Arquivo da categoria: Perseguição Religiosa

Mais algumas meninas do Chibok foram resgatadas

Quando elas estão com seus pais compartilham estudos bíblicos e cantam; elas parecem felizes, apesar dos traumas.

Em abril de 2017, vai completar 3 anos que as “meninas do Chibok” foram sequestradas. Na época, havia 275 meninas na escola, 228 foram levadas pelo Boko Haram e somente 47 conseguiram escapar. Os extremistas islâmicos mandaram vários vídeos para os pais dessas meninas e ao governo nigeriano, exigindo a libertação de seus combatentes em troca delas.

Depois de um tempo, muitas foram forçadas a se casar com eles, algumas tiveram filhos e todas tiveram que “se converter” ao islamismo. Em maio de 2016, Amina Ali Nkeki, foi a primeira a ser encontrada viva quando foi descoberta por vigilantes na Floresta de Sambisa, perto da fronteira com Camarões. Depois dela, o exército da Nigéria disse ter resgatado uma segunda menina, Serah Luka, que era filha de um pastor.

13-nigeria-meninas-liberadas

Em outubro de 2016, mais 21 meninas foram libertadas por Boko Haram após dois anos e meio de detenção e muitas negociações com o governo. A maioria, porém, continua desaparecida. No dia 5 de janeiro de 2017, a 24ª menina foi resgatada. Rakiya Abubakar Gali que estava vivendo em cativeiro foi encontrada com seu bebê de apenas 6 meses de idade. Alguns dias depois, Maryam Ali Maiyanga também foi encontrada por soldados que procuravam fugitivos na floresta de Sambisa. Ela estava carregando um menino de 10 meses de idade.

Segundo o governo, um grupo dissidente do Boko Haram parece estar disposto a negociar a libertação de mais 83 meninas. O veículo de comunicação CNN relatou que 114 delas estão mortas, ou, segundo as notícias, não querem deixar seus sequestradores porque elas são agora casadas ou foram “radicalizadas”.

Um grupo de 21 meninas libertadas encontrou-se com o presidente Muhammadu Buhari para agradecer pessoalmente pela contribuição do líder de Estado. Desde então, elas passam por intensas avaliações psicológicas em um centro médico na capital, Abuja. A maioria pertence a famílias de origem cristã. “Quando elas estão com seus pais compartilham estudos bíblicos e cantam. Elas parecem felizes, apesar dos traumas”, finaliza um dos colaboradores da Portas Abertas.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/mais-algumas-meninas-do-chibok-foram-resgatadas

Sob Obama, EUA entram na Lista de Países que Perseguem Cristãos

No Mapa da Vergonha aparecem os países que perseguem os cristãos no mundo, feito pelo International Christian Concern, no relatório de 2016.

O destaque do relatório de 2016 é que pela primeira vez os Estados Unidos, sob administração do Obama, entraram no Mapa da Vergonha.

O texto mostra uma mudança cultural no país que se volta contra os cristãos.

Os países onde há mais perseguição aos cristãos são os de praxe: Iraque, Síria e Coréia do Norte.

Vejam todo o relatório da perseguição aos cristãos, clicando aqui.

Abaixo vai o texto sobre os Estados Unidos que relata alguns casos de perseguição sofridos pelos cristãos nos Estados Unidos:

On June 11, 2016, Omar Mateen, a US-based radical Muslim, attacked a gay nightclub in Orlando, killing 49 and injuring 53 more. In a call to 911, he clearly laid out his motivation. The attack
was driven by his allegiance to ISIS and desire for retribution for attacks on ISIS. Incredibly, after the attack, numerous high profile media outlets blamed the attacks on what they perceive as the anti-LGBTQ atmosphere that Christians have created. 
In short, Christians in the US are facing constant attacks in the media, where they are portrayed as bigoted, racist, sexist, and close- minded. The characterization in the media may be translating into direct attacks as well. The First Liberty Institute, the largest legal organization in the US dedicated exclusively to protecting religious freedom, documents such actions and reports that attacks on religion doubled between 2012 and 2015.
More importantly, Christians and all religious people are being marginalized through the law.
From the case of a Christian football coach suspended for praying at the 50-yard line, to Christian business owners forced to pay a $135,000 fine for declining to bake a cake for a same-sex wedding, t
he number of troubling cases directed towards Christians has exploded.
In 2011, InterVarsity Christian Fellowship lost their official recognition as a student organization in all of their respective chapters across 23 California public colleges. This occurred because the
Christian organization required their respective leaders to uphold a doctrinal statement of Biblical principles, which allegedly conflicted with California State universities’ policies. After four years of embattled negotiations, InterVarsity regained their official recognition in June 2015.
 In 2014, Eric Walsh was terminated one week after being hired by the Georgia Department of Public Health (DPH). The basis of termination was alleged undisclosed income from prior employment in California.  However, the Georgia DPH knew that Walsh was a Christian preacher outside of work and went to great lengths to review and investigate the content of his sermons posted on YouTube. Georgia officials have even requested copies of Walsh’s sermons, despite prior statements that the termination had nothing to do with his religious views or affiliations.
Walsh is currently suing the Georgia DPH for wrongful termination and religious discrimination.
The rise of these cases stems partly from a broad cultural shift towards secularism. The Pew Foundation found that those identifying as non-religious in the US rose by seven percent, to 23 percent of the total US adult population within just seven years (2007 to 2014).
Anti-Christian entities have been able to leverage the growing secularization of society and culture to their advantage, utilizing the courts as a preferred venue to gradually marginalize and silence
Christians. Using the cudgel of “equality,” secular forces in and out of the courts have worked to create a body of law built from one bad precedent after another. Claims of intolerance and inequality are used to fundamentally distort the clear intent of the First Amendment.
 The Founders carefully and deliberately placed religious freedom as the first liberty because it encompasses several fundamental rights including thought, speech, expression, and assembly. The First Amendment explicitly grants freedom of religion, not freedom from religion. The essential aim is to protect the right of citizens to practice religion in the public square.
Decades of accumulated poor judicial decisions and precedents have twisted the First Amendment so that the courts, in defiance of the Founders, are pushing religion out of the public square, and into the small space of private expression. In essence, the courts are deciding that you only have full religious freedom and expression in the church and your home. In the public domain, your religious views and thoughts must be restrained and controlled.
This trend is extremely worrying in the country that has long held the ideal of religious liberty.
While there is no comparison between the life of a Christian in the US with persecuted believers overseas, ICC sees these worrying trends as an alarming indication of a decline in religious liberty in the United States.
FONTE: http://thyselfolord.blogspot.com.br/2017/01/sob-obama-eua-entram-na-lista-de-paises.html

Malásia: Cristãos são acusados de “enfraquecer a fé islâmica”

Um jornal local publicou um artigo afirmando que “os cristãos se infiltraram na manifestação, usando essa plataforma para desafiar e enfraquecer a fé islâmica”.

O “Bersih 5” foi um protesto democrático que ocorreu no final do ano, na Malásia, a fim de tentar “limpar” o governo da corrupção e conscientizar os cidadãos sobre os problemas atuais enfrentados pelo país. Os manifestantes reivindicaram pacificamente uma reforma no governo e exigiram também a expulsão do primeiro-ministro Najib Razak.

No dia seguinte, porém, um jornal local publicou um artigo afirmando que “os cristãos se infiltraram na manifestação, usando essa plataforma para desafiar e enfraquecer a fé islâmica”. A acusação ocorreu depois que voluntários de uma igreja distribuíram água e comida entre as pessoas. Um grupo de cristãos também usou as mídias sociais para encorajar outros cristãos a participar de Bersih 5 e eles também pediram a todos para orar pela nação.

A desconfiança da comunidade muçulmana acabou distorcendo as ações da igreja. Ore para que os cristãos malaios continuem demonstrando amor e bondade, e que os corações de muitos muçulmanos sejam tocados pelo amor de Cristo, a fim de compreenderem o motivo da fé daqueles que seguem Jesus.

Leia também
Islamização progressiva na Malásia
Igreja na Malásia não está segura

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/cristaos-sao-acusados-de-enfraquecer-a-fe-islamica

Cristão é assassinado no Egito por vender bebida alcoólica

Um homem muçulmano deu emboscada por atrás de um cristão e cortou sua garganta, matando-o em Alexandria, no Egito, na noite de 3 de janeiro.

Adel Suleiman, 48, o homem muçulmano que cometeu o assassinato, o fez porque sua vítima cristã, Joseph Lam’i, de 45 anos, era dono de uma loja que vendia bebida álcoólica, o que o assassino considerava “contrário à shar’ia (Lei)  e à religião [Islã] “, de acordo com um relatório de investigação em língua árabe.

Um vídeo de vigilância capta o momento do ataque (veja abaixo). O proprietário copta da loja pode ser visto sentado em uma cadeira fora de sua loja. Então um homem barbudo aparece casualmente andando ao fundo. Ele pára atrás do cristão sentado, puxa sua cabeça para trás, e muito vigorosamente e deliberadamente corta sua garganta. O copta instintivamente salta e se afasta de seu assassino, embora venha sucumbir rapidamente devido ferimentos sangrando até a morte.

De acordo com uma investigação preliminar do departamento de segurança nacional do Egito, “O acusado não foi motivado por motivos políticos ou criminosos, mas abraçou o pensamento takfiri [radical] há quatro anos”.

O que está claro é que o assassino é um salafista, um desses muçulmanos que seguem de perto o estilo de vida e os ensinamentos do profeta muçulmano Muhammad e seus companheiros originais. Tanto sua aparência (a tradicional barba salafista com bigode cortado) como suas ações (“defender” o Islã das influências “corruptoras” dos “infiéis”) testificam desse fato.

http://raymondibrahim.com/2017/01/04/muslim-slaughters-christian-selling-alcohol-egypt/

 

Aldeias cristãs são atacadas durante festividades

A violência se espalhou para várias regiões; fontes locais informaram que o número de mortos é de aproximadamente 700.

Ataques em várias aldeias da República do Congo e combates entre milícias mataram pelo menos 35 pessoas durante as festas de fim de ano, em Kivu do Norte, ao leste do país, uma região onde a maioria dos habitantes é cristã.

A violência começou em Eringeti, uma cidade que fica a 55 quilômetros de Beni e que é muito conhecida pelos massacres que deixaram centenas de mortos, organizados pelos rebeldes das Forças Democráticas Aliadas (ADF, sigla em inglês, Allied Democratic Forces), dominadas por muçulmanos extremistas ugandenses.

Entre as vítimas estavam pelo menos 13 civis hutus (grupo étnico originado em Ruanda e Burundi), a maioria de mulheres e uma menina de apenas oito anos, de acordo com informações de um oficial local. A violência se espalhou para outras regiões. Fontes locais informaram que o número de mortos é de aproximadamente 700.

Leia também
A “Grande Guerra da África” chega no país
Momento de espera para os cristãos congoleses

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/aldeias-cristas-sao-atacadas-durante-festividades

Etiópia: meninas cristãs são condenadas a um mês de prisão

Elas foram detidas logo após distribuírem livros cristãos escritos por um autor muito conhecido que fazia críticas ao islamismo; as famílias ficaram espantadas com o veredito do juiz.

Três adolescentes cristãs tiveram que comparecer a um Tribunal Etíope para responder às acusações de “violência religiosa”. As meninas cujos nomes foram informados somente como Eden* (15), Gifti* (14) e Mihiret* (14), juntamente com Deborah*, uma garota mais velha, foram presas após distribuírem livros cristãos escritos por um autor muito conhecido que fazia críticas ao islamismo.

Em uma breve audiência, o juiz condenou as quatro a um mês de prisão, depois de pedir ao promotor para apresentar as devidas provas. De acordo com um dos colaboradores da Portas Abertas, as meninas serão transferidas para uma prisão maior, numa cidade conhecida por Gelemiso, para cumprir pena entre os criminosos comuns, mesmo que três delas tenham idade inferior a 18 anos.

O juiz permitiu um apelo, que só poderá ser feito após a transferência. As famílias ficaram espantadas com o veredito do juiz. Muçulmanos locais disseram que o livro é um “insulto ao islã” que, inclusive, inspirou o ataque a uma igreja. A Etiópia ocupa o 18º lugar na atual Classificação da Perseguição Religiosa e está entre os países onde o cristianismo é rejeitado e muito hostilizado. Ore por essa nação.

*Nomes alterados por motivos de segurança.

Juntos pela África
Os cristãos de alguns países da África Subsaariana enfrentam uma das piores perseguições de sua história. No dia 11 de junho, data escolhida para o Domingo da Igreja Perseguida 2017, juntos faremos mais pelos nossos irmãos dessa região.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/meninas-cristas-sao-condenadas-a-um-mes-de-prisao

Mali: assassinato de cristão aumenta a preocupação da igreja

Até agora não houve nenhuma reivindicação do crime por grupos extremistas. “Não sabemos se a morte dele foi por causa de sua fé ou se houve motivação política”.

O assassinato de um político cristão fulani, no Mali, que ocorreu no mês de novembro, continua sendo um mistério. Os moradores da vila onde ocorreu o crime suspeitam de uma “agenda islâmica”. Moussa Issah Bary, de 47 anos, era vice-prefeito de Kerana, cidade próxima à fronteira com Burquina Faso. Ele foi morto a tiros por seis homens não identificados, que estavam dirigindo motocicletas.

O cristão deixou a esposa e oito filhos. O assassinato de Bary aconteceu poucos dias antes das eleições municipais. Ele era um exemplo raro, pois era cristão e ao mesmo tempo membro da tribo Fulani. Os fulanis normalmente são conhecidos por cometer atrocidades e já foram reconhecidos como uma das principais milícias mortais do mundo.

Essa perda causou muita tristeza entre os cristãos, fez aumentar o medo e as preocupações em relação à vulnerabilidade da igreja no país. Cristãos fulanis de outras nações que conheciam Bary também estão apreensivos. Até agora não houve nenhuma reivindicação do crime por grupos extremistas. “Não sabemos se a morte dele foi por causa de sua fé ou se houve motivação política”, conclui um dos colaboradores da Portas Abertas.

Leia também
Igreja não estava preparada para dias piores
Igreja persevera apesar das dificuldades

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/01/assassinato-de-cristaos-aumenta-a-preocupacao-da-igreja

A crise humanitária esquecida que criou 400 mil refugiados em 2016

O país de que saíram mais refugiados em 2016, em meio a uma violenta guerra civil, é também o país jovem do mundo. Trata-se do Sudão do Sul.

Sua independência do Sudão, em 2011, depois de um outro grande conflito, que durou mais de 20 anos, deu esperanças de dias mais felizes para a nação africana, uma das mais pobres do mundo.

Porém, o quinto aniversário do novo Estado teve poucos motivos para celebrações.

“Nossas visitas ao Sudão do Sul sugerem que está sendo levado a cabo no país um processo de limpeza étnica em várias regiões por meio do uso da fome, dos estupros coletivos e de incêndios”, disse recentemente a presidente da Comissão de Direitos Humanos da ONU para o país, Yasmin Sooka.

O governo do Sudão do Sul, presidido por Salva Kiir, nega as acusações.

Ruanda outra vez?

Sooka também alertou para o que pode se tornar uma repetição do genocídio que, em 1994, deixou mais de 800 mil pessoas massacradas em apenas três meses em outro país africano, Ruanda.

Mas apesar dessa magnitude, a situação no Sudão do Sul raramente teve repercussão na mídia em 2016.

Pessoas fugindo do conflito do Sudão do Sul
Image captionDiariamente, 2.500 sudaneses buscam abrigo em países vizinhos

Desde o início da guerra da civil, em dezembro de 2013, mais de 1,17 milhão de pessoas buscaram refúgio em países vizinhos, especialmente em Uganda, Etiópia, Sudão e Quênia.

O número total de pessoas deslocadas alcança 1,8 milhão.

“Desde julho de 2016, estamos falando de mais de 400 mil pessoas que fugiram do país”, disse à BBC Mundo (o serviço em espanhol da BBC), Eujin Byun, porta-voz do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (ACNUR).

No mesmo período, o número de refugiados sírios foi de 200 mil, segundo o órgão – ainda que o total seja de 4,8 milhões.

Em 2016, o Sudão do Sul se uniu à Síria, Afeganistão e Somália no grupo de países com mais de um milhão de refugiados.

Razões da crise

Mas como uma nação rica em recursos chegou a uma situação tão crítica?

Salva Kiir (direira) e Riek Machar (esquerda)Image copyrightAP
Image captionSalva Kiir (à direita), acusou o vice-presidente, Machar, de organizar um golpe (izq) de orgnaizar un golpe.

A guerra civil teve início quando Salva Kiir destituiu seu vice, Riek Machar, a quem acusou de tramar um golpe de Estado. Os dois políticos pertenciam ao mesmo partido – o Exército de Libertação do Povo Sudanês.

“Algumas horas mais tarde, os militares se dividiram e começamos a escutar tiros em Juba (a capital)”, contou à BBC Mundo o brasileiro Raimundo Rocha dos Santos, um padre brasileiro que trabalha como missionário no Sudão do Sul.

“A origem do conflito é muito política. Uma profunda divisão no partido do governo”.

Mas à rivalidade política se somaram tensões entre as duas etnias majoritárias do país: os dinka, grupo ao qual pertence Salva Kiir e que representa cerca de 15% dos da população do país (que é de 12,3 milhões de pessoas), e os nuer, a que pertence Machar e corresponde a cerca de 10% da população.

Em 2015, as duas facções fizeram um acordo de paz que previa a volta de Machar ao governo como vice de Kiir. No entanto, apenas três meses depois, Machar foi novamente expulso do governo e o conflito foi novamente deflagrado em julho de 2016.

Soldado no Sudão do SulImage copyrightAFP
Image captionGuerra civil começou em 2013, apenas dois anos depois da independência

Petróleo

As causas da guerra não são exclusivamente políticas e étnicas.

“O Sudão do Sul é um país complicado e há muitos fatores que influem no conflito, inclusive econômicos”, destaca Eujin Byun.

“Há uma inflação de 800%. Há um ano, um dólar valia três libras sudanesas. Hoje, estamos falando de 120 para cada dólar. A criminalidade também aumentou. Outro motivo de briga é o petróleo. As duas partes querem controlar os campos petrolíferos”, completa.

Com território de dimensões semelhantes às da França, o Sudão do Sul é o país do mundo mais dependente do petróleo, segundo o Banco Mundial. O produto responde por praticamente todas suas exportações e por 60% do PIB. Porém, a maior parte do país vive em uma economia de subsistência e a situação piorou nos últimos anos – o PIB, por exemplo caiu de US$ 17 bilhões em 2011 para apenas US$ 9 bilhões em 2015.

Civis viram alvos

O impacto da guerra é brutal tanto do ponto de vista econômico como humanitário. Estima-se que mais de 50 mil pessoas tenham morrido nos três anos de guerra, segundo Rocha.

“Isso gerou uma crise humanitária enorme”, conta o brasileiro.

Campo de refugiados de Bidi Bidi
Image captionRefugiados sudaneses no campo de Bidi Bidi, em Uganda

Dos quase dois milhões de deslocados internamente, mais de 200 mil estão em Centros de Proteção a Civis, gerenciados pela ONU.

“Em termos de segurança. estão relativamente bem, pois estão protegidos pelas forças de paz da ONU, mas há também pessoas escondidas na floresta, sem segurança, comida ou necessidades básicas. É algo desesperador”, relata o missionário.

“Povoados ou cidades são atacados em conflitos e os civis viram alvos”.

Byun se queixa da falta de recursos e de atenção.

“Muita gente da comunidade internacional não sabe o que está se passando no Sudão do Sul”.

http://www.bbc.com/portuguese/internacional-38477791

Muçulmanos atacam cristãos em igreja no Natal e destroem casa de cristã enquanto gritam ‘esta aldeia não é para cristãos, mas para Allah’

Em um terrível ataque no dia de Natal, 19 saqueadores muçulmanos atacaram cristãos na igreja. Eles espancaram uma mãe solteira e destruíram sua casa enquanto gritavam que sua aldeia não é “para cristãos, mas para Allah”:

Os muçulmanos no leste de Uganda atacaram os cristãos no Natal e destruíram a casa de uma mãe solteira na véspera de Natal, disseram fontes.

Em uma aldeia predominantemente muçulmana de Obokora, no distrito de Pallisa, 19 muçulmanos mascarados entraram em um conjunto de igrejas cantando o slogan jihadista “Allahu Akbar” e “Longe daqui, esta aldeia não é para cristãos, mas para Allah”, durante um culto dominical (25 de dezembro) às 11 horas, disse à Morning Star News o pastor da congregação, Erod Okaali.

O pastor Okaali, que estava pregando na ocasião, e vários membros da igreja fugiram para salvar suas vidas por uma porta dos fundos. Os assaltantes pegaram o pastor e 15 membros da igreja e os espancaram, deixando cinco com ferimentos graves, incluindo ossos quebrados de suas mãos e pernas, disse ele. A face do pastor foi ferida. Os cristãos receberam tratamento em um centro de saúde em Kashebai.

Anteriormente em um serviço de noite de Natal, um muçulmano tinha se convertido foi imediatamente curado de doença, disse o converso à Morning Star News. Yasiini Mugoya disse que voltou para casa e compartilhou o evangelho de Cristo com seus companheiros muçulmanos no início da manhã de Natal.

“Eles começaram a me bater e me forçaram a levá-los para o recinto da igreja onde os cristãos haviam orado por mim e eu tinha recebido salvação e cura”, Mugoya disse. “Quando chegamos à igreja, os muçulmanos começaram a atacar os membros da igreja.” (Fonte)

http://shoebat.com/2016/12/27/muslims-attack-christians-celebrating-christmas-beat-a-single-mother-and-destroy-her-home-while-shouting-this-village-is-not-for-christians-but-for-allah/