Sudão: Líderes das mesquitas incitam muçulmanos a atacar cristãos, muçulmanos gritando “Allahu akbar” matam esfaqueado cristãos

“Cristãos atacados no Sudão após incitação por líderes da mesquita em Cartum”, Morning Star News , 24 de junho de 2020:

JUBA, Sudão do Sul (Morning Star News) – Após telefonemas de líderes de mesquitas no leste de Cartum, no Sudão, para livrar sua “área muçulmana” de cristãos do sul do Sudão, vários cristãos foram atacados no país e em Omdurman, este mês, disseram fontes.

No final das orações da noite em uma mesquita na região de Al-Jerif East, na margem oriental do rio Nilo Azul, na localidade de Nile Oriental em Cartum, os imãs pediram aos moradores que livrassem os sudaneses do sul de cristãos na “área muçulmana, ”, disse uma fonte que pediu anonimato ao Morning Star News. Ataques contra cristãos na área ocorreram naquela noite e no dia seguinte.

Em um ataque separado no sábado (20 de junho) em Omdurman, do outro lado do rio Nilo, a oeste de Cartum, jovens muçulmanos gritando o slogan jihadista “Allah Akbar [Deus é maior]” esfaqueou um cristão até a morte em um ataque de rua contra ele e quatro outros sudaneses do sul na área de Shigla, disse outra fonte sob condição de anonimato.

Mariel Bang deixa sua esposa e quatro filhos com idades entre 1 e 4 anos, disse a fonte. Bang tinha 35 anos.

Além da morte de Bang, ele acrescentou, o ataque deixou um dos outros cristãos do sul do Sudão em estado crítico. Os outros três cristãos agredidos eram mulheres que sofreram ferimentos leves, disse ele.

Vamos queimar este lugar“, disse um dos agressores, segundo a fonte.

Ataques de Cartum

Após o pedido de imãs no dia 6 de junho, em Al-Jerif East, em Cartum, para livrar a área do sul do Sudão, três jovens muçulmanos com bastões, paus e rifles espancaram dois cristãos depois que saíram de um mercado local, disse outra fonte. Ariere Sathor, 18, gravemente ferido, disse ele.

“O ataque deixou um dos dois cristãos [Sathor] em estado crítico depois de sofrer ferimentos na cabeça”, disse a fonte. “Os muçulmanos que consideram a área território muçulmano estavam gritando: ‘Eles [sul-sudaneses] devem deixar este lugar à força.‘”

Os líderes da mesquita disseram aos presentes na oração da noite que os sudaneses do sul eram infiéis, criminosos e consumidores de bebidas alcóolicas, o que é proibido no Islã, disse ele.

No dia seguinte, 7 de junho, multidões de jovens muçulmanos enviaram refugiados do Sudão do Sul fugindo para salvar suas vidas enquanto atearam fogo em 16 abrigos improvisados ​​de folhas de plástico onde os refugiados moravam na área de Al-Jerif East, segundo a fonte .

“Os jovens disseram que não queriam vê-los em uma área muçulmana”, disse a fonte ao Morning Star News.

No ataque, 10 católicos romanos do sul do Sudão na área ficaram feridos, incluindo uma mulher, Achoul Deng, disse ele. Entre outros feridos estavam Deng Akuiek, 25; Deng Amoul, 18; Malieng Dengdid; Gwot Amoul; e Garang Arou Yien.

A mulher católica ferida, Achoul Deng, disse que homens muçulmanos há muito perseguem mulheres cristãs no leste de Al-Jerif.

“Essa questão está nos perturbando”, disse ela, “e não é aceitável – mas o que podemos fazer, oh Deus?”

Após os ataques de 6 a 7 de junho, os muçulmanos se denominaram como os Comitês de Resistência de Al-Jerif East (Hai-Gerief Shriq) levados às mídias sociais para explicar por que atacaram e queimaram as tendas dos refugiados do Sudão do Sul. Em sua declaração no Facebook, eles criticaram a polícia por não prender os cristãos por crimes não especificados.

“Culpamos a força policial nesta mensagem por não estar disponível em tempos de necessidade“, diz o comunicado ….

O Sudão havia sido designado CPC pelo Departamento de Estado dos EUA desde 1999.

O Sudão ficou em 7º lugar na lista de observação mundial dos países onde é mais difícil ser cristão.

Por Jihad Watch

Senado e STF seguindo o modelo de censura extremista do Irã

Por Andréa Fernandes

A conjuntura internacional vem fervilhando com pautas diversas que se entrelaçam nos emaranhados globalistas. Mas, o modus operandi totalitário guarda fortes semelhanças entre as ditaduras islâmicas e os regimes comunistas, inclusive, na versão “socialista”, guardadas as especificidades de cada “cultura”, que deve ser “respeitada, desde que se coadune com  a diretriz de desconstrução do modelo civilizacional herdado da tradição judaico-cristã.

No rastro da tsunami globalista populações majoritariamente conservadoras são reputadas como “nada”, uma vez que o “sistema progressista”  promove perseguição e censura representadas pela extrema-imprensa como mecanismos necessários à salvaguarda da “democracia”, de modo que esboçar qualquer “pensamento conservador” já é considerado “ato antidemocrático”, sobretudo, quando se incorre em denúncias e condenações à corrupção generalizada na administração pública.

Governo conservador não impede os propósitos da agenda globalista como se vê claramente no Brasil graças ao aparelhamento ideológico em todas as instituições. Quem imaginava a criminalização da opinião emergindo da mais alta corte do país? Prisões políticas aplaudidas pela mídia mainstream num cenário mascarado de combate às fake news e aos “atos antidemocráticos” advieram como resultado de narrativas progressistas rotulando conservadores de “fascistas” e “nazistas”.

Contudo, os noticiários dessa semana mostram o linhame globalista das violações aos direitos humanos implementadas por agentes do Estado no Brasil e o regime totalitários islâmico iraniano. Nessa terça-feira, o ministro do STF Alexandre de Moraes prorrogou a prisão política do jornalista profissional Oswaldo Eustáquio – rebaixado a blogueiro por jornalistas militantes – como “punição” por apoiar abertamente o presidente Bolsonaro e ousar praticar jornalismo investigativo que denunciou sua esposa por “atender políticos condenados do PSDB em tribunais superiores[1]. A manutenção de atos inconstitucionais baseados em ilações infundadas lastreadas em lei composta durante a ditadura seguem a mesma diretriz utilizada pela tirania iraniana ao condenar à pena de morte o jornalista Rouhollah Zam, o qual vinha fazendo oposição nas mídias sociais ao regime.

Dentre as muitas “informações proibidas”, o jornalista iraniano divulgou tortura e maus tratos em centros de detenção iranianos, bem como documentos que corroboravam denúncias de fraude no sistema judicial iraniano envolvendo principalmente um ex-chefe do Poder Judiciário. Zam foi acusado de manifestar em suas reportagens preconceito, informações erradas – leia-se fake news” –  e violações da “integridade jornalística[2]. Tais quais as denúncias de Eustáquio contra a esposa do excelentíssimo ministro, não houve investigação dos atos ilícitos noticiados pelo jornalista iraniano.

Outra “coincidência” entre os dois prisioneiros está na “motivação” do “cárcere pedagógico”: Zam foi julgado por 17 acusações vinculadas à questão de “segurança”, o que engloba incitar violência mortal, vazar informações secretas e insultar o líder supremo iraniano. Como é de sabença geral, Eustáquio e todos os militantes bolsonaristas presos por criticar ministros do STF foram enquadrados na Lei de Segurança Nacional. Seguindo a linha a ditadura islâmica, o sr. Alexandre trata críticas como insultos e atentados à segurança nacional.

 O “sigilo” que paira sobre as investigações ultrassecretas contra Eustáquio não revela muita coisa sobre as acusações que o tornam um criminoso que põe em risco a segurança do país, exceto narrativas desconexas como a acusação de que estaria mobilizando parcela da população que “com afinidade ideológica” tem sido usada para propagar extremismo e discurso de polarização, apesar do jornalista não ter grande engajamento nas redes e seu atos não serem considerados “crimes” pela lei penal vigente. Além disso, investigadores propalam a existência de indícios de que o jornalista participa de fatos que estão sob apuração e guardam relação com atos de potencial lesivo considerável, sem mencionar, é claro, quais fatos estão sendo apurados e a descrição do “potencial lesivo” que justifiquem a medida extrema de prisão.

A PGR reforça o posicionamento ideológico-vingativo do ministro Alexandre de Mores ao acusar o jornalista Eustáquio de “defender uma ruptura institucional oblíqua”, apesar da defesa da legitimidade do acionamento pelo Executivo Federal do Art. 142 da Constituição Federal estar amparada no parecer do mais notável jurista brasileiro, o Dr. Ives Gandra da Silva Martins. É triste ter que reconhecer que a “sorte” de Eustáquio é não ter previsão de pena de morte em nosso ordenamento.

Aliás, engana-se quem pensa que as semelhanças de tirania com o regime dos aiatolás do terror terminam por aí... A aprovação pelo Senado do PL 2630/2020, conhecido como Projeto de Lei das Fake News[3], causou verdadeiro assombro nas redes, pois, representa um dos muitos instrumentos de censura para inviabilizar a liberdade de expressão oficializando o enviesamento ideológico das informações que circulam no país. A pauta é transformar em “informações” as narrativas desinformativas  da extrema-esquerda.

O ataque afrontoso à liberdade de expressão no Brasil sob o enaltecimento vergonhoso do presidente do Senado Davi Alcolumbre ocorre quase ao mesmo tempo da investida ditatorial do parlamento iraniano, que está pressionando o ministro das Comunicações e Tecnologia da Informação a proibir a única mídia social autorizada para a população, o Instagram, que segundo estimativas, é usado por metade dos 84 milhões de iranianos.

No Irã, as mídias são acusadas de desintegrar muitas famílias iranianas”, mas a mania de bloquear as plataformas de redes sociais aprofundou-se em 2009, durante os protestos contra a reeleição fraudulenta do presidente autoritário Mahmoud Ahmadinejad. Naquela época, as autoridades impediram todos os usuários de acessar Facebook, YouTube e Twitter, visando impedir a organização de comícios antigoverno. Já o Telegram foi o alvo do bloqueio da tirania islâmica nove anos depois, quando o país muçulmano foi palco de protestos em razão da crise econômica fruto da corrupção no regime. Importante frisar que a elite religiosa continua usando sem qualquer impedimento todas as plataformas proibidas à população.

Manifestações no país muçulmano – que sempre teve apoio irrestrito dos partidos de esquerda no Brasil – costumam ser encerradas através da violência estatal na “contenção das multidões”. Prisões são comuns para inibir a liberdade de expressão, considerada “haram[4].

Entretanto, infelizmente, a nossa democracia já vem sendo ferida com as prisões arbitrárias da parceria PGR+STF, e a situação tende a se agravar em virtude da ausência de protestos nas ruas. Conservadores não perceberam que a Lei de Segurança Nacional já integra os mecanismos de censura e punição dos críticos às ações supremas dos “ministros da toga vermelha”.

O ativista político iraniano  Ejlal Ghavami denuncia a verdadeira intenção que permeia a censura das mídias sociais em momentos de crise econômica e demais demandas urgentes. Diz ele que a única intenção por trás desse impulso é a preocupação desses tiranos como o livre fluxo de informações, o que pode se tornar um óbice para interesses das elites governantes.

Espero que os brasileiros compreendam o caos gigantesco que proporcionará a aprovação de um projeto de lei que legitimará a censura e consequente perpetuação das estruturas totalitárias de dominação. A pressão no que concerne aos deputados que votarão o projeto de lei que legitima a censura é de vital importância para o futuro da nação. É hora da democracia gritar contra o totalitarismo!

Recentemente, a TV iraniana transmitiu um vídeo de propaganda de ódio contra os Estados Unidos com uma música que terminava com o refrão “é o fim do seu reinado, América[5]! Considerando a influência perversa da tirania islâmica iraniana na América Latina, nunca é demais conclamar o povo brasileiro à vigilância total para que não ouçamos como “tom de realidade” o refrão “é o fim da sua democracia, Brasil varonil”!

Andréa Fernandes – advogada, internacionalista, jornalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Foto: Walterson Rosa / Framephoto / Estadão Conteúdo

[1] https://gazetabrasil.com.br/politica/zambelli-eustaquio-foi-preso-porque-fez-reportagem-sobre-esposa-de-moraes-e-politicos-do-psdb/

[2] https://www.al-monitor.com/pulse/originals/2020/06/iran-journalist-sentence-execution-rouhollah-zam-amad-news.html

[3] https://oglobo.globo.com/brasil/senado-aprova-projeto-de-lei-sobre-fake-news-1-24508273

[4] A palavra Haram significa ilícito, proibido, impuro, ilegal. (https://www.fambrashalal.com.br/haram)

[5] https://www.memri.org/tv/anti-america-music-video-iranian-channel-george-floyd-end-reign-america

Damares em “lugar incerto e não sabido”, quando o pleito é prisão ilegal do STF

Por Andréa Fernandes

Na noite de quinta-feira (19/06), a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia rejeitou o pedido de Habeas Corpus impetrado pela defesa da ativista política Sara Winter, presa por ordem do ministro do STF Alexandre de Moraes a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) em virtude de um inquérito ilegal de motivação política para averiguação de supostos “atos antidemocráticos” sob a égide da doutrina ideológica de extrema-esquerda que comemora animadamente as imagens da CNN e GloboNews exibindo faixas de militantes aguerridos na Avenida Paulista (SP) pedindo abertamente “ditadura do proletariado” e “revolução” em plena manifestação em defesa da democracia.

É bom frisar que exatamente no dia em que Sara foi transferida para a Penitenciária Feminina do Distrito Federal, o Ministério Público Federal ARQUIVOU representação do ministro Alexandre de Moraes em relação às acusações absurdas de que a militante bolsonarista teria violado a Lei de Segurança Nacional, que costuma ser lembrada pela extrema-esquerda como reminiscência do autoritarismo da “ditadura” exclusivamente quando aventada a imputação de crime de difamação contra o presidente da República como aconteceu recentemente no evento em que o Ministro da Justiça e Segurança Pública André Mendonça pediu a abertura de inquérito para a Polícia Federal e Procuradoria-Geral da República investigarem a publicação de charge do extremista cartunista Renato Aroeira reverberada no Twitter pelo blogueiro de extrema-esquerda Ricardo Noblat exibindo o presidente Jair Bolsonaro com alusão da suástica nazista.

Quem sabe o Ministério Público Federal percebeu que seria “prejuízo” enquadrar a militante bolsonarista na lei que trata dos crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social, pois existem milhares de publicações nas redes e jornais difamando e ameaçando o chefe do Poder Executivo? Enquadrar extremistas que odeiam e querem a destruição do presidente eleito seria muito trabalhoso e “antidemocrático”, segundo a cartilha seguida por muitos membros da instituição.

Justiça Federal arquiva parte da denúncia com base na Lei de Segurança Nacional

Seguindo o mesmo entendimento do MPF, o juiz Rodrigo Parente Paiva Bentemuller, da 15ª Vara Criminal da SJDF, determinou o arquivamento parcial da denúncia, salientando que a militante bolsonarista não cometeu crime elencado na Lei de Segurança Nacional.  Afirmou o magistrado:

No presente caso, concluo, em consonância com o Ministério Público Federal, que não há elemento seguro de que a motivação e o objetivo imputados à denunciada sejam suficientes para a configuração do delito previsto na Lei de Segurança Nacional: “Art. 18 – Tentar impedir, com emprego de violência ou grave ameaça, o livre exercício de qualquer dos Poderes da União ou dos Estados.”, por não restarem realizados atos efetivos que culminassem em tentativa de impedir o livre exercício de Poder da União”.

Bentemuller ainda ressalta que as denúncias contra Sara de injúria e ameaça não excedem dois anos de pena, despachando o seguinte: o rito a ser adotado ao processamento do presente feito é o do Juizado Especial Criminal Federal.

Com isso, os advogados de Sara, acreditando que estariam ainda vivendo num estado de Direito, ingressaram com pedido de habeas corpus, pois já há DECISÃO JUDICIAL mostrando que trata-se de infração de potencial ofensivo de menor relevância, que em tese, não deve ser apenada com prisão num ordenamento jurídico que respeita os ditames da Constituição Federal e legislação penal . Porém, a ministra responsável pela decisão de ordenar a soltura da ativista não ousou desafiar o poder supremo do vice-deus “Alexandre, o grande… tirano“. Se eu tivesse as “garantias constitucionais” do ex-presidente Lula e seus comparsas, até chamaria essa senhora Carmen Lúcia de “acovardada”ou “charlatã togada” e “engodo” por não respeitar a Carta Magna. Como não tenho esses “privilégios” restritos ao poderoso ex-presidiário  que indicou ministros do STF, me conterei via “automordaça”, para evitar busca e apreensão, prisão e outras medidas ditatoriais ressuscitadas pelos guardiões da ideologia marxista. Lula e os seus camaradas, parceiros de crime, têm direito à “liberdade de expressão”, mas uma jornalista não alinhada à “Constituição de Marx” corre o sério risco de ser enquadrada na Lei de Segurança Nacional por não se curvar aos ” supremos poderes do olimpo”!

O Estado deve se fazer presente na defesa dos direitos violados por seus agentes

Resta refletir no seguinte: diante do autorismo incontido do STF, qual será a “solução” para brasileiros que apoiam o presidente eleito e se manifestam usando a liberdade de expressão prevista na Constituição Federal, mas são ameaçados por PRECEDENTE criado pela prisão injusta de Sara Winter com base ilegal na Lei de Segurança Nacional requentada exclusivamente para servir a milhões de apoiadores do presidente?

Ora, se um agente do Estado representado pelo ministro da mais alta corte do país usa lei de tempo ditatorial exclusivamente para perseguir e calar com PRISÃO a crítica de apoiadores do presidente contra a atuação das “togas ideológicas” que julgam ao arrepio da lei, da moral e dos bons costumes, SOMENTE o próprio ESTADO representado pelo Executivo tem o PODER de, respaldado na Constituição, enfrentar o autoritarismo institucionalizado. E se esse Executivo Federal tem uma PASTA cujo DEVER FUNCIONAL é ASSEGURAR A GARANTIA CONSTITUCIONAL DE DIREITOS HUMANOS para TODOS os brasileiros, pasta esta chamada de Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, chefiada pela ministra, que também é advogada, Dra. Damares Alves, a pergunta que não quer calar é: POR QUE NOSSA MINISTRA AINDA SE MANTÉM EM SILÊNCIO CONSTRANGEDOR EM MEIO À MAIOR AMEAÇA CONTRA AS LIBERDADES INDIVIDUAIS PROMOVIDAS EM NOSSO PAÍS?

Funcionários ocultam presença da ministra Damares na repartição para evitar pronunciamento

Em REQUERIMENTO protocolado na quinta-feira (18/06), a ONG Ecoando a Voz dos Mártires (EVM) pediu em caráter de URGÊNCIA o posicionamento público do Ministério comandado por Damares Alves no sentido de tomar providências concretas para a soltura de Sara e de OUTROS PRESOS por motivação política. Ao ingressar com o requerimento que redigi, o representante da ONG em Brasília, Robson Casagrande, ouviu do funcionário responsável pelo protocolo que, na manhã da sexta-feira, o requerimento estaria na mesa da ministra para apreciação.

Assim, por volta das 15:30h de sexta-feira, na condição de presidente da ONG EVM entrei em contato com o Protocolo Central do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), para confirmar as informações passadas no dia anterior, pelo que soube a tramitação do requerimento: foi encaminhado às 9:37h à serventuária de documentação, Sra. ADRIANA DE ALMEIDA MODESTO. Contudo, ao entrar em contato com a referida serventuária, identificando o requerimento, disse ela não ser responsável pelo procedimento de encaminhar o documento à Damares, desmentindo a informação inicial recebida no Protocolo Central. Adriana, muito nervosa, afirmou que não poderia garantir que o requerimento estará na mesa da ministra porque depende de agenda e demandas outras da ministra. Disse, ainda, num tom de desprezo assustador para eu ligar na terça-feira para saber a tramitação.

A fala de Adriana Modesto mostrou que não leu o requerimento, pois se assim o fizesse, saberia que havia um pedido de URGÊNCIA para o despacho da autoridade competente. Dessa forma, fui obrigada a explicar a necessidade de rapidez no encaminhamento. A funcionária passou a me tratar de forma ríspida e piorou quando indaguei se a ministra estava na repartição pública. Adriana Modesto MENTIU dizendo não saber a agenda da ministra e me encaminhou para o setor de Cerimonial. Todavia, o funcionário que me atendeu, demonstrando irritação, disse não ter autorização para informar se a ministra estava no ministério dizendo que eu deveria me direcionar à agenda no site oficial, mesmo sabendo que naquele horário inexistia qualquer informação sobre as atividades da ministra na sexta-feira. Insisti e demonstrada a intenção de esconder informação de caráter público, pedi o nome completo e função do funcionário, o qual se negou a fornecer.

Só à noite, antes de iniciar à LIVE assistida por milhares de seguidores onde DENUNCIEI o descaso do Ministério dos Direitos Humanos, constatei que a informação da “agenda da ministra” foi finalmente incluída no site oficial, e pasme, leitor! No horário em que supliquei à serventuária Adriana Modesto para encaminhar com urgência o requerimento pleiteando socorro para brasileiros presos por motivação política, a ministra Damares estava no gabinete efetivando despachos internos, conforme consta no registro tardio do site que informa o seguinte:  no horário de 11:00 – 12:00h Damares procedeu a despachos internos, bem como no horário de 14:00 – 15:00h participou de videoconferência com o deputado federal Carlos Jordy (PSL/.RJ), e esteve em gabinete devido DESPACHOS INTERNOS no horário de 15:30 – 19:00h, o que comprova o intuito consciente dos funcionários em esconder a presença da ministra a fim de evitar insistência para que cumprisse seu dever funcional de despachar requerimento denunciando grave violação de direitos. Certamente, a ministra tomará conhecimento desse acontecimento e será instada a se pronunciar informando o motivo dos seus funcionários mentirem acerca de informação que deveria ser pública.

A inoperância da ministra Damares me levará a ingressar com requerimento no Ministério da Justiça e Segurança Pública, mas não tenho boa expectativa. O ministro André Mendonça se reuniu com o ministro do STF Alexandre de Moraes na sexta-feira, para tratar de alguns processos em curso no STF, porém, segundo a agenda pública, não constava a pauta de prisão ilegal dos apoiadores de Jair Bolsonaro. Caso ambos ministérios continuem silentes, a ONG EVM se reportará ao presidente da república, salientando a omissão das pastas.

Paralelo a tudo isso, as redes mostram que infelizmente, muitos conservadores não compreenderam ainda que a questão que se coloca não é a conduta de Sara em seus polêmicos “protestos”, e sim, a instrumentalização da sua prisão para impedir a manifestação de outros brasileiros que nem mesmo concordam com as ações e palavras da bolsonarista, a qual não exerce grande liderança entre movimentos favoráveis ao presidente.

Nossa liberdade de expressão está AMEAÇADA e aqueles que não simpatizam com Sara ficam adstritos a querelas pessoais ou políticas! No momento, não importa se a militante é “oportunista”, como muitos acusam… É a nossa LIBERDADE que está sob ameaça, porque hoje Sara – odiada pela esquerda e parcela da direita – está numa penitenciária, mas amanhã, a mesma decisão arbitrária será usada contra você!

Poupar a ministra Damares, e por conseguinte, o MMFDH de conclames ordeiros e respeitosos ao cumprimento do seu dever institucional, é mais um “tiro no pé” de lideranças conservadoras que sabem da limitação abissal dos movimentos sociais conservadores para enfrentamento  civilizado com o  Estado-juiz-inquisidor que os levará no futuro às mesmas acomodações carcerárias de apoiadores anônimos do presidente.

Andréa Fernandes – advogada, jornalista, internacionalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires (EVM).

Foto: Jorge William

ONG EVM insta Ministério dos Direitos Humanos a se posicionar sobre prisão política de Sara Winter

Brasília – A ONG Ecoando a Voz dos Mártires (EVM) ingressou com requerimento nesta quinta-feira (18/06) no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos pleiteando o posicionamento oficial da pasta acerca da prisão ilegal da ativista política Sara Fernanda Girmoni, presa de forma arbitrária e imotivada na segunda-feira(15/06) por ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR).

O representante da entidade em Brasília Robson Carlos Casagrande protocolou o requerimento elaborado pela internacionalista e advogada Andréa Fernandes, presidente da ONG EVM, solicitando providências urgentes em razão das flagrantes violações de direitos humanos promovidas pelo Poder Público contra a ativista por motivo notoriamente ideológico.

Sara foi conduzida inicialmente até a Superintendência da PF e tomou conhecimento que a prisão é temporária, com duração prevista de cinco dias, prorrogável por mais cinco dias, porém, conforme divulgado pela ativista  Desire Querioz, que estava em companhia da líder do MOVIMENTO 300 DO BRASIL  no momento da prisão ilegal, não lhe foi deferido o direito primacial de tomar conhecimento acerca do motivo real da referida prisão.

Em 17 de junho, A ATIVISTA FOI TRANSFERIDA PARA O PRESÍDIO FEMININO DE BRASÍLIA (PFDF), conhecido como Colmeia, ONDE ESTÁ ISOLADA, SENDO PRIVADA DE ACESSO A SEUS REMÉDIOS E, SOB PRETEXTO DA COVID-19, ESTÁ SENDO NEGADO ACESSO DOS ADVOGADOS À SUA CLIENTE.

Na mesma data (17/06), os jornais divulgaram a notícia do Ministério Público Federal denunciando a ativista por crimes de injúria e ameaça contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes em virtude de suas ações no YouTube e no Twitter. Caberá a um juiz federal decidir sobre o caso e se houver condenação, haverá a obrigação da militante bolsonarista proceder à indenização por danos morais no valor mínimo de R$ 10 mil reais.

O procurador da República Frederick Lustosa, responsável pela denúncia afirma que Sara fez uso das redes sociais para atingir a dignidade e o decoro do ministro, com ameaças e objetivo de constrangê-lo após ser alvo de busca e apreensão determinadas pela referida autoridade no inquérito ilegal das fake news.

Segundo a imprensa, O PROCURADOR ARQUIVOU REPRESENTAÇÃO DO MINISTRO NO TOCANTE ÀS ATITUDES DE SARA COMO AFRONTA À LEI DE SEGURANÇA NACIONAL. O procurador Frederick justifica seu parecer no fato de Sara realmente não impedir o livre exercício da atividade de magistratura do ministro do STF, pelo que, sua conduta seria de ameaça comum de acordo com a mensuração dos procedimentos da militante denunciada e precedentes advindos da Câmara de Coordenação Criminal do órgão.

Até mesmo o protesto de Sara Winter com tochas e capuzes em frente ao STF que gerou acusações infames de representação do movimento supremacista branco Ku Klux Klan foi considerado como manifestação protegida pelo direito de liberdade de expressão prevista na Constituição Federal, apesar do “repúdio” da extrema-imprensa.

Dessa forma, em tese, O POSICIONAMENTO DO MPF DEVERIA SUPOR QUE BREVEMENTE SARA WINTER LOGRARIA A LIBERDADE, O QUE DE FATO, ESTRANHAMENTE NÃO ACONTECEU, JÁ QUE FOI TRANSFERIDA PARA UMA PENITENCIÁRIA FEMININA.

Hoje, o site Terça Livre noticiou que ” Juiz substituto da 15ª Vara Criminal da Seção Judiciária do Distrito Federal, Rodrigo Parente Paiva Bentemuller, mandou arquivar processo contra Sara Winter por crime de ameaça à Segurança Nacional após a soltura de fogos em frente à sede do Supremo Tribunal Federal (STF) no último domingo (14)”, restando apenas as acusações por injúria e ameaça, que serão encaminhadas para O juizado Especial Federal Criminal, competente para o julgamento de infrações de menor potencial ofensivo, para as quais a lei prevê pena máxima de 2 (dois) anos.

À noite, ativistas que apoiam a ativista informaram que os advogados de Sara impetraram Habeas Corpus no STF, tendo sido encaminhado por sorteio à relatora Cármen Lúcia. Alguns apoiadores acreditam que a ativista pode ser sota nas próximas horas.

Por Andréa Fernandes – advogada, internacionalista, jornalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Imagem: Reprodução/Twitter

 

 

 

 

Ministra Damares Alves, “prisão política” também é violação dos direitos humanos?

Por Andréa Fernandes 

Um dia após a prisão ilegal da ativista política Sara Winter a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), insisti em obter informações acerca do posicionamento do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos acerca desse caso notório de prisão política. Todavia, a única informação publicizada se refere a ação judicial que a ministra Damares Alves ingressará contra Ciro Gomes por chamá-la de “bandida nazista” devido a ligação da mesma com Sara e outros ativistas envolvidos com ocorrências policiais, já que a PGR se especializou em investigar apenas os militantes bolsonaristas deixando “livres, leves e soltos” os camaradas que difamam e caluniam o presidente e ministros do Executivo.

Em visita às redes da ministra, constatei a propaganda justa de seu trabalho em socorro à Marajó com diversos vídeos mostrando os donativos enviados e até o anúncio de Live com uma criança que a admira, mas não vi nenhum pronunciamento sobre a prisão de uma mulher arrancada ilegalmente de seu lar pela Polícia Federal que, segundo os advogados corre risco de vida se for encaminhada para penitenciária. Bertoni Barbosa de Oliveira afirma:

“Ela corre riscos. STF, a Sara Winter corre risco de vida, de morte. Ela sempre foi uma crítica dos bandidos e corre risco se for para a penitenciaria feminina do DF. Precisamos urgentemente ter acesso aos arquivos para poder trabalhar com a liberação. Se ela morrer, o sangue estará nas mãos dos ministros do STF. Se ela for para a Colmeia, ela vai morrer lá”.

As informações prestadas pelo advogado demonstram que continua a arbitrariedade vista em relação ao “inquérito da fake news“, onde as vítimas das incursões da PF com Mandados de Busca e Apreensão só tiveram acesso ao inquérito após  ingressarem com um mandado de segurança contra o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz e uma representação na PGR contra o ministro Alexandre de Moraes. Naquela oportunidade, Paulo Faria, que representava a defesa dos advogados, denunciou à imprensa omissão do presidente da OAB e da Procuradoria Geral da República. Disse ele:  Isso é crime, abuso de autoridade. A OAB silenciou em relação a isso ao deixar de garantir as prerrogativas dos advogados.

No entanto, esses antecedentes de autoritarismo sem a devida punição, só reforça a tirania do ministro invocado, uma vez que o advogado de Sara noticiou que Alexandre de Moraes, que autorizou a prisão, se negou a recebê-lo em meio a birra ideológica que o tornou um vice-deus, já que, a divindade suprema ainda é atribuída ao ministro Dias Toffoli.

De modo que, a referida denúncia acima exposta agrava a situação de Sara para que se efetive sua defesa mediante a violação da garantia concedida aos advogados de terem acesso integral e instantâneo aos elementos de prova que, registrados em procedimento investigatório realizado por órgão competente, sejam relacionados ao exercício do direito de defesa.

Outrossim, o advogado Bertoni Barbosa afirmou que a prisão da líder do Movimento 300 do Brasil  está fundamentada num mandado genérico, que não explicita o suposto artigo do Código Penal que teria sido violado por Sara. Disse o patrono: “A gente não sabe a decisão. Como a gente vai defender alguém sem saber? A decisão, o artigo e tudo mais, a gente não sabe. Nem a Polícia Federal tem para nós dar”. 

Além do mais, mesmo com tantas evidências acerca da “tirania judicialesca” de Alexandre de Moares, todos sabem que a ativista não terá nenhum apoio institucional da Comissão Nacional de Direitos Humanos Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), devido aparelhamento ideológico dos principais quadros da entidade que deveria se empenhar em combater os abusos cometidos por membros do Judiciário que obstam o exercício profissional dos advogados, além de promoverem violações dos direitos humanos em decisões antijurídicas.

Logo, o que vejo como ativista de direitos humanos é uma “mãe presa” ilegalmente por defender as ações do governo federal sendo abandonada pelo ministério que, em tese, tem o DEVER INSTITUCIONAL de combater violação dos direitos humanos em território nacional, desde que, a violação não seja o resultado do conluio ideológico de membros do STF com a Procuradoria Geral da República. Volto a repetir o que escrevi no artigo O Uso Seletivo da Lei de Segurança Nacional contra os críticos do STF: discordo do  filósofo Olavo de Carvalho, ao afirmar que “Na mais inofensiva das hipóteses, o presidente tem, NO MÍNIMO, a obrigação de visitar na cadeia aqueles que foram presos pelo crime de defendê-lo. Mas será que os generais deixam?” Não cabe ao Bolsonaro essa função que certamente iria aprofundar o desgaste que vem sendo imposto por mídia e STF, quando o presidente mantém um ministério cuja função primordial é proteger direitos humanos!

Recentemente, a ministra Damares twitou: “Passando aqui para apenas lembrar que corrupção também é violação dos direitos humanos! Estamos atentos e não vamos nos omitir!

E a “prisão política” de uma mãe pelo aparelho judicial ideologizado? Vossa Excelência considera violação dos direitos humanos? Se considera, fique atenta e não se omita!

Andréa Fernandes – advogada, internacionalista, jornalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Imagem by Tribuna Diária

 

 

 

 

O uso seletivo da Lei de Segurança Nacional contra os críticos do STF

Por Andréa Fernandes
Na manhã desta segunda-feira (15/06), a ativista  Sara Fernanda Giromini, conhecida como Sara Winter foi presa pela Polícia Federal por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes. Além de Sara, outros cinco militantes bolsonaristas – cujos nomes não foram divulgados – são alvos de mandado de prisão do implacável ministro que vem conduzindo de forma inconstitucional o chamado “inquérito das fake news” .
Sara foi conduzida até a Superintendência da PF e tomou conhecimento que a prisão  é temporária, com duração prevista de 5 dias, porém, conforme divulgado pela ativista Desire Querioz, que estava em companhia da líder do Movimento 300 do Brasil  no momento da prisão ilegal, não lhe foi deferido o direito primacial de acesso aos autos que, em tese, deveriam fornecer os elementos que fundamentam o ato. Inobstante tal ilegalidade, as manchetes dos jornais mostram a celeuma que a prisão arbitrária vem causando, como pode ser verificado no G1, que noticia: Polícia Federal prende Sara Giromini e mais cinco em investigação sobre atos antidemocráticos, em Brasília.
Seria uma “piada de péssimo gosto”, ler no jornal a prisão de uma militante bolsonarista por “atos antidemocráticos” exatamente um dia após a CNN divulgar o suposto protesto em São Paulo em Defesa da Democracia exibindo imagens de uma bandeira vermelha com a mensagem “em defesa da Revolução e Ditadura Proletárias“? Pelo que sei, nenhum manifestante foi preso por qualquer autoridade por exibir mensagem conclamando “atos antidemocráticos”. A materialidade estava ali diante dos olhos de todos, mas, não interessou às autoridades militantes do Poder Público, que andam mais preocupadas em promover uma caça às “bruxas bolsonaristas”. Na leitura de muitos promotores e procuradores, “ditadura proletária” e “revolução” são o ápice de um “regime democrático”.
Como o ministro Alexandre de Moraes tem a mania feia de impedir os seus “desafetos de ordem política” de terem acesso aos autos que conduz como “poderoso chefão da arbitrariedade”, soubemos pelo jornal O Globo, que costuma ser  “parceirão” do “pretório inquisitório”, o seguinte:
“Segundo a PGR, os pedidos de prisão foram apresentados porque foram encontrados indícios de que os alvos estavam captando recursos financeiros para cometer crimes previstos na Lei de Segurança Nacional. O objetivo e ouvir os investigador (sic) e reunir informações sobre o grupo”.
Lei de Segurança Nacional para uma militante bolsonarista por fundar um grupo que vem criticando ações temerárias do STF e Legislativo em defesa da soberania do povo quando ações semelhantes e até mais graves foram perpetradas por UNE, MST e outros movimentos  e políticos da esquerda radical sem qualquer reprimenda???
Como bem lembrou Leandro Ruschel, quando a casa da ministra Carmem Lúcia foi vandalizada pelo MST, bem como o prédio do Ministério da Educação invadido e depredado por integrantes da UNE e o Ministério da Agricultura também invadido e depredado pelo MST, não houve punição e a imprensa não chamou de “ataque às instituições”. Ademais, não se sabe de punições severas para os integrantes do MST quando tentaram invadir o STF. Vale lembrar as palavras do ministro Lewandowski, que estão longe de demonstrar qualquer espécie de denúncia de “ataque às instituições”:
“Fui informado pela segurança que o tribunal corre o risco de ser invadido. Vamos fazer um intervalo na sessão”.
Outrossim, não houve visita da PF à casa de José Dirceu quando em entrevista à revista Veja, disse que “o Judiciário não é um Poder da República” e ainda afirmou que “primeiro, deveria tirar todos os poderes do Supremo“, mas com um “companheiro de partido”, o tratamento é vip e não merece o uso da Lei de Segurança Nacional, isto, para não chamar o STF e STJ de “acovardados” como fez o ex-presidente Lula. Noutra ocasião, o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro, Wadih Damous, disse em vídeo no Facebook tem de fechar o Supremo Tribunal Federal.
Interessante que até mesmo advogados de viés esquerdista constatam que não há configuração de  motivo  para   a   prisão, a qual   precisa   necessariamente  de  fundamento, além do que o suposto crime praticado precisa estar individualizado e descrito na forma constitucional. Ademais, o crime praticado precisa ser compatível com o regime fechado, o que não ocorre nesse caso.
A acusação injurídica e bestial só encontra eco entre a extrema-esquerda e figuras fracassadas da política nacional que almejam alcançar o protagonismo perdido como o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Tentando se posicionar como um fiel defensor da “ordem progressista” frente aos seus possíveis eleitores na próxima eleição presidencial, Moro se pronunciou no Twitter afirmando “A prisão de radicais que, a pretexto de criticar o STF, ameaçam explicitamente a instituição e seus ministros, é correta. A liberdade de expressão protege opiniões, mas não ameaças e crimes. O debate público pode ser veemente, mas não criminoso”.
Moro se mostrou tão feliz com a prisão de uma militante bolsonarista, mas não se importou com a prisão arbitrária de mulheres, idosos e trabalhadores durante o período de violação aos direitos fundamentais promovidos por prefeitos e governadores que privaram ilegalmente cidadãos brasileiros das garantias constitucionais sob pretexto de obedecer aos ditames ideológicos da Organização Mundial de Saúde (OMS), que passou a exercer a soberania em nosso país apesar de sua militância pró-China  graças ao STF, que vem esquecendo a função de guardião da Constituição Federal e anda legislando e tomando para si prerrogativas do Executivo. O pito do presidente em reunião com os ministros abalou a estrutura narcisista do simpatizante de “arbitrariedades tiranas seletivas”. A vingança vem agora com a propaganda política antecipada mostrando sua simpatia pela prisão de ativistas. Talvez, a maioria nem lembre que Moro quis presentear a população carcerária com tablets por almejar ver os presos batendo papo com a família durante a pandemia enquanto cidadãos comuns sofriam restrições de direitos elementares sem a sua preocupação com as liberdades individuais.
Deixando de lado os palanques que se levantaram festejando o ato arbitrário de uma autoridade da instância máxima do Judiciário, particularmente vejo a iniciativa tirana como uma das muitíssimas evidências de ruptura institucional. O STF está promovendo à força uma verdadeira mordaça para impedir críticas dos simpatizantes do presidente Bolsonaro em meio a evidente processo de tentativa de desestabilização do governo promovida pela extrema-imprensa, partes do Legislativo e STF.
Por outro lado, a tendência dos ministros criticados deve ser aprofundar a perseguição aos críticos à medida que o índice de rejeição dos brasileiros ao STF vem se ampliando, conforme mostra levantamento do Data Poder 360 divulgado hoje. A avaliação é pior do que a do governo federal: somente 23% dos brasileiros aprovam as condutas da entidade.
Ora, o uso repentino de uma lei objetivando perseguir apoiadores do presidente Bolsonaro é tão injusto quanto incoerente, o que não é nada difícil demonstrar.  O artigo 26, da Lei de Segurança Nacional, que a Procuradoria Geral da República nem lembrava existir em outros tempos estabelece como CRIME passível de punição com reclusão de 1 a 4 anos “caluniar ou difamar o Presidente da República, o do Senado Federal, o da Câmara dos Deputados ou o do Supremo Tribunal Federal, imputando-lhes fato definido como crime ou fato ofensivo à reputação“.
Preciso trazer à lembrança as milhares de calúnias e difamações, além de ameaças, diárias ao chefe do Executivo Federal sem a PGR mover uma palha contra os criminosos? Então, vamos a algumas imagens publicizadas nas redes:
Imagem
A propósito, o Ministro da Justiça teve que pedir à PF e  à PGR instauração de inquérito para apurar a charge que associa Bolsonaro ao Nazismo, visto que a PGR anda muito ocupada com as supostas violações de bolsonaristas à Lei de Segurança Nacional por pura seletividade ideológica.
Imagem
Sara Winter deixou Alexandre de Moraes invocado por explicitar que desejava convidá-lo para trocar uns socos com o ministro além de frisar que iria infernizar a vida dele “até que ele pedisse para sair. Contudo, não houve ameaça de morte na fala de Sara, mas artistas e outros humanistas das redes podem “cortar a cabeça” do presidente sem que o ato não seja concebido como “ameaça” pela PGR. Tudo é “liberdade de expressão” desde que, sejam atos de ódio, difamações e calúnias promovidas exclusivamente contra o presidente e conservadores.
Imagem
De todo modo, militantes bolsonaristas estão sendo presos em ações de flagrante violação dos direitos fundamentais, e na minha concepção, ao contrário do que pensa o filósofo Olavo de Carvalho, que defende que o presidente visite os ativistas presos, entendo que esta função é do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, que aliás, deve agir imediatamente, pois o Judiciário é uma representação do Estado, MAS, está promovendo evidente perseguição de ordem política contra simpatizantes do governo que têm o direito constitucional de livre manifestação do pensamento.
Por oportuno, esclareço, que tenho minhas reservas sobre algumas FALAS e AÇÕES da ativista presa, que à luz do Direito Penal importam sim, em ilicitude no tocante a crimes contra honra, PORÉM, volto a repetir, o motivo ensejador da prisão, segundo a própria Procuradoria Geral da República (PGR), está inserido na LEI DE SEGURANÇA NACIONAL que Sara supostamente teria violado, o que por si só, já é um absurdo!
De maneira que, se a pasta conduzida pela ministra Damares Alves não agir em prol de uma cidadã presa injustamente, vai ficar muito difícil para diversos militantes ANÔNIMOS desprovidos de recursos para pagar bons advogados, serem convencidos de que vale a pena lutar pelas vias democráticas a favor de um país cujo Executivo fica inerte diante de prisões inequivocamente arbitrárias.
O leitor pode até discordar dos métodos utilizados por Sara para manifestar-se acerca das absurdezas reinantes no Supremo Tribunal Federal e Legislativo, mas o fato é que realmente, ela se tornou PRESA POLÍTICA. O triste é que há um sério risco de outros presos políticos surgirem em nosso país sem contar com a mesma estrutura de apoio para se livrar das garras perversas da inconstitucional perseguição que se instalou no Brasil.
Andréa Fernandes – advogada, internacionalista, jornalista e Presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.
Imagem by  tudorondonia.com

As “vidas negras que não importam” para a militância marxista

Por Andréa Fernandes

O ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden fez uma declaração que resume perfeitamente a inversão de valores apregoada pela extrema-esquerda em todo mundo. Segundo ele, a morte do criminoso George Floyd teve  impacto global maior do que o assassinato do mais proeminente representante da luta contra a discriminação racial nos Estados Unidos, reverendo Martin Luther King[1].

Ideologia usurpadora não respeita a memória dos ícones da humanidade

O interesse do atual candidato à presidência dos Estados Unidos ao desrespeitar a atuação ativista impecável de Martin Luther King não é apenas ideológico, e passa pelas verbas de campanha, já que há denúncias de que a arrecadação de recursos lançada pelo movimento Black Lives Matter (BLM) tinha como objetivo financiar o Partido Democrata e por conseguinte, a candidatura do falastrão Biden, o que foi também divulgado pela ativista conservadora Candace Owens ao compartilhar vídeo acessado por mais de um milhão de pessoas, no qual mostra o caminho dos dólares até os cofres democratas[2].

De olho na “galinha dos ovos de ouro”, Biden ousa comparar o “incomparável”. Todavia, é lógico que não há necessidade de expor a biografia do líder negro pacifista do movimento por direitos civis nos Estados Unidos assassinado no ano de 1968, em Tenesse, após obter grandiosas conquistas sem o uso de violência. Compará-lo a um negro assassinado por policial após a prática de crime é um acinte a qualquer resquício de humanidade. Por outo lado, a afronta contra a memória de Luther King passa a ser “criminosa” quando vemos o grupo que está por trás da tentativa débil de transformar a vítima de crime praticado por policial em “mártir”.

Propaganda enganosa na instrumentalização da morte de George Floyd

O movimento racial oportunista Black Lives Matter (BLM) usa a morte de Floyd para alavancar protagonismo na suposta agenda de combate ao racismo. O site da entidade afirma “BLM é uma intervenção política e ideológica em um mundo onde vidas negras são sistemática e intencionalmente desaparecidas”, aduzindo ainda que “é uma afirmação da humanidade das pessoas negras, da nossa contribuição para a sociedade, da nossa resiliência em face da opressão fatal[3].

Na verdade, a propaganda enganosa do site do BLM não revela o real apreço à violência e crimes diversos propagados por membros do grupo sob estímulo direto da liderança. Os rastros de destruição e mortes camuflados pela extrema-imprensa durante os protestos violentos foram vistos em diversas cidades dos EUA e do mundo. Um exemplo da selvageria se deu na cidade de Minneapolis, onde mais de 220 prédios foram INCENDIADOS desde a morte de Floyd, o que fez com que o prefeito informasse que intenta pedir ajuda externa estadual e federal para reconstrução da cidade após os crimes que a mídia floreia como “distúrbios civis”, mas que na realidade, são atos terroristas para impor a agenda de “desmantelamento da polícia”. Saques e depredação à propriedade, além de ataques assassinos a policiais por conta da ação de UM policial que já está sendo julgado pelo crime que cometeu não podem ser minimizados.

O prejuízo só em Minneapolis ultrapassa o valor de US$ 55 milhões[4] e segundo alguns analistas, pode chegar à cifra das centenas de milhões de dólares. Imagina se os “protestos depredatórios” fossem realizados por algum grupo de direita? Inclusive, vale ressaltar que a imprensa não se refere aos criminosos como “extremistas”. Eles são considerados como “manifestantes indignados”.

Em Chicago, durante apenas 3 dias de protestos, 1.258 “manifestantes-criminosos” foram presos. Conforme relato das autoridades policiais mais da metade das prisões estavam relacionadas a CRIMES de saque e destruição de propriedades, sendo que 135 armas foram apreendidas e 62 prisões se deram em razão de crimes relacionados a armas de fogo[5].

Sem nenhuma repercussão na mídia, em pouco mais de uma semana de “protestos”, quase 300 policiais haviam sido feridos em Nova York e como o combate ao racismo nunca foi a verdadeira motivação para as manifestações, o ataque contra a corporação policial se tornou praxe através de mensagens de ódio, tais como “foda-se a polícia”, bem como ofensas pintadas em prédios e monumentos em várias cidades rotulando policiais como “porcos[6]. Contudo, as ações criminosas violentas levaram o presidente Trump à postura firme de ameaçar enviar as forças armadas para auxiliar os policiais e a Guarda Nacional.

Black Lives Matter na senda do terrorismo

O terrorismo defendido pelo grupo BLM é público, apesar da mídia não dar destaque às declarações das principais lideranças para evitar críticas. Assim, em 03 de junho, Hawk Newsome, líder da facção em Nova York, deu entrevista ao jornal Daily Mail declarando “guerra à polícia” e avisando que está desenvolvendo a criação de um braço armado altamente treinado para supostamente enfrentar a brutalidade policial  à semelhança do Partido dos Panteras Negras e Nação do Islã, entidades extremamente violentas que mantinham militantes armados para supostamente “proteger” as comunidades negras da “violência policial”[7]. Aliás, esse assunto que envolve a aliança com o extremismo islâmico é tão GRAVE, que merece artigo explicativo, o qual escreverei brevemente.

“Ódio ao Cristianismo”, presente!

Não obstante a inspiração violenta advinda de grupos paramilitares, a agenda do Black Lives Matter tornou-se inconfundível quando a histórica igreja em St. John – em frente à Casa Branca –  foi incendiada durante os “protestos”. O ódio mortal contra a bandeira americana também foi representado nesse evento ao ser queimada a bandeira hasteada do lado de fora do templo religioso[8].

O ato criminoso é de um simbolismo ímpar: A igreja Episcopal de São João foi erguida em 1815, e tendo em vista todos os presidentes americanos desde James Madison terem participado de pelo menos um culto no templo, ficou conhecida como “igreja dos presidentes”. A democracia honrando a fé cristã é insuportável para movimentos violentos da extrema-esquerda.

Black Lives Matter a serviço da “revolução”

O conteúdo ora apresentado  evidencia que o perigoso movimento racial BLM instrumentaliza o racismo para promover o ideário marxista objetivando extirpar o sistema capitalista. Resumindo: trata-se de mais um grupo radical usando estrategias terroristas – com apoio incondicional da imprensa e “humanistas” – a serviço da “revolução”.

Vidas negras importam?

A tradução em português de “Black Lives Matter” é “vidas negras importam”. Porém, a realidade mostra que é a IDEOLOGIA que importa de fato. Os negros são apenas um “meio” para atingir os “fins”. Senão vejamos: na semana em que várias cidades pelo mundo explodiam em protestos estimulados pelo movimento racial extremista, militantes muçulmanos fortemente  armados assassinaram 27 civis no centro do Mali em três ataques a aldeias agrícolas predominantemente cristãs em menos de 24 horas[9]. Além do fuzilamento, a estratégia de terror utilizada por muçulmanos para abater cristãos negros pobres e invisíveis para o BLM e opinião pública global foi o atear fogo aos corpos “contemplando” a agonia das vítimas inocentes até a morte.

Quando é que a igreja pedirá “perdão” ao cristãos negros massacrados que tanto despreza?

As barbáries envolvendo cristãos negros africanos não são divulgadas na mídia em geral e as igrejas americanas também não atentam para as atrocidades, que aliás, já são costumeiras em alguns países onde os cristãos são torturados, fuzilados, decapitados, queimados vivos em suas casas ou nas igrejas, e as meninas cristãs são sequestradas e mantidas como escravas sexuais. Pastores e padres americanos se curvaram à sedução marxista do BLM e decidiram esboçar hipócrita “compaixão” pelo negro assassinado que alcançou visibilidade internacional em virtude da militância extremista. Porém, os negros inocentes dizimados em contínuo genocídio  não merecem espaço no coração dos religiosos que se apresentam como “cristãos” porque o motivo do morticínio não é “racismo sistêmico” e sim, “cristofobia genocida islâmica”. “Cadáveres negros” oriundos das terras africanas inundadas de jihadistas impondo a sharia (lei islâmica) não são merecedores de protestos, consternações ou hashtags!

Nem mesmo a notícia de fuzilamento de 81 negros na Nigéria após o convite para ouvir um sermão islâmico comoveu o BLM e a “igreja militante”. Crianças e mulheres negras não foram poupadas no sangrento massacre, mas a “vida” do negro criminoso elevado a “santo das causas marxistas” vale muito mais do que a vida dos cristãos negros nigerianos! Lembro que recentemente, uma liderança evangélica nos EUA induziu as ovelhas cegas que seguem seus rastros ideológicos para se ajoelhar e pedir perdão perante um grupo de negros em solidariedade ao palanque revolucionário ditado pelo violento BLM. No entanto, às ovelhas levadas quase diariamente ao “matadouro islâmico” na Nigéria e outros países muçulmanos ainda não coube pedido de perdão pela omissão no trato com questão muito mais grave e urgente que o controverso “racismo sistêmico” da polícia americana. Os negros que sofrem genocídio são “religiosamente” ignorados pela cristandade pós-moderna que viraliza as pautas globalistas anticristãs.

Repugnância é o sentimento que me invade nesse momento de reflexão. Um movimento revolucionário que fechou aliança com o extremismo islâmico não cumprir a meta consignada em seu site no tocante à “intervenção política e ideológica para que vidas negras não desapareçam sistemática e intencionalmente”,  é perfeitamente compreensível, mas, os “seguidores de Cristo” ao abandonarem seus irmãos de fé perseguidos e covardemente assassinados em dezenas de países, mostram que a Bíblia foi substituída pelos “manuais marxistas” que dispõem as pautas que merecem o “altruísmo ideologicamente engajado”.

A igreja e demais progressistas que choram por Floyd, mas ignoram a dor das meninas cristãs negras de Chibok – que padecem há 6 anos como escravas sexuais de “piedosos muçulmanos” – têm no fracassado Karl Marx o seu poste-ídolo de estimação.

Andréa Fernandes – é advogada, internacionalista, Jornalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires (EVM)

Imagem by  Scott Olson / Getty Images

[1] https://www.foxnews.com/politics/mlks-niece-biden-why-compare-martin-luther-king-jr-and-george-floyd

[2] https://www.gazetadopovo.com.br/rodrigo-constantino/recursos-levantados-pelo-black-lives-matter-com-morte-de-floyd-estariam-bancando-campanha-democrata/

[3] https://www.hypeness.com.br/2020/06/black-lives-matter-as-tres-mulheres-negras-por-tras-do-movimento-contra-o-racismo/

[4] https://fox28spokane.com/the-latest-minneapolis-officials-estimate-damage-at-55m/

[5] https://news.wttw.com/2020/06/06/george-floyd-protests-1258-arrested-130-police-officers-injured-chicago

[6] https://www.foxnews.com/us/nypd-292-officers-injured-floyd-protests

[7] https://www.dailymail.co.uk/news/article-8384065/Black-Lives-Matter-leader-declares-war-police.html

[8] https://www.washingtonpost.com/religion/fire-set-at-historic-st-johns-church-during-protests-of-george-floyds-death/2020/06/01/4b5c4004-a3b6-11ea-b619-3f9133bbb482_story.html

[9] https://www1.cbn.com/cbnnews/2020/june/36-reported-dead-as-attacks-on-christian-villages-in-mali-and-nigeria-continue

Militantes islâmicos matam 36 cristãos na Nigéria e no Mali: alguns foram queimados vivos

CBN News – Militantes islâmicos armados mataram 27 civis no centro do Mali em três ataques a aldeias agrícolas predominantemente cristãs em menos de 24 horas, disseram autoridades locais na quinta-feira (04/05).

O Mali Central, como seus vizinhos Burkina Faso e Nigéria, foi devastado por militantes islâmicos conhecidos como Pastores Fulani. 

As autoridades locais disseram à Reuters que os militantes realizaram três ataques entre terça e quarta à noite.

Ficamos surpresos com o ataque à vila de Tillé. Sete foram mortos, todos Dogons, alguns deles queimados vivos“, disse Yacouba Kassogué, vice-prefeito de Doucombo, município em que Tillé está localizado.

Outros ataques nas áreas vizinhas de Bankass e Koro também mataram outros 20 moradores. A maioria das pessoas foi baleada ou queimada até a morte, disseram autoridades locais. 

O Mali está em turbulência desde 2012, quando extremistas ligados à Al Qaeda capturaram dois terços do norte do país. Unidades do exército francês os expulsaram de várias áreas, mas reagruparam e expandiram suas operações para municípios vizinhos, segundo a Reuters . 

Enquanto isso, a International Christian Concern (ICC) relata que os militantes Fulani atacaram novamente os nativos de Adara em Kajuru LGA, Kaduna State, Nigéria. O ataque à vila cristã ocorreu enquanto muitos ainda lamentavam a perda de entes queridos, propriedades e seus meios de subsistência após uma série de ataques coordenados a pelo menos cinco aldeias e 12 assentamentos no mês passado.

Os militantes lançaram este ataque mais recente em Tudu-Doka Avong ao longo da estrada Kaduna-Kachia, matando nove pessoas e ferindo várias outras.

Usman Stingo, um representante da comunidade, confirmou o incidente à ICC. 

“Aconteceu por volta das 5h45 da quarta-feira, 3 de junho de 2020. Os pistoleiros chegaram à vila e começaram a atirar esporadicamente. Eles entraram em algumas casas e queimaram coisas domésticas. A situação é muito, muito patética”, disse ele. 

Os recentes ataques às comunidades Adara que se espalharam pelas áreas do conselho local de Kajuru e Kachia, no sul de Kaduna, impactaram aproximadamente 537 famílias e aproximadamente 20.000 pessoas foram deslocadas.

O gerente regional da ICC para a África, Nathan Johnson, disse que o governo precisa agir. 

A área do governo local de Kajuru já foi atacada quase uma dúzia de vezes no mês passado. Apesar disso, o governo não tomou nenhuma medida clara ou decisiva para impedir a violência. Eles não capturaram nenhum dos autores, salvaram vidas ou ajudou qualquer um que tenha sofrido “, disse Johnson. 

Essa inação continuada está custando a muitas pessoas suas vidas, casas e entes queridos. Está na hora de o governo da Nigéria ser responsabilizado pelas muitas vidas que eles falharam em defender. Eles são completamente incompetentes e precisam ser removidos, ou são cúmplices e precisam ser lançados na prisão “, concluiu. 

A Nigéria está classificada em 12º e Mali em 29º na Lista Mundial de Portas Abertas para 2020 dos países onde os cristãos sofrem mais perseguições.

Informações e imagem by CBN News

É tempo de sair diferente, é tempo de recomeço

Por Sandelane Moura
Biblicamente há tempo para tudo para todo propósito debaixo do céu. Fomos achatados, enclausurados e recuados por um vírus e seus manipuladores. Só lembrando que o vírus só é forte diante da falta dos meios para combatê-lo que é o que ocorre hoje, tanto é que ele não resiste nem a água com sabão, imagina quando tiver a vacina, até a hidroxicloroquina ou um simples vermífugo para piolho mata o vírus à partir de 12 horas (Isso no corpo humano, conforme afirmam os técnicos da área e as recomendações publicadas pelo Ministério da Saúde que são públicas e notórias).
O grande problema é que a CHINA pegou todo mundo de surpresa. O que estamos vendo é que a politização do vírus e depois da medicação está sendo usada para difundir a CULTURA DA MORTE E REVELAR “NOVOS” CANDIDATOS PARA 2022.
O que espero de tudo isso do povo brasileiro é que, por ter ficado mais uma vez cara-a-cara com a CULTURA DA MORTE E COM POLÍTICOS MONSTRUOSOS E DESPREZÍVEIS, tenham lido boas fontes, ouvido pessoas que defendem a vida, tenham aprendido bons hábitos e saiam do isolamento mais conscientes e mais amadurecidos para enfrentar as raízes dos problemas que afetam o povo brasileiro: o aparelhamento da ordem ideológica, econômica, política e legal que constitui a sociedade e o Estado brasileiro posto em prática por uma elite econômica e política que, numa simbiose entre si, sequestram com corrupção, distorções e inversões as liberdades individuais e patrimoniais e os direitos sociais como saúde e educação através do meio garantidor de tudo isso que é o ESTADO, ente esse que deixou de servir seu principal financiador: O POVO para servir a outros financiadores: os capitalistas e ideológicos globalistas que têm como hobby mudar o mundo ao seu bel prazer.
SE o povo não agir efetivamente os globalistas continuarão agindo até atingir o domínio único e total da população o que, com as recentes técnicas exageradas de isolamento e fiscalização populacional adotadas por decretos e portarias e ratificados inescrupulosamente pelo STF, já se demonstraram viáveis.
Como dizia Thomas Jefferson: “O preço da liberdade é a eterna vigilância”.
Vigiar direitos e liberdades não significa fazer com os olhos, mas, requer preparo, ação e reação
Sandelane Moura –  é advogada, conferencista e representante da ONG Ecoando a Voz dos Mártires no estado de Roraima.
Contatos:  @SandelaneMoura/. _Palestrante sand9@bol.com.br
Imagem by Mises Brasil
__________
Fontes (dentre outras):
¹Livro de Eclesiastes , Capítulo 3, versículo 1.
Eclesiastes 3: 1 Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu:

² Ministério da Saúde https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca#como-se-proteger

³.https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2020/04/07/interna_ciencia_saude,842921/remedio-de-piolho-pode-matar-o-novo-coronavirus-em-48-horas-diz-estudo.shtml

⁷. Ministério da Saúde do Brasil AS DIRETRIZES PARA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA COVID-19 de 6 de abril de 2020 página 35.
Sobre a doença
A COVID-19 é uma doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, que apresenta um quadro clínico que varia de infecções assintomáticas a quadros respiratórios graves. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a maioria dos pacientes com COVID-19 (cerca de 80%) podem ser assintomáti…
coronavirus.saude.gov.br

OMS legitima “ciência prostituta” subserviente à China genocida

Por Andréa Fernandes

A Organização Mundial de Saúde (OMS) deu a cartada decisiva para demonstrar a sua verdadeira finalidade: promover os interesses escusos do regime genocida da China. O diretor-geral Tedros Ghebreyesus anunciou na segunda-feira (25/05), que a entidade decidiu interromper os testes de tratamento do novo coronavírus com hidroxicloroquina que coordenava com cientistas de 100 países após um suposto “estudo” indicar aumento do risco de morte dos pacientes.

O estudo a que se refere a instituição foi publicado pela revista The Lancet, segundo o qual 96 mil pacientes medicados com hidroxicloroquina não teriam apresentado benefícios para o tratamento da Covid-19, tendo sido salientado, inclusive, a alta taxa de mortalidade desses pacientes. Aliás, como a iniciativa insólita de interromper pesquisas com cientistas de uma centena de países foi ocasionada por meramente UM artigo de revista científica, resolvi ler o conteúdo.

O estudo publicado na revista The Lancet é conclusivo?

O “estudo” afirma que a comunidade global ainda aguarda os resultados de estudos controlados e randomizados em andamento visando mostrar os efeitos da cloroquina e hidroxicloroquina nos resultados clínicos da COVID-19, ponderando que os medicamentos “podem estar associados à toxicidade cardíaca“, o que na verdade, revela irrefragavelmente o benefício da dúvida.

Consta na publicação que este seria o maior estudo observacional publicado até o momento sobre os efeitos da cloroquina ou hidroxicloroquina, com ou sem macrólido, em 96.032 pacientes hospitalizados de acordo com informações de um registro internacional composto por 671 hospitais. Todavia, no bojo do estudo há o reconhecimento “das limitações inerentes à natureza observacional”, e percebe-se que nem de longe pode ser considerado “conclusivo” ao ponto de interromper pesquisas em andamento, conforme se lê abaixo:

Seus resultados indicam uma ausência de benefício dos tratamentos baseados em 4-aminoquinolina nessa população e sugerem que eles podem até ser prejudiciais. É tentador atribuir o aumento do risco de mortes hospitalares à maior incidência observada de arritmias ventriculares induzidas por medicamentos, uma vez que esses medicamentos prolongam o QTc e provocam torsade de pointes. No entanto, a relação entre morte e taquicardia ventricular NÃO foi estudada e as causas das mortes (isto é, arritmias versus não arrítmicos) não foram adjudicadas.

O estudo é compatível com a forma de tratamento indicado para a Covid-19?

Em 25 de fevereiro, o Professor Didier Raoult, Presidente do Instituto de Doenças Infecciosas do Hospital Universitário de Marselha – considerado um dos principais centros de pesquisa europeus sobre epidemias e pandemias – anunciou a descoberta  de um tratamento eficaz para os pacientes infectados. O renomado epidemiologista francês promoveu a cura de 24 pacientes utilizando a hidroxicloroquina (medicamento usado contra a malária desde 1949) e azitromicina (antibiótico). Foi nesse momento que houve uma ferrenha batalha política iniciada pelo ministro da Saúde, que considerou “inaceitáveis” as declarações do professor Raoult, que rapidamente deixou de ser o mais prestigiado epidemiologista do país.

Houve controvérsia, uma vez que vários médicos vinculados ao presidente Macron refutaram a descoberta e outros especialistas apoiaram as manifestações do professor Raoult, o que fez com que o presidente francês publicasse um decreto , autorizando o tratamento do epidemiologista em “hospitais militares” exclusivamente para “pacientes que atingissem a fase aguda da doença“, proibindo os demais médicos de receitar hidroxicloroquina. Diante da medida absurda, o professor Raoult asseverou que o tratamento só teria eficácia sendo administrado ” antes da doença atingir sua fase aguda “. E no dia 10 de abril, o especialista publicou informações discorrendo sobre o tratamento e cura de 2.401 pacientes.

Ademais, o jornal The Washington Times (02/04) divulgou uma  pesquisa internacional envolvendo mais de 6.000 médicos que atestavam que o medicamento antimalárico hidroxicloroquina era o tratamento mais bem avaliado para o novo coronavírus. Nos Estados Unidos, a agência  Food and Drug Administration (FDA) autorizou o “uso compassivo” da hidroxicloroquina para tratar dos pacientes com casos graves ou com risco de vida enquanto aguarda os resultados de testes científicos, projetos que devem ser finalizados em pouco mais de um ano.

Inobstante a recomendação do professor Raoult ser explícita no sentido de que a hidroxicloroquina deve ser prescrita tão logo ocorram os primeiros sintomas da doença, a OMS nunca possibilitou essa prática, já que em seu Protocolo não há estipulação de qualquer espécie de tratamento para os sintomas iniciais da doença.  Vale transcrever o Protocolo da OMS que foi também adotado pelo Brasil :

⇒ A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a OMS estão prestando apoio técnico ao Brasil e outros países, na preparação e resposta ao surto de COVID-19.

⇒ Se uma pessoa tiver sintomas menores, como tosse leve ou febre leve, geralmente não há necessidade de procurar atendimento médico. O ideal é ficar em casa, fazer autoisolamento (conforme as orientações das autoridades nacionais) e monitorar os sintomas. Procure atendimento médico imediato se tiver dificuldade de respirar ou dor/pressão no peito(Atualizado em 25 de maio)

Como se vê, evidencia-se que a orientação da OMS, seguida cegamente pelo ex-ministro  da Saúde Luiz Henrique Mandetta, indica que o doente só deve buscar socorro médico quando estiver “com o pé na cova”, sendo lógico que nessa fase o uso da hidroxicloroquina já não garante satisfatória recuperação.

Ora, considerando que o estudo publicado na Revista The Lancet incluiu pacientes internados entre 20 de dezembro de 2019 e 14 de abril de 2020, dentro das 24 horas do diagnóstico do novo coronavírus, salientando-se literalmente que “a COVID-19 foi diagnosticada, em cada local, com base em Orientação da OMS, presume-se que os pacientes que serviram para o “estudo fraudulento” já estavam bastante debilitados, impossibilitando, com isso, a eficácia da medicação conforme a orientação do Professor Raoult.

Há que se observar que o estudo sub oculis, reconhecendo sua inequívoca limitação, prevê a necessidade de confirmação urgente de sua SUGESTÃO de não ser prescrita a hidroxicloroquina, o que deve ser feito através de ensaios clínicos randomizados. A propósito, é de bom alvitre trazer à baila fragmento de artigo científico sobre o caráter LIMITADO do “estudo observacional”, que figura como base sustentada pela revista The Lancet para proibir medicação que veio a ter apoio da OMS ao promover a irresponsável “pausa” nas pesquisas:

Uma classificação prática é aquela que divide os estudos
em dois grandes grupos: experimentais e não experimentais.
Os estudos experimentais são sempre analíticos, longitudinais
e prospectivos. Dos vários tipos de estudos experimentais, o de
uso mais frequente, uma vez que proporciona evidências mais
fortes, é o ensaio clínico randomizado (ECR). Diferente dos
estudos observacionais em que o pesquisador não interfere na
exposição, nesse estudo o pesquisador planeja e intervém ativamente nos fatores que influenciam os indivíduos da amostra.

O artigo científico acima referenciado  aconselha uso de ensaio clínico randomizado quando há INCERTEZA sobre o efeito de uma exposição ou tratamento. É no mínimo “estranho” a OMS paralisar importantes pesquisas científicas em mais de cem países com base num estudo potencialmente superficial promovido por uma revista científica.

A militância ideológica pró-China da Revista “The Lancet”

Em 19 de fevereiro, a revista médica britânica publicou uma declaração aos profissionais de saúde pública e médicos chineses rechaçando os “rumores e informações erradas” sobre a origem da Covid-19, e naquela oportunidade, noticiou que cientistas de vários países concluíram esmagadoramente que o coronavírus teve origem na vida selvagem.

Ocorre que a manifestação precoce da entidade mostra uma defesa descabida em relação ao regime chinês que confronta com a necessária “isenção científica”, visto que, atualmente – apesar de a OMS e alguns cientistas acreditarem na versão de que o vírus se espalhou para os seres humanos através de um evento natural – fato é que não há comprovação científica dessa tese e somente a realização de testes na China nos próximos meses poderiam eventualmente esclarecer a fonte do surto. O problema é que a China, que alega em todo tempo “inocência”, se recusa a autorizar investigação internacional em seu território para averiguar a origem do vírus. Essa postura só reforça a acusação de Donald Trump  ao afirmar ter evidências de que o novo coronavírus se originou de laboratório de virologia em Wuhan,

O fato de um regime conhecidamente tirano não permitir que a OMS envie especialistas para investigar uma questão que é de interesse global não causou qualquer condenação da revista The Lancet, que tece portentosos elogios à ditadura como se constata em editorial do dia 22 de abril pontuando que a rápida contenção da Covid-19 na China foi impressionante e representa “um exemplo encorajador para outros países. Mas, o viés marxista da revista a impediu  de reconhecer uma falha gravíssima que é um “péssimo exemplo” para o mundo: em 11 de março, o jornal The Guardian noticiou  a respeito de um estudo apontando que o número de casos poderia ter sido reduzido em 66% se a China tivesse agido uma semana antes. Segundo os pesquisadores, os mesmos procedimentos adotados três semanas antes poderiam ter reduzido os casos em 95%. De modo que, a veloz disseminação do coronavírus em todo o mundo poderia ter sido bastante reduzida se as medidas adotadas pela China para controlar o surto fossem aplicadas apenas algumas semanas antes.

No dia 1º de maio, o editor-chefe da revista Richard Horton, em entrevista à CCTV não conseguiu conter a paixão ideológica e extravasou: Os EUA desperdiçaram todo o mês de fevereiro e início de março. É decepcionante ver os políticos americanos dando crédito às teorias da conspiração e promovendo tratamentos não comprovados“.

A China recebeu apenas elogios durante a entrevista. Horton enfatizou que é inútil e incorreto culpar a China pela origem do coronavírus, ressaltando a “resposta bem-sucedida” do regime e ainda afirmou que a China estava novamente dando uma lição para outros países aprenderem.

A militância do editor-chefe em favor do regime genocida valeu um “presente”: O Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China fez umapublicação na “revista parceira”  acerca da vacina em fase de testes que supostamente teria sido eficaz em auxiliar a resposta do sistema imunológico ao novo coronavírus. Logo, é assim que funciona: China propaga o vírus, mas junto com a peste enriquece vendendo máscaras, respiradores, equipamentos de proteção individual, e ainda de quebra, pode posar no cenário internacional como a “salvadora da humanidade” com o desenvolvimento de uma vacina. Tudo coincidência misturada com tendências visionárias que antecipam produção gigantesca para atender avassaladora demanda global. É muita “eficiência”, não?

Quando um regime genocida aponta “sinceridade” para a “ciência”

Por pura curiosidade, li algumas publicações da revista The Lancet e percebi uma tendência de defesa do regime chinês. Exemplo lapidar desse procedimento nada científico diz respeito às usuais atrocidades cometidas contra prisioneiros para faturar na “indústria de transplantes”. A China admitiu ter usado prisioneiros como doadores em 2005 e prometeu dar fim à prática em 2013, bem como em 2014, afirmando que não mais praticava tais atrocidades em 2015.

Acreditando na “promessa” de regime sanguinário, a “revista científica militante” amada pela mídia global publicou artigo intitulado China caminha para um sistema ético de doadores de órgãos. E sabe qual foi a fonte que garantiu o cumprimento do “compromisso”? O chefe do Escritório de Transplante da China.

A revista acredita piamente na idoneidade de déspota quando afirma: Este passo é o mais recente de uma série de pequenas reformas que sugerem que o Ministério da Saúde é sincero em suas aspirações por mudança.

Pois é, a ciência deixou de ser cética  e resolveu crer na “sinceridade” de um regime sanguinário. Mas não deu certo, pois as perversidades tiveram continuidade. Porém, a ditadura “mereceu” uma segunda chance e a revista publicou em março de 2015, matéria dando mais um voto de confiança à China, que voltou a prometer em 1º de janeiro daquele ano que iria abandonar sua especialidade de crueldade.

É claro que a ditadura continuou assassinando prisioneiros como sempre fez desde a década de 1970, sendo confirmados os crimes por tribunal independente em Londres, após obter provas de médicos especialistas, investigadores de direitos humanos e outros depoentes. Parte da decisão manifesta assombro com os crimes que a ciência “releva”:

“A conclusão mostra que muitas pessoas morreram de maneira indescritível e hedionda, sem motivo, que mais podem sofrer de maneiras semelhantes e que todos nós vivemos em um planeta onde extrema maldade pode ser encontrada no poder daqueles, por enquanto, administrando um país com uma das civilizações mais antigas conhecidas pelo homem moderno. ”

Se o prezado leitor ainda não se convenceu acerca da “atração” que a China exerce na renomada comunidade científica, não custa lembrar de um estudo inédito que pediu a retirada de mais de 400 ARTIGOS CIENTÍFICOS sobre transplante de órgãos em virtude desses órgãos terem sido obtidos de forma “antiética” de prisioneiros chineses. O autor do estudo, professor de ética clínica Wendy Rogers, acusou os periódicos, pesquisadores e clínicos que usaram a pesquisa de serem cúmplices nos métodos “bárbaros” de aquisição de órgãos.

Editor-chefe da revista parceira da OMS é militante marxista

Richard Horton não esconde seu fascínio ideológico e o legitima com um artigo publicado em 2018, tendo por título Marx e a Medicina. O primeiro parágrafo é suficiente para o mais ingênuo dos seres humanos perceber o real motivo do seu ódio a uma medicação que pode salvar milhões de vidas:

Em seu discurso no XIX Congresso Nacional do Partido Comunista da China, em celebração ao último mês de outubro, o presidente Xi Jinping falou da “verdade científica do marxismo-leninismo”. O marxismo (com suas características chinesas), ainda segundo a declaração do presidente Xi, deve ser o fundamento de uma China sadia. Quem se atreveria, hoje em dia, no Ocidente, a exaltar Karl Marx como garantidor da nossa boa saúde?

O atrevimento de uma “ciência prostituta” está na ideia grotesca de citar como “referência em saúde” um regime que viola direitos humanos cuja ideologia embasou o genocídio de milhões de chineses para concretizar o ideal marxista, concebido como “verdade dogmática” pelo “médico militante de extrema-esquerda.

Como esperar de um serviçal da China a nobre tarefa de SALVAR vidas? O uso da hidroxicloroquina deveria estar para além das ideologias, não fosse o ímpeto genocida de um regime cruel que corrompeu parte expressiva da classe médica global.

Faço votos que o Brasil vença a fúria do dragão vermelho e não negue aos seus pobres desprezados pela esquerda progressista o direito à cura!

Andréa Fernandes –  advogada, internacionalista, jornalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires

Imagem:  Getty Images

 

 

 

 

Lutando pelos cristãos e minorias perseguidos