Desarmamento: o sangue dos inocentes é a melhor “arma de propaganda totalitária”

Por Andréa Fernandes

Na guerra midiática para o controle ideológico da opinião pública, o jornal Folha de São Paulo não costuma inovar. Os recursos para atingir a mente dos seus leitores são, além das famosas fake news, matérias de cunho sensacionalista analisadas pelos “peritos de Gramsci”, que sempre reforçam a tese do jornalismo militante.

Assim, não me surpreendeu ler manchete relembrando o odioso massacre em Suzano com objetivo único de promover o lobby desarmamentista recheando a matéria com desinformações focadas nos decretos de armas assinados pelo presidente Jair Bolsonaro, “eliminando” covardemente as vítimas do massacre, substituídas pelo “protagonismo político” de instituições de direitos humanos que levianamente costumam atribuir a responsabilidade pelo aumento da violência à coletividade, salvaguardando marginais sanguinários na condição de “vítimas” do “sistema opressor”.

Dessa forma, sob o título Investigação de Massacre de Suzano aponta fragilidade de controle de arma e munição[1], o jornal-mor da “extrema-mídia vermelha” utilizou um dado isolado da investigação policial sobre o crime – que em qualquer país civilizado seria classificado como TERRORISTA – para reforçar suas “falácias do espantalho” no debate sobre o desarmamento, que nunca é vencido, apesar de vivermos sob esse jugo imposto pelas políticas de segurança pública de sucessivos “governos canhotos”, resultando em mais de 60 mil homicídios por ano. A “lógica” dos “direitos humanos” ditada por ONGs “desorientadas” pela ONU e ideias progressistas suicidas é desarmar o cidadão garantindo ao criminoso fortemente armado o acesso ao “direito fundamental” de não ser abatido por policial, principalmente, se estiver fazendo uso do seu “inseparável fuzil”.

A “patrulha ideológica folhiana” resolveu bisbilhotar o inquérito policial para catar uma informação que reforçasse o seu discurso após uma dose de manipulação, e achou! Ao descrever o “arsenal” utilizado pelos “menores protegidos pelo ECA” para executar 10 pessoas “desprotegidas pelo Estado”, salientou-se o seguinte: “foram usados um machado, uma faca articulada, uma besta, um arco, mais de 25 flechas de alumínio ou plástico, um dispositivo de choque, três coquetéis molotov e três granadas de fumaça, mas foi um revólver 38, única arma de fogo, responsável por 90% das mortes”. Daí, um “pesquisador” consultado concluiu que em crimes onde se objetiva maiores danos em menor tempo possível a arma de fogo é eleita como armamento preferido. Quanta inteligência!

Aliás, para a reportagem, flechas de plástico, dispositivo de choque e granadas de fumaça compõem o que chama de “arsenal” e não importou muito averiguar o motivo dos psicopatas não terem em suas mãos um fuzil para a “festa do terror” ser completada com muito mais corpos. Acredito que houve temor de saber que os armamentos com maior potencial destrutivo não são acessíveis à população em geral, pois são “privilégios intocáveis” do CRIME ORGANIZADO há décadas. Nesse tema, ninguém mexe!

Punição proibida para facínoras menores de 18 anos

Se as preocupações do brasileiro realmente “pautassem ” os “jornalistas-humanistas”, certamente, a grande mídia traria notícias do paradeiro do mentor intelectual do massacre em Suzano, um MENOR que foi “apreendido” e não “preso” graças ao deletério Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e de uma legislação penal obsoleta e benevolente com os mais abjetos crimes.

Ao menor responsável pela matança de outros menores inocentes foi aplicada medida de internação por prazo indeterminado, pelo que em um ano, ele será submetido a exames psiquiátricos e psicológicos. Contudo, por se tratar de processo garantido pelo benefício do “segredo de justiça”, o Judiciário está impedido de informar os atos infracionais atribuídos pelo Ministério Público ao “menor de 17 anos”. Sabe o que isso significa? A sociedade não pode saber a identidade e outros detalhes importantes de um indivíduo de alta periculosidade aumentando os riscos para a segurança pública. Todavia, o Ministério Público anda preocupado com os decretos de armas do presidente e já ingressou com pedido na justiça requerendo suspensão de alguns dispositivos dos três decretos sobre armas editados pelo governo em junho, tendo por fundamento danos à segurança pública.

Pois é… alguns “danos para a segurança pública” são mais “danosos” do que os outros!

Mas, voltando aos “danos” promovidos por menores que tanto assombram a sociedade… Enquanto a Folha usa um crime realizado com arma obtida de forma ilegal por menores protegidos por uma legislação tosca, para fazer “campanha pelo desarmamento”, as ruas clamam pela redução da maioridade penal, conforme testifica pesquisa Datafolha divulgada em janeiro, a qual aponta que 84% da população é favorável à redução da maioridade penal de 18 para 16 anos, e apenas 14% seria contrária à mudança da lei. Inclusive, atentos a esse fato, senadores já iniciaram os debates discutindo o tema de forma “tímida” na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Dessa forma, o pavor da extrema-imprensa é que a população perceba que chegou a hora de pressionar parlamentares para que a impunidade seja combatida.

Por ora, discussão acerca da redução da maioridade penal é ação proibida na mídia. O foco é atacar os decretos de posse e porte de armas com desinformação.

O desespero da Folha e demais veículos de comunicação da extrema-imprensa se dá pelo fato do presidente Bolsonaro estar articulando apoio junto à Câmara dos Deputados para manutenção do decreto de flexibilização do porte e posse de armas, que já havia sido derrubado no Senado em sua versão inicial, o que fez com que Bolsonaro tomasse a decisão de revogar o primeiro decreto e reeditar o texto com alterações, o qual será submetido novamente ao Senado e Câmara.

O péssimo exemplo da Nova Zelândia

A estratégia de se ancorar em “incidentes” de grande repercussão para administrar doses de veneno ideológico a fim de impor a agenda globalista é amplamente utilizada pelos veículos de comunicação, instituições de direitos humanos e militantes inseridos no âmbito acadêmico. No ataque terrorista efetivado em março contra duas mesquitas na Nova Zelândia resultando em pelo menos 50 mortos e cerca de 30 feridos, as autoridades e lideranças progressistas do país aproveitaram o horrendo ensejo para divulgar mensagens de apoio à sharia (lei islâmica), solicitando à população que cobrisse a cabeça com o véu – conhecido como hijab –  em homenagem às vítimas[2]. É claro que antes do inusitado pedido de apoio a um costume misógino imposto às mulheres pela religião islâmica,  houve a necessária “obediência” submetendo o intuito de “tributo” às vítimas do massacre às entidades muçulmanas do país, já que, sempre é bom lembrar: “Islã” significa “submissão”.

A primeira-ministra Jacinda Ardern, chefe de Estado mais jovem na atualidade, recebeu aplausos não apenas em seu país, mas em todo mundo[3], pelas declarações e medidas implementadas após o ataque. Além de ajudar emplacar a campanha “véus para harmonia” usando o seu “hijab”, a ministra fez um discurso no Parlamento fundamentada no tripé descrito a seguir: 1) “tolerância religiosa” – para permitir o expansionismo islâmico impedindo críticas às práticas de violações de direitos humanos “prescritas” nos livros sagrados do Islã; 2) “redes” – propaga a ideia de que a ideologia perigosa para a civilização é a direita (chamada de extrema-direita) e a religião que deve ser “problematizada” por propagar o ódio é o Cristianismo; 3) restrição às ARMAS – não poderia haver melhor ocasião para desarmar a população, pois a comoção gerada após atentado terrorista de grande repercussão causa um ambiente favorável para eleger “culpados” sem o menor aprofundamento reflexivo. Basta dizer “a culpa é da ideologia de direita e das armas”.

Assim, veio a ordem da infiel ocidental afeita ao hijab: no dia 20 de março, anunciou que a venda de semiautomáticas e fuzis de assalto seria proibida em todo país a partir de 11 de abril[4], endurecendo a lei[5]. O ardil foi tão eficiente, que na primeira votação do projeto de lei visando restringir o uso de armas, 119 dos 120 parlamentares votaram favoravelmente.

O único “conservador” que votou de forma contrária argumentou :

“fazer isso nove dias antes que os congressistas saiam para o feriado da páscoa parece mais um teatro político que segurança pública”.

Alguém já viu a tática de votação acima sendo usada no Brasil quando há alguma pauta contrária aos interesses da maioria dos nossos cidadãos? Volto a repetir: esquerda não inova.

De nada adiantou petição pública assinada por mais de 14 mil pessoas afirmando que a legislação seria “injusta” para os neozelandeses que obedecem a lei, salientando que a mudança estava sendo motivada por “emoções”. É isso aí… a exploração de um único atentando terrorista – que pode ser um caso de false flag – foi capaz de vencer a democracia para implantação dos pérfidos propósitos da agenda comuno-islâmica da ONU.

Afinal de contas, um povo que adere ao hijab sem ter a menor noção de quantas mulheres sofrem pelo mundo por causa do uso obrigatório dessa veste – que, como diriam as hipócritas feministas, “violam a emancipação feminina” – não tem capacidade de formular que o desarmamento é, tal qual a sharia, um vergonhoso atentado contra a democracia, vez que, o Estado decide restringir o sagrado direito à liberdade individual.

Vale lembrar que no mesmo período em que ativistas que denunciam regimes totalitários islâmicos estavam queimando hijab em solidariedade às iranianas e outras mulheres que sofrem em todo mundo, o Ministério das Relações Exteriores britânico estava distribuindo esse artefato misógino[6]. Pouco importa se o Irã, por exemplo, tortura e assassina mulheres que tentam se libertar do uso obrigatório do hijab, e se o próprio governo também financia milícia terrorista para atacar com ácido mulheres que não estejam “adequadamente vestidas”, o “problema” não é do Ocidente, que ignora tamanhas atrocidades cultuando os “símbolos do horror”.

Dessa forma, se a desgraça que o hijab causa na vida de incontáveis mulheres mundo afora não impede o Ocidente de defendê-lo se solidarizando à perversidade com o apoio manifestado no Dia Mundial do Hijab[7], por que o exemplo da Venezuela e de tantas outras ditaduras que desarmaram a população sensibilizaria políticos e demais autoridades imersas na cultura da “tolerância suicida”?

O sangue dos inocentes ainda é a melhor “arma de propaganda”

Andréa Fernandes – jornalista, advogada, internacionalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Imagem G1

[1] https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/07/investigacao-de-massacre-de-suzano-aponta-fragilidade-de-controle-de-arma-e-municao.shtml

[2] https://www.dw.com/pt-br/neozelandeses-usar%C3%A3o-v%C3%A9u-em-homenagem-a-v%C3%ADtimas-de-massacre/a-48012191

[3] https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2019/03/19/nova-zelandia-por-que-a-primeira-ministra-do-pais-decidiu-nunca-pronunciar-nome-do-atirador.htm

[4] https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/03/20/nova-zelandia-proibe-armas-semiautomaticas-de-estilo-militar-e-fuzis-de-assalto-apos-massacre-de-christchurch.ghtml

[5] https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/03/18/governo-da-nova-zelandia-vai-reformar-lei-de-armas-apos-atentado.ghtml

[6] https://www.gatestoneinstitute.org/11881/feminists-hijab

[7] https://worldhijabday.com/

“Marcha para Jesus”: quando as “estrelas da terra” brilham mais do que a “Luz do mundo”

Por Andréa Fernandes

A chamada “Marcha para Jesus” ocorrida no feriado de Corpus Christi (20/06), assustou a grande mídia. Segundo o Jornal Nacional, a 27ª edição do tradicional evento gospel “impressiona por estar crescendo ano a ano[1], já que, segundo os organizadores, foram mais de 3 milhões de participantes em São Paulo, contando com 4.500 caravanas de todo país e do exterior[2].

Festival de música gospel e polêmicas para todos os gostos

O sucesso incontestável do evento também conhecido pela imprensa como “festival de música gospel”, caminha lado a lado com as polêmicas que envolvem a sua organização.

Em janeiro, o pastor da Assembleia de Deus (Ministério Vitória em Cristo), Silas Malafaia, utilizou as redes[3] para denunciar a perseguição que a Marcha para Jesus estaria sofrendo pelo Poder Judiciário do Rio de Janeiro, uma vez que em 2013, o Ministério Público ajuizou ação contra algumas autoridades e o próprio Malafaia na condição de  presidente do Conselho dos Ministros Evangélicos do Estado do Rio de Janeiro (COMERJ), entidade organizadora do evento na capital. Considerando a possibilidade de indício de improbidade administrativa no apoio financeiro da prefeitura no valor de R$ 1,6 milhão, a 3ª Vara de Fazenda Pública recebeu a denúncia, causando revolta no pastor, que dentre outros argumentos, ponderou que todo o valor gasto foi detalhado e aprovado pelo Tribunal de Contas do município.

O pastor Malafaia reclamou do relativismo do Judiciário ao não agir da mesma forma com os organizadores do Carnaval e a “Parada Gay”, na qual  – além de receber recursos públicos – haveria prática de “crime”, quando alguns participantes vilipendiam imagens de religião. Malafaia também conjecturou sobre a suposta militância ideológica da juíza Mirela Erbisti, que em seu canal no YouTube teria promovido a “defesa de transgêneros”.

A extrema-imprensa, por sua vez, não abandonou sua narrativa malévola para estigmatizar evangélicos e tentar promover acirramento do sectarismo no país aproveitando a “oportunidade de ouro” com o “discurso” de um cantor gospel. Com a manchete Marcha para Jesus tem recado para católicos e desafio para fé de multidão em SP[4], a Folha de São Paulo inicia sua reportagem tendenciosamente medíocre afirmando: “Nossa Senhora Aparecida, tida por católicos como a padroeira do país, não tem vez na Marcha para Jesus”. A declaração não veio de organizadores do evento, mas sim, de um dos aproximadamente 30 cantores que se apresentaram no palco. Fernandinho teria dito: “o Brasil não tem uma senhora, o Brasil tem um Senhor, e o nome dele é Jesus”, causando reação dos católicos nas redes[5]. Os organizadores do evento preferiram ignorar o ataque afrontoso à igreja católica em pleno feriado religioso.

Aliás, como o intuito maior do jornal não era relatar os acontecimentos da “Marcha para Jesus”, a reportagem passou a frisar que a relação entre os dois maiores segmentos religiosos (católicos e evangélicos), “nem sempre foi boa”, salientando que o AUGE DA HOSTILIDADE seu deu em 1995, quando num programa da Record, um bispo da Igreja Universal chutou a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Foram buscar no “fundo do baú” um lamentável ato de intolerância da referida igreja neopentecostal que causou repugnância das igrejas evangélicas tradicionais. Mas, se a finalidade era deslegitimar o evento de real natureza pacífica para rotulá-lo como “intolerante”, não deixou de ser uma “estratégia” num país em que alguns religiosos de diversos segmentos trocam ofensas nas redes para impor à “força e violência verbal” a sua fé ou ridicularizar a crença alheia…

Uma das principais atrações da Marcha acha normal a “falta de Deus” nas suas músicas

No início do evento pela manhã, ao longo da caminhada, os depoimentos dos participantes eram “convincentes”: o nome “Jesus” estava estampado em camisetas e era proclamado alegremente nas entrevistas, já que nem tudo era “show” na marcha, e muitos evangélicos participaram imbuídos na propagação da sua fé. Porém, no gigantesco palco montado para as estrelas do mundo gospel se apresentarem junto com os “cometas políticos”, a “Luz do mundo” foi “cenicamente apagada”! O “sinal” da “queda de popularidade” de Jesus estava em algumas das “atrações”: a famosa cantora gospel Priscila Alcântara, que desbancou a antiga “celebridade” Aline Barros no Instagram como a cantora mais seguida desse nicho, alcançando mais de 5 milhões de seguidores[6] – talvez, por rejeitar o rótulo imposto pelo mercado evangélico de cantora gospel – frisou em entrevista ao G1, “a minha arte vai muito mais além, isto, para justificar a “falta de Deus” em sua músicas.

Pois é, a Priscila Alcântara é realmente um símbolo bem marcante do deslumbrante “mundo gospel”, por mostrar que “louvor” é coisa do passado em muitas igrejas… a “arte” é bem mais impactante, pois mexe com o corpo, a auto-estima, promove entretenimento e se Deus não estiver na canção, tanto faz, o “Filho Dele” será lembrado num evento que reúne milhões de FÃS da cantora que não é gospel, mas é “estrela” dessa “aldeia teatral”, entendido? O nome de Jesus deve ser sempre utilizado quando a “jogada mercadológica” se faz necessária, porque rende uma grana que vai muito além dos dízimos e ofertas!

No palco teve de tudo: até discursos dos “guardiães do progressismo” que abominam evangélicos

Quem mostrou mais uma parte do “ocaso Divino”? O trevoso jornal “O Globo”, que fez questão de destacar sutilmente que “Jesus” perdeu o “protagonismo” do evento no momento em que o presidente Jair Bolsonaro discursou afirmando que tentará a reeleição em 2022, “se o governo não conseguir aprovar uma boa reforma política e se o povo quiser”, recebendo a ‘benção’ de líderes religiosos”[7]. É claro que não faltaram as costumeiras “farpas”, de modo que salientou-se que apesar dos gritos de “mito”, o apoio dos evangélicos a Bolsonaro não seria “unanimidade” em virtude das vaias que supostamente podiam ser ouvidas quando ele aparecia em alguns telões.

Por oportuno, vale salientar que a mídia se esbaldou com o inapropriado “gesto de arma” do presidente[8]. Seria muito “fundamentalista” acreditar que os gestos num evento em que Jesus seria o “reverenciado” e “adorado”, deveriam ser todos em função do “anfitrião do show”? Num evento com chamadas e orações para a “paz”, a esquerda celebrou o gesto belicoso que nada tem de “sagrado”, sendo puramente “político”, e já deixo claro, que não é minha intenção discutir a tese armamento x desarmamento nesse texto, assim como, pensei que também não seria esse o propósito da marcha. Mas, o ato de Bolsonaro não constrangeu pastores risonhos com a presença de milhões de ovelhas em pastos não muito verdejantes!

Lula nunca compareceu à marcha, mas já “marchou” em “púlpitos consagrados” do país

Como o polemismo é a minha “marca registrada”, não consigo deixar de lembrar que figuras políticas com bandeiras progressistas anti-cristãs também embarcaram na “penumbra do Jesus gospel” que arrasta multidões de votos, e brilharam no palco da hipocrisia com discursos engenhosamente construídos para uma multidão, que em sua maioria, não sabe distinguir o “santo” do “profano”. E isso é antigo no “meio gospel”… quem não lembra do Lula e da “companheira Dilma” subindo em púlpitos dos grandes ministérios evangélicos em todo país, apesar de nunca terem escondido suas raízes comunistas?! Mas sabe como é… naquela época, deu “amnésia” nas lideranças evangélicas e esqueceram do “passado de trevas” dos “figurões petistas” em troca de algumas “promessas” ali e “cargos” acolá.

De todo jeito, Lula foi fiel à sua “bíblia” e não “marchou” com os evangélicos, promovendo pautas para destroçar as igrejas  com o apoio grandioso da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), que achou por bem “comunizar” o Cristianismo. Afinal de contas, Lula, “o santo das propinas impossíveis”, conseguiu arrancar a seletiva compaixão papal numa “carta” do “Vigário de Cristo” se solidarizando pelas suas “duras provas”[9], o que é perfeitamente compreensível, pois o “vice-deus petista” tinha por praxe se comparar a Jesus, ato este mais do que “justo”[10] para a “entidade católica vermelhinha” CNBB. O Diabo não deve ter entendido nada com a “rasteira” que levou de Sua Santidade!

O maior evento cristão do mundo ignora a igreja perseguida: “sangue” não combina com “glamour”

Voltando à marcha… De tudo que li sobre o mais importante evento evangélico do Brasil, o que chamou minha atenção de maneira especial é que a “Marcha para Jesus” é considerada o maior evento cristão do mundo[11], e  segundo o pastor Malafaia, acontece em mais de cem países. Daí, me ocorreu a seguinte dúvida: por que um acontecimento de tanta visibilidade no meio evangélico traz dezenas de cantores do mundo gospel sequiosos para vender CDs – ops! Adorar a Deus – além de pastores famosos e políticos influentes, não DENUNCIA o GENOCÍDIO de cristãos e a CRISTOFOBIA que transtorna a vida de milhões de SERES HUMANOS que integram a minoria religiosa mais perseguida do mundo?

O tema da Marcha para Jesus foi “O Resgatador”. Será que os organizadores desse evento não percebem que existe um número expressivo de cristãos e não-cristãos que precisam ser “resgatados” de toda sorte de perseguição e violações de direitos humanos em países comunistas e muçulmanos? Por que a marcha aparatosa não pode abrigar além da “agenda política” e cantores famosos, os interesses da igreja que marcha em meio ao sangue diário dos seus mártires desconhecidos das multidões que marcham para Jesus em mais de cem países, mas esquecem daqueles que sequer podem pronunciar esse Nome nos países onde vivem?

Ao que parece, o “resgatador” perfilado pelos organizadores da “Marcha para Jesus” não concebe como necessário o “resgate” daqueles que não têm “voz” no cenário internacional e no país de população majoritariamente cristã. Realmente, iria ficar “sem graça” uma marcha onde no palco pudesse se contar, por exemplo, que onze dias antes do show, 95 cristãos foram fuzilados por muçulmanos no Mali sob o “silêncio global”, muitos deles queimados vivos, inclusive, mulheres, idosos e crianças que tentavam fugir do sangrento massacre[12]. “Pior ainda” seria “usar o palco” para pedir ao presidente Bolsonaro que solicite ao ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, que denuncie o genocídio de cristãos na África e a Cristofobia na ONU, já que a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos Damares Alves, se negou a fazê-lo quando discursou na abertura do Segmento de Alto Nível da 40ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra[13], poupando de possíveis críticas a entidade manifestamente anticristã.

Na agenda política da Marcha, o pleito mais reivindicado pelos evangélicos – reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel – também foi ignorado, apesar da presença do embaixador de Israel, Yossi Shelley[14]. Isso poderia estremecer a aliança com o presidente, pois os organizadores sabem que só um “milagre” fará com que a referida promessa de campanha seja cumprida tendo em vista a influência poderosa do mundo árabe em nossa política interna.

Inobstante o tom “julgador” que fatalmente me faz “pecar” para parte dos evangélicos fascinados por aquele “palco de luz e magia”, reconheço ser muito mais “agradável” ouvir “gritos” de um público alegre ao som das músicas que agitam o mundo gospel do que ouvir “clamores” tais como: “Brasil, reconheça o genocídio de cristãos armênios, gregos e assírios”! Ou, “Brasil, dê voz à igreja perseguida na ONU”!

A “lição petrina” sofreu uma “leve mudança” no palco da frágil militância gospel … em tempos de shows com milhões de pessoas encantadas por “iluminados” cantores famosos: “antes agradar aos homens, do que agradar a Deus”.

Por outro lado, imaginando o contraditório que se formará entre aqueles que acreditam nos “propósitos celestiais” da marcha, reconheço, também, que posso estar “carnalmente equivocada”, e por isso, aconselho aos organizadores  que me “envergonhem” provando que é Jesus Aquele que arrasta as “multidões” ao evento, não convidando cantores e pregadores famosos[15]. Convidem os “irmãozinhos desconhecidos” da mídia gospel, proponham ênfase nas orações, estudos bíblicos e pregações, peçam para que os participantes levem alimentos não perecíveis a fim de ser distribuídos aos pobres em nosso país, e aproveitem o ensejo para divulgar as obras mantidas e valores do financiamento de OBRAS HUMANITÁRIAS, e não apenas dos trabalhos missionários, já que “a fé sem obras é morta”. (Tg 2:26). Se os 3 milhões comparecerem, penso que “até morto vai ressuscitar de tanta glória”!!!

A propósito, na minha concepção, Jesus não precisa de marcha… para aqueles que acreditam Nele, basta obedecer os preceitos bíblicos e amar o próximo como a si mesmo, e Ele ficará muito satisfeito, até porque, o “comportamento irreprovável” diário é melhor testemunho de fé do que comparecer a um evento em que as “estrelas humanas” brilham mais do que a “Luz do mundo”.

Espero que no palco da próxima edição da Marcha para Jesus caibam – nem que sejam bem espremidinhos –  o suposto “anfitrião” e a dor da “igreja perseguida, Luzes que andam apagadas no “fim dos tempos”…

Andréa Fernandes – advogada, jornalista, internacionalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

[1] https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/06/20/em-sp-27a-marcha-para-jesus-reune-tres-milhoes-segundo-organizadores.ghtml

[2] https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/06/21/marcha-para-jesus-em-sao-paulo-reuniu-45-mil-caravanas-veja-o-que-agradou-e-o-que-nao-agradou-aos-fieis.ghtml

[3] https://www.facebook.com/SilasMalafaia/videos/438645116675628/

[4] https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/06/marcha-para-jesus-tem-recado-a-catolicos-e-desafio-para-fe-de-multidao-em-sp.shtml

[5] https://www.obuxixogospel.com.br/2019/06/fernandinho-se-envolve-em-grande-polemica-com-catolicos-na-marcha-pra-jesus-de-2019/

[6] https://www.ofuxicogospel.com.br/2019/06/priscilla-alcantara-mais-seguida-instagram.html/

[7] https://oglobo.globo.com/brasil/na-marcha-para-jesus-bolsonaro-diz-que-tenta-reeleicao-se-povo-quiser-recebe-bencao-de-lideres-religiosos-23754013

[8] https://www.diariodocentrodomundo.com.br/bolsonaro-o-gesto-da-arma-na-marcha-para-jesus-e-a-risada-cafajeste-dos-pastores-por-daniel-trevisan/

[9] https://www.acidigital.com/noticias/papa-francisco-envia-carta-para-ex-presidente-lula-72921

[10] https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2016/noticias/2016/09/26/lula-volta-a-se-comparar-a-jesus-no-rio-e-insinua-candidatura-a-2018.htm

[11] http://marchaparajesus.com.br/2019/historia-marcha/

[12] https://www.opendoorsusa.org/christian-persecution/stories/95-christians-killed-in-mali-attack-no-one-was-spared/

[13] http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/discursos-artigos-e-entrevistas-categoria/outras-autoridades-discursos/20089-discurso-da-ministra-da-mulher-da-familia-e-dos-direitos-humanos-damares-alves-na-abertura-do-segmento-de-alto-nivel-da-40-sessao-do-conselho-de-direitos-humanos-das-nacoes-unidas

[14] https://jovempan.uol.com.br/noticias/brasil/na-marcha-para-jesus-bolsonaro-diz-que-evangelicos-foram-decisivos-para-mudar-rumo-do-brasil.html

15] https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/06/09/marcha-para-jesus-em-sao-paulo-veja-as-atracoes-confirmadas.ghtml

Egito: universitários compram 2 milhões de cópias de livro antissemita em 3 meses após exibição de programa de TV

Ator egípcio Mohamed Sobhi diz que após a exibição de teor antissemita, bombaram as vendas dos “Protocolos dos Sábios’ de Sião”

O ator egípcio Mohamed Sobhi disse em uma entrevista em 12 de maio de 2019 na Nahar TV (Egito) que estava orgulhoso por ser processado por antissemitismo na Corte Internacional de Justiça em virtude do seu papel no programa egípcio antissemita “Horseman without a Horse”. ” Ele acrescentou que a verdadeira “realização” do programa foi que dois milhões de cópias de “Os Protocolos dos Sábios de Sião” foram compradas por estudantes universitários dentro de três meses após a transmissão do programa. 

Alguns trechos de “Horseman without a Horse”, veja o clipe MEMRI TV No. 3383 .

Entrevistador: “Em 2002, você participou do show Horseman Without a Horse. O show foi banido na época, mas dez anos depois foi transmitido na íntegra pela TV Tahrir“.

Mohamed Sobhi: “Correto.

[…]

“Este show desencadeou muitos ataques e um processo de antissemitismo chegou a ser apresentado contra mim em Haia. Isso é algo de que tenho muito orgulho. A verdadeira realização do programa é que dois milhões de cópias dos “Protocolos dos Sábios de Sião” foram adquiridas por universitários dentro de três meses “.

 

Informações MEMRI

Nigéria: adolescente cristã permanece no cativeiro do Boko Haram por se recusar a negar a Jesus Cristo

“Glazov: A adolescente Leah Sharibu permanece no cativeiro do Boko Haram por se recusar a negar a Cristo”, por Jamie Glazov, Breitbart , 24 de junho de 2019:

Hoje, Leah Sharibu, 16 anos, uma garota cristã da cidade de Dapchi, Nigéria, permanece nas mãos monstruosas do grupo terrorista islâmico Boko Haram – que mantém Leah em seu cativeiro bárbaro porque ela se recusa a negar a Jesus Cristo e se converter ao Islã.

Leah tinha apenas 14 anos quando, com 109 outras garotas, foi sequestrada de sua escola em Dapchi pelo Boko Haram em 19 de fevereiro de 2018. As outras garotas sequestradas foram libertadas (5 foram mortas) em março daquele mesmo ano, mas Leah permaneceu nas mãos do grupo jihadista porque ela se recusou a renunciar a Cristo.

Para uma menina tão jovem, em tais circunstâncias, não desistir de sua fé, permanecer fiel ao que ela acredita, apesar dessas consequências horríveis que ela teve para ela durante todos esses meses passados, é impressionante para mim.

Essa citação é de Sonja Dahlmans, pesquisadora do sequestro, estupro e conversões forçadas de meninas e mulheres cristãs, e também de outras mulheres não-muçulmanas, em vários países da Ásia, do Oriente Médio e da África. Estudante de Teologia e Cristianismo Ortodoxo em duas universidades na Holanda, Sonja está atualmente liderando uma petição em nome de Leah que ela espera que adicione pressão sobre as autoridades nigerianas para pressionar seus sequestradores para sua libertação.

Sonja gentilmente concordou em responder algumas das minhas perguntas sobre sua petição, onde exatamente fica a situação assustadora de Leah e sobre as condições gerais de pesadelo para os cristãos na Nigéria.

Glazov: Obrigado, Sonja, muito por se juntar a mim hoje. Como está o caso de Leah Sharibu neste momento?

Dahlmans: Obrigado, Jamie.

Recentemente, a mãe de Leah, Rebecca Sharibu, visitou os Estados Unidos para falar no escritório da Heritage Foundation em Washington, DC, no dia 11 de junho. Ela pediu a ajuda do governo dos EUA para pedir ao governo nigeriano que assegure mais urgentemente a libertação de sua filha.

O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, prometeu uma vez que não abandonaria Leah, a quem chamou de “a garota solitária”, mas, tragicamente, muito tempo se passou. Ela foi sequestrada em fevereiro de 2018, e não houve muito progresso desde então. A mãe de Leah compartilhou que ela não tem notícias do governo nigeriano há meses.

Glazov: Apenas terrível. Este pesadelo é, naturalmente, parte de um pesadelo nigeriano maior em termos do horrível problema de perseguição cristã que o país temHá, por exemplo, horrores genocidas sendo perpetrados contra comunidades agrícolas cristãs no Cinturão Médio da Nigéria.

Você pode nos contar um pouco sobre isso?

Dahlmans: Claro, Jamie.

A lista de classificação anual da Open Doors USA sobre a perseguição mundial de cristãos classifica a Nigéria no número 12 deste ano. Especialmente para mulheres e meninas, a situação é realmente sombria: estupros, sequestros, violência.

A Portas Abertas também publicou recentemente um relatório chamado “Feridas Ocultas”, que aborda a questão da violência – especialmente contra as mulheres cristãs durante a perseguição. Não se trata apenas da Nigéria, mas sim, eu diria que a Nigéria é absolutamente um país onde mulheres e meninas, como Leah Sharibu, são muito vulneráveis.

Muitas outras garotas foram sequustradas ao longo dos anos: as garotas da escola Chibok, por exemplo, que foram sequestradas em 2014. A Associação Cristã da Nigéria tem um artigo em sua página discutindo o sequestro e a conversão forçada de garotas cristãs no norte da Nigéria. A situação é horrível.

Glazov: verdadeiramente horrível.

Vamos voltar para Leah: Ela parece uma garota muito especial e incrível. Os relatos dizem que, como afirmei na minha introdução, ela teve a chance de ser libertada se tivesse renunciado a Jesus – mas ela se recusou a fazê-lo. Esta é apenas uma coragem e fé absolutamente estonteantes, especialmente para uma menina tão jovem.

Que detalhes você conhece sobre isso? E o que tudo isso nos diz sobre Leah?

Dahlmans: De acordo com o testemunho das outras meninas, Leah ainda é refém do Boko Haram porque ela se recusou a renunciar à sua fé em Cristo. Isso nos diz que Leah é uma jovem muito forte e corajosa com uma fé sólida em Jesus.

Para uma menina tão jovem, em tais circunstâncias, não desistir de sua fé, permanecer fiel ao que ela acredita, apesar das terríveis conseqüências que ela teve para ela, é alucinante para mim.

Em uma mensagem dada por uma das outras garotas que foi liberada em março de 2018, Leah disse isso para sua mãe: “Minha mãe, você não deve ser incomodada. Eu sei que não é fácil sentir a minha falta, mas quero assegurar-lhe que estou bem onde estou. Estou confiante de que, um dia, verei seu rosto novamente. Se não aqui, então lá no seio de nosso Senhor Jesus Cristo ”.

Observe que nesta mensagem Leah nem sequer fala sobre como ela sente falta de sua mãe, como qualquer garota de 15 anos obviamente faria nestas circunstâncias. Não, ela está consolando sua mãe em vez disso. Isso diz tudo, não é sobre quem é Leah Sharibu?

Acho que não poderia dizer mais nada que fosse mais eficaz para as pessoas entenderem a força, a coragem e a fé dessa garota. Eu prefiro deixar as palavras de Leah falarem por si mesmas.

Glazov: E que história incrível as palavras de Leah contam.

Imagem e informações Jihad Watch

A perseguição contra cristãos pela República Islâmica do Irã “choca a consciência”

“A repressão do regime iraniano aos cristãos ‘choca a consciência’”, de Benjamin WeinthalFox News , 25 de junho de 2019:

Uma descrição horrivelmente familiar da perseguição do regime iraniano contra cristãos e outras minorias surgiu de um relatório do Departamento de Estado dos EUA sobre liberdade religiosa publicado na sexta-feira.

No Irã, a repressão do regime contra os bahá’ís, cristãos e outros continua a chocar a consciência”, disse o secretário de Estado, Mike Pompeo.

Os Estados Unidos classificaram a República Islâmica como um “país de preocupação” desde 1999, porque seu regime viola a liberdade religiosa conforme definido pela Lei de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA (1998)….

A seção de 30 páginas sobre o Irã apareceu no Relatório 2018 sobre Liberdade Religiosa Internacional do Departamento de Estado e foi revisada pela FoxNews.com.

A seção leu em parte: “Os cristãos, particularmente os evangélicos e convertidos do islamismo, continuaram a experimentar níveis desproporcionais de prisões e detenções, além de altos níveis de assédio e vigilância, de acordo com relatórios de ONGs cristãs. Numerosos cristãos permaneceram presos no final do ano por acusações relacionadas às suas crenças religiosas. Autoridades prisionais continuaram a recusar atendimento médico de prisioneiros, incluindo alguns cristãos, segundo grupos de direitos humanos. ”

O sistema judicial opaco do Irã confirmou sentenças de 10 anos de prisão contra o pastor Youcef Nadarkhani, Yasser Mossayebzadeh, Saheb Fadaie e Mohammad Reza Omidi por praticar sua fé cristã. Os iranianos foram condenados por “agir contra a segurança nacional” por “promover o cristianismo sionista” e administrar igrejas domésticas.

O relatório do Departamento de Estado escreveu que “as autoridades levaram Nadarkhani e os outros três cristãos sentenciados para a prisão de Evin, após uma série de ataques violentos em suas casas, que incluíram espancamentos e armas de eletrochoque”.

Em maio de 2018, “Omidi, Mossayebzadeh e Fadaie ainda aguardavam o resultado do apelo de sua sentença de setembro de 80 chicotadas para consumo de vinho de comunhão”.

O código penal do Irã prescreve a “sentença de morte por proselitismo e tentativas de não-muçulmanos de converter muçulmanos, bem como por moharebeh (‘inimizade contra Deus’) e sabb al-nabi (‘insultar o Profeta’)”.

Alireza Nader, CEO do New Iran, uma organização de pesquisa e defesa baseada em Washington, DC, disse à Fox News: “A liberdade religiosa e a repressão do Estado aumentaram sob o comando do presidente [Hassan] Rouhani. Cristãos convertidos e bahá’ís estão sob severa pressão em particular. Longe de fornecer um governo de ‘moderação’, Rouhani incentivou a repressão do estado contra todos os iranianos, especialmente as minorias. ”…

Imagem World Religion News informações Jihad Watch

Europa: refugiados cristãos sofrem cruel perseguição de muçulmanos em abrigos

Muitos refugiados cristãos do Oriente Médio relatam enfrentar perseguição de extremistas islâmicos nos campos de refugiados e centros na Europa, e os convertidos do islamismo ao cristianismo estão no pior perigo, já que são considerados apóstatas pelos extremistas.

Embora existam políticas de proteção nos tratados da ONU e no direito internacional dos refugiados, essas proteções raramente são implementadas porque as autoridades temem que elas sejam acusadas de discriminação. Com efeito, a maioria das agências e instituições de caridade que trabalham com refugiados na Europa preferem ignorar o problema.

O relatório interino sobre perseguição elaborado pelo Bispo de Truro para o Secretário do Exterior, divulgado na sexta-feira, também ignora a situação dos refugiados cristãos na Europa, mesmo quando foi destacado como parte das provas orais e escritas apresentadas ao painel de revisão independente em Westminster .

De fato, o relatório não menciona o que está acontecendo com os cristãos na Europa ou na Grã-Bretanha.

Yochana Darling, chefe de missão do ICC, que administra um centro de dia e abrigos para refugiados cristãos na Grécia, foi um dos que deram provas orais ao painel de Westminster.

De acordo com essa evidência, refugiados cristãos em Atenas foram cercados por extremistas muçulmanos que mostraram vídeos do Estado Islâmico decapitando cristãos. Eles foram informados de que seriam os próximos.

O painel de revisão foi informado de que quando uma família foi transferida de um acampamento para uma acomodação oficial da agência, eles foram atacados com facas.

Um refugiado iraniano na Grécia sofreu um ataque cardíaco quando cerca de cinquenta extremistas cercaram sua unidade de alojamento depois que ele voltou da igreja com sua família. Os extremistas despejaram gasolina em sua casa temporária e seguraram facas nas gargantas das mulheres e crianças. Os seguranças estavam com muito medo de intervir.

“O abuso verbal é normal”, Yochana me diz. “Os cristãos são ridicularizados e chamados kafirs [incrédulos]. Isso acontece diariamente. Mais preocupantes são os altos números de ameaças de morte regulares e ameaças de danos físicos. Nos últimos três anos, nos deparamos com incontáveis ​​casos de danos físicos reais. e agressões sexuais.

Em 2016, tanto a Portas Abertas  na Alemanha como a ICC na Grécia publicaram dois relatórios separados sobre a perseguição de refugiados cristãos. Esses relatórios eram independentes uns dos outros, mas produziram resultados quase idênticos: na época, 87 a 88 por cento dos entrevistados relataram perseguição em campos de refugiados, migrantes e acomodações. E porque a perseguição é ignorada, continua inabalável.

“O estupro é usado como uma punição para a conversão e um método de coerção para fazer com que os apóstatas se arrependam e retornem ao Islã”, diz Yochana.

“Mulheres e crianças tiveram facas presas às suas gargantas, enquanto pais e maridos são espancados com canos de metal e outros utensílios. As famílias tiveram petróleo derramado sobre eles e ameaçaram queimar vivos, só porque eles estavam lendo suas Bíblias juntos e cantando alguma adoração. músicas.

“Barracas e acomodações foram destruídas e cristãos expulsos de acampamentos e outras acomodações.

“A polícia e os oficiais do campo não intervêm e nenhuma proteção é dada”.

Na Grécia, houve muitos relatos de homens convertidos sendo estuprados por gangues como punição.

No campo de Moria, na ilha de Lesbos, 95% dos refugiados cristãos disseram ao ICC que não é seguro ler a Bíblia. Na Alemanha, um afegão foi esfaqueado recentemente por causa de sua fé. Ele sobreviveu, mas a polícia disse que ele estava mentindo e que o ataque não tinha nada a ver com ele ser um cristão, de modo que não seria registrado como um crime de ódio.

Alguns cristãos ocidentais estão céticos sobre os refugiados se converterem ao cristianismo, mas a triste realidade é que a conversão do islamismo ao cristianismo pode ser perigosa em qualquer lugar da Europa. Ouvimos relatos semelhantes de ataques a convertidos em toda a Europa, incluindo a Grã-Bretanha.

Nossos contatos na Alemanha nos dizem que quando muçulmanos convertidos ao cristianismo são atacados, os serviços de emergência costumam atrasar sua chegada. Isso resultou na morte de alguns convertidos.

“É uma questão politicamente sensível, mas esmagadoramente os perseguidores são companheiros de asilo do Oriente Médio e de origens islâmicas”, diz Yochana.

“Há preocupações sobre o número de grupos extremistas nos campos, e isso é algo que nos é dito regularmente pelos beneficiários de nossa instituição de caridade, que estão chocados com o fato de seus perseguidores no Oriente Médio terem os seguido até os campos.

Ela afirma que o governo e outras agências oficiais “evitam olhar para a religião a qualquer custo”.

“A política geral é não perguntar nada sobre crenças religiosas ou questões e, consequentemente, a perseguição religiosa é geralmente completamente fora do seu radar”, diz ela.

“Eles temem conseqüências políticas ou acusações de tratamento preferencial se considerarem os perigos enfrentados por refugiados e convertidos cristãos.

“As pessoas ainda tendem a considerar a Europa como um continente de maioria cristã, e pode ser um desafio para as pessoas entenderem que os refugiados cristãos são um grupo religioso minoritário que precisa de proteção em certas situações.”

A ICC tem um centro de dia em Atenas especificamente para os refugiados cristãos. Eles precisam se sentir seguros para acessar serviços de suporte à integração e outros tipos de suporte, por isso se tornou um centro vital para muitos dos beneficiários da organização.

Com imagem e informações Christian Today

Egito: cristão preso e sua casa destruída por muçulmanos após acusação falsa de insulto ao Islã

“Cristão copta preso por supostamente insultar o Islã no Facebook no Egito”, Morning Star News , 18 de junho de 2019:

CAIRO, Egito (Morning Star News) – Um jovem cristão copta foi preso perto do Cairo, Egito, por supostamente insultar o Islã depois que um hacker postou material em sua página no Facebook, ele e familiares disseram.

Fady Yousef, de 25 anos, foi preso no início da manhã de 11 de junho em Gizé, a sudoeste do Cairo, apesar de ter postado um vídeo explicando que hackers haviam colocado o material ofensivo em sua página no Facebook, segundo o bispado de Maghagha e El Edwa. Minya.

A noite anterior (10 de junho), extremistas muçulmanos irritados com o material ofensivo atacaram a casa de seus pais na vila Eshneen el Nasara, perto Maghgaha em Minya Governorate, cerca de 260 quilômetros (160 milhas) ao sul de Giza, de acordo com um comunicado do bispado .

“Na segunda-feira [10 de junho], alguns extremistas que chegaram a algumas centenas da vila de Eshneen el Nasara e as aldeias ao redor atacaram a casa de Yousef Todary”, dizia a declaração do bispo Anba Aghathon. “Eles entraram e destruíram o conteúdo da casa, depois se mudaram para a casa ao lado, onde seu irmão morava e atacava de fora. Eles estavam gritando contra a religião cristã e os coptas da aldeia ”.

Yousef Todary, sua esposa e filha foram capazes de escapar minutos antes dos extremistas muçulmanos invadirem e destruírem a geladeira, a televisão, os colchões, os móveis e as janelas, de acordo com o bispo.

Afirmando que extremistas muçulmanos alegaram que o cargo era um insulto ao Islã, o bispo defendeu Fady Yousef, reiterando que ele disse que seu Facebook foi hackeado.

O jovem copta postou um pedido de desculpas na página dizendo que ele nunca faria tal coisa, e que as pessoas que o conheciam sabem disso bem. Sua irmã, Nermeen Yousef, também postou um esclarecimento, dizendo que seu irmão se desculpou não porque ele fez algo errado, mas porque as pessoas erroneamente acreditavam que ele era o autor do post, de acordo com a Copts United.

Imagem CBN.com e informações Jihad Watch

Paquistão: ataque violento contra cristãos incitado pelos alto-falantes da mesquita

Cristãos paquistaneses espancados por multidão após a mesquita acusá-los de blasfêmia ”, de Samuel Smith The Christian Post (Graças à  The Religion of Peace ), 3 de junho de 2019:

Uma pequena comunidade cristã no Paquistão vive com medo depois de terem sido atacados na semana passada por uma multidão de radicais enfurecidos porque uma mesquita próxima acusou seus membros de cometer blasfêmia depois de uma briga com um muçulmano.

A Associação Cristã Paquistanesa Britânica, com sede em Londres, informa que duas famílias cristãs do distrito de Arif Wala Tehsil, na província de Punjab, foram forçadas a fugir de suas casas após o ataque de uma turba de 40 muçulmanos e crianças armadas.

De acordo com a BPCA, que está fornecendo assistência financeira à comunidade, a multidão foi incitada por uma mesquita local que alegou, por meio de seus alto-falantes, que os cristãos tinham insultado o Islã.

A mesquita supostamente pediu que os fiéis muçulmanos se unissem para forçar a comunidade cristã minoritária de cerca de sete famílias a sair da aldeia.

Cinco homens cristãos da comunidade estão sendo mantidos em custódia protetora em uma delegacia de polícia local depois de terem sido acusados ​​pelo homem muçulmano que iniciou a briga inicial de tentativa de homicídio….

Imagem e informações Jihad Watch

Judiciário e feminismo na contramão do combate à violência contra as mulheres

Por Andréa Fernandes

Na semana passada houve uma notícia que em outros tempos deveria ser, em tese, a pólvora necessária para explosão nas redes da revolta de grupos feministas e seus coletivos do ódio. A Associação dos Magistrados do Brasil (AMBI) ingressou com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal (STF) em face da lei que autoriza as autoridades policiais a concederem medidas protetivas de urgência às mulheres agredidas.

A Lei nº 13.827/2019, que altera a Lei Maria da Penha ( Lei nº 11.340/2006), sendo originária do Projeto de Lei da Câmara 94/2018, aprovado no Senado em abril, foi sancionada[1] pelo presidente Jair Bolsonaro e publicada no Diário Oficial da União na terça-feira próxima passada, mas não causou celebrações por parte das “vozes feministas” na grande mídia, apesar de ter o propósito de facilitar a aplicação de medidas protetivas de urgência para mulheres ou a seus dependentes em casos de violência doméstica ou familiar.

A lei, aprovada sem vetos, outorga mais poder a autoridades do Judiciário e policiais para adoção de medidas protetivas emergenciais. Desse modo, segundo o novo dispositivo legal, constatada a existência de risco atual ou iminente à vida ou à integridade física da mulher, ou de seus dependentes, o agressor deverá ser imediatamente afastado do lar,  domicílio ou local de convivência com a vítima. O afastamento urgente deverá ser determinado pelo juiz, delegado de polícia (quando o município não for sede de comarca) ou pela autoridade policial (no caso do município não for sede de comarca e não houver delegacia disponível por ocasião da denúncia). Todavia,  quando as medidas protetivas forem determinadas por delegado ou policial, o juiz deverá ser comunicado no prazo máximo de 24 horas e decidirá em igual prazo sobre a manutenção ou revisão da medida, comunicando sua decisão ao Ministério Público, além do que, a norma que já está em vigor, dispõe que o juiz competente determinará o registro da medida protetiva de urgência em banco de dados mantido e regulado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNN), o qual será acessado pelo Ministério Público, Defensoria Pública, órgãos de segurança pública e assistência social[2].

O texto também prevê que os criminosos não devem ter liberdade concedida enquanto perdurar o risco à vítima ou à efetividade da medida protetiva.

A lei anterior estabelecia um prazo de 48 horas para que a autoridade policial comunicasse o juiz sobre as agressões sofridas pela vítima para que o mesmo decidisse sobre as medidas protetivas, mas a real aplicação das medidas protetivas demandava tempo que poderia resultar em fatalidade, pois a decisão judicial só entraria em vigor após o criminoso ser localizado e intimado por oficial de justiça[3].

Contudo, a Associação dos Magistrados Brasileiros ao ingressar com Ação Direta de Inconstitucionalidade no STF há uma semana (13/05), alega que a mudança fere o Princípio da Reserva de Jurisdição, violando os incisos XI e LIV, do art. 5º da Constituição Federal, partindo do pressuposto que não se pode cogitar a possibilidade de um delegado ou policial interferir na casa de alguém sem ordem judicial para tanto, ainda que para retirar o agressor, privando-o de liberdade, antes do devido processo legal. A lei não pode conter tal autorização porque a Constituição estabeleceu as exceções nela previstas de flagrane delito, desastre ou autorização judicial[4].

Segundo o teor da ADI, a nova lei institucionaliza o “Estado policialesco” e o “desvirtuamento do Estado Democrático de Direito”, e o patrono da Associação de Magistrados ainda usou a recorrente estratégia de “especulação” para alcançar êxito na demanda judicial, ao afirmar:

Ocorre que a maioria dos casos de violência à mulher – pelo que pode se ver das informações jornalísticas e que poderão ser objeto, para verificação, de diligência desse STF ou até de audiência pública – têm se verificado nas grandes cidades, onde o Poder Judiciário está presente, e não decorrem de ausência ou insuficiência da prestação jurisdicional”.

Trocando em miúdos a “audácia” da entidade representante do nosso querido Judiciário: não cabe, no caso em tela, a configuração do princípio processual básico do “ônus da prova cabe a quem alega o fato”. Juízes, quando integram a autoria de ação, podem delegar ao Judiciário a obrigação que seria sua, e por isso, a associação lança para as costas do STF a atribuição de “checar” a veracidade do seu argumento de que supostamente a maioria dos casos de violência contra mulher ocorreriam nas grandes cidades, onde presume-se que o Poder Judiciário estaria presente, pelo menos no sentido de “estrutura predial”. Aliás, se não “interessar” ao STF verificar a autenticidade do argumento, basta ratificá-lo.

A associação não juntou à sua peça inaugural um documento sequer mostrando as tais “informações jornalísticas” comprovando sua tese, que talvez não mereça ser “confrontada” por advir de “julgadores” preocupados com os “direitos constitucionais” dos “agressores machistas” que promovem violência contra as mulheres. Inclusive, peço “licença” para a contaminação pelo “vírus do feminísmo” ao não reconhecer temporária e metaforicamente que a Constituição deve ser obedecida, ainda que o seu teor privilegie, nesse caso, os “direitos” de perigosos criminosos, muito embora, saibamos que não faltam exemplos demonstrando que o STF “não está nem aí” para a observância da boa prática do Direito e respeito ao ordenamento jurídico, pelo que, quatro dos seus ministros[5] acataram a aberração de punição da homofobia com base na lei para o racismo[6]. Nesse caso, a chamada “analogia” entrou em cena única e exclusivamente por atender a “agenda progressista”, que via de regra, está acima dos reclames constitucionais, doutrinários e/ou jurisprudenciais.

Entrementes, é notório nessa ADI que o intuito da Associação de Magistrados é demonstrar com base em simples conjectura, que não haveria “prejuízo” para as mulheres que diariamente sofrem violência doméstica, ainda que estejamos cansados de assistir notícias alarmantes de agressão e “feminicídio”, cujos índices vêm crescendo de maneira avassaladora.

Daí, cumpre indagar, só por uma questão de “amor ao debate”: como pode a Associação de juízes acreditar na falácia de que seria possível levantar dados precisos sobre a identificação dos aludidos crimes contra as mulheres supostamente noticiados pela imprensa se a mesma informa que não há certeza nem mesmo do número verdadeiro de casos de violência contra a mulher, uma vez que pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgada em fevereiro mostrou que no estado de São Paulo apenas 10% das mulheres que foram vítimas de alguma agressão procuraram a delegacia[7]? Ou seja, nem mesmo nos estados com suposta estrutura para registro e informação, não há como precisar números desse tipo de violência. Ademais, tem um agravante: a princípio, para algumas autoridades, o feminicídio não seria subnotificado, porém, os crimes anteriores ao assassinato das mulheres, sim! Logo, até mesmo no estado de São Paulo, há subnotificações no tocante à violência contra a mulher.

Outrossim, percebe-se que o nobre advogado da Associação de Magistrados não fez leituras acerca do tema. Se o fizesse, saberia que pesquisa divulgada pela FAPESP[8] aponta que:

Mais da metade das mulheres vítimas de abusos e agressões não denuncia seus algozes, possivelmente, porque são desencorajadas ou mal atendidas nas delegacias e serviços públicos de saúde. A conclusão consta da segunda edição do relatório “Visível e invisível: A vitimização de mulheres no Brasil”, divulgado em fevereiro pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em parceria com o DataFolha(…). Quase metade das mulheres continua sendo vítima de violência dentro de casa. Das que decidiram seguir em frente e denunciar seus agressores, apenas 22,2% procuraram um órgão oficial, como a Delegacia da Mulher. As outras 29,6% preferiram recorrer à ajuda da família, de amigos ou da igreja”.

Ué, por que será que na pesquisa acima referenciada não consta alusão a nenhum MOVIMENTO FEMINISTA ou COLETIVO prestando socorro às mulheres vítimas de violência? Ao que parece, o “sistema patriarcal religioso” vem sendo mais útil na tentativa de amparo às vítimas da violência doméstica.

Cabe ressaltar que são muitos os dados que devem ser averiguados para analisar se seria satisfatória a atuação do judiciário quanto a eficácia das medidas protetivas sob o comando da Lei Maria da Penha, caso a associação de magistrados tenha êxito na ADI. De fato, nem conhecemos ao certo, a natureza do fenômeno de “feminicídio” e a evolução das suas pernósticas garras nos últimos anos, uma vez que, conforme apurado pelo jornalista Daniel Sousa, somente a partir de outubro de 2016, o ISP (Instituto de Segurança Pública) passou a publicar, com periodicidade mensal, dados estatísticos referentes à incidência de feminicídio e tentativa de feminicídio. Antes dessa data, os registros eram todos como “violência contra a mulher” sem especificação, não se sabendo qual fenômeno caracterizaria a referida violência, o que mostra incipiência nas pesquisas sobre o tema.

Conforme dados divulgados pela OMS (Organização Mundial de Saúde), uma em cada quatro mulheres no mundo é vítima de violência doméstica e a Agência das Nações Unidas estima que no Brasil, as notificações violentas envolvendo mulheres tenham aumentado cerca de 230% nas últimas três décadas, o que por si só, demonstra a gravidade e urgência de medidas sérias para mudar esse caótico quadro. Porém, no “paraíso midiático das feministas”, ainda não houve real interesse de discutir seriamente os complexos aspectos que envolvem a violência contra a mulher e nem mesmo pressionar o Legislativo a trabalhar no sentido de promover medidas que protejam as vítimas da violência masculina.

Feministas estão caladas nas redes acerca do intuito da Associação de Magistrados de expurgar um instrumento de defesa dos direitos das mulheres via STF, que é discutível realmente do ponto de vista constitucional , mas poderia ser discutida “solução legal” e rápida para a pendenga judicial in casu. Contudo, é difícil acreditar que movimentos feministas, ou mesmo jornalistas e humanistas seletivos “movam uma palha” para dar visibilidade a questão num momento em que não se importaram de fato com a tramitação do projeto de lei que visa evitar que casos de violência contra a mulher deixem de ser notificados à polícia. De modo que, não houve alarde , os casos de suspeita ou confirmação de violência contra a mulher atendida em serviços públicos e privados.

Conclusão: no Brasil a “analogia judicialesca” não comporta os direitos das vítimas da violência contra as mulheres e as feministas “não  têm peito” para defender as pautas que realmente importam para coibir o feminicídio e demais crimes contra a mulher. Assim, no país das narrativas do progressismo decadente, o feminismo continua “machista”.

Andréa Fernandes – advogada, jornalista, internacionalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Daniel Sousa – jornalista e graduando de História.

Imagem: Diário do Litoral

[1] https://www12.senado.leg.br/noticias/videos/2019/05/sancionada-proposta-que-facilita-medidas-de-protecao-as-mulheres

[2] https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/05/14/publicada-lei-que-facilita-medidas-de-protecao-as-mulheres

[3]http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2019-05/lei-permite-medidas-emergenciais-mulheres-vitimas-de-violencia

[4] https://www.conjur.com.br/2019-mai-16/lei-autoriza-policial-conceder-medida-protetiva-questionada?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

[5] https://oglobo.globo.com/sociedade/quatro-ministros-do-stf-votaram-pela-punicao-de-homofobia-com-lei-sobre-racismo-23470946

[6] http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=403949

[7] https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/02/26/violencia-contra-mulheres-praticada-por-vizinhos-cresce-uma-em-cada-cinco-relata-agressao-diz-datafolha.ghtml

[8] https://revistapesquisa.fapesp.br/2019/03/07/faces-da-violencia-domestica/

Suécia: emigrantes cristãos atacados repetidamente por imigrantes muçulmanos temem que guerra civil ecloda no país

Cerca de 120.000 cristãos sírios residem na Suécia. Enquanto muitos deles fugiram do genocídio no Oriente Médio, os ataques contra suas igrejas e ameaças contra suas organizações ainda não são incomuns.
Após repetidas ameaças, a Federação Nacional Siriaca na Suécia aumentou as medidas de segurança , desde a vigilância de câmeras até seus guardas de segurança, informou o canal de notícias Samhällsnytt.
Um post recente no Facebook da Federação Nacional Siríaca detalhou ameaças carregadas de palavrões que recebeu de falantes de árabe.
De acordo com o porta-voz da federação, esta não é a primeira vez que tal incidente ocorreu. Na maioria das vezes, disse ele, os participantes falam sueco com um forte sotaque do Oriente Médio ou até mesmo em árabe.
A polícia, no entanto, optou por não investigar o assunto, explicando que linguagem obscena não é ilegal.
“Assim que algo acontece no Oriente Médio ou somos de alguma forma visíveis na mídia, recebemos essas chamadas, então estamos acostumados a isso.”
A certa altura, eles dizem que farão o mesmo conosco na Suécia, como fizeram no Oriente Médio. Um genocídio foi realizado no Oriente Médio contra os cristãos. Nós fugimos desses agrupamentos para a Suécia, mas eles nos alcançaram aqui ”, disse o porta-voz.
A Federação Nacional Siríaca recorreu repetidamente às autoridades, mas não encontrou entendimento, exceto entre os democratas cristãos.
De acordo com Samhällsnytt , há um sentimento generalizado de decepção entre os sírios na Suécia, em meio a preocupações com o futuro do Estado de Direito e com a capacidade do Estado de proteger as pessoas e julgar os crimes.
Esperamos uma guerra civil entre grupos diferentes, a menos que alguém coloque o pé no chão. As pessoas que fizeram atos terríveis no Oriente Médio, estão aqui agora… e ninguém parece se importar ”, concluiu o porta-voz.
As igrejas siríacas na Suécia testemunharam uma série de ataques a bomba e incêndios criminosos, como a igreja de Saint Afrem em Södertälje e a igreja de Saint Mary em Norrköping.
Os incidentes causaram fortes reações nos círculos sírios. Enquanto alguns argumentavam que era o momento de deixar a Suécia, se o Estado é incapaz de proteger todos os seus cidadãos, outros sugeriram obter uma força policial própria nos comentários.
Imagem e informações Voice of Europe

Lutando pelos cristãos e minorias perseguidos