Arquivo da tag: #tratamento

A Minoria Cristã de Israel

  • Cristãos em Israel, assim como todas as minorias hoje já compreendem que servir nas forças armadas israelenses é essencial. Muitos cristãos e outras minorias compartilham o mesmo temor em Israel: eles entendem que nesta região, Israel é a única ilha de segurança que permite que eles usufruam de direitos democráticos e liberdade.
  • Os cristãos e outras minorias em Israel crescem e prosperam, ao passo que em outros países no Oriente Médio, incluindo a Autoridade Palestina, eles sofrem pesadamente do movimento e perseguição islâmicos, até que sejam forçados a desaparecer.
  • Contrário à propaganda, não há “Apartheid” de nenhuma espécie em Israel e não há estradas nas quais somente judeus podem trafegar.
  • Em Israel, membros das minorias cristãs e muçulmanas ocupam cargos nas mais altas posições, assim como qualquer judeu israelense que queira seguir uma carreira de sucesso. Salim Jubran juiz do Supremo Tribunal é cristão maronita.
  • Amplamente debatido também, naquela região, é a maneira pela qual os europeus querem, secretamente, que Israel seja varrido do mapa e esperam que as novas leis, somadas à velha violência árabe, atinjam esse objetivo.

No ano passado Israel reconheceu a existência de um grupo de cristãos, os “arameus”, dentro de seu território, gesto este que nenhuma nação árabe ou muçulmana do Oriente Médio fez ou jamais fará. Israel reconheceu um grupo distinto, étnico e religioso: o povo nativo do milenar Crescente Fértil.

Seu idioma, o aramaico, era a língua falada por Jesus séculos antes do Islã aparecer naquela região.

Israel não só dá suporte como também confere aos cristãos e às demais minorias como drusos, muçulmanos, Baha’i, a todos enfim, plenos direitos civis, direitos legais e de liberdade para viverem pacificamente e praticarem suas religiões como bem entenderem e também para se desenvolverem como minoria com todas as implicações das diferenças na cultura. Os árabes, por exemplo, são bem-vindos nas Forças de Defesa de Israel (IDF), mas não são, ao contrário dos judeus, obrigados a servir. David Ben Gurion, primeiro-ministro fundador de Israel, humanamente não queria que os árabes se sentissem como se fossem obrigados a lutar contra seus “irmãos”.

Em Israel, membros das minorias cristãs e muçulmanas ocupam cargos nas mais altas posições, assim como qualquer judeu israelense que queira seguir uma carreira de sucesso. Salim Jubran juiz do Supremo Tribunal é cristão maronita.

Contrário à propaganda, não há “Apartheid” de nenhuma espécie e não há estradas nas quais somente judeus podem trafegar. Esse tipo de estrada existe na Arábia Saudita, onde as estradas Apartheid são reais, uma vez que somente muçulmanos têm permissão para viajarem para Meca.

Israel age desta maneira, principalmente em uma redondeza onde a maioria dos habitantes, amiúde os inimigos mais brutais da humanidade, quer que Israel seja varrido do mapa e em muitos casos dão o máximo de si para que esse desejo se torne realidade. Lamentavelmente, muitos europeus compartilham o mesmo desejo. Todos nós tivemos a oportunidade de ver as recentes e odiosas investidas da União Européia para sufocar Israel economicamente, rotulando mercadorias produzidas nos territórios em litígio. Esse tipo de exigência, jamais imposta a nenhum outro país com fronteiras em litígio, na realidade obstaculiza qualquer perspectiva de paz, que por meio de trabalho conjunto pode ser alcançada.

Esses europeus não enganam ninguém. Suas “punições” hipócritas, sagazmente sádicas, cujo propósito é atingir Israel irão somente tirar o emprego, bem remunerado, prementemente necessário dos palestinos, esses ditames também conduzirão muitos palestinos, recém desempregados para a agência de emprego de última instância: extremismo e terrorismo islâmico. Ironicamente esses europeus, para satisfazerem seu desejo de prejudicar os judeus, fazendo de conta que estão ajudando os palestinos, estão na realidade semeando uma nova geração de terroristas que irá posteriormente para a Europa e mostrará aos europeus o que eles pensam sobre esse tipo de hipócritas.

Amplamente debatido também, naquela região, é a maneira pela qual os europeus querem, secretamente, que Israel seja varrido do mapa e esperam que as novas leis, somadas à velha violência árabe, atinjam esse objetivo. Dessa maneira os europeus podem enganar a si mesmos dizendo que eles “não tinham nada a ver com isso”. Esses europeus precisam saber que eles não enganam ninguém.

Israel, enquanto isso, não obstante ter que lidar com as frentes européias e americanas, bem como com as ameaças genocidas muçulmanas, não raras, continua diligentemente a fortalecer suas comunidades minoritárias através de uma variedade de programas patrocinados pelo estado. Entre eles há um plano de cinco anos destinado a desenvolver as comunidades minoritárias tanto árabes-israelenses quanto outras, adotado pelo governo em 30 de dezembro de 2015, a um custo de 15 bilhões de shekels (aproximadamente US$4 bilhões). A Ministra da Igualdade e Bem Estar Social Gila Gamliel, do Partido Likud é a encarregada de colocar o plano em prática. O Primeiro Ministro Netanyahu, que é injustamente demonizado, esteve à frente nos últimos anos do “Órgão para o Desenvolvimento Econômico dos Setores Árabes, Drusos e Circassianos”. Atualmente o órgão é presidido pelo árabe muçulmano Aiman Saif, que controla um orçamento considerável de 7 bilhões de shekels (aproximadamente US$1,8 bilhões), que foi encaminhado na maioria das vezes para diferentes cidades e vilarejos árabes para o desenvolvimento de infraestrutura moderna, zonas industriais, oportunidades de emprego, educação e outros benefícios. O restante foi alocado para ajudar os vilarejos cristãos na Galiléia.

Os árabes possuem seu próprio departamento no Ministério da Educação, encabeçado pelo árabe muçulmano Abdalla Khateeb, que também é responsável por um orçamento considerável de 900 milhões de shekels (US$230 milhões).

Cristãos, assim como todas as minorias hoje já compreendem que servir nas forças armadas israelenses é essencial para a sua integração em Israel. Muitos cristãos e outras minorias compartilham o mesmo temor em Israel: eles entendem, cada vez mais, que nesta região, Israel é a única ilha de segurança que permite que eles usufruam de direitos democráticos e liberdade. A comunidade árabe muçulmana em Israel, bem como os cristãos e outras comunidades que falam a língua árabe, veem o trágico destino de seus irmãos na Síria, Iraque, Líbano e outros países árabes. Muçulmanos matando muçulmanos, grupos fanáticos de muçulmanos matando cristãos, expulsando-os de suas terras, cortando suas gargantas, queimando-os vivos, afogando-os em jaulas levadas por guindastes até piscinas e, obviamente, crucificando-os, até mesmo criancinhas. As minorias de Israel sabem muito bem disso. Eles também não conseguem entender porque ninguém demoniza esses canalhas. Eles temem que a devastação irá se espalhar, primeiro à Terra Santa de Israel e depois para a Europa.

Esse temor é um dos motivos pelos quais há um crescimento no número de cristãos se alistando para servir nas Forças de Defesa de Israel (IDF): trinta por cento do recrutamento são de voluntários, enquanto na sociedade judaica como um todo, a porcentagem é de cerca de 57%, que neste caso é obrigatório. Hoje há até mais do que 1.000 árabes muçulmanos servindo na IDF.

Todos nós sabemos o perigo que esses grupos jihadistas islâmicos fanáticos como o Hamas representam e nos sentimos mais engajados do que nunca em proteger esse solitário estado pluralista.

A comunidade à qual o autor deste artigo pertence, os cristãos arameus, remonta à língua e às raízes étnicas aramaicas/fenícias, originalmente acantonadas na Síria, Líbano e Iraque. Durante os 1.400 anos de conquista islâmica, os cristãos arameus foram forçados a falar árabe no lugar de sua língua e, mais recentemente de fugirem de seus lares na Síria e no Iraque. Eles não têm status nos países árabes e islâmicos, que na maioria é governada de acordo com a lei da Sharia islâmica. Os cristãos arameus também não têm nenhum status sob a Autoridade Palestina, que agora governa a Judéia e Samaria.

Sabemos que alguns grupos cristãos, como o Sabeel, Kairos Palestine e outros controlados pela Autoridade Palestina, ainda sentem a necessidade de bajular os soberanos árabes muçulmanos que os conquistaram.

Jerusalém está aberta a todos. Mas nem sempre foi assim, especialmente sob jurisdição da Jordânia que durou até 1967. Como se não bastasse os judeus não terem permissão de entrar em Jerusalém, 38.000 lápides foram arrancadas do cemitério do Monte das Oliveiras e usadas como material de construção e assoalho para as latrinas na Jordânia.

Membros árabes muçulmanos do Knesset de Israel (parlamento) rejeitam o direito dos cristãos de preservarem seu patrimônio inigualável. Em 5 de fevereiro de 2014, Haneen Zoabi, membro do Knesset do Partido Lista Árabe Unida ameaçou os representantes cristãos israelenses que faziam lobby na Comissão do Knesset para o Emprego em favor de uma lei que irá permitir a entrada de representantes cristãos em uma comissão sobre igualdade de emprego no Ministério da Economia. Zoabi rejeitou a declaração deles segundo a qual eles faziam parte de uma etnia cristã /aramaica independente. Ela insistiu em obrigá-los a aceitar uma identidade árabe e palestina. Essa identidade era obviamente tão falsa quanto, a título de comparação, se nós cristãos insistíssemos que os árabes muçulmanos chamassem a si mesmos de índios americanos. A lei foi aprovada apesar dos esforços de Zoabi e seus colegas, devido à coalizão de membros do Knesset, com a vasta maioria dos parlamentares judeus que votaram a favor.

Esse incidente ilustra como certos árabes muçulmanos de Israel, ao mesmo tempo que pedem ajuda aos seus vizinhos judeus para preservar seu próprio patrimônio árabe/muçulmano, querem proibir a outras minorias étnicas esses mesmos direitos.

Mas não, eles procuram impor a arabização e a palestinização por meio de ameaças, através do uso da força. Em setembro de 2014, por exemplo, uma cristã araméia, Capitã da IDF Areen Shaabi, foi assediada por ativistas árabes muçulmanos em Nazaré. Ela foi ameaçada aos gritos de “Allahu Akbar” (“Alá é o Maior”) e à noite os pneus de seu carro foram rasgados.

O Major Ehab Shlayan da IDF, um cristão arameu de Nazaré, fundador do Christian Recruitment Forum, acordou em uma manhã de agosto de 2015 e se deparou com uma bandeira palestina colocada, naquela noite, em frente da porta de sua casa. Na véspera do Natal, em 24 de dezembro de 2014, trinta muçulmanos atacaram Majd Rawashdi, um soldado cristão de 19 anos e sua casa com pedras e garrafas de vidro.

O Major Ehab Shlayan da IDF (à esquerda da foto à esquerda), é um cristão arameu de Nazaré, fundador do Christian Recruitment Forum, que estimula cristãos arameus israelenses a servirem nas forças armadas. A árabe muçulmana, membro do Knesset Haneen Zoabi (direita), ameaçou recentemente representantes cristãos israelenses, rejeitando a declaração deles segundo a qual eles faziam parte de uma etnia cristã /aramaica independente, insistindo em obrigá-los a aceitar uma identidade árabe e palestina.

Isso tudo é hipocrisia no mais alto grau, misturado com racismo.

Em uma saudação oficial de boas festas pelas comemorações do Natal aos cristãos de Israel em 24 de dezembro de 2012, o Primeiro Ministro Netanyahu ressaltou:

“As minorias em Israel, incluindo mais de um milhão de cidadãos que são árabes, sempre gozam de plenos direitos civis. O governo de Israel jamais irá tolerar qualquer tipo de discriminação contra as mulheres. A população cristã de Israel sempre terá liberdade de praticar sua fé. Aqui é o único lugar do Oriente Médio onde os cristãos têm total liberdade de praticar sua religião. Eles não têm o que temer, eles não têm do que fugir. Em uma época em que os cristãos estão sitiados em tantos lugares, em tantos países do Oriente Médio, eu me sinto orgulhoso que em Israel os cristãos são livres para praticarem sua religião e que há uma comunidade cristã próspera em Israel”.

Os cristãos e outras minorias em Israel crescem e prosperam, ao passo que em outros países no Oriente Médio, incluindo a Autoridade Palestina, eles sofrem pesadamente do movimento e perseguição islâmicos, até que sejam forçados a desaparecer.

Shadi Khalloul, é o fundador do Movimento Aramaico Israelense. Antes de se formar na Universidade de Nevada, Las Vegas, ele serviu como tenente na divisão de paraquedistas da IDF. Ele também é empreendedor, líder comunitário e candidato ao parlamento de Israel.

http://pt.gatestoneinstitute.org/7818/minoria-crista-israel

Ataques sexuais levam Finlândia a oferecer aulas a imigrantes sobre como tratar mulheres

Imigrantes que chegam à Finlândia estão recebendo aulas sobre valores morais finlandeses e sobre como se comportar em relação a mulheres.

“Na Finlândia você não pode comprar uma esposa”, diz a professora na aula de cultura local a imigrantes.

Preocupado com um aumento nos ataques sexuais, o governo quer garantir que pessoas oriundas de culturas mais conservadoras saibam o que esperar na nova casa.

Leia também: Quatro perguntas sobre a crise migratória

Johanna é uma dessas professoras animadas e cheias de energia que atraem até o aluno mais entediado. Ela usa as mãos para enfatizar suas mensagens e ameniza temas difíceis com sorrisos.

“Na Finlândia”, ela diz suavemente, “você não pode comprar uma esposa”. “Uma mulher só será sua se ela quiser – porque aqui as mulheres são iguais aos homens.”

No centro de recepção escondido em meio à neve em uma floresta, os alunos, todos recém-chegados em busca de asilo, acompanham atentos.

Alguns dos jovens iraquianos, alguns com bom inglês e finlandês aceitável, balançam a cabeça em acordo. Outros, sobretudo os mais velhos, trocam olhares ressabiados enquanto as palavras do Johanna são traduzidas para o árabe.

Image captionO centro de recepção de Raasepoori, em meio à floresta na Finlândia

Um homem, escondido em uma jaqueta preta de esqui, parece tomar notas, enquanto a única mulher na sala com véu esboça um sorriso.

“Você pode ir a uma discoteca com uma mulher aqui”, acrescenta Johanna. “Mas se lembre: mesmo se ela dançar bem perto e estiver com uma saia curta, não significa que ela quer fazer sexo com você.”

Leia também: Em cinco pontos: qual a solução para a crise de refugiados na Europa?

Um adolescente somali puxa a blusa de lã sobre as orelhas e abaixa a cabeça entre as mãos, como se seu cérebro não pudesse lidar com as novas informações.

“Esse é um país muito liberal”, ele diz, incrédulo. “Temos muito a aprender. No meu país se você fizer sexo com uma mulher você é morto”, afirma, conferindo a reação do colega ao lado.

“Isso é impressionante”, diz um imigrante do Mali. “No meu país uma mulher não deve sair sem o marido ou irmão.”

Johanna passa a tratar sobre homossexualidade e os iraquianos na fila do fundo começam a dar risadinhas.

Pode parecer brincadeira, mas os centros de recepção a imigrantes na Finlândia levam essas aulas voluntárias de etiqueta e cultura muito a sério.

Image captionMais de 32 mil imigrantes chegaram à Finlândia em 2015

Se homens provenientes de culturas muito distintas e conservadoras não conhecerem logo os costumes e regras a serem respeitados no país, eles nunca irão se integrar, alerta Johanna.

Os homens podem resmungar quando ela diz que os finlandeses dividem as tarefas de casa com as mulheres, mas eles já não rejeitam táxis conduzidos por mulheres.

Desde o outono no hemisfério norte, quando Johanna começou a dar essas aulas, mulheres em busca de asilo a procuram para reclamar dos maridos, que não estariam seguindo o modo finlandês de tratar as mulheres.

Leia também: O mistério em torno da vida privada de Vladimir Putin

Esses homens também são informados sobre a legislação local, então sabem o que esperar caso toquem alguma mulher de forma inapropriada. E esse é o motivo pelo qual as sessões são bancadas pela polícia e pelo Ministério do Interior finlandês.

No último outono, três imigrantes foram condenados por estupro na Finlândia. Na noite de Ano Novo, houve uma série de ataques sexuais em Colônia, na Alemanha, e em Estocolmo, na Suécia.

As vítimas nesses casos declararam que os agressores tinham aparência árabe – suspeita que o chefe adjunto de polícia em Helsinque, Ilkka Koskimaki, decidiu tratar em público.

“É um assunto difícil”, ele reconhece. “Mas temos que dizer a verdade. Normalmente não revelamos a origem étnica de um suspeito, mas esses incidentes – em que grupos de jovens estrangeiros cercam uma mulher em público e a atacam – se tornaram um fenômeno.”

‘Não são todos’

Uma van de polícia estaciona em um centro de recepção no centro de Helsinque onde a equipe de policiamento preventivo de Koskimaki ministra aulas como as de Johanna. Um grupo de imigrantes de chinelos e fumando nos degraus cobertos de neve rapidamente entra no local, claramente alarmado pela presença policial.

Um iraquiano musculoso em roupas de ginástica se aproxima de forma cautelosa e pergunta à repórter da BBC se ela precisa de seguranças para visitar o centro.

“Por favor”, ele pede, “não pense que todos aqueles em busca de asilo são perigosos por causa de alguns poucos criminosos.”

A aula no centro de recepção da floresta está chegando ao fim e os imigrantes recebem uma lição de casa sobre as leis locais de igualdade de gênero. Ao deixar a sala, um iraquiano com uma jaqueta colorida aperta a mão da repórter da BBC.

“A Finlândia é ótima”, ele afirma, “mas quando me casar, minha mulher será uma dona de casa que irá cozinhar a comida que eu gosto – e ela certamente não irá a discotecas.”