Arquivo da categoria: Oriente Médio/Ásia

Paquistanês muçulmano incendeia cristã por recusar conversão ao Islã e casamento

Rizwan Gujjar, morador de Sialkot, incendiou Asma usando gasolina depois que ela se recusou a renunciar à sua fé e se casar com ele

Uma jovem cristã foi incendiada por um homem muçulmano em Sialkot por “recusar-se a renunciar à sua fé e se casar com ele“, segundo o jornal Pakistan Today .

De acordo com o pai da menina, Yaqoob Masih, sua filha Asma, de 25 anos, trabalhava como empregada doméstica na casa de Saeeduz Zaman, na área de Mohalla Pakpura, em Sialkot.

“Em 17 de abril, meu filho Maqsood e eu fomos à casa de Zaman para encontrar Asma e perguntar sobre a saúde da mãe de Zaman. Nós estávamos sentados em uma sala quando houve uma batida no portão da frente. Asma saiu para ver quem tinha vindo quando depois de algum tempo a ouvimos gritar de dor. Zaman, Maqsood e eu corremos para fora para ver o que tinha acontecido e vimos o acusado Rizwan Gujjar fugir da cena enquanto Asma estava envolvida em chamas ”, afirmou Masih no FIR [First Information Report] registrado pela Civil Lines Police de Sialkot.

Masih disse que levaram Asma para o Hospital Civil de Sialkot, onde ela disse a eles que Gujjar a forçara por algum tempo a se casar com ele, mas ela recusou a proposta porque não queria se converter ao islamismo.

Em entrevista ao jornal Pakistan Today , Masih disse que se aposentou   há alguns anos, e que seus dez filhos agora estavam fornecendo subsistência para a família.

O sub-inspetor Muhammad Riaz, da polícia Civil, disse que eles prenderam Gujjar e ele confessou seu crime. “Nós preparamos o formulário e o enviamos para a cadeia“, acrescentou.

Enquanto isso, Asma está sendo tratada na unidade de queimaduras do Hospital Mayo em Lahore, onde sua condição é considerada crítica.

Asma sofreu 80% de queimaduras em seu rosto e corpo“, disse Masih, exigindo punição exemplar para o acusado.

Com informações de Pakistan Today

Anúncios

Paquistão: Tribunal libera 20 muçulmanos suspeitos de queimar casal cristão vivo em forno industrial por “blasfêmia

“Tribunal paquistanês libera 20 pessoas suspeitas de queimar cristãos vivos em fornos industriais por ‘blasfêmia'”, Associated Press , 24 de março de 2018:

LAHORE, Paquistão (AP) – Um tribunal paquistanês absolveu vinte pessoas suspeitas de envolvimento no linchamento e morte de um casal cristão que foi lançado vivo em forno industrial acusado de blasfêmia em 2014.

Shahzad Masih, 26 anos, e Shama Shahzad, 24, trabalhadores de fábricas de tijolos e pais de três filhos, foram queimados vivos em um forno industrial por uma multidão incitada por acusações de que o casal profanou o alcorão na cidade de Kot Radha Kishan.

A polícia prendeu dezenas de aldeões e um tribunal em novembro de 2016 condenou cinco homens à morte, enquanto outros dez receberam penas de prisão diferentes. Mais de cem pessoas foram acusadas de atacar e assassinar o casal cristão em novembro de 2014.

Sajid Mesih e a sua mulher, que estava grávida, foram atacados por uma multidão sob acusação de terem profanado o alcorão. O casal, que vivia da fabricação de tijolos num forno tradicional, foi colocado dentro do referido forno e queimado vivo.

Posteriormente, foi divulgada a informação de que o crime teria sido instigado pelo empregador do casal, que os acusava de dívida. Daí, espalhou o boato de que tinha encontrado páginas queimadas do livro sagrado do Islã no seu lixo.

Quando a informação se espalhou, os clérigos muçulmanos locais passaram a pedir vingança, o que levou a multidão a ir até o local.

O promotor Abdur Rauf disse que o tribunal no sábado absolveu vinte suspeitos acusados ​​no caso em um estágio posterior.

Com informações Jihad WatchCPAD News

A “inspiração palestina” para criação de um novo Estado Totalitário Islâmico

Por Andréa Fernandes

Nos últimos meses, a mídia global tem proporcionado grande visibilidade à expulsão dos rohingyas em Mianmar (Birmânia). Amparados em dados fornecidos pela ONU, ativistas de direitos humanos e jornalistas noticiam semanalmente as ações do governo rotulando-as erroneamente como “genocídio” e até mesmo o Papa foi instado a se pronunciar contra as violações cometidas única exclusivamente contra o referido grupo étnico, apesar de os cristãos estarem sofrendo terrível perseguição que não atrai a atenção da imprensa.

Venho acompanhando o desenrolar da crise e não me surpreendeu um acontecimento não anunciado no Ocidente: numa reunião com o presidente do parlamento em Bangladesh na terça-feira, uma delegação do Oriente Médio – composta por representantes de diversas entidades nas áreas humanitária e política – emitiu o comunicado de que a comunidade internacional deve agir rapidamente sobre a crise com os royingyas ou o mundo criará outra Palestina.

Ora, por que entidades islâmicas estão fazendo conexão dos rohingyas com os palestinos? Há alguma semelhança entre ambas as crises?

Por saber que o Google está contaminado com “desinformação”, penso serem necessárias algumas informações para o leitor perceber que a “crise” que tanto preocupa a ONU representa mais uma faceta do projeto de islamização de territórios não-muçulmanos.

Para tanto, vamos sanar inicialmente a primeira dúvida que aparece ao debatermos essa questão: quem são os rohingyas? A “resposta” vai depender muito da fonte a ser consultada. Se a pesquisa for efetuada num site árabe como Al Jazeera, você lerá que “são a minoria mais perseguida do mundo“, isto porque, países muçulmanos e a imprensa simplesmente ocultam a realidade de que são os cristãos a minoria mais perseguida, sendo “alvos prediletos” em países muçulmanos.

Apologistas árabes muçulmanos costumam definir os rohingyas como grupo étnico formado principalmente por muçulmanos que viveram durante séculos em meio aos budistas de Mianmar. Por outro lado, diversos estudiosos afirmam que a palavra “rohingya” não é encontrada em nenhuma fonte histórica, exceto num único texto do final do século 18. Além disso, reconhecem que o termo passou a ter popularidade entre os muçulmanos do estado de Rakhine (situado em território birmanês) nos anos 50 e 60, oportunidade em que se deu uma “rebelião mujahid” – rebelião daqueles que lutam pela jihad – contra o governo budista birmanês exigindo um Estado separado para os muçulmanos de Arakan. Segundo Jaques P. Leider, especialista em História do sudeste asiático, “até a década de 1990, ‘rohingya‘  foi utilizado na maioria dos meios de comunicação não como uma denominação étnica ou religiosa, mas como uma denominação de insurgentes que resistiram ao governo de Mianmar e tentaram criar um Estado muçulmano independente perto de Bangladesh.

Dessa maneira, já dá para ver que estamos diante de mais um “povo inventado” com o escopo de dar continuidade ao expansionismo imperialista islâmico, senão vejamos: a rede Al Jazeera reconhece “evidências” que não são divulgadas pela grande mídia e vale transcrever para breve apreciação:

Durante os mais de 100 anos de governo britânico (1824-1948), houve uma quantidade significativa de migração de trabalhadores da Índia atual e do Bangladesh para o que hoje é conhecido como Myanmar. Como os britânicos administraram Myanmar como uma província da Índia, essa migração foi considerada interna, de acordo com a Human Rights Watch (HRW). A migração de trabalhadores foi vista negativamente pela maioria da população nativa.

Ora, podemos constatar dois fatos importantes para desvendar as falácias da “propaganda muçulmana”: Al jazeera, que não aceita a decisão dos britânicos em relação a partição de território para formação do Estado de Israel e da “Palestina”, aceitou de “bom grado” como legítima a migração de muçulmanos oriundos da Índia e Bangladesh para território de maioria budista (Mianmar) promovida pelos mesmos “colonialistas britânicos”. E nesse caso, pouco importa o “parecer” de uma instituição humanitária como a HRW, que não tem autoridade alguma para definir assuntos pertinentes à soberania dos países. Outrossim, uma vez não tendo o canal árabe explicado o motivo da indignação da “população nativa” (budista), urge esclarecimentos indispensáveis.

Na verdade, o que está acontecendo em Mianmar é um conflito religioso entre muçulmanos e budistas em virtude do estabelecimento da jihad apregoada por lideranças muçulmanas para criar mais um Estado teocrático islâmico a fim de  submeter os “infiéis budistas” ao Islã.  Estudiosos atestam que ao conquistarem Arakan em incursões contra Mianmar nos idos de 1824-1826, os britânicos passaram a incentivar a imigração de indianos e bengalis muçulmanos para a região de forma que no início do século 20, a população muçulmana imigrante passou a ser O DOBRO do tamanho da população local. Com isso, a comunidade muçulmana (rohingya) passou a expandir suas redes religiosas, bem como assumir costumes diferentes dos seus vizinhos budistas os quais tiveram suas aldeias deslocadas devido crescimento da população muçulmana.

Apesar de não haver nenhuma “promessa formal”, alguns muçulmanos  acreditavam que os britânicos lhes presenteariam com um território autônomo” após a 2ª Guerra Mundial, pelo que uma parcela deles esperava a separação de Mianmar para unir o território à Índia ou Paquistão. Todavia, em 1946, líderes políticos muçulmanos divulgaram suas intenções de se apropriar do território originalmente birmanês (budista) para formar um Estado independente. Logo, após a independência birmanesa em 1948, iniciou-se uma rebelião dos muçulmanos contra o governo que culminou naquilo que inapropriadamente os ocidentais qualificam de “combates de guerrilha”, mas que na linguagem muçulmana é a jihad, a qual expulsou os budistas das aldeias de Arakan, parte do território que desejam estabelecer um Estado na base da usurpação de terras budistas sob a conivência da comunidade internacional. Sendo assim, o surgimento do nacionalismo budista se deve em grande medida à oposição em relação à imigração em massa de muçulmanos. Porém, com o golpe militar em 1962, encerrou-se a participação política formal dos muçulmanos e demais minorias no país aprofundando-se medidas restritivas contra a mesmas.

Em 1982, o governo aprovou a Lei de Cidadania da Birmânia, que concedeu cidadania a muitos grupos minoritários étnicos, mas não outorgou o mesmo direito aos rohingyas. Assim, explosões de violência vêm sendo promovidas pelos muçulmanos os quais são auxiliados por outras facções terroristas islâmicas na Indonésia e Paquistão. Cabe, ainda, enfatizar que a insurgência violenta dos rohingyias é tema de segurança nacional na Índia, conforme atestam relatórios da inteligência que mostram conexão entre grupos rohingyas e organizações jihadistas (terroristas).

Desse modo, considerando o fato de que há uma “experiência genocida” vivida pelos hindus que continuam sendo erradicados por muçulmanos do território vizinho de Bangladesh – transformado à força num sanguinário Estado totalitário islâmico – é perfeitamente compreensível a pauta budista defendendo a tese de que os rohingyas são uma “identidade religiosa inventada”, afirmando através de documentos históricos a inexistência de uma comunidade assim nominada, pois tais muçulmanos são originalmente “imigrantes” conduzidos por britânicos do moderno Estado muçulmano de Bangladesh para um Estado de maioria budista sem consulta à população local.

Se a Europa rechaça a “imigração ilegal”, deveria também considerar como “legítima” a pretensão do país de maioria budista de não reconhecer um “povo inventado” que almeja criar um Estado islâmico em usurpação à soberania de um país. Aliás, vale lembrar que o governo de Mianmar está disposto a conceder cidadania à minoria muçulmana se concordar em utilizar sua verdadeira identidade, a saber, bengali, o que vem sendo rejeitado por suas lideranças que sonham com a implantação de mais um “califado” na Ásia.

Contudo, embora eu reconheça a total ilegitimidade do pleito dos rohingyas, não posso concordar com ações violentas e ilegais do governo de Mianmar, que também são usuais contra a pacífica minoria cristã que não pleiteia autodeterminação. Matança arbitrária, estupros sistemáticos, incêndio de casas e expulsão de moradores costumam ser estratégias de lideranças muçulmanas contra minorias e não cabe a uma defensora dos direitos humanos “justificar” tais ações que atingem principalmente à população mais vulnerável como mulheres e crianças. Ações enérgicas devem ser voltadas sempre contra os jihadistas e não contra a população vulnerável.

Infelizmente, falta ao governo budista de Mianmar a “ética judaica” no trato para com aqueles que almejam usurpar seu território. Dessa vez, o “esforço jihadista” dos muçulmanos está sendo combatido com as “mesmas armas” pelos “discípulos de Buda” que resolveram dar uma trégua aos seus ensinamentos religiosos para seguir os “preceitos de paz” ensinados pela ortodoxia islâmica!

Andréa Fernandes é advogada, internacionalista, jornalista, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires e líder do Movimento Nacional pelo Reconhecimento do Genocídio de Cristãos e Minorias no Oriente Médio.

Imagem:http://www.rfa.org/english/news/myanmar/myanmar-government-orders-state-media-not-to-use-rohingya-06212016155743.html

 

 

1948: ONU classifica genocídio como crime

Em 9 de dezembro de 1948, em Paris, a ONU tornou o genocídio passível de punição, ao aprovar a Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio.

O genocídio não é uma criação do século 20, mas foi nessa época que a eliminação de grupos étnicos ou religiosos ganhou proporções até então desconhecidas.

Em 1904 morreram 60 mil hereros no Sudoeste Africano Alemão, a atual Namíbia, por eles terem se levantado contra os senhores coloniais. Em 1915, cerca de 1,5 milhão de armênios cristãos foram assassinados pelos turcos. Nos gulags stalinistas e por causa de deportações, milhões de pessoas encontraram a morte na Rússia devido a suas opiniões políticas ou por pertencerem a minorias étnicas, como os alemães do Volga ou os tártaros da Crimeia.

Sem precedentes históricos, porém, foi a execução de 6 milhões de judeus pelo regime nazista na Alemanha, entre 1933 e 1945.

Para evitar que tragédias como essas se repetissem, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas ditou no preâmbulo de sua Carta, em 1945: “Nós, os povos das Nações Unidas, resolvidos a preservar as gerações vindouras do flagelo da guerra, que, por duas vezes no espaço da nossa vida, trouxe sofrimentos indizíveis à humanidade (…)”.

Falha ficou evidente no julgamento de Nurembergue

Mas foram necessários mais três anos para que o genocídio passasse a ser punido pelo direito internacional. Em 9 de dezembro de 1948, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou por unanimidade a Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio. Ela obriga os países da comunidade de nações a punir o genocídio. Um mês depois, 100 dos 188 membros haviam ratificado a convenção. Hoje o número chega a 140.

Já a intenção de eliminar grupos étnicos, religiosos, nacionais ou raciais deve ser punida. Também condições desumanas de vida, graves violações físicas ou psicológicas, o impedimento de nascimento de crianças ou seu sequestro se enquadram no conceito de genocídio, enquanto a perseguição a oposicionistas políticos foi deixada de fora por exigência da União Soviética.

Até aí não havia possibilidade no direito internacional de punir assassinatos em massa ordenados pelo Estado. Uma falha que havia se evidenciado no Tribunal de Nurembergue, quando dez dos 22 nazistas acusados de graves crimes de guerra foram libertados ou receberam penas leves.

Convenção pune, mas não previne

A convenção contra o genocídio deve muito aos esforços do advogado judeu polonês Raphael Lemkin, que criou o termo genocídio após analisar casos como o Holocausto.

A convenção da ONU não impediu, porém, novos massacres étnicos, como no caso dos muçulmanos bósnios mortos pela Sérvia nos anos 1990 ou a morte de mais de 800 mil pessoas em Ruanda, no conflito entre hutus e tutsis. Sem falar nos crimes cometidos durante as guerras da Coreia, do Camboja, no Oriente Médio, na Chechênia ou no Timor Leste.

Será a Convenção das Nações Unidas apenas um instrumento que ficou no papel? O perito em questões de direito internacional Andreas Paulus, da Universidade Ludwig-Maximilian, de Munique, acha que não. Ele lembra que uma legislação pune crimes, mas não impede que eles aconteçam.

http://www.dw.com/pt-br/1948-onu-classifica-genoc%C3%ADdio-como-crime/a-686297

Jovem cristão é espancado em mesquita após pedir água

Um jovem cristão foi espancado no Paquistão com varas e sapatos depois de entrar em uma mesquita e beber de uma fonte de água..

Um vídeo alegadamente mostrando um menino cristão sendo espancado por uma multidão com raiva depois que ele bebeu de uma fonte de água em uma mesquita foi divulgado no Paquistão, de acordo com o The Express Tribune. O vídeo supostamente mostrou o menino gritando de dor por ter sido espancado com varas e sapatos por fiéis que não admitiram que um cristão bebesse da água em “sua” mesquita.

Os cristãos no Paquistão enfrentam séria discriminação. Atualmente, a cristã Asia Bibi está no corredor da morte aguardando a conclusão final de seu caso amplamente divulgado de blasfêmia. Ela foi acusada de blasfêmia depois de beber água de um poço e ser acusada de contaminá-lo por uma muçulmana.

O governador do Punjab, Salman Taseer, foi assassinado em 2011 por um de seus próprios guarda-costas depois que falou sobre a lei da blasfêmia no Paquistão. Seu assassino, Mumtaz Qadri, foi enforcado por assassinato pelo estado paquistanês. Milhares de seus partidários saíram às ruas e protestaram.

https://www.clarionproject.org/news/christian-boy-beaten-mosque-after-asking-water

Senador Magno Malta oficiará o Ministério das Relações Exteriores para responder postulações da ONG EVM

Brasília – Na terça-feira (29.11), foi protocolado no gabinete do Senador Magno Malta o requerimento solicitado pela assessora Damaris Alves para fundamentar o ofício que será encaminhado ao Ministério das Relações Exteriores requisitando posicionamento acerca dos pleitos da ONG Ecoando a Voz dos Mártires junto à entidade.

Em reunião no dia anterior intermediada pela Dra. Teresinha Neves, assessora do deputado federal Gilberto Nascimento, Damaris tomou conhecimento da atuação da ONG EVM na defesa dos direitos humanos no mundo muçulmano e Coreia do Norte. Ao saber da participação da instituição nas reuniões com o Ministério das Relações Exteriores acerca da agenda de política externa brasileira na área de direitos humanos, Damaris manifestou interesse de enviar ao senador as deliberações do órgão, uma vez que, não houve atendimento das postulações efetivadas pelas internacionalistas Andréa Fernandes e Marcelle Torres.

Damaris frisou a importância que tem para o senador Magno Malta questões de direitos humanos e a perseguição religiosa contra cristãos no mundo muçulmano, oportunidade em que, convidou a presidente da instituição para exercer consultoria voluntária nessas áreas, solicitando, ainda, os esclarecimentos necessários para alicerçar o ofício a ser encaminhado ao MRE.

Na terça-feira, a integrante da diretoria da ONG, Diane Torres, foi recebida por Damaris no gabinete de Magno Malta para protocolar o documento enquanto a presidente da ONG estava em reunião com o deputado federal Ezequiel Teixeira.

Jovem cristã paquistanesa é sequestrada e estuprada por muçulmanos que invadiram sua casa para tentar forçar a conversão da família ao islã

Shoebat – Por algum tempo, os muçulmanos locais estavam exigindo que a família se convertesse ao Islã, porque eles eram os únicos não-muçulmanos na vizinhança. A família continuou a dizer não, então numa noite um grupo de seis homens muçulmanos e uma mulher invadiram sua casa, bateram nos cristãos com barras de metal, e então levaram sua filha adolescente e cruelmente estupraram repetidamente a jovem, provocando-lhe dizendo que eles iriam parar de estuprá-la se negasse a Cristo:

A família cristã paquistanesa foi amarrada e espancada por um grupo de muçulmanos que invadiram sua casa no mês passado tentando forçar a família a se converter ao Islã. Mas quando a família se recusou a renunciar à sua fé, a sua filha mais jovem foi sequestrada, estuprada e ainda teve que voltar para casa.

A instituição de caridade com sede em Londres Christian Association veio em auxílio da família Masih, uma família de 10 cristãos aprisionados nas garras de trabalho forçado (escravidão moderna) perto da cidade de Kasur no Leste do Paquistão.

De acordo com a BPCA, a família vivia em uma pequena casa feita de barro e tinha sido constantemente pressionada por muçulmanos locais a se converter ao Islã por ser a única família na vizinhança que não tinha abraçado o Islã.

Na noite de 15 de setembro, um grupo de seis homens muçulmanos e uma mulher muçulmana invadiram a casa da família com pistolas, paus e barras de metal e bateram severamente nos membros da família cristã.

O grupo de intrusos esperava que a dor da família e sofrimento iria levá-los a reconsiderar suas recusas anteriores de conversão ao Islã. Apesar da dor, a família novamente se recusou a negar a Cristo e se converter ao islamismo.

Depois que a família recusou a  se converter, os muçulmanos ficaram enfurecidos e amarraram e vendaram os olhos de todos.

Como a família é constituída por seis filhas e dois filhos, os muçulmanos arrastaram a filha de 17 anos, Jameela, e o filho de 20 anos de idade, Arif, e jogaram os jovens na parte traseira de uma van estacionada do lado de fora da casa.

Arif, que acabou escapando posteriormente da casa por uma porta aberta enquanto ninguém estava olhando, disse a BPCA que ele e Jameela foram levados para um prédio em um local desconhecido que mais tarde descobriu ser uma mansão.

Arif explicou que quando eles chegaram na mansão, ambos foram torturados separadamente. Apesar da tortura, Arif novamente se recusou a se converter ao Islã. Enquanto ele podia ouvir os gritos de sua irmã, um dos captores disse a ele que outros homens muçulmanos foram se revezando para estuprar sua irmã e que tudo que ele tinha que fazer para salvá-la era abraçar o Islã. No entanto, ele novamente se recusou a renunciar a Cristo.

Quando o sol nasceu na manhã seguinte, Arif aproveitou uma oportunidade para escapar, quando percebeu que a porta foi deixada aberta sem ninguém por perto para monitorá-lo.

Demorou horas para Arif voltar para casa, porque teve que retornar à pé.

Maiores informações: http://shoebat.com/2016/10/05/muslim-gang-demands-christian-family-convert-to-islam-family-says-no-muslims-beat-them-with-metal-bars-kidnap-their-teenage-daughter-and-take-turns-raping-her/

Paquistão: muçulmano mata a irmã por se casar com cristão

Shoebat – Uma mulher muçulmana no Paquistão se casou com um homem cristão. Alguns muçulmanos  disseram ao seu irmão que “seria melhor matar a irmã. É melhor do que deixá-la ter essa relação “. Ele, então, pegou uma pistola e atirou na cabeça da irmã. E ainda disse: “Eu não podia deixá-la ir. Era tudo que eu conseguia pensar. Eu tive que matá-la “.

Durante dois meses, os colegas de trabalho zombavam de Mubeen Rajhu por causa de sua irmã.

Algumas pessoas tinham visto Tasleem numa comunidade em Lahore com um homem cristão. Ela tinha 18 anos, uma boa menina muçulmana, em público com um homem. Mesmo que o homem se convertesse ao Islã por amor a ela, isso não poderia ser permitido.

“Alguns caras tem que saber que sua irmã estava tendo um relacionamento”, diz Ali Raza, um colega de trabalho na fábrica. “Eles diziam: ‘Você não pode fazer nada? Qual é o seu problema? Você não é um homem. “

Rajhu lhes disse que tinha comprado uma pistola, e um dia em agosto, ele parou de vir para o trabalho. Rajhu descobriu que sua irmã tinha desafiado a família e se casou com o cristão. Durante seis dias, ele andava. Sua raiva cresceu. Como poderia?

Ele olhou para ela rindo ao telefone, ignorando os apelos de sua mãe para deixar o homem.

No sétimo dia, ele pegou a pistola de onde ele havia escondido e se aproximou de sua irmã e com uma bala na cabeça, ele a matou.

___

Por gerações no Paquistão, eles chamam de “honra” o assassinato, realizado em nome da reputação de uma família.

Os assassinos rotineiramente invocam o Islã, mas raramente eles podem citar qualquer coisa que não seja a sua crença de que o Islã não permite a mistura dos sexos. Mesmo o linha-dura Conselho de Ideologia Islâmica do Paquistão – que é pouco conhecido por falar de proteger as mulheres – diz que a prática desafia princípios islâmicos.

Não importa: em favelas e distantes aldeias, longe dos centros das cidades cosmopolitas, as pessoas vivem em um mundo onde a religião está intimamente ligada à cultura e tradição, onde conselhos tribais podem encomendar punições publicamente às mulheres, e uma família pode decidir matar um dos seus próprios, mesmo para vingar um delito cometido por outra pessoa.

Na grande maioria dos casos, o assassino de “honra” é um homem e a vítima é uma mulher.

Ela é uma irmã que se apaixona por um homem que não é da escolha de sua família. Ela é uma filha que se recusa a aceitar um casamento arranjado, às vezes com um homem com idade para ser seu pai. Ela é uma mulher que não quer ficar em um casamento abusivo e se divorcia de seu marido.

Ele é um irmão, como Rajhu, que não pode suportar as provocações de outros homens, acreditando que as mulheres são subservientes e devem ser mantidas nas sombras, e o seu valor muitas vezes é medido pelo número de filhos que elas podem gerar. Ele é um vizinho, como Raza na fábrica, que pensa que seu amigo não fez nada de errado ao tirar a vida de sua irmã. Ele é um pai, como Tasleemo, que está com raiva do assassinato não porque ela está morta, mas porque sua morte vai revelar sua “vergonha” para outros membros da família e demais conhecidos.

O Paquistão tem visto um aumento no número de mulheres e meninas mortas em nome da honra: no ano passado, 1.184 pessoas morreram, apenas 88 deles homens. No ano anterior, o valor era de 1005, e em 2013, foi de 869, de acordo com a Comissão Independente de Direitos Humanos do Paquistão. Acredita-se que os números verdadeiros dever ser ultrapassar os informados, pois muitos casos não são notificados.

Os assassinatos têm alimentado uma crescente indignação pública na prática e um coro de vozes dizendo que não há honra em matar – unicamente desonra. Eles estão trabalhando para fechar a brecha legal que permite que os assassinos fiquem em liberdade.

A proliferação de canais de televisão e jornais trouxe os horrores de meninas estranguladas, queimadas vivas ou com um tiro na cabeça para fora do sigilo da casa e para o público.

Mas para muitos que têm vindo a lutar contra este tipo de morte, é a mentalidade do rapaz que poderia matar sua irmã, ou o pai que poderia matar uma filha, que tem de ser entendida e mudar.

Rajhu diz que amava sua irmã, uma jovem quieta que nunca antes tinha se rebelado contra sua família. Certa vez, ele lhe deu uma chance, exigindo que ela jurasse no livro sagrado do Islã, o Alcorão, que nunca iria se casar com o homem. Assustada, ela jurou que não iria.

“Eu lhe disse que não teria cara para mostrar na fábrica, para mostrar aos meus vizinhos, por isso não deveria me desobedecer. Mas ela não quis me ouvir “, diz ele.

___

O pai da jovem assassinada, Mohammed Naseer Rajhu, estava relutante em admitir visitantes em sua casa pobre. Os quartos são tão pequenos, mal há espaço para um banco de madeira deteriorada e a cama tradicional, onde ele se senta. Na cozinha, o sangue de Tasleem ainda mancha a parede áspera.

Ele está convencido de que a imagem da filha morta não pode ser veiculada em vídeo ou em uma fotografia de acordo com a sua interpretação do Islã, que alguns dizem proibir imagens humanas. Ele diz que é a razão da família não ter fotos de Tasleem, a quem os vizinhos chamavam atenção pela beleza. A única imagem de Tasleem, com o cabelo preto grosso caindo descuidadamente sobre o rosto, foi levada pela polícia depois de sua morte.

“Nunca você pode mostrar o meu rosto. Meu filho matou a minha filha para salvar seu rosto, para não ter ninguém vendo o rosto de sua irmã, e agora você está me pedindo para fazer a mesma coisa “, diz ele.

Ele concorda, por breves minutos falar com a cabeça virada para longe da câmera até mesmo isso é demais. Sua indignação cresce – tudo isso dirigida a sua filha.

Ele está com raiva do seu filho matar a irmã por apenas dois motivos: o jovem está na cadeia e não vai mais a ganhar cerca de US$ 200 por mês, e sua família, espalhada por todo o Paquistão, vai saber mais rápido as indiscrições de Tasleem.

“Minha família está destruída”, diz ele, levantando a voz. “Tudo está destruído somente por causa dessa menina vergonhosa. Mesmo após a morte, eu estou destruído por causa dela “.

Mais tarde, sentado nos degraus quebrados da casa do seu vizinho, ele concorda firmemente como seus vizinhos que elogiam o homem que matou sua irmã.

“Estou orgulhoso deste homem porque ele fez a coisa certa ao matá-la”, diz um deles, um homem com uma barba desgrenhada chamado Babar Ali. “Não podemos permitir que qualquer pessoa se case fora da nossa religião. Ele fez a coisa certa.”

Depois que seu filho matou Tasleem, o pai foi à polícia e apresentou uma queixa. No Paquistão, os pais muitas vezes fazem isso não para ver o assassino punido, mas para estabelecer as bases legais para que eles possam perdoar o culpado – uma brecha legal que os ativistas estão lutando para ter fim.

Ele não disse explicitamente que ele perdoa o filho, mas é claro que ele acha que o jovem tinha todo o direito de matar sua irmã.

Mais informações: http://shoebat.com/2016/10/03/muslim-woman-marries-a-christian-man-some-muslims-tell-her-brother-it-would-be-better-to-kill-your-sister-it-is-better-than-letting-her-have-this-relationship-he-takes-a-gun-and-blows-her-brai/

Cristãos paquistaneses são tratados de forma hostil

Há cerca de 11.500 cristãos em busca de asilo, passando por grandes dificuldades, alguns foram presos na Tailândia

Menino Paquistão

De acordo com os últimos relatórios da Portas Abertas, aumentou em 51% o número de refugiados paquistaneses na Tailândia, em relação ao ano passado. Há cerca de 11.500 cristãos em busca de asilo, passando por grandes dificuldades e tendo de enfrentar processos burocráticos por parte da ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados). Informações locais revelaram que os cristãos têm sido tratados de forma hostil. Um documentário da BBC divulgou internacionalmente detalhes sobre a situação daqueles que foram presos em centros de detenção tailandeses.

 Membros do Parlamento Britânico disseram que o governo adotou uma avaliação oficial mais severa com os cristãos vindos do Paquistão. E até as autoridades do país perceberam que a ONU não tem se preocupado com o risco de perseguição religiosa que os cristãos paquistaneses estão enfrentando. A maioria dos seguidores do cristianismo não se sente segura na Tailândia e, por outro lado, sabe que a volta para o Paquistão pode significar a morte. Alguns alegam não possuir nem mesmo os documentos pessoais, que foram perdidos quando suas casas foram queimadas por extremistas islâmicos. Eles dizem que a ACNUR tem os rejeitados por falta de identificação. “As pessoas não acreditam em mim. Eu cheguei a apanhar e até a pedir desculpas pelo que não fiz. Um homem que não me conhecia me defendeu, e por isso pude ir embora”, disse um dos cristãos refugiados.

 Nasir Tufail Bhatti conta como saiu do Paquistão: “Sou de família cristã e, em meu país, eu atuava na política, como vice-líder da oposição e vice-presidente da Comissão de Paz no Paquistão. Sempre que a comunidade cristã se via oprimida eu ajudava. Até que um dia, atacaram nossa vila, queimaram casas, igrejas, cruzes e todas as Bíblias que encontraram. Muitos cristãos foram violentados até a morte. Não tivemos ajuda das autoridades policiais. Eu lutei muito, mas depois desse incidente passei a ser perseguido, sequestraram meu filho. Minha esposa teve um ataque cardíaco e morreu, em estado de choque. Estou na Tailândia para salvar minha vida”, disse ele, que já vive no país há 3 anos. Assim como Nasir, muitos cristãos estão em busca de uma chance para recomeçar. A Portas Abertas tem participado da vida dos cristãos paquistaneses perseguidos e tem colaborado de várias formas. Uma delas é o projeto “Investimento pra vida toda”. Envolva-se você também com a igreja no Paquistão.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/09/cristaos-paquistaneses-sao-tratados-de-forma-hostil

Afegão ligado à Al Qaeda admite plano para atentado em Nova York

NOVA YORK (Reuters) – Um imigrante afegão acusado de tramar um atentado a bomba em Nova York declarou-se nesta segunda-feira culpado de três acusações, dizendo ao juiz que pretendia se sacrificar numa “operação de martírio” em que atacaria o sistema metroviário da cidade norte-americana.

Najibullah Zazi, de 25 anos, também admitiu na Corte Federal do Brooklyn que havia recebido treinamento da Al Qaeda para a produção de explosivos e armas na região paquistanesa do Waziristão, fronteiriça com o Afeganistão.

“O plano era conduzir operação de marítimo em Manhattan”, disse Zazi ao tribunal. “Para mim, isso significava que eu me sacrificaria para chamar a atenção sobre aquilo que os militares dos EUA estavam fazendo com os civis no Afeganistão.”

As autoridades dizem que ele planejava agir em setembro de 2009.

O acusado se declarou culpado dos crimes de conspiração para usar armas de destruição em massa, conspiração para cometer homicídio em um país estrangeiro e apoio material à Al Qaeda.

As confissões são parte de um acordo entre promotoria e defesa, e sugerem que Zazi está disposto a cooperar com investigadores. Os advogados envolvidos não quiseram comentar.

Zazi pode ser condenado à prisão perpétua pelo complô, apontado pelo secretário de Justiça dos EUA, Eric Holder, como um dos mais graves nos EUA desde os atentados de 11 de setembro de 2001.

(Reportagem adicional de Basil Katz)

http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE61L0LV20100222