Arquivo da tag: #véu

Dinamarca proibiu véu islâmico. Elas vão desafiar a proibição

Alterações na Dinamarca não se referem às vestes que as mulheres muçulmanas podem usar. Crianças dos “guetos” vão ser obrigadas a ter aulas sobre tradições dinamarquesas, incluindo o Natal, sob ameaça de os pais perderem benefícios sociais.

Não vou tirar o meu niqab. Se tiver de o fazer, que seja porque é uma escolha minha”, disse Sabina, de 21 anos, que está a estudar para ser professora. Hoje, quando entra em vigor na Dinamarca a proibição de uso de burqa (que cobre o corpo todo) e niqab (véu islâmico com uma abertura na zona dos olhos), será uma das muçulmanas a desafiar a lei.

Ao seu lado estará Meryem, de 20 anos. Acredito que temos de nos integrar na sociedade”, afirmou à Reuters. Mas não acho que usar niqab significa que não podemos envolver-nos nos valores dinamarqueses“, acrescentou a jovem, que vai começar a estudar Medicina Molecular na Universidade de Aarhus e é autora do blogue Niqab Lovers.

Para aqueles que sentem que têm o direito de dizer o que uma mulher muçulmana deve usar, digo isto: tu escolheste o teu vestido, eu escolhi o meu. E isso é o meu direito, escreveu no Twitter. Meryem já usava niqab antes de conhecer o marido, Ali, de 23 anos, que apoia o seu direito a usar o véu, mas admite que a vida seria mais simples sem ele.

Um grupo destas mulheres criou a Kvinder i Dialog(Mulheres em Diálogo) para debater este problema e têm feito workshops para se prepararem para o protesto de hoje, desenhando cartazes, mas também máscaras para aqueles que não usam véu islâmico e querem juntar-se à manifestação, prevista para as 17:00.

Não é conhecido o número de mulheres que usam atualmente burqa ou niqab na Dinamarca. Num relatório de 2010, o governo estimava que seriam entre 150 e 200, a maioria a usar o niqab.

Lei aprovada em maio

A lei proposta pelo governo de centro-direita do primeiro-ministro Lars Løkke Rasmussen (formado pelos liberais do Venstre, pelo Partido Popular Conservador e pela Aliança Liberal) foi aprovada no final de maio, com 75 votos a favor e 30 contra, com muita divisão entre os partidos. Houve ainda 74 abstenções, com alguns partidos a chegar a acordo para permitir que os seus deputados optassem por não estar presentes durante a votação.

Além das burqas e dos niqabs, também são proibidas as barbas falsas – os críticos alegam que isso só tornará mais provável que os homens muçulmanos, assim como os sikhs, sejam parados nas ruas e examinados -, máscaras e outro tipo de dispositivos que cubram o rosto. Só nos casos em que haja um “propósito digno” o rosto pode ser coberto, como, por exemplo, nos meses de inverno, para proteger do frio na rua. Caberá à polícia avaliar caso a caso.

A lei entra hoje em vigor, com as multas a começar nas mil coroas dinamarquesas (pouco mais de cem euros) e são aumentadas gradualmente. Quem insistir em desobedecer à lei pode acabar a pagar até dez mil coroas (cerca de 1300 euros). Uma tentativa de última hora do Partido Popular Dinamarquês (extrema-direita) de impor penas de prisão acabou por não se concretizar. Este partido, que atualmente é o segundo maior no Parlamento, defende desde 2009 a proibição.

“Todas as mulheres deviam ser livres de vestir o que querem e usar as roupas que expressam a sua identidade ou crença. Esta proibição vai ter um impacto particularmente negativo nas mulheres muçulmanas que escolhem usar o niqab ou a burqa”, disse na altura da aprovação da lei o diretor para a Europa da Anistia Internacional, Gauri van Gulik.

“Embora algumas restrições específicas ao uso de véus completos para fins de segurança pública possam ser legítimas, essa proibição geral não é necessária nem proporcional e viola os direitos à liberdade de expressão e religião“, acrescentou.

Os guetos

A expressão remonta ao século XVI e era usada em Veneza para descrever certas áreas da cidade às quais os judeus estavam limitados. E ganhou uma conotação ainda mais negativa durante a II Guerra Mundial.

Mas, na Dinamarca do século XXI, o termo é usado pelo governo desde 2010 para classificar oficialmente 25 bairros urbanos residenciais onde a maioria da população é oriunda de países não ocidentais (muitos deles muçulmanos) e em que, entre outras características, o desemprego ultrapassa os 40%.

No seu discurso de Ano Novo, o primeiro-ministro Rasmussen classificou estes bairros como “sociedades paralelas” e anunciou um plano para acabar com os guetos. Já em março apontou uma data: até 2030.

As dificuldades da Dinamarca em conciliar os seus imigrantes com o seu Estado social intensificaram-se em 2015, após a crise de refugiados que trouxe mais pessoas do  Oriente Médio e do norte de África.

Segundo dados oficiais de 2017, a percentagem de imigrantes não ocidentais nos guetos chega a 66,5%, apesar de eles só representarem 8,7% dos 5,7 milhões de habitantes do país.

Uma das medidas do plano do primeiro-ministro passa por obrigar as crianças dos guetos, a partir de 1 ano, a 25 horas semanais de educação pública que inclui aulas sobre “valores dinamarqueses”, como a democracia ou igualdade de gênero, mas também sobre importantes feriados, como o Natal, sob pena de os pais perderem os benefícios sociais, de acordo com a Reuters.

Outra das propostas do governo passa por sujeitar os habitantes dos guetos à dupla punição, aumentando-lhes as penas por crimes como vandalismo ou roubo.

Outros países que proíbem o véu islâmico

A França foi o primeiro país europeu a banir o seu uso nos locais públicos, em 2011, mas já desde 2004 que os alunos das escolas públicas estavam proibidos de usar símbolos religiosos. As mulheres que usam a burqa ou niqab arriscam multas de 150 euros e se alguém as obrigar a cobrir o rosto pode ser obrigado a pagar 30 mil euros.

Bélgica também proibiu o véu islâmico em 2011, podendo as mulheres ter de pagar multas de quase 1400 euros ou até ser detidas até sete dias.

Na Holanda, desde 2015 que existe uma proibição parcial. As mulheres não podem usar o véu islâmico em escolas, hospitais ou nos transportes públicos.

Na Bulgária é proibido o véu islâmico desde 2016, e naÁustria desde o ano passado. Em setembro de 2013, o cantão suíço de Ticino aprovou por 66% de votos num referendo proibir as burqas niqabs nos locais públicos, com o governo a recusar já neste ano fazer um referendo a nível nacional, deixando a decisão para cada cantão.

Uma lei a propor a proibição do véu islâmico durante as aulas foi proposta no início do ano na Noruega. O argumento é que isso trava a boa comunicação entre estudantes e professores. A ideia inicial era banir o uso destes véus nas escolas e universidades, mas as críticas obrigaram a recuar na proposta.

Anúncios

Estrela do xadrez indiana diz “não” ao uso de véu e se desliga de evento no Irã

A grã-mestre e ex-campeã mundial juvenil Soumya Swaminathan se retirou do Campeonato Asiático de Xadrez Feminino, a ser realizado em Hamadan, Irã , de 26 de julho a 4 de agosto, chamando a regra de “véu obrigatório” do país islâmico  de direitos pessoais.

Eu não quero ser forçada a usar lenço na cabeça ou burca . Acho que a lei iraniana de véu compulsório viola diretamente meus direitos humanos básicos, inclusive meu direito à liberdade de expressão e direito à liberdade de pensamento, consciência e religião. Parece que nas circunstâncias atuais, a única maneira de eu proteger meus direitos é não ir para o Irã , disse a ativista de 29 anos em seu Facebook. Ela é a n° 5 da Índia e a n° 97 do mundo entre as mulheres.

Em 2016, o principal atirador indiano Heena Sidhu havia se retirado do encontro Airgun Asiático no Irã, citando o mesmo motivo.

Não há lugar para um código de vestimenta religioso executável nos esportes

Soumya disse que quando ela deu a primeira indicação para fazer parte da equipe indiana, o país anfitrião seria Bangladesh e as datas seriam diferentes. “Mas uma vez que as novas datas e o novo local surgiram, eu me desculpei“, acrescentou ela. Quando perguntado se a “All India Chess Federation” (AICF) deveria ter protestado contra a decisão de colocar o torneio no Irã, a jovem de Pune Soumya disse ao TOI: “Eu não posso esperar que todos tenham a mesma opinião que eu. É uma questão subjetiva.

No entanto, em sua mensagem no Facebook, Soumya criticou o oficialismo. “Estou muito desapontada ao ver que os direitos e o bem-estar dos jogadores são pouco importantes enquanto distribuem e/ou organizam campeonatos oficiais“, escreveu ela.

“Eu entendo que o organi-D Harika e o Padmini Rout competiram nesse evento.

Entre outros jogadores de xadrez, as irmãs Muzhychuk, da Ucrânia, Anna e Mariya, têm se manifestado sobre direitos humanos e igualdade de gênero e se recusaram a jogar torneios de primeira linha na Arábia Saudita. A equipe campeã do evento do Irã se qualificará para o World Team Chess Championship. O Irã também deve sediar o campeonato aberto de equipes asiáticas simultaneamente.

Bharat Singh Chauhan, secretário honorário da Federação de Xadrez da Índia, não respondeu aos pedidos de comentários.

Com imagem ChessBase India e informações The Times of India

Macaco arranca véu de menina numa tribo muçulmana líbia e gera conflito com 16 mortos e 50 feridos

Quatro dias de confrontos entre milícias tribais rivais na cidade líbia de Sabha deixaram pelo menos 16 pessoas mortas e 50 feridos. A violência teria sido desencadeada por um macaco que arrancou o véu de uma menina.
O macaco, que pertencia a um comerciante da tribo Gaddadfa, tirou a vestimenta de uma estudante da tribo Awlad Suleiman que estava passando com um grupo de outras meninas, informou a Reuters, citando moradores locais.

Os combatentes Awlad Suleiman retaliaram em resposta, matando três membros da tribo Gaddadfa juntamente com o macaco em uma onda de violência envolvendo armas pesadas.

“Houve uma escalada no segundo e terceiro dias com o uso de tanques, morteiros e outras armas pesadas”, disse um morador local à agência por telefone, acrescentando que “ainda há confrontos esporádicos e a vida é completamente fechada nas áreas onde têm havido lutas “.

Sabha está localizado em uma parte tribal do sul da Líbia. Como outras partes do país, o local continua atormentado pela violência entre facções rivais. A região é também um importante centro para o contrabando de armas, tráfico de refugiados e outras atividades ilegais. Os Gaddadfas e os Awlad Suleiman são as duas facções mais poderosas na região de Sabha.

No domingo, o Centro Médico Sabha recebeu os corpos de 16 pessoas mortas nos confrontos, bem como cerca de 50 feridos, disse um porta-voz da instalação.

“Há mulheres e crianças entre os feridos e alguns estrangeiros de países da África subsaariana entre os mortos devido a bombardeios indiscriminados”, disse ele.

Depois de ser um dos países mais ricos do norte da África, a Líbia mergulhou no caos depois que uma revolta apoiada pela OTAN derrubou o poderoso Muammar Gaddafi em 2011. O país é agora um importante centro de contrabandistas humanos que transportam refugiados de toda a região para a Europa.

https://www.rt.com/news/367580-monkey-headscarf-clashes-libya/

Irã prende modelos por não cobrirem a cabeça nas redes sociais

Ao menos sete mulheres acusadas de publicar fotos sem o véu obrigatório no país foram presas por atos “anti-islâmicos” no Instagram e diversos perfis foram desativados.

A justiça iraniana lançou uma de suas campanhas periódicas de repressão às redes sociais neste domingo, com a prisão de sete mulheres acusadas de publicar fotos sem cobrir a cabeça com o hijab, véu obrigatório no país desde 1979. Como parte da operação, a TV estatal também transmitiu ao vivo o interrogatório de uma ex-modelo que fazia sucesso no Instagram com fotos consideradas “anti-islâmicas”.

No depoimento de Elham Arab, famosa por publicar fotos em vestidos de noiva, a modelo disse que se arrependia de seus atos e explicou ter postado imagens usando certas roupas ou produtos de beleza para ganhar dinheiro com comerciais. “Você pode ter certeza que nenhum homem quer casar com uma mulher cuja fama custou a perda de sua honra”, afirmou Arab, vestindo um lenço preto.

De acordo com a rede Al Jazeera, não foram divulgadas quais são as acusações contra a ex-modelo, nem os nomes das outras pessoas presas. A reportagem da TV estatal afirmava que a operação identificou cerca de 170 pessoas envolvidas com a “indústria ilegal” de moda nas redes, incluindo 58 modelos, 59 fotógrafos e alguns maquiadores. Além disso, outros perfis suspeitos foram derrubados no Facebook e no Instagram, divulgou a polícia iraniana.

LEIA TAMBÉM:

Obama destaca aliança com aliados do Golfo, apesar de diferenças sobre Irã

Apesar de o governo do presidente Hassan Rouhani não ser rígido em reforçar o uso do hijab, conservadores da polícia e do sistema judiciário do Irã veem na exposição dos cabelos um ato imoral. Nos últimos anos, algumas mulheres, especialmente na capital Teerã, têm usado o lenço mais solto na cabeça, causando a revolta dos setores mais fundamentalistas.

Blogueiro preso – Nesta segunda-feira, a agência de notícias estudantil semioficial Isna também relatou a prisão do blogueiro Mehdi Abutorabi, de 53 anos, que gerencia a ferramenta de publicação Persian Blog, equivalente iraniano do Blogger. O Irã impede o acesso a Facebook, Twitter e YouTube, mas milhões de cidadãos contornam facilmente o bloqueio usando redes privadas virtuais. O aiatolá Ali Khamenei, autoridade máxima do país, disse no sábado que a internet está incentivando pensamentos não islâmicos que devem ser enfrentados de imediato.

(Com Reuters)

http://veja.abril.com.br/noticia/mundo/ira-prende-modelos-por-nao-cobrirem-a-cabeca-em-campanha-de-repressao-nas-redes-sociais

“Estado deve ser laico, mas a França exagera”, diz papa Francisco

Para Jorge Bergoglio, legislação francesa erra ao não prever direito de “exteriorizar” a fé e impedir muçulmanas de usar véu.

Líder da Igreja Católica, o papa Francisco defendeu que um Estado deve ser laico, mas disse que a França “tende a exagerar na laicidade”. A declaração foi feita poucas semanas depois de o presidente francês François Hollande desistir de emplacar um embaixador assumidamente homossexual na Santa Sé. “Um Estado deve ser laico. Os Estados confessionais terminam mal. Mas a França tende a exagerar na laicidade devido a um modo de considerar as religiões como uma subcultura, e não como uma cultura verdadeira”, alfinetou o pontífice.

O papa destacou que é preciso haver uma lei que permita a liberdade de “exteriorizar” sua fé. A legislação francesa prevê limitações na “manifestação de filiações religiosas” para “proteger os direitos dos outros cidadãos”.

A medida atinge principalmente mulheres muçulmanas, proibidas de usar véus em repartições públicas. “Se uma muçulmana quer usar o véu, deve poder fazê-lo. A mesma coisa serve para um cristão que usa um crucifixo”, acrescentou Francisco.

O papa também comentou que foi convidado por Hollande para visitar Paris, mas não sabe quando isso ocorrerá, já que o país terá eleições presidenciais em 2017 e a Santa Sé costuma evitar viagens internacionais durante períodos de campanha.

Cobrir as Mulheres: A Arma Mais Poderosa dos Islamistas

  • A primeira vítima da guerra islamista na Argélia foi Katia Bengana, uma menina que se recusou a usar o véu, que mesmo quando diante dos carrascos que apontavam as armas para a sua cabeça permaneceu fiel aos seus princípios. Em 1994, Argel acordou, literalmente, com pôsteres colados nos muros anunciando a execução de mulheres sem véus.
  • Em abril de 1947 a Princesa Lalla Aisha fez um pronunciamento em Tânger, as pessoas ficaram estupefatas com aquela menina sem véu. Em questão de semanas, mulheres por todo o país se recusaram a usar o véu. Hoje o Marrocos é um dos países mais liberais do mundo árabe.
  • Em meados dos anos 1980 a Lei Islâmica (Sharia) foi introduzida em diversos países, as mulheres no Oriente Médio foram colocadas em uma prisão portátil e na Europa voltaram a usar o véu para recuperar sua “identidade”, vale dizer, a recusa em assimilar valores ocidentais e a islamização de muitas cidades européias.
  • Em primeiro lugar as mulheres foram obrigadas a usar véus, feito isso, os islamistas iniciaram a jihad contra o Ocidente.

 

Continuar lendo Cobrir as Mulheres: A Arma Mais Poderosa dos Islamistas

Polícia de Teerã rebocará carros de mulheres sem véu

Uso do véu é obrigatório no Irã para todas as mulheres.
Em alguns bairros de Teerã, é comum ver motoristas descobertas.

Os carros conduzidos ou levando mulheres sem véu ou que não estejam suficientemente cobertas serão rebocados, anunciou o chefe da polícia de trânsito de Teerã, no Irã, citado nesta quarta-feira (2) pela agência Isna.

“Se uma pessoa em um carro estiver mal coberta ou sem véu, o veículo será rebocado, de acordo com a lei”, afirmou o general Teymur Hosseini.

Desde a revolução islâmica de 1979, o uso do véu é obrigatório no Irã para todas as mulheres, inclusive as estrangeiras.

Em alguns bairros ricos do norte de Teerã, no entanto, não é raro ver as motoristas descobertas, com véu apenas nos ombros.

O presidente moderado Hassan Rohani, eleito em junho de 2013, defende uma maior abertura política e social, em relação ao que diz respeito ao código de vestimenta.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/policia-de-teera-rebocara-carros-de-mulheres-sem-veu.html