Galerias

ONG EVM discute em reunião com Procurador do estado de Roraima apoio à população

Por Andréa Fernandes

RORAIMA – Na manhã de quarta-feira (29), a representante da ONG Ecoando a Voz dos Mártires em Roraima, Dra. Sandelane Moura, esteve em reunião com o Procurador do Estado de Roraima, Dr. José Edival Vale Braga e o secretário de planejamento do Estado, Dr. Aroldo Amoras, para deliberar posicionamentos necessários a fim de ofertar apoio aos roraimenses em diversos níveis.

A imagem pode conter: 3 pessoas, incluindo Moura Sandelane, pessoas sorrindo, pessoas sentadas e área internaDra. Sandelane Moura (EVM) em reunião com o Procurador do Estado de Roraima, José Braga (centro) e o secretário de planejamento do estado, Dr. Aroldo Amoras

Apesar das muitas atribuições ocasionadas pelo aprofundamento da crise dos refugiados em Roraima, a representante da ONG EVM foi muito bem recepcionada ao demonstrar interesse no sentido de auxiliar a administração pública no trato com as dificuldades resultantes do ingresso desordenado de venezuelanos no estado.

Aroldo Amoras disponibilizou a Secretaria de Planejamento para a análise e colhimento de informações sobre dados numéricos, financeiros, estatísticos e congêneres acerca das iniciativas do estado para solucionar as consequências provocadas pela ausência do governo federal em relação aos compromissos que assumiu e não cumpriu, e ainda colocou-se à disposição para reunião com o fim de discussão de propostas de atuação da ONG no auxílio à administração pública.

O procurador do Estado demonstrou satisfação ao tomar conhecimento de que uma instituição humanitária brasileira secular está promovendo os interesses da população roraimense, que não tem sido alvo de preocupação do governo federal e ACNUR (Alto Comissariado da ONU para os Refugiados), sofrendo os impactos danosos do ingresso diário de centenas de venezuelanos sem a menor estrutura de acolhimento, o que vem causando falência dos serviços públicos por não ter estrutura para suportar os encargos de prover a mantença da população local acrescida de milhares de refugiados e imigrantes.

Dentre as propostas discutidas, foi externada pela Dra. Sandelane Moura o intuito de articular a efetivação de uma audiência pública. José Braga também aceitou o convite da ONG Ecoando a Voz dos Mártires para prestar informações através de Live pela página da instituição no Facebook, que será marcada ainda nessa semana.

As ações da ONG EVM são por demais importantes não somente para possibilitar articulação que promova socorro à população roraimense no tocante a estabelecer um canal de discussão não apenas com o governo de Roraima, mas também, com o Legislativo e Judiciário locais bem como no âmbito federal, inclusive, no STF, já que, as instituições humanitárias que trabalham no estado estão focando o apoio humanitário tão somente aos imigrantes e refugiados que ingressam legal e ilegalmente pela fronteira em Pacaraima. Dessa forma, haverá possibilidade de se apresentar informações oficiais e não contaminadas por “politização” da crise aos demais brasileiros, para, assim, combater a campanha de “discursos de ódio” contra o povo roraimense, vítima do descaso do governo federal e ACNUR, que promovem uma política migratória que está levando à penúria a já sofrida população local.

Além dessa ação, a ONG EVM vem promovendo articulações junto a entidades e lideranças das regiões norte e nordeste para dar visibilidade aos impactos danosos da imigração desordenada, que segundo a prefeita da capital (Boa Vista), Teresa Surita, pode gerar a “perda de controle da cidade até o fim do ano” se não forem tomadas medidas urgentes.

 

Novo indício de fraude para doação de R$ 792 mil dos Cofres Públicos à Autoridade Palestina

Por Andréa Fernandes

Obra já encerrada na “Palestina” tem placa adulterada para receber doação superfaturada do Brasil

Em 25 de janeiro, o governo federal anunciou que pretende doar R$ 792 mil para a Autoridade Nacional Palestina (ANP) proceder às reformas de restauração da Basília da Natividade, situada em Belém, território administrado pela referida entidade palestina.

O ato foi apresentado sob a forma de Medida Provisória assinada pelo Presidente da República em Exercício, Rodrigo Maia, devido viagem de Michel Temer ao exterior. Segundo a imprensa oficial[1], o Ministério das Relações Exteriores intermediaria a doação, que seria realizada com o orçamento da pasta. A justificativa para o dispêndio tão elevado foi que a Basílica – local em que se acredita ter nascido Jesus Cristo – recebe milhões de turistas por ano e não passava por reforma há 300 anos.

Contudo, em visita à Basília no dia 26[2], o ativista Roberto Grobman entrevistou um padre que afirmou que a obra já tinha sido concluída e só faltava efetivar a limpeza do chão do templo. Grobman mostrou em vídeo a placa onde continha os dados do início e término da obra.

Na placa constava setembro de 2013 como data inicial da obra e a finalização estava prevista para dezembro de 2017, ou seja, os dados que constavam num meio de publicidade oficial atestavam o fim da obra.

nat1

Contudo, em meio à reverberação da denúncia de Grobman nas redes, a Autoridade Palestina procedeu à mais um ato que evidencia sinal de fraude para desvio de dinheiro público brasileiro que não deve ser utilizado para o fim divulgado.

Roberto Grobman divulgou em novo vídeo[3] (31/01) as imagens de uma etiqueta colocada na placa prorrogando a suposta obra para 76 meses, a fim de que o novo término seja em dezembro de 2019. Segue abaixo a imagem da adulteração:

nat2

Além disso, o ativista divulgou a nota do Ministério das Relações Exteriores mediante o escritório de representação em Ramallah, capital da Palestina, justificando a ilegalidade cometida. Grobman leu o décimo tópico que diz:

Entre os trabalhos prioritários ainda a serem executados está restauração das 50 colunas de pedra da nave da Basílica. O custo individual de cada coluna com pinturas artísticas é de cerca de US$ 60 mil (sessenta mil dólares). Propõe-se contribuição brasileira para a restauração de 4 (quatro) das referidas colunas, o que representaria, ao todo, cerca de US$ 240 mil (duzentos e quarenta mil dólares), o que, em moeda nacional, equivale a cerca de R$ 792 mil (setecentos e nove e dois mil reais) ao câmbio de R$ 3,30 o dólar”.

A gravíssima denúncia estranhamente não foi manchete dos principais jornais do Brasil e não gerou ainda iniciativa pública do Ministério Público Federal (MPF) para instauração do procedimento adequado objetivando apuração dos fatos apontados, já que, em sendo provada a fraude, devem ser os envolvidos punidos e a doação cancelada.

O governo Federal e o Ministério das Relações Exteriores também não se pronunciaram oficialmente, o que torna a questão mais séria,  pois é de conhecimento geral as graves denúncias envolvendo corrupção da Autoridade Nacional Palestina, que num momento de grave crise institucional e colapso no sistema de saúde em Gaza jamais teria interesse de promover obra de restauração numa igreja.

Com contribuição e imagens de Roberto Grobman

[1] http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2018-01/brasil-vai-doar-r-792-mil-para-obras-na-basilica-da-natividade-na

[2] https://www.youtube.com/watch?v=BqFqwBDr_qo&feature=youtu.be

[3] https://www.youtube.com/watch?v=UUgxNcCcQBA&feature=youtu.be

 

Deputado Roberto de Lucena oficiará o Ministério das Relações Exteriores para atender pedidos da ONG EVM

Deputado discutiu com a ONG e lideranças evangélicas questões referentes a Israel e Perseguição Religiosa no Oriente Médio

Brasília – A presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, Andréa Fernandes, se reuniu com o deputado federal Roberto de Lucena na terça-feira (28/11), para deliberar sobre o posicionamento diplomático brasileiro nas votações da ONU relacionadas a Israel e a perseguição religiosa contra cristãos no mundo muçulmano. Participaram, também, da reunião os representantes do Conselho Apostólico Brasileiro, pastores Paulo de Tarso Fernandes e Hudson, além do jornalista Jarbas Aragão.

O Conselho Apostólico Brasileiro, que representa diversas denominações, uniu-se ao deputado Lucena para solicitar ao Ministro das Relações Exteriores, José Serra, que reavalie o voto brasileiro nas 20 resoluções da ONU contrárias a Israel, aprovadas este ano, bem como nas resoluções da UNESCO que negam a ligação histórica dos judeus com o Monte do Templo e o Muro das Lamentações. Como José Serra agendou nova reunião para março de 2017, as lideranças evangélicas estão planejando ações para obterem apoio popular e a ONG EVM se uniu ao grupo por entender que as resoluções da ONU são, na verdade, uma estratégia de países árabes para deslegitimar o Estado Judeu, sendo certo que há uma evidente tentativa árabe de transformar o Monte do Templo, o Muro das Lamentações, o Túmulo de Raquel, o Túmulo dos Patriarcas e outros locais sagrados para os judeus em lugares exclusivamente muçulmanos, o que configura grave violação dos direitos humanos.

Além da questão envolvendo as temerárias resoluções da ONU contra Israel, foram discutidas as propostas da ONG EVM para dar visibilidade à perseguição religiosa sofrida por cristãos em países muçulmanos, e o deputado Lucena se prontificou a articular  uma nova sessão solene no estado de São Paulo, que dessa vez, será na Assembleia Legislativa (ALESP). Na oportunidade, Lucena entregou à Andréa Fernandes o Projeto de Lei nº 7787/2104, de sua autoria, que dispõe sobre a autorização ao presidente da República de suspender ou deixar de celebrar tratados, convenções e atos internacionais ou comerciais com países que desrespeitam os Tratados Internacionais de Direitos Humanos do qual o Brasil é signatário e/ou pratiquem ou promovam a perseguição religiosa.

Ao saber da falta de atendimento dos pleitos da ONG EVM nas reuniões com o representante do Ministério das Relações Exteriores, o deputado Lucena se manifestou no sentido de oficiar o órgão, e para tanto, Andréa Fernandes elaborou requerimento juntando documentos que demonstram os posicionamentos do MRE e da ONG nas referidas reuniões.

EVM discute com deputado Ezequiel Teixeira votos do Brasil contrários a Israel na ONU e genocídio de cristãos no Oriente Médio

Brasília – Na terça-feira(29/11), Andréa Fernandes, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, participou de reunião com o deputado federal Ezequiel Teixeira, o jornalista Jarbas Aragão e os líderes evangélicos Paulo de Tarso Fernandes e Hudson Medeiros Teixeira.

O deputado Ezequiel Teixeira manifestou interesse de prestar apoio ao Movimento Pró- Israel e teceu esclarecimentos sobre plano de ação em 2017 para fortalecer o apoio à iniciativa de mudança da posição diplomática do Brasil frente às resoluções da ONU propostas por países árabes com o fim notório de deslegitimar o Estado de Israel e promover a islamização de lugares sagrados para os judeus. Nesse sentido, ouviu o Ap. Paulo de Tarso, que representou o Conselho Apostólico do Brasil na reunião com o Ministro das Relações Exteriores José Serra, onde se deliberou sobre o tema de reavaliação do voto brasileiro nas 20 resoluções da ONU aprovadas neste ano contrárias a Israel, além das resoluções da UNESCO que negam a ligação histórica dos judeus com o Monte do Templo e o Muro das Lamentações.

A questão da perseguição religiosa contra cristãos no mundo muçulmano também integrou a pauta de discussão, pois antes da chegada do deputado à reunião agendada em seu gabinete, Andréa Fernandes prestou esclarecimentos sobre o tema aos pastores Paulo de Tarso e Hudson, que se sensibilizaram com os dados prestados e se prontificaram a apoiar as ações da ONG Ecoando a Voz dos Mártires para dar visibilidade ao tema. Foram discutidas, também, propostas de ação para promover a necessária mobilização popular a fim de respaldar o movimento que pretende mudar o posicionamento diplomático do Brasil em relação a Israel, oportunidade em que, Andréa Fernandes informou estar articulando com movimentos internacionais para prestarem apoio.

Ao final da reunião, Ezequiel Teixeira afirmou que ingressará com o requerimento de audiência pública para debater a questão do genocídio de cristãos na Comissão de Direitos Humanos. Na oportunidade, a presidente da ONG manifestou sua preocupação quanto à necessária discussão acerca do reconhecimento do genocídio dos armênios, pois é um dever moral que vem sendo ignorado pela diplomacia brasileira, e por isso, vem sendo alvo de atenção de Andréa Fernandes em todas as reuniões que tem participado com parlamentares e lideranças religiosas.

O encontro foi bastante promissor, uma vez que agregou a luta da ONG EVM em incluir na agenda de política externa brasileira a preocupação com a violação dos direitos humanos no mundo muçulmano e o combate ao antissemitismo.

Senador Magno Malta oficiará o Ministério das Relações Exteriores para responder postulações da ONG EVM

Brasília – Na terça-feira (29.11), foi protocolado no gabinete do Senador Magno Malta o requerimento solicitado pela assessora Damaris Alves para fundamentar o ofício que será encaminhado ao Ministério das Relações Exteriores requisitando posicionamento acerca dos pleitos da ONG Ecoando a Voz dos Mártires junto à entidade.

Em reunião no dia anterior intermediada pela Dra. Teresinha Neves, assessora do deputado federal Gilberto Nascimento, Damaris tomou conhecimento da atuação da ONG EVM na defesa dos direitos humanos no mundo muçulmano e Coreia do Norte. Ao saber da participação da instituição nas reuniões com o Ministério das Relações Exteriores acerca da agenda de política externa brasileira na área de direitos humanos, Damaris manifestou interesse de enviar ao senador as deliberações do órgão, uma vez que, não houve atendimento das postulações efetivadas pelas internacionalistas Andréa Fernandes e Marcelle Torres.

Damaris frisou a importância que tem para o senador Magno Malta questões de direitos humanos e a perseguição religiosa contra cristãos no mundo muçulmano, oportunidade em que, convidou a presidente da instituição para exercer consultoria voluntária nessas áreas, solicitando, ainda, os esclarecimentos necessários para alicerçar o ofício a ser encaminhado ao MRE.

Na terça-feira, a integrante da diretoria da ONG, Diane Torres, foi recebida por Damaris no gabinete de Magno Malta para protocolar o documento enquanto a presidente da ONG estava em reunião com o deputado federal Ezequiel Teixeira.

EVM articula apoio no Senado Federal

Brasília – Nesta segunda-feira (28/11), a equipe da ONG Ecoando a Voz dos Mártires esteve em reunião com a assessora do senador Magno Malta, Dra. Damares Alves,  no gabinete do parlamentar no Senado Federal.

Através da articulação da Dra. Teresinha Neves, assessora do Deputado Federal Gilberto Nascimento, foi possível contatar Dra. Damares, que tem se destacado em nível nacional na pauta de direitos humanos. Vale salientar, que a assessora do senador ficou impressionada com os relatos acerca das diversas pautas versando sobre direitos humanos no mundo muçulmano, e se prontificou a apoiar as iniciativas da ONG EVM. Ademais, convidou a Diretora-Presidente, Dra. Andréa Fernandes, a  prestar assessoria voluntária referente aos temas apontados, o que foi de pronto recebido com exultação.

Nova reunião foi marcada a pedido da Dra. Damares para a entrega de relatório constando os requerimentos da ONG EVM junto ao Ministério das Relações Exteriores, uma vez que, estribará o ofício do senador requisitando informações sobre as providências tomadas pela entidade brasileira em atendimento aos pleitos suscitados.

Na terça-feira, a presidente da ONG e a Diretora–Financeira Diane Torres estarão dando continuidade a novas articulações com outros parlamentares e lideranças.

EVM se pronuncia em videoconferência no Ministério Público sobre a atuação do Brasil em matéria de direitos humanos

No dia 24 de outubro, ocorreu mais uma videoconferência sobre a atuação do Brasil em tema de direitos humanos promovida pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão com a participação de representantes da Divisão de Direitos Humanos do Ministério das Relações Exteriores e da Assessoria Internacional do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos.

A Instituição Ecoando a Voz dos Mártires foi representada pela vice-presidente Marcelle Torres e relembrou o descaso da ONU com o tema “perseguição aos cristãos e minorias do mundo muçulmano” e o requerimento do EVM durante a videoconferência do dia 29 de março no sentido de haver pronunciamento do representante brasileiro na sessão da Assembleia Geral da ONU em setembro a fim de denunciar e condenar a cristofobia e o comprometimento do Sr. Pedro Saldanha de encaminhar o pedido ao Itamaraty a fim de ser examinado a sua inclusão no discurso brasileiro. Também, durante a videoconferência do dia 24 de outubro, o EVM questionou o discurso do presidente Michel Temer por não ter abordado o sofrimento dos cristãos no mundo muçulmano, tendo deixado de denunciar e condenar a perseguição religiosa, e conclamou ao Ministério das Relações Exteriores que se posicione explicitamente no sentido de incluir na sua agenda de política externa a questão da perseguição religiosa a cristãos e demais minorias no mundo muçulmano, ressaltando o pedido de reconhecimento do genocídio de cristãos nos territórios ocupados pelo Estado Islâmico.

Além disso, o EVM ressaltou que no final do mês de agosto a Coreia do Norte passou pelo pior período de inundações de sua história. De acordo com a UNICEF e a Save the Children, foram cerca de 70 mil pessoas desabrigadas e 600 mil em necessidade de assistência humanitária. As autoridades norte-coreanas estão reforçando a segurança na fronteira para bloquear deserções na sequência de recentes inundações no nordeste do país. Ao mesmo tempo, o governo chinês também está trabalhando para bloquear desertores, começou a reconstrução de uma cerca de arame farpado que foi danificada pelas enchentes e colocou faixas na região da fronteira sino-norte-coreana com o aviso: “os residentes que ajudarem desertores norte-coreanos serão multados em 500 yuan (cerca de 74 dólares)”. Tendo em vista que a embaixada brasileira em Pyongyang, capital da Coreia do Norte, tem, entre outros objetivos, o de contribuir para a solução pacífica da questão coreana, o EVM questionou quais foram as contribuições em matéria de direitos humanos da representação brasileira no país e de que forma a embaixada brasileira está exercendo a sua intitulada missão de “ajudar a Coreia do Norte a se integrar e a se tornar mais cooperativa”. Ainda, o EVM requereu a atuação ativa da diplomacia brasileira em matéria de direitos humanos na Coreia do Norte e a inclusão do apoio expresso a refugiados norte-coreanos no discurso do representante brasileiro nas próximas participações do Brasil em matéria de direitos humanos na ONU e na próxima sessão da Assembleia Geral da ONU. Todavia, devido ao atraso para o início da videoconferência, o EVM teve sua fala interrompida e não pôde concluir as suas indagações.

Como resposta, em suas próprias palavras, o Sr. Pedro Saldanha, chefe da Divisão de Direitos Humanos do Ministério das Relações Exteriores afirmou que o MRE dá importância à toda e qualquer minoria, não só às minorias cristãs, e é um tema que continuarão a dar atenção. Em relação à Coreia do Norte, o Sr. Pedro Saldanha afirmou que o Brasil tem votado reiteradamente à favor das resoluções que condenam a situação de direitos humanos na Coreia do Norte, mas que o Brasil não prega a simples condenação por condenação, e continua tentando engajar a Coreia do Norte com relação aos mecanismos previstos no sistema internacional e participação no mecanismo de Revisão Periódica Universal, esperando que a Coreia do Norte também participe do terceiro ciclo da RPU no início de 2017.

EVM recebe apoio do renomado professor e escritor Clóvis Brigagão

Rio de Janeiro – A equipe de internacionalistas da ONG Ecoando a Voz dos Mártires se reuniu nessa sexta-feira (28/10), na Universidade Cândido Mendes, com o renomado professor  e escritor Clóvis Brigagão, cientista político que inaugurou no Brasil a área multidisciplinar de Relações Internacionais  sobre Estudos e Pesquisa de Paz.

O professor Clóvis teve conhecimento do trabalho executado pela presidente da ONG EVM através do Linkedin, oportunidade em que a parabenizou pelos seus esforços na seara humanitária. Andréa Fernandes agradeceu a recomendação do professor Clóvis e solicitou uma reunião objetivando expor projetos da ONG, pelo que foi imediatamente atendida.

Compareceram à reunião Andréa e a internacionalista Marcelle Torres, que impressionou o professor com suas excelentes análises sobre a Coréia do Norte. Foram discutidos alguns projetos que tiveram apoio do Dr. Clóvis, que também é especialista em segurança internacional e coordenador do Grupo de Análise e Prevenção de Conflitos Internacionais – GAPCon. Na oportunidade, a presidente da ONG o convidou para compor a mesa da sessão solene em reconhecimento do genocídio de cristãos e minorias no Oriente Médio,  evento que que será realizado na Câmara Municipal do Rio de Janeiro e já está sendo articulado juntamente com Daniel Sousa, tendo resposta positiva do professor.

Ao final do produtivo encontro, as internacionalistas foram presenteadas com 3 obras de autoria do professor Clóvis Brigagão, cujos livros são de leitura obrigatória para alunos do curso de Relações Internacionais.

Sessão solene discute genocídio de cristãos e minorias no Oriente Médio

A Câmara Municipal realizou nesta segunda-feira (15/8) sessão solene em reconhecimento do genocídio de cristãos e minorias no Oriente Médio. Presidida pelo vereador Natalini (PV), representantes de entidades católicas e judaicas discutiram sobre o tema no Auditório Prestes Maia.

A presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, Andrea Fernandes Vieira, iniciou os pronunciamentos dando um panorama sobre a perseguição religiosa e pontuou sobre a falta de cobertura pela mídia e posicionamento de órgãos governamentais e instituições internacionais acerca da violência cometida contra seguidores do cristianismo. “Depois de 1.400 anos, o número de cristãos que habitavam o norte da África e o Oriente Médio reduziu de 90% para 4%. É necessário que a diplomacia brasileira pressione para que a ONU reconheça esse genocídio.”

Já Ricardo Berkiensztat, presidente-executivo da Federação Israelita do Estado de São Paulo, falou sobre a importância de relembrar fatos históricos, como o holocausto sofrido pelo povo judeu, e a necessidade de utilizar a informação e a educação para combater a intolerância. “Em pleno século XXI as pessoas ainda são discriminadas por cor, por orientação sexual e não são vistas como seres humanos. Nós, judeus, sentimos na pele. Temos sobreviventes do holocausto e há gente que nega que existiu. Vamos protestar, usar os espaços que temos, as redes sociais, que são uma grande arma pela paz, e repelir o extremismo”.

Representando o Cardeal Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, o bispo Dom Carlos Lema Garcia argumentou que o Brasil é um país promissor para o debate, em vista do acolhimento a refugiados nos últimos cinco anos. “Não podemos ter uma reação de violência, porque gera mais violência. O Brasil é o país que mais recebe refugiados e é um exemplo vivo para o restante dos países por acolher uma diversidade de pessoas”.

O vereador Natalini reiterou a urgência em abordar o tema de forma empática. “Não podemos tratar como um problema distante e perder a capacidade de nos indignar. Que essa sessão possa levar para a sociedade o que está acontecendo.”

http://www.camara.sp.gov.br/blog/sessao-solene-discute-genocidio-de-cristaos-e-minorias-no-oriente-medio/

Trabalho da ONG Ecoando a Voz dos Mártires sensibiliza a cantora Fernanda Brum

Rio de Janeiro – A equipe da ONG Ecoando a Voz dos Mártires esteve nessa manhã de domingo (16/10),  no Ministério Profetizando às Nações, na Barra da Tijuca, onde parte dos projetos desenvolvidos pela instituição humanitária foi divulgado para a cantora Fernanda Brum juntamente com seu marido, o pastor Emerson Pinheiro.

A cantora vem realizando um importante trabalho de apoio aos cristãos que sofrem perseguição no exterior e por esse motivo foi contactada pela presidente da ONG, Andréa Fernandes, para participar da próxima “Sessão Solene em Reconhecimento do Genocídio de Cristãos e Minorias no Oriente Médio”, que já está sendo articulada para acontecer na Câmara Municipal da capital do Rio de Janeiro, tal qual ocorrera no dia 15 de agosto na Câmara Municipal de São Paulo  por solicitação da entidade.

fb1

Fernanda Brum manifestou interesse em conhecer melhor os projetos da ONG Ecoando a Voz dos Mártires e se prontificou através da sua assessoria jurídica, representada pela advogada Mônica Castro, a agendar reunião com  a presidente da EVM. Todavia, a assessoria esclareceu que há o interesse de participar da sessão solene, sendo certo que, o assunto será também deliberado pela diretoria da igreja presidida pelo marido da cantora.

Participaram do encontro Bruno Amabile e Diane Torres, integrantes da ONG. Faz-se necessário destacar que através de Bruno foi possível o contato com Fernanda Brum.