Arquivo da tag: Europa

Notre-Dame no limiar da “inquisição” contra os cristãos

Por Andréa Fernandes e Gil Carlos Montarroyos

Muito pouco se sabe acerca do “incidente”, o incêndio que devastou a famosa catedral de Notre-Dame. Não obstante a todo o evento per si, fica claro que as investigações precisam avançar. A figura da mais famosa catedral da França em ruinas, bem como as várias demonstrações de felicidade com o caso, por muçulmanos em todo o mundo, demonstram que há sim, a necessária e emergente preocupação com aquele que foi de longe um dos maiores símbolos da cristandade no Ocidente. A mais imponente construção gótica medieval que um dia fora o maior “bastião” da evolução e prosperidade da civilização judaico-cristã ocidental, ruiu!

Refletir sobre as ruínas de Notre-Dame deveria ser quase um “dever ontológico” para os ocidentais, muito embora o “fogo da inquisição progressista” esteja velozmente lambendo as análises sobre as possíveis causas do suposto “acidente” que resultou na destruição da catedral mais famosa do mundo construída há mais de 850 anos, considerada um dos símbolos da capital francesa desde a sua construção[1].

Conforme noticiado pela imprensa, a causa do incêndio ainda é desconhecida. Aos montes, chegam informações desencontradas[2] referente ao trágico evento, o que torna necessária uma investigação séria e profissional a fim de elucidar o caso. Contudo, imediatamente após o “incidente” o promotor Rémy Heitz já antecipou a narrativa que comandaria as “informações” da extrema-imprensa. Ou seja, o procurador de Paris se uniu à sua equipe de 50 “investigadores” e demais representantes de órgãos públicos para “sugerir” que o incêndio “está relacionado a obras de restauração que estavam em curso na catedral[3].

Nessas horas de “discursos feitos sob medida”, a lógica também é incinerada: ao mesmo tempo em que o procurador anuncia que a investigação será longa e complexa, paradoxalmente vaticina que sua equipe está priorizando a “teoria de um acidente”, pois nada aponta para um ato voluntário[4]. Como se vê, as conclusões do procurador que ensejam prioridade de sua tese diante de “investigações complexas” continuam sendo puramente de liame “ideológico”.

A catedral de Notre-Dame não mais representa a “nova diversidade” da França

Ao ver o flagelo que se tornou o “point zéro des routes de France”, o inocuamente palavroso presidente francês Emmanuel Macron, numa performance teatral, verbalizou:

A Notre-Dame de Paris é nossa história, nossa literatura. É o epicentro de nossa vida. Trata-se da catedral de todos os franceses, mesmo daqueles que nunca vieram aqui[5].

Macron teria toda razão em seu pronunciamento garboso se perfilasse o conhecimento histórico e cultural do seu país no tempo verbal apropriado. Invocar a “França pretérita” não vai funcionar para explicar o “apagão” do monumento histórico mais visitado da Europa, que recebia cerca de 14 milhões de visitantes anualmente[6]. Aliás, há que se corrigir o lapso de interpretação quanto à conduta da referida autoridade: o presidente francês não está interessado em “explicar” nada e por esse motivo reforça a tese de “acidente” antes mesmo do encerramento das investigações, que por certo, confirmarão a “versão oficial” da “tragédia” sem “culpados”.

Como bom relativista, Macron quer levar o mundo a “compreender” e, por conseguinte, “aceitar” o ocaso da civilização judaico-cristã perfeitamente representado pelo derribar a “ferro e fogo” do pináculo de Notre-Dame, que já não era há muito tempo o epicentro da vida francesa como declamado pelo presidente saudosista. O “sinal” notório das “boas intenções multiculturalistas” de Macron estava na informação do Canal “France 24” no Twitter noticiando a promessa do presidente de reconstruir uma Notre-Dame que represente a “nova diversidade” da França[7].

Aliás, as autoridades do país sabem que a “nova diversidade” francesa não tolerava as “demoníacas” gárgulas e quimeras[8] que encantavam milhões de visitantes, mas eram concebidas como pérfidos “fantasmas da cristandade infiel” que continuamente deixavam as fachadas da catedral para atormentar adeptos da “religião da paz” e seus parceiros ideológicos que defendem o Estado laico sem resquícios da única religião que é considerada “ameaça” para a humanidade, a saber, o Cristianismo.

Se observarmos a França despojados de “paixões fleumáticas”, constataremos que a catedral de Notre-Dame como símbolo do panteão cultural ocidental não mais existe. Como magistralmente salientado pelo professor da Universidade de Paris  Guy Millière no exímio artigo “O incêndio de Notre Dame e a Destruição da Europa Cristã” :

 A catedral sobreviveu à turbulência da Idade Média, o Reino do Terror da Revolução Francesa, duas guerras mundiais e a ocupação nazista de Paris. Ela não sobreviveu ao que a França está se tornando no  século” XXI”.

Assistimos o findar de um “mito” por conta dessa “nova diversidade” celebrada por franceses que abandonaram a História recepcionando a “antropologia do suicídio”.

Nesse mister, vale promover análise do eclipsar do simbologismo quase milenar da catedral antes do “incêndio misterioso”. O que teria sido mais danoso para tudo o que representava Notre-Dame, do que as sérias avarias que o edifício sofreu durante a Revolução Francesa ao ponto de ocasionar profunda reforma em meados do século XIX? Pelo visto, a única reforma que interessa aos pensadores globalistas é a devastação da civilização judaico-cristã ocidental, seus símbolos e seus avanços em mais de 2000 anos de história.

Está em marcha na “França macroniana” a erradicação de todos os estamentos que um dia nortearam a civilização ocidental, seu glamour e o conhecimento daquela que um dia esteve na vanguarda do pensamento ocidental – a França. A cidade luz capitulou ao globalismo, assim como capitulou ao nazismo e colaboracionismo de Vichy, na II Guerra Mundial. Diante dessa constatação, não é mera coincidência a relação do nazismo com o islamismo durante a última grande guerra, no seu avanço na França ocupada.

 As “chamas inflamantes” de ódio contra os cristãos estão acesas na Europa

 Hoje, o simbolismo da Catedral é outro: tornou-se o mais notável exemplo do descaso dos cristãos para com a destruição dos pilares icônicos do Cristianismo. Em todo o mundo, há centenas de relatos de ataques de toda sorte e intensidade, resultando, inclusive, em milhares de mortos. Não, não é “estória de carochinha”, é real. A civilização judaico-cristã ocidental está sob intenso e incessante ataque. E o establishment globalista faz “cara de paisagem”. É vergonhosa a leniência da ONU, do Vaticano, e do mundo cristão. Salvo algumas poucas denominações evangélicas e algumas instituições católicas, o silêncio é ensurdecedor!

A extrema-imprensa, por sua vez, “lança na fogueira da intolerância” todo aquele que se atreve a suspeitar de ação jihadista por trás de mais um evento destrutivo contra a igreja. As incontáveis manifestações de êxtase de muçulmanos nas redes comemorando efusivamente a destruição do “prédio pagão” não foram relatadas, uma vez que o “perigo” a ser evidenciado vem sempre dos supostos “discursos de ódio” da chamada” extrema-direita” ao discorrer sobre a jihad contra o “Ocidente infiel”. Ainda assim, todo o histórico de atentados terroristas islâmicos evoca essa cautela e cuidado. Não seria absurdo se o ocorrido fosse realmente um novo atentado terrorista islâmico ao solo francês. Há realmente motivo para haver essa preocupação.

Não é nenhuma novidade que há no mundo muçulmano o desejo claro e explícito na expansão do Islã no intuito de criar um Califado Global. Desde a década de 70, vemos esse projeto em andamento na França. É nojento contemplar a leniência do país, um Estado que já foi sinônimo de liberdade e intelectualidade, de civilização e glamour, sucumbe ao projeto globalista islâmico. A França está fadada à extinção. Seus símbolos, cultura, glamour – tudo está ruindo com o expansionismo avassalador do Islã na sociedade mundial e em especial na francesa. Atualmente, vemos com límpido espanto e inominável terror o fim de um período e início da barbárie – o Islã está se consolidando e muitos no Ocidente fazem de conta que é brincadeira.

O escritor Raymond Ibrahim publicou no Gatostene Institute seu artigo magistral justamente um dia antes do incêndio na catedral. Sob o título “Igrejas europeias: vandalizadas, defecadas e incendiadas todos os dias”[9], foram explicitados dados alarmantes do nível aterrador de ataques contra as igrejas, salientando o “costume” das autoridades europeias ofuscarem a “identidade dos vândalos”, para proteger sobretudo os imigrantes muçulmanos.

Afirma Raymond:

Na França, duas igrejas são profanadas todos os dias em média. Segundo o PI-News , um site de notícias alemão, 1.063 ataques a igrejas cristãs ou símbolos (crucifixos, ícones, estátuas) foram registrados na França em 2018. Isso representa um aumento de 17% em relação ao ano anterior (2017), quando 878 ataques foram registrados – o que significa que tais ataques estão indo apenas de mal a pior.

Se as suspeitas de um atentado terrorista contra Notre-Dame e tantas outras igrejas francesas são infundadas, o que dizer do seguinte relato da mídia alemã?

“Cruzes são quebradas, altares quebrados, Bíblias incendiadas, fontes batismais viradas e as portas da igreja manchadas de expressões islâmicas como ‘Allahu Akbar‘”.

Seria “islamofóbica” a suspeita de jihad contra a catedral mais famosa do mundo?

O renomado escritor Robert Spencer, especialista em Islã, autor de dezoito livros[10] – incluindo dois Bests Sellers listados pelo The New York Times ­– relata que o mosteiro de Saint Jean des Blames, em Aveyron, foi saqueado por muçulmanos, salientando que o jornal Le Figaro ao noticiar sobre alguns dos incidentes contra templos religiosos, indagou: “quem ouviu falar do saque do mosteiro de Saint Jean des Balmes, em Aveyron? Além disso, Spencer apresenta reportagens afirmando que foi criminoso o incêndio contra a igreja de St. Sulpice, em Paris – onde ocorreram cenas do filme “O Código de Da Vinci”-  e acerca da igreja de Notre-Dame des Enfants, em Nimes, saqueada e vandalizada com excrementos humanos para desenhar uma cruz na parede, esclarecendo que esses e outros tantos ataques às igrejas francesas receberam cobertura mínima da mídia, isso quando houve alguma notícia sem alarde[11].

De tantos informes advindos do especialista atacado pelo jornal Folha de São Paulo[12], dois merecem atenção especial por fundamentarem a razoabilidade de suspeitas que não devem ser descartadas nas investigações: o principal arquiteto de monumentos históricos responsável ​​pela restauração da torre de Notre-DamePhilippe Villeneuve , afirma que o trabalho de restauração ainda não havia começado, apenas os andaimes estavam sendo montados, de maneira que não haviam trabalhadores na catedral e nenhuma fonte de calor perto da estrutura de madeira. Outrossim, em setembro de 2016, foi efetivada a prisão de um muçulmano depois que seu carro foi acondicionado com explosivos do lado de fora da catedral de Notre-Dame, sendo que alguns dias depois, mais três muçulmanos foram presos em virtude da polícia descobrir um plano de explodir a catedral. Logo,torna-se óbvio que exista “interesse” de promover atentado terrorista.

No começo do mês, Robert Spencer havia denunciado a vandalização da Basílica de Saint-Denis instalada no subúrbio de Paris há mais de 800 anos. O local tem forte presença de imigrantes[13]. Porém, uma vez silenciando as ameaças diversas de muçulmanos, a imprensa impede que a opinião pública tenha noção da gravidade do problema. Saber que o vice-presidente da filial nacional da União Nacional de Estudantes de Lille tuitou em dezembro de 2017, que “todos os brancos” por serem “raça sub-humana” deveriam ser mortos, ajudaria os franceses a compreenderem a real “amplitude genocida” de sua manifestação nas redes afirmando que “não dá a mínima para Notre-Dame e para a história da França[14].

Os milhares de muçulmanos que exultaram pela ruína da catedral não foram alvos de críticas da grande mídia, que agiu como se eles não existissem. Afinal de contas, a sharia[15]  já comanda “mentes e redações”. Assim, a sede de “inquisição às avessas” contra os cristãos toma forma sem despertar reações defensivas, visto que é um “sacrilégio” cogitar uma nova “Cruzada” no momento em que milhares de cristãos são mortos todos os anos e outros milhões são submetidos forçosamente à sharia. Preocupação com as ações sanguinárias dos seguidores da pretensa “religião da paz” é coisa de “extremista”!

A fogueira da “inquisição moderna” queima templos, corpos e mentes

Em que pese a consciência cristã esteja “resistente” ao reconhecimento do conflito civilizacional proposto pela “espada de Allah” contra os infiéis cegos pelo decadente “multiculturalismo permissivo”, urge destacar: tudo que conhecemos como avanço civilizatório, está sob risco, não apenas na França, Reino Unido, Alemanha, Suécia, Dinamarca, EUA, em todo o mundo! Vemos o avanço assolador de uma ideologia político-religiosa, teocrática por excelência, historicamente sanguinária, perversa em sua compleição e totalitária em tudo o que faz.

Na moderna França, o fogo consumiu parte da catedral de tantas “histórias” de um povo que já se perdeu na história obscura do expansionismo islâmico. Dessa forma, vale lembrar que na Nigéria milhares de cristãos são queimados vivos dentro de suas casas e igrejas sem alarmar a imprensa, redes e humanistas[16]. O “tribunal do santo ofício da inquisição islâmica” reina absoluto nos países muçulmanos impondo “piedosas bulas” em territórios nos quais os cristãos são minorias, tendo o “descaso midiático” como “fiel escudeiro”. Daí, percebe-se que o “silêncio” que impera no tocante ao genocídio de cristãos africanos é “irmão siamês” da “narrativa desinformativa” sobre a tragédia de Notre-Dame.

Há um acontecimento que representa perfeitamente a submissão da cristandade ao terror: no Canadá, Eva Torres, ex-candidata do partido socialista Québec Solidaire atribuiu à “ira de Allah” – devido proibição da misógina burca na França – o fogo na catedral. A repercussão negativa das suas sinceras “palavras de fé” fizeram com que recorrese à velha taqiyya[17], retirando o comentário que foi justificado como uma “piada” e recorrendo de imediato à “vitimização”, propagando que estaria recebendo “discursos de ódio” e “ameaças reais”. E não é que deu certo a estratégia? A mídia apresentou o discurso de ódio baseado no livro sagrado do Islã como uma inocente “piada de mal gosto”, isto porque, no Ocidente pós-cristão a caminho da “fogueira inquisitória”, Allah sempre tem razão!

Enfim, chega de negligência com a verdade – sem rodeios, sem meias palavras e com o conhecimento cristalino de que Islã é sim um risco real a todo o modus vivendi judaico-cristão ocidental. Quer queiram ou não, esse fenômeno ideológico e político que está acontecendo às nossas vistas, sem cerimônias e sem máscara, precisa ser denunciado e combatido, como diz a premissa genuinamente cristã: “Quem pensa estar em pé, cuide para que não caia!”

Andréa Fernandes – Jornalista, advogada, internacionalista e Presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Gil Carlos Montarroyos – Internacionalista e historiador com estudos voltados ao terrorismo islâmico.

Imagem Infowars

[1] https://epoca.globo.com/a-historia-de-notre-dame-catedral-mais-famosa-do-mundo-que-arde-em-chamas-23601331

[2] https://recordtv.r7.com/jornal-da-record/videos/notre-dame-policia-de-paris-ja-sabe-o-que-pode-ter-provocado-incendio-18042019

[3] https://www.bbc.com/portuguese/internacional-47956930

[4] https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/04/16/bombeiros-e-especialistas-analisam-estrutura-da-catedral-de-notre-dame.ghtml

[5] https://www.bbc.com/portuguese/internacional-47939068

[6] https://brasil.elpais.com/brasil/2019/04/15/internacional/1555351385_404402.html

[7]https://www.facebook.com/LeiIslamicaEmAcao/photos/a.725748914118143/3210279622331714/?type=3&theater

[8] https://pt.aleteia.org/2017/02/12/notre-dame-de-paris-gargulas-ou-quimeras/

[9] https://www.gatestoneinstitute.org/14044/europe-churches-vandalized

[10] https://www.amazon.com/History-Jihad-Muhammad-ISIS/dp/1682616592

[11] https://www.jihadwatch.org/2019/04/hugh-fitzgerald-the-fire-at-notre-dame-and-muslim-schadenfreude-part-one?fbclid=IwAR0a3JxrQlcCrRUt45dtbM8Xmj47rfp4PDlR7pniyxNjMg-TVIHXBXanz04

[12] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/04/como-a-extrema-direita-espalhou-mentiras-convenientes-sobre-o-incendio-de-notre-dame.shtml

[13] https://www.jihadwatch.org/2019/04/france-an-average-of-three-churches-are-attacked-every-day

[14] https://www.jihadwatch.org/2019/04/hugh-fitzgerald-the-fire-at-notre-dame-and-muslim-schadenfreude-part-two?fbclid=IwAR3rOVmsKGxmiCtSuzyY-fpkI14f17RB_xjtLR3IYATo2xrr3u6ngBj95Ng

[15] Lei islâmica

[16] https://www.gatestoneinstitute.org/12645/christians-genocide-nigeria

[17] Permissão para o muçulmano mentir se essa mentira ajudar a propagação do Islã e da sharia (lei islâmica)http://infielatento.blogspot.com/2014/11/taquia-taqiyya-no-alcorao-e-Sharia.html

Mulheres sírias para a UE: “Expulse nossos homens e mande-os para casa – precisamos deles aqui”

A guerra na Síria levou a uma escassez de homens no país. Agora, as mulheres sírias querem seus homens de volta e pedem à UE que os “expulse” para que eles voltem e ajudem a reconstruir o país.

O conflito na Síria está chegando ao fim. Donald Trump afirmou que o EI é derrotado e prometeu retirar todas as tropas dos EUA da área.

Até mesmo Israel argumenta que a guerra acabou, e a Russia mostra imagens das celebrações de Natal em Damasco.

A longa e sangrenta guerra deixou vestígios profundos na demografia da Síria. Um repórter no local observa que “cerca de 70% das pessoas que ele conhece são mulheres jovens”.

“Olhe ao redor, você só vê mulheres. Na universidade, na rua, nos cafés, só mulheres. A maioria dos jovens saiu da Síria ”, afirmam as alunas Safaa e Sheima.

Outra mulher, Lina, diz que Assad deve dar àqueles que fugiram a anistia do serviço militar, mas ela também tem uma proposta para os países que aceitaram muitos homens da Síria:

“A solução é expulsá-los e enviá-los de volta à Síria para que eles possam começar a reconstruir o país”, diz ela.

Ao mesmo tempo, a escassez de homens significa que as mulheres sírias estão fazendo um grande progresso na vida profissional, ao entrar em profissões anteriormente dominadas pelos homens.

“No passado, não era aceito que as mulheres trabalhassem em certas áreas, mas agora a sociedade é forçada a aceitá-lo e isso é bom”, diz Safaa.

Com imagem e informações Voice of Europe

Grécia: aumento maciço de ataques a símbolos cristãos e igrejas ortodoxas

Todos os anos há mais ataques a igrejas, capelas, lugares de culto religioso, monumentos religiosos, sinagogas e até cemitérios, jornal grego Eleftheros Typos relata

Especificamente, segundo o Secretariado Grego das Religiões, no ano passado os ataques a edifícios religiosos (incluindo vandalismo, assaltos, roubos, incêndios, etc.) aumentaram em 159 %, enquanto o principal alvo parece ser a Igreja Ortodoxa.

BARBARA PAPADOPOULOU@barbarapapadop

Σημεία των καιρών: Αυξάνονται οι επιθέσεις σε ορθόδοξες εκκλησίες! https://www.eleftherostypos.gr/ellada/338478-simeia-ton-kairon-afxanontai-oi-epitheseis-se-orthodoxes-ekklisies/ 

Σημεία των καιρών: Αυξάνονται οι επιθέσεις σε ορθόδοξες εκκλησίες!

Οι αριθμοί «μιλούν» από μόνοι τους. Το 2017 καταγράφηκαν συνολικά 556 περιστατικά εναντίον χώρων θρησκευτικής λατρείας, σε αντίθεση με πρόπερσι που ήταν 215.

eleftherostypos.gr

Um aumento significativo também é visto no número de ataques a várias comunidades religiosas, com quatro deles registrados em 2016, enquanto no ano passado esse número era oito.

Os números falam por si. Em 2017, um total de 556 incidentes foi registrado contra o local de culto religioso, 536 desses ataques feitos em lugares cristãos.

Em particular, de acordo com o relatório relevante do Secretariado Geral das Religiões, 525 casos contra a Igreja Ortodoxa (94 % do total de incidentes), muitos dos quais têm intolerância religiosa causando intensa reflexão dentro da Igreja grega.

“As evidências mostram que o principal alvo dos ataques em nossa terra natal é a Igreja Ortodoxa. Este fato não pode ser negligenciado. Devemos ao Estado e à Igreja buscar formas de cooperação para que essa realidade profana que afeta nossa história e nossa identidade seja eliminada ”, afirma o Secretário Geral das Religiões, Giorgos Kalantzis.

A Grécia experimentou uma onda sem precedentes de migrantes do Oriente Médio, dos quais vários são membros do ISIS e completamente intoleráveis contra pessoas ou símbolos de outras crenças.

Ao mesmo tempo, o governo esquerdista parece incapaz (ou não quer) de lidar efetivamente com a criminalidade anarquista na Grécia, que é responsável pela maioria dos ataques às igrejas ortodoxas.

Informações e imagem Voice of Europe

Casos de mutilação genital feminina mais que dobraram no Reino Unido no ano passado

Na semana passada, as práticas abomináveis ​​do Dr. Fakhruddin Attar e da médica do pronto-socorro, Jumana Nagarwala, foram expostas depois que realizaram procedimentos de mutilação genital feminina (FGM) depois de horas em um consultório médico fora de Detroit.

Era alarmante o suficiente para que algo assim acontecesse nos Estados Unidos – então, naturalmente, a mente pode vagar para questionar como o Reino Unido – com sua política de fronteiras abertas irrestritas e envio de migrantes em massa- tem suas estatísticas em comparação com os poucos casos da prática brutal registrados nos EUA.

A resposta é muito, muito pior …

Em apenas um ano, o número de meninas na Inglaterra que vivenciaram ou correm risco de sofrer MGF mais do que dobrou , de acordo com assistentes sociais.

Entre 2017 e 2018, o número de casos de mutilação genital feminina subiu para 1.960; em comparação com apenas 970 no ano anterior. O aumento foi atribuído a uma melhor detecção por parte dos assistentes sociais e os especialistas afirmam que a verdadeira ocorrência de casos de MGF é provavelmente muito mais elevada, uma vez que continua a ser um crime oculto e silencioso.

Tal como está, mais de 30 casos por semana estão agora a chamar a atenção dos assistentes sociais no Reino Unido – atendendo ao aumento sem precedentes de casos em tão pouco tempo.

Anita Lower, Associação de Governo Local (LGA) que trabalha com a epidemia de MGF, disse:

Esses números mostram a preocupante prevalência da MGF, que está arruinando vidas e destruindo comunidades. No momento em que deveriam estar se preparando para a vida adulta e gostando de ser jovens, nenhuma menina ou jovem deveria estar sujeita aos horrores da mutilação genital, que é abuso infantil e não pode ser justificada por qualquer motivo ”.

O grupo de Anita está pedindo mais financiamento governamental para serviços para crianças e para o National FGM Center – uma iniciativa entre a LGA de Anita e a organização Barnardo, que trabalha nas comunidades afetadas pela MGF e constrói conexões com as famílias para tentar prevenir a prática.

Nos últimos dois anos e meio, o National FGM Center trabalhou com 354 famílias e emitiu 22 ordens de proteção FGM.

As ordens de proteção impõem condições para proteger as meninas vitimadas e prevenir possíveis vítimas, como a entrega de passaportes de membros da família, para que garotas jovens não possam ser levadas para fora do país para procedimentos de mutilação genital feminina.

Leethen Bartholomew, chefe do National FGM Center, declarou:

“Enquanto estamos avançando no combate à MGF, essas estatísticas alarmantes mostram que ela ainda está sendo praticada em comunidades por toda a Inglaterra. Ainda mais preocupante é que esses números provavelmente serão apenas a ponta do iceberg, porque muitos casos de FGM não são detectados ”.

Embora a MGF tenha sido proibida no Reino Unido desde 1995, é evidente que o procedimento ainda é praticado nas comunidades. Números do Serviço Nacional de Saúde mostraram que a equipe médica registrou um total de 4.495 novos casos de MGF ao longo de 12 meses – ou o equivalente a uma menina submetida ao procedimento a cada duas horas.

Estima-se que 137 mil mulheres e meninas na Grã-Bretanha sejam vítimas do abuso, mas nem um único processo relativo à prática desumana veio a luz do dia.

Com o mundo ocidental competindo e defendendo os direitos e a igualdade das mulheres, deve-se imaginar como algo tão abominável como a MGF é permitido passar sem qualquer ultraje ou furor.

Com imagem e informações Voice of Europe

Oficiais europeus de inteligência: ameaça terrorista islamista é mais forte do que nunca

Tornou-se “o novo normal”, uma parte estrutural da vida do século XXI. E a ameaça jihadista contra o Ocidente é mais forte agora do que nunca.

Estas são as conclusões de ” O Legado da Síria: Jihad Global continua a ser uma ameaça para a Europa “, um novo relatório da agência de inteligência holandesa, Algemene Inlichting en Veiligheids Dienst (AIVD). De fato, de acordo com o relatório, o desaparecimento do Estado Islâmico provou ser apenas um soluço nos esforços contínuos para fundar um califado no Oriente Médio.

Milhares de simpatizantes do ISIS ainda andam livremente nas ruas da Europa e do Ocidente, e “como resultado do conflito na Síria, o movimento [global jihadista] cresceu e se profissionalizou”. Portanto, embora tenha havido menos movimentos de ataques desde a queda do califado, o AIVD não espera que a tendência dure.

Pelo contrário, tanto através da propaganda quanto das interações internacionais viabilizadas pela Internet, os jihadistas são cada vez mais capazes de organizar ataques, particularmente quando o ISIS se torna um movimento clandestino. Além disso, os jihadistas voltaram-se recentemente para tipos mais “diários” de armas, como carros, caminhões e facas, atacando em espaços públicos que são muito mais difíceis de proteger – da Ponte de Londres às Ramblas em Barcelona, ​​às praças fora da ferrovia, estações na Holanda.

A mídia e até mesmo especialistas em contraterrorismo tendem a se referir àqueles que executam ataques como “lobos solitários”. Não é assim, de acordo com o AIVD. O ISIS mostrou-se extremamente proficiente em inspirar potenciais jihadistas, mesmo entre aqueles que nunca lutaram pelo ISIS ou tiveram contato direto com seus membros. Assim, diz a agência , embora os chamados “lobos solitários” possam ter preparado e executado seus ataques por conta própria, “eles são de fato parte de uma rede jihadista (virtual)”.

Essa rede também pode incluir muitas outras pessoas que não estão diretamente conectadas ao ISIS. Mas alguns líderes do ISIS continuam a perseguir ativamente os simpatizantes através das mídias sociais, encorajando-os a atacar, analisando possíveis alvos e fornecendo conselhos ao longo do caminho, diz o relatório. Tais esforços parecem fazer parte dos planos finais que o porta-voz do ISIS, Abu Mohamed al-Adnani, anunciou antes de sua morte em 2016, quando “ele declarou o dever de realizar ataques terroristas acima do dever de chegar ao chamado califado”, diz a AIVD.

E não é apenas o ISIS. A Al Qaeda está ressurgindo e trabalhando para recuperar seu lugar como líder da jihad global. De fato, adverte a AIVD, seria um erro pensar que a Al Qaeda não é mais um ator sério na “ameaça terrorista-jihadista”.

“A Al Qaeda é maior e mais difundida geograficamente do que antes dos ataques terroristas nos EUA”, graças a uma ampla rede de grupos afiliados, afirma o relatório. E mesmo reforçando sua presença e atividades na Síria, continua a ver os ataques contra o Ocidente como uma parte crucial de seu mandato. Sob a nova e carismática liderança do filho de Osama bin Laden, Hamza, a Al Qaeda espera apelar, como fez o ISIS, a simpatizantes em todo o mundo, particularmente os muçulmanos ocidentais que estivessem preparados para travar a jihad em casa.

Hamza se tornou uma figura importante, acredita a AIVD, em parte porque ele nunca criticou o ISIS, como outros líderes da Al Qaeda. A esperança para a Al Qaeda é que ele possa, portanto, recrutar ex-membros do ISIS “desiludidos” e levá-los para o campo da Al Qaeda.

Não que o nome importe muito – Al Qaeda, ISIS, Jabat al-Nusra, ou seja o que for. “Para alguns jihadistas, a idéia jihadista é o fator de ligação, e o valor da“ marca ”jihadista é menos importante”, diz o relatório . Deve-se notar que, para as vítimas de tais ataques, o nome da marca também não importa muito.

A AIVD também acha que uma chamada de 2017 pelos líderes do ISIS para ter um papel mais ativo foi eficaz. Em maio, por exemplo, a France24 relatou : “Nos últimos quatro anos na França, 22 mulheres que não estavam no exterior para se juntarem ao grupo do EI foram presas por seu envolvimento em planos de realizar 12 ataques terroristas em solo doméstico”. no Reino Unido, dois membros britânicos de uma célula exclusivamente feminina com laços do ISIS receberam sentenças de prisão perpétua em agosto passado por planejar um ataque terrorista.

Não devem ser negligenciados, tampouco, os retornados – homens, mulheres e até mesmo crianças – que retornam à Europa do califado fracassado. Embora alguns retornados estejam encarcerados, centenas deles devem ser libertados nos próximos dois anos.

O perigo que esses retornados representam é significativo, e não apenas por causa de sua capacidade, através de seu treinamento militar e de combate, de realizar ataques no Ocidente. Também é preocupante o status de herói entre os simpatizantes e aspirantes jihadistas. “Esses veteranos da jihad podem, com seu status e experiência, expandir as redes existentes [e] fortalecer e construir novas redes (transnacionais)”, alerta a AIVD .

E finalmente há os chamados “filhotes do califado“, crianças que foram trazidas para o EI por seus pais ocidentais ou que nasceram lá, e também estão retornando agora. Essas crianças podem não apenas inspirar os colegas de escola quando começam a freqüentar (ou retornam) escolas em sua terra de origem, mas crianças mais velhas provavelmente formarão, como com os “veteranos da jihad“, ligações com outras pessoas de sua idade em outros países. Mais uma vez, a possibilidade de laços jihadistas transnacionais pode ser uma ameaça a longo prazo.

Assim, diz o AIVD, “a atratividade da ideologia jihadista deve permanecer, mesmo sem qualquer outro catalisador, como o conflito na Síria. Por causa disso, o jihadismo global, tanto a curto como a longo prazo, continuará a constituir uma ameaça ”.

Abigail R. Esman, autora de Radical State: Como a Jihad está vencendo a democracia no Ocidente (Praeger, 2010), é escritora freelancer em Nova York e na Holanda. Siga-a em @radicalstates. Este artigo foi originalmente encomendado pelo Projeto Investigativo sobre Terrorismo .

Artigo by Abigail R. Esman publicado originalmente em Algemeiner

Milhares de imigrantes armados atacam a fronteira da Croácia para entrar na UE

A fronteira bósnio-croata está sob ataques contínuos de uma multidão armada de mais de 20 mil imigrantes, disse um funcionário ao Kronen Zeitung da Áustria.

A fronteira em Velika-Kladusa fica a apenas 224 quilômetros da Áustria e mais de 20.000 imigrantes esperam quebrá-la para se mudar para a Europa Central, afirmam os especialistas.

bwspezi@bwspezi

Velika-Kladusa – Dozens of migrants clashed with Bosnian police Wednesday while trying to cross from Bosnia into Croatia and enter the European Union.

Segundo os especialistas, quase todos os imigrantes “estão armados” como “quase todos têm uma faca”. “Os croatas estão realmente tentando lidar com isso sozinhos. Eles também posicionaram as Forças Especiais na fronteira ”, diz o especialista.

Quase não há mulheres e crianças no grupo, 95% são homens e um policial de fronteira já foi esfaqueado.

“A maioria deles vem do Paquistão. E há muitos iranianos, argelinos e marroquinos. Seu objetivo não é a Áustria ”, acrescentou o funcionário.

Segundo ele, os migrantes querem ir para a Alemanha ou para um dos países escandinavos.

“A maioria dos jovens tem cartões de crédito pré-pagos fornecidos pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (UNHCR) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF)”, acrescenta o funcionário.

Com Imagem e informações Voice of Europe

Itália: 2 imigrantes ilegais presos por envolvimento em estupro coletivo e morte de adolescente

Na noite de quarta-feira, duas prisões foram feitas em conexão com o estupro e possível assassinato da garota italiana de 16 anos, Desiree Mariottini.

A adolescente foi encontrada morta em um prédio abandonado em um subúrbio de Roma. Acredita-se que ela tenha sido drogada e estuprada enquanto estava inconsciente, dizem os investigadores.

Dois imigrantes ilegais foram presos : Mamadou Gara, 26, e Brian Minteh, 43. Eles são suspeitos de violência sexual, traficar drogas e homicídio.

Um terceiro suspeito também foi encontrado, mas a polícia está investigando seu papel no drama letal. Fontes italianas disseram que a polícia está tentando rastrear outros dois suspeitos também.

Dois imigrantes ilegais foram presos ontem à noite pelo estupro e morte de Desirée, e outros dois são procurados“, disse o ministro do Interior e vice-premier Matteo Salvini através do Twitter.

“Obrigado à polícia. Farei tudo para que os vermes culpados desse horror paguem por sua vileza”, acrescentou.

Ontem nós já informamos o que uma testemunha disse quando chegou ao local:

“Eles a drogaram e estupraram… A garota estava gritando… Eu olhei para a jovem gritando e havia outra garota na cama: eles colocaram um cobertor na cabeça, mas a cabeça dela podia ser vista. Eu não sei se ela estava respirando, mas ela já parecia morta, porque a outra garota estava gritando e dizendo que ela estava morta.

Imagem e informação Voice of Europe

Dinamarca: em pregação, imã afirma que a jihad exige conquista da Europa e pede aniquilação dos judeus

Em um discurso transmitido ao vivo no Facebook há um ano, em 23 de julho de 2017, descoberto e traduzido por MEMRI após sua denúncia em 24 de julho de 2018 na Dinamarca por pedir o assassinato de judeus, o Imam Mundhir Abdallah, do Masjid Al-Faruq, Mesquita em Copenhague, disse que “a solução final para o problema do Levante – após o estabelecimento do califado e a eliminação da entidade judaica – será através da conquista da Europa.” “A Europa deve ser invadida novamente”, disse ele, pedindo uma nova conquista islâmica do Al-Andalus, dos Bálcãs e de Roma, a fim de cumprir a promessa do profeta Maomé. No discurso, o imã Abdallah disse que os judeus “estão apressando a sua própria aniquilação pela sua fúria, pela sua imundície e pela sua vileza, que refletem a natureza imutável dos judeus”.

O Imam Abdallah foi indiciado por pedir o assassinato de judeus em um sermão de sexta-feira, 31 de março de 2017, que foi traduzido e divulgado pelo MEMRI (vide MEMRI TV No. 6013, Sermão de sexta-feira em Copenhague: o Imam Cita o hadith antisemita, Diz: Logo o Califado arrancará a entidade judaica e o colonialismo cruzado ). Esta é a primeira vez que acusações foram trazidas sob um código criminal introduzido na Dinamarca em janeiro de 2017. Após esse sermão, em 16 de maio de 2017, Abdallah insistiu que assim que os muçulmanos recuperarem o poder, eles “apagarão” e “destruirão”. “Israel e todas as bases dos Estados Unidos na região (veja MEMRI TV Clip No. 6033,  Imam Mundhir Abdallah, de Copenhague: Nós vamos obliterar Israel; Ataques terroristas no oeste levados a cabo por vítimas problemáticas e desesperadas de atrocidades ocidentais ).

Para ver o clipe de Mundhir Abdallah na MEMRI TV, clique aqui ou abaixo.

Com imagem e informações MEMRI

Número de salafistas islâmicos radicais é de 10.800 na Alemanha pela primeira vez

O número de salafistas islâmicos radicais ultrapassou a marca dos 10 mil, segundo um novo relatório da agência de inteligência interna alemã.

O relatório do Escritório Federal para a Proteção da Constituição (BfV), que foi divulgado esta semana, mostra que o número de radicais islâmicos agora chega a 10.800, em comparação a 9.700 no ano anterior, e mostra mais do que o dobro de cinco anos atrás,  informa o Die Welt .

O jornal também afirmou que o número de islamitas radicais coincide com o aumento do número de casos criminais em que se suspeita de um motivo ou contexto islâmico radical.

O BfV observou que a Alemanha ainda está na mira do terrorismo islâmico radical e que a situação ainda é muito séria. A agência disse que identificou cerca de 1.880 indivíduos na Alemanha que eles acreditam ter potencial para realizar um ataque terrorista e, o mais preocupantemente,  é que o número continua aumentando.

Breitbart London@BreitbartLondon

Islamic Extremist Numbers More than Triple in German Region http://www.breitbart.com/london/2018/02/08/islamic-extremist-numbers-triple-german-region/ 

Islamic Extremist Numbers More than Triple in German Region

The German region of Mecklenburg-Vorpommern has seen a dramatic increase in the number of radical Islamic extremists.

breitbart.com

O número de casos de terrorismo também aumentou muito entre 2016 e 2017. No ano passado, a agência disse que foram iniciados 1.200 casos de terror, dos quais 1.000 foram relacionados a elementos islâmicos radicais. Em 2016, o número total era de 250, com 200 dos casos ligados ao islamismo radical.

O relatório ecoa o de outras agências de segurança na Europa, que continuam a revelar um aumento no número de extremistas radicais.

A agência de segurança sueca Säpo informou que o número de extremistas islâmicos no ano passado subiu para 2 mil , um aumento de dez vezes em relação a 2010.

Na França, a lista de terroristas, conhecida como S-File, contém cerca de 20.000 indivíduos,  e o perigo deve aumentar no país, já que 450 radicais condenados devem ser libertados de prisões em todo o país até o final do ano. Próximo ano. Cerca de 50 dos prisioneiros libertados são considerados ameaças terroristas.

Com imagem e informações Breitbart

Mossad frustrou ataque terrorista na França planejado por diplomata iraniano

O serviço secreto israelense Mossad frustrou um ataque terrorista no mês passado, dando às autoridades da França, Alemanha e Bélgica informações que levaram à prisão de uma célula, liderada por um diplomata iraniano, que planejava bombardear uma manifestação de um grupo iraniano exilado.

O coordenador da operação, segundo o relatório, era um diplomata iraniano na embaixada austríaca em Viena, que foi preso na Alemanha, junto com dois cidadãos belgas e um suposto cúmplice na França.

Os membros da célula supostamente tinham equipamentos de comunicação e, de acordo com promotores belgas, o casal, descrito como “de origem iraniana”, carregava 500 gramas do explosivo TATP junto com um dispositivo de detonação quando um esquadrão de elite os localizou em um bairro residencial de Bruxelas.

Com imagem e informações The Times of Israel