Arquivo da tag: #violações de direitos humanos

Irã: A “potência genocida” protegida pela “parceria ocidental”

Por Andréa Fernandes

Na quinta-feira, o presidente Donald Trump deu visibilidade em suas redes ao drama do famoso campeão iraniano de luta livre Navid Afkari, um jovem de 27 anos condenado à pena de morte pelo gravíssimo “crime-pecado” de participar de protestos contra o governo teocrático islâmico xiita[1]. A mídia não costuma divulgar, mas em países muçulmanos a liberdade de expressão é proibida assim como a crítica aos governantes “iluminados por Allah”.

O site de notícias Iran International informou que o tribunal da cidade de Shiraz determinou duas sentenças de morte contra Afkari, além de condenação a 6 anos e 6 meses de prisão e 74 chicotadas por participar de protestos pacíficos em 2018 contra o agravamento da situação econômica do país e o aumento estrondoso da inflação. Uma das sentenças foi aplicada por um “tribunal criminal” e a outra por um “tribunal revolucionário”, pois o “culto à morte” dos “infiéis não-alinhados” é um verdadeiro “altar do regime” desde a sangrenta Revolução em 1979.

A jornalista dissidente iraniana Behieh Namjou, noticiou que o lutador tem irmãos presos injustamente pelo regime[2]. Mas, ativistas de direitos humanos e iranianos da diáspora estão protestando nas redes aumentando a exposição de tamanha violação de direitos humanos, o que levou Trump a interceder pelo jovem através do Twitter[3] pedindo: “…Aos líderes do Irã, eu agradeceria muito se poupassem a vida desse jovem, e não o executassem. Obrigado!”

Segundo a Fox News, aAgência de Notícias de Ativistas de Direitos Humanos (HRANA) publicou uma imagem de uma carta de Navid Afkari na qual ele afirma que as autoridades iranianas o torturaram para forçá-lo a confessar as acusações fabricadas contra ele. Sua cabeça foi coberta com um saco plástico e álcool foi derramado em suas narinas como parte da tortura”[4].

No entanto, a TV estatal iraniana divulgou no sábado a suposta confissão por escrito de Afkari sobre a acusação de assassinato, muito embora a vítima do regime autoritário tenha dito numa gravação que circula nas redes sociais que foi COAGIDO a assinar o termo de confissão, o que é comum no país que promove tortura contra presos.

ONU em estado de absoluta “conivência”

Outros líderes globais “parceiros” no projeto armamentista genocida do Irã, tais como França e Reino Unido – que se abstiveram em votação no Conselho de Segurança da ONU para prorrogar embargo a compra de armas[5] – não se sensibilizaram com a grave violação de direitos humanos mantendo-se calados, porém, a instituição UN Watch expôs a conivência das Nações Unidas ao twitar[6] solicitando manifestação do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, em relação ao fato de “A República Islâmica do Irã ser membro da Comissão de Justiça Criminal das Nações Unidas”, apesar de sentenciar um nacional à pena de morte por exercer o direito supostamente “universal” à liberdade de expressão.

Se a ONU não se interessa em preservar a vida de milhões de pessoas através do impedimento à ascensão nuclear de um país, cuja liderança genocida promete publicamente destruir Israel, por que se importaria com a vida de um jovem atleta?

Na realidade, os jornalistas e humanistas histéricos que ficam chocados quando Israel bombardeia alvos do grupo terrorista Hamas em Gaza ou quando conservadores brasileiros protestam contra “o assassinato de feto a mando da própria mãe” – conhecido como “aborto” – costumam não se importar com as perversidades na terra dos aiatolás.

No “território do terror”, a lei islâmica promove verdadeiro “culto à morte”

Em relatório para a Assembleia Geral da ONU[7], Javaid Rehman, especialista em direitos humanos da ONU, afirmou em 2019, que houve aumento das restrições ao direito à liberdade de expressão e ininterruptas  violações dos direitos à vida, à liberdade e ao julgamento justo no Irã, salientando a realização de pelo menos 253 execuções de adultos e CRIANÇAS. O especialista relatou que o país tem  mais de 80 CRIMES PUNÍVEIS COM PENA DE MORTE, dentre os quais, adultério, homossexualidade, posse de drogas, “guerra contra Allah”, corrupção na terra, blasfêmia e insulto ao profeta Mohammad.

A instituição Iran Human Rights (IHR) divulgou Relatório[8] em julho denunciando pelo menos 123 execuções nos primeiros 6 meses do ano em diferentes partes do Irã. Desse total, apenas 36 execuções foram anunciadas pela mídia e autoridades locais, sendo as demais realizadas em “segredo”. Frisa, ainda a instituição:

“Isso mostra uma taxa de crescimento de mais de 10% em relação ao mesmo período de 2019. Nos primeiros seis meses de 2019, 110 pessoas foram executadas nacionalmente. (…) O número real de execuções pode ser muito maior do que os altos números já relatados.

A IHR revela que 4 iranianos foram executados em razão de “moharebeh” (inimizade contra Deus), e um deles foi morto sob acusação de “ter ligações com partidos da oposição” e os demais por acusações de fundamento desconhecidos.

Nem mesmo a “ingestão de bebida alcóolica” foi perdoada. A reincidência levou o iraniano Mortaza Jamali, de 55 anos, à pena de morte[9], pois o medieval Código Penal Islâmico prevê punição de 80 chibatadas em caso de consumo de bebida alcóolica, mas se o “infrator” for sentenciado e condenado três vezes, a pena na quarta “ação criminosa” é a morte.

Para agravar a covardia, muitos dos “crimes” não são considerados “graves” de acordo com o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Empresários e comerciantes são executados sob acusação de  “crimes econômicos”[10] e qualquer ação considerada “temerária” pelo regime pode resultar na pena capital, já que o promotor de Teerã, Jafari Dolatabadi, exortou os “importadores que abusam dos subsídios do governo”, salientando que podem ser acusados de “corrupção na terra”, o que possibilita a prolação de sentença de morte, medida que tem apoio de jornais e parlamentares reforçando o posicionamento do promotor para “executar pessoas  responsáveis por contribuir para a instabilidade econômica do país[11]. Mas, os “corruptos apadrinhados” que ocupam altos cargos no regime gozam de imunidade.

O Relatório da ONU conduzido por Rehman reforçou a declaração da Chefe dos Direitos Humanos da ONU, Michele Bachelet afirmando que a execução de crianças infratoras “é absolutamente proibida e deve terminar imediatamente”. Contudo, considerando a característica “leve” de violação de direitos humanos, a “quadrilha das Nações Unidas” não aplicou nenhuma sanção e os humanistas não protestaram em frente às embaixadas iranianas. Sugestão de boicote? Nem pensar! Antropólogos versados em “Ocidentalismo” ensinam a respeitar a “diversidade cultural assassina”.

De acordo com a Anistia Internacional, a crueldade do regime dos Aiatolás  que promove “execuções em massa”, deu ao Irã o status de “segundo carrasco mais prolífico do mundo.

Mulheres e crianças na mira do “fundamentalismo assassino”

No auge do descaso com a vida humana, Michele Bachelet, diante de dois casos de adolescentes açoitados e executados, cujas confissões foram obtidas através de tortura e toda sorte de violações do devido processo legal, se limitou a dizer[12]:

“Mais uma vez, apelo às autoridades para que detenham todas as execuções de jovens infratores e comutem imediatamente todas as sentenças de morte”.

Até as feministas engolem a barbárie do “regime racista, misógino e patriarcal” do Irã. A ativista e advogada Nasrin Sotoudeh foi condenada em março do ano passado a 38 anos de prisão e 148 chibatadas “em relação ao seu trabalho na defesa de mulheres acusadas de protestar contra o hijab obrigatório”. Nenhuma feminista resolveu se desnudar em protesto contra o símbolo máximo do “machismo islâmico”, o hijab. As iranianas continuam sendo presas, torturadas e estupradas ao tentar se libertar do autoritarismo machista, mas os “costumes impositivos muçulmanos” não estão no rol de violações de direitos humanos das mulheres progressistas.

Em agosto, um documentário do jornal Al Arabiya denunciou  crimes contra mulheres mantidas em prisões. Os depoimentos são estarrecedores: as detentas solteiras são frequentemente casadas à força ou estupradas antes da execução, uma vez que as autoridades das penitenciárias creem que se as mulheres forem mortas na condição de “virgens”, irão para o céu, destino indevido que as autoridades perversas tentam impedir através do estupro.

Aos manifestantes é assegurado o “direito sagrado à tortura”

Relatório da Anistia Internacional[13] divulgado em Maio revela a implementação de repressão brutal que impôs a prisão de mais de 7 mil homens, mulheres e crianças de até 10 anos. Teriam sido 304 pessoas mortas pelas forças de segurança  durante os protestos realizados em novembro de 2019. Os iranianos presos recentemente em virtude das manifestações antigovernamentais sofreram tortura física, sexual e psicológica, conforme imagens de vídeo e entrevistas com mais de 75 pessoas, envolvendo vítimas e parentes das mesmas.

Retirada forçada das unhas, choque elétrico nos órgãos genitais e execução simulada com armas e cordas, administração forçada de substâncias químicas, spray de pimenta, espancamentos e afogamentos eram alguns dos métodos utilizados por autoridades do regime e as acusações que fundamentaram as prisões arbitrárias realizadas em 28 das 31 províncias do país eram diversas, incluindo a participação em “protestos ilegais” e “compartilhamento de vídeos dos protestos com familiares, amigos, meios de comunicação ou redes sociais”.

Os detidos feridos eram privados do direito ao tratamento médico e medicamentos correspondentes, ainda que vítimas de armas de fogo e espancamentos.

Minorias reféns do terror

Nenhum segmento da sociedade iraniana está seguro em relação às ações autoritárias do regime, já que as instituições de repressão aumentaram a vigilância e punição sobre os sindicalistas, motoristas de caminhão, professores, operários de fábricas e outros profissionais que protestaram em favor dos seus direitos trabalhistas. Aqueles que ignoraram as ameaças foram intimados, presos e acusados de crimes variados, como por exemplo, “espalhar propaganda contra o Estado” e “perturbar a ordem pública e a paz por meio de participação em reuniões ilegais”, o que resulta em prisões e chicotadas.

As minorias étnicas e religiosas também sofrem violações de direitos humanos. A comunidade Bahai ocupa a posição lamentável de maior minoria religiosa não-muçulmana e não-reconhecida do Irã, sendo contínua as “mais flagrantes formas de repressão, perseguição e vitimização.” Já a minoria sunita, que representa aproximadamente 10% da população é atingida por medidas de Apartheid garantidas pela Constituição, a qual os proíbe de ocupar cargos religiosos relevantes, sendo certo que não foi permitida a construção de mesquita na capital desde 1970. Infelizmente, a rivalidade e ódio sectário entre sunitas e xiitas remonta à morte do profeta.

Pior situação é a dos cristãos convertidos, considerados “apóstatas” pelo regime, o que impede o reconhecimento oficial de igrejas. Esses cristãos devem se reunir clandestinamente e sofrem perseguição estatal terrível por ser considerados “inimigos do Estado”. Segundo a lei iraniana, os cristãos “agem contra a segurança nacional”.

As minorias étnicas, dentre as quais, ahwazis árabes, turcos do Azerbaijão, baluchis e curdos, sofrem com a negação de direitos humanos básicos. Os presos políticos da etnia curda também costumam ser acusados de praticar “crimes contra a segurança nacional” e compõem  quase metade do número total de presos políticos no país.

Por que o Ocidente se cala?

Grande parte das desgraças promovidas pelo regime iraniano contra a população vem sendo fartamente relatada por testemunhas e instituições de direitos humanos, porém, não vemos o engajamento de artistas, políticos, intelectuais, humanistas. Por quê? O jornalista Reza Parchizadeh responde: o regime iraniano passou a se infiltrar e influenciar o sistema educacional americano, por perceber que no Ocidente, a academia desempenha papel importantíssimo na política do dia-a-dia e nos planos políticos de longo prazo.  Colocando em prática essa estratégia no “coração do ocidente” cria um “escudo” para espalhar sua ideologia e “se defender dos seus adversários”.

Afirma  Parchizadeh:

O meio acadêmico no Ocidente em geral e nos Estados Unidos em particular, favorece automaticamente a República Islâmica. E isso faz sentido. As correntes esmagadoramente esquerdistas na academia veem um aliado estratégico – senão totalmente ideológico – no regime iraniano em sua luta contra o suposto capitalismo e imperialismo do establishment político ocidental. Além disso, o aparato de segurança do regime iraniano também manipula conscientemente a academia ocidental por meio de financiamento, modelagem de currículo e implantação de professores, pesquisadores e estudantes pró-Teerã em universidades americanas e outros centros de ensino superior e pesquisa.”

A influência dominadora se dá de forma organizada há décadas e várias instituições trabalham nesse sentido. Parchizadeh discorre sobre a Fundação Alavi, braço estrangeiro da Fundação Mostaz’afan da Revolução Islâmica, instituição que representa um poderoso conglomerado político e financeiro vinculado diretamente ao Aiatolá e à Guarda Revolucionária, que funciona desde a Revolução Iraniana como uma “entidade de fachada” visando promover a ideologia e atividades pró-regime na América do Norte, utilizando o método predileto de financiar Departamentos de Estudos iranianos, islâmicos e do Oriente Médio nos mais renomados centros de ensino superior e instituições afins para que reverberem a concepção do regime nessas áreas.

Um relatório da entidade Conservative Review aponta que a Fundação Alavi financiou e instituiu professores e currículos apoiadores do Irã em 41 universidades estadunidenses. Aliás, a universidade onde o blogueiro de extrema-esquerda Guga Chacra estudou – Columbia University – recebeu esses “mimos” da ditadura genocida. Daí, o “respeito” do militante que se nega a reconhecer a facção Hezbollah como organização terrorista.

Além de “tapar os olhos” dos manipulados ideologicamente no que concerne às violações de direitos humanos contra a população iraniana e minorias que vivem naquele território, bem como toldar os projetos imperialistas e as intervenções carniceiras na Síria, Iraque, Líbano e Iêmen, os “filhotes institucionais do regime” promoveram o “desacerto global” de apoiar o perigoso “acordo o nuclear”.

A omissão conivente que não resiste à barbárie e a prevalência da presunção de boa-fé em relação à uma ideologia assassina “açucarada” pelo veneno multiculturalista mostra que no quintal do “Grande Satã”, quem “canta de galo” é Allah!

Andréa Fernandes – advogada, internacionalista, jornalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires (EVM).

Imagem: The Media Express


[1] https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2020/09/04/Trump-calls-on-Tehran-not-to-execute-27-year-old-Iranian-wrestler?utm_source=insider&utm_medium=web_push&utm_campaign=en_trump_iranian_wrestler_&webPushId=MjI0NzU=

[2]https://twitter.com/AlinejadMasih/status/1300465583583002630?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1300465583583002630%7Ctwgr%5Eshare_3&ref_url=https%3A%2F%2Fwww.foxnews.com%2Fworld%2Firan-imposes-double-execution-on-champion-wrestler-for-peacefully-protesting-regime

[3]https://twitter.com/realDonaldTrump/status/1301627761715490817?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1301627761715490817%7Ctwgr%5Eshare_3&ref_url=https%3A%2F%2Fenglish.alarabiya.net%2Fen%2FNews%2Fmiddle-east%2F2020%2F09%2F04%2FTrump-calls-on-Tehran-not-to-execute-27-year-old-Iranian-wrestler

[4] https://www.foxnews.com/world/iran-imposes-double-execution-on-champion-wrestler-for-peacefully-protesting-regime

[5] https://oglobo.globo.com/mundo/em-derrota-para-os-eua-conselho-de-seguranca-da-onu-rejeita-extensao-do-embargo-de-armas-ao-ira-24587487#:~:text=As%20san%C3%A7%C3%B5es%20unilaterais%20americanas%20ao%20Ir%C3%A3%20foram%20restabelecidas.&text=Mas%2C%20com%20o%20acordo%20de,com%C3%A9rcio%20de%20armas%20pelo%20Ir%C3%A3.

[6] https://twitter.com/UNWatch/status/1299827990080229377

[7] https://english.alarabiya.net/en/features/2019/08/17/UN-expert-Executions-in-Iran-among-the-world-s-highest

[8] https://iranhr.net/en/articles/4311/

[9] https://www.amnesty.org/en/latest/news/2020/07/iran-man-executed-for-drinking-alcohol/

[10] https://www.arabnews.com/node/1424271/middle-east

[11] https://www.hrw.org/news/2018/08/10/irans-judiciary-threatens-executions-economic-crimes

[12] https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2019/05/03/UN-rights-chief-says-appalled-by-Iran-execution-of-two-minors-

[13] https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2020/09/02/Iran-tortures-protesters-with-fingernail-removal-electric-shock-mock-killing-Repor

Novos casos de violação de crianças revelados na Finlândia – Presidente diz que os requerentes de asilo trouxeram o mal com eles

Vários casos de estupro e abuso de crianças, com perpetradores estrangeiros, foram revelados em Oulu, no norte da Finlândia, desde o último outono, informou  Fria Tider.

A polícia está investigando outros quatro casos com meninas menores de 15 anos, onde três perpetradores de origem estrangeira foram presos suspeitos de estupro e abuso sexual grave de crianças.

Em todos os casos, os suspeitos têm antecedentes como refugiados ou requerentes de asilo.
E agora a polícia em Helsinque prendeu vários migrantes suspeitos de estupro grave e abuso sexual grave de crianças. Os crimes foram cometidos nos últimos dois meses.

Nenhum link direto com os casos em Oulu é conhecido atualmente.

O primeiro-ministro da Finlândia, Juha Sipilä, escreveu no Twitter: “Como resultado dos eventos desumanos e repreensíveis em Oulu e Helsinque, o governo se reunirá na próxima semana nas negociações tanto na terça quanto na sexta-feira.

É insuportável que as pessoas que pediram e até receberam asilo trouxeram esse mal e causaram insegurança aqui“, disse o presidente do país, Sauli Niinistö, em um comunicado.

A polícia de Helsínquia salienta a importância de os pais informarem os seus filhos para serem cautelosos nas redes sociais, onde os violadores estrangeiros encontram as suas vítimas.

Com imagem e informações Voice of Europe

 

Casos de mutilação genital feminina mais que dobraram no Reino Unido no ano passado

Na semana passada, as práticas abomináveis ​​do Dr. Fakhruddin Attar e da médica do pronto-socorro, Jumana Nagarwala, foram expostas depois que realizaram procedimentos de mutilação genital feminina (FGM) depois de horas em um consultório médico fora de Detroit.

Era alarmante o suficiente para que algo assim acontecesse nos Estados Unidos – então, naturalmente, a mente pode vagar para questionar como o Reino Unido – com sua política de fronteiras abertas irrestritas e envio de migrantes em massa- tem suas estatísticas em comparação com os poucos casos da prática brutal registrados nos EUA.

A resposta é muito, muito pior …

Em apenas um ano, o número de meninas na Inglaterra que vivenciaram ou correm risco de sofrer MGF mais do que dobrou , de acordo com assistentes sociais.

Entre 2017 e 2018, o número de casos de mutilação genital feminina subiu para 1.960; em comparação com apenas 970 no ano anterior. O aumento foi atribuído a uma melhor detecção por parte dos assistentes sociais e os especialistas afirmam que a verdadeira ocorrência de casos de MGF é provavelmente muito mais elevada, uma vez que continua a ser um crime oculto e silencioso.

Tal como está, mais de 30 casos por semana estão agora a chamar a atenção dos assistentes sociais no Reino Unido – atendendo ao aumento sem precedentes de casos em tão pouco tempo.

Anita Lower, Associação de Governo Local (LGA) que trabalha com a epidemia de MGF, disse:

Esses números mostram a preocupante prevalência da MGF, que está arruinando vidas e destruindo comunidades. No momento em que deveriam estar se preparando para a vida adulta e gostando de ser jovens, nenhuma menina ou jovem deveria estar sujeita aos horrores da mutilação genital, que é abuso infantil e não pode ser justificada por qualquer motivo ”.

O grupo de Anita está pedindo mais financiamento governamental para serviços para crianças e para o National FGM Center – uma iniciativa entre a LGA de Anita e a organização Barnardo, que trabalha nas comunidades afetadas pela MGF e constrói conexões com as famílias para tentar prevenir a prática.

Nos últimos dois anos e meio, o National FGM Center trabalhou com 354 famílias e emitiu 22 ordens de proteção FGM.

As ordens de proteção impõem condições para proteger as meninas vitimadas e prevenir possíveis vítimas, como a entrega de passaportes de membros da família, para que garotas jovens não possam ser levadas para fora do país para procedimentos de mutilação genital feminina.

Leethen Bartholomew, chefe do National FGM Center, declarou:

“Enquanto estamos avançando no combate à MGF, essas estatísticas alarmantes mostram que ela ainda está sendo praticada em comunidades por toda a Inglaterra. Ainda mais preocupante é que esses números provavelmente serão apenas a ponta do iceberg, porque muitos casos de FGM não são detectados ”.

Embora a MGF tenha sido proibida no Reino Unido desde 1995, é evidente que o procedimento ainda é praticado nas comunidades. Números do Serviço Nacional de Saúde mostraram que a equipe médica registrou um total de 4.495 novos casos de MGF ao longo de 12 meses – ou o equivalente a uma menina submetida ao procedimento a cada duas horas.

Estima-se que 137 mil mulheres e meninas na Grã-Bretanha sejam vítimas do abuso, mas nem um único processo relativo à prática desumana veio a luz do dia.

Com o mundo ocidental competindo e defendendo os direitos e a igualdade das mulheres, deve-se imaginar como algo tão abominável como a MGF é permitido passar sem qualquer ultraje ou furor.

Com imagem e informações Voice of Europe

Família de Asia Bibi: “Não temos mais nada para comer”

Eles estão implorando para ser autorizados a deixar o Paquistão

Com Asia Bibi e sua família temendo por suas vidas, seu marido pediu à comunidade internacional que os ajudasse a deixar o país.

Falando à instituição de caridade católica Ajuda à Igreja que Sofre, Ashiq Masih descreveu como a família ainda vive escondida após pedir que sua esposa não seja morta depois que ela foi absolvida de blasfêmia na última quarta-feira (31 de outubro).

Ele disse: “Ajude-nos a sair do Paquistão. Estamos extremamente preocupados porque nossas vidas estão em perigo. Não temos mais nada para comer, porque não podemos sair de casa para comprar comida. ”

Protestos violentos organizados pelo movimento político islâmico Tehreek-e-Labbaik, após a absolvição de Asia Bibi, forçaram a família a permanecer escondida.

A fim de acabar com os protestos, o governo do Paquistão concordou com um acordo que permitiu que Tehreek-e-Labbaik iniciasse um processo para que Asia Bibi fosse inserida na “lista de controle de saída” para impedi-la de sair do país.

O governo também se comprometeu a não se opor a qualquer revisão de seu veredicto de apelação.

Asia Bibi ainda está na prisão, apesar dos juízes da Suprema Corte terem ordenado sua libertação quando sua sentença foi revogada.

O Sr. Masih pediu que a mídia e a comunidade internacional continuem a se concentrar no caso de sua esposa: “Como é necessária essa atenção que mantém a Ásia viva até hoje”.

Referindo-se aos eventos da ACN em que a família falou sobre sua situação, incluindo a iluminação do Coliseu em fevereiro, o Sr. Masih disse: “Agradeço à Aid to the Church in Need, em particular por nos dar a oportunidade de falar ao mundo”.

Saif ul-Malook, advogado de defesa da Ásia Bibi, deixou o Paquistão devido a preocupações de segurança e agora está na Holanda. Ele pretende organizar uma coletiva de imprensa no final desta semana.

Após um apelo aos governos do Reino Unido, dos EUA e do Canadá no último final de semana pedindo que ofereçam asilo para a família, o Sr. Masih também apelou ao governo italiano para oferecer-lhes refúgio.

Ele disse: “Eu apelo ao governo italiano para ajudar minha família e eu a sair do Paquistão”.

A família também pediu asilo na Espanha e na França. Eles esperam que todos os filhos de Asia Bibi recebam asilo.

Com informações Catholic Herald

Gaza: O casamento em massa que a mídia internacional não vai noticiar

As autoridades [você pode chamá-los de tiranos] que controlam a Faixa de Gaza se dobram e gesticulam diante da imprensa internacional para vender “melhor” a ideia da crise humanitária em Gaza. As imagens que vemos das localidades pobres, com pessoas que vivem na miséria são reais e, claro, elas são. O problema não é se há pobreza em Gaza ou não, o problema é, na verdade, a causa dessa condição de abandono.

A cúpula do Hamas, que, como vimos, vive no meio de luxos inimagináveis, vendeu com sucesso a ideia de que esta crise se deve ao bloqueio israelense da Faixa de Gaza.

A verdade é que Israel não bloqueia nenhuma doação humanitária, nunca o fez. O problema é que essa ajuda humanitária não é distribuída pela liderança do Hamas até atingir os mais necessitados, mas é vendida para sua própria população.

Seus habitantes são explorados na construção de túneis com os quais poderiam acessar melhores benefícios dessas doações. O propósito destes túneis é levar Israel às incursões terroristas e ao Sanai egípcio por contrabando e para mobilizar os militantes do ISIS no Sinai que se refugiam em Gaza.

O bloqueio de Israel à Faixa de Gaza está impedindo toda contribuição para terror. Como os barcos carregados com “doações humanitárias ” do Irã, como lançadores de morteiros com suas munições, matérias-primas para fabricação de explosivos, dinheiro para fortalecer ainda mais a cúpula terrorista de Haniyeh e seu bando e de sanguinário.

Mas quanto prazer a mídia internacional espalhar a ideia de “crise humanitária” com muitos apologistas da hipocrisia da mídia executando suas implicações pseudomoralistas com mensagens contra o “bloqueio desumano ” por Israel à Faixa de Gaza.

Mas, claro, nada é dito sobre o recente casamento em massa realizado em Beit Lahia, em Gaza, no qual 330 ” casais ” contraíram núpcias.

Especificando isso,  é um casamento em particular em que o noivo triplica em idade para ” a noiva ”  e não é que eles são namorados  nonagenários , de qualquer forma, mas porque, na realidade, as ” noivas”  são meninas . É isso mesmo, crianças que nem sequer entraram na puberdade.

Aqui na página você tem botões sociais para compartilhar, é nosso dever mais uma vez divulgar o que a grande mídia de massa está em silêncio.

Com imagem e informações Israel Noticias

Fome no Iêmen está prestes a ser a mais grave do mundo em 100 anos

Ao menos 22 milhões de pessoas dependem atualmente de ajuda humanitária para sobreviver no Iêmen, em guerra civil desde 2015

Iêmen, país que vive três anos de uma violenta guerra civil, está prestes a se tornar a maior crise de fome no planeta em cem anos, se os bombardeios da coalizão liderada pela Arábia Saudita, e que tem o apoio dos Estados Unidos, Reino Unido e França. O alerta veio da Organização das Nações Unidas no início desta semana. De acordo com estimativas recentes da entidade, 18 milhões de pessoas vivem em “insegurança alimentar”.

Lise Grande, diretora de ajuda humanitária da ONU no país,  prevê que a fome possa se alastrar pelo Iêmen nos próximos três meses. Atualmente, cerca de 13 milhões de pessoas estão ameaçadas de carência alimentar. “Muitos acreditavam ser inimaginável que em pleno século 21 veríamos uma crise de fome como na Etiópia e em partes da União Soviética”, disse ela em entrevista à rede de notícias BBC e repercutida pelo jornal britânico The Guardian.

Guerra no Iêmen

Um dos países mais pobres do mundo, o Iêmen está em conflito desde idos de 2015, quando rebeldes huthis se levantaram contra o presidente iemenita Abedrabbo Mansour Hadi. A guerra civil se agravou na medida em que os diferentes lados passaram a ser apoiados por diferentes potências militares em 2015. Do lado dos huthis, que conseguiram se consolidar e controlar grandes territórios no país (a capital Sana, inclusive), está o Irã e do lado do governo, que ganhou reconhecimento internacional, a coalizão saudita.

Os efeitos desse conflito na população civil têm sido devastadores. O país sofre uma série de sanções que vêm dificultando o acesso à ajuda humanitária nas áreas emergenciais, vive uma onda de recrutamento de crianças para servirem como soldados. Desde 2015, ao menos 10 mil pessoas foram mortas no conflito, 2.200 delas crianças, e 22 milhões dependem de assistência de organizações não governamentais para sobreviver.

A coalizão saudita é frequentemente acusada pelos rebeldes de engajar em bombardeios e ataques que causam fatalidades civis. Como resultado, o Conselho de Direitos Humanos da ONU começou a investigar possíveis crimes de guerra no Iêmen. Embora reconheça que as ações da coalizão são as que mais afetaram civis, o órgão nota que os rebeldes também são potencialmente culpados por esses crimes.

Com imagem e informações Exame

Malásia: polícia prende diretor de escola islâmica por sodomizar estudantes

O diretor de um centro tahfiz (escola islâmica) em Kepong foi detido pela polícia por supostamente sodomizar nove estudantes da escola.

O vice-chefe de polícia de Kuala Lumpur, Zainuddin Yaacop, disse que o suspeito de 30 anos foi preso um dia depois que a polícia recebeu um relatório de um professor no centro em 13 de setembro.

Ele disse que o relatório alegou que as vítimas tinham entre 11 e 16 anos.

“Os estudantes tahfiz informaram ao queixoso sobre os atos do suspeito de 30 anos que é o diretor do centro de tahfiz.

“Acredita-se que o suspeito tenha molestado e sodomizado todas as vítimas e o caso está sendo investigado de acordo com a Seção 14 da Lei de Ofensas Sexuais Contra Crianças, de 2017”, disse ele em um comunicado.

Zainuddin instou a opinião pública a ajudar com qualquer informação sobre o caso a relatar à polícia.

A cooperação pública é vital para garantir o bem-estar e a segurança das pessoas e do país“, disse ele.

Enquanto isso, de acordo com fontes policiais, todos os nove estudantes foram levados para a sede da polícia de Kuala Lumpur para terem suas declarações registradas antes de serem enviadas ao Hospital de Kuala Lumpur para uma análise mais aprofundada.

Todos os alunos já foram levados para casa pelas suas famílias. 

Com imagem e informações Malaysia Kini

As punições medievais e grotescas enfrentadas por criminosos na Arábia Saudita

OLHO POR OLHO 

Paralisia, perfuração e crucificação dos olhos – as punições medievais e grotescas enfrentadas por criminosos na Arábia Saudita

A Arábia Saudita continua a usar métodos bárbaros de execução alegando que são justificados pelo Alcorão e suas tradições.

Decapitações públicas, amputações, retribuição e espancamento fazem parte do sistema de justiça.

Resultado de imagem para A man who paralysed his friend was sentenced to himself be paralysed SAUDI ARABI

Uma execução pública por decapitação na Arábia Saudita (The Guardian)

Como o The Sun relatou esta semana, um assassino foi crucificado após ser considerado culpado de esfaquear repetidamente uma mulher. O corpo dele foi pendurado em uma cruz após a execução.

O príncipe herdeiro Salman quer tornar o reino do deserto uma  nação do século XXI experiente em tecnologia e introduziu reformas liberais.

A Arábia Saudita mantém a pena de morte para um grande número de crimes, incluindo tráfico de drogas e “feitiçaria”, além de assassinato.

Imagem relacionada

Os corpos de cinco homens iemenitas decapitados na Arábia Saudita são deixados pendurados depois que suas cabeças foram colocadas em sacos (observers.france24.com)

A maioria das sentenças de morte é executada em público por decapitação, fazendo comparações com a chocante brutalidade do Estado Islâmico.

O sistema é baseado na lei Sharia, que os sauditas dizem estar enraizada na tradição islâmica e no Alcorão.

Os julgamentos duram um dia e as confissões são extraídas sob tortura.

O país não tem código penal escrito e nenhum código de procedimento criminal e procedimento judicial.

 

Resultado de imagem para King Salman, pictured with PM Theresa May, makes the final decision on executions in Saudi Arabia
Rei Salman e a chanceler  Theresa May (Sputnik International)

Isso permite que os tribunais tenham amplos poderes para determinar o que constitui uma ofensa criminal e quais sentenças os crimes merecem.

O único meio de recurso é diretamente para o rei, que decide se o condenado vive ou morre.

A lista de punições leva à leitura sombria.

Decapitação

No ano passado, o ano do reino levou a cabo 146 execuções, a terceira maior taxa do mundo, atrás da China e do Irã, segundo a Anistia Internacional.

Só nos primeiros quatro meses deste ano foram realizadas 86 decapitações, metade delas para crimes não violentos, como delitos de drogas.

Houve um surto de execuções desde o mês passado, com pelo menos 27 pessoas executadas somente em julho, segundo a Anistia Internacional .

A decapitação continua a ser a forma mais comum de execução e a sentença tradicionalmente realizada em uma praça pública na sexta-feira após as orações.

Deera Square, no centro da capital Riyadh é conhecida localmente como “Chop Chop Square”.

Resultado de imagem para Saudi executioner Muhammad Saad al-Beshi

O carrasco saudita Muhammad Saad al-Beshi (O Explorador)

O trabalho talvez sombrio, mas o carrasco-chefe do país parecia se orgulhar de seu trabalho.

Depois de visitar a família da vítima para ver se querem perdoar o prisioneiro, eles são levados para a decapitação.

“Quando eles chegam à praça da execução, sua força se esvai”, informou a BBC Muhammad Saad al-Beshi.

“Então eu leio a ordem de execução, e em um sinal eu corto a cabeça do prisioneiro”.

Um aumento recente na taxa de execuções levou a anúncios de oito carrascos no site do serviço público.

Um formulário de inscrição em PDF para empregos dizia que eles se enquadravam no termo “funcionários religiosos” e estariam no nível mais baixo da escala salarial do funcionalismo público.

Resultado de imagem para A kneeling man is beheaded in Jeddah, next to the headless corpse of another who had just suffered the same fate

Um homem ajoelhado é decapitado em Jeddah, ao lado do cadáver sem cabeça de outro que acabara de sofrer o mesmo destino (The Sun)

Crucificação

Na Arábia Saudita, a prática da “crucificação” refere-se à exibição pública ordenada pelo tribunal após a execução, juntamente com a cabeça separada, se decapitada.

Em um dos casos, imagens nas redes sociais aparentam mostrar cinco corpos decapitados pendurados em um poste horizontal com suas cabeças embrulhadas em sacos.

A decapitação e a “crucificação” ocorridas em frente à Universidade de Jizan, onde os estudantes estavam fazendo os exames, ocorrem em uma praça pública para agir como um impedimento.

Paralisia

A capacidade dos tribunais de decidir por si mesmos as sentenças que se encaixam no crime levou a sentenças de “qisas” ou retribuição.

O exemplo de maior destaque foi o de Ali al-Khawahir, que tinha 14 anos quando esfaqueou um amigo no pescoço, deixando-o paralisado da cintura para baixo.

Resultado de imagem para injeção

Um jovem que paralisou seu amigo foi condenado a ficar paralisado (Imagem Parou Tudo)

Dez anos depois foi condenado a ficar paralisado, a menos que pagasse um milhão de riais sauditas à vítima.

Na época, a Anistia Internacional disse que a sentença era “totalmente chocante” mesmo para a Arábia Saudita.

Nesses casos, a vítima pode exigir que a punição seja executada, solicitar compensação financeira ou conceder um perdão condicional ou incondicional.

Lapidação

O apedrejamento continua sendo uma punição por adultério para mulheres na Arábia Saudita.

De acordo com uma testemunha, as acusados ​​são colocados em buracos e, em seguida, têm pedras derrubadas sobre elas de um caminhão.

Em 2015, uma mulher casada de 45 anos, originalmente do Sri Lanka, que trabalhava como empregada em Riad, foi condenada à morte por apedrejamento.

Seu parceiro, que era solteiro e também do Sri Lanka, foi punido com 100 chicotadas depois de ser considerado culpado do mesmo delito.

Resultado de imagem para A kneeling man is beheaded in Jeddah, next to the headless corpse of another who had just suffered the same fate

Amputação de membros é outra das terríveis punições no país

Arrancar os olhos

Abdul-Latif Noushad, um cidadão indiano, foi condenado a ter seu olho direito extorquido em retribuição por sua ação numa briga em que um cidadão saudita foi ferido.

Ele trabalhou em um posto de gasolina e entrou em uma briga com cliente que queria um reembolso e na luta que se seguiu atingiu o outro homem na cabeça, batendo em seu olho.

Um tribunal de apelação em Riad teria simplesmente perguntado se o saudita aceitaria uma compensação monetária, segundo a Human Rights Watch.

Em 16 de setembro de 2004, o jornal saudita Okaz informou que um tribunal em Tabuk ordenou que o olho direito de Muhammad `Ayid Sulaiman al-Fadili al-Balawi fosse arrancado.

O tribunal deu-lhe a opção de pagar uma indemnização no prazo de um ano e foi relatado que ele tinha levantado os 1,4 milhão de riais necessários.

Outro jornal saudita, o ArabNews, informou em 6 de dezembro que um tribunal havia recentemente condenado um homem egípcio a ter seus olhos arrancados.

Ele foi acusado de jogar ácido no rosto de outro homem, que posteriormente perdeu a visão.

Resultado de imagem para A man is brutally flogged by uniformed guards in Saudi Arabia

 

Um homem é brutalmente açoitado por guardas uniformizados na Arábia Saudita (The Sun)

Flagelação

Aqueles condenados por insultar o Islã também podem esperar ser açoitados.

Em um caso que trouxe condenação internacional, o blogueiro  Raif Badawi foi condenado a 1000 chicotadas, bem como 10 anos atrás das grades.

Vídeo mostra uma multidão aplaudindo quando os primeiras 50 chicotadas de sua sentença foram executadas, uma ocorrência que sua esposa Ensaf Haidar diz que quase o matou.

No ano passado, um homem foi sentenciado a dez anos de prisão e 2.000 chicotadas por expressar seu ateísmo no Twitter.

O jovem de 28 anos teria se recusado a se arrepender, insistindo que o que ele escreveu refletia suas crenças e que ele tinha o direito de expressá-las.

Com imagem e informações The Sun

ONU: sete mil crianças sírias vitimadas pela guerra

As Nações Unidas calculam em sete mil o número de casos de crianças mortas ou mutiladas durante a guerra da Síria. Os dados foram avançados na passada sexta-feira no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A guerra da Síria dura há sete anos. Desde então, as Nações Unidas apontam para a morte ou mutilação de sete mil crianças. No entanto, relatórios não verificados colocam o número em mais de 20 mil casos.

“Está na hora de as crianças reaverem a infância que lhes foi retirada. Têm sido utilizadas e vítimas de abusos, pelo e para o conflito, há demasiado tempo”, declarou Virginia Gamba, representante especial das Nações Unidas para Crianças e Conflitos Armados.

Durante o Conselho de Segurança, Gamba afirmou que as crianças da Síria sofreram ataques terríveis, tanto nas suas casas como nas suas comunidades, escolas, centros de detenção e campos de deslocados.

Tal como é explicado no site das Nações Unidas, em 2005 o Conselho de Segurança criou um mecanismo de monotorização e comunicação (MRM) para seis violações graves contra crianças em situações de conflito armado.

Este foi aplicado à situação síria em 2013, verificando situações de morte e mutilação, recrutamento de crianças no conflito, violência sexual, rapto, ataques em escolas e hospitais e recusa de acesso humanitário.

“Desde então, todos os anos tem havido um enorme aumento em todas as violações graves, cometidas por ambas as partes do conflito”, afirmou Virginia Gamba.
“Mera fração das violações cometidas”
Desde o início deste ano, o mecanismo verificou mais de 1200 violações graves contra crianças. Mais de 600 foram mortas e mutiladas e cerca de 180 recrutadas para o conflito.

Para além disso foram atacadas 60 escolas e 100 hospitais e outras instalações médicas.

Virginia Gamba assegura que a maior parte do recrutamento de crianças é feito por grupos não estatais, enquanto que grande parte das mortes e mutilações é atribuída ao Governo e a forças que o apoiam, como aponta a CNN.

Gamba acrescenta que se estima que uma em cada três escolas não seja utilizada, quer por estar danificada ou destruída, quer por ser utilizada como abrigo ou para propósitos militares. Cerca de 2,1 milhões de crianças sírias não vão à escola por insegurança, falta de instalações, fraca qualidade na educação e pobreza.

“Devo enfatizar que os casos documentados pelo MRM, apesar de serem verificados pelas Nações Unidas, representam uma mera fração das violações cometidas na Síria até hoje”, reforçou a representante especial das Nações Unidas.

Com imagem e informações RTP Noticias

Malásia: muçulmano justifica seu casamento com menina de 11 anos dizendo que queria se casar com ela quando tinha 7 anos

A tradição islâmica registra que Maomé consumara seu casamento com Aisha, quando ela tinha nove anos, e o fato resultante é de que o casamento infantil vem sendo aceito em vastas faixas do mundo islâmico. O casamento infantil tem abundantes atestados na tradição e lei islâmicas.

A direção de assuntos religiosos da Turquia (Diyanetdisse em janeiro de 2018 que, de acordo com a lei islâmica, meninas de nove anos podem se casar.

“O Islã não tem barreira de idade no casamento e os muçulmanos não têm desculpas por aqueles que se recusam a aceitar isso” – Ishaq Akintola , professor de escatologia islâmica e diretor da Muslim Rights Concern, Nigéria

“Não há idade mínima para casar homens ou mulheres na lei islâmica. A lei em muitos países permite que as moças se casem somente a partir dos 18 anos. Trata-se de uma legislação arbitrária, não da lei islâmica. ”- Dr. Abd Al-Hamid Al-‘Ubeidi , especialista iraquiano em direito islâmico

Não há idade mínima para o casamento e para as meninas se casarem “mesmo se estiverem no berço”. – Dr. Salih bin Fawzan, clérigo proeminente e membro do mais alto conselho religioso da Arábia Saudita.

“O Islã não proíbe o casamento de crianças pequenas.” – Conselho de Ideologia Islâmica do Paquistão.

Hadiths que os muçulmanos consideram autêntico registro que a esposa favorita de Maomé, Aisha, tinha seis anos quando Muhammad se casou com ela e nove quando ele consumou o casamento:

“O Profeta escreveu o (contrato de casamento) com Aisha, enquanto ela tinha seis anos de idade e consumou seu casamento com ela, enquanto ela tinha nove anos e permaneceu com ele por nove anos (ou seja, até a sua morte)” (Bukhari 7.62.88) .

Outra tradição tem a própria Aisha recontar a cena:

O Profeta me envolveu quando eu era uma menina de seis anos. Fomos a Medina e ficamos na casa de Bani-al-Harith bin Khazraj. Então eu fiquei doente e meu cabelo caiu. Mais tarde, meu cabelo cresceu (novamente) e minha mãe, Um Ruman, veio até mim enquanto eu estava brincando em um balanço com algumas das minhas amigas. Ela me chamou e eu fui até ela, sem saber o que ela queria fazer comigo. Ela me pegou pela mão e me fez ficar na porta da casa. Eu estava sem fôlego, e quando minha respiração ficou boa, ela tomou um pouco de água e esfregou no meu rosto e na minha cabeça. Então ela me levou para a casa. Lá na casa eu vi algumas mulheres Ansari que disseram: “Muitas felicidades e a bênção de Alá e boa sorte.” Então ela me confiou a elas e elas me prepararam (para o casamento). Inesperadamente, o Apóstolo de Allah veio até mim na manhã e minha mãe me entregou para ele, e naquela época eu era uma garota de nove anos de idade. (Bukhari 5.58.234).

Maomé estava nessa época com cinquenta e quatro anos de idade.

Casar garotas jovens não era tão incomum para a época, mas porque no Islã Muhammad é o exemplo supremo de conduta (Alcorão 33:21), ele é considerado exemplar nisso até hoje. E assim, em abril de 2011, o Mufti Fazlul Haque Amini, de Bangladesh, declarou que aqueles que tentam aprovar uma lei que proíbe o casamento de crianças naquele país estavam colocando Maomé em má situação: “Proibir o casamento infantil causará um desafio ao casamento do santo profeta do Islã. [colocando] o caráter moral do profeta em controvérsia e desafio”. Ele acrescentou uma ameaça:“O Islã permite o casamento infantil e isso não será tolerado se algum governante tentar tocar essa questão em nome de dar mais direitos às mulheres. O Mufti disse que 200.000 jihadistas estavam prontos para sacrificar suas vidas por qualquer lei que restringisse o casamento infantil.

Da mesma forma, o influente site Islamonline.com, em dezembro de 2010, justificava o casamento infantil invocando não apenas o exemplo de Maomé, mas também o Alcorão:

O Nobre Alcorão também mencionou o período de espera para a esposa que ainda não menstruou, dizendo: “E aqueles que não esperam mais a menstruação entre suas mulheres, se você duvida, então seu período São três meses, e [também para] aqueles que não menstruaram ”[Alcorão 65: 4]. Como isso não é negado mais tarde, podemos tirar deste verso que é permitido ter relações sexuais com uma menina pré-adolescente. O Alcorão não é como os livros de jurisprudência que mencionam quais são as implicações das coisas, mesmo que sejam proibidas. É verdade que o profeta entrou em um contrato de casamento com A’isha quando ela tinha seis anos de idade, no entanto, ele não teve relações sexuais com ela até que ela tinha nove anos de idade, de acordo com al-Bukhari.

Outros países fazem do exemplo de Maomé a base de suas leis sobre a idade legal para o casamento das meninas. O Artigo 1041 do Código Civil da República Islâmica do Irã afirma que as meninas podem ser engajadas antes dos nove anos de idade e casadas às nove: “O casamento antes da puberdade (nove anos lunares completos para meninas) é proibido. O casamento contraído antes de atingir a puberdade com a permissão do tutor é válido desde que os interesses da ala sejam devidamente observados ”.

Segundo Amir Taheri em O Espírito de Alá: Khomeini e a Revolução Islâmica (pp. 90-91), o aiatolá Khomeini, do Irã, casou-se com uma menina de dez anos aos vinte e oito anos. Khomeini chamou o casamento com uma menina pré-adolescente “uma bênção divina, e aconselhou os fiéis a dar suas próprias filhas de acordo: “Faça o seu melhor para garantir que suas filhas não vejam seu primeiro sangue em sua casa“. Irã, ele reduziu a idade legal de meninas para nove anos, de acordo com o exemplo de Maomé.

“Homem de 41 anos queria se casar com uma criança desde os sete anos de idade”, Pattaya One , 17 de julho de 2018 (graças a Paul):

PETALING JAYA: O homem de 41 anos que levou uma menina de 11 anos como esposa negou que fosse um ato de luxúria, já que ele queria se casar com ela desde os sete anos de idade.

BH Online relatou o homem dizendo que eles já se mudaram juntos se ele apenas se casasse com ela por causa do desejo, em vez de esperar cinco anos para ela completar 16 anos.

O homem de 41 anos disse que não sabia o que o fez se sentir como se casar com a garota, mas alegou que não foi motivado pelo desejo.

“Eu conhecia Ayu desde quando ela era pequena porque éramos vizinhos, e eu também ensinei lições do alcorão. Foi então que eu disse a mim mesmo que um dia tomarei essa menina como minha esposa e fiz isso quatro anos depois ”, disse ele.

O homem disse a BH Online que seu casamento com a garota em Kelantan só chocou o mundo exterior, já que a maioria dos aldeões e seus amigos concordaram com o ato.

Ele disse que havia mostrado a seus amigos uma foto da garota enquanto ele estava em Meca e eles deram suas bênçãos porque ela não estava na escola e tinha vindo de uma família pobre.

O homem se recusou a ceder à pressão pública para que o casamento fosse anulado.

Com informações Jihad Watch