HRW: Coalizão liderada pela Arábia Saudita lança bombas de fragmentação feitas nos EUA contra rebeldes do Iêmen

A coalizão liderada pela Arábia Saudita realizou ataques aéreos no Iêmen provavelmente com bombas de fragmentação, que são proibidas por mais de 100 países, segundo o grupo de monitorização internacional Human Rights Watch (HRW).

A coalizão inclui oito outros Estados árabes e está recebendo apoio logístico dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França. A coalizão está bombardeando a milícia Houthi do Iêmen e unidades do exército aliado durante um mês em um esforço para restaurar o governo.

As bombas de fragmentação espalham submunições menores indiscriminadamente – muitas vezes chamadas de “bombies” ou pequenas bombas – em toda uma vasta área, e pode permanecer enterradas, não detonadas, décadas depois do término de uma campanha de bombardeio. Mesmo com mais de 40 anos após os EUA lançarem bombas de fragmentação sobre o Vietnã, Laos e Camboja, as submunições ainda matam e mutilam civis. A organização sem fins lucrativos Handicap International diz que 98% das vítimas de bombas de fragmentação são civis e 27 % crianças, que muitas vezes confundem os objetos metálicos com brinquedos.

A maioria das bombas de fragmentação foram banidas por 116 países em um tratado em 2008. No entanto, os signatários não incluíram quaisquer Estados da coalizão liderada pela Arábia saudita ou Iêmen ou nos Estados Unidos.

“Evidência credível indica que a coalizão liderada pelos sauditas utilizam munições de fragmentação proibidas fornecidas pelos Estados Unidos em ataques aéreos contra as forças Houthis,” disse a Human Rights Watch (HRW) em um comunicado. A organização disse que não tinha sido capaz de obter informações sobre possíveis vítimas dos ataques.

O porta-voz da coalizão da Arábia Saudita não estava imediatamente disponível para comentar o relatório.

Os houthis pediram às Nações Unidas no sábado para buscar um fim aos ataques aéreos que eles descreveram como agressão flagrante contra o país.

Os ataques aéreos e combates entre os houthis e forças leais ao presidente Abed Rabbo Mansour Hadi, agora com sede em Riyadh, piorou a crise humanitária do Iêmen, o que levou as agências de ajuda a pedir também a suspensão do bombardeio.

A HRW citou um vídeo que os Houthis carregaram no YouTube em 17 de Abril para mostrar objetos que caíram de pára-quedas, que explodiram em pleno ar e a sua própria análise de imagens de satélite para estabelecer a localização das explosões em al-Shaaf, em Saada.

Um ativista da HRW também disse em Sanaa que tinha fornecido fotografias no rescaldo de ataques aéreos perto de Saada que mostram os restos de munições estadunidenses especificamente proibidas pelo Tratado de Proibição de bomba agrupadas, disse a HRW.

A guerra em torno Iêmen matou mais de 1.000 pessoas, incluindo um número estimado de 551 civis desde que os bombardeios começaram em 26 de março, e a UNICEF disse em 24 de abril que pelo menos 115 crianças estavam entre os mortos.

http://america.aljazeera.com/articles/2015/5/3/cluster-bombs-yemen.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s