a Libertação da Palestina (PFLP em inglês) reagiram emitindo declarações separadas aplaudindo a explosão do ônibus de Jerusalém. As facções ressaltam que o ataque marca uma “evolução qualitativa” da intifada. Ambos os grupos prometem continuar assassinando israelenses como parte do esforço para “escalar” a intifada. Mais tarde, outro grupo chamado Comitês de Resistência Popular emitiu sua própria declaração na qual ameaça desfechar “mais ataques dolorosos contra o inimigo sionista”.

Até a facção Fatah de Abbas se esforçou ao máximo para justificar o ataque terrorista. Na primeira reação ao ataque, o porta-voz da Fatah Ra’fat Elayan usou as mesmas palavras do Hamas ao comentar a explosão do ônibus: “é uma resposta natural às práticas israelenses contra o nosso povo, incluindo detenções, assassinatos e incursões na Mesquita de Al-Aqsa”.

Posteriormente, à noite houve relatos que alguns palestinos, principalmente na Faixa de Gaza, tomaram as ruas para expressar sua felicidade com o ataque terrorista.

As declarações públicas dos líderes e grupos palestinos após o ataque terrorista de Jerusalém são outros indícios de como eles continuam a incitar seu povo contra Israel. Estas são as declarações que induzem mulheres e homens palestinos a pegarem uma faca (neste caso um artefato explosivo) e sair assassinando o primeiro judeu que avistarem.

O principal obstáculo à paz com Israel continua sendo a ausência de uma educação para a paz com Israel. Na realidade, pode-se afirmar com segurança que nunca houve nenhuma tentativa sincera por parte das facções e líderes palestinos em preparar seu povo para a paz com Israel. Muito pelo contrário, a mensagem que eles mandam ao seu povo continua sendo radicalmente contra Israel.

Incitamentos, ameaças e retóricas incendiárias só levarão a mais violência. Por ora tudo indica que os palestinos estão avançando no sentido de elevar a “Intifada das Facadas” a uma onda de atentados contra alvos civis dentro de Israel. A julgar pelas reações de diversas facções e ativistas palestinos, o apoio aos ataques terroristas contra Israel é tão disseminado entre os palestinos que eles estão dispostos a comemorar a explosão de um ônibus com passageiros civis. Isso põe em xeque a disposição tanto da liderança palestina quanto do povo de avançar na direção da paz e coexistência com Israel.

Khaled Abu Toameh é um jornalista premiado radicado em Jerusalém.

http://pt.gatestoneinstitute.org/7886/palestinos-celebram-terrorismo

Bangladesh:Aumenta violência contra minorias religiosas

Estado Islâmico reivindica a responsabilidade pelos ataques, mas as autoridades de Bangladesh insistem em negar que os últimos ocorridos tenham alguma ligação com esse grupo extremista

12-bangladesh-0010100182

De acordo com a agência de notícias francesa AFP, invasores islâmicos decapitaram um sacerdote hindu em um templo localizado no norte de Bangladesh. “Mais uma vez o Estado Islâmico (EI) reivindica a responsabilidade pelo ataque, mas as autoridades do país insistem em negar que os últimos ocorridos tenham alguma ligação com esse grupo extremista. Além de rejeitar as alegações do EI, o governo diz que a ação partiu de militantes locais”, comenta um dos analistas de perseguição.

Críticos afirmam que o governo está criando um clima de medo para perseguir rivais políticos. “Enquanto isso, a população sofre com a violência e os cristãos são perseguidos a um nível cada vez mais elevado. Não parece que o governo esteja preocupado com essa situação. Igrejas e escolas cristãs são atacadas frequentemente, líderes religiosos são mortos em plena luz do dia e as atividades fundamentalistas predominam”, explica o analista.

Bangladesh é o 35º país na Classificação da Perseguição Religiosa atual, onde o Estado Islâmico tenta amedrontar a população através de execuções e ataques cada vez mais estratégicos. Enquanto o governo diz que está tudo sob controle, a pressão sobre as minorias aumenta, os crimes se tornam comuns, a impunidade e a injustiça tomam conta do cenário. Mas a igreja bengalesa não desiste e continua firme apesar das dificuldades, crescendo em secreto e fazendo novos discípulos. Interceda por eles.

Leia também
Cristão ex muçulmano é morto
Líder cristão é assassinado por fundamentalistas islâmicos
Aumentam atividades fundamentalistas no país

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/04/aumenta-violencia-contra-minorias-religiosas

Bangladesh: Líder cristão é assassinado por fundamentalistas islâmicos

“Agora que o EI assumiu a autoria do assassinato do líder cristão, tememos por mais ataques, por que eles estão e constante vigia”

18-bangladesh-0500100076

O líder cristão Khoza Samiruddin, de 75 anos, foi assassinado por fundamentalistas islâmicos no dia 6 de janeiro, em plena luz do dia, dentro de uma clínica homeopática, onde estava realizando um tratamento de saúde. Khoza aceitou a Cristo em 2001 e em 2014 passou a liderar uma igreja com 250 membros. Antes de sua morte, ele havia relatado sobre várias ameaças que estava recebendo de extremistas islâmicos por causa de seus trabalhos evangelísticos.

O enterro do líder foi acompanhado pela polícia local e pela comunidade que exigia que a cerimônia fosse realizada de acordo com os costumes muçulmanos. Como a família negou a conversão de Khoza ao cristianismo, o ritual fúnebre acabou sendo feito conforme as leis do islã. A pressão sobre a família e a igreja tem sido muito grande, já que o Estado Islâmico assumiu a responsabilidade do assassinato, além de uma série de outros ocorridos violentos, incluindo assassinatos de estrangeiro e ameaças de morte de mais líderes cristãos.

Segundo a polícia, o grupo militante “Jamaat-ul-Mujahideen” está por trás dos ataques, mas o governo nega a presença do grupo no país. “Agora que o EI assumiu a autoria do assassinato do líder cristão, tememos por mais ataques, porque eles estão em constante vigia”, disse Pikul Mahduri, que é Secretário Geral da Associação Cristã Bangladesh Jenaidah. Bangladesh, em 2016, ocupa a 35ª posição na Classificação da Perseguição Religiosa e, apesar de sua constituição prever a liberdade religiosa, ela também declara que o islã é a religião oficial do Estado. Como a minoria cristã está crescendo, ela enfrenta mais e mais restrições e desafios. Essa pressão não é impulsionada pelo governo, e sim por grupos extremistas islâmicos, líderes religiosos locais e famílias tradicionais. Lembre-se deles em suas orações.

Pedidos de oração

  • Ore pela família de Khoza, para que tenham a fé fortalecida durante esse momento difícil.
  • Peça ao Senhor para que os membros da igreja do líder assassinado sejam fortes e que continuem seus trabalhos evangelísticos, apesar da perseguição.
  • Ore pela igreja de Bangladesh, no geral, para que continue crescendo na graça e no conhecimento e que possam enfrentar os atuais desafios com a coragem e a ousadia que vem do Espírito Santo.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/02/lider-cristao-e-assassinado-por-fundamentalistas-islamicos