Arquivo da categoria: Perseguição Religiosa

O líder supremo iraniano, Ali Khamenei, expressou oposição à “discriminação e desigualdade” contra as minorias iranianas em resposta a um apelo do clérigo sunita mais antigo do país.

Mohabat News _ “De acordo com os ensinamentos religiosos e a Constituição, todas as instituições da República Islâmica têm o dever de se abster de qualquer discriminação ou desigualdade em relação aos iranianos de qualquer etnia, raça ou fé”, disse o ayatollah em resposta a uma carta de Clérigo sunita Molavi Abdolhamid Ismaeelzahi.

A divulgação do alcance da comunidade sunita do Irã, transmitida pelo assistente principal de Khamenei, Mohammad Mohammadi Golpayegani em 22 de agosto de 2017, foi publicada em 6 de setembro.

Molavi Abdolhamid, o líder da religião em Zahedan, capital do Sistan e do Baluchistão, escreveu uma carta a Khamenei em 2 de agosto de 2017, pedindo o fim de “38 anos de desigualdade” para os sunitas desde a revolução iraniana de 1979.

Em sua resposta, Khamenei acrescentou: “Todos nós acreditamos firmemente que devemos estar lado a lado em uma frente sólida e unificada para lutar pela glória e honra do Irã islâmico e não devemos permitir que os inimigos desta terra e seus sabotadores maliciosos nos dividam.”

Molavi Abdolhamid agradeceu a Khamenei por sua resposta, acrescentando: “Esta ordem impõe um dever religioso e legal a todos os funcionários e instituições civis e militares da república islâmica para tratar igualmente todos os grupos étnicos e religiões por razões de justiça.

“Nos momentos sensíveis que enfrentam a região e o país, a ordem sábia e histórica do líder iluminado … desencorajará aqueles que desejam danos no Irã islâmico e tragam alegria à querida nação do Irã”, escreveu ele.

Dezenas de sunitas iranianos foram detidos por suspeita de ter alegado vínculos com os atacantes que realizaram os mortíferos ataques terroristas em Teerã em 7 de junho de 2017. Os ataques, que mataram 18 pessoas e feriram 50, foram realizados por partidários do grupo que se chama de Estado islâmico, também conhecido como ISIS, IS e ISIL.

Em julho de 2017, o Conselho de Teólogos sunitas do Irã, que representam clérigos com sede nas províncias do nordeste do país, crticiaram as operações em resposta ao clima de intimidação e medo continuado perpetuado pelo Ministério da Inteligência desde os ataques.

Falta de representação

Apesar de representar cerca de 10% da população do Irã, nenhum sunita iraniano já foi nomeado para um cargo ministerial no governo desde o estabelecimento da República Islâmica em 1979.

O artigo 12 da Constituição do Irã elenca os direitos concedidos aos ramos sunitas oficialmente reconhecidos do Islã, uma minoria no Irã dominado pelos xiitas: “… Outras escolas islâmicas, incluindo as Hanafi, Shafi’i, Maliki, Hanbali e Zaydi devem ser concedidos o pleno respeito e seus seguidores são livres para agir de acordo com sua própria jurisprudência no desempenho de seus ritos religiosos. Essas escolas gozam de status oficial em questões relativas à educação religiosa, assuntos de status pessoal (casamento, divórcio, herança e testamentos) e litígios relacionados nos tribunais “.

De acordo com o artigo 26: “É permitida a formação de partidos, sociedades, associações políticas ou profissionais, bem como sociedades religiosas, islâmicas ou pertencentes a uma das minorias religiosas reconhecidas, desde que não violem os princípios de independência, liberdade, unidade nacional, os critérios do Islã, ou a base da República Islâmica. Ninguém pode ser impedido de participar dos grupos acima mencionados, ou ser obrigado a participar neles “.

Molavi Abdolhamid, que dirige o seminário sunita Dar al-Oloum em Zahedan, tem sido um defensor moderado da igualdade para a comunidade sunita do Irã.

Em fevereiro de 2017, ele escreveu uma carta a Khamenei em resposta a rumores de que as execuções de prisioneiros de morte Sunni condenados por crimes de drogas deveriam ser aceleradas em Sistan e Baluchistan.

Execuções em várias cidades da maioria sunita, escreveu ele, “reforçam a possibilidade de que o pedido secreto do chefe do Judiciário realmente exista” e, portanto, “exige que a intervenção prudente e paterna do sábio [do Khamenei] acalme as preocupações da comunidade sunita”.

Entre as províncias mais pobres do Irã, Sistan e Baluchistan mantêm uma das maiores taxas de execução per capita no país. O alto desemprego atraiu os habitantes da região da maioria sunita para traficar ilegalmente drogas no Irã desde a fronteira com o Afeganistão e com o Paquistão.

http://mohabatnews.com/en/?p=3705

Anúncios

Juiz bloqueia a tentativa dos EUA de enviar cristãos iraquianos de volta ao Estado islâmico

Esta é uma boa notícia, mas esses procedimentos de deportação precisam ser anulados. Trump estava inicialmente determinado a assegurar que os refugiados da perseguição muçulmana recebessem tratamento preferencial. Quem está fazendo isso acontecer provavelmente tentará punir esses cristãos caldeus por se opor à construção de uma mega-mesquita em Sterling Heights, Michigan. Esta pessoa deve ser identificada e despedida. Trump pode não saber sobre isso, mas ele é o presidente dos Estados Unidos. É sua responsabilidade saber, e garantir que a justiça seja feita.

Uma atualização sobre esta história . “O juiz bloqueia a tentativa dos EUA de enviar os cristãos iraquianos de volta aos perigos do ISIS”, de Andy Walton, Christian Today , 23 de junho de 2017:

Um juiz do distrito federal dos EUA interveio para bloquear a deportação de mais de 100 cristãos iraquianos que foram presos no mês anterior em Michigan.

Os 114 cristãos principalmente caldeus foram interceptados porque tinham algum tipo de registro criminal, de acordo com as autoridades. Mas seus advogados afirmam que é injusto enviá-los de volta ao Iraque, onde o governo dos EUA reconheceu um genocídio contra os cristãos está ocorrendo.

A União Americana de Liberdades Civis estava lutando com o caso em nome dos cristãos e agora o juiz Mark Goldsmith suspendeu temporariamente a sua deportação. Ele ordenou um atraso de duas semanas, após o que ele irá decidir novamente.

Lee Gelernt, advogada da União Americana das Liberdades Civis, representando os iraquianos em Michigan, disse: “A ação do tribunal hoje foi legalmente correta e pode muito bem ter salvado inúmeras pessoas de abusos e possíveis mortes”.

“Muitos que foram apanhados não são criminosos endurecidos, mas durante as últimas décadas foram grandes cidadãos”, disse o bispo caldeu local em Detroit, onde há a maior comunidade de cristãos caldeus fora do Iraque ….

https://www.jihadwatch.org/2017/06/judge-blocks-us-attempt-to-send-iraqi-christians-back-to-face-the-islamic-state

Estudante judeu sai de escola de Berlim devido ameaças e violência de colegas de classe muçulmanos

“Estudante judeu sai de escola de Berlim por ameaças e violência de colegas de classe muçulmanos”, de Simon Kent, Breitbart , 28 de maio de 2017:

 Espancamentos e abusos de colegas de classe muçulmanos foram citados pelos pais de um adolescente judeu como o motivo pelo qual o retiraram de uma escola principal de Berlim.

O menino de 14 anos nasceu em Londres de uma mãe britânica e um pai alemão. De acordo com um relatório no Sunday Times , o estudante foi expulso e recebeu soco de alunos do Oriente Médio e origem turca tantas vezes, que ficou temendo por sua vida. Um dos agressores alegadamente ameaçou matá-lo com uma arma simulada que ele acreditava ser real.

O Conselho Central de Judeus na Alemanha descreveu as alegações de bullying na Friedenauer Gemeinschaftsschule em Berlim como “anti-semitismo da forma mais horrorosa”.

The Times informa Ferdinand e seus pais – Gemma, um empresário de Londres, e Wenzel, uma ativista de direitos humanos – escolheram um ambiente multicultural para o ensino de seus filhos. Até recentemente, a família tinha hospedado um refugiado sírio na casa de Berlim.

“Eu amei o fato de que a escola era multicultural. . . Os filhos e os professores eram tão legais “, disse Ferdinand.

No entanto, dentro de uma semana de inscrição em novembro passado, em uma escola onde quase três quartos dos alunos são de famílias imigrantes, os problemas de Ferdinand começaram depois que ele deixou escapar que ele era judeu.

“Primeiro, meu amigo turco, Emre, disse que não poderia mais sair comigo porque eu era judeu”, disse Ferdinand. “Então outros alunos começaram a dizer coisas estereotipadas sobre como os judeus só querem dinheiro e odeiam muçulmanos”.

As surras diárias por uma gangue de alunos, todos de origem imigrante, logo seguiram. Estes foram acompanhados de insultos raciais.

“Este menino, Jassin, cujos pais são palestinos, me perguntou se eu sou de Israel”, disse Ferdinand. “Eu nunca estive em Israel. Ele disse que a Palestina vai queimar Israel e seus amigos disseram que o Peru queimará Israel. Ele continuou me chutando.

“Um dia ele veio até mim por trás e ele me deu um soco na parte de trás. Fiquei tonto. . . Eu tive uma hematoma por uma semana ou duas. Toda vez que algo de ruim acontecia, eu disse a mim mesmo que eu poderia gerenciá-lo, mas isso só piorou “.

A experiência de Ferdinand não é um incidente isolado no sistema escolar de Berlim.

Aaron Eckstaedt, diretor da Escola Secundária Judaica Moses Mendelssohn em Berlim, disse à Jewish Chronicle que seis a 10 pais judeus se candidataram para mudar seus filhos de escola todos os anos.

Os pedidos são geralmente “em reação a declarações antissemitas vindas esmagadoramente de colegas árabes ou turcos”, disse ele.

Matéria completa: http://pamelageller.com/2017/06/jewish-berlin-muslim.html/?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

Ataque a ônibus de cristãos coptas no Egito deixa 26 mortos

Um ataque de homens armados a um ônibus com cristãos coptas no Egito, nesta sexta-feira, deixou pelo menos 26 mortos e 25 feridos, informou o Ministério do Interior. O grupo viajava em dois ônibus e uma caminhonete em direção ao mosteiro de São Samuel, na província de Minya, 220 km ao sul do Cairo.

Sete dos feridos estão em estado grave, segundo uma fonte de segurança, e o número de vítimas fatais pode aumentar. Eles foram levados a três hospitais nos povoados de Magaga, Al Adua e Bani Mazar.

A região onde o tiroteio aconteceu abriga das maiores concentrações da minoria cristã no país, que representa 10 por cento da população de 92 milhões, além de ter cerca de 1 milhão de fiéis no resto do mundo. Os cristãos coptas foram alvo de uma série de ataques letais em meses recentes por todo o Egito e os moradores de Mynia se preocupam com o aumento da violência por parte de grupos extremistas, que queimam igrejas e locais sagrados e atacam os seguidores da religião.

As perseguições contra o grupo cresceram em 2013, quando os militares tomaram o poder do país e derrubaram o presidente Mohamed Morsi, da Irmandade Muçulmana. Determinados grupos da maioria muçulmana, como os terroristas do Estado Islâmico (EI), culpam os coptas de apoiar o golpe militar e intensificaram ataques contra eles. Aproximadamente 70 pessoas foram mortas em ataques com bombas em igrejas coptas nas cidades de Cairo, Alexandria e Tanta desde dezembro.

Todos os atentados recentes contra cristãos no Egito foram reivindicados pelo EI, mas ainda não houve declaração de responsabilidade pelo ataque desta sexta-feira.

(Com Reuters e EFE)

http://veja.abril.com.br/mundo/ataque-a-onibus-de-cristaos-coptas-no-egito-deixa-26-mortos/

Indonésia: Mais detalhes sobre a prisão de Ahok

O governador de Jacarta que é cristão, foi acusado pela comunidade muçulmana de blasfemar contra o islã

18-indonesia-multidao-unida-em-solidariedade-a-ahok
Simpatizantes se reunem em solidariedade a Ahok

Basuki Tjahaja Purnama, mais conhecido como “Ahok”, recebeu a sentença de dois anos de prisão por supostamente blasfemar contra o islã. O processo judicial teve apoio político, o que ilustra a crescente intolerância religiosa na Indonésia. Mas os grupos islâmicos não estão satisfeitos e disseram que vão lutar por uma sentença ainda mais severa. O juiz principal, Dwiarso Budi Santiarto, declarou a culpa de Ahok, dizendo: “Numa sociedade religiosa, o réu deve ter cuidado para não usar palavras com conotações negativas a respeito dos símbolos das religiões”. Outro juiz, Abdul Rosyad, acrescentou que “o réu não se sentia culpado e seu ato causou ansiedade e sofrimento aos muçulmanos”.

Como resultado, especialistas, ativistas de direitos humanos e partidários de Ahok, questionam a independência dos juízes. Ahok foi levado para uma prisão policial na periferia de Jacarta, porque muitos cidadãos permaneceram na frente do tribunal, gritando e exigindo sua libertação. A irmã do governador, Indra, disse que o único livro que ele levou consigo foi a Bíblia. “Ele adora ler a palavra, e sei que poderá orar sempre que quiser”, disse. Manifestações de solidariedade surgiram em todo o país, reunindo milhares de simpatizantes de várias origens religiosas que lamentavam “a morte da justiça”.

“O fenômeno só prova que Ahok, que é conhecido por exercer uma boa governança durante o seu mandato, não só pertence a Jacarta ou à comunidade cristã, mas a toda a Indonésia, independente de etnia ou religião”, observou um dos colaboradores da Portas Abertas. A solicitação para libertá-lo se espalhou pelas igrejas e instituições cristãs indonésias. Uma declaração que saiu no dia 10 de maio, dizia o seguinte: “O veredito dos juízes do Tribunal mostra preconceito em relação à aplicação da lei contra Ahok, que não teve a intenção de cometer blasfêmia contra o islã. Portanto, pedimos para que ele seja liberado e exonerado de todas as acusações e decisões judiciais”. Ore por Ahok e pelos demais cristãos perseguidos na Indonésia.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/05/mais-detalhes-sobre-a-prisao-de-ahok

Copenhague: Imam acusado de pedir assassinato de judeus

“Copenhague imam acusado de chamar para a morte de judeus”, BBC News , 11 de maio de 2017:

Um vídeo de um imã que parece pedir o assassinato de judeus em um sermão durante as orações de sexta-feira em uma mesquita de Copenhague causou indignação na Dinamarca.

Mundhir Abdallah foi denunciado à polícia depois de ser filmado citando em árabe um hadith – um ensinamento do Profeta Muhammad – considerado antissemita.

O hadith diz que o Dia do Juízo “não virá a menos que os muçulmanos lutem contra os judeus e os matem”.

Um líder da comunidade judaica disse que suas palavras eram uma ameaça “mal disfarçada”.

Vídeos do sermão foram postados no YouTube e Facebook pela Mesquita Al-Faruq no domingo, embora Abdallah teria dito, em 31 de março.

Uma parte do discurso de 30 minutos foi posteriormente traduzido pelo Instituto de Pesquisa de Mídia do Oriente Médio (Memri), com sede em Washington.

No vídeo, Abdallah é visto de pé na frente de uma bandeira negra com o Shahadah escrito sobre ele, semelhante àqueles usados ​​por grupos jihadistas como a Al-Qaeda.

Ele declara que em breve haverá um “califado” – um estado governado de acordo com a lei islâmica, ou Sharia – que vai ter jihad para unir a comunidade muçulmana e libertar a mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém “da sujeira dos sionistas”.

Então, ele diz “as palavras do Profeta Muhammad serão cumpridas” e cita o hadith.

O líder da comunidade judaica Dan Rosenberg disse ao jornal Politiken: “Estamos preocupados que pessoas fracas e impressionáveis ​​possam perceber esse tipo de pregação como um claro apelo à violência e ao terror contra os judeus”.

O ministro da Imigração e Integração, Inger Stojberg, também expressou indignação.

“Isso é completamente absurdo, antidemocrático e terrível”, escreveu o político de centro-direita Venstre no Facebook ….

https://www.jihadwatch.org/2017/05/copenhagen-imam-accused-of-calling-for-murder-of-jews

Deputado João Campos convida presidente da ONG EVM para prestar consultoria sobre temas de direitos humanos

Brasília- A presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, Dra. Andréa Fernandes, esteve na quarta-feira (10/05), em reunião com o Deputado Federal João Campos (PRB), que ao tomar conhecimento das pautas defendidas pela instituição, convidou sua representante para prestar consultoria sobre as temáticas perseguição religiosa e violações dos direitos humanos no mundo muçulmano e temas correlatos.

Andréa Fernandes teve acesso ao deputado por intermédio do assessor da Bancada Evangélica Josué Alves. A advogada prestou informações sobre o Projeto de Lei de Migração e entregou ao deputado parecer elaborado por ela e a jurista Cristina Bassôa, o qual foi utilizado pelo parlamentar para articulação específica.

O deputado se disponibilizou a ser um porta-voz no Parlamento para denunciar as violações de direitos humanos e perseguição religiosa que minorias religiosas, étnicas e de gênero sofrem no mundo muçulmano. João Campos gravou vídeo onde publicizou seu apoio aos pleitos da ONG EVM e se disponibilizou a levar a temática da perseguição aos cristãos em países muçulmanos para apreciação do presidente Michel Temer a fim de que o Brasil se posicione na ONU denunciando as atrocidades sofridas pela minoria religiosa mais perseguida no mundo.

Senador Magno Malta recebe Presidente da ONG EVM para deliberar pauta em defesa dos cristãos perseguidos no mundo muçulmano

Brasília- A presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, Dra. Andréa Fernandes, esteve nessa terça-feira (09/05), em reunião com o Senador Magno Malta (ES), articulando pautas importantes sobre as temáticas perseguição religiosa e violações dos direitos humanos no mundo muçulmano, bem como outros temas importantes.

Andréa Fernandes teve acesso ao senador por intermédio da assessora do deputado federal Gilberto Nascimento, Dra. Teresinha Neves, que juntamente com a assessora do parlamentar, Dra. Damares Alves, participou da reunião. No encontro o parlamentar manifestou imediato interesse pelas pautas apresentadas pela ONG EVM e solicitou o comparecimento de Andréa ao Senado na terça-feira para acompanhar alguns procedimentos que serão perpetrados pela Dra. Damares para implementar os planos apresentados pelo parlamentar.

ONG EVM se reúne com Assessor da Bancada Evangélica para articular pautas de direitos humanos

Brasília- A presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, Dra. Andréa Fernandes, esteve nessa segunda-feira (08/05), em reunião com o assessor da Bancada Evangélica, Josué Alves, articulando pautas importantes sobre as temáticas perseguição religiosa e violações dos direitos humanos no mundo muçulmano, bem como outros temas importantes.

Josué Alves se mostrou muito prestativo ao tomar conhecimento do campo de atuação da ONG EVM e recebeu o parecer preliminar sobre o projeto de Lei de Migração elaborado por Andréa Fernandes e a jurista Cristina Bassôa de Moraes, através do qual são refutados os principais argumentos engendrados a favor da lei, abordando, ainda, as soluções viáveis para que a mesma seja rechaçada.

Andréa Fernandes e Cristina Bassôa têm se mobilizado no Parlamento no sentido de explicitar parecer técnico apontando as aberrações presentes no bojo do projeto de Lei de Migração, considerada inconstitucional pela jurista Cristina, especialista em Direito Público.

Na oportunidade, Andréa Fernandes recebeu o apoio voluntário de Bruno Dias, que dada  a capacitação em área de pesquisa acadêmica que abrange as atividades da ONG, passará a integrar o grupo de  colunistas que escrevem para o Blog Ecoando a Voz dos Mártires.

Egito: Jihadistas do Estado Islâmico assassinam cristão em barbearia

“O assassinato no fim de semana na cidade costeira de Al-Arish aconteceu um dia depois que a filial local do ISIS avisou que aumentaria os ataques contra os cristãos”.

Esse homem estava apenas fazendo seus negócios. Depois vieram os muçulmanos do Estado Islâmico. “E preparai contra eles o que quer que possais de poder e de corcéis de guerra, com os quais possais aterrorizar o inimigo de Deus e do teu inimigo, e outros além dos que não conheces, a quem Deus conhece” (Alcorão 8 : 60)

“Militantes da ISIS matam cristão no norte do Sinai”, Associated Press , 7 de maio de 2017:

Autoridades de segurança disseram que um cristão foi morto a tiros por militantes suspeitos enquanto estava dentro de uma barbearia no turbulento Sinai, no norte do Egito.

O assassinato no sábado, na cidade costeira de Al-Arish, ocorreu um dia depois que a afiliada local do ISIS alertou que aumentaria os ataques contra os cristãos.

Ayoub é pelo menos o sétimo cristão no norte do Sinai a ser morto por suspeitos militantes ISIS nos últimos meses. Os assassinatos forçaram centenas de cristãos a fugir da região. Pelo menos 75 outros foram mortos em ataques do ISIS contra igrejas desde dezembro ….

https://www.jihadwatch.org/2017/05/egypt-islamic-state-jihadis-murder-christian-in-barber-shop