Arquivo da tag: #Turquia

Paulo Coelho, o “mago sectarista”

Por Andréa Fernandes

O autointitulado mago Paulo Coelho deu a sua contribuição multiculturalista para “salvar o Brasil”. Num arroubo de “sinceridade humanista”, twitou: “Boicote exportações brasileiras ou o Taleban cristão controlará o país”.

Na verdade, a expressão “Talibã cristão” foi utilizada inicialmente pelo escritor em agosto, quando se referiu aos conservadores que são contrários ao assassinato de bebês no ventre materno, no episódio em que uma criança de dez anos sofreu aborto. Tentar salvar a vida de um bebê  é considerado  “intolerância religiosa” comparável ao grupo muçulmano que ordena o apedrejamento de adúlteras.

Considerando o pedido de “boicote às exportações brasileiras” em momento de recessão global ocasionada pela COVID-19 – oriunda da China – que deixou milhões de desempregados mundo afora,  não posso deixar de expor minha opinião sobre a “sugestão” do escritor para o Brasil combalido pela estrutura de poder corrupto que sempre apoiou o “Coelho Falastrão” em sua saga de festim literário de quinta categoria.

É lógico que eu não precisaria afirmar que o escritor é um insólito “coelhinho do PT”, ressentido por não ver o seu “bandido de estimação” dando continuidade ao arruinante projeto de poder que levou o país à bancarrota. Há quase um ano, o militante birrento tentou convencer o ex-presidiário Lula a não aceitar o regime semiaberto, twitando[1]: “não aceite participar da farsa sinistra dos procuradores da Lava-Jato. Aguenta mais um pouco e saia como inocente”.

Com um histórico  de apoio a um corrupto preso por violar a lei, o “Coelho do PT” , se juntou à turma do “quanto pior, melhor”, a militância totalitária de extrema-esquerda que não se conforma com o resultado das urnas e vive atacando conservadores e promovendo discursos de “sabotagem” visando a destruição completa do país. Aliás, o “Coelho covarde” já se entocou na Suíça para garantir afastamento do caos que tenta ocasionar em nossa pátria. Se o Brasil quebrasse com os “conselhos de um bruxo”, a ruína seria celebrada com champagne, comemoração idolatrada pela “esquerda caviar”.

Demonstrada a “fórmula mágica” da estupidez ideológica para enganar os leigos que leem as asneiras em forma de livros do “Coelho da cartola petista”, esqueceu o farsante que de nada adiantaria tentar excluir sua manifestação sectária. Não tem “alquimia” que vença o “santo print nosso de cada dia”!

Como todo segregacionista, o bruxo ataca um grupo culpando-o pelas mazelas do país. Na visão torpe do extremista, os cristãos são os culpados pelo infortúnio econômico herdado pelo esquema de corrupção desenvolvido por “nobres nomes” do “partido vermelho”.

As críticas contrárias à intolerância, que o jornal O Globo chama de “ataques” não geraram arrependimento por tamanha intolerância religiosa. O sectarista compartilhou a manifestação de um seguidor no Twitter que jocosamente agradeceu os conservadores a repercussão das palavras de ódio contra cristãos.

O escritor, que simpatizava com o “controle do país nas mãos de Lula corrupto”, teme o suposto controle que promova o ideário cristão, o que seria um verdadeiro “crime” num Estado que a maioria esmagadora é cristã, mas respeita os direitos das minorias através das instituições e leis vigentes. A desonestidade do bruxo é tão banal, que compara o Cristianismo ao Talibã, grupo islâmico sunita sediado no Afeganistão que cumpre os ensinamentos do profeta Maomé in natura, ensinamentos estes que o “Coelho medroso” não critica!

Em 2017, o escritor reagiu ao conhecimento dos seus livros queimados por muçulmanos na Líbia, afirmando o seguinte: “Islã é uma religião que merece respeito, e o fato de fanáticos na Líbia terem hoje queimado meus livros não justifica islamofobia.”

O falastrão não salientou que, nesse caso, os fanáticos eram AUTORIDADES do governo líbio, que censuraram seus livros ignóbeis e de outros autores por supostamente conterem erotismo e mensagens contrárias a religião da paz.

Para o bruxo, a religião que fundamenta o sistema de governo de todos os países muçulmanos que violam o direito à liberdade de expressão, “merece respeito”, mas o Cristianismo, que trouxe as bases para os direitos humanos desrespeitados em países muçulmanos, deve ser desrespeitado com seus seguidores sendo chamados de “Talibãs” só porque não têm apreço a um criminoso que acaba de ser denunciado novamente pelo MPF por lavagem de dinheiro.

Por sinal, ao que parece, o “Coelho sectarista” não anda bem informado sobre as ações dos “Talibãs” na Eurábia, especialmente, na Suíça, onde vive… Então, vou trazer somente dois exemplos do “controle religioso” que não “tira o Coelho da toca” para criticar: dois meses após o bruxo defender a soltura de um preso condenado pelo Judiciário, o sultão Erdogan ordenou aos muçulmanos turcos que NÃO se INTEGRASSEM à sociedade suíça, pois o Islã – sem mágica progressista – ensina a não-assimilação nas terras dos infiéis que devem ser submetidas à vontade de Allah através da sharia (lei islâmica). O abuso culminou no gesto com a mãos da “saudação rabia”, símbolo da Irmandade Muçulmana, grupo terrorista islâmico temido por alguns países muçulmanos.

Pois é… o bruxo mete o bedelho em assuntos do país que abandonou, mas fica caladinho quando um sultão carniceiro mostra as “garras do controle islâmico” sobre um país supostamente laico!

Outro exemplo interessante: na Suíça, o casamento infantil forçado não é considerado ilegal, desde que, proveniente de minoria cuja “cultura” aprove tal prática. A instituição federal “Center For Forced Marriage” relatou em 2019, o aumento do número de casamentos forçados com crianças de minorias provenientes, principalmente do Iraque, Síria, Turquia, Somália e – ora, vejam! – Afeganistão”, onde a ação é promovida não apenas pelo grupo islâmico Talibã, que causa assombro ao “Coelhinho da paz”.

Diz a presidente da instituição:

“Na Suíça, as famílias veem o perigo de que sua filha faça sexo antes do casamento. Porque aqui você não mora separado de acordo com o sexo. Para honrar a honra da família, a filha é então casada ou noiva no exterior como menor de idade”, disse o presidente”.

Para burlar a tradição suíça amparada por lei, as famílias muçulmanas enviam suas crianças e adolescentes para noivar ou casar no exterior, pois o Conservadorismo que o bruxo amigo de Lula abomina vê como violação de direitos humanos forçar uma criança a contrair casamento.

Para o leitor ter vaga ideia do medievalismo suíço, vale citar o caso enfatizado pela presidente do Center For Forced Marriage acerca de uma jovem suíça –  filha de pais muçulmanos sírios – “vítima do multiculturalismo perverso” idolatrado pelo bruxo e o progressismo global:

Samira é suíça e nasceu aqui, seus pais são da Síria. Ela tinha 15 anos quando se casou por telefone com o marido na Síria. Um ano depois, devido à pressão da família, o casamento ritual no exterior aconteceu.

No ano passado, Samira completou 18 anos. Ao atingir a maioridade, o casamento infantil na Suíça tornou-se legalmente obrigatório. Quando a jovem percebeu isso, tentou suicídio: “Engoli os comprimidos do meu pai. Mas eu sobrevivi. “Com o casamento reconhecido, seu marido, que ainda mora na Síria, tem direito ao reagrupamento familiar. Ele também quer usar isso: entrará na Suíça nos próximos dias. Um desastre para Samira: “Por que a Suíça reconhece meu casamento infantil? Eu não quero me casar! “A jovem de 19 anos agora está tentando desesperadamente com a ajuda do casamento forçado do escritório de impedir a entrada de seu marido …

Logo, o verdadeiro “Talibã institucionalizado” no país onde vive o “Coelho hipócrita”, que obriga crianças suíças a cumprirem a perversa  sharia (lei islâmica) pertinente ao casamento forçado, ao que parece, não incomoda nadinha o bruxo defensor do ex-presidiário!

Termino meu artigo em forma de repúdio ao bruxo sectarista que ataca cristãos no Brasil por puro revanchismo lembrando ao escritor o seguinte: tome cuidado com o avanço da sharia na Suíça. Se os seguidores da “religião da paz” pensarem que realmente pratica a bruxaria, ele corre o sério risco de experimentar a “pena” imposta pelo Islã. O “Talibã original” não perdoa nem mesmo os escritores medíocres.

Andréa Fernandes – advogada, jornalista, internacionalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires (EVM).

Foto: Stuckert/Reprodução

[1] https://www.brasil247.com/cultura/paulo-coelho-a-lula-aguenta-mais-um-pouco-e-saia-como-inocente

Luto em Hagia Sophia: o “recado” da “espada de Maomé” na catedral transformada em mesquita

Por Andréa Fernandes*

Ontem foi uma sexta-feira como outra qualquer para a maior parte da Cristandade, mas para o mundo muçulmano em geral, houve um motivo especial de celebração: o islamista genocida Recep Tayyip Erdogan num golpe genial de “mestre do mal” transformou via “decreto” a milenar catedral de Hagia Sophia em mesquita para glória e honra de Allah, o deus que, segundo a mais acurada tradição islâmica, incentivou muçulmanos a aniquilar igrejas e demais templos pagãos desde os primórdios da “religião da paz”, a qual teve crescimento assustador com uma “ajuda divina” de conquistas territoriais à força da jihad.

Ao anunciar de forma antecipada a decisão totalitária transformando a igreja em mesquita violando o status de “museu” conferido pelo governo turco em 1934, Erdogan corroborou decisão da Suprema Corte com autoridades indicadas por ele. E de nada adiantou o sultão sanguinário tomar conhecimento da reação do Conselho de Igrejas do Oriente Médio, que emitiu uma declaração denunciando a decisão como um ataque à liberdade religiosa que deveria ser protegida pelas leis internacionais. A entidade representativa se dirigiu à ONU e Liga dos Estados Árabes, ingressando com recurso no tocante à decisão da Suprema Corte turca a fim de ser efetivada justiça com fundamento nos princípios da liberdade religiosa, além de preservar o simbolismo histórico representado pela igreja.

Em 31 de março de 2018, o Presidente Erdogan discursou na catedral, oportunidade em que convidou os fiéis a recitar o primeiro capítulo do Alcorão, Sura Al-Fatiha, como uma oração pelas “almas de todos que nos deixaram este trabalho” como herança, principalmente o conquistador de Istambul, Fatih Sultan Mehmed “.

O presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan cumpriu sua promessa divulgada no início do mês de permitir autoritariamente as primeiras orações muçulmanas na sexta-feira (24/07), usando taqqiya para enganar cristãos que se importam com o simbolismo daquele templo, uma vez que o porta-voz do governo anunciou  que alguns dos mosaicos cristãos serão cobertos com cortinas, afirmando em tom mentiroso: “Nosso objetivo é evitar prejudicar os afrescos, ícones e arquitetura histórica do edifício[1]. Quando, na verdade, sabemos que a real intenção é destruir paulatinamente as preciosidades arquitetônicas como fizeram seus antepassados muçulmanos ao saquear o templo em 1534.

A temporária conversa fiada do governo muçulmano de supostamente “não prejudicar a arquitetura histórica do edifício”, não considerado-o como “igreja” se deve simplesmente ao fato de o edifício estar listado como patrimônio histórico da humanidade tombado pela UNESCO, uma vez que o templo é considerado uma obra-prima da arquitetura, bem como principal modelo mundial da arquitetura cristã bizantina e testemunho único das interações entre a Europa e Ásia ao longo dos séculos[2].

É importante frisar que a UNESCO não tombou o edifício como “igreja” e sim como “museu”, pois seria inaceitável uma instituição global infiel não se submeter às “demandas islâmicas seculares” de destruição de todo e qualquer simbolismo cristão.

Dessa forma, a UNESCO emitiu nota acanhada demonstrando inocente “lamento profundo” pela decisão da Turquia em mudar o status da histórica  Hagia Sophi” e ainda pede “diálogo” fingindo desconhecer o histórico da sangrenta jihad que reduziu a cinzas e pedras importantes símbolos da fé cristã no mundo árabe. Aliás, em tempos modernos a ocupação turca no norte do Chipre em 1974 promoveu não somente a matança de cristãos, mas um verdadeiro genocídio cultural com a destruição de centenas de igrejas seguindo os moldes atualizados da queda de Constantinopla. Será que o “azar” das igrejas cipriotas foi não serem tombadas pela UNESCO?

O pronunciamento da UNESCO e risível para muçulmanos e horrendo para cristãos orientais[3]:

A UNESCO pediu às autoridades turcas “que iniciem o diálogo sem demora, a fim de evitar qualquer efeito prejudicial sobre o valor universal desse patrimônio excepcional, cujo estado de conservação será examinado pelo Comitê do Patrimônio Mundial em sua próxima sessão”.

“É importante evitar qualquer medida de implementação, sem discussão prévia com a UNESCO, que afete o acesso físico ao local, a estrutura dos edifícios, a propriedade móvel do local ou a administração do local”, enfatizou Ernesto Ottone, diretor assistente da UNESCO. Geral para a Cultura. Tais medidas podem constituir violações das regras derivadas da Convenção do Patrimônio Mundial de 1972, alertou a agência. 

Torna-se clarividente que o sultão neotomano Erdogan mandou às favas qualquer possibilidade de “diálogo”, pois só deve obediência a Allah e ao “selo dos profetas” Mohammad como todo bom muçulmano ortodoxo. Adiante, mostrarei a motivação religiosa do ato abominável de intolerância religiosa e ataque a fé cristã. Antes disso, é necessário explicar o simbolismo da catedral Hagia Sophia para os cristãos.

O simbolismo milenar da Catedral Santa Sophia

A Igreja da Santa Sabedoria, conhecida mundialmente como Hagia Sophia foi projetada no intuito de ser a maior Basílica do império Bizantino e uma obra-prima da arquitetura bizantina  – como reconhecida pela UNESCO – tendo sido construída em Constantinopla por Justiniano I entre 532 e 537 d.C. Contudo, em 1453 a violenta jihad promovida pelo sultão otomano Mehmed II resultou na invasão, saques e massacres em Constantinopla finalizando de forma cruel o Império Bizantino.

A espada de Allah levando terror aos cristãos em Constantinopla

O escritor Steven Rinciman descreve que cristãos e refugiados foram transformados espólios de guerra para serem escravizados, violentados e assassinados. A catedral foi profanada e saqueada, além do que os invasores muçulmanos não pouparam enfermos e idosos violentamente massacrados. Meninas e mulheres foram estupradas e os restante da população vendida como escravos. Com esses dados não fica difícil compreender o fundamento das ações de terror do Estado Islâmico, que se inspirou nesse fato histórico glorioso e em tantos outros que embasam a história do expansionismo islâmico.

O articulista Mark Cartwright relata os horrores vivenciados pelos cristãos que viviam em Constantinopla[4]:

(…) o estupro, pilhagem e destruição começaram. Muitos habitantes da cidade cometeram suicídio, em vez de estar sujeitos aos horrores da captura e da escravidão. Talvez 4.000 foram mortos imediatamente e mais de 50.000 foram enviados como escravos. Muitos buscaram refúgio em igrejas e se esconderam, inclusive dentro da Hagia Sophia , mas esses eram alvos óbvios por seus tesouros, e depois que foram saqueados por suas jóias e metais preciosos, os prédios e seus ícones inestimáveis ​​foram esmagados, os cativos encolhidos massacrados. Tesouros incontáveis ​​de arte foram perdidos, livros foram queimados e qualquer coisa com uma mensagem cristã foi cortada em pedaços, incluindo afrescos e mosaicos.

Neo-Otomanismo cumprindo a missão de apagar cultura cristã

O objetivo de construir um Império Otomano mundial para levar a sharia (lei islâmica) aos confins da terra teve início e Constantinopla saqueada e rendida já estava prevista como capital. Um fato curioso é que não veio a mínima ajuda aos cristãos das metrópoles europeias da época, Roma, Veneza e Gênova[5], o que se repetiu durante o genocídio perpetrado contra cerca de 3 milhões de cristãos armênios, assírios e gregos entre 1914 e 1923, mostrando que “omissão” quanto ao socorro de cristãos assolados pelo terror islâmico em determinados países muçulmanos não é uma novidade da presente era.

O carniceiro Mehmed II transformou a Igreja Hagia Sophia em mesquita e o Islã tornou-se a religião oficial, porém, os símbolos dos cristãos nas igrejas foram substituídos por símbolos islâmicos, acontecimento este que não costuma ser ensinado nas escolas ocidentais, que insistem em ocultar a condição de inferioridade das comunidades cristãs durante a história do expansionismo dos impérios muçulmanos. Seria politicamente incorreto encerrar a bela fábula de “tolerância religiosa” numa era trevosa em que os cristãos são a minoria religiosa mais perseguida do mundo, mas a “islamofobia” é o mito mais combatido por humanistas progressistas sob pena de censura, reprimendas diversas e até prisão para aqueles que denunciam aspectos violentos em partes expressivas da doutrina islâmica pleiteando reforma da mesma para combater o extremismo, que por “coincidência” costuma ser financiado por alguns Estados muçulmanos como Arábia Saudita e Irã, parceiros de alguns países ocidentais.

Segundo alguns historiadores, o Império Otomano teve um apogeu que durou um século. Contudo, durante cem anos foi esfacelando paulatinamente até seu término por ocasião da 1ª Guerra Mundial. Com a criação da moderna república da Turquia a capital Constantinopla teve seu nome substituído por “Instambul” em 1930 e Hagia Sophia foi transformada em museu no ano de 1935.

Assim, é de importância vital salientar que para os cristãos, notadamente os ortodoxos, Hagia Sophia é uma igreja de grande relevância, apesar de sua conversão forçada em mesquita, mas para os turcos e muçulmanos é o símbolo da conquista muçulmana e sinal importante de uma vitória histórica que ainda povoa a mente de multidões[6] em função da pesada carga triunfalista religiosa que carrega. Afinal, como bem discorre o escritor Robert Spencer o edifício representa o símbolo do domínio do Islã sobre o Cristianismo e concomitantemente simboliza o poder do Império Otomano, tendo Erdogan assumindo a posição de um novo Sultão Mehmed – o Conquistador – ao apagar o monumento ao secularismo presente no museu Hagia Sophia[7].

Imagem

Milhares de muçulmanos de várias nacionalidades gritando “Allahu Akbar” (Allah é maior) comemorando a “reconquista” de Hagia Sophia mostra que a questão envolve o ardente desejo da busca supremacista islâmica que sobrepuja a dor do semelhante considerado “inferior” ao comemorar com alegria os vídeos de consternação grega circulando entre a multtidão de muçulmanos, pois a estrutura bizantina de 1500 anos sediou a igreja ortodoxa grega.

Hagia Sophia

(Na imagem acima a camisa do muçulmano retrata lembrança da Queda de Constantinopla que resultou no extermínio covarde de milhares de cristãos pela jihad)

Entre a multidão estavam milhares de muçulmanos oriundos das áreas mais remotas como Anatólia e países europeus como Alemanha, França e Áustria, que abrigam quantitativo considerável de turcos.

Hagia Sophia

As massas de entusiastas acabam legitimando consciente ou inconscientemente a “ressurreição do califado”, que é meta turca que antecede a ascensão do déspota Erdogan ao poder.

Décadas de preparo para destruir identidade cristã de Hagia Sophia

Em 1980, o primeiro-ministro turco Suleyman Demirel autorizou orações muçulmanas num anexo de Hagia Sophia, de modo que ao longo dos anos foi sendo orquestrado o processo de conversão da catedral em mesquita. Em 2013, o então vice- ministro da Turquia Bulent Arinc em entrevista sinalizou o futuro uso do então museu como mesquita e em 2014, o parlamento turco tentou mudar o status de Hagia Sophia para abrigar de forma oficial a mesquita.

A propósito, nos idos de 2016, foi noticiado que autoridades turcas permitiram que as leituras do alcorão fossem transmitidas a partir de Hagia Sophia em Instambul, sendo que o Diyanet[8] nomeou um imã permanente para o prédio estendendo as duas orações diárias realizadas para cinco orações islâmicas a fim de que o ato de afronta tivesse mais impacto sobre a comunidade cristã[9].

Se uma igreja tombada como patrimônio histórico da humanidade pela UNESCO não foi poupada da jihad cultural do sultão neotomano que construiu 17 mil mesquitas nos últimos anos, mas se recusa a autorizar a construção de novas igrejas o que pode fazer a cristandade ocidental acreditar que as igrejas que ainda restam no país muçulmano não sejam também transformadas em mesquitas? A omissão em relação a Hagia Sophia é um sinal adorável de “conivência” para o supremacismo islâmico.

“Espada” garante discurso no templo pilhado pela jihad cultural

A repulsa no tocante a agenda de diversidade e coexistência civilizada foi evidenciada com as multidões celebrando a profanação de um templo milenar cristão. Robert Spencer relata que diversos objetos históricos simbolizando a conquista foram utilizados durante o cerimonial de inauguração da “mesquita usurpadora”. Todavia, o mais impressionante foi a imagem do imã Ali Erbas (chefe do serviço religioso) pronunciando seu sermão segurando uma ESPADA[10], atitude simbólica reforçada pelo recitar do verso corânico: “De fato, nós lhe demos uma conquista clara”.        

Enquanto os infiéis ocidentais não compreendem ao certo o motivo de uma espada estar na mão de um líder muçulmano no interior de uma igreja convertida à força em mesquita durante sermão da “religião da paz” que se apropria do templo religioso da minoria mais perseguida do mundo, todo muçulmano decodifica imediatamente a mensagem que espelha suposta fala atribuída ao “apóstolo de Allah”, o profeta Maomé em sua fase beligerante na implantação do Islã:

“Eu fui feito vitorioso pelo terror” – (Bukhari, 55:220)

Estudiosos reconhecem que a carreira profética do profeta do Islã foi marcada por sangue e guerra, tendo em algumas suratas do seu livro sagrado, o Alcorão, o legado doutrinário de violência que fundamenta violações de direitos humanos comuns em países muçulmanos, dentre as quais, perseguição sistemática contra minorias religiosas. Spencer afirma que há mais de cem versículos exortando os crentes a travar jihad contra os descrentes. com os infiéis e hipócritas. Daí, vemos:

“Ó profeta, combate os incrédulos e os hipócritas, e sê implacável para com eles”! O inferno será sua morada. Que funesto destino! (Corão 9:73)

“Quando, no campo de batalha, enfrentardes os que descrêem, golpeaios no pescoço. Depois, quando os tiverdes prostado, apertai os grulhões” (Corão 47:4)

Tolerância desprezada x terror enaltecido

Apesar de haver teólogos muçulmanos que se dedicam a formular visões que visam reformar a religião proporcionando interpretação que possibilite a coexistência pacífica com não-muçulmanos baseada em entendimento diversificado do princípio da ab-rogação que legitima trechos violentos do Corão, os mesmos infelizmente não encontram respaldo no principais centros ideológicos. Vamos a um exemplo? O presidente da renomada União Internacional de Estudiosos Muçulmanos, Yusuf al-Qaradawi, vinculado à Irmandade Muçulmana –considerada entidade terrorista por alguns países – vem sendo acusado de ser figura de destaque no incitamento à violência por meio de seus “pareceres religiosos” justificando assassinatos perpetrados por islamistas contra outros grupos[11].

Al Qaradawi declarou que chegará o dia que Roma será islamizada! Entretanto, o eco das ameaças islâmicas soam como discursos de paz e tolerância.

Vaticano submisso à sharia abandona irmãos cristãos ortodoxos

No mundo infiel suicida, ao contrário do Papa progressista que vive defendendo o pacifismo do Islã ao arrepio da doutrina defendida por importantes clérigos em todo mundo muçulmano – inclusive no renomado centro ideológico Al-Azhar – mas se limitou a dizer “Meus pensamentos vão para Instambul. Penso em Santa Sophia e estou com muita dor[12], o Patriarca da Igreja Ortodoxa Russa Kirill sintetizou a realidade de forma objetiva e clara:

“Uma ameaça contra Hagia Sophia é uma ameaça para toda a civilização cristã e, conseqüentemente, para nossa espiritualidade e nossa história”

Todavia, de nada adiantará o alerta do Patriarca Kirill e de outros poucos corajosos líderes religiosos, vez que a ordem geopolítica global importa em  submissão aos comandos de supremacia ditados pela sharia e as lideranças cristãs mundiais estão muito ocupadas defendendo seus interesses locais.

A espada desembainhada

Esquecem os omissos que a espada que “discursa” triunfante e impunemente  no espaço usurpado da extinta Igreja da Santa Sabedoria alcançará todo cristão que abandonou a “igreja perseguida” por repousar na comodidade da profana covardia.

*Andréa Fernandes – advogada, jornalista, internacionalista, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires e líder do Movimento Nacional pelo Reconhecimento do Genocídio de cristãos no Oriente Médio.

Imagens Ahwal News

[1] https://www.al-monitor.com/pulse/originals/2020/07/hagia-sophia-mosque-curtains-mosaics-turkey-erdogan-convert.html

[2] https://en.unesco.org/news/unesco-statement-hagia-sophia-istanbul

[3] https://news.un.org/en/story/2020/07/1068151

[4] https://www.ancient.eu/article/1180/1453-the-fall-of-constantinople/

[5] https://www.dw.com/pt-br/1453-constantinopla-%C3%A9-tomada-pelos-turcos/a-325020

[6] https://www.al-monitor.com/pulse/ru/culture/2014/06/turkey-hagia-sophia-convert-mosque-negative-message.html#ixzz6T8RfAoBi

[7] https://www.jihadwatch.org/2020/07/turkey-thousands-of-muslims-screaming-allahu-akbar-celebrate-reconquest-of-hagia-sophia

[8] Superintendência para Assuntos Religiosos.

[9] https://pt.gatestoneinstitute.org/9359/hagia-sophia-mesquita

[10] https://twitter.com/ApostateRidvan/status/1286684234300755968/photo/1

[11] https://www.egypttoday.com/Article/1/10334/Proofs-of-Qaradawi-s-incitement-to-violence

[12] https://www.bbc.com/news/world-europe-53371341

Turquia: muçulmanos ameaçam assassinar estudante por promover palestra sobre direitos LGBT

“Estudante universitário turco ameaçado de execução no estilo ISIS por promover direitos LGBT +”, Ahval News , 11 de julho de 2020:

Um estudante universitário que promoveu uma palestra sobre direitos LGBT + foi ameaçado on-line de ser jogado de um prédio alto, um método de execução usado pelo grupo militante do Estado Islâmico (ISIS) contra pessoas consideradas membros da comunidade LGBT +, informou o jornal Birgün no sábado.

Nazli Ikra Öztay, uma estudante de ciências políticas da Universidade de Ankara, recebeu a ameaça no Whatsapp depois de anunciar um evento chamado “LGBTI + luta pelos direitos no campus” para outros grupos que envolvem estudantes universitários no aplicativo de mensagens popular.

Fui confrontado com uma mensagem privada dizendo: ‘Exclua essa mensagem imoral’” “, disse Öztay a Birgün, acrescentando que sua amiga recebeu uma mensagem semelhante.

Exclua essa mensagem e não faça novamente do grupo (Whatsapp) um motivo para sua depravação”, disse a mensagem a Öztay. “Nós nunca vamos nos acostumar com isso, e vamos jogá-lo de cima de edifício alto.

O ISIS freqüentemente usa o método de lançar pessoas dos prédios altos, postando imagens de tais execuções de indivíduos LGBT + nas mídias sociais nos últimos anos.

Öztay disse que depois de algumas investigações, ela e sua amiga descobriram que a mensagem era de aluno do primeiro ano do departamento de ciências políticas da universidade e era membro de uma gangue jihadista que vive na Síria “de tempos em tempos”….

Imagem e informações Jihad Watch

A Anistia Internacional condena o “encobrimento saudita” no caso de Khashoggi e pede uma necrópsia

A Anistia Internacional disse no sábado que  a explicação da Arábia Saudita sobre a morte do jornalista Jamal Khashoggi  no consulado saudita em Istambul apareceu para esconder “um assassinato hediondo.”

“As conclusões do inquérito das autoridades sauditas, que afirmam que Khashoggi morreu como resultado de uma briga dentro do consulado não são confiáveis ​​e marca um abismo no registro de direitos humanos da Arábia Saudita”,  disse em um comunicado Samah Hadid, diretor do grupo direitos humanos no Oriente Médio.

Ele pediu às autoridades sauditas que revelem a localização do corpo de Khashoggi para que especialistas forenses independentes possam realizar uma autópsia. Ele também disse que as Nações Unidas deveriam investigar sua morte.

“Um inquérito independente é a única garantia contra o que cada vez mais parece como um encobrimento da Arábia em torno das circunstâncias do assassinato de Khashoggi ou qualquer tentativa por outros governos para varrer o problema para debaixo do tapete para preservar negócios lucrativos de armas e outros laços comerciais com Riyadh “, disse Hadid.

A afirmação da Arábia Saudita que Khashoggi teria morrido em uma luta, em vez de ser morto deliberadamente, foi o primeiro reconhecimento de sua morte por Riyadh após duas semanas de negações sobre o envolvimento saudita em seu desaparecimento.

“Esse assassinato atroz dentro das fundações do Consulado equivale à uma execução extrajudicial”, disse a Anistia Internacional.

Com imagem The Millennium Report e informações Israel Noticias

França:Turcos e curdos se enfrentam com violência após vitória de Erdogan na eleição

Dezenas de membros das comunidades turca e curda entraram em confronto violento na França após a vitória eleitoral do presidente turco islâmico Recep Tayyip Erdoğan.

Segundo a polícia, turcos e curdos lutaram entre si com barras de ferro, espadas e paus no domingo à noite em Mantes-la-Jolie, nos arredores de Paris,  informa o Le Parisien  .

O incidente marca a primeira grande violência entre curdos e turcos na comunidade e foi dito que começou depois que os partidários turcos do Erdoğan usaram a bandeira da Turquia em frente aos cafés curdos. Os turcos foram atacados por moradores curdos que também teriam atacado dois cafés turcos em retaliação.

Cerca de 1.000 famílias turcas e 400 curdas vivem na área. “Falamos tão pouco sobre política. Mas entre os idosos ou aqueles que não nasceram aqui, às vezes é tenso, mas nunca violento ”, disse um turco local.

Breitbart London@BreitbartLondon

Turks Across Europe Celebrate Reelection of Islamist Turkish President Erdogan http://www.breitbart.com/london/2018/06/26/turks-european-countries-vote-erdogan-celebrate-streets-victory/ 

European Turks Celebrate Reelection of Islamist Erdogan

Turkish residents and citizens of Belgium, France, and the Netherlands celebrated the reelection of Islamist Turkish President Erdoğan.

breitbart.com

Embora os confrontos entre turcos e curdos sejam incomuns em grande parte da França, vários desses incidentes violentos ocorreram na vizinha Alemanha, Áustria e Suíça .

A Alemanha tem visto vários confrontos violentos, com os mais recentes ocorrendo em abril, quando mais de 50 turcos, curdos e alguns libaneses lutaram uns contra os outros com armas , incluindo facões e barras de ferro, nas ruas de Duisburg.

Em setembro de 2015, os dois grupos entraram em confronto em Frankfurt e, em abril de 2016, as lutas eclodiram mais uma vez durante uma marcha nacionalista turca em Duisburg, incluindo os lutadores do grupo ultra-nacionalista turco Grey Wolves .

A Áustria, que também tem uma população significativa de turcos, viu confrontos no coração de Viena em agosto de 2016, quando manifestantes curdos teriam sido incitados pelos turcos a lutar. Ambos os grupos usaram spray de pimenta uns sobre os outros, forçando os turistas a fugir da área em pânico.

Com imagem e informações Breitbart

Erdogan afirma que a repressão da Áustria aos imãs jihadistas está “levando a uma guerra entre a cruz e o crescente”

Não se engane: Erdogan está ansioso por tal guerra. Ele é o único a falar sobre isso. Certamente os internacionalistas esquerdistas obcecados que lideram a Europa Ocidental estão horrorizados com essa perspectiva, e não encontrarão nenhuma medida de apaziguamento e acomodação muito baixa para se inclinar a fim de evitar isso. Mas é improvável que Erdogan esteja satisfeito com algo que não seja a rendição total. Afinal, neste caso, a Áustria fechou apenas sete mesquitas. Há muitas mais na Áustria. Foram fechadas por pregar o Islã político, isto é, a ideia de que a Sharia é a única forma legítima de governo para a Áustria e o mundo. E isso é suficiente para Erdogan ameaçar com jihad. Então ele está essencialmente dizendo que a Áustria, e a Europa em geral, devem aceitar a islamização lenta ou a islamização rápida. Ou a Europa permite que os imãs preguem a Sharia e a supremacia islâmica, levando à lenta islamização do continente, ou enfrentará uma guerra de jihad com o objetivo de conquistar e islamizar o continente. É render-se ou ser subjugado à força.

Erdogan adverte que a repressão dos imãs na Áustria levará à guerra santa” , AFP , 10 de junho de 2018 (graças a The Religion of Peace ):

ISTAMBUL, Turquia (Reuters) – O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, criticou no sábado a decisão da Áustria de fechar as mesquitas e expulsar os imãs financiados pelos turcos, criticando a decisão como anti-islâmica e prometendo uma resposta.

Receio que essas medidas tomadas pelo primeiro-ministro austríaco levem o mundo a uma guerra entre a cruz e o crescente“, disse Erdogan em um discurso em Istambul.

O crescente é um símbolo associado ao Islã.

Seus comentários foram feitos no dia seguinte ao anúncio de que o governo austríaco poderia expulsar 60 imãs e suas famílias, fechando sete mesquitas como parte de uma ofensiva contra o “Islã político”, provocando fúria em Ancara …

Com imagem e informações Jihad Watch

Protestos palestinos: a elevação da “Marcha do Terror”

Por Andréa Fernandes

Em total desrespeito a uma importante festa religiosa para judeus em Israel,  que comemoram o Pessach, o grupo terrorista Hamas instigou a população palestina em Gaza a promover atos de violência sob o enganoso movimento chamado “A Grande Marcha do Retorno”, que até o momento gerou, segundo algumas fontes, 16 mortes e centenas de feridos devido ataques palestinos em direção à fronteira israelense.

Antes de iniciar sua nova jihad contra os judeus, que a mídia insiste em chamar de “protestos”, o grupo terrorista colocou em prática a velha estratégia de usar a mídia interna para incitar a população com discursos de ódio contra Israel e simultaneamente desenvolver uma “retórica enganosa” veiculada na mídia ocidental, supostamente convocando os palestinos na Faixa de Gaza a marcharem até a fronteira israelense para promover protestos a partir da sexta-feira (30) até o dia 15 de maio, data em que comemoram a “Nakba” ou “Catástrofe” em alusão ao deslocamento de centenas de milhares de palestinos por ocasião da guerra implementada por árabes para destruir o recém-criado Estado de Israel, em 1948. O comunicado da lideranças terroristas na quinta-feira pedia que os participantes evitassem qualquer ação que pudesse perturbar ou distorcer os objetivos do protesto e sabotar seu sucesso[1], o que foi ratificado pelo vice-líder do Hamas, Khalil al-Hayya, ao visitar as tendas erguidas em cinco locais diferentes para abrigar os palestinos na fronteira entre Gaza e Israel.

Teve ingênuo que acreditou nas mentiras de “propósitos pacifistas” do grupo terrorista, Israel, não… As Forças de Defesa de Israel (IDF) já estavam se preparando para a jihad mascarada de “marcha”, pois a facção poderia desenvolver operações de desvio a fim de permitir que terroristas se infiltrassem no território israelense enquanto as forças de segurança estivessem dispersando arruaceiros espalhados pela fronteira. Diariamente, a população palestina estava sendo avisada de que não deveria se aproximar da cerca da fronteira durante a “marcha”, pois 100 atiradores de elite estariam apostos e a ordem de Gadi Eisenkot, chefe do Estado-Maior da IDF, era clara: “se vidas estiverem em perigo, há permissão para abrir fogo”.

No entanto, objetivando enviar 100 mil palestinos furiosos e dispostos a sacrificar suas vidas, os organizadores da “marcha do terror” não pouparam recursos: enviaram ônibus para transportar os moradores, construíram barracas e toda infraestrutura necessária gastando milhares de dólares, sem faltar uma campanha maciça e agressiva. Todavia, a mídia não se espantou ao ver lideranças terroristas de um território que sofre crise humanitária gastar tantos recursos  com propaganda e organização para confrontos na fronteira.

Percebendo o intuito do Hamas de gerar confrontos que resultassem em “cadáveres midiáticos” para os “abutres seletivos” de grande parte da imprensa ávidos pela continuidade do processo de “demonização de Israel” e consequente “beatificação do terror palestino”, o Coordenador de Atividades do Governo nos Territórios (COGAT) emitiu alerta à população, especialmente à cerca de 20 empresas de ônibus locais exortando-os a não cooperar com o Hamas, afirmando que se os ônibus transportassem manifestantes para a fronteira, as empresas seriam responsabilizadas pelos acontecimentos danosos.

De nada adiantou externar preocupação com a segurança da população civil, já acostumada a ser usada como “escudo humano” pelos terroristas em Gaza. Assim, segundo a imprensa israelense, aproximadamente 30 mil palestinos obedeceram ao comando do terror e misturados entre os jihadistas sanguinários do Hamas devidamente ARMADOS[2], iniciaram as “manifestações”. Líderes do grupo terrorista se posicionaram no meio dos manifestantes conclamando que se dirigissem à fronteira e aos gritos característicos de “protestos pacíficos” exclamavam morte aos judeus[3] enquanto muitos queimavam pneus, faziam uso de pedras, gás lacrimogênio e coquetéis molotov lançados contra soldados.

O resultado das ações de ódio foi um total de 16 mortos e 1.416 feridos, segundo o Ministério da Saúde, em Gaza. Em comunicado oficial, as Forças de Defesa de Israel informam que “munição real só foi usada quando a cerca estava prestes a ser violada ou quando as tropas estavam prestes a ser atingidas[4],  o que caracteriza “direito de defesa” em qualquer situação grave em tentativa de invasão com ataques violentos tentando violar a soberania em fronteiras de qualquer país civilizado, desde que, “não seja Israel”. Aliás, cabe um questionamento: por que a imprensa ocidental não noticiou a morte de pelo menos 5 terroristas do Hamas? O grupo islâmico admitiu publicamente as baixas, mas a mídia silenciou, ocultando, dessa forma, o real propósito dos protestos violentos.

Para o “azar” da militância terrorista em Gaza, não conseguiram criar “mártires” entre a população vulnerável mesmo enviando idosos, mulheres e crianças para a proximidade da fronteira, sendo que a imprensa ignorou propositalmente a atitude covarde e criminosa do Hamas enviar à fronteira em meio aos tumultos uma criança de 7 anos, a qual foi devidamente acolhida por soldados e levada em segurança para seus pais. A mídia ocidental fingiu não saber de tamanha atrocidade.

Como esperado, o Secretário Geral da ONU, Antonio Guterres, pediu uma investigação independente e transparente”, ressaltando “prontidão” da entidade visivelmente pró-Palestina para revitalizar os esforços de paz.

Hoje, na maioria dos jornais, as imagens referentes às consequências da “Marcha do Retorno” retratavam a dor e desespero de mulheres palestinas no sepultamento de seus familiares[5] rodeadas de jihadistas clamando vingança. Nisso, o Hamas teve êxito, vez que continua manipulando a imprensa reforçando a tese da “vitimização” em mortes ocasionadas pela jihad contra judeus apoiada pelo “Ocidente infiel” e ainda conseguiu mais combustível para acarretar novos choques com soldados israelenses desviando o foco da séria crise interna e disputa acirrada e sangrenta com o Fatah, uma vez que só interessa à mídia gerar mais “desinformação” que possibilite a criação emergente de mais um “Estado Islâmico” no Oriente Médio.

Enquanto a ONU e comunidade internacional soam o “alarme” de pedidos de investigação e reprimendas diversas advêm contra Israel devido à “Marcha do Terror” em que milhares de palestinos são usados de forma criminosa e impunemente como “escudos humanos” por um grupo terrorista cujo lema central é invadir e se apropriar de todo território judeu, o “sultão carniceiro” Erdogan passou incólume ao invadir o  território sírio para exterminar curdos provocando a fuga em “marcha desesperada” de mais de 150 mil pessoas que vagaram aflitas sem comida, água ou abrigo tentando proteção das ações tiranas da Turquia[6], membro da OTAN. A imprensa não noticiou número de mortos ou feridos em suas manchetes e não foi solicitado por países árabes “reunião de emergência” no Conselho de Segurança da ONU, bem como o secretário geral das Nações Unidas não propôs “investigação independente”, o que não ocorreu também quando a Turquia passou a fuzilar refugiados sírios em suas fronteiras no momento em que tentavam “marchar” em fuga da guerra na Síria.

Dezenas de mulheres e crianças foram sistematicamente fuziladas pela guarda fronteiriça turca num momento em que não ofereciam qualquer ameaça[7], porém, essas vidas sírias ceifadas não constam da pauta de “direitos humanos” da agenda global, que privilegia e protege a “marcha do terror” ao passo que despreza a “marcha pela vida”.

Andréa Fernandes é jornalista, advogada, internacionalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Imagem: Reuters

[1] https://www.ynetnews.com/articles/0,7340,L-5209024,00.html

[2] https://www.ynetnews.com/articles/0,7340,L-5212504,00.html

[3]https://www.facebook.com/hnaftali/videos/1881233875221474/?hc_ref=ARQkg3eSvnpxUu8qU0_TWa1VY3QyD-U5d4qBEB-T4INaGHTWaNRStgTDjlWxTJ2JPgI

[4] http://www.jpost.com/Breaking-News/Hamas-spokesperson-15-Palestinians-dead-2476-injured-after-Friday-riots-547546

[5] https://oglobo.globo.com/mundo/onu-ue-pedem-investigacao-independente-sobre-mortes-em-gaza-22543414

[6] https://www.al-monitor.com/pulse/originals/2018/03/turkey-syria-afrin-operation-a-postmortem.html

[7] https://g1.globo.com/mundo/noticia/ong-diz-que-turquia-matou-165-sirios-na-fronteira.ghtml

 

A solução de Dois Estados

Por Sergio Bichuchs Sinenberg

Como sou partidário da “solução de Dois Estados”, quero propor à Angela Merkel que Berlin seja dividida novamente e que cada metade da cidade seja a capital de Alemanha Ocidental e Alemanha Oriental, respectivamente. Temos certeza que os berlinenses não farão objeções à divisão da cidade, para que a mesma seja a capital de dois Estados.

Quanto ao Brasil, quero sugerir que seja respeitado o Tratado de Tordesilhas, devolvendo à Espanha toda a Amazônia.

Inglaterra deverá ceder a metade das Ilhas Malvinas à Argentina, criando dois Estados: a República das Focas Portenhas e a Irlanda do Atlântico Sul.

Não vamos esquecer de propor ao effendi Erdogan, sultão do novo Império Turco, que deverá abrir mão de Istambul, para respeitar a origem cristã desta famosa cidade, que já foi chamada Bizâncio e depois Constantinopla, quando era a capital do cristão Império Romano Oriental.

O mesmo Erdogan concordará –não temos dúvidas – com a divisão da Turquia em dois Estados, um turco e outro curdo, seguindo o bom exemplo da República Islâmica do Irã, que fará o mesmo ato de justiça internacional e respeito à autodeterminação dos povos.

Assim sendo, estes democráticos e humanitários países propiciarão a criação do Estado Curdo, o Curdistão.

Por seu lado, a China já avisou que devolverá o Tibete ao seu povo, para inspirar a solução de dois Estados a outros países.

Aproveitando o generoso espírito natalino, até Vladimir Putin, o “Czar de Todas as Rússias”, quer colaborar, reintegrando a Crimeia à Ucrânia.

Pura generosidade!

Imagem: http://www.dw.com/en/merkels-delicate-mission-to-turkey/a-37367606

 

Carro explode junto a tribunal na Turquia. Pelo menos dois mortos

Polícia abateu ainda duas pessoas suspeitas do ataque.

Um carro explodiu nesta quinta-feira, junto a um tribunal em Izmir, na Turquia, causando a morte a pelo menos duas pessoas, confirmou Erol Ayyildiz, o governador local.

As vítimas mortais serão um polícia e um funcionário do tribunal – e cinco feridos, alguns em estado grave. Os suspeitos estavam armados com armas Kalashnikov e granadas, informou ainda o governador. A polícia turca abateu dois suspeitos e as buscas pelo terceiro estão ainda a decorrer.

Erol Ayyildiz acrescenta que os indícios recolhidos até agora sugerem que os responsáveis por este ataque pertencem ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla turca). O jornal turco Daily Sabah confirma também que vários membros do PKK invadiram o edifício do tribunal, empunhando armas automáticas, enquanto havia funcionários e cidadãos lá dentro.

Ayyildiz nota ainda que a polícia deu conta do carro e tentou intervir. Só que nesta tentativa os responsáveis do ataque detonaram o veículo. O governador de Izmir disse que havia outro carro-bomba que foi neutralizado no local, tendo sido igualmente apreendidas oito granadas de mão e vários lançadores de granadas.

Na noite de Ano Novo a discoteca turca Reina, na cidade de Istambul, também foi alvo de um ataquereivindicado pelo Daesh que vitimou 39 pessoas. O Parlamento turco iria decidir, esta semana, o prolongamento do estado de emergência por mais três meses, disse o primeiro-ministro, Binali Yildirim.

https://www.publico.pt/2017/01/05/mundo/noticia/carro-explode-junto-a-tribunal-na-turquia-1757214

Turquia: ataque a uma discoteca faz 35 mortos e 40 feridos

Atacantes estavam vestidos de Pai Natal e dispararam indiscriminadamente dentro da discoteca Reina, no distrito de Ortakoy, em Istambul