Todos os posts de Ecoando a Voz dos Mártires

Somos um grupo organizado com o fim de despertar a comunidade cristã e a sociedade sobre a ameaça que representa o fundamentalismo Islâmico à existência das comunidades cristã e judaica pelo mundo. Percebendo a necessidade premente dos cristãos e minorias perseguidos pelo Estado Islâmico, criamos um Relógio de Oração em 2014 ( https://www.facebook.com/groups/729662307107190/?fref=ts ), e estamos ministrando palestras nas igrejas, expondo informações relevantes à respeito do sofrimento vivenciado por cristãos e minorias em razão das ações genocidas do terror Islâmico, e o nosso objetivo através das mesmas, é conscientizar a comunidade cristã brasileira a se empenhar no apoio às vítimas da ideologia da morte. Outrossim, visando combater o antissemitismo, ministramos palestras através das quais desmascaramos a demonização perpetrada pela mídia e meios acadêmicos contra os judeus e o Estado de Israel. Contatos: (21) 98339-2268

Final do Ramadã na Indonésia: muçulmanos gritando “Allahu akbar” esfaqueia policial até a morte

“Os alegados militantes do ISIS matam policial na Indonésia” , AFP , 25 de junho de 2017 (graças a Lookmann):

Jakarta (AFP) – Dois supostos militantes do grupo Estado islâmico apunhalaram um policial até a morte no oeste da Indonésia, disseram autoridades no domingo, no último ataque dirigido a funcionários do país muçulmano mais populoso do mundo.

Os dois atacantes gritaram “Allahu Akbar”, ou Deus é maior, quando eles entraram em um posto de segurança na sede da polícia do Norte de Sumatra, na cidade de Medan, onde apunhalaram um policial, disseram autoridades.

Vários policiais lutaram contra os militantes, matando um e ferindo gravemente o outro.

“Suspeitamos que os criminosos tenham links com ISIS e Bahrun Naim, porque encontramos uma bandeira do ISIS, livros e CDs ligados a ISIS na casa de um atacante”, disse o porta-voz da polícia nacional, Setyo Wasisto, à AFP.

Bahrun Naim, um indonésio que está lutando com ISIS na Síria, foi acusado de dirigir uma série de tramas terroristas na maior parte do tempo em sua terra natal nos últimos anos.

Centenas de radicais da Indonésia reuniram-se no exterior para lutar com o ISIS, e o país viu um aumento nas parcelas e ataques ligados aos jihadistas no ano passado.

O ataque aconteceu algumas horas antes das orações do Eid, inclusive na sede da polícia de North Sumatra, como parte das celebrações de Eid al-Fitr que marcam o fim do santo mês de jejum do Ramadã ….

https://www.jihadwatch.org/2017/06/ramadan-finale-in-indonesia-muslims-screaming-allahu-akbar-stab-police-officer-to-death

A Alemanha admite: 75% dos migrantes muçulmanos necessitarão de benefícios nos próximos anos

“A realidade do refugiado: a Alemanha admite que 75% enfrentam o desemprego de longa duração e viverão de benefícios”, de Simon Osborne, Express , 23 de junho de 2017:

TRÊS quartos dos refugiados da Alemanha serão desempregados de longa duração e reivindicam benefícios por anos, foi admitido hoje.

Aydan Özoğuz, comissário para imigração, refugiados e integração, disse ao Financial Times que apenas um quarto a um terço dos recém-chegados entrarão no mercado de trabalho nos próximos cinco anos e “para muitos outros precisamos de até 10”.

O Institute for Employment Research (IAB) descobriu que apenas 45 por cento dos refugiados sírios na Alemanha possuem um diploma de ensino e 23 por cento um diploma universitário.

As estatísticas da Agência Federal do Trabalho mostram que a taxa de emprego entre os refugiados é de apenas 17 por cento.

Ele disse que 484 mil dos refugiados estão procurando trabalho, contra 322 mil em julho passado – um aumento de 50%.

Destes, 178.500 estão oficialmente desempregados, o que significa que eles não só não têm trabalho, mas não estão matriculados em nenhum programa de treinamento ou cursos de idiomas – 27% acima em julho passado ….

Esperava que a chegada de tantos imigrantes em idade de trabalhar e altamente motivados ajudasse a acabar com a falta de competências da Alemanha e a resolver uma crise demográfica colocada por sua taxa de natalidade perigosamente baixa …

https://www.jihadwatch.org/2017/06/germany-admits-75-of-muslim-migrants-will-be-on-welfare-for-years-to-come

Juiz bloqueia a tentativa dos EUA de enviar cristãos iraquianos de volta ao Estado islâmico

Esta é uma boa notícia, mas esses procedimentos de deportação precisam ser anulados. Trump estava inicialmente determinado a assegurar que os refugiados da perseguição muçulmana recebessem tratamento preferencial. Quem está fazendo isso acontecer provavelmente tentará punir esses cristãos caldeus por se opor à construção de uma mega-mesquita em Sterling Heights, Michigan. Esta pessoa deve ser identificada e despedida. Trump pode não saber sobre isso, mas ele é o presidente dos Estados Unidos. É sua responsabilidade saber, e garantir que a justiça seja feita.

Uma atualização sobre esta história . “O juiz bloqueia a tentativa dos EUA de enviar os cristãos iraquianos de volta aos perigos do ISIS”, de Andy Walton, Christian Today , 23 de junho de 2017:

Um juiz do distrito federal dos EUA interveio para bloquear a deportação de mais de 100 cristãos iraquianos que foram presos no mês anterior em Michigan.

Os 114 cristãos principalmente caldeus foram interceptados porque tinham algum tipo de registro criminal, de acordo com as autoridades. Mas seus advogados afirmam que é injusto enviá-los de volta ao Iraque, onde o governo dos EUA reconheceu um genocídio contra os cristãos está ocorrendo.

A União Americana de Liberdades Civis estava lutando com o caso em nome dos cristãos e agora o juiz Mark Goldsmith suspendeu temporariamente a sua deportação. Ele ordenou um atraso de duas semanas, após o que ele irá decidir novamente.

Lee Gelernt, advogada da União Americana das Liberdades Civis, representando os iraquianos em Michigan, disse: “A ação do tribunal hoje foi legalmente correta e pode muito bem ter salvado inúmeras pessoas de abusos e possíveis mortes”.

“Muitos que foram apanhados não são criminosos endurecidos, mas durante as últimas décadas foram grandes cidadãos”, disse o bispo caldeu local em Detroit, onde há a maior comunidade de cristãos caldeus fora do Iraque ….

https://www.jihadwatch.org/2017/06/judge-blocks-us-attempt-to-send-iraqi-christians-back-to-face-the-islamic-state

“Estado Islâmico” usa crianças como armas de guerra em Mossul, diz ONU

Unicef denuncia que jihadistas matam filhos de famílias que tentam fugir da parte sitiada da cidade iraquiana. Mais de mil menores foram mortos desde que grupo extremista tomou um terço do território do país, em 2014.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) denunciou nesta quinta-feira (22/06) que combatentes do grupo extremista “Estado Islâmico” (EI) usam crianças como alvos para evitar a fuga de seus familiares de Mossul, enquanto prosseguem os avanços das forças iraquianas para a retomada da cidade.

“Eles estão usando crianças como armas de guerra, para evitar que as pessoas fujam”, afirmou o representante do Unicef no Iraque, Peter Hawkins. “Isso apenas ressalta o quanto essa guerra é indiscriminada e catastrófica.”

O Unicef documentou diversos casos em que os jihadistas mataram os filhos das famílias que tentavam fugir da região sitiada na segunda maior cidade do Iraque, ainda sob controle da milícia. Segundo a agência, 1.075 crianças foram mortas, e 1.130 ficaram feridas desde a tomada de quase um terço do território iraquiano pelo EI, em 2014.

As crianças muitas vezes são forçadas a tomar parte nos combates. O Unicef registrou ao menos 231 casos de menores de idade recrutados pelo EI ou por outros grupos armados.

Apenas nos últimos seis meses, a violência no Iraque deixou 152 crianças mortas e 255 feridas. Além disso, mais de um milhão de crianças tiveram seus estudos interrompidos ou por estarem em áreas controladas pelos jihadistas ou pelo deslocamento forçado.

“O futuro da segurança e do potencial econômico do país é determinado pelo que acontece com as crianças nos dias de hoje”, observou Hawkins.

Estima-se que a luta pela retomada de Mossul já tenha resultado em milhares de mortos e feridos. Segundo o governo do Iraque, mais de 850 mil pessoas foram forçadas a deixar suas casas durante a operação de retomada da cidade, iniciada em outubro. No oeste de Mossul, quarteirões inteiros foram destruídos em razão dos combates, bombardeios aéreos e artilharia.

http://www.dw.com/pt-br/estado-isl%C3%A2mico-usa-crian%C3%A7as-como-armas-de-guerra-em-mossul-diz-onu/a-39368173

Flint, Michigan: Muçulmano gritando “Allahu akbar” apunhala policial em “possível ato de terrorismo”

“NBC News: Policiais apontam como” possível ato de terrorismo “. O suspeito nascido no Canadá gritou” Allahu Akbar “, por John Steckroth e Ken Haddad, clique em Detroit , 21 de junho de 2017:

FLINT TOWNSHIP, Mich. – A polícia diz que um oficial do aeroporto foi esfaqueado no pescoço quarta-feira de manhã no aeroporto internacional Bishop em Flint.

O oficial foi levado ao hospital. A Polícia do Estado de Michigan disse que o oficial está em estado crítico.

A polícia identificou o oficial ferido como tenente Jeff Neville. O Aeroporto Internacional Bishop foi evacuado e fechado.

A polícia disse que um suspeito foi detido …

O FBI está liderando a investigação. A Câmara Municipal de Flint começou a operar sob uma segurança elevada com muita cautela após o incidente ….

https://www.jihadwatch.org/2017/06/flint-michigan-muslim-screaming-allahu-akbar-stabs-police-officer-in-possible-act-of-terrorism

Hungria e Polônia: “Sem refugiados, sem terror”

“WND Exclusive:” Não há refugiados, sem terror para a Polônia, Hungria “, de Liam Clancy, WND , 6 de junho de 2017 (graças à Religião da Paz ):

A Comissão Europeia lançou processos judiciais contra três Estados membros da União Européia que se recusaram a acolher refugiados.

A Polônia, a Hungria e a República Tcheca foram acusados ​​de não cumprir as suas obrigações descritas em um plano de 2015 para transferir migrantes da Itália e da Grécia, para ajudar a aliviar seu fardo.

“Lamento ver isso, apesar das repetidas chamadas para se comprometer a mudar, a República Tcheca, a Hungria e a Polônia ainda não tomaram as medidas necessárias”, disse o comissário de migração da UE, Dimitris Avramopoulos, em entrevista coletiva.

A Comissão está iniciando processos de infração contra as três nações, o que permitiria que o principal tribunal da UE impusesse multas. No entanto, a batalha legal pode demorar meses, mesmo anos, para concluir.

Os governos polonês e húngaro recusaram-se a levar alguém, enquanto a República Checa inicialmente aceitou 12 pessoas, mas já disse que não seria mais bem-vindo …

https://www.jihadwatch.org/2017/06/hungary-and-poland-no-refugees-no-terror

“Diminuição de migrantes entrando no Brasil”, será?

Por Amir Kater

Ouvindo notícias pelo rádio, via internet, que dão conta da percepção de diminuição recente de imigrantes no Brasil – matéria esta noticiada pelo programa “Jornal da Manhã” (Rádio Jovem Pan, em 20/06/2017) – claro que isso nos leva à algumas reflexões.

A instituição paroquial “Missão da Paz”, que atua junto aos imigrantes que chegam ao Brasil, informa que tem havido efetiva diminuição da imigração devido à situação política e econômica. Não que tenhamos achado qualquer menção dessa realidade nas páginas da instituição retromencionada. Mas, igualmente, não cremos que haja qualquer disparidade com a notícia dada pela emissora, conhecida por sua competência jornalística há anos.

Ok, até entendemos que isso tenha peso nas decisões dos que querem vir ao Brasil, mas, além disso, surgem alguns pensamentos questionadores:

Será que além dessa questão político/econômica não há medo em relação ao que está cada dia mais próximo do Brasil? Se não, por que muitos dos que natural ou obrigatoriamente  viriam ao Brasil estão procurando Chile ou Estados Unidos? (Conforme noticiado no jornal radiofônico).

O que leva a decaída de 4 mil e tantos para 1 mil e tantos no mesmo período no prazo de um ano no movimento migratório em relação ao Brasil?

Como a divulgação da implementação de leis como a ignóbil e tola Lei n° 13.260/16 (Lei Antiterrorismo) e a outra que ainda está em “vacatio”, a famigerada e inconstitucional, Lei nº 13.445/17 (Lei da migração), além, claro, das notícias recorrentes do desgoverno que tem havido ultimamente, essas informações e notícias podem, efetivamente, demover migrantes mesmo que desesperados, de vir ao país que sempre abre as portas para todas as formas de crimes, pessoas e insanidades?

Quem poderia ajudar a sanar essas dúvidas? Como saná-las? Como aferir tais informações de queda e dos motivos reais?

Se analisarmos com calma, perceberemos que isso já ocorreu em outros países. Logo após “a achegada de quem”? Alguém se atreve a tentar adivinhar ou dizer? Se acertar, ganha um brinde do “tio Amir”. Quem disse que “os que chegaram” foram os “refujihadistas” islâmicos logo após à queda de migração e movimentos migratórios pacíficos, considerados comuns e normais, acertou!

A cada dia, as políticas vêm se acirrando em prol da onda terrorista/colonizadora do sistema teo-político islâmico que assola o mundo. Curiosamente, poucos se dão conta do que era o RICS, que virou BRICS e que tudo tem a ver com essa insanidade que se assola. Mas isso é assunto para outra postagem. Mas uma coisa é certa, esse “B” que se inseriu no termo RICS, é a primeira letra de Brasil, sempre chegando atrasado, mas não com menos gana de complicar ainda mais o que já está péssimo.

Lembremos sempre do seguinte:

HÉGIRA (migração): É uma tática tradicional de ocupação pacífica, na qual a comunidade Kafir tem a falsa sensação de que os primeiros imigrantes não são uma ameaça, pelo menos até que a comunidade muçulmana tenha ganhado força.

TAYSIR: Permite ensinar fórmulas falsas do Islã em terras estrangeiras, ou ignorar os princípios mais rígidos da Sharia, como uma versão “light” do Islã – para facilitar sua observância pelos novatos – que mais tarde serão endurecidos.

MURUNA: É a suspensão temporária da SHARIA, a fim de que os imigrantes muçulmanos pareçam “moderados”.

HUDNA: É uma trégua temporária (muitas vezes entendida como “paz” pelo kafir), que os muçulmanos podem quebrar a qualquer momento, quando se tornar estrategicamente vantajoso. É geralmente para fins de armamento e reagrupamento (ver as ondas de ataques dos palestinos a Israel).

AL‐WALA’ WA’L‐BARA’: Esta é a convocação geral – uma conclamação aos muçulmanos para se unirem (incluindo os terroristas) e se ajudarem contra os não-muçulmanos. A ordem para todos é evitar se opor à Jihad, incluindo participar no esforço de guerra aos não muçulmanos.

Acordem! Urge a necessidade de acordar para a realidade, deixando todo e qualquer preconceito de lado, pois a cimitarra que se coloca sobre as nucas, se aproveita, se fortalece e se engrandece a cada cisão, a cada ponto de preconceito interno, de desentendimento entre pares. Acordem! Percebam os jogos, jogadas e “sacadas” políticas que permeiam a nova realidade mundial.

Abraços, com votos de paz e bons olhos para enxergar melhor o que se aproxima.

 

Imagem: https://goo.gl/images/YwrB5W

Referências:

https://www.facebook.com/missaopazsaopaulo/

http://www.missaonspaz.org/

A invasão islâmica devidamente ocultada

Por Andréa Fernandes 

Inicialmente, devo relembrar informações preliminares sem as quais o leitor não perceberá o contexto em que se concretiza o insano objetivo de islamizar o país, senão, vejamos: em fevereiro, foi publicizado na mídia que Londres iria fornecer recursos para enviar refugiados para América Latina, inclusive, BRASIL.

Além disso, cumpre lembrar às “mentes esquecidas” a notícia veiculada no Estadão de que o Brasil se ofereceu para acolher refugiados sírios:

“O governo brasileiro negocia um acordo com a Alemanha para receber parte dos refugiados sírios que estão no Brasil ou pretendam viajar para lá – e já abriu um processo para avaliar com a União Europeia um diálogo para colaborar na questão dos tratados que auxiliam os requerentes de asilo. Em troca o governo brasileiro pede aos governos da Europa que arquem com os custos dos estrangeiros e sua integração”.

Ora, alguém da mídia teve acesso a essas tratativas que o governo vem articulando com países europeus? Aliás, está havendo algum interesse em tornar pública essas informações acerca das deliberações da diplomacia brasileira sobre questões pertinentes aos refugiados? Pois é, mas os incautos poderiam pensar que o Brasil não seria capaz de fazer “acordos secretos” para ajudar a Europa resolver seu grave problema com “refugiados.  Será?

Vale trazer à lembrança o seguinte fato: o Brasil tem a “mania feia” de celebrar “acordo secreto” quando o interessado é país muçulmano, o que aconteceu quando o presidente Lula resolveu oferecer uma “ajuda” ao Irã para burlar as sanções impostas pelos Estados Unidos e pelo Conselho de Segurança da ONU ao sanguinário regime teocrático islâmico. E o caso do acordo secreto em que o Brasil se submeteu a inspeções de segurança aérea para receber certificação e uma assinatura presidencial dos Estados Unidos (chamada de PD) aprovando sua chamada “Lei do Abate”, a política de derrubada de aviões suspeitos de narcotráfico no espaço aéreo brasileiro? Ações perpetradas com os Estados Unidos a partir de 2004 só foram vazadas em 2010.

Uma vez comprovada a articulação do Brasil com a Europa objetivando acolher “refugiados”, articulação esta que não vem sendo divulgada, vale a seguinte reflexão: como o Brasil conseguiria trazer “refugiados” muçulmanos advindos de toda Europa sem provocar reação inibitória para impedir ingresso em massa desses muçulmanos?

Assim, ao contrário da “dita direita” que em parte é dividida e busca “holofote”, a esquerda se organizou muito bem e conseguiu viabilizar a bomba chamada “Lei de Migração”, que possibilitará o cumprimento dos acordos brasileiros para desafogar a Europa absorvendo quantidade gigantesca dos chamados “refugiados”. Mas surgiu um problema: está havendo reação em diversas partes no Brasil para tentar impedir que a nova Lei de Migração entre em vigor. A esquerda sabe disso e resolve agir… Por que não trazer o mais rápido possível os refugiados antes da lei ser discutida no Judiciário após o exame de enxurrada de ações?

Dessa forma, surge o plano de agilizar o ingresso desses muçulmanos no Brasil. Nesse sentido, devo esclarecer que em meus posts no Facebook, eu confirmei a vinda de muçulmanos sem mencionar a forma de transporte, e num deles, ainda asseverei que pouco importava a maneira que eles ingressariam, pois a informação que recebi é que chegariam… Não mencionei local ou qualquer dado adicional e ao ser questionada por alguns seguidores, informei que não poderia divulgar a fonte e que confiava na mesma.

O fato de não informar a fonte gerou algumas reações compreensíveis e outras irascíveis, pois, tive a infelicidade de ser afrontada na minha TL com acusação de estar veiculando “desinformação” de maneira consciente e ainda fui acusada de estar atuando de forma “exclusivista”.

Pois bem, sei que alguns não estão acostumados com certas práticas na área de Relações Internacionais, principalmente, na seara de segurança internacional, e por isso, defendem a ideia de que toda fonte de informação sobre questões de segurança deve ser publicizada. Dessa forma, cumpre trazer à baila acontecimento análogo apresentado por think tanks (instituições que trabalham com conhecimento em assuntos estratégicos), onde o jornal Die Welt afirmou ter entrevistado um funcionário do alto escalão de segurança da Alemanha, QUE NÃO QUIS SE IDENTIFICAR, e que pronunciou as seguintes palavras:

“A entrada em massa de pessoas dos mais diferentes cantos do planeta levará nosso país à instabilidade. Ao permitir esta migração em massa estamos gerando extremistas. A sociedade inserida no contexto da maioria da população está se radicalizando pelo fato do grosso da nação não querer a migração, que está sendo imposta pelas elites políticas. No futuro muitos alemães irão se afastar do estado de direito”.

Daí, cumpre indagar: porventura, a população alemã se desesperou por causa da informação? É provavel que o jornal tenha sofrido pressão para identificar a fonte e pode ter recebido críticas diversas… faz parte do “jogo”…. Estou utilizando esse de muitos outros exemplos que poderia citar para mostrar que há sim, uma praxe nessa área de conhecimento de não identificar determinadas fontes e isso não significa que o intento é disseminar “desinformação”, o que está mais do que comprovado na Alemanha, pois as palavras da “fonte não-identificada” estão literalmente se cumprindo “ipisis literis”.

Logo, acusar uma ativista de disseminar deliberadamente “desinformação” sem saber os meandros com que se estabeleceu a informação, é no mínimo, temerário. Se eu anunciar a fonte perco acesso a outras informações que são úteis ao meu trabalho, de sorte que, resta-me enfrentar com serenidade a ira daqueles poucos que não compreendem o funcionamento desse tenebroso “mundo da informação” na área de segurança internacional.

Agora, sugiro mais uma reflexão ao nobre leitor: se você fosse presidente num momento de crise institucional e percebesse que seu “acordo” vazou e que a opinião pública está em rebuliço, o que você faria? Traria os muçulmanos assim mesmo ou mudaria a estratégia para trazê-los em “doses homeopáticas” a fim de que não seja percebido pela população, já que a mídia jamais vai divulgar?

E o governo ainda vai contar com a ajuda de alguns que vociferam que trata-se de “desinformação” e agirá livremente autorizando o ingresso de muçulmanos em massa porque qualquer notícia posterior – principalmente advinda da mesma fonte – vai ser desacreditada!

É mais “fácil” disseminar que por não ingressar os imigrantes no mês de julho tratou-se de “desinformação” do que perceber que essa iniciativa só vai fortalecer o objetivo do governo de cumprir suas abjetas tratativas.

No mais, considero que foi ótimo eu não ter divulgado outras informações sobre a entrada absurda de imigrantes ilegais que está acontecendo em território nacional utilizando-se meios nada convencionais e que não vem sendo percebida pelos “caçadores de desinformação” que aguardam o mês de julho para “cantar vitória” e mal sabem que em muito pouco tempo a população perceberá que sofreu “invasão devidamente ocultada” pelos interessados na perpetração do caos em nosso país devidamente “auxiliados” por histéricos que só acreditam em informações confirmadas por “fontes oficiais dignas de toda credibilidade”, tais como Governo,  jornais de grande circulação e ONU. Dessa maneira, essas fontes já se pronunciaram e todos podem ficar “tranquilos” até a cimitarra começar a agir…

É a “espada” que vai mostrar com quem estava a verdade e não os “navios de ilusão” dos caçadores de desinformação.

 

imagem: Itamaraty

 

Universidade canadense confere título de doutor honoris causa a ex-chefe de grupo vinculado ao Hamas

“O Projeto Lawfare solicita ação no Plano da Universidade de Waterloo para Honrar a Ingrid Mattson,” Projeto Lawfare , 13 de junho de 2017:

Prezado Dr. Hamdullahpur,

Isto é respeitosamente para transmitir as objeções do The Lawfare Project, um think tank legal com sede em Nova York, ao plano da Universidade de Waterloo para premiar a Dra. Ingrid Mattson, do Huron University College, um diploma honorário de Doutorado em 14 de junho. 2017.

Acreditamos que tal prêmio seria para:

  1. Desacreditar a Universidade, no país e no exterior;
  2. Constranger os doadores universitários e os titulares de graus honorários de UWaterloo;
  3. Minar os esforços dos muçulmanos que desafiam o extremismo, incluindo a chamada  “jihad furtiva” ; e
  4. Desconsiderar os oficiais e funcionários da Universidade responsáveis ​​por facilitar o prêmio.

Numa altura em que muitos dos nossos colegas e amigos muçulmanos canadenses lutam, muitas vezes com um custo pessoal considerável, contra a ameaça de radicalismo, extremismo e violência associada, não é apropriado que uma universidade canadense separe alguém com o passado da Dra. Mattson e Conexões para uma distinção tão singular como a sua Universidade hoje contempla a concessão para Dra. Mattson.

A Dra. Mattson foi durante muitos anos uma destacada titular de escritório na Sociedade Islâmica da América do Norte (ISNA), com sede nos EUA. Como muitos outros, The Lawfare Project considera ISNA como uma organização islâmica de linha dura …

A Dr. Mattson tornou-se o presidente da ISNA, ocupando esse cargo por algum tempo quando, em um desenvolvimento não surpreendente, o Departamento de Justiça dos EUA  designou  a organização como uma co-conspiradora não declarada da principal e bem-sucedida acusação de financiamento do terrorismo da Fundação  Terra Santa  . No contexto de  US v. Fundação Terra Santa , um juiz da Corte Distrital dos EUA  eafirma  (pp. 14-15) que “[o] Governo tem produzido ampla evidência para estabelecer as associações de CAIR, ISNA e NAIT com HLF, o Associação Islâmica para a Palestina (“IAP”) e com o Hamas. “O Hamas é uma organização terrorista designada sob a lei canadense e norte-americana.

Como o registro público  mostra claramente , a Dra. Mattson tem sido uma   defensora não confiável.

Assim, após a saída de Mattson da ISNA, o diretor executivo muçulmano do Centro para o pluralismo islâmico escreveu um artigo intitulado   “Ingrid Mattson: Iniciando ISNA, mas ainda está avançando com o Islão radical”. Destacar a capacidade da Dra. Mattson para o gerenciamento suave em sortidos Contextos de divulgação, o artigo falou diretamente do “talento de Mattson para a improvisação falsa”. . . “Mattson”,  afirmou , “é consistente em uma questão importante: a variedade do islamismo que ela abraçou, que é representada por ISNA, é fundamentalista e radical, orientada para o Wahhabismo saudita, o jihadismo paquistanês e a Irmandade Muçulmana”.

De acordo com isso, e além do ISNA, a Dr. Mattson foi conectada  pessoalmente  a uma série de indivíduos e organizações perturbadoras,  incluindo  o  Instituto Internacional para o Pensamento Islâmico . Em um desenvolvimento que desencadeou uma notável publicidade  adversa  no Canadá e nos EUA, esse  Instituto, entre outras entidades preocupantes , ajudou a dotar a cadeira islâmica da Universidade Huron (HUC) agora ocupada pela Dra. Mattson. Refletindo as preocupações de segurança que a nomeação da Mattson para o HUC pode ter sido parte de um padrão mais amplo   de facilitar a penetração islâmica nos meios acadêmicos, de mídia e outros da vida canadense e norte-americana,

Além da variedade de outras críticas, alguém poderia se unir contra qualquer plano da Universidade de Waterloo para reconhecer a Dra. Mattson, reside mais um problema. O fato de conceder a esta pessoa um diploma honorário que destaca a disciplina e o chamado de lei constitui, a nosso ver, um insulto aos valores constitucionais canadenses consagrados na Carta dos Direitos e Liberdades do Canadá. Pois, no que acreditamos ser um ataque direto ao direito da Liberdade de Expressão nos termos do art. 2 da  Carta , é nossa opinião considerada que a Dra. Mattson e os interesses que a sustentam no passado abusaram da lei de difamação canadense na tentativa de silenciar a discussão pública sobre sua história e links, Incluindo o fato de que ela nunca condenou publicamente e nomeia certos extremistas ideológicos com quem teve relações.  Talvez seja por causa desse silenciamento que alguns funcionários da Universidade podem ter desconhecido o grave erro refletido na proposta de Honoris causa a Mattson…

Observa-se especialmente que a Dra. Mattson, em grande medida,  se baseou  em sua credibilidade em links limitados que anteriormente tinha com o governo dos EUA, através de programas de divulgação. A  confiança habitual da Dra. Mattson para a  boa fé normalmente envolve a  propaganda de  sua atividade com os programas de capelania militar, mas os programas de capelania dos EUA e do Canadá estão repletos de problemas de penetração islâmica. Para mencionar apenas um exemplo: o programa dos EUA foi estabelecido pela al-Qaeda -ligada  Abdurahman Alamoudi -Depois retratado nos meios de comunicação de rede como um modelo muçulmano moderado que hoje está cumprindo uma longa pena de prisão após o envolvimento em uma grande trama de assassinato internacional.

Matéria completa: https://www.jihadwatch.org/2017/06/canadian-university-to-confer-honorary-doctorate-on-former-head-of-hamas-linked-group

Mais Convocações para Ataques

Por Amir Kater

É no mínimo, absurdo que um grupo, que se impões com base em sua “religião da paz”, chame seus seguidores/simpatizantes para ataques. Pior, em pleno “Ramadã”.

Conforme gravação de áudio que foi divulgada segunda-feira (12/06), um porta-voz do Daesh ou EI, Abu al-Hassan al-Muhajer, elogiava ataques realizados na semana passada na capital iraniana. Após dizer que o país está “mais fraco que uma teia de aranha”, de maneira clara incitou a perpetração de mais ataques.

Não satisfeito, Al-Muhajer, convocou realização de atentados na América do Norte, Rússia e Austrália, mencionando que  “o céu é alcançado sob a sombra das espadas”.

É de sabença geral aquilo que no mínimo, parece incongruente, mesmo não havendo congruência alguma nos atos animalescos desse e de outros grupos terroristas islâmicos: o DAESH já convocara ataques durante o “ramadã” em anos anteriores.

Por sinal, não podemos nos esquecer que neste ano já houve reivindicação de outros ataques ocorridos nesse período “festivo/religioso” no  Egito, Irã, Filipinas e Inglaterra, que ceifaram dezenas de vidas ferindo outras centenas.

Por oportuno, vale sempre lembrar – principalmente em países como o Brasil, que ainda pode reverter a entrada maciça dessa onda terrorista invasora – que são só cinco passos:

HÉGIRA (migração): É uma tática tradicional de ocupação pacífica, na qual a comunidade Kafir tem a falsa sensação de que os primeiros imigrantes não são uma ameaça, pelo menos até que a comunidade muçulmana tenha ganhado força.

TAYSIR: Permite ensinar fórmulas falsas do Islã em terras estrangeiras, ou ignorar os princípios mais rígidos da Sharia, como uma versão “light” do Islã – para facilitar sua observância pelos novatos – que mais tarde serão endurecidos.

MURUNA: É a suspensão temporária da SHARIA, a fim de que os imigrantes muçulmanos pareçam “moderados”.

HUDNA: É uma trégua temporária (muitas vezes entendida como “paz” pelo kafir), que os muçulmanos podem quebrar a qualquer momento, quando se tornar estrategicamente vantajoso. É geralmente para fins de armamento e reagrupamento (ver as ondas de ataques dos palestinos a Israel).

ALWALA’ WA’LBARA’: Esta é a convocação geral – uma conclamação aos muçulmanos para se unirem (incluindo os terroristas) e se ajudarem contra os não-muçulmanos. A ordem para todos é evitar se opor à Jihad, incluindo participar no esforço de guerra aos não muçulmanos.

Despertemos! Urge a necessidade de acordarmos para a realidade, deixando todo e qualquer preconceito de lado, pois a cimitarra que se coloca sobre as nucas, se aproveita, se fortalece e se engrandece a cada cisão, a cada ponto de preconceito interno, de desentendimento entre pares. Acordemos!

 

Fonte da imagem: https://goo.gl/images/5IQ1ri

Outras fontes: http://www.elconfidencial.com/mundo/2017-05-26/estado-islamico-guerra-total-occidente-ramadan_1389444/

http://www.hispantv.com/noticias/europa/342715/estado-islamico-isis-guerra-occidente

Ramadan:http://www.dn.pt/lusa/interior/grupo-extremista-estado-islamico-apela-a-ataques-na-europa-durante-o-ramadao-8558935.html