Asia Bibi foi libertada da prisão mas ainda está no Paquistão

Depois de nove anos de prisão, a mulher católica acusada injustamente de ter insultado o profeta Maomé, foi libertada. O governo tinha estipulado um acordo com os radicais islâmicos para reabrir o caso. Agora espera-se os desdobramentos do caso

Cidade do Vaticano

Asia Bibi, a mulher católica de 47 anos, mãe de 5 filhos, foi condenada à morte em 2010 por uma falsa acusação de blasfêmia e no dia 31 de outubro passado, foi absolvida pelo Supremo Tribunal do Paquistão depois de 9 anos de prisão. Agora foi libertada e transferida, por motivos de segurança, para uma localidade secreta. As informações são de seu advogado Saif ul-Mulook.

Ouça e compartilhe

 Ameaças de morte

“Ela foi libertada – disse o advogado – e soube que a levaram para um avião, mas ninguém sabe a destinação”. A ordem de libertação chegou na quarta-feira (07/11) ao Cárcere de Multan, no Punjab, onde Bibi estava presa. Seu advogado, que recebeu numerosas ameaças, fez as declarações fora do Paquistão, pois afirmou que estava em perigo.

Pedido de asilo

O marido de Asia Bibi, Ashiq Masih, pediu asilo para sua família nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha, Canadá ou Itália, afirma que seria muito perigoso permanecer no Paquistão.

O Ministro do exterior de Islamabad, Muhammad Faisal, afirmou à Agência France Press, que a mulher ainda está no Paquistão. “Ela continua no Paquistão”, afirmou o porta-voz Muhammad Faisal, contrariando as informações da imprensa local de que ela havia deixado o país.

Asia Bibi, camponesa, tinha sido presa em junho de 2009 depois de uma discussão com mulheres muçulmanas, na qual ela foi acusada de blasfêmia. Da discussão nasceu a falsa acusação de blasfêmia a Maomé.

Com imagem e informações Vatican News e G1

Anúncios

Caso de blasfêmia no Paquistão: Asia Bibi liberta da prisão

Uma mulher cristã paquistanesa absolvida da acusação de blasfêmia depois de passar oito anos no corredor da morte foi libertada da prisão, disse seu advogado.

Alguns relatos dizem que Asia Bibi embarcou em um avião, mas seu destino não era conhecido.

A decisão da Suprema Corte provocou protestos de islamitas e o governo disse que isso a impediria de deixar o Paquistão.

Seu marido disse que estavam em perigo e pediu asilo.

Asia Bibi, mãe de cinco filhos, foi libertada da prisão na cidade de Multan, disse seu advogado, Saif Mulook.

Também conhecida como Asia Noreen, ela foi condenada em 2010 por insultar o profeta Maom durante discussão com os vizinhos.

Vários países ofereceram-lhe asilo.

Paquistaneses protestando contra a absolvição de Asia BibiImagem de direitos autoraisEPA
Legenda da imagemA absolvição de Asia Bibi provocou protestos de islâmicos

O governo paquistanês disse que vai iniciar um processo legal para impedir que ela vá para o exterior depois de concordar com a medida para acabar com os protestos violentos.

Muitos dos manifestantes eram radicais que apoiam fortes leis de blasfêmia e pediram que Asia Bibi fosse enforcada.

Um líder islâmico disse que todos os três juízes da Suprema Corte também “mereciam ser mortos”.

Um porta-voz da linha-dura Tehreek-e-Labaik (TLP) disse que a libertação de Asia Bibi está em desacordo com o governo.

“Os governantes mostraram sua desonestidade”, disse à Reuters o porta-voz do TLP, Ejaz Ashrafi.

O acordo também dispõe que autoridades não impediriam uma petição para a Suprema Corte avaliar a absolvição de Asia Bibi à luz da lei islâmica Sharia.

De que Asia Bibi foi acusada?

O julgamento decorre de uma discussão que Asia Bibi teve com um grupo de mulheres em junho de 2009.

Eles estavam colhendo frutas quando uma discussão começou por causa de uma caneca de água. As mulheres disseram que, por ter usado um copo, não podiam mais tocar no poço, pois sua fé o tornara impuro.

Os promotores alegaram que, na linha que se seguiu, as mulheres disseram que Asia Bibi deveria se converter ao islamismo e que ela fez comentários ofensivos sobre o profeta Maomé em resposta.

Mais tarde ela foi espancada em sua casa, durante a qual seus acusadores dizem que ela confessou a blasfêmia. Ela foi presa depois de uma investigação policial.

A Suprema Corte disse que o caso foi baseado em evidências não confiáveis ​​e sua confissão foi entregue na frente de uma multidão “ameaçando matá-la”.

Por que esse caso é tão divisivo?

O Islã é a religião nacional do Paquistão e sustenta seu sistema legal. O apoio público às rigorosas leis de blasfêmia é forte.

Os políticos de linha dura muitas vezes apoiaram severas punições, em parte como forma de fortalecer sua base de apoio.

Mas os críticos dizem que as leis foram usadas com frequência para se vingar de disputas pessoais, e que as convicções são baseadas em evidências frágeis.

A grande maioria dos condenados são muçulmanos ou membros da comunidade Ahmadi, mas desde a década de 90 dezenas de cristãos foram condenados. Eles representam apenas 1,6% da população.

A comunidade cristã tem sido alvo de numerosos ataques nos últimos anos, deixando muitos sentimentos vulneráveis ​​a um clima de intolerância.

Desde 1990, pelo menos 65 pessoas foram mortas no Paquistão devido a alegações de blasfêmia.

Com imagem The Guardian e informações BBC

Família de Asia Bibi: “Não temos mais nada para comer”

Eles estão implorando para ser autorizados a deixar o Paquistão

Com Asia Bibi e sua família temendo por suas vidas, seu marido pediu à comunidade internacional que os ajudasse a deixar o país.

Falando à instituição de caridade católica Ajuda à Igreja que Sofre, Ashiq Masih descreveu como a família ainda vive escondida após pedir que sua esposa não seja morta depois que ela foi absolvida de blasfêmia na última quarta-feira (31 de outubro).

Ele disse: “Ajude-nos a sair do Paquistão. Estamos extremamente preocupados porque nossas vidas estão em perigo. Não temos mais nada para comer, porque não podemos sair de casa para comprar comida. ”

Protestos violentos organizados pelo movimento político islâmico Tehreek-e-Labbaik, após a absolvição de Asia Bibi, forçaram a família a permanecer escondida.

A fim de acabar com os protestos, o governo do Paquistão concordou com um acordo que permitiu que Tehreek-e-Labbaik iniciasse um processo para que Asia Bibi fosse inserida na “lista de controle de saída” para impedi-la de sair do país.

O governo também se comprometeu a não se opor a qualquer revisão de seu veredicto de apelação.

Asia Bibi ainda está na prisão, apesar dos juízes da Suprema Corte terem ordenado sua libertação quando sua sentença foi revogada.

O Sr. Masih pediu que a mídia e a comunidade internacional continuem a se concentrar no caso de sua esposa: “Como é necessária essa atenção que mantém a Ásia viva até hoje”.

Referindo-se aos eventos da ACN em que a família falou sobre sua situação, incluindo a iluminação do Coliseu em fevereiro, o Sr. Masih disse: “Agradeço à Aid to the Church in Need, em particular por nos dar a oportunidade de falar ao mundo”.

Saif ul-Malook, advogado de defesa da Ásia Bibi, deixou o Paquistão devido a preocupações de segurança e agora está na Holanda. Ele pretende organizar uma coletiva de imprensa no final desta semana.

Após um apelo aos governos do Reino Unido, dos EUA e do Canadá no último final de semana pedindo que ofereçam asilo para a família, o Sr. Masih também apelou ao governo italiano para oferecer-lhes refúgio.

Ele disse: “Eu apelo ao governo italiano para ajudar minha família e eu a sair do Paquistão”.

A família também pediu asilo na Espanha e na França. Eles esperam que todos os filhos de Asia Bibi recebam asilo.

Com informações Catholic Herald

Milhares de imigrantes armados atacam a fronteira da Croácia para entrar na UE

A fronteira bósnio-croata está sob ataques contínuos de uma multidão armada de mais de 20 mil imigrantes, disse um funcionário ao Kronen Zeitung da Áustria.

A fronteira em Velika-Kladusa fica a apenas 224 quilômetros da Áustria e mais de 20.000 imigrantes esperam quebrá-la para se mudar para a Europa Central, afirmam os especialistas.

bwspezi@bwspezi

Velika-Kladusa – Dozens of migrants clashed with Bosnian police Wednesday while trying to cross from Bosnia into Croatia and enter the European Union.

Segundo os especialistas, quase todos os imigrantes “estão armados” como “quase todos têm uma faca”. “Os croatas estão realmente tentando lidar com isso sozinhos. Eles também posicionaram as Forças Especiais na fronteira ”, diz o especialista.

Quase não há mulheres e crianças no grupo, 95% são homens e um policial de fronteira já foi esfaqueado.

“A maioria deles vem do Paquistão. E há muitos iranianos, argelinos e marroquinos. Seu objetivo não é a Áustria ”, acrescentou o funcionário.

Segundo ele, os migrantes querem ir para a Alemanha ou para um dos países escandinavos.

“A maioria dos jovens tem cartões de crédito pré-pagos fornecidos pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (UNHCR) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF)”, acrescenta o funcionário.

Com Imagem e informações Voice of Europe

Egito: terroristas muçulmanos matam pelo menos sete cristãos em ônibus lotado de peregrinos

CAIRO – Na sexta-feira, terroristas islâmicos emboscaram um ônibus que levava peregrinos cristãos a um remoto mosteiro no deserto ao sul da capital egípcia, Cairo, matando pelo menos sete pessoas e ferindo 12, informou o Ministério do Interior. 

O porta-voz da igreja, Bouls Halim, disse que o número de mortos no ataque de sexta-feira provavelmente aumentará. Funcionários da igreja local na província de Minya, onde ocorreu o ataque, estimaram o número de mortos em 10, mas este valor mais alto não pôde ser confirmado.

Nenhum grupo foi imediatamente responsabilizado pelo ataque, que tinha o selo do Estado Islâmico, que há anos combate as forças de segurança na Península do Sinai e na fronteira porosa do deserto do Egito com a Líbia.

O ataque na sexta-feira é o segundo a assassinar os peregrinos que se dirigem ao mosteiro de San Samuel, o Confessor, em tantos anos. O ataque anterior, em maio de 2017, deixou quase 30 mortos.

Ministério do Interior que supervisiona a polícia disse que os terroristas usaram estradas de terra secundárias para chegar ao ônibus que transportava os peregrinos, que estavam perto do mosteiro no momento do ataque.

O ataque do ano passado foi o mais recente de uma série letal de ataques contra igrejas no Cairo, na cidade mediterrânea de Alexandria e Tanta no Delta do Nilo, ao norte da capital. Esses ataques, todos reivindicados pelo grupo do Estado Islâmico, deixaram pelo menos 100 pessoas mortas e levaram a uma maior segurança nos locais de culto cristãos e outras instalações ligadas à Igreja.

Os cristãos no Egito, que representam cerca de 10% dos 100 milhões de habitantes do país, queixam-se da discriminação no país de maioria muçulmana. A Igreja aliou-se ao presidente Abdel-Fattah el-Sissi quando ele, como ministro da Defesa, liderou a derrubada militar em 2013 de um presidente islamita, Mohammed Morsi.

Imagem US News & World Report e informações e  NBC News e Israel Noticias

Militares se negam a revistar bandido venezuelano que levou objetos de furto para abrigo em Pacaraima

RORAIMA – Uma professora que leciona nas redes municipal e estadual de ensino a teve a sua residência furtada por venezuelanos e ao tomar conhecimento que o autor seria um venezuelano, se dirigiu ao abrigo, mas foi impedida de reaver seus pertences por militares e representante de ONG que administram o local. O ativista Nando Abreu entrevistou a vítima na manhã dessa sexta-feira.

Uma professora do município de Pacaraima – que não sera identificada por razões de segurança – teve a sua casa novamente furtada na noite de quinta-feira (1/11). A família percebeu pela manhã que alguém invadiu a residência pela janela e furtou utensílios diversos, incluindo produtos eletroeletrônicos, roupas, sapatos, bolsa, cartão e R$ 1.750,00.

A família já havia sido furtada em ocasião anterior quando criminosos furtaram um bujão de gás. No entanto, a professora tomou conhecimento que o criminoso seria um venezuelano que vivia num abrigo mantido na cidade, e preocupada, sobretudo, com o material escolar dos seus alunos que estava numa bolsa que também foi levada, se dirigiu ao referido abrigo e assim que chegou avistou seu notebook. Contudo, ao solicitar ao tenente para que fosse efetivada uma “revista” no local pelos militares, teve o pedido negado, posicionamento este ratificado por representante da ONG no local.

A vítima precisou pedir socorro à Força Tática da Polícia, que a acompanhou em diligência ao local procedendo à busca dos objetos furtados e identificando o criminoso venezuelano, o que que resultou na recuperação de parte do produto de furto, pois, segundo o bandido, alguns objetos teriam sido “vendidos”. O dinheiro não foi recuperado.

Ao confessar o crime, o bandido venezuelano informou que costuma alimentar o cachorro da vítima e no dia do crime usou uma substância para dopar o animal facilitando a invasão da residência.

Os policias souberam, ainda, que o criminoso agiu com um comparsa, mas o mesmo se negou a identificá-lo. A vítima do crime que já é comum na localidade mostrou gratidão à eficiência da Força Tática de Pacaraima ressaltando que os policiais civis estão numa situação que os impede de promover um serviço de segurança adequando á necessidade da comunidade, uma vez que, segundo ela, a classe não recebe pagamento há 60 dias e os veículos não têm nem mesmo gasolina para trafegar.

Enquanto a população sofre com o aumento assustador de assaltos e crimes diversos, o governo federal se nega a instalar controle rígido na fronteira para evitar que criminosos ingressem no município. A situação caótica levou o ativista Nando Abreu a articular mais uma reunião com os moradores convidando autoridades locais para participarem a fim de ser viabilizada solução para as demandas de segurança e demais serviços públicos.

Com informações de Nando Abreu e imagem G1 Globo

Deputado eleito Douglas Garcia (PSL/SP) reconhece relevância das pautas da ONG Ecoando a Voz dos Mártires

Reforçando comunicado anterior, o Deputado Estadual afirma que Assembleia Legislativa de SP estará de “portas abertas” para receber a ONG EVM

SÃO PAULO- O deputado Douglas Garcia eleito em São Paulo pelo PSL, ao se pronunciar sobre a decisão do presidente Jair Messias Bolsonaro no sentido de transferir a embaixada brasileira sediada em Tel Aviv para Jerusalém, destacou a importância do trabalho na área de direitos humanos que vem sendo promovido pela ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Assim que se elegeu, o deputado entrou em contato imediatamente com a presidente da ONG EVM, a jornalista Andréa Fernandes, disponibilizando o apoio às pautas da instituição no tocante à competência da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Contudo, nessa quinta-feira, Douglas Garcia usou sua página oficial para formalizar o apoio à entidade que além de combater violações dos direitos humanos no mundo muçulmano, perseguição religiosa e antissemitismo, vem, também, sendo arauto do sofrido povo de Roraima, que vem padecendo em virtude do caos provocado pela imigração desordenada de venezuelanos sem o devido amparo do governo federal e ONU.

Eis o pronunciamento do parlamentar em sua página oficial:

Com a declaração do Presidente Bolsonaro sobre a transferência da Embaixada Brasileira de Israel para Jerusalém, aproveito a oportunidade para anunciar que a Assembleia Legislativa de SP abrirá as portas para receber a ONG Ecoando a Voz dos Mártires através do meu mandato. A ONG de Direitos Humanos é reconhecida por lutar pelos direitos dos cristãos, judeus, venezuelanos, africanos, religiosos e grupos que sofrem nas mãos de ditadores e são vítimas de fake news pela extrema-imprensa“.

 

Tensão em Pacaraima: Idoso é esfaqueado por 3 venezuelanos

RORAIMA – Na noite de terça-feira, três venezuelanos encapuzados invadiram a casa de um brasileiro idoso em Pacaraima e tentaram assassiná-lo a facadas. Devido mais um ato criminoso covarde perpetrado por imigrantes venezuelanos a situação ficou tensa no local.

Alfredo de Louise, de 79 anos, estava em sua residência onde mora sozinho, quando segundo testemunhas dois homens e uma mulher de origem supostamente venezuelana invadiram o imóvel e desferiram facadas próximas à jugular e o coração da vítima. O idoso está internado no Hospital em Pacaraima e recebeu a visita do ativista Nando Abreu e do prefeito da cidade, Juliano Torquato (PRB).

Com mais esse incidente criminoso promovido por venezuelanos, a situação que já era tensa na região se agravou e o prefeito fará reunião com liderança comunitárias, tendo convidado Nando Abreu para participar, a fim de articularem propostas de mobilização do aparato estatal para socorrer a população em suas demandas devido a falência nos serviços públicos, principalmente, na área de segurança.

Com informações Nando Abreu

Suécia: menina de 10 anos estuprada em Malmö – a polícia se recusa a divulgar a descrição física do suspeito

Na tarde de quinta-feira, uma menina de 10 anos foi estuprada em Malmö. A polícia tem uma descrição do suspeito, mas não revela nenhum detalhe , escreve Sydsvenskan.

Às 17h30 de quinta-feira, ocorreu um estupro num pátio em Malmö. Segundo a polícia, um adulto se aproximou de uma menina de 10 anos.

Quinta-feira à noite, a polícia optou por bloquear uma sala de depósito de lixo e uma sala de armazenamento de bicicletas na área residencial para garantir provas técnicas. A polícia também usou cães para revistar a área.

Na sexta-feira, a polícia realizou uma busca e também verificou as câmeras de vigilância que podem ter capturado o agressor.

A menina foi interrogada na sexta-feira. O que ela contou, a polícia não quer dizer.

A polícia tem uma descrição do suspeito, mas não divulga nenhum detalhe.

Queremos depoimentos não afetados e, portanto, não entraremos em detalhes, diz Mats Attin.

Inicialmente, a polícia não quis revelar a suspeita de crime, mas a promotora distrital Charlotte Ottosen anunciou mais tarde na sexta-feira que foi um estupro de uma criança.

A polícia pede que as testemunhas entrem em contato com eles, no número 114 14, caso tenham feito observações por volta das 17h da quinta-feira.

Um refugiado adulto estupra a filha de 12 anos de sua família adotiva francesa porque “estava apaixonado”

Esta semana, um imigrante foi considerado culpado de estuprar uma menina de 12 anos, cuja família o abrigava gratuitamente, informa Nord Éclair . 

Na segunda-feira, o julgamento do imigrante de 29 anos, de Roubaix foi aberto ao público. Ele foi condenado por estuprar uma garota francesa de 12 anos.

O imigrante obteve uma concessão de asilo em 2013, ao afirmar que estava fugindo da “perseguição política”.

Assim que ele chegou na família, ele estuprou a menina e foi levado à prisão como conseqüência. Ele afirma estar apaixonado pela jovem e que ela sente o mesmo em relação a ele.

O júri considerou-o culpado de “agressão sexual” e afirmou que a menina não podia consentir em quaisquer relações sexuais por causa de sua tenra idade como no momento do crime, ela tinha apenas 12 anos.

Ele foi condenado a mais cinco anos de prisão com um ano suspenso.

Imagem e Informações Voice of Europe

Lutando pelos cristãos e minorias perseguidos