Países falharam ao lidar com crise de refugiados, diz presidente da Comissão Europeia

Até agora, apenas 272 pessoas que chegaram à Grécia e Itália foram realocadas para outras nações do bloco.

BRUXELAS — O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, criticou nesta sexta-feira os Estados Membros da UE que não cumpriram seus compromissos em realocar até 160 mil requerentes de asilo que chegaram à Grécia e à Itália. O líder europeu classificou como “inaceitável” a recusa de países em acolher imigrantes e disse estar cansado em ser acusado de não tomar as medidas necessárias para lidar com o grande fluxo de imigrantes que chegou ao continente.

— Não é a Comissão que falhou, mas alguns Estados membros que não cumpriram seus compromissos — disse Juncker durante uma entrevista coletiva. — Não é possível que uma proposta da Comissão, adotada pelo Conselho e Parlamento Europeus sobre a realocação dos refugiados não seja aplicada logo.

Até agora, o plano lançado pelo bloco em setembro para repartir 160 mil refugiados que haviam desembarcado em solo grego ou italiano só conseguiu realocar menos de 272 pessoas em outros países, segundo o último balanço divulgado. O projeto de levar imigrantes diretamente para nações fora da UE, como a Turquia, também caminha a passos de tartaruga.

Além disso, as nações da UE também estão falhando em devolver aos países de origem aqueles que não conseguem atingir os requisitos necessários para serem integrados ao bloco. Das centenas de milhares de pessoas que chegaram desde setembro, menos de 900 foram mandadas de volta para casa.

Outro ponto de preocupação é o Acordo de Schengen, como é conhecido o tratado de livre circulação entre os países europeus signatários, sob ameaça após vários países decretarem controles nas fronteiras. Para Juncker, o desemprego no país pode aumentar se o sistema deixar de existir.

— Schengen é um das maiores conquistas do processo de integração europeu. Sem o livre movimento de trabalhadores ou a liberdade de trânsito para os cidadãos, o euro não tem sentido — afirmou. — Menos Schengen significa menos emprego e crescimento econômico.

Só no ano passado, mais de um milhão de refugiados chegaram ao continente após fugirem de conflitos armados e da pobreza no Oriente Médio, África e Ásia, vindos principalmente da Síria, do Iraque e do Afeganistão.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/paises-falharam-ao-lidar-com-crise-de-refugiados-diz-presidente-da-comissao-europeia-18481154#ixzz3xKi7BuU9

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s